A Empresa Familiar no Código Civil Italiano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Empresa Familiar no Código Civil Italiano"

Transcrição

1 Pedro Figueiredo Rocha Pós-graduado em Direito Empresarial pela Universidade Gama Filho - RJ Mestrando em Direito Empresarial pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG A Empresa Familiar no Código Civil Italiano Sumário: I - Contexto Italiano. II Empresa Familiar. III Critérios para Constituição. IV Empresário Individual ou Coletivo?. V Direitos. VI - Transferência dos Direitos. VII Liquidação da Participação. VIII - Direito de Preferência. IX - Comunhões Tácitas Familiares da Agricultura x Empresa Familiar. X Tributação dos valores recebidos pelos familiares. XI - Pacto de Família. XII Contexto Brasileiro. XIII Conclusão I Contexto Italiano A Itália é um país onde há tradição em empresas familiares. Até 1975, o trabalho de familiares na empresa, quando não regulado pelo direito do trabalho ou pelo direito societário, não contemplava nenhuma proteção específica. Ou seja, se os parentes do empresário não fossem efetivamente trabalhadores ou sócios da empresa, a estes não eram garantidos nenhum direito. Isso porque na tradição italiana predomina a gestão da empresa por seu fundador, até que ocorra a sucessão para o primogênito masculino, normalmente. E, ainda, esta colaboração de familiares era sempre vista como uma atividade voluntária, que decorria apenas do vínculo afetivo familiar. Contudo, o que se verifica na Itália, e que também é uma realidade no contexto brasileiro, é que esta transição dos negócios de pai para filho, sem qualquer preocupação com a gestão dos familiares, nem sempre acontece de uma forma

2 tranqüila. Muitas destas transferências acabam no judiciário, inviabilizando a continuidade de muitas empresas. A devida preocupação com a empresa familiar é bastante justificável, tendo em vista que 80% do setor econômico italiano é composto por empresas familiares. Dentre estas, apenas 50% conseguem se manter após a segunda geração, e destas apenas 20% sobrevivem à terceira geração. 1 Esta estatística ocorre por diversos fatores, dentre eles a falta de organização interna da empresa familiar no que tange à colaboração de familiares na atividade empresarial e sucessão hereditária. Buscando-se adequar a esta realidade, a Lei nº 151 de introduziu o art. 230-bis no Código Civil Italiana, regulando a empresa familiar. II Empresa Familiar O artigo 230-bis do Código Civil Italiano tem a seguinte redação: Salvo se configurar relação diversa, o familiar que presta de modo continuado sua atividade de trabalho na família ou na empresa familiar tem direito à manutenção segundo a situação patrimonial da família e participa dos lucros da empresa familiar e dos bens adquiridos em decorrência do incremento do estabelecimento comercial, bem como do avviamento, na proporção correspondente à quantidade e qualidade do trabalho prestado. As decisões concernentes à disposição dos lucros e dos incrementos do estabelecimento comercial, assim como daquelas inerentes à gestão extraordinária, à unidade produtiva e à cessação da empresa são adotadas, por maioria, pelos familiares que participam da mesma empresa. Os familiares participantes na empresa que não estiverem em plena capacidade de agir serão representados pelo voto de seu representante. O trabalho da mulher é considerado equivalente ao do homem. 1 Cf. VALLONE, Cinzia. Italian family agreements and business continuity. University of Milan- Bicocca, Series of Paper n. 4/2008, Milano. Disponível em: Acesso em :

3 Quanto ao disposto no final do primeiro parágrafo, entende-se como familiar o cônjuge, os parentes até o terceiro grau, os afins até o segundo, por empresa familiar aquela em que colabora o cônjuge, os parentes até o terceiro grau, os afins até o segundo grau. O direito de participação ao qual o primeiro parágrafo se refere é intransferível, salvo se em favor de familiar indicado no parágrafo precedente, com o consenso de todos os demais participantes. Tal direito pode ser liquidado em dinheiro, na cessação da prestação do trabalho, por qualquer causa, e, ainda, no caso de alienação do trabalho, por qualquer causa, e, ainda, no caso de alienação do estabelecimento comercial. O pagamento pode ocorrer em prazo maior que um ano, fixado, na ausência de acordo, pelo Juiz. Em caso de sucessão hereditária ou de transferência do estabelecimento comercial o familiar colaborador referido no primeiro parágrafo terá direito de preferência sobre a aquisição do estabelecimento comercial. Aplica-se, no que compatível, o disposto no art As comunhões tácitas familiares no exercício da agricultura são reguladas pelos usos e costumes que não contrariem as normas precedentes. 2 (tradução livre) 2 Art. 230-bis Impresa familiare Salvo che configurabile un diverso rapporto, il familiare che presta in modo continuativo la sua attività di lavoro nella famiglia o nell'impresa familiare ha diritto al mantenimento secondo la condizione patrimoniale della famiglia e partecipa agli utili dell'impresa familiare ed ai beni acquistati con essi nonché agli incrementi dell'azienda, anche in ordine all'avviamento, in proporzione alla quantità alla qualità del lavoro prestato. Le decisioni concernenti l'impiego degli utili e degli incrementi nonché quelle inerenti alla gestione straordinaria, agli indirizzi produttivi e alla cessazione dell'impresa sono adottate, a maggioranza, dai familiari che partecipano alla impresa stessa. I familiari partecipanti all'impresa che non hanno la piena capacità di agire sono rappresentati nel voto da chi esercita la potestà su di essi. Il lavoro della donna è considerato equivalente a quello dell'uomo. Ai fini della disposizione di cui al primo comma si intende come familiare il coniuge, i parenti entro il terzo grado, gli affini entro il secondo; per impresa familiare quella cui collaborano il coniuge, i parenti entro il terzo grado, gli affini entro il secondo. Il diritto di partecipazione di cui al primo comma è intrasferibile, salvo che il trasferimento avvenga a favore di familiari indicati nel comma precedente col consenso di tutti i partecipi. Esso può essere liquidato in danaro alla cessazione, per qualsiasi causa, della prestazione del lavoro, ed altresì in caso di alienazione dell'azienda. Il pagamento può avvenire in più annualità, determinate, in difetto di accordo, dal giudice. In caso di divisione ereditaria o di trasferimento dell'azienda i partecipi di cui al primo comma hanno diritto di prelazione sull'azienda. Si applica, nei limiti in cui è compatibile, la disposizione dell'art Le comunioni tacite familiari nell'esercizio dell'agricoltura (2140) sono regolate dagli usi che non contrastino con le precedenti norme. (versão original)

4 Este artigo garantiu uma proteção à atividade desempenhada pelo cônjuge ou por parentes na empresa familiar que antes não era contemplada, estabelecendo-se um novo paradigma no contexto empresarial italiano. Para se compreender o funcionamento desta empresa familiar, deve-se, primeiramente, buscar noções do direito italiano do conceito de empresário. Este conceito está disposto no artigo do Código Civil Italiano: Empresário é aquele que exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção e troca de bens e serviços 3 (tradução livre) Verifica-se a proximidade desta definição com o conceito de empresário do Código Civil Brasileiro, demonstrando a influência da legislação italiana em nosso ordenamento jurídico, e como podemos buscar modelos satisfatórios naquela legislação para buscarmos soluções no direito empresarial brasileiro. O contexto italiano antes da introdução do artigo 230-bis era que o familiar colaborador não possuía qualquer direito à aferição de lucros ou outros direitos decorrentes do esforço empregado na empresa. Ocorrendo a sucessão hereditária, o herdeiro que colaborava com a empresa familiar concorria na participação societária na mesma proporção de um herdeiro que não exercia qualquer atividade na empresa, por exemplo. A alteração do Código Civil Italiano prevê, como forma de proteger este cônjuge ou parente participante, a criação de uma empresa entre estes familiares. Assim, não restou apenas garantida uma valorização pelo trabalho prestado, mas também uma atribuição de direitos decorrentes desta atividade. Há que diferenciar, primeiramente, as empresas familiares de outros institutos do direito italiano. 3 Art Imprenditore E' imprenditore chi esercita professionalmente un'attività economica organizzata (2555, 2565) al fine della produzione o dello scambio di beni o di servizi (2135, 2195). (versão original)

5 A empresa familiar não é um tipo societário legal, mas sim uma contextualização específica. A empresa não será constituída como familiar, mas será configurada como tal quando for necessário atribuir direitos aos participantes. Ainda, de acordo com a definição legal, esta somente ocorrerá quando houver um patriarca ou matriarca que é o único empresário, sem a presença de qualquer sócio, enquanto os demais familiares são os colaboradores. Dessa forma, o artigo não terá aplicação caso os familiares prestem serviços para uma sociedade empresarial. Com isso, não é considerada uma empresa familiar, sujeita à disposição do artigo 230-bis, uma empresa onde são sócios pais e filhos, por exemplo. Muito embora Normalmente, as empresas familiares são pequenas empresas, mas esta não é a regra. Também existem pequenas empresas que não constituem empresas familiares, bem como há empresas familiares que não são pequenas empresas. III Critérios para Configuração A primeira parte do artigo 230-bis atribui uma exigência para a configuração de uma empresa como familiar: Salvo se configurar relação diversa, o familiar que presta de modo continuado sua atividade de trabalho na família ou na empresa familiar (...) 4 (tradução livre) Assim, aquele familiar que emprega esforços na empresa, de modo continuado, terá esta proteção legal. De acordo com a doutrina italiana, "continuidade" é sinônimo de constância, regularidade ao longo do tempo. Este termo é usado para se referir à duração da atividade e estabilidade, sendo que nenhum familiar pode ser considerado 4 Art. 230-bis Impresa familiare Salvo che configurabile un diverso rapporto, il familiare che presta in modo continuativo la sua attività di lavoro nella famiglia o nell'impresa familiare (...) (versão original)

6 um membro participante caso desempenhe trabalho ocasional ou casual. Da mesma forma, é indiscutível que a "continuidade" não é necessariamente "exclusividade"; em outras palavras, a cooperação do familiar pode não ser em tempo integral. Há discussão na doutrina e jurisprudência se as atividades no âmbito familiar deveriam ser mais prevalentes do que qualquer outra para se caracterizar como participante. Independentemente da dificuldade de identificar objetivamente os parâmetros para se fazer essa avaliação de prevalência, a doutrina inclina-se a resolver a questão no sentido de que, considerando os direitos atribuídos pelo legislador, o familiar teria que empregar mais esforços na empresa do que em outras atividades para ser considerado participante. Cabe frisar, ainda, que este artigo só se aplicará caso não haja outra espécie de vínculo entre os familiares, como vínculo empregatício ou societário. Nos termos do referido artigo, considera-se como familiar o cônjuge, os parentes até o terceiro grau e os afins até o segundo grau. Vale ressaltar que, sendo um instituto criado por lei, estes requisitos devem todos ser preenchidos para caracterização da empresa familiar. Há que se diferenciar, ainda, a empresa familiar disposta no artigo 230-bis da empresa conjugal. Nesta, há uma gestão comum, ou seja, a atividade empresarial é exercida conjuntamente pelos cônjuges, diferentemente do que ocorre na empresa familiar, em que os familiares são participantes/colaboradores da atividade empresarial exercida por dos cônjuges. IV Empresário Individual ou Coletivo? Há, na jurisprudência e doutrina italiana, discussão acerca da individualidade ou coletividade da empresa familiar. O entendimento predominante é no sentido de que se trata de uma empresa individual, com um único empresário titular, tendo a participação dos familiares apenas uma importância no âmbito interno. Somente o empresário, real gestor

7 da empresa, assume o risco do empreendimento, com responsabilidade ilimitada e sujeito à falência em caso de insolvência. Nesta hipótese, entendese que os familiares participantes não responderiam solidariamente e pessoalmente pelas dívidas da empresa. Esta empresa individual teria uma base associativa, mas não caracterizaria uma empresa coletiva. Em entendimento contrário, existem aqueles que reconhecem a existência de um empreendimento coletivo, confiada à gestão de todos os participantes, que assumem responsabilidade solidária e ilimitada pelas dívidas da empresa familiar. 5 Essa corrente tem por base a premissa de que sem risco, não há atividade empresarial. Com isso, os familiares participantes estariam inseridos no conceito de Empresário do Código Civil Italiano, tendo em vista que se organizam, por meio de bens e serviços, para a finalidade da empresa, que é o lucro. E, sendo empresários, também deveriam assumir o risco do empreendimento, o que só seria possível se a empresa familiar fosse considerada coletiva. Neste caso, formar-se-ia uma espécie de sociedade em nome coletivo, que também existe no ordenamento jurídico italiano. Contudo, a jurisprudência majoritária é no sentido de que a empresa familiar é individual. A Corte de Cassação se manifestou no sentido de que os familiares apenas podem responder pelas dívidas da empresa familiar e ter a falência decretada na hipótese de ser constatada uma sociedade de fato; caso contrário, apenas o empresário titular poderá sofrer estes efeitos. Além disso, o entendimento predominante é que conceito de trabalho familiar é estranho a empreendimentos coletivos em geral, não podendo configurar dentro da mesma empresa a coexistência de duas relações, uma com base no contrato social e outro entre o empresário e a sua família, decorrentes da relação de parentesco ou afinidade. 6 Em conseqüência disso, segundo a jurisprudência italiana, a relação estabelecida entre o empresário e os membros da família que emprestam o 5 CAMPOBASSO, G. F., Diritto Comerciale, V. 1, UTRT Giuridica, Corte de Cassação Italiana, 06 agosto de 2003, n º 11881

8 seu trabalho à empresa é classificado por parasubordinado. Eventual disputa inerente a esta relação será atribuída à justiça do trabalho. 7 Com isso, considera-se empresa familiar aquela na qual o empresário individual exerce sua atividade, com a colaboração dos familiares, sendo que apenas o titular continua respondendo com seu patrimônio pelas dívidas da sociedade. V Direitos (a) Direito de uma Manutenção (retirada) A disciplina da empresa familiar concede direitos e poderes aos membros da família que exerçam suas atividades nas condições anteriormente descritas. O artigo 230-bis reconhece ao familiar participante direitos de conteúdo patrimonial (direito de manutenção, direito de lucros e aumento do avviamento, liquidação das quotas, etc.) e poderes de conteúdo nãopatrimonial (participação nas decisões de gestão relativas ao negócio). O primeiro direito concedido aos participantes é a manutenção (espécie de retirada mensal). Por disposição expressa de lei, esta se dará de acordo com a condição de riqueza da família, não sendo afetado pelo desempenho real do participante na empresa, devendo ser satisfeita mesmo se a empresa não tenha lucros. Esta manutenção tem a finalidade de dar um rendimento adequado para que o participante possa atender necessidades básicas, de acordo com a situação financeira da família. (b) Direito de Distribuição de Lucros Além do direito de manutenção, o art. 230-bis reconhece ao familiar participante um direito aos lucros e bens adquiridos com eles, bem como os incrementos do estabelecimento comercial, mesmo em relação ao avviamento, na proporção da qualidade e quantidade do trabalho realizado. 7 Corte de Cassação Italiana, 01 de julho de 1997, n º 5875.

9 De acordo com alguns doutrinadores, salvo disposição em contrário das partes, a repartição dos lucros deve ser realizada quando o participante não mais trabalhar na empresa, ou no momento da extinção da própria empresa. Baseiam esta afirmação com dois argumentos: a) Membros da família já gozam do direito de manutenção perante o titular da empresa familiar, b) do artigo. 230-bis confere também um direito sobre os bens adquiridos com os lucros do negócio da família. Mas há outros autores que dizem que na ausência de uma assembléia de acionistas decidindo o contrário, o ganho deve ser liquidado naquele período de apuração, uma vez que esta distribuição de lucro é uma obrigação do empresário. Independente da solução adotada, a doutrina italiana assevera que este direto aos ganhos não constitui uma propriedade sobre os bens adquiridos com os mesmos, mas sim representa um direito de crédito do familiar participante contra a empresa, que poderá ser cobrado na liquidação da empresa ou na cessação do trabalho pelo familiar. As mesmas considerações podem ser repetidas no que tange ao aumento (valorização) do estabelecimento comercial, que também é direito do colaborador na proporção da qualidade e quantidade do trabalho realizado. O artigo ainda cita a expressão mesmo em relação ao avviamento. O avviamento é a valorização do estabelecimento comercial decorrente da relação de complementaridade entre os bens que o compõe, formando um complexo unitário que possui um valor superior à soma dos bens individualmente considerados. Assim, o avviamento, que pode também ser atribuído ao trabalho prestado pelo familiar, se incluirá no direito de crédito que este possuirá perante a empresa familiar. (c) Direitos não-patrimoniais O artigo 203-bis, além dos direito patrimoniais acima referidos, ainda garante os seguintes direitos não-patrimoniais aos familiares participantes:

10 As decisões concernentes à disposição dos lucros e dos incrementos, assim como daquelas inerentes à gestão extraordinária, à unidade produtiva e à cessação da empresa são adotadas, por maioria, pelos familiares que participam da mesma empresa. 8 (tradução livre) Verifica-se, assim, que a legislação garante aos familiares colaboradores o direito de decidir, por maioria de votos, questões de gestão de grande importância para a vida empresarial, especificamente listados no artigo citado. O artigo em comento, no momento da sua entrada em vigor, deu origem a grandes diferenças de interpretação sobre a natureza da empresa familiar, com alguns doutrinadores atribuindo caráter coletivo à empresa porque esta norma dá poder de voto ao familiar em decisões de gestão da empresa, o que introduziria a idéia de princípios e instituições do direito das sociedades. Contudo, como já se referiu, a orientação doutrinária e jurisprudencial na Itália é de que a empresa familiar é mesmo uma empresa individual. Primeiramente, porque os poderes de administração atribuídos ao familiar participante permanecem confinados na esfera íntima da própria empresa e são irrelevantes para terceiros que entram em contato com o empresário. Assim, se considerar que estes atos apenas dizem respeito ao âmbito interno da empresa familiar, várias conseqüências são esperadas, por exemplo: impossibilidade de os familiares imporem suas decisões ao empresário, validade e eficácia dos atos praticados pelo empresário perante terceiros mesmo que contrários ao decidido na votação da empresa familiar (tendo em vista que não há norma específica sobre publicidade destes atos), dentre outros. Neste caso, teria o colaborador apenas um direito de indenização contra o empresário caso resultasse algum prejuízo. Certamente não é fácil quantificar os danos; no entanto, deve-se levar em conta que estas decisões unilaterais do empresário, contra a vontade dos familiares, podem afetar a posição atual do familiar na empresa e suas expectativas futuras. 8 Art. 230-bis Impresa familiare (...) Le decisioni concernenti l'impiego degli utili e degli incrementi nonché quelle inerenti alla gestione straordinaria, agli indirizzi produttivi e alla cessazione dell'impresa sono adottate, a maggioranza, dai familiari che partecipano alla impresa stessa. (versão original)

11 Da leitura do artigo ainda se percebe que os poderes de votos dizem respeito principalmente, à destinação dos lucros da empresa. Assim, esta deliberação pode abordar distribuição dos lucros, atribuição de lucros a outros investimentos, compra de bens pela empresa, etc. A última categoria de decisões que a lei atribui ao participante familiar está relacionada com o encerramento da empresa. O empresário, posto que gestor da empresa, não é obrigado a continuar as operações contra a sua vontade, podendo impor a cessação da atividade, mesmo contra a vontade dos outros familiares. A decisão de encerramento da empresa que ocorrer contra a votação garante aos demais familiares, se for o caso, um pedido de indenização contra o empresário que, sem justa causa, não cumpriu a decisão da deliberação. Resta esclarecer, por fim, que os votos desta deliberação serão sempre por cabeça, sendo um voto para cada familiar participante, independente da qualidade e quantidade do trabalho. Além desses direitos, o Tribunal de Cassação Italiano especificou que, como resultado do trabalho realizado, também pode o familiar ter direitos previdenciários, seguro contra acidentes de trabalho ou doenças profissionais e invalidez. 9 VI Transferência dos Direitos O artigo 230-bis ainda dispõe que: O direito de participação ao qual o primeiro parágrafo se refere é intransferível, salvo se em favor de familiar indicado no parágrafo precedente, com o consenso de todos os participantes. 10 (tradução livre) Percebe-se, claramente, a intenção do legislador de desencorajar a entrada de estranhos na empresa familiar. Mas a lei não explica especificamente qual 9 Corte de Cassação - 458/1992, 476/1987, 170/ Art. 230-bis Impresa familiare (...) Il diritto di partecipazione di cui al primo comma è intrasferibile, salvo che il trasferimento avvenga a favore di familiari indicati nel comma precedente col consenso di tutti i partecipi. (versão original)

12 seria este direito intransferível. Por um lado pode significar a "participação" como um direito de crédito contra o empresário na participação dos lucros já acumulados pelo familiar, por outro lado poderia sugerir a transferência do posto de trabalho na família. Neste último caso, a lei exigiria o consentimento unânime dos outros familiares para o ingresso de um novo participante (parente ou cônjuge), na empresa. Contudo, se se tratasse de uma entrada simples deste novo familiar para ser colaborador, esta votação não seria exigida. Devido a essa incongruência, a doutrina chegou à conclusão de que se trata, por solidariedade familiar, de uma possibilidade de transferência de participação a um familiar que não era participante e também não pretende trabalhar na empresa depois de receber esta participação. VII - Liquidação das Quotas O Art. 230 bis, parágrafo 4, após estabelecer quais são as possibilidades de transferência do direito de participação (conforme item acima), dispõe que o mesmo pode ser liquidado em dinheiro. Existem várias causas que podem levar à cessação da relação de negócio da família. Por exemplo com a morte do familiar, com a sua exclusão por justa causa, ou a perda de laços familiares, em caso de divórcio. O montante que o familiar retirante, ou seus herdeiros, devem receber na liquidação deve ser calculado com base na participação dos lucros e ganhos de capital atribuível à empresa enquanto ele participava, de acordo com a qualidade e quantidade de trabalho. Deve-se levar em consideração, ainda, o valor dos bens adquiridos com os lucros do respectivo período. O artigo dispõe expressamente que o pagamento será em dinheiro, mas nada impede que seja recebido de outra forma para viabilizar a continuidade da empresa.

13 VIII Direito de Preferência O artigo 230-bis ainda dispõe que: Em caso de sucessão hereditária ou de transferência do estabelecimento comercial, o familiar participante referido no primeiro parágrafo terá direito de preferência sobre a aquisição do estabelecimento comercial. Aplica-se, no que compatível, o disposto no art (tradução livre) Assim, a lei ainda atribui ao familiar participante a possibilidade de se manter no negócio da família, por meio de preferência sobre a transferência de participação na empresa no caso de alienação do estabelecimento comercial. Este direito também é estendido pela lei no caso de sucessão hereditária. Verifica-se, na jurisprudência, que alguns dos herdeiros do empresário têm garantido maior participação na empresa em detrimento de outros, reservandolhes a propriedade da empresa que emprestou seu trabalho, através do direito de preferência. Trata-se de incentivo aos futuros sucessores a trabalharem para garantir o que de fato vão herdar, não concorrendo igualitariamente com familiares que em nada contribuíram para o crescimento da empresa familiar. IX - Comunhões Tácitas Familiares da Agricultura x Empresa Familiar Antes de 1975, o trabalho dos familiares era tutelado pela comunhão tácita de familiares, instituto do setor agrícola onde os familiares, formando um patrimônio comum indivisível, trabalhavam em posição paritária, exercendo coletivamente a atividade empresarial. Esta comunhão tácita surge espontaneamente através do vínculo familiar, possuindo um caráter assistencial. Note-se que, no caso da comunhão tácita, é necessária a convivência dos familiares para a sua constituição. Este requisito não é necessário para a 11 Art. 230-bis Impresa familiare (...) In caso di divisione ereditaria o di trasferimento dell'azienda i partecipi di cui al primo comma hanno diritto di prelazione sull'azienda. Si applica, nei limiti in cui è compatibile, la disposizione dell'art (versão original)

14 empresa familiar, considerando que neste caso o que importa é o trabalho contínuo por um parente, e não a convivência entre eles. O artigo 230-bis celebra que As comunhões tácitas familiares no exercício da agricultura são reguladas pelos usos e costumes que não contrariem as normas precedentes. 12 (tradução livre) Considerando as diferenças existentes entre os institutos, principalmente no que tange à convivência entre os familiares, tem-se que a comunhão tácita ainda existe no ordenamento jurídico italiano, utilizando-se do referido artigo para contemplar determinadas situações que não contrariem os usos e costumes da comunhão tácita. X Tributação dos valores recebidos pelos familiares Inicialmente, devido à ausência de definição entre individualidade e coletividade da empresa familiar, a declaração de imposto de renda era realizada por cada participante de acordo com a sua proporção nos lucros da empresa. Após, consolidou-se o entendimento, baseado na individualidade da empresa familiar, de que o empresário que deve atestar, em sua declaração de imposto, a participação dos familiares, de acordo com a qualidade e quantidade do trabalho realizado por cada um deles, e ainda declarando que os mesmo trabalharam continuamente e dominantemente naquela empresa. Ainda, o art. 5 º da Lei de 1984, n º 853, dispõe que o lucro atribuído aos familiares participantes não pode exceder 49% da renda declarada pelo empresário, e é excluída a possibilidade de participação daquele familiar que é formalmente empregado na empresa familiar. 12 Art. 230-bis Impresa familiare 12 Le comunioni tacite familiari nell'esercizio dell'agricoltura (2140) sono regolate dagli usi che non contrastino con le precedenti norme. (versão original)

15 XI Pacto Familiar A partir de 1975, criou-se um novo contexto na Itália, com o incentivo à participação dos familiares na empresa devido à valorização dos serviços prestados. Contudo, a estatística na Itália demonstrava que, mesmo após a proteção consubstanciada no artigo 230-bis, as empresas familiares tinham e ainda têm dificuldades de se manter no mercado por mais de 01 geração. E esta dificuldade se explica, dentre outros motivos, por problemas familiares para transição hereditária da participação do empresário aos filhos. Isso se dá na Itália devido à tradição de que a gestão do fundador ocorre praticamente isolada. Desta maneira, mantendo o fundador o controle da empresa até a sua morte, quando a sucessão se dá pela vontade do mesmo, nem sempre ocorrerá nos termos da lei, avaliando qualitativamente e quantitativamente o trabalho prestado. E, como se sabe, uma empresa não pode esperar até que os herdeiros entrem em consenso para estabelecer de quem será a direção e outras relações empresariais fundamentais. Muitas empresas têm a falência decretada enquanto aguardam estas definições. Visando evitar este colapso, o ordenamento italiano instituiu um planejamento sucessório nas empresas familiares, através da Lei nº 55/2006. Esta lei introduziu o artigo 768-bis no Código Civil Italiano, onde se conceitua o pacto de família como: O contrato com o qual, havendo compatibilidade com as disposições em matéria de empresa familiar e ao respeito das diferenças de tipos societários, o empreendedor transfere, em todo ou em parte, o estabelecimento comercial e o titular das participações societárias transfere, em todo ou em parte, as próprias quotas, a um ou mais descendentes. 13 (tradução livre) 13 Art. 768-bis - Nozione (del patto di famiglia) È patto di famiglia il contratto con cui, compatibilmente con le disposizioni in materia di impresa familiare e nel rispetto delle differenti tipologie societarie, l'imprenditore trasferisce, in tutto o in parte, l'azienda, e il titolare di partecipazioni societarie

16 Neste pacto, busca-se estipular como será transferido o estabelecimento comercial e como a empresa será administrada quando ocorrer a sucessão hereditária. Este pacto é elaborado previamente à morte do fundador, com a anuência dos familiares, e tem sido praticado e aceito na Itália para evitar problemas na transição da empresa. XII Contexto Brasileiro Os empreendimentos familiares no Brasil, na década de 1990, representam mais de 95% das organizações. 14 As estatísticas apontam que, de cada 100 empresas familiares fundadas no Brasil e no mundo, apenas 30 sobrevivem à 2ª geração, 15 à 3ª geração e quatro à 4ª geração. 15 Estes números demonstram claramente que deve ser dada uma atenção especial às empresas familiares no Brasil, principalmente porque não há qualquer norma no ordenamento jurídico semelhante à proteção garantida aos familiares participantes do direito italiano. Nos dias de hoje, já se percebe uma pequena evolução no sentido de os empresários se preocuparem em remodelar seu sistema de gestão para adequar a transferência do negócio da família quando da sucessão hereditária. Contudo, ainda são pouco aplicadas em comparação à importância da empresa familiar no Brasil. Da análise do artigo 230-bis, verifica-se que na Itália são reguladas diversas situações que o Brasil ainda não possui qualquer regulamentação. Uma que merece atenção especial é o direito de preferência de aquisição de participação trasferisce, in tutto o in parte, le proprie quote, ad uno o più discendenti. (versão original) 14 Tondo, 1999; Gersick, K. ;Davis, J.; Hampton, M e Lansberg, I, HSMManagement, 2003.

17 na empresa por aquele familiar que efetivamente prestou o seu serviço para a empresa. Por diversas vezes, um patriarca possui uma empresa onde há filhos que trabalham na empresa e investem sua carreira profissional ali; mas também possui outros filhos que seguem outras carreiras e nunca deram qualquer colaboração para a empresa. Quando da morte do empresário, os filhos que nunca deram qualquer colaboração para o empreendimento poderão se tornar sócios da empresa, com o mesmo número de quotas daquele filho que se dedicou à empresa por toda sua vida. Esta intromissão pode gerar vários conflitos indesejáveis, já que sócios que não teriam conhecimento do funcionamento do empreendimento passariam a ter poder de voto, dentre outros poderes decorrentes da condição de sócio. Uma solução plausível, que não encontra respaldo no ordenamento jurídico brasileiro, seria atribuir preferência ao filho colaborador para adquirir as quotas da empresa, enquanto os filhos não colaboradores herdariam outros possíveis bens do empresário. XIII Conclusão É notório que a sucessão hereditária é um obstáculo na vida da empresa. Tanto no Brasil quanto na Itália existem estatísticas apontando um alto número de empresas que não sobrevivem na transição de gerações. Isso porque a maioria das vezes a transferência dos negócios de pai para filho acontece sem qualquer planejamento e sem qualquer preocupação com a gestão dos familiares. A Itália deu um primeiro passo para tentar solucionar o problema, em 1975, quando introduziu o artigo 203-bis no Código Civil Italiano. Este artigo garantiu uma proteção à atividade desempenhada pelo cônjuge ou por parentes na empresa familiar que antes não era contemplada, estabelecendo-se um novo paradigma no contexto empresarial italiano.

18 São muitas as peculiaridades da empresa familiar do Código Civil Italiano e não sabemos quão eficiente seria a aplicação desta estrutura no direito brasileiro. Contudo, é certo que não devemos simplesmente copiar modelos de outros países, mas sim verificar instrumentos úteis e possivelmente adaptá-los em nosso ordenamento. Deste artigo podemos extrair algumas situações recorrentes no Brasil que ainda não são reguladas, e, caso o fossem, muitos conflitos poderiam ser evitados e muitas empresas poderiam evitariam conflitos que atingem diretamente o bom andamento do empreendimento.

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

ASPECTOS PRÁTICOS DE PLANEJAMENTO PATRIMONIAL/SUCESSÓRIO APLICADOS AO AGRONEGÓCIO

ASPECTOS PRÁTICOS DE PLANEJAMENTO PATRIMONIAL/SUCESSÓRIO APLICADOS AO AGRONEGÓCIO ASPECTOS PRÁTICOS DE PLANEJAMENTO PATRIMONIAL/SUCESSÓRIO APLICADOS AO AGRONEGÓCIO * Pedro Paulo Moreira Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Após passar a vida se dedicando ao desenvolvimento de seus negócios e à formação

Leia mais

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS -------------------------------- [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem contem o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição

Leia mais

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA Introdução A sociedade decorre de um contrato entre pessoas que contribuem com bens e serviços para o exercício de determinada atividade visando a partilha de resultados. A Sociedade

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações da T4F ENTRETENIMENTO S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembléia

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS NOME DO ADVOGADO, brasileiro, divorciado, advogado, inscrito na OAB/BA sob n ------, CPF.: -----------------------, residente e domiciliado nesta

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL O QUE É?

ESTATUTO SOCIAL O QUE É? ESTATUTO SOCIAL O QUE É? O Estatuto Social é o documento que constitui a Empresa Júnior como associação civil, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos. É o Estatuto que traz a EJ para o

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES APROVADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DA BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE

Leia mais

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há vários tipos de estruturas societárias possíveis; Análise da realidade de cada empresa; Objetivos dos

Leia mais

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br Apresentação - objetivo Verificação legislações (societária e concorrencial) Comparação das legislações

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO I. EMPREGADOR 1. Conceito A definição celetista de empregador é a seguinte: CLT, art. 2º - Considera-se empregador a empresa, individual

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

PARECER N.º 185/CITE/2013

PARECER N.º 185/CITE/2013 PARECER N.º 185/CITE/2013 I OBJETO A CITE recebeu um pedido de parecer sobre o assunto referido em epígrafe. A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) tem por missão prosseguir a igualdade

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE:

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: 1. FULANO DE TAL, nacionalidade, naturalidade, estado civil (se casado indicar o regime de bens), categoria

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA SIC 29/10* Belo Horizonte, 02 de agosto de 2010. 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 174 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA KATYLENE COLLYER PIRES DE FIGUEIREDO¹ Inspirada na Palestra dos Professores Leonardo Marques e Monica Gusmão. Está em vigor desde janeiro a Lei nº 12.441,

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE CAPÍTULO I - DA FINALIDADE CAPÍTULO II - DO GLOSSÁRIO CAPÍTULO III - DA CONSTITUIÇÃO DO PGA CAPÍTULO IV - DAS FONTES DE CUSTEIO ADMINISTRATIVO CAPÍTULO

Leia mais

Direito das Obrigações I 2.º ano A 6 de Janeiro de 2015 2 horas (Correção)

Direito das Obrigações I 2.º ano A 6 de Janeiro de 2015 2 horas (Correção) I Bento e Carlos celebraram um contrato-promessa de compra e venda de um imóvel. De acordo com o disposto no art. 410.º, n.º 2, o contrato-promessa deve ser celebrado sob a forma escrita, uma vez que o

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br A DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA POR DÍVIDAS TRABALHISTAS ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br Apresentação Palestrante: Antonio Carlos Antunes Junior Pós-graduado

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS Proc. 0131032-43.2011.8.19.0001 Consulente: REGISTRADOR DO RCPJ DA CAPITAL Vistos, etc.

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROVIMENTO Nº 001 /98 Estabelece normas e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais existentes na Universidade. O CONSELHO DE CURADORES, no uso de sua competência, atribuída através do artigo

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 5.995, DE 2009 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, Código de Defesa do Consumidor, para estender o direito de arrependimento ao consumidor

Leia mais

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra

Leia mais

O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS

O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS QUAIS SÃO SEUS RISCOS E RESPONSABILIDADES? Thaissa Taques EMPRESAS MÉDICAS Quando a sociedade vai mal o sócio também padece, e vice-versa

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA Página 1 de 6 CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. TC MEGA DATA MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº 15414.000814/2006-53

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

PARECER: 34 / 2009. ENTIDADE INTERESSADA: Instituto de Assistência e Previdência do Estado do Piauí- IAPEP

PARECER: 34 / 2009. ENTIDADE INTERESSADA: Instituto de Assistência e Previdência do Estado do Piauí- IAPEP PARECER: 34 / 2009 ASSUNTO: Necessidade de exigência de documentação de regularidade fiscal perante o INSS e FGTS em contratos com a Administração Pública. ENTIDADE INTERESSADA: Instituto de Assistência

Leia mais

Proteção Patrimonial e Planejamento Sucessório

Proteção Patrimonial e Planejamento Sucessório Proteção Patrimonial e Planejamento Sucessório Introdução Pessoa Física sócio ou administrador de uma empresa operacional. Segregar o patrimônio pessoal, como proteção contra eventual problema da sociedade

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves considerações tributárias quanto a atividade de empresário (antiga firma individual) na atividade de representação comercial Juliano César Borges de Vito* Um dos fatores preponderantes

Leia mais

Material Disponibilizado pelo Professor:

Material Disponibilizado pelo Professor: Material Disponibilizado pelo Professor: Tema: Empregado: conceito e caracterização. Empregado doméstico: conceito. Empregador: conceito e caracterização. Empresa e estabelecimento. Grupo econômico. 1.

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009 Quadro Comparativo O PRESIDENTE DO CONSELHO DE GESTÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 5º, 18 e 74 da Lei

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MODALIDADE: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005233/2011-75

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR Robson Zanetti Advogados 1 1. Origem legal da holding no Brasil Lei nº. 6.404 (Lei das S/A s). No Brasil as holdings surgiram

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER

REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER REGULAMENTO PRÊMIO FORTALECER 1. O Prêmio 1.1. Apresentação O Prêmio Fortalecer é uma iniciativa da ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico (TKCSA), dentro do escopo do PROGRAMA FORTALECER. Este prêmio

Leia mais

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br O suicídio é coberto ou não pelo seguro de vida dentro do período de carência? Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br Para responder esta pergunta, vamos entender qual a sistemática do Código

Leia mais

Direito das Obrigações (8.ª Aula)

Direito das Obrigações (8.ª Aula) Direito das Obrigações (8.ª Aula) 1) Classificação das Obrigações V: Obrigações Solidárias Ao lado das obrigações divisíveis e indivisíveis, o Código Civil regulamenta também as chamadas obrigações solidárias,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial. Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares

Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial. Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Aspectos Introdutórios No Método de Equivalência Patrimonial, diferentemente

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013.

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. Regulamenta o controle do cumprimento da jornada e do horário de trabalho pelos servidores do Senado Federal, nos termos do Ato da Comissão Diretora nº 7, de 2010. O

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 15. CONVENÇÃO SOBRE A ESCOLHA DO FORO (celebrada em 25 de novembro de 1965) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns sobre a validade e efeitos de acordos sobre

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais