Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES/ANBIMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES/ANBIMA"

Transcrição

1 Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES/ANBIMA Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Ministro Joaquim Levy Luciano Coutinho Denise Pavarina ANBIMA, 5 de Junho 2015

2 Por que unir BNDES e Mercado de Capitais? Motivações Crescimento do mercado de capitais é parte da estratégia de desenvolvimento do país; Títulos de renda fixa ampliam e diversificam as fontes de financiamento de longo prazo; BNDES e Mercado tem capacidade de originação que alavanca a captação de poupança privada; 2

3 A quem se destina? Mudanças nas Políticas do BNDES 3 Tamanho da Empresa Setores contemplados: ROB superior a R$ 1 bilhão; Agropecuária e Agroindústria; Valores mínimos por operação Financiamento total: R$ 200 milhões; Emissão: de R$ 50 milhões; Operação sem Debêntures 25% em TJLP ; 75% outras moedas" (ex: Selic, IPCA) Operação com Debêntures 50% em TJLP ; 50% outras moedas (ex: Selic, IPCA) Indústria Extrativa e de Transformação; Petróleo e Gás: Distribuição de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis; Comércio e serviços; Infraestrutura: investimentos complementares ao longo da concessão Investimentos dos leilões de concessão serão objeto de regras específicas, a serem anunciadas

4 Os instrumentos de mercado Características dos títulos Destinação de recursos: projeto de investimento apoiado pelo BNDES (explícito na escritura de emissão); Oferta pública, com esforços amplos ou restritos de colocação; Instrumentos de mercado: Debêntures Simples, FIDCs, CRIs e CRAs; Prazo médio superior a 48 meses; Precificação e distribuição definidas por meio de procedimentos claros e transparentes, preferencialmente por meio de coleta de intenção de investimento ( bookbuilding ); Resgate antecipado permitido somente no último ano antes do vencimento da debênture; Repactuação somente após transcorridos 48 meses da data de emissão; Emissões serão consideradas a partir de 6 meses anteriores à consulta até 12 meses após a contratação do financiamento do BNDES;

5 Caso 1: sem emissão de debêntures Itens Financiáveis do Projeto R$ 400 milhões Participação Máxima do BNDES (ex: 50%) R$ 200 milhões TJLP R$ 50 milhões Linha BNDES Selic ou IPCA R$ 150 milhões 5

6 Caso 2: com volume mínimo de debêntures Itens Financiáveis do Projeto R$ 400 milhões Participação Máxima do BNDES (50%) R$ 200 milhões Debêntures R$ 50 milhões TJLP R$ 100 milhões Linha BNDES Selic ou IPCA R$ 50 milhões 6

7 Caso 3: com otimização da alavancagem Itens Financiáveis do Projeto R$ 400 milhões Não há vedação para a captação em volumes superiores ao mínimo Participação Máxima do BNDES (50%) R$ 200 milhões Debêntures (*) R$ 100 milhões TJLP R$ 100 milhões Linha BNDES Selic ou IPCA R$ 50 milhões (*) valor varia em função da alavancagem pretendida pelo emissor 7

8 O mecanismo de incentivo: redução do custo para empresas A possibilidade de dobrar o volume de TJLP, desde que comprovado o uso de instrumentos de mercado, reduz o custo all in de dívida para a empresa Δ Custo All In 200 bps Com Emissão Sem Emissão (*) estimativas a partir de caso hipotético de empresa investment grade, considerando referências atuais de taxas e spreads

9 O mecanismo de incentivo: diversificação do funding de longo prazo A iniciativa complementa a redução dos níveis de participação implementados pelo BNDES, ampliando a participação dos recursos privados no financiamento de longo prazo 30% 30% 20% 47% 50% 23% Até dez/2014 jun/15 BNDES Mercado Equity/Caixa (*) Estimativas considerando alavancagem de 70/30 para projetos corporativos, considerando os efeitos de redução dos níveis de participação (para o caso da indústrias de base) e o programa de incentivo implementado a partir de hoje.

10 Considerações finais 1 Com essas medidas, o BNDES inclui os instrumentos de mercado de capitais como parte integrante de suas Políticas Operacionais; 2 BNDES e ANBIMA manterão a parceria, tanto no monitoramento das medidas implementadas a partir de hoje, quanto na agenda institucional para a promoção do mercado de capitais; 3 Esperamos um aumento das emissões de mercado, sobretudo a partir da retomada dos investimentos; 10

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

Tendências do Mercado de Capitais BM&FBOVESPA

Tendências do Mercado de Capitais BM&FBOVESPA Tendências do Mercado de Capitais BM&FBOVESPA Ago/215 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público X AGENDA Opções de captação de recursos Histórico do mercado Tendências BM&FBOVESPA Confidencial

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais ESTUDOS E PESQUISAS Nº 417 Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais Carlos A. Rocca * XXIV Fórum Nacional Rumo ao Brasil Desenvolvido (Em Duas Décadas): Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Workshop de Securitização FIDC E CRI Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Mercado Iniciativas do Mercado - ANBIMA Classificação de FIDCs Formulário

Leia mais

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Edson Dalto Departamento de Transporte e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura Brasília, 15/10/2015 (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Unidade Serviços em Infraestrutura Apresentação para o Conselho Diretor 12.05.2015 Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Brasil Outubro/2015 1 Dentre 140 países, o Brasil é o

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas Bruno Boetger Managing Director, Bradesco BBI 30 de Novembro de 2010 Estritamente Confidencial Fontes de financiamento para as empresas Instrumentos

Leia mais

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Novas Políticas Operacionais BNDES Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Preparação do Banco para as novas Políticas Operacionais Aumento da eficiência e agilização dos procedimentos do banco, através

Leia mais

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Outubro / 2011

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Outubro / 2011 Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa Outubro / 2011 Contribuições do BNDES Pacote de Medidas de Estímulo ao Financiamento de LP Iniciativas do BNDES Novo Programa de Aquisição de Debêntures

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS 04 DE NOVEMBRO DE 2014 INSTITUTO IBMEC MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Centro de Estudos

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS Novembro de 2015 SUMÁRIO NOTA CEMEC 09/2015 São apresentadas adiante estimativas da composição da divida (exigível financeiro) das empresas

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente

Leia mais

Letras Financeiras. Visão dos Reguladores e do Mercado. Departamento de Normas do Sistema Financeiro (Denor) Sergio Odilon dos Anjos

Letras Financeiras. Visão dos Reguladores e do Mercado. Departamento de Normas do Sistema Financeiro (Denor) Sergio Odilon dos Anjos Letras Financeiras Visão dos Reguladores e do Mercado Sergio Odilon dos Anjos 21 de fevereiro de 2011 São Paulo (SP) 1 Agenda 1. Antecedentes 2. Depósitos a Prazo 3. Debêntures 4. Arcabouço Legal (Lei

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Agência de Fomento Paulista

Agência de Fomento Paulista Financiamento ao Desenvolvimento Regional Crédito para as Pequenas e Médias Empresas 2011 Agência de Fomento Paulista A Agência de Fomento Paulista - Nossa Caixa Desenvolvimento é uma instituição financeira

Leia mais

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP Outubro 2015 QUEM SOMOS E NOSSA EXPERIÊNCIA 9º maior escritório do Brasil Estamos entre os três melhores escritórios brasileiros na área de direito público,

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA EXAME FORUM INFRAESTRUTURA O MERCADO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA Carlos A. Rocca 24092014 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC INDICE 1. Colocação do problema 2. A necessidade de um novo

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital

Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Fabio Stefano Erber Diretor Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Caio Britto de Azevedo Chefe do DEPIP Rio de Janeiro Julho de

Leia mais

Os dados apresentados na exposição de motivos demonstravam que:

Os dados apresentados na exposição de motivos demonstravam que: Alterações promovidas pela Lei nº12.431/11 na Lei das Sociedades por Ações Luiz Rafael de Vargas Maluf Ruberval de Vasconcelos Júnior 08 de setembro de 2011 Reunião do Comitê Societário do CESA Histórico

Leia mais

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 1 Dyogo Henrique de Oliveira Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 2 Conferência Cetip de Renda Fixa Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de

Leia mais

Evolução do Mercado de Renda Fixa Local

Evolução do Mercado de Renda Fixa Local Evolução do Mercado de Renda Fixa Local Dyogo Henrique de Oliveira Secretário-Executivo Adjunto Ministério da Fazenda IV Seminário ANBIMA de Finanças Corporativas 1 24 de maio de 2012 1. Intermediação

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson Política e Alternativas de Investimentos Alessandra Cardoso Towers Watson Processo de gestão de recursos Governança Definir Definição dos objetivos Alocação dos recursos Estrutura de investimento Executar

Leia mais

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas João Carlos Zani Diretor, Bradesco BBI 23 de Novembro de 2010 Estritamente Confidencial Fontes de financiamento para as empresas Instrumentos de

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 Modelos de Financiamento do BNDES para Projetos de Geração de Energia e Condições de Acesso às Linhas Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas

Leia mais

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD)

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) Conteúdo Programático Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) 1. A atividade do agente autônomo de investimento Instrução CVM 497 Diferenciação das atividades do agente autônomo, administração de carteiras,

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

Principais Títulos e Valores Mobiliários. Potencial para Instrumentos Incentivados. Infraestrutura no Brasil. Panorama Atual

Principais Títulos e Valores Mobiliários. Potencial para Instrumentos Incentivados. Infraestrutura no Brasil. Panorama Atual AGENDA 2 1 Mercado de Capitais 1.1 Introdução 1.2 Principais Títulos e Valores Mobiliários 1.3 Potencial para Instrumentos Incentivados 1.4 Aplicabilidade dos Títulos e Valores Mobiliários em Projetos

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

Certificado de Operações Estruturadas (COE)

Certificado de Operações Estruturadas (COE) Certificado de Operações Estruturadas (COE) Sergio Odilon dos Anjos Departamento de Regulação do Sistema Financeiro São Paulo, 15 de maio 2014 Agenda 1. Linha do tempo e status atual 2. Base legal 3. Contexto

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012 PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SÃO PAULO 29/06/2012 C.A.ROCCA INDICE 1. Bases da proposta do IBMEC 2. Mercado de capitais brasileiro: regulação, funcionalidade

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

Financiamento em Project Finance Fabio Kono

Financiamento em Project Finance Fabio Kono Financiamento em Project Finance Fabio Kono Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas & Respostas Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas

Leia mais

A Importância do Mercado Secundário

A Importância do Mercado Secundário A Importância do Mercado Secundário Apresentação ao Conselho Superior de Estudos Avançados CONSEA da FIESP Agosto / 2015 Agosto/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 Sobre a BM&FBOVESPA

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 QUEM SOMOS Legal Instituição Financeira do Estado de São Paulo, vinculada a Secretaria

Leia mais

Crédito para o Desenvolvimento

Crédito para o Desenvolvimento Crédito para o Desenvolvimento O BADESUL Agência de Fomento, controlada pelo Governo Estadual, integra o Sistema de Desenvolvimento do Estado coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos. Investimento. SUFES Superintendência Nacional de Fundos de Investimentos Especiais Agosto/2010

IV Brasil nos Trilhos. Investimento. SUFES Superintendência Nacional de Fundos de Investimentos Especiais Agosto/2010 IV Brasil nos Trilhos Investimento Agosto/2010 Atratividade e Expansão do País A economia brasileira apresenta um cenário de crescimento forte e estável Crescimento no longo do PIB Real (%) prazo, PIB

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Ludmila Carvalho Colucci 06/04/2009 Foto: PCH Cotiporã 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas Operacionais Operações Estruturadas Foto:

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito 21.10.2013 OBJETIVOS INSTITUCIONAIS Ser parceiro estratégico do Governo Estadual em seus planos de desenvolvimento; Contribuir para a redução das diferenças

Leia mais

O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos

O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos Os seguros de D&O e RCP (Responsabilidade Civil Profissional) raramente são pensados como uma estratégia de captação de recursos, ainda que a maioria

Leia mais

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014 MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL Brasília, 18 de junho de 2014 1 Objetivos Fortalecer a indústria no novo ciclo de desenvolvimento econômico Estimular aumentos de produtividade e da competitividade Promover

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Desafios atuais no financiamento de projetos de infraestrutura no Brasil e possíveis soluções

Desafios atuais no financiamento de projetos de infraestrutura no Brasil e possíveis soluções Desafios atuais no financiamento de projetos de infraestrutura no Brasil e possíveis soluções GLOBAL INFRASTRUCTURE Vitoria, 10 de novembro, 2015 kpmg.com.br 2015 KPMG Consultoria Ltda, uma sociedade brasileira

Leia mais

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA BM&F BOVESPA 30/01/2015 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC Carlos A. Rocca INDICE 1. Investimentos crescimento em infraestrutura e retomada

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Abril, 2014 Mercado Imobiliário e Mercado de Capitais Relembrando o Passado Recente Maior renda da população Evolução

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T15

Apresentação de Resultados 1T15 Apresentação de Resultados 1T15 1 Destaques do Período Início da operação comercial de quatro parques do LEN A-3 2011 Início da operação comercial: 04 de março de 2015 Os outros 5 parques serão conectados

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS NO FINANCIAMENTO PRIVADO DE INFRAESTRUTURA

MERCADO DE CAPITAIS NO FINANCIAMENTO PRIVADO DE INFRAESTRUTURA MERCADO DE CAPITAIS NO FINANCIAMENTO PRIVADO DE INFRAESTRUTURA FIESP CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS (CONSEA) 17 DE AGOSTO DE 2015 CARLOS A. ROCCA INDICE 1. Importância do investimento em infraestrutura

Leia mais

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Página 1 de 5 Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Associações pedem à CVM que seja menos rigorosa em norma que deve aumentar limite para que investidores

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil Introdução Intermediação Financeira Captação x Aplicação Risco x Retorno Spread Bancário CDI Análise do Crédito Empréstimos e financiamentos Banco Tomador

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios. Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa

Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios. Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios 4 Mercado

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais

As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais A retomada dos investimentos e o Mercado de Capitais Agosto de 2015 As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais

Leia mais

Julho/2008. O Que São Debêntures

Julho/2008. O Que São Debêntures Julho/2008 O Que São Debêntures As debêntures são títulos que se ajustam perfeitamente às necessidades de captação das empresas. Graças a sua flexibilidade, transformaram-se no mais importante instrumento

Leia mais

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Rochester Gomes da Costa Chefe do Departamento de Empreendedorismo Inovador Area de Investimentos

Leia mais

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013 Financiamento à implementação da PNRS 7 de maio de 2013 Atratividade financeira Instrumentos financeiros FINEM Capacidade Produtiva linha de base Linhas de Meio Ambiente Fundo Clima BNDES Inovação PSI

Leia mais

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 Proposta de Reforma do ICMS Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 1 Por que a reforma? A guerra fiscal se esgotou A incerteza jurídica sobre os incentivos do ICMS já prejudica realização de novos investimentos

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

O papel da remuneração no engajamento profissional

O papel da remuneração no engajamento profissional O papel da remuneração no engajamento profissional 15 de Maio de 2014 Agenda 1. Sobre o Hay Group 2. Contexto de mercado 3. Estudo global: O papel da remuneração no engajamento 4. Estudo Brasil: Melhores

Leia mais