Este tutorial apresenta uma breve descrição do Protocolo MeGaCo (MEdia GAteway COntrol), utilizado para a sinalização de Mídia Gateways em redes VoIP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este tutorial apresenta uma breve descrição do Protocolo MeGaCo (MEdia GAteway COntrol), utilizado para a sinalização de Mídia Gateways em redes VoIP."

Transcrição

1 MeGaCo: Conheça o protocolo de sinalização de Mídia Gateways VoIP Este tutorial apresenta uma breve descrição do Protocolo MeGaCo (MEdia GAteway COntrol), utilizado para a sinalização de Mídia Gateways em redes VoIP. Júlio César Mondadori de Oliveira Técnico em Eletrônica e Telecomunicações, licenciado em Matemática, concluiu em 2005 a Pós-Graduação (latu sensu) pelo INATEL (Instituto Nacional de Telecomunicações) em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações, com trabalho de conclusão final sobre o Protocolo MEGACO ou H.248. Atuou, desde 1987, em telecomunicações na extinta Telebrasília, na área de operação e manutenção - O&M (telefonia fixa). No início trabalhou com centrais analógicas (PC1000B), em 1994 passou a trabalhar com centrais digitais, primeiro com o sistema AXE da Ericsson e depois o 5ESS da Lucent - sempre em O&M. Durante o período na Telebrasília fêz vários cursos de especialização como: Teoria do Tráfego Telefônico, Básico de PCM, Sinalização SS7, os quais ainda hoje são atuais. Com a privatização passou para a Brasil Telecom. Atualmente trabalha na Alcatel na área de O&M, para a Brasil Telecom, como líder de equipe da tecnologia Lucent. Também está envolvido com O&M dos equipamentos para NGN da Huawei. Categoria: VoIP Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 20/11/2006 1

2 MeGaCo: Introdução O crescimento do transporte de voz sobre IP (VoIP) tornou indispensável interligar os vários tipos de redes existentes, a RCC (Rede de Circuitos Comutados), a Celular com as redes IP. A interligação é feita através dos Mídia Gateway, ou Gateway MG. O Mídia Gateway é um elemento da rede NGN, Next Generacion Network, que funciona como ponto de junção entre diferentes redes de transporte, e possui um conjunto de funcionalidades que começa com a simples adaptação do transporte, a operacionalidade entre o tradicional e o novo protocolo de sinalização da chamada e envolve a compressão e descompressão da mídia, caso seja necessário. Para controlar os Gateways foram desenvolvidos vários protocolos, tais como Media Gateway Control Protocol, MGCP, pelo IETF, e Media Protocol Device Control, MDCP, pelo ITU-T, mas esses protocolos não conseguiram se tornar padrões de mercado por serem correntes diretos entre si. Da necessidade de criar um padrão para o controle dos Mídia Gateways surgiu o protocolo MeGaCo, Media Gateway Control ou H.248. É um protocolo e arquitetura desenvolvidos em conjunto pelo Grupo de Trabalho MEGACO do IETF e pelo Grupo de Estudo de 16 do ITU-T. No IETF é definido pela RFC 3525 v.2 e no ITU-T pela Recommendation H É constituído por três elementos: Media Gateway Controller (MGC), Media Gateway (MG), e Signalling Gateway (SG). O MeGaCo/H.248 separa fisicamente o plano de controle, MGC (também conhecido como Softswitch), do plano de conexão, o MG, conforme apresentado na figura 1. O MGC é responsável por trocar as sinalizações e mensagens com as outras redes e protocolos, converter as mensagens para os comandos do MeGaCo/H.248 e encaminhar na rede IP para os MG s, controla também a existência das entidades lógicas no MG. O MG pode estar localizado física distante do MGC, e recebe os comandos MeGaCo/H.248 para criar e deletar as entidades do protocolo. Recebe a mídia de diferentes tipos de rede e faz a conversão para a rede IP. Figura 1: Estrutura simplificada do MeGaCo. 2

3 Existem dois tipos de MG: Residential Mídia Gateway (RGW), que possui assinantes ligados, e Trunk Mídia Gateway (TGW), que interliga a RCC e a rede Celular ao mundo IP. O Signalling Gateway (SG) é um tipo de MG especializado na conversão da sinalização Nº7 para rede IP. 3

4 MeGaCo: Modelo de Conexão O modelo de conexão descreve as entidades lógicas ou objetos dentro do MG que podem ser controlados pelo MGC. As principais abstrações usadas no modelo de conexão são: Terminações e Contextos. Um Contexto é uma associação entre terminações. Possui os seguintes atributos: A topologia, o percurso da mídia(s); e O ContextoID, a identificação. O contexto descreve a topologia da conexão e a mistura (mixagem) da mídia, e/ou faz a comutação dos parâmetros se mais de duas terminações estiverem envolvidas na associação. O contexto é criado pela associação da primeira terminação e deletado quando a última terminação é removida. O protocolo permite mudar uma terminação de um contexto para outro, podendo modificar os parâmetros das terminações existentes. Há um tipo especial de contexto - o contexto nulo - que contém todas as terminações semi-permanentes que não estão associadas a qualquer outra terminação e todos seus parâmetros estão com valores nulos. Por exemplo, Residential Gateway: todas as linhas de assinantes livres são representadas pelas terminações no contexto nulo. A terminação é uma entidade lógica no MG que pode ser a origem ou o final de mídias e/ou controle de streams. A terminação tem identidade única, a TerminationID, associada pelo MG no momento de sua criação. Uma terminação é caracterizada por um número de propriedades que são agrupadas no conjunto dos descritores. Terminações representando entidades físicas que têm uma existência contínua, mas não estão em uso o tempo todo, são chamadas semi-permanentes. Por exemplo: Os time-slots de um E1 ligado entre um MG, tipo TGW, e uma central telefônica. Terminações que representam fluxos temporários, como fluxos de RTP, existem enquanto estão sendo usadas e são chamadas transitórias (ver figura 2). As terminações transitórias são criadas pelo comando ADD e destruídas pelo comando SUBTRACT. As semi-permanentes criadas e deletadas com os comandos ADD e SUBTRACT são movidas do/para o contexto nulo respectivamente. A terminação chamada ROOT é uma referência ao próprio MG. As terminações podem receber e transmitir sinais como tons DTMF e a identificação do chamador. AS Terminações podem ser programadas para detectar eventos, e a ocorrência deles pode disparar mensagens para o MGC ou ações pelo MG. As estatísticas são acumuladas nas próprias terminações e reportadas ao MGC por comando. 4

5 Figura 2: Esquema simplificado do Modelo de Conexão. 5

6 MeGaCo: Comandos O protocolo fornece comandos para manipular as entidades lógicas do modelo de conexão do protocolo, ou seja, os contextos e terminações. O comando provê o controle completo das propriedades dos contextos e das terminações. Tipos de Comandos O protocolo MeGaCo possui os seguintes tipos de comandos: ADD: O comando Add adiciona uma terminação a um contexto. O comando Add na primeira terminação no contexto é usado para criar o contexto. Enviado pelo MGC; MODIFY: O comando Modify modifica as propriedades, eventos e sinais em uma terminação; SUBTRACT: O comando Subtract desconecta a terminação do contexto. Quando é usado na última terminação do contexto, deleta o contexto. Enviado pelo MGC; MOVE: O comando Move transporta a terminação de um contexto para o outro. Enviado pelo MGC; AUDITVALUE: O comando AuditValue solicita o valor atual do estado de propriedades, eventos, sinais e estatísticas de uma terminação específica. Enviado pelo MGC; AUDITCAPABILITIES: O comando Auditcapabilities solicita todos os valores possíveis de propriedades, eventos e sinais nas terminações do MG. Enviado pelo MGC; NOTIFY: O comando Notify permite ao MG informar ao MGC os eventos e sinais recebidos que estão ocorrendo MG. Comando Exclusivo do MG; SERVICECHANGE: O comando Servicechange permite ao MG notificar o MGC que uma terminação ou grupo de terminações está fora de serviço ou entrou em serviço, para se registrar no MGC. O MGC pode informar que está passando o controle para outro MGC ou informar ao MG que tire de serviço uma terminação ou um grupo de terminações. Enviado pelo MGC e pelo MG. A estrutura dos comandos é: Comando = Terminação. Exemplos de comando: ADD = terma: adiciona a terminação A; e MODIFY = EphA: modifica a terminação transitória A. Para cada comando enviado deverá haver uma confirmação de recebimento, através da resposta REPLY Comando. Descritores Os parâmetros dos comandos são chamados descritores. Cada tipo de descritor carrega um tipo de informação para uma função específica do protocolo. Um descritor consiste em um nome e uma lista de itens. Alguns exemplos de descritores: Media: descreve a transformação para ser aplicada no fluxo de mídia através da terminação; Events, EventBuffer e ObservedEvents: seleciona e reporta o evento corrente de interesse do MGC; Signals: indica para MG qual sinal o MGC deseja que seja monitorado; TerminationsState: carrega informações sobre a terminação; LocalControl: Determina a direção do fluxo do stream; Local and Remote: Carrega informações descrevendo o tipo fluxo de mídia no stream. O formato geral dos descritores é: 6

7 Descriptor Name = <someid>{parâmetro = value, parâmetro = value,...} Exemplos de descritores: o descritor a seguir modifica a terminação A para verificar o evento de telefone fora do gancho. Transações MODIFY = TermA{Events = 1111 {al/of}} Os comandos são agrupados dentro de ações, e as ações dentro das transações (ver figura 3). Cada transação é identificada pelo Transaction ID. As transações garantem que seus comandos sejam executados dentro da seqüência. Podem ser executadas fora de ordem ou simultaneamente. Para cada transação executada com sucesso há uma resposta, a Transaction Reply com o mesmo Transaction ID. Quando o MG não envia a Transaction Reply, o MGC envia Transaction Pending, informando que existe uma transação pendente. Pacotes Figura 3: Esquema simplificado de uma Transação. Os pacotes são usados pelo protocolo com a finalidade de definir os detalhes necessários para as aplicações. Todos os sinais, eventos e estatísticas são definidos nos pacotes. O protocolo permite definir novos sinais, eventos e estatísticas apenas carregando novos pacotes. Estes podem ser criados a partir de pacotes já existentes, devendo ser registrados na The Internet Assigned Numbers Authority (IANA). Eventos São definidos nas terminações pelas propriedades. O MGC informa ao MG o evento que deve ser monitorado, como por exemplo, Telefone fora do gancho, usando o descritor Event no formato abaixo: Events = 1111 {al/of} 7

8 Outros exemplos de eventos que podem ser monitorados são: Telefone no gancho e Telefone em chamada falsa. Sinais São definidos nas terminações pelas propriedades e, por serem enviados e recebidos nas terminações, o MGC informa ao MG qual sinal deve ser enviado ou recebido com o descritor Signal, como por exemplo, o tom de discar, no formato abaixo: Signals {cg/dt} Outros exemplos de sinais que podem ser enviados são: os dígitos discados, o tom de chamada, o sinal de campainha e o tom de ocupado. Estatísticas São registradas e armazenadas nas terminações. São configuradas pelas propriedades, e podem ser armazenadas e enviadas posteriormente ou imediatamente. As estatísticas são coletadas quando o contexto é deletado. Alguns exemplos de estatísticas são: Número de pacotes enviados e recebidos; Número de octetos enviados e recebidos; Número de pacotes perdidos; Atraso de pacotes pelo enfileiramento nos roteadores da rede; Jitter; MGC manda deletar o contexto e o MG, na resposta Reply Transaction envia as estatísticas no descritor Statistics. Um exemplo de pacote de estatística enviado é apresentado a seguir: Statistics {rtp/ps=1234, ; packets sent} 8

9 MeGaCo: Aplicação O protocolo MeGaCo/H.248 foi desenvolvido para ser utilizado em um cenário NGN. Utilizaremos no exemplo os seguintes elementos, conforme apresentado na figura 4: 1 MGC; 1 Softswitch; 1 RGW (Residential Gateway); 1 TGW (Trunk Gateway); 1 SG (Signalling Gateway); e 1 Central Telefônica. Será originada uma chamada de um assinante ligado ao RGW para um assinante na central telefônica. Do RGW até TGW a voz irá pela rede IP, do TGW até a central telefônica irá através de um canal PCM de 64kbits/s. O MGC é acessado somente pela rede IP, ou seja, os comandos do protocolo MeGaCo/H.248 irão também pela rede IP. O RGW e TGW têm dois endereços IP cada, um para a voz e outro para os comandos do protocolo MeGaCo/H.248. O MGC se comunicará com a rede telefônica através do SG, este receberá a sinalização de canal comum número 7 (SS7) da central telefônica e fará a conversão para a rede IP e encaminhará para o MGC. Figura 4: Diagrama de uma chamada VoIP para rede telefônica convencional. As transações realizadas pelos equipamentos envolvidos nessa chamada, usando o protocolo MeGaCo, é apresentada a seguir: Usuário A RGW MGC TGW CENTRAL AÇÃO Passo 1 O MGC envia um comando para a MODIFY para a TermA (terminação semipermanente do usuário A) 9

10 - - Usuário A RGW MGC TGW CENTRAL no RGW1 com os descritores: verificar o evento de telefone fora do gancho, enviar sinal de discar, digmap, telefone no gancho. Passo 2 MG responde para MGC. Passo 3 O usuário A tira o telefone do gancho. Passo 4 O RGW detecta a mudança de estado e gera o comando NOTIFY com descritor de Observed Events informando que a mudança de estado para o MGC Passo 5 O MGC responde o NOTIFY. Passo 6 O MGC envia um comando MODIFY para o RGW colocar o tom de discar e preparar a recepção do dígitos pelo usuário A. Passo 7 O usuário recebe o tom de discar. Passo 8 O RGW responde o MODIFY. Passo 9 O RGW recebe os dígitos gerados pelo usuário A. AÇÃO Passo 10 O RGW gera um comando NOTIFY para MGC com a seqüência recebida do usuário A. Passo 11 O MGC responde o NOTIFY para o RGW. Passo 12 O MGC gera um mensagem de SS7, IAM, com a informações sobre o usuário A, o número de destino e encaminha para central telefônica pelo SG. Passo 13 O MGC envia dois comandos ADD para RGW. Uma para mudar o contexto do usuário A do contexto nulo e alterar seus parâmetros, outro comando ADD para criar uma terminação temporária com destino ao TGW e automaticamente o contexto que une as duas terminações. Passo 14 A central telefônica envia uma mensagem SS7, ACM, com as informações do assinante na central telefônica: livre, chamada tarifada. 10

11 Usuário A RGW MGC TGW CENTRAL <= VoIP ==== => <= PCM ===> Usuário A RGW MGC TGW CENTRAL Passo 15 O RGW envia a resposta dos comandos ADD junto com as informações sobre o contexto e a mídia. Passo 16 O MGC envia para TGW dois comandos ADD. Para criar uma terminação transitória e o contexto 1, para recebe o fluxo de VoIP vindo do RGW através da rede IP. Move uma terminação semipermante do contexto nulo para o contexto 1. Passo 17 O TGW responde os comandos ADD para o MGC. AÇÃO Passo 18 O MGC envia um comando MODIFY para alterar o contexto e enviar para o usuário A tom de chamada. Passo 19 O usuário A escuta o tom de chamada. Passo 20 O RGW responde os comandos MODIFY. Passo 21 A central telefônica detecta o atendimento e envia para o MGC um sinal SS7, ANM. Passo 22 O MGC ao recebe o ANM, gera um outro comando MODIFY para alterar a contexto, para poder enviar e recebe a mídia, VoIP, ou seja torna o contexto bidirecional. Passo 23 O RGW responde os comandos MODIFY. Passo 24 O MGC envia dois comandos MODIFY para TGW. Os comandos têm a função de modificar as terminações e o contexto para recebe e enviar a mídia, VoIP.. Passo 25 O TGW responde os comandos MODIFY. Agora já existe comunicação entre a rede de telefonia convencional e uma rede baseada no IP. AÇÃO 11

12 Passo 26 O usuário A desliga a chamada. Passo 27 O RGW envia um comando NOTIFY para MGC informando a mudança de estado do usuário A. Passo 28 O MGC responde o NOTIFY. Passo 29 O MGC envia dois comandos SUBRACT. A terminação semipermanente voltará para o contexto nulo, a terminação temporária e contexto serão deletados. Passo 30 O MGC envia uma mensagem SS7 de desconexão para a central de telefonia, REL. Passo 31 O RGW responde aos comandos SUBRACT e envia nos descritores da resposta as estatísticas da comunicação. Passo 32 O MGC envia dois comandos de SUBTRACT para o TGW. A terminação semipermanente voltará para o contexto nulo e a terminação temporária e o contexto serão deletados. Passo 33 A central de telefonia responde a mensagem de REL com uma mensagem RLC. Passo 34 O TGW responde os comandos SUBRACT. Nos descritores da resposta carregam as estatísticas da comunicação. 12

13 MeGaCo: Considerações Finais O protocolo MeGaCo/H.248 é mais poderoso que seus antecessores com MGCP por que: É um padrão aberto; Pode ser revisado e ajustado; Possui alta interoperabilidade com vários fabricantes; Possui poucas inconsistências; e É aplicável para todo tipo de rede de pacotes. Por todos este motivos o MeGaCo/H.248 é considerado atualmente como sendo o protocolo de controle para Rede NGN. 13

14 MeGaCo: Teste seu Entendimento 1. Os elementos que compõe arquitetura do protocolo MeGaCo são: Contexto, Terminação, Stream. Contexto, MGC, SG. MGC, MG e SG. SG, MG, Terminação. 2. Qual comando é utilizado pelo MG para enviar informações para o MGC? NOTIFY. MODIFY. ADD. IAM. 3. O que é a terminação ROOT? Uma referência ao contexto nulo. Uma referência ao MGC. Uma referência ao protocolo todo. Uma referência ao MG. 4. Quando as estatísticas são enviadas? Na resposta do comando ADD. Na resposta do comando SUBRACT. No início com o comando NOTIFY. Não há envio das estatísticas. 14

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES GILSON EVANDRO JUST JUNIOR

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES GILSON EVANDRO JUST JUNIOR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES GILSON EVANDRO JUST JUNIOR FERRAMENTA DIDÁTICA PARA OPERAR COMO MEDIA GATEWAY CONTROLLER Projeto

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

05.01 Media Gateway Control

05.01 Media Gateway Control 05.01 Media Gateway Control Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Funções de um Gateway Conversão da sinalização Depende da sinalização utilizada Linguagem utilizada para

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2. ENDEREÇOS IP... 3 3. ANALISANDO ENDEREÇOS IPV4... 4 4. MÁSCARA DE SUB-REDE... 5 5. IP ESTÁTICO E

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Ao ligar o equipamento, você verá a mensagem abaixo, o objetivo dela é fazer a configuração mínima para LOGAR ao servidor da Internet.

Ao ligar o equipamento, você verá a mensagem abaixo, o objetivo dela é fazer a configuração mínima para LOGAR ao servidor da Internet. MANUAL DE OPERAÇÃO DO NET MACHINE VOCÊ NÃO NECESSITA MAIS DE UM COMPUTADOR PARA CONVERSAR COM ALGUÉM QUE ESTA NO MIRC NET MACHINE É UM PLACA ELETRÔNICA DE BAIXO CUSTO A PLACA TAMBEM PODE MANDAR E LER E-MAILS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

Outlook 2003. Apresentação

Outlook 2003. Apresentação Outlook 2003 Apresentação O Microsoft Office Outlook 2003 é um programa de comunicação e gerenciador de informações pessoais que fornece um local unificado para o gerenciamento de e-mails, calendários,

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G.

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G. Interoperabilidade UMTS-to-GSM (IRAT Inter-Radio Access Technology) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Interoperabilidade entre os sistemas UMTS e GSM (IRAT Inter-Radio Access

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade Interoperabilidade entre Plataformas de SMS Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade . Índice: ESPECIFICAÇÕES INICIAIS DE PROJETO E REQUISITOS TÉCNICO PARA INTEROPERABILIDADE DE SMS

Leia mais

Manual. DSC510 Discador Celular GSM. Produzido por SMC Produtos Eletrônicos Ltda. www.fks.com.br PRODUTOS ELETRÔNICOS REV. A

Manual. DSC510 Discador Celular GSM. Produzido por SMC Produtos Eletrônicos Ltda. www.fks.com.br PRODUTOS ELETRÔNICOS REV. A Manual DSC510 Discador Celular GSM PRODUTOS ELETRÔNICOS Produzido por SMC Produtos Eletrônicos Ltda. www.fks.com.br REV. A PRODUTOS ELETRÔNICOS GARANTIA ÍNDICE 1 - A P R E S E N T A Ç Ã O.........................................................................

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRODUTO: IDENTIFICADOR DE CHAMADAS Ic-Box SUB-PRODUTO: DESCRIÇÃO: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO USB/SERIAL ELABORAÇÃO: FABIO / Wagner ÁREA: TEC 1 Equipamentos: 1. IC-Box com interface USB/serial 2. Microcomputador

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação TRBOnet MDC Console Manual de Operação Versão 1.8 ÍNDICE NEOCOM Ltd 1. VISÃO GERAL DA CONSOLE...3 2. TELA DE RÁDIO...4 2.1 COMANDOS AVANÇADOS...5 2.2 BARRA DE FERRAMENTAS...5 3. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS...6

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Thiago de Almeida Correia São Paulo 2011 1. Visão Geral Em uma rede de computadores local, os hosts se enxergam através de dois endereços, sendo um deles o endereço Internet

Leia mais

Extensão de linhas analógicas através de gateways IP sem uso de servidor SIP

Extensão de linhas analógicas através de gateways IP sem uso de servidor SIP Extensão de linhas analógicas através de gateways IP sem uso de servidor SIP Cenário Gateway ponto-a-ponto: Extendendo linhas analógicas sobre IP com os GATEWAYS GXW410X FXO & GXW400X FXS DESCRIÇÃO Esta

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Data) 31/08/2015. Empresa) Motorola. Questionamento 01. Questionamentos sobre itens do Projeto Básico. 1. Consoles de Despacho - CeCoCo

Data) 31/08/2015. Empresa) Motorola. Questionamento 01. Questionamentos sobre itens do Projeto Básico. 1. Consoles de Despacho - CeCoCo Questionamentos RDC 1/2015 Data) 31/08/2015 Empresa) Motorola Questionamento 01 Questionamentos sobre itens do Projeto Básico 1. Consoles de Despacho - CeCoCo 4.3 Instalação do Centro de Controle A maioria

Leia mais

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda.

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Asterisk, usando R2/MFC DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Por que R2/MFC? Não é uma opção, mas a sinalização predominante para troncos digitais E1 nas centrais telefônicas no Brasil. É uma evolução

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T Infottecnica Telecom & infor www.infottecnica.com.br Pirapora MG Tel. 38 8404-4430 1 CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução Conceitos sobre TCP/IP Endereços IP (Internet Protocol) Introdução O uso de computadores em rede e, claro, a internet, requer que cada máquina tenha um identificador que a diferencie das demais. Para isso,

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Manual do Suporte LZT LZT Soluções em Informática Sumário VPN...3 O que é VPN...3 Configurando a VPN...3 Conectando a VPN... 14 Possíveis erros...16 Desconectando

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

Migrando para o Outlook 2010

Migrando para o Outlook 2010 Neste guia Microsoft O Microsoft Outlook 2010 está com visual bem diferente, por isso, criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Leia-o para saber mais sobre as principais

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

EE-981 Telefonia Prof. Motoyama 1º Semestre 2004. Capítulo 7. Sinalização Telefônica

EE-981 Telefonia Prof. Motoyama 1º Semestre 2004. Capítulo 7. Sinalização Telefônica Capítulo 7 Sinalização Telefônica 7.1 Introdução sinalização é um termo genérico utilizado em telefonia para a troca de informações entre dois elementos da rede. Por exemplo, o aparelho telefônico (com

Leia mais

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações TERMINAL OPEN TRADE A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações Soluções Completas e Diferenciadas O assistente perfeito para ambientes de negociações O Open Trade é

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Descrição Geral da Mobile Media

Descrição Geral da Mobile Media Descrição Geral da Mobile Media Mobile Media (YOUNG, 2005) é uma LPS composta por aplicações que manipulam músicas, vídeos e fotos para dispositivos móveis, como celulares e palm tops. Ela provê suporte

Leia mais