8º Congresso de Pós-Graduação UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE EMPRESAS DO SETOR DE CERÂMICA VERMELHA E ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8º Congresso de Pós-Graduação UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE EMPRESAS DO SETOR DE CERÂMICA VERMELHA E ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA."

Transcrição

1 8º Congresso de Pós-Graduação UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE EMPRESAS DO SETOR DE CERÂMICA VERMELHA E ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA. Autor(es) FERNANDA DE ANGELE FERREIRA Orientador(es) SÍLVIA HELENA CARVALHO RAMOS VALLADÃO DE CAMARGO 1. Introdução Com a globalização, surge um novo cenário mercadológico, a abertura da economia e instalação de empresas internacionais no Brasil torna a concorrência ainda mais acirrada, em um mercado globalizado os empresários e gestores brasileiros passam a viver uma nova realidade e enfrentar novos desafios. Na década de 90, os produtos importados chegaram para competir com os produtos nacionais, oferecendo tecnologia, qualidade e soluções rápidas a baixo custo, a competitividade não dá espaço para a falta de qualidade e produtividade, surgem novos modelos de gestão, o empresário brasileiro precisou acompanhar essas mudanças, uma nova cultura precisou ser incorporada ao processo produtivo. O setor cerâmico brasileiro começou a passar por dificuldades financeiras, consequência da intensa expansão no Brasil de grandes empresas mundiais, que inseriram no mercado produtos importados e substitutos, ou seja, aqueles feitos a partir de outras matérias-primas, mas que atendem as mesmas necessidades que os produtos feitos de cerâmica vermelha, dentre esses substitutos encontramos o cimento, o plásticos PVC, o vidro e o gesso, assim ocasionando uma acirrada disputa com os fabricantes nacionais. (ACERTAR, 2005) Na década seguinte, 2000, a situação financeira se tornou insustentável para todo o setor cerâmico de tubos, telhas, blocos e lajotas, empresas como Knauf, Guardian Brasil, Saint-Gobain e Lafarge Gypsum se fortalecem no Brasil e o setor cimenteiro que se concentra em poucas empresas de grande porte e com forte lobby junto aos órgãos do governo e a órgãos regulamentadores como Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e Instituto Nacional de Metrologia (INMETRO), se fortalece no mercado e desenvolve várias ações de marketing na divulgação de seus produtos através de ações da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP). (ESTUDOS DE MERCADO SEBRAE, 2010) O setor cerâmico encontrava-se numa situação que os economistas chamam de concorrência perfeita, ou seja, um grande número de empresas produzindo o mesmo produto com custos semelhantes; existência de um grande número de consumidores com a mesma informação sobre a oferta existente no mercado; existência de homogeneidade nos produtos ou serviços oferecidos e inexistência de barreiras à entrada ou à saída de empresas no mercado. Não existindo qualquer incentivo para praticar um preço diferente do preço de mercado, se uma empresa pratica um preço mais elevado, perderá imediatamente toda a procura, pois, os seus produtos são homogêneos aos da concorrência, por outro lado, se pratica um preço abaixo do que o preço de mercado, não resistirá por muito tempo, pois, numa situação de concorrência perfeita, o preço de mercado corresponde a uma situação de lucro econômico nulo, um preço mais baixo originará uma acumulação de prejuízos não sustentáveis no longo prazo.

2 Vislumbrava-se uma oportunidade de recuperar as perdas, ou seja, desenvolver atividades voltadas para o aumento da rentabilidade, adequação do mix de produtos, marketing, logística, qualidade, relacionamento com os clientes, qualificação profissional e expansão para novos negócios, entre outras. Nesse cenário, em 2006, algumas associações cerâmicas existentes, a ACERTAR (Associação de Cerâmica Vermelha de Tatuí e região) ACERVIR (Associação de Cerâmica Vermelha de Itú e região), ACERTUBOS (Associação Latino Americana dos Fabricantes de Tubos Cerâmicos) e ANICER (Associação Nacional de Cerâmica) resolveram se unir e buscar soluções em conjunto, estabelecendo à partir dessa união inicial outras alianças com sindicatos, órgãos governamentais e instituições de ensino que resultaram em ações que contribuíram para o desenvolvimento de todos envolvidos. 2. Objetivos Esta pesquisa se propõe a apresentar e compartilhar uma experiência de integração entre empresa-universidade onde a empresa divulga seus produtos, tecnologias e contribui para o conhecimento técnico de alunos da graduação de engenharia civil e arquitetura sobre alvenaria de vedação e estrutural com materiais de cerâmica vermelha. 3. Desenvolvimento Em 1934, o professor G. F. Gause, da Universidade de Moscou, conhecido como o pai da biologia matemática, publicou os resultados de um conjunto de experiências nas quais colocava colônias de animais muito pequenos (protozoários) do mesmo gênero em um frasco com uma quantidade adequada de nutrientes. Se os animais fossem de espécies diferentes, conseguiam sobreviver e continuar vivos em conjunto, se fossem da mesma espécie, não conseguiam. Essa observação conduziu ao Princípio de Gause da Exclusão Competitiva: duas espécies que conseguem seu sustento de maneira idêntica não podem coexistir. (HENDERSON, 1998, p.3) Porter (1999, p. 63) define que estratégia é criar uma posição exclusiva e valiosa, envolvendo um diferente conjunto de atividades, escolher atividades diferentes de seus concorrentes. Para uma empresa ter um desempenho acima da média a longo prazo, é necessário criar uma vantagem competitiva sustentável, existem dois tipos básicos de vantagem competitiva que uma empresa pode possuir: baixo custo ou diferenciação. (Porter, 1989, p.9) O valor nasce quando uma empresa cria vantagem competitiva para o seu comprador, reduzindo seu custo ou elevando seu desempenho, que deve ser, contudo, percebido por ele, para que seja recompensado com um preço-prêmio, o que significa que as empresas devem comunicar seu valor aos compradores por meio de propaganda ou pela força de vendas. (PORTER, 1989, p. 48). Se um homem... fizer uma ratoeira melhor que a de seu vizinho, mesmo que ele tenha construído sua casa na floresta, o mundo fará uma trilha de terra batida até sua porta estas palavras, atribuídas a Ralph Waldo Emerson em uma de suas conferências no século XIX, parecem conter uma antevisão dos grandes chamamentos que surgiram no século seguinte: gerencie no sentido da singularidade, desenvolva uma competência que o distinga, crie uma vantagem competitiva. (GHEMAWAT, 1998, p. 29) 3.1 Alianças Estratégicas Para Wright et al. (2000, p. 145) as alianças estratégicas podem ser realizadas por motivos políticos, econômicos ou tecnológicos e as alianças têm duas principais vantagens, primeiro por poder continuar independente e separada, há pouco aumento do custo burocrático e de coordenação, segundo cada empresa pode se beneficiar com a aliança estratégica sem assumir sozinha custos e riscos de explorar novas oportunidades de negócios e uma desvantagem das alianças é que um parceiro pode receber mais do que oferece, possuem menos conhecimentos tecnológicos e recebem conhecimentos recentes igualmente a todos os parceiros para competir igualmente no mercado. Porter (1989, p.52) observa que as coalizões se prestam bem à ampliação do escopo da empresa sem que haja necessidade de ampliar concretamente sua presença no mercado, compartilhando atividades de uma cadeia de valores. Assim, são considerados pelo autor dois tipos de coalizões: as coalizões verticais e as coalizões horizontais. As coalizões verticais ocorrem entre fornecedores (para trás

3 ou a montante) e clientes (para frente ou a jusante), as horizontal ocorrem entre concorrentes, como por exemplo, uma parceria com outra empresa da mesma indústria para realização de marketing em conjunto. As relações intra e interempresas, principalmente as envolvendo pequenas e médias organizações é uma das principais tendências que vêm se intensificando na economia moderna, a formação e o desenvolvimento de redes de empresas estão ganhando relevância em países industrializados, como, Itália, Japão e Alemanha como também em países emergentes, como México, Chile, Argentina e o Brasil. (AMATO NETO, 2008, p.34) O Brasil enfrenta problemas de desemprego, problemas sociais crônicos especialmente com a distribuição de renda, o desenvolvimento econômico local ou sistema produtivo local pode ser a saída para o país superar esses problemas, gerando empregos, aumentando a produtividade e consequentemente, a qualidade de vida da população. (CASAROTTO FILHO e PIRES, 2001, p.23) O Serviço de Apoio à Micro e Pequena Empresa (SEBRAE) em parceria com algumas confederações de indústrias como a de São Paulo e Minas Gerais, e recentemente com o Poder Público, com seus governos estaduais e com o governo federal, definiu como prioritário em seu Plano Plurianual (PPA) ações para os Arranjos Produtivos Locais (APLs) e sua Política Industrial. (GERENCIA DE PROJETOS DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA, 2010, p.06) No Brasil, em 2002, as micro, pequenas e médias empresas representam 99% das empresas, 64% do pessoal ocupado e apenas 35% do valor adicionado, se comparado com os EUA, o número de empresas representa 98%, com 74% do pessoal ocupado e 65% de valor adicionado. Como podemos ver, a diferença de produtividade em relação ao tamanho é enorme e pode ser trabalhada. (GERENCIA DE PROJETOS DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA, 2005, p. 7) 4 Metodologia Esta pesquisa é qualitativa (de campo) e compreende uma leitura exploratória (investigação bibliográfica) sobre os temas: aliança, vantagem competitiva e estratégia. É também um estudo comparativo com uma pesquisa descritiva no formato estudo de caso realizado junto à 3 associações, entidades que congregam pequenas indústrias cerâmicas do interior do Estado de São Paulo, realizada com objetivo de identificar as dificuldades vividas pelo grupo, levantar dados sobre algumas estratégias desenvolvidas e os resultados obtidos. 4.1 Estratégia de Coleta e Análise de Dados Quanto à coleta de dados sobre as dificuldades vividas pelo grupo, estratégias desenvolvidas e resultados obtidos serão considerados dados fornecidos pelo próprio grupo através de registros, documentos e observação do participante. 5. ESTUDO DE CASO Com o objetivo de buscar uma maior divulgação do setor e dos materiais de cerâmica vermelha, as associações ACERTAR, ACERVIR e ACERTUBOS buscaram apoio da FIESP, SENAI, SINDUSCON-SP para a participação em uma importante feira do setor da construção civil, a FEICON (Feira Internacional da Construção) o que resultou em 2006, na construção de uma casa cerâmica de 60m², o que atraiu a atenção de milhares de pessoas, profissionais e estudantes, que não conheciam o bloco cerâmico estrutural e nem o sistema construtivo estrutural, que consiste em uma construção que proporciona uma economia de até 30% no custo final da obra e por se tratar de blocos cerâmicos o conforto térmico e acústico é superior aos produtos concorrentes. Durante essa exposição em 2006, o setor cerâmico tomou conhecimento que os profissionais relacionados a construção civil de forma geral e estudantes da área tinham pouco conhecimento sobre os produtos e sua tecnologia, pois, na grade curricular, recebem informações apenas sobre os materiais de cimento, devido ao forte lobby que o setor cimenteiro tem junto a essas instituições. Após a feira uma das ações adotadas foi de parceria entre empresa-universidade, onde estudantes de engenharia civil e arquitetura visitam uma das empresas associadas, conhecem todo o processo produtivo e recebem informações de um engenheiro técnico responsável sobre o mix de produtos e sua aplicação. Outra ação desenvolvida é a participação nas universidades através de palestras e divulgação de um vídeo que foi desenvolvido pela ANICER (Associação Nacional de Cerâmica) que mostra passo-a-passo de uma construção utilizando o sistema construtivo estrutural.

4 Com a finalidade de divulgação e fortalecimento do setor, a estratégia de construção da casa cerâmica se repetiu em 2008, 2009 e 2010, foi registrada a marca Casa Cerâmica e criado um site onde se encontra diversas informações sobre os produtos e tecnologia, 4. Resultado e Discussão São inúmeras as vantagens proporcionadas pelas alianças, no entanto, as principais vivenciadas pelas associações em parceria com as instituições de ensino são: a) divulgação de novas tecnologias; b) troca de experiências; c) compartilhamento de informações; d) contribuição para a especialização da mão-de-obra; e) melhoria da reputação do setor; f) maior acesso a instituições; g) maior atenção de programas governamentais; h) maior valorização do produto pelos clientes. 5. Considerações Finais Através dessa experiência, pode-se observar que quando o grupo se une em torno de um mesmo objetivo consequentemente se fortalece, através do know-how que possui sobre um mesmo assunto acabam encontrando as melhores soluções para alcançar esse objetivo, e quando não encontram essa solução, em grupo, fica mais fácil comprar por ela, seja algo intangível como uma consultoria, ou tangível como a participação em uma importante feira da construção civil, porque as despesas são rateadas pelo grupo, sozinha as empresas não seriam capazes de desenvolvê-las. Percebe-se que, as atividades desenvolvidas em grupo, tem seus esforços divididos e seus resultados multiplicados. O estudo comprova que as alianças formadas entre os empresários ceramistas concorrentes, é fundamental para o sucesso do setor, através das ações desenvolvidas em conjunto o setor adquiriu vantagem competitiva e os resultados obtidos ilustram que as alianças estratégias possibilitaram a superação de dificuldades das empresas. Referências Bibliográficas ACERTAR. Depoimento verbal dado pelos ceramistas em reuniões administrativas AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais. Oportunidades para as pequenas e médias empresas. 1 ed. São Paulo: Atlas: Fundação Vanzolini, p. ANICER. Associação Nacional de Cerâmica. g=institucional.asp&secao=3&categoria=60&selmenu=3> Acesso em 27 jul CASAROTTO FILHO, N. e PIRES, L. H. Redes de Pequenas e Médias Empresas e Desenvolvimento Local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. 2 ed., São Paulo: Atlas, p. ESTUDOS DE MERCADO SEBRAE / ESPM. Cerâmica Vermelha para construção: telhas, tijolos e tubos. D32DE1BCB832574C1004E1EC5/$File/NT00038DA6.pdf> Acesso em: 21 abr GERENCIA DE PROJETOS DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA. Experiências dos APLs da Fiesp. Disponível em: downloads/apl.pdf> Acesso em: 21 abr GHEMAWAT, P. Vantagem sustentável. In: MONTGOMERY, C. A.; PORTER, M. E. (Coord.). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Tradução de Bazan tecnologia e lingüística. 18. ed., Rio de Janeiro: Elsevier, p. HENDERSON, B. D. O que o mundo dos negócios deve a Darwin e outras reflexões sobre a dinâmica da competição. In:

5 MONTGOMERY, C. A.; PORTER, M. E. (Coord.). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Tradução de Bazan tecnologia e lingüística. 18.ed., Rio de Janeiro: Elsevier, p. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DAS INDÚSTRIAS CERÂMICAS DE TATUÍ E REGIÃO. Disponível em: Acesso em: 21 abr PORTER. M. E. Vantagem Competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior. Tradução de Elizabeth Maria de Pinho Braga. Revisão técnica de Jorge A. Garcia Gomes. 35. ed., Rio de Janeiro: Elsevier, p.. Competição. On competition: estratégias competitivas essenciais. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. 6. ed., Rio de Janeiro: Campus, p. WRIGHT, P. KROLL, M. J. e PARNELL, J. Administração estratégica: conceitos. Tradução Celso A. Rimoli e Lenita R. Esteves. São Paulo: Atlas, p.

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Renato Caporali Confederação Nacional da Indústria Arranjos Produtivos Locais como modalidade

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 PROGRAMA DE COMPETITIVIDADE DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO ENCADEAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 Desempenho recente da Construção Civil De

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso W o r k s h o p Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso Gerando mais Receita e Lucratividade A Arte de combinar Marketing com Vendas e Estruturar

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades O Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat o Sistema Nacional de Qualificação de Materiais e Componentes e Sistemas Construtivos 28 de novembro de 2008 Secretaria Nacional de Habitação

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO Data do Evento: 19 a 21 de outubro de 2015 Local: Hotel Bourbon Cataratas Convention & Spa / Foz do

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

APL NA REGIÃO DO GRANDE ABC

APL NA REGIÃO DO GRANDE ABC CONCEITO DE APL CONCEITO DE APL Arranjo produtivo local é uma concentração espacial e setorial de empresas e instituições que se inter-relacionam dando uma característica dinâmica própria de uma determinada

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015.

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. Institui os Programas de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação à Pesquisa e à Formação de Recursos Humanos em Ciência

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS 2020 COMAT

CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS 2020 COMAT CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS 2020 COMAT MOTIVAÇÃO? ELABORAÇÃO Organização das reflexões Coleta de informações MISSÃO INTERNACIONAL Obra em Stuttgart: Industrialização do processo construtivo PAINEL DE ESPECIALISTAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan.

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan. 1 O EVENTO 3 4 PAÍSES PRESENTES Alemanha Coreia do Sul Inglaterra República Tcheca Angola Equador Israel Suiça Argentina Espanha Itália Taiwan Áustria EUA Japão Turquia Brasil Finlândia México Uruguai

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Especialização em Gestão de Negócios

Especialização em Gestão de Negócios Especialização em Gestão de Negócios e Projetos Rio de Janeiro Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA DIRETRIZ ESTRATÉGICA DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA O segmento do turismo vem se constituindo na Bahia uma importante atividade na geração de ocupação e renda, especialmente

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas

Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais Prof. Antônio Otávio Fernandes Universidade Federal de Minas Gerais FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 REDE NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 UGP Nº 002/ 2012. 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1 Contratante A Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever:

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever: Conforme se pode inferir da publicação Planejamento Estratégico do Sistema Profissional 2009-2014: O Sistema Profissional é composto por organizações - com identidade e características próprias que devem

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS Programa ESAG Sênior Mário César Barreto Moraes Bolsistas: Vanessa Vidal Riso Danielle Cândido Vecchietti Juliana Oliveira Lima de Souza A busca pro metodologias

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS 2020 COMAT

CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS 2020 COMAT CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS 2020 COMAT Data: 22/maio/2014 MOTIVAÇÃO? ELABORAÇÃO Coleta de informações Organização das reflexões MISSÃO INTERNACIONAL Obra em Stuttgart: Industrialização do processo construtivo

Leia mais

Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional. Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009

Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional. Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009 Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. DIRETRIZES GERAIS Missão Programas Estratégias 2. ESTUDO DE CASO 3. VÍDEO: PROMOÇÃO DE

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 RESUMO 1. APRESENTAÇÃO Com a missão de promover ações para o fortalecimento do segmento da construção civil no Espírito Santo,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Av. Princesa Diana, 760 34000-000 Nova Lima MG Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br

Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br O que é o Projeto O Projeto pretende contribuir para promover a imagem de Santa Catarina como destino de investimentos

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Autor: Katia Melissa Bonilla Alves 1 Co-autores: Ricardo Wargas 2 e Tomas Stroke 3 1 Mestre em Economia pela Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em Negócio Social O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em 2006 Classifica um determinado empreendimento

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Autores: Fábio Bruno da Silva Marcos Paulo de Sá Mello Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária INTRODUÇÃO

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais