PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO"

Transcrição

1 CADERNO TÉCNICO PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO SÃO PAULO, NOVEMBRO DE 2014

2 OBJETIVO: Apresentar os requisitos e documentação necessária para a obtenção do Alvará de Autorização para Evento Temporário, conforme Art. 24 do Decreto /2008. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 2

3 SEÇÃO 1 OBTENÇÃO DO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 3

4 I O Alvará de Autorização para Eventos Temporários É a Licença para funcionamento de atividades temporárias geradoras de publico, regida pelo Decreto /2008, para um determinado local, sendo ele público ou privado, com lotação superior a 250 pessoas (conforme Art. 24) com duração limitada ao máximo de 6 (seis) meses, renovável por igual período, por mais uma única vez,(conforme Art. 42). II Procedimentos Iniciais Os promotores do evento ou técnico responsável, antes de requerer o Alvará de Autorização, devem fazer uma verificação inicial consultando a Lei /2004 (dispõe sobre o parcelamento, disciplina e ordena o uso e ocupação do solo), para verificação da possibilidade de realização do evento no local pretendido. O processo de Alvará de Autorização deverá ser autuado com prazo mínimo de 30 (trinta) dias antes da realização do evento e devidamente instruído com plantas e documentos pertinentes, sob pena de indeferimento do processo e inviabilização do referido evento. No caso de ocupação de área publica inclusive de vias publicas ou calçadas pedir Termo de Anuência ou permissão, ou documento equivalente, em se tratando de imóvel de posse ou propriedade da Administração Direta ou Indireta da União, do Estado ou do Município, incluídas as concessionárias de serviços públicos e quaisquer outras empresas a elas equiparadas. Nas Subprefeituras, além do documento referido no item anterior, solicitar Carta de Anuência da Assessoria de Eventos ou do Gabinete do Subprefeito, com no mínimo 30 dias de antecedência, para que não haja sobreposições de eventos nas áreas publicas. Em caso de utilização de via publica ou interferência sobre a mesma pedir anuência do CET com 60 dias de antecedência. Conforme Lei Nº /05 e o Decreto Nº /10, que autoriza a Companhia de Engenharia de Tráfego - CET a cobrar pelos custos operacionais de serviços prestados em eventos, relativos à operação do sistema viário. Quanto à equipe médica para o evento, o promotor deve solicitar parecer do GPAE Grupo de Planejamento e Ações Estratégicas para Eventos e Eventos em Massa, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Os riscos estão definidos na PORTARIA Nº 2096/2011 SMS-COMURGE que estabelece as normas para a elaboração de Planos de Atenção Médica em eventos temporários públicos, privados ou mistos na Cidade de São Paulo. Durante a realização do evento, deverá ser atendida a Lei n.º /06 que dispõe sobre a ordenação dos elementos que compõem a paisagem urbana do Município de São Paulo (Cidade Limpa) e o Decreto nº /06. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 4

5 III Análise Técnica do Projeto de Segurança Para a análise técnica do projeto de segurança para o evento, deverá conter: 1. Requerimento-padrão, assinado pelo interessado ou seu representante legal, conforme Anexo 1; 2. Cópia de Notificação-Recibo do IPTU referente ao imóvel em que se pretende instalar a atividade, caso este não seja público; 3. Memorial Descritivo, conforme Anexo 2; 4. Peças Gráficas, conforme Anexo 3; 5. Dimensionamento e Cálculos referentes a lotação, sanitários e estacionamento de veículos, conforme Anexo 4; 6. Declarações de compromisso conforme Anexo 5 7. Atestados Técnicos ou Termos de Compromisso Técnico, conforme Anexo 6 de: a) Estabilidade das estruturas; b) Instalações Elétricas, Geradores de Energia, Aterramento das Estruturas e Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA Pára-raios); c) Sistemas de Segurança, Equipamentos e Brigada de Combate a Incêndios; d) Instalações que utilizam gás (Ou que NÃO vão utilizar) d) Acessibilidade; e) Atoxidade e Inflamabilidade de materias de decoração e revestimento; f) Controle da emissão de Ruídos. IV Documentos Gerais Deverão ser anexados os documentos abaixo ao processo: 1. Documentos de identificação do responsável pelo evento; 2. Identificação das empresas e profissionais responsáveis pelos projetos, por sua execução e pela organização do evento; 3. Autorização ou Procuração para tratar de assuntos referentes à obtenção do Alvará de Autorização; 4. Cópia do título de propriedade do imóvel, nos casos em que não haja lançamento fiscal para o lote particular; 5. Contrato de locação, termo de anuência, termo de autorização ou documento equivalente, firmado pelo proprietário ou possuidor do imóvel; 6. Termo de anuência ou permissão, ou documento equivalente, em se tratando de imóvel de posse ou propriedade da Administração Direta ou Indireta da União, do Estado ou do Município, incluídas as concessionárias de serviços públicos e quaisquer outras empresas a elas equiparadas; 7. Comprovação de vínculo entre o requerente, imóvel e proprietário, com suas respectivas identificações; ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 5

6 8. Contrato com empresa responsável pela segurança do público durante o evento, devidamente cadastrada junto ao órgão competente; 9. Ofício protocolado perante a Polícia Militar do Estado de São Paulo, comunicando o evento; 10. Ofício expedido pelo GPAE, juntamente com os anexos (Comunicação Inicial enviada com o plano médico, Ficha de Avaliação de Risco FAR e Escala de Graduação de Risco); 11. Ofício protocolado junto ao COVISA (Coordenação de Vigilância em Saúde), comunicando o evento, em caso de haver comercialização de alimentos; 12. Anuência da Companhia de Engenharia de Tráfego - CET; 13. Ofícios de comunicação de evento em outros órgãos públicos (METRÔ, CPTM, GCM, Etc...) dependendo do evento em si; 14. Guia de arrecadação quitada, referente ao preço do serviço público; V Autuação do processo e entrega de documentos Os documentos deverão ser entregues no endereço abaixo: SEL/SGAF 32 - Guichês 4 ou 5 (autuação) Rua São Bento, 405 8º Andar (Edifício Martinelli) Centro São Paulo No guichê de SGAF será emitida a Guia de Arrecadação, que posteriormente deve ser quitada pelo interessado, referente ao preço do serviço público. VI - Análise do processo: O processo para obtenção do Alvará de Autorização para Evento Temporário será analisado pelos técnicos da Divisão Técnica de Local de Reunião SEGUR 3, da Secretaria Municipal de Licenciamento. VII Contatos Secretaria Municipal de Licenciamento Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR Divisão Técnica de Local de Reunião e Eventos Temporários SEGUR/3 Rua São Bento, º Andar Centro Telefones: / ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 6

7 VIII Órgãos públicos GPAE Grupo de Planejamento e Ações Estratégicas para Eventos e Eventos em Massa Rua General Jardim, 36 Mezanino, Vila Buarque. Telefones: / CET - Companhia de Engenharia de Tráfego (Protocolo) Rua Senador Feijó, 143 1º Andar. COVISA Coordenação de Vigilância Sanitária Rua Santa Isabel, 181-6º andar -Vila Buarque. Telefones: / / GCM Guarda Civil Metropolitana Rua General Couto de Magalhães, 444 Santa Ifigênia. Telefone: ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 7

8 SEÇÃO 2 ANEXOS ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 8

9 ANEXO 1 REQUERIMENTO Orientações quanto ao preenchimento do requerimento de processo: 1. Deverá ser assinado pelo interessado ou seu representante legal; 2. No caso de representante legal, anexar procuração ou autorização do responsável/interessado para o representante informando que o mesmo está autorizado a representá-lo junto aos órgãos públicos, e documento de identificação dos mesmos; 3. Preencher com endereço completo do local onde da sede da empresa promotora do evento, incluído o Código de Endereço Postal CEP e de contato para possíveis comunicações; 4. Área a ser utilizada para o evento; 5. No espaço denominado 05 - DOCUMENTO REQUERIDO preencher ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO, e no espaço abaixo, informar a data de realização do presente evento. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 9

10 Frente da folha ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 10

11 Verso da folha ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 11

12 ANEXO 2 MEMORIAL DESCRITIVO O Memorial Descritivo do evento deverá conter as seguintes informações básicas sobre o evento: 1. Identificação do Objetivo; 2. Título do Evento; 3. Datas da Realização e Horários (Início e Término); 4. Identificação do Interessado (Pessoa Física e/ou Jurídica); 5. Identificação do RESPONSÁVEL TÉCNICO (Engenheiro Responsável por seus próprios Atestados, bem como pelo Gerenciamento Técnico dos demais profissionais técnicos envolvidos); 6. Público Estimado; 7. Identificação do Imóvel; 8. Identificação do Logradouro; 9. Descrição das Estruturas a serem montadas (Palcos, Torres, Etc.); 10. Descrição dos Equipamentos em Geral e de Segurança a serem instalados; 11. Descrição da Organização de Segurança, devidamente assinados pelos Profissionais qualificados e pelo Responsável Técnico pelo Evento; 12. Área Total do Evento à ser efetivamente utilizada pelo público (sentado e em pé ); 13. Descrição do Isolamento acústico se houver; ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 12

13 ANEXO 3 PEÇAS GRÁFICAS Deverá ser apresentada Cópia(s) das Peças Gráficas Descritivas necessárias à perfeita compreensão do pedido de Alvará de Autorização, contendo: 1. Área total da Edificação; 2. Área total do Evento; 3. Todos os Equipamentos de Combate e Prevenção à Incêndio; 4. Localização dos gradis, painéis, mobiliários, palcos, barracas, stands, etc.; 5. Indicar em planta todas as saídas de emergência com as devidas larguras; 6. Estacionamento de Veículos, com a indicação das vagas reservadas para cadeirantes e pessoas com necessidades especiais; 7. Geradores de Energia Elétrica; 8. Local de posicionamento de Ambulâncias e posto médico; 9. Local de Acesso de Viatura do Corpo de Bombeiros na ocupação temporária da Edificação; 10. Modelo de quadro de legendas (Carimbo de peça gráfica). ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 13

14 PREFEITURA DE SÃO PAULO - LICENCIAMENTOS SEGUR 3 PEÇA GRAFICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO Lei nº /92, Decreto nº /92 e Decreto nº /08. Folha Nº Projeto para ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO Nome do Evento: Nome do Proprietário/ Responsável pelo Uso: Local do Evento: Endereço: Zona de Uso: N o Do Contribuinte (S.Q.L./ IPTU) Data: Horário: Cód. Log. Categoria de Uso: NR3 Escalas: Representação do posicionamento e dimensão do evento no local de implantação. ÁREAS (m2) Área total da Edificação: Áreas da implantação do Evento: Total: m² Concentração: m² Circulação: m² Lotação requerida: Total: pessoas Participantes: pessoas Publico: pessoas Declaro que a aceitação deste projeto não implica no reconhecimento por parte da PMSP do direito de aprovação, execução de obras permanentes. O local será utilizado em período restrito de tempo ou com prazo determinado de duração e todas as montagens para realização de evento serão retiradas após o término do mesmo. Declaro ter conhecimento que o presente projeto refere-se apenas às condições de segurança de uso, não sendo válido para comprovar a regularidade da edificação quanto às condições edilícias na zona em que se situa e não substitui qualquer documento expedido pela PMSP relativo a regularidade da edificação. Declaro ter conhecimento que PMSP não indenizará quaisquer benfeitorias realizadas no imóvel, entre elas a adaptação da edificação às condições de segurança e/ ou acessibilidade. Esta planta é fiel ao evento proposto. Proprietário / Responsável pelo Uso Ass Nome: Responsável(is) Técnico(s) Ass: Nome: Eng. / Arq. CREA/CAUnº ART/RRT nº Modelo de quadro de legendas (Carimbo de Peça Gráfica) ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 14

15 ANEXO 4 CÁLCULOS DE DIMENSIONAMENTO Deverão ser apresentados os seguintes cálculos e dimensionamento abaixo: 1. Capacidade de Lotação e escoamento de público: A estimativa de publico e das condições de escoamento de publico deverá ser dimensionada de acordo com a IT Nº 12 do CBPMESP (Decreto /11) para a área de concentração de largada da prova. 2. Cálculo da quantidade de sanitários necessários: Para eventos em locais permanentes (edificação permanente), deverá ser utilizado como base de cálculo o item b da Lei /92, onde para locais de reunião deverá ser 01(uma) bacia e 01(um) lavatório para cada 50 (cinquenta) pessoas. Para eventos em locais abertos e com estruturas provisórias, com base em estudo realizado pela FEMA ( Special Events Contingency Planning Toilets - Plano de montagem de Eventos Especiais Banheiros) e em função de práticas adotadas anteriormente e que também demonstraram eficiência, deverão ser previstos a instalação de sanitários químicos, em complementação aos existentes no local de modo a atingir a razão de 1 (um) banheiro para cada 150 (cento e cinquenta) pessoas, exceto para eventos que haja consumo de bebidas alcoólicas, onde a proporção deverá ser de 1 (um) banheiro para cada 125 (cento e vinte e cinco) pessoas. Preferencialmente a proporção entre sanitários masculinos e femininos deverá atender a tabela abaixo: Características do público Sanitário Masculino Sanitário Feminino Sem Predominância 40% 60% Predominância Masculina 60% 40% Predominância Feminina 30% 70% Os sanitários deverão ser distribuídos uniformemente, de modo que o deslocamento máximo para atingir um sanitário seja inferior a 50 (cinqüenta) metros, conforme o Código de Obras do Município de São Paulo. Deverá ser respeitado a porcentagem de 3% do total de sanitários para as pessoas com deficiência, conforme NBR Cálculo para Brigada de Combate a Incêndio e Pânico O dimensionamento da quantidade de brigadistas para o evento deverá ser realizado conforme a IT Nº 17 do CBPMESP, conforme segue: Locais com lotação entre 250 e pessoas, o número de brigadistas deve ser, no mínimo, 05; Locais com lotação entre e pessoas, o número de brigadistas deve ser, no mínimo, 10; Locais com lotação entre e pessoas, o número de brigadistas deve ser, no mínimo, 15; ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 15

16 Locais com lotação entre e pessoas, o número de brigadistas deve ser, no mínimo, 20; Locais com lotação acima de pessoas, acrescentar 01 brigadista para cada grupo de 500 pessoas. 4. Cálculo das vagas de Estacionamento Para o dimensionamento da quantidade de vagas de estacionamento a ser providenciado, poderá ser utilizada a proporção de 1 (uma) vaga para cada 35 m², conforme Lei Nº /04. Deverá ser providenciada vaga(s) para pessoas portadoras de deficiência física, conforme NBR 9050 e vaga de estacionamento para veículos de emergência. 5. Cálculo dos espaços reservados para pessoa em cadeira de rodas e assentos para pessoas com mobilidade reduzida (P.M.R) e pessoas obesas (P.O). Nos eventos em instalações provisórias, onde houver a delimitação de assentos, deverá ser respeitada a NBR 9050, na quantidade de espaços reservados para as pessoas em cadeiras de rodas, de mobilidade reduzida e obesa. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 16

17 ANEXO 5 DECLARAÇÕES DE COMPROMISSO Deverão ser apresentadas as seguintes declarações abaixo, assinadas pelo promotor do evento e/ou responsável técnico do evento: 1. Declaração indicando as providências relativas a sanitários e as vagas de estacionamento de veículos, inclusive para acesso de pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida; 2. Declaração indicando a presença de um profissional de segurança do trabalho, para eventos com público superior a pessoas (ou conforme a necessidade ou a critério da Municipalidade) durante a realização do evento. 3. Declaração de atendimento a Lei de 26/09/2006, regulamentada pelo Decreto /06 que dispõe sobre a ordenação dos elementos que compõem a paisagem urbana do Município de São Paulo; 4. Declaração que todas as rotas de fugas e saídas de emergência, bem como os equipamentos de segurança contra incêndio estarão desobstruídos durante os períodos de montagem, de realização do evento e desmontagem do mesmo; 5. Declaração de atendimento ao Art. 9º do Decreto /2008, quanto à divulgação das condições de segurança durante o evento; 6. Outras declarações poderão ser solicitadas a critério do técnico; ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 17

18 ANEXO 6 ATESTADOS TÉCNICOS Deverão ser apresentados os seguintes atestados técnicos abaixo: 1. Estabilidade das estruturas/edificações utilizadas (MODELO 1) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro Civil ou Arquiteto, referente à Estabilidade das Estruturas dos elementos instalados e a instalar instalações e equipamentos, inclusive coberturas, arquibancadas, palcos, torres de equipamentos, painéis, mobiliários, gradis e elementos decorativos; acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento; 2. Regularidade das Instalações elétricas e Aterramento das estruturas (MODELO 2) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro Eletricista, referente às Instalações elétricas provisórias, bem como do aterramento de estruturas referidas na NBR 5410/ABNT, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA e da ART, com o devido comprovante de pagamento; 3. Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas - SPDA (MODELO 3) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro Eletricista, referente Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA), de acordo com a NBR 5419/ABNT, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA e da ART, com o devido comprovante de pagamento; 4. Geradores de energia (MODELO 4) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro Eletricista, referente aos Geradores utilizados no vento, em atendimento a Lei nº /10, que acresce o item ao Anexo I da Lei nº /92, Decreto nº /11 (Combustível do Grupo Geradores) e NBR 5410 da ABNT e demais legislações pertinentes, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA e da ART, com o devido comprovante de pagamento; 5. Adequação e Funcionamento do Sistema de Segurança (Equipamentos de combate a incêndio em condições de operação) (MODELO 5) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original) de Funcionamento dos Equipamentos de Combate à Incêndio e Pânico, especificando que o Sistema de Segurança está em condições de operação, conforme o Decreto Estadual /11 acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento; ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 18

19 6. Formação de brigada de combate a incêndio e pânico (MODELO 6) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original) de Formação de Brigada de Incêndio emitido por Engenheiro de Segurança, conforme NBR /ABNT e Instrução Técnica nº. 17 do Corpo de Bombeiros, correlatas, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento; 7. Acessibilidade (MODELO 7) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original) de Acessibilidade NBR 9050 e LEI referente ao acesso e uso da edificação pelas pessoas com necessidades especiais, emitido por Engenheiro Civil, Arquiteto ou Engenheiro de Segurança, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento. 8. Instalações de gás (MODELO 8) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original) das instalações de Gás Natural e GLP, em atendimento ao Decreto nº /1987 e NBR Caso contrário declarar a não utilização de GLP ou GN. O atestado deve ser emitido por Engenheiro de Segurança do Trabalho, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento; 9. Atoxidade e inflamabilidade (MODELO 9) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original) de Atoxidade / Ignibilidade, Inflamabilidade e Incombustividade, emitido por técnico responsável pelo projeto, especificando que todos os materiais de alta combustão empregados no acabamento do evento terão tratamento específico, em conformidade com os Laudos Dos Materiais de Alta Combustão, realizados por instituições idôneas, referentes aos tratamentos utilizados; acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento; 10. Controle de ruídos (MODELO 10) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro de Segurança, referente ao Controle de Emissão de Ruídos, atendendo aos limites do nível máximo estabelecidos pela Lei nº /2004, anexos a Parte III, quadros 02/a à 02/h e no 8º do artigo 177, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento; ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 19

20 MODELO 1 ESTRUTURAS PROVISÓRIAS Á Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO DE ESTABILIDADE DAS ESTRUTURAS PROVISÓRIAS, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA EVENTO TEMPORÁRIO. Processo nº: Atesto, para fins de comprovação das condições de segurança e sob as penas da Lei, que as estruturas provisórias a serem montadas para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, encontra-se em perfeitas condições de acordo com as Normas Técnicas da ABNT, Lei /92 e legislação complementar, no que se diz a respeito ás estrutura complementar, tais como estruturas das instalações, palcos, equipamentos, painéis, tendas, stands, mobiliários, gradis, guarda-corpos, corrimãos, escadas, pórticos e elementos decorativos. São Paulo, de de Arquiteto e/ou Engenheiro - Responsável Técnico CREA ou CAU: ART ou RRT: ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 20

21 MODELO 2 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E ATERRAMENTO DAS ESTRUTURAS Á Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO SOBRE AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E ATERRAMENTO DAS ESTRUTURAS DE EVENTO TEMPORÁRIO Processo Nº Atesto para os devidos fins, que as instalações elétricas provisórias bem como o Aterramento das Estruturas para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, estão em conformidade com os termos e especificações das Normas NBR 5410 e NBR da ABNT e NR- 10 do MTE. São Paulo, de de Engenheiro Eletricista CREA: ART.. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 21

22 MODELO 3 SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Á Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO SOBRE SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS EM EVENTO TEMPORÁRIO Processo Nº Atesto para os devidos fins, que as instalações do Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, estão em conformidade com os termos e especificações das Normas NBR 5419 da ABNT. São Paulo, de de Engenheiro Eletricista CREA: ART.. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 22

23 MODELO 4 GERADORES DE ENERGIA Á Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO DE UTILIZAÇÃO DE GERADORES DE ENERGIA EM EVENTO TEMPORÁRIO Processo Nº Atesto para os devidos fins, que os Grupos Geradores de Emergência utilizados para iluminação, som e sistemas de segurança contra incêndio para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, encontra-se em perfeitas condições de uso e manutenção, conforme as Normas da ABNT correspondentes. São Paulo, de de Engenheiro Eletricista CREA: ART.. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 23

24 MODELO 5 EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO Á Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO SOBRE FUNCIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EVENTO TEMPORÁRIO Processo Nº Atesto para os devidos fins, que os equipamentos que compõem o sistema de segurança para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, encontram-se instalados em perfeitas condições de uso, de acordo com a Lei Municipal /92, Decreto Municipal /92 e Decreto Estadual /11 e normas técnicas da ABNT. São Paulo, de de Engenheiro de Segurança CREA: ART:. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 24

25 MODELO 6 FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO E PÂNICO À Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO TÉCNICO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO PARA EVENTO TEMPORÁRIO Processo nº: Atesto para os devidos fins que os componentes da Brigada de Combate a Incêndio e pânico, conforme relação anexa, receberam treinamento sobre a operacionalidade do sistema de segurança contra incêndio e pânico para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, nesta Capital, de acordo com as normas técnicas ABNT NBR e , em atendimento à Lei Municipal nº /92, Decreto Municipal nº /92 e /08, e Decreto Estadual nº /11. São Paulo, de de. Engenheiro de Segurança CREA: ART:. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 25

26 MODELO 7 ACESSIBILIDADE Á Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO DE ACESSIBILIDADE DAS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS EM EVENTO TEMPORARIO Processo nº: Atesto para os devidos fins, que as adaptações e instalação realizadas para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, inclusive nos acessos as entradas, saídas, saídas de emergência, sanitários, estacionamentos, atendem a Lei /93 e a ABNT NBR São Paulo, de de Arquiteto e/ou Engenheiro - Responsável Técnico CREA ou CAU: ART ou RRT: ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 26

27 MODELO 8 INSTALAÇÕES DE GÁS NATURAL OU GLP Á Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO DE INSTALAÇÕES DE GÁS NATURAL OU GLP PARA EVENTO TEMPORÁRIO Processo nº: Atesto para os devidos fins, que as Instalações de Gás a serem montadas para o evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, atendem ao Decreto Municipal nº /1987, Decreto Estadual nº /11, ABNT NBR e legislações subsequentes. São Paulo, de de Arquiteto e/ou Engenheiro - Responsável Técnico CREA ou CAU: ART ou RRT: Nota: Caso Não Seja Utilizado Gás, Apresentar Declaração De Não Utilização Do Mesmo Durante A Realização Do Evento. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 27

28 MODELO 9 ATOXIDADE E INFLAMABILIDADE À Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO DE ATOXIDADE E IGNIFUGAÇÃO DE MATERIAIS DE ACABAMENTO PARA EVENTO TEMPORÁRIO. Processo nº: Atesto para os devidos fins, que os materiais de acabamento utilizados no evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, não apresentam, segundo fabricante, padrões de emissão de gases e carga incêndio que necessitem tratamento especial para diminuição da velocidade de propagação de chamas. São Paulo, de de Arquiteto e/ou Engenheiro - Responsável Técnico CREA ou CAU: ART ou RRT: ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 28

29 MODELO 10 CONTROLE DE RUÍDOS À Coordenadoria de Atividade Especial e Segurança de Uso SEGUR 3 ATESTADO SOBRE OS PARÂMETROS DE INCOMODIDADE NÍVEIS DE RUÍDO - EM EVENTO TEMPORÁRIO Processo Nº Atesto para os devidos fins, que os ruídos gerados durante do Evento, a ser realizado no, sito a, bairro, do dia até o dia e com horário de funcionamento das às horas, estarão em atendendo os limites de nível máximo estabelecidos pela Lei nº /2004, anexos a Parte III, quadros 02/a á 02/h e no 8º, do artigo 177. São Paulo, de de Engenheiro de Segurança CREA: ART.. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 29

30 MODELOS ALTERNATIVOS DE ATESTADOS Poderão ser utilizados os modelos abaixo de atestados técnicos sendo que cada documento deverá ter profissional habilitado para a determinada responsabilidade: 1. Atestado de Responsabilidade Técnica Profissional de Elétrica (MODELO 11) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro Eletricista, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA e da ART, com o devido comprovante de pagamento, referente às: Geradores de Energia (caso seja utilizado ou não); Aterramento de estruturas; Instalações elétricas provisórias; SPDA (Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas). 2. Atestado de Responsabilidade Técnica Profissional de Estruturas (MODELO 12) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro Civil ou Arquiteto, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento, referente às: Estruturas Provisórias; Acessibilidade; Materiais de Acabamento e Decoração (Atoxidade e Inflamabilidade). 3. Atestado de Responsabilidade Técnica Profissional de Segurança do Trabalho (MODELO 13) Atestado de Responsabilidade Técnica (Original), emitido por Engenheiro de Segurança do Trabalho, acompanhado da respectiva carteira de identificação profissional CREA/CAU e da ART/RRT, com o devido comprovante de pagamento, referente às: Sistema de Segurança contra Incêndio (Equipamentos de Proteção e Combate a Incêndio); Formação de Brigada de Combate a Incêndio; Instalações de Gás Natural ou GLP; Níveis de Ruído. ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 30

31 MODELO 11 PROFISSIONAL DE ELÉTRICA ATESTADO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA ATESTO para os devidos fins, que as adaptações e instalações existentes e a serem executadas evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, encontram-se nas condições abaixo descritas: 1. Geradores: SIM ( ) - Atende a Lei nº /10, que acresce o item ao Anexo I da Lei nº e Decreto nº /11 (Combustível dos Grupos Geradores), bem como a NBR 5410 da ABNT; NÃO ( ) Declaro que não será utilizado gerador durante a realização do evento; 2. O Aterramentos das estruturas provisórias atende e está em conformidade com os termos e especificações da NBR 5410 da ABNT. 3. As Instalações elétricas de baixa tensão atendem e estarão em conformidade com os termos e especificações da NBR 5410 da ABNT e da NR-10 do MTE. 4. O SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (Pára-raios) atende e está em conformidade com os termos e especificações da NBR 5419 da ABNT. Assim sendo, atesto a conformidade das adaptações e instalações às exigências das leis e normas citadas assumindo a responsabilidade técnica, firmando o presente. São Paulo, de de 20 Engº Eletricista CREA: ART: Promotor do evento RG: ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 31

32 MODELO 12 PROFISSIONAL DE ESTRUTURAS ATESTADO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA ATESTO para os devidos fins, que as adaptações e instalações existentes e a serem evento, a ser realizado no, nos dias com horário de, encontram-se nas condições abaixo descritas: 1. As estruturas provisórias para o evento encontram-se em perfeitas condições de acordo com as Normas Técnicas da ABNT, Lei /92 e legislação complementar, no que se diz a respeito ás estruturas das instalações, equipamentos, tendas, gradis, pórticos, guarda-corpos, rampas e elementos decorativos; 2. As adaptações e instalações realizadas, inclusive nos acessos as entradas, saídas, saídas de emergência, sanitários, estacionamentos, etc., atendem a Lei /93 e a ABNT NBR 9050/04, quanto à acessibilidade das pessoas com deficiência; 3. Os materiais de acabamento utilizados receberam tratamento especial para diminuição da velocidade de propagação de chamas, quanto a sua atoxidade e inflamabilidade. São Paulo, de de 20 Engº Civil ou Arquiteto CREA/CAU: ART/RRT: Promotor do evento RG: ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 32

33 MODELO 13 PROFISSIONAL DE SEGURANÇA ATESTADO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA ATESTO para os devidos fins, que as adaptações e instalações existentes e a serem executadas no endereço sito a, nº, bairro CEP para o evento temporário, a ser realizado no(s) dia(s), encontramse nas condições abaixo descritas: 1. O Sistema de Segurança contra Incêndio a ser implantado para o referido evento, desde os equipamentos de segurança (extintores, hidrantes, iluminação de emergência, etc...), bem como o acesso e as Saídas de emergência do público presente em caso de sinistro, atendem as NBR 6.125, 6.135, , , e /ABNT e estão de acordo com a Lei Municipal /92, Decreto Municipal /92 e Decreto Estadual /11; 2. Será providenciado para a realização do evento Brigada de combate a incêndio e pânico, devidamente treinada, para a realização do evento, conforme relação anexa, de acordo com as normas técnicas ABNT NBR e e o Decreto Estadual Nº /2011; 3. Instalações de Gás Natural ou GLP: a. SIM ( ) Atendem ao Decreto Municipal nº /87, Decreto Estadual nº /11, NBR e legislações subsequentes; b. NÃO ( ) Declaro que não será utilizado gás natural ou GLP durante a realização do evento; 4. Os Níveis de Ruídos gerados durante a realização do Evento estarão atendendo os limites de nível máximo estabelecidos pela Lei nº /2004, anexos a Parte III, quadros 02/a á 02/h e no 8º, do artigo 177. São Paulo, de de 20 Engº de Segurança CREA: ART: Promotor do evento RG: ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 33

34 BIBLIOGRAFIA: 1. Legislação Municipal: Decreto /1992 Código de Obras e Edificações do Município de São Paulo; Decreto /2008 Expedição do Alvará de Funcionamento de Local de Reunião e sua Revalidação Decreto / Transferência de parte das atribuições das Secretarias Municipais de Licenciamento SEL e de Habitação SEHAB, para as Subprefeituras, Lei / Uso e Ocupação do Solo do Município de São Paulo. Decreto /1987 Instalações de Gás; Lei / 1993 Acessibilidade; Decreto /2004 Acessibilidade 2. Legislação Estadual: Decreto Estadual Nº / Normas da ABNT: NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5419 Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas; NBR e Formação de Brigada de Combate a Incêndio; NBR Sinalização de Emergência NBR e NBR Extintores de Incêndio NBR Iluminação de emergência NBR Acessibilidade ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO 34

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CADERNO TÉCNICO PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CADERNO TÉCNICO PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO CADERNO TÉCNICO PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DO ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE EVENTO TEMPORÁRIO SÃO PAULO, NOVEMBRO DE 2014 ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA CORRIDAS DE RUA 1 OBJETIVO: Apresentar os requisitos e

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014 CADERNO TÉCNICO SÃO PAULO, JANEIRO DE 2015 ALVARA DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Estabelecer requisitos e exigências para o Credenciamento de Empresas Revendedoras, Instaladoras e Conservadoras de Sistemas de Proteção Contra Incêndio e Pânico, complementando o Art. 9º do

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V.

CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V. CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V..Data: JÍ-jMjjã- 4 I ENTRADAZ)i P^W^ I Kl SAÍDA yfíf^l^f^x^^ LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO N 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ^ 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS Em atendimento à determinação da Juíza de Direito e Diretora do Foro do Juizado da Infância e Adolescência Portaria Nº005/2003/COORD/JIA, a equipe constituída

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CREA 01/03/2012 Segurança em Parques de Diversões: Legalização junto ao CBMERJ Palestrante: Ten Cel BM Leonardo TUPAN Introdução Índice: Histórico

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 2 Plano de Segurança. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 2 Plano de Segurança. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 2 Plano de Segurança Maj. QOBM Fernando Introdução; Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico SUMÁRIO Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico; Medidas de Segurança,

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS Segurança em Parques de Diversão: Papel da Defesa Civil Estadual Palestrante: Major BM Leonardo TUPAN FILME ILUSTRATIVO INTRODUÇÃO Índice: Histórico

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS.

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. DECRETO Nº 16.785, DATA: 5 de outubro de 2005. REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. O Prefeito Municipal de Foz do Iguaçu,

Leia mais

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO ANEXOS AO DECRETO Nº 25.023 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO 2.Cópia do contrato de locação do imóvel onde funcionará a atividade,

Leia mais

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Análise e Vistoria

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias) PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 ) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro: CEP: Município: Telefone: Celular: e-mail: Contato

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe sobre recomendação da adoção de diretrizes para integração do processo de licenciamento pelos Corpos de Bombeiros Militares pertinente à prevenção

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL Sistema Integrado de Licenciamento - SIL CERTIFICADO DE LICENCIAMENTO INTEGRADO SECRETARIA ESTADUAL DE GESTÃO PÚBLICA Prefeitura do Município de Tatuí Governo do Estado de São Paulo É importante saber

Leia mais

Autorização Especial de Trânsito AET

Autorização Especial de Trânsito AET Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano Autorização Especial de Trânsito AET Amparo legal: Lei Complementar Municipal nº 205/2009: que acrescenta, altera e regulamenta a Seção XI, do Capítulo

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO A Ficha objetiva apresentação de SINOPSE do laudo, padronizada, a fim de auxiliar a análise e encaminhamento do mesmo para os interessados. Conforme modelo que segue, o

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SUBPREFEITURA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SUBPREFEITURA Anexo I - Formulário para solicitação de Auto de Licença de Funcionamento Condicionado PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SUBPREFEITURA FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO 01. AUTO DE LICENÇA DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA Dezembro de 2013 SUMÁRIO 1. OBJETO... 3 2. GENERALIDADES... 3 3. DO EDIFÍCIO... 4 4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, ELETRÔNICAS, DADOS E VOZ... 4 5. INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO...

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado Março 2015 Vigência: 15 de março de 2015 NPT 001. Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO VAPT VUPT EMPRESARIAL PREFEITURA DE GOIANIA Responsável: Rosana Mérola Martins Cópia

Leia mais

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA.

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. LEI Nº 15.002, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 (Projeto de Lei

Leia mais

GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS

GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS CARTAZES/DOCUMENTOS/ALVARAS Você encontrara neste guia as principais exigências com relação a fixação de cartazes para o seu estabelecimento comercial. Na

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios Luciano de Faria Brasil Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística de Porto

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO NOME DO EVENTO OU FESTA: LOCAL: DATA: TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO RESPONSÁVEL PELA ORGANIZAÇÃO: ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIACIDADE: FONE: CPF: ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM SEGUIDOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 LEI N 4.158, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE FEIRAS ITINERANTES E CONTÉM OUTRAS DISPOSIÇÕES.

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Hidrante

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS)

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) ÍNDICE RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE FORNECEDORES DE MATERIAL/SERVIÇOS PÁGINA 2 FICHA DE INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES PÁGINA 4 DECLARAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA Portaria CVS 15, de 26 de Dezembro de 2002. Define diretrizes, critérios e procedimentos para a avaliação físico funcional de projetos

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS

NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS ANEXO XXVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS 1. OBJETIVOS 1.1 Estabelecer os requisitos mínimos necessários para a realização de eventos temporários

Leia mais

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL 1 APROVAÇÃO DE PROJETOS TRANSCRIÇÃO DE TRECHOS LEGISLAÇÃO PERTINENTE CÓDIGO

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO CORRIDAS DE RUA

PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO CORRIDAS DE RUA CADERNO TÉCNICO PROCEDIMENTOS PARA EXPEDIÇÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO PARA EVENTO TEMPORÁRIO CORRIDAS DE RUA SÃO PAULO, JUNHO DE 2014 * Revisado em Setembro de 2014 CADERNO TÉCNICO DE CORRIDAS DE RUA 1

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departamento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 39/2009 Credenciamento

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015 Página 1 de 5 EDITAL DE CHAMAMENTO A COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS (POTIGÁS), por intermédio da sua Diretoria Executiva, na forma das disposições contidas no artigo 24, inciso X, da Lei 8.666/93 e alterações

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotoria de Justiça da Comarca de São José do Campestre R E C O M E N D A Ç Ã O Nº 04/2011

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotoria de Justiça da Comarca de São José do Campestre R E C O M E N D A Ç Ã O Nº 04/2011 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotoria de Justiça da Comarca de São José do Campestre R E C O M E N D A Ç Ã O Nº 04/2011 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE,

Leia mais

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009)

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) Estabelece diretrizes e normas referentes à construção, instalação, reforma, ampliação

Leia mais

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Requisitos e procedimentos para expedição do Licenciamento Ambiental de postos de combustíveis instalados/localizados e/ou a serem

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Planilha de levantamento de dados 2 Aplicação B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 3 Referências Normativas e Bibliográficas

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

Aprova a Norma Técnica nº 009/2002-CBMDF, sobre Atividades Eventuais, que especificam.

Aprova a Norma Técnica nº 009/2002-CBMDF, sobre Atividades Eventuais, que especificam. DODF Nº237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 69/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova a Norma Técnica nº 009/2002-CBMDF, sobre Atividades Eventuais,

Leia mais

Manual de Aprovação Eletrônica de Projetos

Manual de Aprovação Eletrônica de Projetos Manual de Aprovação Eletrônica de Projetos 1 Conteúdo Apresentação... 1 O que é a aprovação eletrônica de projetos?... 2 Quais os serviços disponíveis?... 3 Como cadastrar sua senha web?... 4 Aprovação

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS)

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) ÍNDICE: RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE EMPRESAS INTERESSADAS NA EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE TERRENOS, LOJAS E ESPAÇOS DE PROPRIEDADE DA COMPANHIA DO

Leia mais

Projeto de Lei nº 106/2010

Projeto de Lei nº 106/2010 Projeto de Lei nº 106/2010 Estabelece diretrizes para o controle da poluição sonora na cidade de São Paulo e dá outras providências. A Câmara Municipal de São Paulo DECRETA: Art. 1º Esta Lei estabelece

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO Campos A Preencher: Todos os campos deverão ser preenchidos. Os campos que não se aplicam ao estabelecimento/empreendimento, preencher com não há. 01

Leia mais

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias.

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias. B. Passe Livre Lei Complementar do Estado de São Paulo nº 666, de 26/11/1991, regulamentada pelo Decreto Estadual n 34.753, de 01/04/92, e Resolução STM nº 101, de 28 de maio de 1992, que disciplina as

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007. Estabelece normas especiais para funcionamento de bares e similares e dá outras providências.

LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007. Estabelece normas especiais para funcionamento de bares e similares e dá outras providências. ANTEPROJETO DE LEI ORDINÁRIA MUNICIPAL PARA ESTABELECIMENTO DE NORMAS ESPECIAIS PARA FUNCIONAMENTO DE BARES E SIMILARES NA REGIÃO DO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei;

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei; DECRETO N.º 9185 EMENTA: Institui o DCU SIMPLES, um conjunto de Programas de Ação do Departamento de Controle Urbanístico da Secretaria Municipal de Planejamento, para aprovação de projetos e licenciamento

Leia mais

Licença de Funcionamento

Licença de Funcionamento SUBPREFEITURA CAPELA do SOCORRO COORDENADORIA de PLANEJAMENTO e DESENVOLVIMENTO URBANO SUPERVISÃO TÉCNICA de USO do SOLO E LICENCIAMENTO Licença de Funcionamento BUFFETS (até 250 pessoas) Engenheiro Cabral

Leia mais

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto;

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2014 QUALIFICAÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE O Município de Fontoura Xavier, Estado do Rio Grande do Sul, pessoa jurídica

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

A COMIDA DE RUA AGORA É LEI EM SÃO PAULO

A COMIDA DE RUA AGORA É LEI EM SÃO PAULO A COMIDA DE RUA AGORA É LEI EM SÃO PAULO COMO OBTER AUTORIZAÇÃO PARA TRABALHAR COM A VENDA DE ALIMENTOS NA CIDADE Lei Municipal 15.947, de 26/12/ 2013 Projeto de Lei 311/2013 do Ver. Andrea Matarazzo Esta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação de serviços técnicos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 Define os procedimentos relativos à concessão de auxílio-moradia

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento;

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento; I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento; () () () () () Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido

Leia mais

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria:

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria: Edificações no Rio de Janeiro Total de edificações na cidade 875 mil * Edificações sujeitas à autovistoria: 270 mil ** * Fonte: IBGE ** Estimativa com base nas informações do IBGE Riscos das Edificações

Leia mais

LEI Nº. 6.612, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014.

LEI Nº. 6.612, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. LEI Nº. 6.612, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. Disciplina o funcionamento de Feiras no Município de Chapecó e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina, no uso de suas

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO

IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Cor padrão para a identificação dos hidrantes públicos 2 Aplicação B - Esquema de instalação do hidrante público e relação de seus componentes 3 Referências

Leia mais

CAPÍTULO I Do Objeto. CAPÍTULO II Das Situações Habituais

CAPÍTULO I Do Objeto. CAPÍTULO II Das Situações Habituais DECRETO Nº 48.151, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 13.763, de 19 de janeiro de 2004, que estabelece normas para o exercício da prestação de serviços de manobra e guarda de veículos, também

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 006/2000-CBMDF, sobre a Emissão do Certificado

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 CAPÍTULO V DO LICENCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS Artigo 68 - Nenhum estabelecimento sediado no município e que se enquadram no presente Código Sanitário poderá funcionar sem prévia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP N. 127, DE 30.07.99 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO ANP N. 20, DE 18.06.09 O DIRETOR da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais