CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONCEITO JURÍDICO DE EMPRESA À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONCEITO JURÍDICO DE EMPRESA À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO"

Transcrição

1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONCEITO JURÍDICO DE EMPRESA À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Rosiane Sasso * Introdução Com o fim de atender às transformações econômicas e sociais experimentadas pelo cenário nacional nas últimas décadas, o novo Código Civil, Lei n.º de 10 de janeiro de 2002, introduziu importante inovação no ordenamento jurídico brasileiro ao promover a codificação unitária de normas civis e mercantis, mantendo, entretanto, a autonomia doutrinária e científica de cada disciplina. Dessa forma, o Código Comercial de 1850, em sua parte geral, foi revogado pelo novo Código Civil que passou a disciplinar os domínios do direito empresarial. O regramento da atividade empresarial está contido no Livro II do novo Código Civil, sob o nome de Direito de Empresa, que trata basicamente da caracterização do empresário, das sociedades empresárias, das sociedades simples e de outros aspectos inerentes à atividade empresarial. Ocorre que tais dispositivos não fornecem uma definição legal de empresa. Diante de tal circunstância, faz-se necessário o delineamento da chamada teoria da empresa, para que se possa entender o que vem a ser juridicamente a empresa e distinguir as atividades empresariais das não empresariais, tomando por base a noção de empresário fornecida pelo novo Código Civil. O objetivo do presente trabalho consiste, portanto, em analisar as implicações da adoção da teoria da empresa pelo novo Código Civil pátrio, na seara da conceituação jurídica da empresa. * Advogada e Mestre em Direito Empresarial. 25

2 1 A teoria da empresa no âmbito da evolução histórica do Direito Comercial O papel que a empresa desempenha na sociedade contemporânea é de vital importância, tendo em vista sua participação na produção e circulação de bens e riquezas, na organização do trabalho, na influência da fixação do comportamento de outras instituições, envolvendo, concomitantemente, interesses públicos e privados. Com efeito, a empresa faz parte da realidade e o direito não pode ignorála. Tanto que afirma Fábio Konder Comparato: Se se quiser indicar uma instituição social que, pela sua influência, dinamismo e poder de transformação, sirva de elemento explicativo e definidor da civilização contemporânea, a escolha é indubitável: essa instituição é a empresa 1. Dessa forma, a empresa, em sua existência econômica e social, de longa data, passou a merecer a atenção dos juristas. Assim, para uma melhor compreensão desse fenômeno na atualidade, faz-se necessário situá-lo dentro da evolução histórica do Direito Comercial, que pode ser dividida em quatro fases, didaticamente dispostas em: fase primitiva; fase corporativa; fase do ato de comércio e fase da empresa 2. Cada uma dessas fases corresponde às necessidades humanas da época, conforme revelam as palavras de Rubens Sant Anna: Na evolução histórica do comércio, cuja atividade remonta aos mais recuados tempos, certos períodos foram marcados por transformações profundas na vida da sociedade, criando entidades novas compatíveis com a realidade emergente 3. 1 COMPARATO, Fábio Konder. Direito empresarial: estudos e pareceres. São Paulo: Saraiva, 1995.p.3. 2 SALLES, Marcos Paulo de Almeida. A visão jurídica da empresa na realidade brasileira atual. In RDM, Ano XXXIX, n.º 119, nova série. São Paulo: Malheiros Editores, Jul. set p SANT ÁNNA, Rubens. A falência da empresa. Realidade contemporânea e perspectivas futuras. In RDM, Ano XXV, n.º 64. São Paulo: RT, out-dez p

3 A primeira fase é marcada pela economia de troca dos produtos excedentes entre os indivíduos pertencentes a primitivos grupos sociais. A evolução dessa atividade de troca acabou por acarretar o surgimento da moeda como medida de valor para a compra e venda de produtos. Nessa fase, contudo, as atividades comerciais eram regidas basicamente por costumes, exceto o comércio marítimo, para o qual foram desenvolvidas normas jurídicas próprias. Com a especialização da produção, a partir do século XII, tem início a segunda fase da história do direito comercial, onde os mercadores e artesãos passaram a se organizar em corporações de ofício, ou seja, em ordens protecionistas entre os praticantes de um mesmo ofício, transformando os costumes em regras escritas, denominadas de Estatutos. A principal função destas corporações era a de dirimir conflitos envolvendo os seus membros, aplicando-se as normas previstas nos Estatutos. A referida fase evolutiva é também denominada de subjetiva pelo fato de que somente aqueles que estivessem matriculados em uma corporação de ofício eram considerados comerciantes. O âmbito de incidência do direito comercial é, portanto, delimitado por um critério subjetivo. O terceiro período ou fase da evolução histórica do direito mercantil, tem início após a Revolução Francesa, com a promulgação do Código Comercial francês de 1807, que substituiu o sistema subjetivo até então vigente pelo sistema objetivo dos atos de comércio. De acordo com este último sistema somente era considerado comerciante quem praticava um dos atos taxativamente enumerados pela lei. A teoria dos atos de comércio, desde então, passou a ser adotada por diversas codificações do mundo ocidental, inclusive anos mais tarde pelo Brasil. A expansão da economia no século XIX promovida pelo liberalismo e acentuada pela Revolução Industrial fez, contudo, que a teoria dos atos de comércio cedesse gradativamente lugar à teoria da empresa. Com efeito, as transformações de ordem econômica ocorridas no seio da sociedade civil acabam sempre por refletir seus efeitos no âmbito do Direito. Dessa forma, a partir das transformações operadas pela Revolução Industrial, a empresa tornou-se figura de grande destaque, 27

4 merecendo a atenção dos juristas e ensejando formulações acerca de uma teoria jurídica da empresa. Nessa nova ordem, inscreve-se o Código Civil italiano de 1942, considerado marco inicial da última fase evolutiva do direito comercial, que, além de fundar-se totalmente na teoria da empresa, inovou ao disciplinar num mesmo diploma legal a matéria civil e comercial 4, acabando com a dicotomia do direito privado no país 5. Apesar do referido diploma legal não ter fornecido uma definição jurídica de empresa, abarcou uma visão de seus principais aspectos, captando no mundo jurídico o fenômeno econômico. A questão essencial que passou a preocupar os juristas, desde então, traduz-se na busca de um conceito jurídico para a empresa. 2 A controvérsia acerca do conceito jurídico de empresa Como ponto de partida, faz-se oportuno esclarecer que, ao longo de mais de um século, os juristas têm se dedicado à busca de uma definição jurídica para a empresa, ensejando diversas formulações teóricas, sendo difícil expor com precisão uma sistematização sobre o tema. 4 A propósito, Betyna Ribeiro de Almeida. Aspectos da teoria jurídica da empresa In RDM, Ano XXXIX, n.º 119, nova série. São Paulo: Malheiros Editores, jul.- set p. 243, leciona: De fato, a dicotomia do Direito Privado já era objeto de preocupação para a doutrina italiana desde o fim do século passado. Em 1892 Vivant defendeu o fim da autonomia do direito Comercial na aula inaugural de seu curso na Universidade de Bolonha, apontando diversas razões em favor da unificação do Direito Privado. 5 Fábio Ulhoa Coelho. Curso de direito comercial. 5.ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2001.vol 1.p.17, lembra que: É fato que a uniformização legislativa do direito privado já existia em parte na Suíça, desde 1881, com a edição de código único sobre obrigações, mas será o texto italiano que servirá de referência doutrinária porque, embora posterior, apresenta uma teoria substitutiva à dos atos do comércio. Com certeza, não basta a reunião da disciplina privada das atividades econômicas num mesmo diploma legal, para que se eliminem as diferenças de tratamento entre as comerciais e as civis. É necessária ainda uma noção teórica capaz de constituir o modelo para esta disciplina, um sistema que se componha ao francês e o supere. Se a legislação suíça já não apresenta diferenças entre as atividades dos comerciantes e a dos não - comerciantes, sob o ponto de vista da disciplina das obrigações, não veio a inovação acompanhada de uma reflexão doutrinária mais abrangente, que projetasse seus efeitos no mundo jurídico de tradição romanística. 28

5 A controvérsia em torno da noção jurídica de empresa, no transcorrer dos anos, entretanto, tem dividido a doutrina em duas principais correntes: uma que defende a simples transposição da noção econômica para o plano jurídico e outra, a tradução desse fenômeno em termos jurídicos. Adepto da primeira teoria, o jurista espanhol Manuel Broseta Pont entende que o conceito jurídico de empresa deve coincidir necessariamente com seu conceito econômico. Para referido autor, a empresa é una organización de capital y trabajo destinada a la producción o a la mediación de bienes o de servicios para el mercado 6. Esse é o conceito que, em linhas gerais, segue a maioria dos economistas. Sob esse prisma, o direito positivo, ao se referir à empresa, deve fazêlo necessariamente em seu conceito econômico, ou seja, a empresa não pode ser uma realidade distinta para o direito mercantil, para o civil, o fiscal, dentre outros. O conceito jurídico de empresa deve ser válido e aplicável para todas as disciplinas jurídicas, interessando a cada uma delas um diferente aspecto desse conceito unitário. Sob esse prisma, conclui o autor que: para el ordenamiento positivo debe ser válido el concepto económico de empresa anteriormente postulado del cual debe ser adoptado, pues, como concepto jurídico de empresa 7. Contrapondo-se ao conceito unitário de empresa válido para todos os ramos do direito, Alberto Asquini, ao analisar o tema conforme trazido à luz pelo Código Civil italiano de 1942, procurou afastar a desorientação doutrinária da época face à ausência de uma definição legal, traduzindo o fenômeno sócio-econômico em termos jurídicos. Para Asquini, a noção de empresa entrou no Código italiano com um determinado significado econômico, mas isso não quer dizer que a noção econômica deva ser utilizada como jurídica. Assim, reconhece a empresa como um fenômeno econômico poliédrico, o qual tem sob o aspecto jurídico, não um, mas diversos perfis em relação aos diversos elementos que integram 8. Nesse 6 PONT, Manuel Broseta. Manual de derecho mercantil. 10. ed. Madrid: Editorial Tecnos S.A, 1994.p PONT, Manuel Broseta. op.cit.p ASQUINI, Alberto. Perfis da empresa. Trad. de Fábio Konder Comparato. In RDM, Ano XXXV, n.º 104, nova série. São Paulo : RT, out.- dez p

6 sentido, as definições jurídicas podem ser diversas, conforme o perfil sob o qual o fenômeno econômico é encarado, sendo mais apropriado falar-se em aspectos jurídicos do que em conceito jurídico de empresa. Partindo de tal pressuposto, Asquini identifica quatro perfis para chegar ao que chama de tradução dos termos econômicos para o plano jurídico, compreendendo: o perfil subjetivo (a empresa como empresário); o perfil funcional (a empresa como atividade empresarial); o perfil patrimonial e objetivo (a empresa como patrimônio aziendal e como estabelecimento) e o perfil corporativo (a empresa como instituição). O perfil subjetivo identifica-se com a noção de empresário fornecido pelo art do Código Civil italiano, como aquele que exerce profissionalmente uma atividade econômica organizada, tendo por fim a produção ou a troca de bens ou serviços. Do ponto de vista funcional ou dinâmico, a empresa mostra-se como aquela força em movimento que é a atividade empresarial dirigida para um determinado escopo produtivo 9. O perfil objetivo comporta os instrumentos de que se vale o empresário para o exercício da atividade empresarial, podendo ser compreendido como um complexo de relações jurídicas (patrimônio aziendal) ou como complexo de bens (estabelecimento). E por fim, pelo perfil corporativo, a empresa é considerada uma organização de pessoas, constituída pelo empresário e seus colaboradores em função de um fim comum. A empresa, entendida sob esse último aspecto, conduz ao seu enquadramento jurídico na figura da instituição 10. Em síntese, ao analisar os perfis da empresa, Asquini deixa claro que sua definição jurídica pode variar de acordo com os diversos aspectos do fenômeno econômico, ou seja, apresenta diferentes significados no Código Civil italiano, que ora utiliza-a para indicar o sujeito da atividade organizada, ora para indicar o conjunto de bens organizados, outras para exprimir o exercício da atividade 9 ASQUINI, Alberto. op. cit. p Para Asquini. op. cit. p.12 : O reconhecimento de uma organização de pessoas como instituição implica somente no reconhecimento de um determinado modo de ser, das relações internas entre os componentes da organização, em relação a um fim comum. 30

7 organizada e finalmente a organização de pessoas que exercem a atividade econômica. A respeito, conclui o autor:...a técnica do direito não pode dominar o fenômeno econômico da empresa para dar uma completa disciplina jurídica, sem considerar distintamente os diversos aspectos, em relação aos diversos elementos que nela existem 11. A teoria formulada por Asquini foi imprescindível para uma compreensão da empresa no plano jurídico, servindo de paradigma às novas concepções teóricas, que passaram a apreciá-la criticamente, privilegiando um ou mais perfis em detrimento de outros. Dessa forma, não logrou solucionar a controvérsia acerca da conceituação jurídica da empresa. É certo que o perfil que obteve uma posição de maior destaque é o que identifica a empresa como atividade econômica organizada e, pois, pelo perfil funcional. Ressalte-se que todos os aspectos jurídicos pelo qual o fenômeno é encarado são importantes, mas somente a atividade serve de elemento qualificador dos agentes da produção como empresários (sujeito) e do complexo de bens como estabelecimento (objeto), revelando uma íntima conexão entre os três conceitos. Dessa forma, pode-se dizer que não há empresário ou estabelecimento sem que haja uma atividade econômica organizada exercida profissionalmente. 3 A teoria jurídica da empresa no Brasil A palavra empresa foi introduzida no ordenamento jurídico nacional pelo art. 19, 3º do Regulamento 737 de 1850, que a incluiu dentre os atos considerados de mercancia 12. A partir desta aparição e, ante a falta de uma definição jurídica, a 11 Ibidem.op.cit.p O art.19, 3º do Regulamento 737/50 considera como mercancia : as empresas de fábrica, de comissões, de depósito, de expedição, consignação e transporte de mercadorias, de espetáculos públicos. 31

8 empresa passou a ser objeto de estudo dos juristas brasileiros. Salienta-se que, embora o Código Comercial brasileiro de 1850 adotasse o sistema francês dos atos de comércio, a legislação pátria 13 conciliada à doutrina 14 e à jurisprudência 15, de longa data vinha caminhando no sentido da adoção do sistema italiano da teoria da empresa. Essa teoria já se faz presente há algum tempo no ordenamento jurídico nacional, como se pode inferir pela análise das várias referências à empresa feitas pela legislação constitucional e infraconstitucional. Verifica-se, contudo, que em diversos diplomas legais a palavra é empregada ao sabor das circunstâncias, conforme a necessidade e os objetivos pretendidos pelo legislador sem a observação de maiores rigores técnicos 16. Dentre os juristas brasileiros que mais profundamente se dedicaram ao tema, encontra-se Waldírio Bulgarelli 17, para quem a conceituação jurídica da empresa deve partir da captação da essência desse fenômeno sócio-econômico no plano jurídico. Daí para traduzir a significação global do fenômeno em sua tridimensionalidade, utiliza-se da expressão empresarialidade 18, que engloba os conceitos de empresário, empresa e estabelecimento. Na visão de Bulgarelli, a empresa pode ser entendida analiticamente como uma: atividade econômica 13 Nesse sentido as Leis n.º 4.504/64 (Estatuto da Terra); 8.078/90 (Código de Defesa do consumidor); 8.245/91 (Lei de Locações); 8.934/94 ( Dispõe sobre o Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins), dentre outras. 14 Seguem tal posicionamento: Sylvio Marcondes, Oscar Barreto Filho, Rubens Requião, Fábio Konder Comparato, Ruy de Souza. Apud BULGARELLI, Waldírio. A teoria jurídica da empresa: uma análise da empresarialidade. São Paulo: RT, p Em RT 536/126, 555/191, 565/174, 566/ A esse respeito, Waldírio Bulgarelli. Sociedades Comerciais.8.ed. São Paulo: Atlas, 1999.p.316, esclarece que: Inúmeras são as leis que se referem à empresa tanto que seria impossível relacioná-las, mas pode-se perfeitamente anotar que realmente não imprimem ao termo empresa o sentido de precisão técnica necessário, ora querendo significar empresário, ora estabelecimento, ora sociedade estritamente, ora objeto de atividade, enfim uma verdadeira miscelânea que em nada contribui para o seu perfeito entendimento, exigindo do intérprete esforços inauditos. 17 Ibidem. A teoria jurídica da empresa. cit. p Explica Bulgarelli. A teoria jurídica da empresa. cit. p.19: Termo que utilizamos para exprimir numa idéia geral e abstrata aquilo que é próprio da empresa. 32

9 organizada de produção e circulação de bens e serviços para o mercado exercida pelo empresário, em caráter profissional, através de um complexo de bens 19. Vêse, por tal prisma, que a noção de empresa corresponde à de empresarialidade, já que esta atinge o cerne daquele fenômeno através dos três conceitos interpolarizados, excluindo somente o aspecto corporativo 20. É importante esclarecer que, com a entrada em vigor do novo Código Civil brasileiro, Lei n.º /2002, a teoria jurídica da empresa foi adotada em substituição a dos atos de comércio, promovendo, conseqüentemente, a unificação do direito privado nacional. Referido diploma legal trata na Parte Especial, Livro II, do Direito de Empresa, definindo em seu art. 966 a figura do empresário como aquele que:...exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou de serviços. O parágrafo único do citado artigo, no entanto, exclui do conceito de empresário aqueles que exercem atividade intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou de colaboradores, salvo se constituir o exercício da profissão elemento de empresa, ou seja, se a atividade específica dos mesmos se inserir numa organização empresarial. Caso contrário, mesmo que empregue terceiros, continuará sujeito ao regime próprio de sua categoria profissional. De outra parte, quanto ao empresário rural e ao pequeno empresário, dispõe que a lei assegurará tratamento favorecido, diferenciado e simplificado quanto à inscrição e aos efeitos que daí decorrem. E em seu art.971, estabelece que o empresário cuja atividade rural constitua sua principal profissão pode, observadas as formalidades exigidas pelo art. 968, requerer sua inscrição no Registro Público 19 Ibidem. A teoria jurídica da empresa. cit. p Nota-se que Bulgarelli. A teoria jurídica da empresa. cit. p. 140, não inclui em sua empresarialidade o quarto perfil identificado por Asquini, ou seja, o perfil corporativo. Sobre o assunto referido autor explica que a noção jurídica de empresa passou a ser identificada pela ótica das categorias jurídicas fundamentais, o sujeito, o objeto e os atos ou fatos, na primeira compreendida o empresário, na segunda o estabelecimento e nestes últimos, a atividade, deixando a organização dos colaboradores das empresas para o âmbito das relações trabalhistas, onde à falta de uma categoria jurídica própria (porque e quando rejeitada a perspectiva contratual), recorreu-se à instituição, embora sem maior relevo técnico - jurídico. 33

10 de Empresas Mercantis, caso em que, depois de inscrito, ficará equiparado, para todos os efeitos, ao empresário sujeito a registro. A princípio, os exercentes de atividades rurais estão dispensados dessa inscrição, mas não restaram excluídos do conceito de empresário, podendo, por meio de ato unilateral de vontade, ficar sujeitos ao regime geral imposto aos demais. Com isso, nota-se que, embora a Lei n.º /2002 tenha sido influenciada pelo sistema italiano, ganhou contornos próprios na realidade jurídica brasileira. 4 A supremacia do aspecto funcional na conceituação jurídica de empresa Frise - se que a palavra empresa é utilizada no plano jurídico com um variado número de significados, porém, há que se observar que as diversas posições tomadas frente ao tema convergem sempre num mesmo sentido: partem da idéia do fenômeno como unidade organizacional. Há que se ressaltar, porém, que a captação de seu significado jurídico encontra-se ligada à idéia de organização ajustada a uma atividade. O relevo dado ao aspecto funcional da empresa como critério qualificador daqueles que devem ficar sujeitos ao regime jurídico específico do empresário, levou à busca da conceituação e qualificação da atividade. Dentre os autores italianos que mais detidamente dedicaram-se ao assunto encontram-se Ascarelli e Pannuccio 21, que efetuaram estudos sobre a atividade em seus aspectos gerais, procurando distinguí-la da noção de ato. Partindo da separação conceitual entre a atividade e os atos que a integram, Ascarelli posiciona-se frente ao tema concluindo que ambos não se confundem tendo em vista os princípios norteadores que os cercam, ou seja, a efetividade e o resultado. Assim, a atividade não significa ato, mas o exercício efetivo de uma série 21 ASCARELLI, Tulio, PANNUCCIO, Vicenzo Apud BULGARELLI, Waldírio. A teoria jurídica da empresa. cit

11 de atos coordenados entre si em função de um fim determinado, que no caso da empresa, refere-se ao objetivo econômico da produção ou distribuição de bens e serviços para o mercado. Há que se observar, contudo, que para a qualificação da atividade como empresarial é necessário acrescentar determinados elementos à sua noção inicial que são: a organicidade, a profissionalidade e a economicidade. Pode-se dizer, portanto, que a atividade empresarial é aquela exercida de forma organizada e profissional para o fim de produção ou distribuição de bens e serviços para o mercado. De fato, pode-se desenvolver determinada atividade econômica sem caráter empresarial, sendo a primeira o gênero da qual derivam as diferentes espécies, dentre as quais se insere a segunda. Nota-se que a atividade empresarial é caracterizada por uma tríplice qualificação que compreende: a) Organicidade: complexo de bens ou de pessoas ou ainda de ambos organizados pelo empresário, ou seja, é a organização dos fatores de produção; b) Profissionalidade: habitualidade, estabilidade, continuidade, é a atividade exercida de maneira sistemática; c) Economicidade: requer a criação de riquezas para o mercado e, portanto, de bens e serviços economicamente avaliáveis. É necessário, portanto, que todos esses elementos estejam presentes no exercício da atividade para qualificá-la como empresarial. A empresa, em seu aspecto funcional, reúne esses três fatores: economicidade, profissionalidade e organicidade, em uma unidade indecomponível. Faltando um desses elementos descaracterizada estará a atividade como empresarial, não havendo que se falar em empresa. 35

12 Conclusões O direito privado brasileiro encontra-se numa fase de transição entre a teoria dos atos de comércio e a teoria jurídica da empresa, ou seja, está experimentando uma ampla reformulação e atualização na disciplina privada da atividade econômica, concretizada com a entrada em vigor do novo Código Civil, que estabelece um regime jurídico próprio para a empresa, sob o perfil do empresário, da atividade e do estabelecimento. Dessa forma, tem o mérito de transpor para o plano jurídico a realidade sócio econômica da empresa que há tempos se faz presente no ordenamento jurídico nacional. De acordo com o art. 966 do Novo Código Civil o empresário, pessoa física ou jurídica, é aquele que exerce atividade econômica organizada, não importando a natureza dessa atividade. Em seu parágrafo único, entretanto, exclui do conceito de empresário as profissões intelectuais, abrindo uma exceção: salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa. É certo, contudo, que o novo código não define o que é empresa. Verificou-se ao longo desta exposição que a passagem do fenômeno sócioeconômico da empresa para o plano jurídico, ensejou uma série de discussões acerca de sua definição jurídica, que culminou na preponderância do aspecto funcional sobre os demais, ou seja, a empresa como atividade empresarial. A noção de atividade empresarial surge, portanto, como elemento qualificador básico do empresário e do estabelecimento. Ocorre que para a qualificação da atividade como empresarial é indispensável a inclusão de outros elementos essenciais como: a organicidade, a profissionalidade e a economicidade. O primeiro expressa a organização dos fatores de produção (bens, pessoas e tecnologia); o segundo refere-se à pratica habitual e sistemática de uma atividade e o terceiro à produção e circulação de bens e serviços para o mercado. Presentes esses três elementos, o fenômeno da empresa é reconhecido juridicamente. 36

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ALMEIDA, Betyna Ribeiro de. Aspectos da teoria jurídica da empresa. In RDM, Ano XXXIX, n.º 119, nova série. São Paulo: Malheiros Editores, jul.- set ARNOLDI, Paulo Roberto Colombo. Teoria geral do direito comercial: introdução à teoria da empresa. São Paulo: Saraiva, ASQUINI, Alberto. Perfis da empresa. Tradução de Fábio Konder Comparato. In RDM, Ano XXXV, n.º 104, nova série. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, out. dez BULGARELLI, Waldírio. A teoria jurídica da empresa: análise jurídica da empresarialidade. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, Perspectivas da empresa perante o direito comercial. In RDM, Ano XI, n. º 05, nova série. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, Sociedades comerciais: sociedades civis e sociedades cooperativas, empresas e estabelecimento comercial: estudo das sociedades comerciais e seus tipos, conceitos modernos de empresa e estabelecimento, subsídios para o estudo do direito empresarial, abordagem às sociedades civis e cooperativas. 8. ed. São Paulo: Atlas, CALERO, Fernando Sánches. Instituciones de derecho mercantil (introdución, empresa y sociedades) 20. ed. Madri: Macgraw- Hill, t. 1. COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 5. ed. rev. São Paulo: Saraiva, vols. 1 e 2. COMPARATO, Fábio Konder. Direito empresarial: estudos e pareceres. São Paulo: Saraiva, Estado, empresa e função social. In Revista dos Tribunais, Ano 85, vol São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, out CRISTIANO, Romano. Conceito de empresa. São Paulo: Arte & Cultura, FARIA, José Eduardo. O direito na economia globalizada. São Paulo: Malheiros Editores, GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na constituição de 1988: interpretação e crítica. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, HENTZ, Luiz Antonio Soares. Direito comercial atual: de acordo com a teoria da empresa. 3.ed. São Paulo: Saraiva,

14 IANNI, Octavio. A era do globalismo.3.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, LEO, Osvaldo R. Gómez (coord.). Derecho empresario actual. Buenos Aires: Depalma, MALAGUTI, Manoel Luiz, CARCANHOLO, Reinaldo A., CARCANHOLO, Marcelo D. (Orgs.). Neoliberalismo: a tragédia do nosso tempo. São Paulo: Cortez, NETTO, José Paulo. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. 2. ed. São Paulo: Cortez, OLIVEIRA, Regis Fernandes de. Empresa - ordem econômica - constituição. In Revista dos Tribunais, Ano 87, V São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, dez PACIELLO, Gaetano. A evolução do conceito de empresa no direito italiano. In RDM, Ano XVII, n.º 29, nova série, São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, PONT, Manuel Broseta. Manual de derecho mercantil. 10. ed. Madrid: Editorial Tecnos S. A., RÁO, Vicente. Ato jurídico: noção, pressupostos, elementos essenciais e acidentais. O problema do conflito entre os elementos volitivos e a declaração. 4. ed. anotada. rev. e atual. por Ovídio Rocha Barros Sandoval. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, SALLES, Marcos Paulo de Almeida. A visão jurídica da empresa na realidade brasileira atual. In RDM, Ano XXXIX, n.º 119, nova série. São Paulo: Malheiros Editores, jul.- set SANT ANNA, Rubens. A falência da empresa. Realidade contemporânea e perspectivas futuras. In RDM, Ano XXV, n.º 64. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, out.- dez VERÇOSA, Haroldo Malheiros Duclerc. Atividade mercantil. Ato de comércio. Mercancia. Matéria de comércio. Comerciante. In RDM, Ano XXI, n. º 47, nova série. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, jul. - set

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL Autor(es) FATIMA ANDREA KISIL MENDES Orientador(es) RENATA RIVELLI MARTINS SANTOS 1. Introdução

Leia mais

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA Resumo JOÃO BATISTA DE ALVARENGA 1 O objetivo do trabalho proposto é analisar as origens das relações comerciais, sua evolução até o momento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mudança do direito empresarial no direito brasileiro Elias Jacobsen Bana Com o advento do novo Código Civil em 2002, todo o sistema societário que antes existia passou a vigorar

Leia mais

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Objetivos da aula: Nesta aula, vamos definir Empresa, considerando a orientação da legislação. Também vamos conhecer e definir o empresário e os requisitos legais para

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 Disciplina DIREITO DE EMPRESA Curso Graduação Período 3º PERÍODO Eixo de Formação EIXO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Turma A, B e D Código 076

Leia mais

A UNIFICAÇÃO DO DIREITO PRIVADO SOB A NOVA ÓTICA DO DIREITO EMPRESARIAL

A UNIFICAÇÃO DO DIREITO PRIVADO SOB A NOVA ÓTICA DO DIREITO EMPRESARIAL A UNIFICAÇÃO DO DIREITO PRIVADO SOB A NOVA ÓTICA DO DIREITO EMPRESARIAL :HQHU*OiXFLRGD6LOYD A proposta do novo Código Civil foi de realizar a unificação do direito obrigacional. Segundo Miguel Reale (1986,

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA Giovanna Filomena Silveira Teles Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos 1. BREVE HISTÓRICO DO DIREITO EMPRESARIAL Para melhor compreendermos

Leia mais

Sociedade prestadora de serviços contábeis; a) Natureza Jurídica b) Onde Registrar?

Sociedade prestadora de serviços contábeis; a) Natureza Jurídica b) Onde Registrar? Sociedade prestadora de serviços contábeis; a) Natureza Jurídica b) Onde Registrar? I - Introdução Com o advento da lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002 (NCC), foi extinto no ordenamento jurídico Pátrio,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A confusão entre pessoa física e empresa individual para efeitos de habilitação técnica na licitação à luz do Código Civil Carlos Alexandre Perin* Segundo a teoria do emérito comercialista

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

DIREITO COMERCIAL OU DIREITO EMPRESARIAL?: NOTAS SOBRE A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO IUS MERCATORUM

DIREITO COMERCIAL OU DIREITO EMPRESARIAL?: NOTAS SOBRE A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO IUS MERCATORUM DIREITO COMERCIAL OU DIREITO EMPRESARIAL?: NOTAS SOBRE A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO IUS MERCATORUM André Luiz Santa Cruz Ramos Mestrando em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE. Procurador Federal,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito empresarial: nome empresarial no novo Código Civil Joseph Robert Terrell* RESUMO Com o Novo Código Civil em vigor, ocorreram algumas modificações quanto ao nome empresarial.

Leia mais

A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA

A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA Renato Rua de Almeida Advogado trabalhista; professor de direito do trabalho da faculdade de direito da pontifícia Universidade católica de São

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial.

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial. Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Empresarial I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Empresarial Área: Privado PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto

Leia mais

Pareceres no Direito Empresarial

Pareceres no Direito Empresarial **** Pareceres no Direito Empresarial Pareceres no Direito Empresarial O Direito Empresarial, em Pareceres 2011 2 Para meu saudoso pai, Hermínio, minha querida mãe, Adalgisa, amada esposa, Maria Elizabeth

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.280, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 1.280, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.280, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) Veda a penhora do estabelecimento comercial, quando neste funcionar essencialmente a atividade empresarial. DESPACHO: À COMISSÃO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

7(25,$'$(035(6$2',5(,72(035(6$5,$/ 683(5$1'226,67(0$'26$726'(&20e5&,2

7(25,$'$(035(6$2',5(,72(035(6$5,$/ 683(5$1'226,67(0$'26$726'(&20e5&,2 1 7(25,$'$(035(6$2',5(,72(035(6$5,$/ 683(5$1'226,67(0$'26$726'(&20e5&,2 AUTORA: Camila Fernandes Andrade (estudante 5º período PUC Minas São Gabriel) ORIENTADOR: Eduardo Goulart Pimenta 21292&Ï',*2&,9,/(2',5(,72'((035(6$

Leia mais

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial Direito Comercial Estabelecimento Comercial 1. Noção Geral 2. Conceito 3. Natureza Jurídica 4. Estabelecimento x Patrimônio 5. Estabelecimento Principal e Filiais 6. Elementos Componentes do Estabelecimento

Leia mais

A NACIONALIDADE DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS

A NACIONALIDADE DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS 1 A NACIONALIDADE DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS Prof. Ms Carlo José Napolitano: Mestre em Direito ITE Bauru Prof. Do curso de Administração e Contabilidade Prof. Ms Robesval Ribeiro da Silva Mestre em organização

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves considerações tributárias quanto a atividade de empresário (antiga firma individual) na atividade de representação comercial Juliano César Borges de Vito* Um dos fatores preponderantes

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Direito do Trabalho no Tempo

Direito do Trabalho no Tempo Direito do Trabalho no Tempo Mario Paiva DIREITO DO TRABALHO NO TEMPO Art. 2. A lei só dispõe para o futuro, não tem efeitos retroativos Código Civil Francês de 1804 A norma jurídica tem eficácia limitada

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O CONCEITO DE EMPRESA E A ANÁLISE DE SUA FUNÇÃO SOCIAL. A IMPORTÂNCIA DA FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

Leia mais

1 - Direito Comercial x Direito Empresarial

1 - Direito Comercial x Direito Empresarial 1 - Direito Comercial x Direito Empresarial INSTITUTO CUIABÁ DE ENSINO E CULTURA CURSOS SUPERIORES TECNOLÓGICOS AULA 13 DIREITO COMERCIAL X DIREITO EMPRESARIAL O Direito Comercial teve sua origem de modo

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. ** 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 6.279, DE 2013 Altera a lei que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

O ÂMBITO DE PROTEÇÃO AO NOME EMPRESARIAL NO DIREITO BRASILEIRO: uma análise do artigo 1.166 do Código Civil de 2002

O ÂMBITO DE PROTEÇÃO AO NOME EMPRESARIAL NO DIREITO BRASILEIRO: uma análise do artigo 1.166 do Código Civil de 2002 1 O ÂMBITO DE PROTEÇÃO AO NOME EMPRESARIAL NO DIREITO BRASILEIRO: uma análise do artigo 1.166 do Código Civil de 2002 Camila Gonçalves Teixeira da Costa 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objetivo

Leia mais

Contratos de Agência, Representação Comercial e Distribuição: considerações.

Contratos de Agência, Representação Comercial e Distribuição: considerações. Contratos de Agência, Representação Comercial e Distribuição: considerações. Autor: Rafael Soares Gonçalves Mestre em Direito pela FDMC 1 Introdução O presente trabalho tem como objetivo básico analisar

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina LEGISLAÇÃO PARA ENGENHARIA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada*

Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada* Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada* A maioria esmagadora dos municípios seguindo o modelo equivocado da legislação paulistana, Lei n 13.701/2003, somente permite a tributação

Leia mais

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007.

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. DESCRIÇÃO DAS EMENTAS, OBJETIVOS, PLANO DE DISCIPLINAS E BIBLIOGRAFIA. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS Ementa: Empresa. Técnicas de Administração,

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.181, DE 2010 Dispõe sobre a regulamentação da atividade das Empresas de Gerenciamento de Riscos em Operações Logísticas.

Leia mais

Instrumentos jurídicos de cooperação no setor público brasileiro: consórcios, convênios e contratos de gestão

Instrumentos jurídicos de cooperação no setor público brasileiro: consórcios, convênios e contratos de gestão Instrumentos jurídicos de cooperação no setor público brasileiro: consórcios, convênios e contratos de gestão Introdução Rosiane Sasso A partir do final do século XX, a sociedade contemporânea vem experimentando

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Registro de Empresa Obrigações aos Empresários São obrigações dos empresários: a) Seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública requerer a falência do contribuinte empresário? Emerson Luiz Xavier Pereira 1 Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como

Leia mais

ANÁLISE DA NECESSIDADE DE PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DAS SOCIEDADES LIMITADAS DE GRANDE PORTE

ANÁLISE DA NECESSIDADE DE PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DAS SOCIEDADES LIMITADAS DE GRANDE PORTE Departamento de Direito ANÁLISE DA NECESSIDADE DE PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DAS SOCIEDADES LIMITADAS DE GRANDE PORTE Alunos: Christopher de Moraes Araruna Zibordi Orientador: Teresa C. G.

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 40 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

A teoria do direito empresarial se subdivide em três:

A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIAS DO DIREITO EMPRESARIAL A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIA SUBJETIVA o direito comercial se caracterizava por dois fatores: RAMO ASSECURATÓRIO DE PRIVILÉGIOS À CLASSE BURGUESA,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO - Noturno Código 50010 Créditos: 4 Pré-requisitos --

PLANO DE ENSINO. TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO - Noturno Código 50010 Créditos: 4 Pré-requisitos -- PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: Faculdade: FACITEC Curso: DIREITO Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO - Noturno Código 50010 Créditos: 4 Pré-requisitos -- 2. EMENTA: Princípios fundamentais:

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO Eduardo Augusto Cordeiro Bolzan 1 As farmácias de manipulação, aqui entendidos aqueles estabelecimentos de aviamento, manipulação 2 de

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM A SOCIEDADE SIMPLES PABLO ROGER DE ANDRADE Administração 6º período Disciplina Direito Empresarial Professor Douglas BETIM 2010 A luta pela existência é a lei suprema de

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO?

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Revista Jurídica da Unic / Emam - v. 1 - n. 1 - jul./dez. 2013 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Hellen Caroline Ordones Nery Bucair 1 INTRODUÇÃO O empresário individual,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 9ª Semestre: 2º Ano: 2013 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS

Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS 2010 OFF SHORE, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS 1 EMPRESAS OFF SHORE A globalização do comércio mundial; a integração política,

Leia mais

Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações

Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações Dinorá Carla de Oliveira Rocha Fernandes Advogada. Mestranda em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos. Especialista em

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA A disciplina busca introduzir o aluno no âmbito do direito societário: abordando a sua evolução

Leia mais

Fato gerador da obrigação tributária: noção fundamental Kiyoshi Harada*

Fato gerador da obrigação tributária: noção fundamental Kiyoshi Harada* Fato gerador da obrigação tributária: noção fundamental Kiyoshi Harada* Costumo dizer que quem domina a teoria geral do fato gerador da obrigação tributária conhece 80% do direito tributário. O conhecimento

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Direito

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA PROJETO DE LEI 4.138/2012 ADVOGADO PROFISSIONAL INDIVIDUAL ALTERAÇÃO NECESSÁRIA. Alteração legislativa que diminuirá a informalidade e a sonegação fiscal. Criação de novos empregos e formalização

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA O curso é estruturado de sorte a oferecer uma visão panorâmica dos principais aspectos dos títulos

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS Alécio Martins Sena 1 Os entes despersonalizados estão elecandos no artigo 12 do Código de Processo Civil Brasileiro, sendo eles a massa falida, o espólio,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina DIREITO EMPRESARIAL I Código

Leia mais

CONCENTRAÇÃO EMPRESARIAL CONSENTIDA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

CONCENTRAÇÃO EMPRESARIAL CONSENTIDA NO NOVO CÓDIGO CIVIL CONCENTRAÇÃO EMPRESARIAL CONSENTIDA NO NOVO CÓDIGO CIVIL Jean Carlos Fernandes 1 Típica do poder privado econômico, a concentração de empresas vem alcançando espaço no Direito Brasileiro, com relevante

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239 PARECER N.º 14.239 CONTRATO DE LOCAÇÃO EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É LOCATÁRIA. PRORROGAÇÃO. DURAÇÃO DO CONTRATO. REVISÃO DO PARECER 10.391. O presente expediente, proveniente da Secretaria da Justiça

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 1 ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 DIEGO BISI ALMADA Advogado, Consultor Empresarial, Professor

Leia mais

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 Grasiele Augusta Ferreira Nascimento 1 Introdução Um dos temas mais debatidos em Direito do Trabalho refere-se à proteção ao

Leia mais

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Prof. Nelton T. Pellizzoni : Mestrando em Direitos Difusos, Universidade Metropolitana de Santos; Especialista em Direito Civil, Comercial

Leia mais

SOCIEDADES PROFISSIONAIS DEVEM PAGAR ISS FIXO

SOCIEDADES PROFISSIONAIS DEVEM PAGAR ISS FIXO SOCIEDADES PROFISSIONAIS DEVEM PAGAR ISS FIXO Gustavo Brigagão A discussão desse tema parece infindável: se a forma como se dá a incidência do ISS nos serviços prestados por sociedades profissionais deve

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 04-00153 Direito Comercial I 2 DIR 04-00323 Direito Comercial II 3 DIR 04-00494 Direito Comercial III 4 DIR 04-00842 Direito Comercial

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

DO EMPRESÁRIO À EMPRESA: ASPECTO EVOLUTIVO

DO EMPRESÁRIO À EMPRESA: ASPECTO EVOLUTIVO DO EMPRESÁRIO À EMPRESA: ASPECTO EVOLUTIVO 490 Raul Durizzo de Oliveira 1, Amanda Durizzo Oliveira 1, Carla Bonomo 1, Pedro Teófilo de Sá 2 1 Universidade Estadual de Londrina UEL. Curso de Direito, Londrina

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 10 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 19 Data 13 de agosto de 2013 Origem COFIS ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA IRPJ A EIRELI não se confunde com

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

PLANO DE ENSINO - CURSO SEMESTRAL - 2015

PLANO DE ENSINO - CURSO SEMESTRAL - 2015 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - CURSO SEMESTRAL - 2015 Disciplina FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Código 92 Curso Graduação Série 5º Período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional

Leia mais

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL REPRESENTAÇÃO COMERCIAL I- LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: O Código Civil brasileiro traça as diretrizes gerais sobre contratos de agência e distribuição em seus artigos 710 a 721. A representação comercial no Código

Leia mais

Ementas das disciplinas do 3º período

Ementas das disciplinas do 3º período 1 Disciplina: Direito Empresarial I (Teoria Geral) C/H: 080 H/A Teoria Geral. O Direito Comercial. Evolução Histórica. Fontes. Atividade empresarial. Regime Jurídico da livre iniciativa. Registro de empresa.

Leia mais

A atividade contábil e o ISS

A atividade contábil e o ISS A atividade contábil e o ISS Janeiro de 2014. A prática da atividade de contabilista pode ser exercida por profissional autônomo, sociedade empresária e sociedade simples. Para tanto, o responsável tem

Leia mais

pela Lei n.º 11.101, de 9 de Fevereiro de 2005, sendo aplicável ao empresário e à sociedade empresária.

pela Lei n.º 11.101, de 9 de Fevereiro de 2005, sendo aplicável ao empresário e à sociedade empresária. Recuperação de Empresas do Setor Educacional Thiago Graça Couto Advogado Associado da Covac Sociedade de Advogados, especialista em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.687, DE 2012 Altera o inciso I do artigo 37 da Lei nº 8.934, de 18 de novembro de 1994, que Dispõe sobre o Registro Público

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breve histórico dos conceitos de adoção Marco Antônio Garcia de Pinho * Como citar este artigo: PINHO, Marco Antônio Garcia de. Breve histórico dos conceitos de adoção. Disponível

Leia mais

Ementa aulas dia 28.04.2015 e 05.05.2015 ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CONSTITUCIONAL

Ementa aulas dia 28.04.2015 e 05.05.2015 ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CONSTITUCIONAL Ementa aulas dia 28.04.2015 e 05.05.2015 ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CONSTITUCIONAL Tema: Contratos Regulados Professor: Gabriel Schulman (gabriel@schulman.com.br)

Leia mais

A fim de determinar o nome empresarial torna-se necessário entender as seguintes conceituações:

A fim de determinar o nome empresarial torna-se necessário entender as seguintes conceituações: FORMAÇÃO DO NOME EMPRESARIAL - Regras Aplicáveis A matéria foi elaborada com base na legislação vigente em: 18/07/2011. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - CONCEITUAÇÕES DE NOME, FIRMA E DENOMINAÇÃO 3 - PRINCÍPIOS

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO CURSO DIREITO DISCIPLINA DIREITO EMPRESARIAL IV PROFESSOR Ms. TATYANE KAREN DA SILVA

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA CLEILTON FERNANDES 1, JEFFESON CORDEIRO MUNIZ 1, LIDIANE FREITAS VARGAS 1, NIRLENE OLIVEIRA 1, SHEILA CRISTINA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO FLÁVIO LANDI (*) A Lei n. 10.406, publicada aos 11.1.2002, com vacatio legis de um ano, instituiu

Leia mais