Uma estrutura de ERP simplificada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma estrutura de ERP simplificada"

Transcrição

1 Uma estrutura de ERP simplificada Gestão Automatizada Armazéns Contas Clientes Gestão Clientes Análise Vendas Ordens Reaprov. Encom. Factur. Config. Encom. Previsão Vendas D R P Estrut. Produto Contas Fornec. Gestão Tesour. Controlo Stocks M P S R C C P Salários Contabil. Geral Compra Recep. M R P Gestão Capacid. Rec. Hum. Imobilizado Código Barras Gestão Manut. Controlo Fabril Gestão Qualid. Estrut. Custos 1

2 Processos Tecnológicos III Sistemas ERP Análise de necessidades de informação Constituição e estrutura típicas. Funcionalidades dos principais módulos. Algumas funcionalidades importantes Alguns problemas importantes e suas causas mais comuns Análise de necessidades de informação: J.C.Filipe O Gestor e os Sistemas de Informação Sistemas ERP Um Enterprise Resource Planning System (ERP) é um software aplicacional integrado para apoio à gestão de empresas e outras organizações. Os seus módulos principais são: Designação Portuguesa Contabilidade Geral Contabilidade de Terceiros - Fornecedores Contabilidade de Terceiros - Clientes Gestão de Clientes e Encomendas Gestão de Fornecedores, Compras e Recepção de Materiais Gestão de Stocks Estrutura de produtos (Listas de Material) Gamas Operatórias (Instruções de Fabrico) Previsão da Procura Planeamento da Produção Gestão de Capacidades Controlo da Produção Contabilidade de Custos Gestão de Projectos Gestão da Concepção de Produtos e Processos Gestão de Lotes Gestão de Armazéns Gestão da Distribuição e Logística Gestão da Manutenção Gestão dos Serviços a Clientes Gestão de Património Gestão de Recursos Humanos Designação Inglesa General Ledger Accounts Payables Accounts Receivables Customer Order Entry (Sales) Purchasing & Receiving Inventory Bills of Materials Routing Forecasting Master Scheduling / MRP Capacity Requirements Planning Work in Process (Production Control) Cost Management (Product Costing) Project Planning & Accounting Engineering Lot Control Warehouse Distribution & Logistics Maintenance Service Assets Human Resources Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 1

3 Principais Bases de Dados Clientes Fornecedores Artigos Estrutura de produto Gamas operatórias Centros de trabalho Equipamentos e ferramentas Imobilizado Pessoal Funções elementares sobre as bases de dados: Criar registos Modificar/actualizar registos Copiar registos Consultar registos / extrair relatórios Apagar registos Controlo de acessos Consultar / extrair relatórios Criar / modificar Apagar Estatísticas Consolidação de históricos Auditoria Administração das bases de dados, incluindo: Backup / restore Optimização de desempenho (tuning) Programação de consultas, de relatórios e de écrans Cadernos de encargos usuais: Listas de funcionalidades pretendidas (com a respectiva classificação A-B-C), tais como: No módulo de Gestão de Stocks: Reaprovisonamento por ponto de encomenda. Classificação A-B-C por movimentos e custo. Cativação de artigos. Custeio FIFO / LIFO / preço médio ponderado.... No módulo de Estrutura de Produtos: Mais que uma BOM para o mesmo produto. Copiar uma BOM. Componentes alternativos.... Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 2

4 No módulo de Gestão de Armazéns: Tratamento de artigos perecíveis. Criação de rotas... No módulo de Controlo da Produção: Emitir as ordens de fabrico a partir do MPS / MRP. Registar elementos sobre as operações executadas em cada máquina. Registar consumos de matérias primas e componentes.... Dimensão requerida, em função de parâmetros, tais como: N.º total de utilizadores N.º de utilizadores simultâneos N.º de artigos N.º de facturas emitidas por ano Desempenho requerido benchmarking tempos de resposta em condições especificadas, tais como: Tempo de consulta para um ficheiro com artigos Tempo de conferência de uma factura em determinadas condições Apoio na implementação Modificações de alguns módulos (programação) Configuração e parametrização Instalação Formação Consultoria Condições de manutenção e serviço pós-venda Correcção de bugs Actualizações correntes (updates) Actualização de novas versões (upgrades) Assistência à gestão de sistemas, operação e utilização Uma abordagem mais racional: 1 Quais os problemas de gestão com que a organização se depara? Tais como: Há atrasos frequentes na produção por falta de componentes. Há um valor exagerado de facturação em atraso. Há atrasos frequentes nos pagamentos a fornecedores. Há muitas queixas de clientes por atrasos nas entregas. O armazém está cheio de monos. O nível de stocks é exageradamente elevado. É muito difícil conferir as facturas de fornecedores (a que encomenda corresponde? foi tudo recebido? tem o desconto acordado? O prazo de pagamento é o acordado?...). O custo da matérias primas e componentes pesa demasiado na estrutura de custos. 2 Como é que o sistema proposto contribui eficazmente para a resolução desses problemas? Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 3

5 Exemplo: Descrição de processos e fluxos de informação O cliente ZEBRA4 que é um grossista enviou uma consulta para o fornecimento de lâmpadas fluorescentes 20W60, a entregar na semana que de 28/Maio/2001. Descrever o processo e o fluxo de informações necessários para a emissão da proposta, supondo obrigatórios os seguintes procedimentos: Verificar se ZEBRA4 já é cliente; Verificar se for cliente, se não está em incumprimento; Verificar se há 20W60 em stock, ou em produção para poder ser entregue na semana especificada. Verificar se se pode lançar a produção de 20W60 para poder ser entregue na semana especificada. Cativar o stock ou a produção (se possível). Verificar condições comerciais (descontos, plafonds de crédito, etc.) Emitir a proposta. Módulo de Gestão de Encomendas Registar consulta ZEBRA4 é cliente? Pedir informações Infos credíveis? ZEBRA4 está em incumprimento? Registar novo cliente Informar ZEBRA4 da impossibilidade do fornecimento FIM Consultar Existências (Ver página 2) Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 4

6 Módulo de Gestão de Stocks Consultar existências W60 em stock? W60 no MPS na data? (Ver página 3) Consultar Planeamento da Produção Cativar un W60 na data? Módulo de Gestão de Encomendas Determinar condições de fornecimento a ZEBRA4 Elaborar proposta para ZEBRA4 Informar ZEBRA4 da impossibilidade do fornecimento Imprimir e enviar proposta a ZEBRA4 FIM Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 5

7 Módulos de Gestão de Stocks, MPS/MRP e Capacidades Consultar Planeamento da Produção Há capacidade disponível? Há capacidade extra? Podem-se cancelar ordens? Correr MPS, MRP, CRP Transmitir à Direcção Comercial. (Regressar à página 2) Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 6

8 Algumas funcionalidades importantes Backflushing Possibilidade de obter relatórios de mão-de-obra e consumo de matérias primas e componentes a partir das quantidades produzidas Lead time offset Possibilidade de indicar que certos componentes não são necessários no início de uma fase (como o MRP exige), mas apenas algum tempo depois. Phantom assemblies Subconjuntos cuja definição é necessária para a produção, mas que não são artigos a armazenar. Gateway reporting Possibilidade de definir operações ( gateways ou checkpoints ) onde se regista a produção realizada (como se fosse uma portagem). Point of usage code Campo no ficheiro de artigo de um componente que indica o posto da linha de produção em que é incorporado na produção (e, portanto, para onde deve ser enviado). Floorstock replenishment Possibilidade de planear a entrega dos componentes nos postos da linha de produção onde vão ser utilizados. Concurrent and overlapping operations scheduling Possibilidade de planear duas operações da mesma gama operatória de modo a ocorrerem (total ou parcialmente) em paralelo. Multiple ship schedules Possibilidade de planear entregas múltiplas de um mesmo componente, de acordo com o planeamento do seu consumo. Automatic routing of receipts to production line Possibilidade de fazer o curto-circuito da recepção e enviar os componentes directamente para a linha de produção. Pegging Possibilidade de obter imediatamente informação da origem das diversas parcelas das necessidades brutas de produção (ou seja de quais os artigos de nível superior que necessitam do componente em causa). Bucket size O MRP é normalmente calculado dividindo o horizonte temporal em períodos constantes (tradicionalmente em semanas). Este período é designado como bucket size. Bucketless planning Possibilidade de fazer o cálculo diário das necessidades de materiais pelo MRP. Lot Tracking Possibilidade de registar todas as operações, as medidas dos parâmetros do processo produtivo, os relatórios de qualidade e a origem de materiais e componentes associados à produção de cada lote (obrigatório por lei nas indústrias farmacêutica e alimentar). Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 7

9 Alguns problemas importantes e suas causas mais comuns 1 Rupturas de stock e incumprimento dos planos de produção. Dificuldade em determinar as quantidades certas a encomendar Não utilização do MRP de modo correcto. Bucket size inapropriado. Mapas de utilização dos materiais sem o detalhe necessário. Dificuldade em reprogramar ordens Não utilização do MRP de modo correcto. Inexistência de uma funcionalidade de aviso do programador sobre as ordens a reprogramar. Manter indevidamente ordens em aberto O sistema não fecha as ordens parcialmente satisfeitas, embora o fornecedor as tenha fechado. Incapacidade de distinguir stock utilizável e não utilizável Não existência de um código no ficheiro de artigos indicando se todos as unidades em stock já foram aprovadas pela recepção. Não existência de um código no ficheiro de artigos indicando a data de expiração da validade do artigo. Falta de visibilidade do stock disponível ( on-hand ) O sistema dá como cativados as unidades necessárias dos artigos à espera de outros artigos (em falta) para se iniciar uma ordem de fabrico, tornando-os indisponíveis para outras ordens. Pode ser resolvido com funcionalidades de simulação de picking e o stock só é de facto reservado se não há outros artigos em falta. Atrasos dos fornecedores Falta de qualidade do fornecedor (avaliar essa qualidade com as estatísticas). Confusão do fornecedor entre a data de expedição e a data em que o material é necessário. Incapacidade de executar o MRP Não existência de aviso em tempo oportuno de atrasos em ordens de compra, já passíveis de serem conhecidos. Pode ser resolvido com informação sobre datas de expedição necessárias e prometidas, datas de descarga necessárias, atrasos na confirmação de ordens de compra, expedições pendentes, etc. Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 8

10 Não existência de informação sobre as ordens de fabrico, tal como: prioridades das ordens, carga dos centros de trabalho, mapa de input/output dos centros de trabalho. Incapacidade de identificar substitutos Estruturas de produto sem alternativas e opções. Não existência de um código no ficheiro de artigos indicando relações de substituição. Não existência de funcionalidades de simulação/sugestão. Estruturas de produto incompletas Estruturas de produto difíceis de criar (a função cópia total ou parcial é particularmente útil na simplificação). Tempos internos de fabrico muito longos Demora no envio das necessidades de materiais ao departamento de compras. Demora na colocação de ordens de compra (consulta, selecção, envio...). Atrasos anormais na encomenda de materiais Dificuldade na identificação correcta das necessidades de materiais. Eliminação de artigos activos do ficheiro. Dificuldade do sistema em reconhecer que um artigo é uma montagem e não um componente (falta do código Make/Buy ). Ordens perdidas Falta de integração entre as diversas funções. Falta de informação actual e correcta Falta de integração entre as diversas funções. Falta de actualização automática do ficheiros. Falta de identificação automática de artigos (código de barras, etc.). Incapacidade de afectar os materiais recebidos a ordens pendentes Inexistência de uma funcionalidade que permita afectar os materiais recebidos a ordens prioritárias à espera desse artigo (efectuando o reencaminhamento, se os materiais se destinavam a outra ordem). Incapacidade de cancelar ou reprogramar ordens Inexistência de uma funcionalidade de atrasar ordens. Inexistência de informação do planeamento da produção para compras sobre alterações da programação. Stock obsoleto excessivo Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 9

11 Alterações de projecto sem ter em conta as existências. Incapacidade de deixar de incorporar artigos obsoletos em produtos novos. Artigos com o prazo de validade expirado. Solução: afectar artigos a ordens começando pelos que têm a data de expiração mais próxima. Incapacidade de detectar artigos com baixa rotação pela realização de consultas e relatórios ou por emissão de um relatório específico. Expedição pelos fornecedores antes de tempo e entregas em excesso Falta de rigor na análise de desempenho dos fornecedores. Aceitação sistemática de entregas antecipadas pelos fornecedores, sem justificação. Incapacidade de gerir materiais em JIT O sistema exige a disponibilidade de todos os componentes no início da produção. Incapacidade de programar entregas múltiplas para a mesma linha da ordem de compra. Quantidades económicas de encomenda muito elevadas Incapacidade de programar entregas múltiplas para a mesma linha da ordem de compra, o que origina muitas ordens de compra e leva a incorrer nos custos de encomenda respectivos. Custos de encomenda elevados devido a procedimentos administrativos pouco eficientes. Afectação errada de produtos acabados a encomendas de clientes Afectação apenas de artigos existentes em stock, sem ter em conta os já programados. Extravio de stock Falta de confirmação do código de localização em cada movimentação do artigo no armazém. Solução: código de barras no artigo e na localização. Incapacidade de verificar os níveis de stock Inexistência de rotinas de contagem cíclica. Stock de segurança excessivo Tempos internos de fabrico muito longos. 2 Qualidade Incapacidade de avaliar a qualidade dos componentes comprados Não existência de registos e rotinas que permitam a avaliação de desempenho de fornecedores (avaliação externa) e permita a realização fácil de consultas e relatórios. Não existência de registos e rotinas que permitam a avaliação de desempenho dos vários agentes de compras (avaliação interna) e permita a realização fácil de consultas e relatórios. Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 10

12 Não existência de registos e rotinas que permitam a estabelecer, para cada artigo, uma lista ordenada de fornecedores recomendados. Não existência de registos e rotinas que permitam, para cada artigo, estabelecer estatísticas referentes à sua qualidade e permita a realização fácil de consultas e relatórios. Incapacidade de emitir as guias de inspecção para artigos a recepcionar Inexistência de rotina que emita automaticamente todas as guias de inspecção necessárias. Erros nas instruções de inspecção de artigos a recepcionar Inexistência de rotina que emita automaticamente todas as guias de inspecção necessárias, com as instruções suficientes. Falta de registos de inspecção auditáveis Inexistência de rotina que registe os dados e os resultados de todas as inspecção efectuadas e permita a realização fácil de consultas e relatórios. Incapacidade de evitar o envio à produção de artigos com o prazo de validade expirado Não afectação de artigos a ordens começando pelos que têm a data de expiração mais próxima. O sistema não altera automaticamente o código de estado dos artigos com o prazo de validade expirado. Não remoção do armazém dos artigos com o prazo de validade expirado. Incapacidade de identificar a origem de materiais com falhas de qualidade Inexistência de lot tracking. 3 Relacionamento com clientes Encomendas não entregues Planos de produção errados ou impossíveis devido a falta de capacidade. Solução: RCCP e CRP. Falta de rotinas de planeamento das expedições. Incapacidade de configurar correctamente encomendas especiais Dificuldade em gerar BOMs especiais associadas às encomendas. Incapacidade de disponibilizar aos clientes informação actualizada e correcta sobre as previsões de entrega Incapacidade de calcular o available-to-promise. Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 11

13 Incapacidade de verificar o available-to-promise, em tempo real, quando chega a consulta ou a encomenda. Incapacidade de processar rapidamente e sem erros as encomendas dos clientes Sistema de gestão de encomendas pouco eficiente (tempos longos para formar preços, verificar existências, verificar plafonds de crédito, etc.). Falta de integração do sistema de gestão de encomendas com os sistemas de gestão de stocks e de produção. Rupturas do stock de sobressalentes Incapacidade de distinguir stock de artigos para produção e para o serviço de peças. Valor muito elevado do lote mínimo de encomenda Custo de processamento de encomenda elevado (sistema pouco eficiente). Incapacidade de responder a perguntas de clientes sobre encomendas em curso Incapacidade de efectuar consultas ad-hoc sobre os ficheiros de existências e os planos de produção. Entregas em excesso ou em falta por erros de contagem Incapacidade de detectar automaticamente diferenças entre o encomendado e o expedido (detecção por pesagem com registo automático, códigos de barras, etc.). 4 Produtividade Esforço manual excessivo para processos administrativos e de gestão operacional: Causas possíveis mais frequentes (para além de algumas já acima referidas e facilmente identificáveis): Falta da funcionalidade de three-way matching para conferência de facturas (verificação electrónica da factura contra a nota de encomenda e a guia de recepção). Falta da funcionalidade de assinatura electrónica para a obtenção de aprovações. Falta da funcionalidade de conciliação bancária electrónica (conferência dos extractos das contas bancárias contra os cheques e ordens de pagamento emitidas). Falta de acesso on-line à situação das facturas pendentes Falta de emissão automática de cartas de reclamação de crédito a clientes com pagamentos em atraso. Falta da funcionalidade de geração automática das consultas ao mercado. Falta da funcionalidade de geração automática das notas de compra, incluindo as condições específicas negociadas com cada fornecedor. Dificuldade em obter rapidamente os elementos necessários para acelerar encomendas feitas a fornecedores. Dificuldade em obter rapidamente os elementos necessários para responder a consultas do planeamento de materiais ou do planeamento da produção. Falta da funcionalidade de three-way matching para apoio à recepção de materiais (verificação electrónica da factura contra a nota de compra e a guia de recepção). Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 12

14 Falta da funcionalidade de simulação do picking e da emissão automática da picking list. Falta da funcionalidade copiar excepto para criação de novos documentos (BOMs, gamas operatórias, notas de encomenda, etc.). Falta da funcionalidade de substituição global de um artigo (em todos os ficheiros e registos em que ele é utilizado). Falta da funcionalidade de substituição global de um posto de trabalho (em todos os ficheiros e registos em que ele é utilizado). Falta de gamas operatórias alternativas pré-definidas. Manutenção dos ficheiros pouco apoiada (falta de detecção de erros na entrada de dados, poucos valores por defeito pré-definidos, falta de rotinas de apoio, ausência de funcionalidades de garantia da coerência interna dos dados, falta de registos auditáveis das transacções efectuadas com o sistema). 5 Gestão de tesouraria Incapacidade de optimizar a decisão sobre a aceitação um desconto de pronto pagamento. O sistema não efectua automaticamente o cálculo da condição mais favorável. Incapacidade de prever as necessidades de tesouraria. O sistema não produz automaticamente um mapa de previsão de pagamentos. Pagamento de facturas indevidas, incorrectas ou duplicadas. Falta da funcionalidade de three-way matching para conferência de facturas (verificação electrónica da factura contra a nota de encomenda e a guia de recepção). Falta de actualização automática da situação da factura (logo que paga deve transitar de a pagamento para paga ). Perda de descontos por pagamento atrasado de facturas. Demora na conferência de facturas e assinatura da autorização de pagamento (ver 4 Produtividade). Atrasos na facturação a clientes. Falta de emissão automática da factura associada à expedição / prestação do serviço ou outra condição contratual. Gestão de crédito pouco eficaz. Incapacidade de estabelecer um plafond de crédito adequado, a partir dos registos históricos das transacções efectuadas como cliente. Incapacidade em detectar facturas a receber atrasadas e de cobrar os juros de mora respectivos. Incapacidade de anular descontos financeiros a clientes que não cumprem os prazos de pagamento acordados. Processos Tecnológicos III Notas sobre Sistemas ERP 13

15 ID Task Name 1 Implementação de um package aplicacional 2 FASE 1 - Início do Projecto 3 Fazer a reunião inicial 4 Definir a estrutura de projecto 5 Definir objectivos e responsabilidades 6 Elaborar o plano de projecto 7 Plano de projecto em aprovação 8!!! - Plano de projecto aprovado 9 FASE 2 - Preparação da implementação 10 Recolha de informação sobre a organização 11 Organigrama 12 Postos de trabalho 13 Descrição das tarefas 14 Elaborar os mapas de processos 15 Elaborar os mapas de fluxos de informação 16 Elaborar o mapas de descrição dos dados 17 Listar as modificações necessárias 18 Elaborar os novos mapas com as modificações 19 Especificar detalhadamente o novo ambiente 20 Mapas e especificações em aprovação 21!!! - Aprovar os mapas e as especificações 22 Treinar a equipa de implementação 23!!! - Estrutura para impementação pronta e aprovada 24 FASE 3 - Instalação de HW e SW 25 Criar estrutura de gestão de sistema, rede e aplicações 26 Treinar técnicos de gestão e operação do sistema operativo 27 Treinar técnicos de gestão de bases de dados 28 Treinar técnicos de gestão da aplicação 29 Definir procedimentos e rotinas de gestão e operação 30 Definir políticas e procedimentos de segurança 31 Políticas e procedimentos em aprovação 32!!! - Estrutura de gestão e operação pronta e aprovada 33 Instalar HW e SW de base 34 Instalar cablagens e rede 35 Instalar servidores 36 Instalar clientes e periféricos 37 Fazer testes e a aceitação 38!!! - HW e SW de base prontos e aprovados 39 Instalar a aplicação 40 Definir as bases de dados e a estrutura dos ficheiros 41 Copiar bases de dados e ficheiros do fornecedor 42 Instalar os diversos módulos da aplicação 43 Testar a instalação com bateria de testes do fornecedor 44!!! - Aplicação pronta para a implementação 45 FASE 4a - Implementar o MÓDULO 1 46 Rever a especificação do novo ambiente 47 Rever processos 48 Planear testes 49!!! - Plano de testes aprovado 50 Preparar dados 51 Definir valores para os parameros necessários 52 Identificar os dados existentes, a sua localização e formato 53 Planear a migração de dados 54 Efectuar o carregamento dos dados para o projecto piloto Page 1

16 ID Task Name 55!!! - Dados prontos para o arranque do módulo 56 Formalizar procedimentos 57 Definir sequências 58 Elaborar / adaptar documentação 59 Procedimentos em aprovação 60!!! - Procedimentos aprovados 61 Estabelecer regras de utilização 62 Definir e criar perfis de utilizadores 63 Definir e estabelecer condições de acesso 64 Regras de utilização em aprovação 65!!! - Regras de utilização aprovadas 66 Treinar os utilizadores 67 Efectuar testes 68 Realizar testes 69 Efectuar os ajustamentos necessários 70 Obter a aprovação dos testes 71!!! -Módulo 1 testado e aprovado 72 FASE 4b - Implementar o MÓDULO 2 73 FASE 4c FASE 4n - 76 FASE 5 - Piloto para a integração dos diversos módulos 77 Definir plano de testes de validação da integração piloto 78 Realizar testes 79 Efectuar os ajustamentos necessários 80 Obter a aprovação dos testes do projecto piloto 81!!! - Aplicação piloto integrada testada e aprovada 82 FASE 6 - Migração dos dados 83 Verificar a parametrização efectuada 84 Transferir os dados reais 85 Realizar os teste com os dados reais 86 Efectuar os ajustamentos necessários 87 Obter a aprovação dos testes com dados reais 88!!! - Aplicação integrada testada e aprovada 89 FASE 7 - Plano de transição 90 Carregar os dados para as operações diárias 91 Contabilidade 92 Encomendas 93 Compras Operar os sistemas (antigo e novo) em paralelo 96 Testar, testar, testar 97 Efectuar os ajustamentos necessários 98 Obter a aprovação do novo sistema 99!!! - Novo sistema operacional e aprovado 100 Suspender a utilização do sistema anterior 101 FASE 8 - Rever e encerrar o projecto 102 Efectuar os ajustamentos finais 103 Concluir o relatório de projecto 104 Obter a aceitação final 105!!! - PROJECTO CONCLUÍDO Page 2

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) Neste ponto, são abordados os módulos de planeamento da produção do software BaaN. Este software dispõe dos seguintes três módulos complementares de planeamento: MPS

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência problema Má organização do espaço físico Mercadoria estagnada Tempos de resposta longos Expedições incorrectas Ausência de rastreabilidade Informação

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria de Moda de Dados Técnicos Codificação de Materiais; Conceito de escalas e cartazes de cores ; Fichas Técnicas; Processos de Fabrico; Fichas

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança

Loteamento: ajustes necessários. Planeamento Industrial Aula 14. Loteamento: ajustes necessários. Stock de segurança Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Planeamento Industrial Aula 14

Planeamento Industrial Aula 14 Planeamento Industrial Aula 14 Material Requirements Planning (MRP):. loteamento. actualização Capacity requirement planning (CRP) Extensões do MRP Loteamento: ajustes necessários 2 A dimensão dos lotes

Leia mais

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção

Leia mais

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções Gestão de Produção Definição A Gestão de Produção para a Indústria Têxtil e Confecções associa o Controlo, Planeamento e Custeio Industrial dos vários sectores das denominadas Têxteis Verticais com o tratamento

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

+ = Page 2. Sistema : Características. A Empresa como um Sistema. Os Processos de Negócio como Sub-sistemas

+ = Page 2. Sistema : Características. A Empresa como um Sistema. Os Processos de Negócio como Sub-sistemas Sistemas Informação José Cruz Filipe Tópicos Conceito de Sistema A Empresa como um Sistema Conceito de Informação Dados e Informação Informação e o Processo de Decisão Sistema de Informação JCFilipe 1

Leia mais

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS 2008 Maio 7 Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 050 www@inescporto.pt www.inescporto.pt ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS

Leia mais

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta PHCLogística DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística A solução para diminuir

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Organizações. Pedro Sousa

Organizações. Pedro Sousa Organizações Índice Introdução aos Tipos de Organizações Industriais Grossistas/Armazenistas Distribuição e Retalho Logística Serviços. Áreas das Organizações Financeira Recursos Humanos Produção Marketing

Leia mais

B2C. Pedro Sousa. Pedro Sousa

B2C. Pedro Sousa. Pedro Sousa B2C Posicionamento dos Sistemas B2C Primary Activities Inbound Logistics Operations Outbound Logistics Marketing & Sales Services Support Activities Procurement Human Resource Management Infrastructure

Leia mais

Gestores Colaboradores com participação activa na Gestão da Farmácia Gestores e/ou Contabilistas - Conhecer ferramentas fundamentais para melhorar a Gestão da Farmácia; - Conhecer o peso Contabilístico/Fiscal

Leia mais

Relatório de alterações efectuadas no sistema NetBusiness 2.0

Relatório de alterações efectuadas no sistema NetBusiness 2.0 Net Business Soluções de Software Standard * Contabilidade Geral, Analítica e Orçamental * Salários e Gestão de Recursos Humanos * Gestão de Imobilizado * Gestão de Contas Correntes * Gestão de Stocks

Leia mais

Transformamos Informação em Conhecimento

Transformamos Informação em Conhecimento Transformamos Informação em Conhecimento Contabilidade Parametrização automática de uma estrutura para centros de custo. Automatização de tipos de lançamentos. Tratamento automático do final do exercício.

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

ÍNDICE ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC

ÍNDICE ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC ÍNDICE 02 04 06 08 ID FLOW FÁBRICAS DO FUTURO VANTAGENS MÓDULOS FUNCIONAIS 10 12 16 20 24 28 SOLUÇÕES FLOW FLOW MANUFACTURING FLOW QUALITY FLOW AUDIT FLOW RETAIL FLOW LOGISTIC 02 ID Flow Criada em 2006,

Leia mais

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano ÍNDICE PASSAGEM DE DADOS / FECHO DE ANO... 1 Objectivo da função... 1 Antes de efectuar a Passagem de dados / Fecho de Ano... 1 Cópia de segurança da base de

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização 2014 EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização MEE-IT, LDA 01-01-2014 1/1/2014 Índice EUROGEST... 2 Principais Módulos:... 5 Matérias Primas (Componentes)... 5 Modelos fichas Técnicas...

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA ÍNDICE MANUTENÇÃO PRIMAVERA 4 MÓDULOS CONSTITUINTES 4 CADASTRO 4 Entidades 5 Localizações 8 MATERIAIS 11 Sobresselentes, Consumíveis,

Leia mais

G e s t ã o C o m e r c i a l

G e s t ã o C o m e r c i a l Gabinetes de Contabilidade Pequenas e Médias Empresas Contabilistas Software LogiWin G e s t ã o C o m e r c i a l GENERALIDADES Este software destina-se a todas a áreas de actividade. Trata-se de uma

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 4. CONTROLO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) No módulo SFC - Shop Floor Control é controlada a execução das ordens de fabrico. Através das sessões deste módulo, o responsável pelo fabrico pode introduzir novas ordens

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado elabora Gestão é um sistema integrado de gestão por incluir no mesmo programa controlo de contas correntes de clientes, fornecedores, controlo de stocks e armazéns. Aplicação 32 Bits para ambiente Windows

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Auditoria de Gestão - 2004

Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Auditoria de Gestão - 2004 Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Auditoria de Gestão - 2004 Índice 1. Introdução 3 2. Qualidade dos Dados 4 3. Análise das Sugestões feitas na Auditoria de 2003 6 4. Processos e Fluxos de Informação

Leia mais

PHC Doc. Electrónicos CS

PHC Doc. Electrónicos CS PHC Doc. Electrónicos CS A diminuição dos custos da empresa A solução que permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais e reduzindo os custos das empresas. BUSINESS

Leia mais

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo PHCLogística CS DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística CS A solução para

Leia mais

Manual de Acertos / Contagens de Stock

Manual de Acertos / Contagens de Stock Manual de Acertos / Contagens de Stock Dezembro de 2008 ÍNDICE O MANUAL DE ACERTOS / CONTAGENS DE STOCK... 1 Introdução... 1 Objectivos... 1 Condições de Utilização... 1 ACERTOS / CONTAGENS DE STOCK...

Leia mais

PHC Logística CS BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo

PHC Logística CS BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo O módulo PHC Logística CS permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à sua expedição. PHC Logística CS A solução para diminuir os custos

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Fecho de Ano WEuroGest 2000

Fecho de Ano WEuroGest 2000 Fecho de Ano WEuroGest 2000 INTRODUÇÃO Neste documento são descritos os passos a seguir para uma boa execução do fecho de ano e respectiva conversão da empresa em euros. No final é apresentada uma checklist

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Gestão de Transportes / Operadores Logísticos

Gestão de Transportes / Operadores Logísticos Gestão de Transportes / Operadores Logísticos ÁBACO Consultores v1.0 Agenda Objectivo ABACO Vertical para Gestão de Transportes Vertical para Gestão de Operadores Logísticos ÁBACO Consultores Parceiro

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

DECISOR NEW BUSINESS CONCEPT ALL RIGHTS RESERVED ERP

DECISOR NEW BUSINESS CONCEPT ALL RIGHTS RESERVED ERP ERP C xientes da evolução do mercado dos ERP s, e do respectivo aumento de competitividade da concorrência, nas últimas duas décadas repensámos o nosso próprio ERP e aplicámos um conceito de tridimensionalidade.

Leia mais

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS APRESENTAÇÃO PARCEIROS: Introdução Preparámos-lhe esta apresentação porque acreditamos que são importantes para si e para a sua Entidade os seguintes princípios: OPORTUNIDADE

Leia mais

Módulo de CRM. Customer Relationship Management [VERSÃO 1.0] [APRESENTAÇÃO DE FUNCIONALIDADES]

Módulo de CRM. Customer Relationship Management [VERSÃO 1.0] [APRESENTAÇÃO DE FUNCIONALIDADES] Módulo de CRM Customer Relationship Management [VERSÃO 1.0] [APRESENTAÇÃO DE FUNCIONALIDADES] Um software com cada vez mais funcionalidades a pensar no seu negócio! A quem se destina As empresas que pretendem

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Finance. Estudos de Remuneração 2012

Finance. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Finance 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Finance Auditor Interno Controller Financeiro Contabilista Accounts Payable Accounts Receivable Técnico de Controlo de Crédito e Cobranças

Leia mais

Novo Order Manager para o Software NobelProcera

Novo Order Manager para o Software NobelProcera Novo Order Manager para o Software NobelProcera Guia Rápido Versão 1 O novo Order Manager facilita mais os processos e procedimentos envolvidos nas encomendas através do sistema NobelProcera. Isto inclui

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP O objectivo central desta sincronização é a utilização por parte dos clientes das funcionalidades gerais dos seus ERP s, tal como: gestão documental,

Leia mais

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer Soluções PRIMAVERA Para empresas que vão crescer 02 Soluções PRIMAVERA Soluções Para empresas que vão crescer A legislação relativa à utilização de programas informáticos de faturação certificados tem

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning):

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning): Planeamento Industrial Aula 13 Material Requirements Planning (MRP):. introdução. requisitos. plano mestre de produção. funcionamento. loteamento Definição 2 MRP (Materials Requirements Planning): Conjunto

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

PHC InterOp CS. ππ Automatizar procedimentos repetitivos ππ Executar rapidamente a mesma tarefa em diferentes empresas de seguida

PHC InterOp CS. ππ Automatizar procedimentos repetitivos ππ Executar rapidamente a mesma tarefa em diferentes empresas de seguida PHCInterOp CS DESCRITIVO PHC InterOp CS Aumento significativo da produtividade da área financeira através da execução simplificada e rápida de tarefas e operações em todas as empresas BENEFÍCIOS ππ Automatizar

Leia mais

Serviço Carta-Cheque Fev.2014

Serviço Carta-Cheque Fev.2014 Fev.01 ÍNDICE 1 CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO COMO FUNCIONA? 5 A O Cheque B As Fases do Serviço OFERTA Millennium bcp 1 PRINCIPAIS VANTAGENS PARA A EMPRESA 17 5 19 NÍVEIS DE SERVIÇO 6 0 PROCESSO DE ADESÃO

Leia mais

SISTRADE MOBILIDADE, INOVAÇÃO & TECNOLOGIA SisTrade Sistemas de Informação Angulusridet Informática, S.A. sistrade.pt BdoisB MIS ERP 100% WEB SISTRADE - Angulusridet Informática, S.A. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Dennis Tortora, Vice President Controller, Steinway & Sons

Dennis Tortora, Vice President Controller, Steinway & Sons Dennis Tortora, Vice President Controller, Steinway & Sons Quadro de Contabilidade Geral base Distribuições Orçamentos Esquema de Contas Gráfico de Barras do Esquema de Contas Consolidação Centros de Responsabilidade

Leia mais

PHC InterOp CS. O aumento da produtividade da área financeira

PHC InterOp CS. O aumento da produtividade da área financeira PHC InterOp CS O aumento da produtividade da área financeira A solução para o aumento significativo da produtividade da área financeira, através da execução simplificada e rápida de tarefas e operações

Leia mais

Planeamento da Produção

Planeamento da Produção Regula o funcionamento da ao nível operacional através de decisões do tipo o que, quando e quanto produzir ou comprar estratégico do negócio estratégico do negócio estratégico da estratégico da agregado

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

GE PowerShop. Manual de Treino

GE PowerShop. Manual de Treino Manual de Treino Agenda Inserir uma encomenda Colocar uma encomenda com base em consultas da GE Como carregar uma encomenda (base excel) Como encomendar M-Pact Como seguir as suas encomendas Como alterar

Leia mais

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Caso de estudo - Logística Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Diagnóstico e melhoria das escolhas passadas. Avaliação da necessidade de fazer escolhas futuras.

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Manual básico do Utilizador Software de Facturação e Gestão Comercial On-line Level 7 Basic, Light & Premium Este Software é fornecido com um número de

Leia mais

Flagsoft Consultoria e Produção de Software, Lda

Flagsoft Consultoria e Produção de Software, Lda Software para Gestão de Projectos WorkinProject white-paper Flagsoft ware Flagsoft Consultoria e Produção de Software, Lda Rua Caminho Novo, 5 Sobrado 4440-347 Valongo Porto Portugal Tel.: (351) 22 4159726,

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 FINANCE Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados, sendo

Leia mais

GESTÃO. Execute e controle de uma forma eficaz toda a Gestão Comercial e Financeira da sua empresa. Gestão 2008. Gestão 2008.

GESTÃO. Execute e controle de uma forma eficaz toda a Gestão Comercial e Financeira da sua empresa. Gestão 2008. Gestão 2008. Descritivo completo Execute e controle de uma forma eficaz toda a Gestão Comercial e Financeira da sua empresa Benefícios Muito fácil de utilizar; Completo em funcionalidades; Totalmente integrado ; Orientado

Leia mais

Descrição de serviço: serviço de assistência básica de hardware para o consumidor

Descrição de serviço: serviço de assistência básica de hardware para o consumidor Service Description Consumer Basic Hardware Service Descrição de serviço: serviço de assistência básica de hardware para o consumidor O seu Sistema. Para efeitos do presente Contrato, um Sistema é identificado

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Gestão de Operações Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan António Rocha Quintas, Gil Manuel Gonçalves Fevereiro de 2006

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo A CASFIG, EM Coordenação de âmbito Social e Financeiro das Habitações Sociais de Guimarães, Empresa Municipal - tem como objecto social principal a promoção e

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes.

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes. Página1 TESOURARIA Âmbito Recibos O módulo de recibos do Multi permite associar os valores recebidos de terceiros aos documentos regularizados, registar os meios de liquidação e emitir o Recibo. O recibo

Leia mais

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL Imagine um mundo onde a sua Empresa se desenvolve facilmente, onde a cooperação entre os seus funcionários, as suas filiais e o seu ambiente de negócio é simples e em que

Leia mais

Funcionalidades Standard Premier Prestige Produto

Funcionalidades Standard Premier Prestige Produto FactuPlus Evolução Funcionalidades Standard Premier Prestige Produto base* Funcionalidades gerais dos produtos Nº de postos 1 3 5 1 Nº de empresas 2 25 50 2 Muti-Utilizador Base de Dados MDB MDB MDB MDB

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

SOFTWARE RISA GESTÃO COMERCIAL. Gestão Tesouraria. Stocks. Compras. Encomendas. Gestão Obras. Gestão Produção. Vendas.

SOFTWARE RISA GESTÃO COMERCIAL. Gestão Tesouraria. Stocks. Compras. Encomendas. Gestão Obras. Gestão Produção. Vendas. GESTÃO COMERCIAL Encomendas Compras Stocks Tesouraria Obras Vendas COMERCIAL Produção Letras Listagens/Consultas C/Correntes Contabilidade DESCRIÇÃO Destina-se a assegurar a gestão, controlo e planeamento

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

PHC Letras CS. Execute todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e controle totalmente a situação por Cliente ou fornecedor

PHC Letras CS. Execute todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e controle totalmente a situação por Cliente ou fornecedor PHCLetras CS DESCRITIVO Com o módulo PHC Letras, pode ter de uma forma integrada com o módulo PHC Gestão e com o módulo PHC Contabilidade o controlo completo e simples de todas as tarefas relacionadas

Leia mais