UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CLEIDE BARBOSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CLEIDE BARBOSA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CLEIDE BARBOSA GESTÃO DE ESTOQUES DE MATÉRIA-PRIMA DA EMPRESA DIGITEL São Leopoldo 2005

2 CLEIDE BARBOSA GESTÃO DE ESTOQUES DE MATÉRIA-PRIMA DA EMPRESA DIGITEL Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS. Orientador: Prof. Dr. Carlos Alberto Diehl São Leopoldo 2005

3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho à minha família. Aos meus queridos pais, Nelmo e Marisa que sempre me apoiaram, para que eu conseguisse conquistar meu espaço no mundo. Sem dúvida, este foi o grande alicerce que me sustentou em todas as dificuldades, e possibilitou que eu acreditasse no sucesso desta minha caminhada. E ao meu irmão Toni, pelo qual tenho grande admiração, que serviu como espelho durante esta importante etapa da minha vida.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais, que estiveram sempre presentes durante esta longa caminhada. E ao meu irmão, por ser meu espelho no decorrer de toda minha graduação. Agradeço a Deus, por me dar força e me iluminar, em todos os momentos em que estava desanimando. Agradeço ao meu incansável orientador, Dr. Carlos Diehl, por me capacitar a desenvolver este estudo, através de seus amplos conhecimentos, por me transmitir segurança durante todo este longo caminho, e pela sua admirável paciência. Creio que todas essas virtudes e muitas outras, foram fundamentais para que eu conseguisse finalizar este trabalho. Agradeço aos meus colegas da Digitel, pela atenção desprendida, a disposição e colaboração nos momentos em que lhes foi solicitado. E a todos que contribuíram direta ou indiretamente Muito obrigada a todos vocês.

5 RESUMO Este trabalho é um estudo de caso realizado na empresa Digitel Indústria Eletrônica, líder no segmento de Comunicação de Dados no Mercado Brasileiro de Telecomunicações, a maior fabricante de Modens e Multiplexadores de Dados da América Latina e está situada na cidade de Porto Alegre/RS. O trabalho apresenta uma descrição do processo de planejamento e controle de materiais, e objetivando identificar as principais causas do alto nível de estoque de matériaprima. Para o desenvolvimento do estudo foi utilizada como apoio uma bibliografia composta por assuntos de administração de materiais, administração de estoques, inventário, entre outros, o que possibilitou a realização de uma análise da situação atual e a proposta de melhorias ao final da pesquisa. No levantamento de informações foram realizadas observações e entrevistas, e utilizados dados secundários. Em seguida, ocorreu a avaliação dos resultados, os quais foram comparados com a bibliografia utilizada, com o intuito de sugerir melhorias, salientar críticas e contribuir para o aperfeiçoamento do processo. Palavras-Chave: Matéria-prima. Estoque. Processo. Planejamento.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Gestão de materiais integra a gestão de fluxo de materiais com o fluxo de informações associado...13 Figura 2: Modelo genérico de curva de nível de estoques...14 Figura 3: Conceito de curva ABC...28 Figura 4: Fluxo tradicional e JIT entre estágios...31 Figura 5: Esquema do Planejamento e Necessidade de Materiais...33 Figura 6: Tipos de métodos científicos de previsão de vendas...36 Figura 7: Utilizando Kanban para itens de alto volume e MRP para itens de baixo volume...46 Figura 8: Foto da empresa Digitel...53 Figura 9: Esquema de atividades do PCP...55 Figura 10: Esquema de atividades do PCM...59 Figura 11: Demonstrativo Analítico de Estoques Digitel...65

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Definição do Problema Questão-Problema Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa GESTÃO DE ESTOQUES DE MATÉRIA-PRIMA Importância da Administração de Materiais Almoxarifado Objetivos da Área de Planejamento e Controle de Materiais Características do Estoque Razões para o surgimento / manutenção de estoques Fundamentos da gestão de estoques Objetivos e Políticas de Estoques Indicadores de desempenho Análise do comportamento de consumo Obsolescência e alienação de materiais inservíveis Controle de Estoques Custos de Estoque Tipos de Estoques Tempo de Ressuprimento Técnicas de Administração de Estoques Conceito Just in Time JIT Material Requirements Planning (MRP I) JIT e MRP MÉTODOS E PROCEDIMENTOS Delineamento da Pesquisa Unidade de Análise Coleta de Dados Análise de Dados ESTUDO DE CASO: EMPRESA DIGITEL IND. ELETRÔNICA SA Caracterização da empresa...54

8 7 4.2 Descrição do processo Resultados Análise Crítica e Considerações Sugestões de melhoria CONCLUSÃO...84 REFERÊNCIAS...86 APÊNDICE A ROTEIRO PARA ENTREVISTAS...88 ANEXO A ABC DE COMPRAS DIGITEL JUNHO/

9 1 INTRODUÇÃO Os estoques são recursos ociosos que possuem valor econômico, os quais representam um investimento destinado a incrementar as atividades de produção e servir aos clientes. Entretanto, a formação de estoques consome capital de giro, que pode não estar tendo nenhum retorno do investimento efetuado e, por outro lado, pode ser necessitado com urgência em outro segmento da empresa, motivo pelo qual o gerenciamento deve projetar níveis adequados, objetivando manter o equilíbrio entre estoque e consumo. Em muitas empresas, os estoques representam componente extremamente significativo, seja sob aspectos econômico-financeiro ou operacionais críticos. Nas empresas industriais ou comerciais, os materiais concorrem, normalmente, com mais de 50% do custo do produto vendido, o que faz com que os recursos financeiros alocados a estoques devam ser empregados sob forma mais racional possível (VIANA, 2000, pg. 108). O presente trabalho visa abordar a administração de materiais da empresa Digitel S/A, mais especificamente o modelo de gestão utilizado atualmente, procurando identificar as causas que contribuem para o alto nível de estoque de matéria-prima. Desta forma, poderá proporcionar sugestões para a melhoria nos processos envolvidos. Será utilizado o estudo de caso, como método para a realização da pesquisa, que será melhor explicado no capítulo três.

10 9 O problema de pesquisa busca as causas de altos níveis de matéria-prima na empresa Digitel. Como objetivo geral será avaliar o modelo de gestão de estoques de matéria-prima utilizado pela empresa. 1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Um alto nível de estoque de matéria-prima não é desejável pela organização. Assim, torna-se relevante avaliar as melhores alternativas existentes para gerenciar os estoques de matéria-prima, de forma que venham ser úteis para regularizar os altos níveis de estoques atuais, pois de acordo com dados da Digitel, identifica-se que no mês de janeiro de 2005, as matérias-primas representavam 61,4% (em torno de U$ mil) do estoque existente na empresa, enquanto que a fase de elaboração (produção) representava 15,4% do estoque e os produtos prontos representavam 23,1% do estoque. Neste mesmo período considerado, o giro de estoque de matéria-prima estava em torno de 98 dias Questão-Problema Quais as causas de altos níveis de estoques de matéria-prima na empresa Digitel?

11 OBJETIVOS Objetivo Geral Avaliar o modelo de gestão de estoques de matéria-prima da empresa Digitel, identificando as principais causas do alto nível de estoque de matéria-prima e sugerir melhorias para o gerenciamento Objetivos Específicos Descrever a situação atual do Planejamento e Controle de Materiais (PCM), identificando as principais causas do alto nível de estoque de matéria-prima; Levantar alternativas não utilizadas pela empresa, para a gestão de estoques de matéria-prima; Propor alternativas mais adequadas, de acordo com a realidade da organização, que proporcionem melhorias nos processos envolvidos; Sugerir ações para o gerenciamento de estoque de matéria-prima, que possibilitem a futura redução do estoque. 1.3 JUSTIFICATIVA Um trabalho que objetiva apresentar alternativas para a gestão de estoques de matériaprima da empresa Digitel Ind. de Componentes Eletrônicos, através de melhorias no setor de planejamento e controle de materiais estará contribuindo para o bom andamento do

12 11 processo. Conseqüentemente, trará bons resultados para a organização como um todo, viabilizando um melhor atendimento aos clientes. Uma vez que, um estoque encontra-se em nível adequado, tende a tornar-se mais organizado, agilizando os processos de uma forma geral, e ainda permitirá um investimento de capital maior em outros aspectos, para que se reflita diretamente no bom atendimento de seus clientes. Por isso é relevante que as empresas se preocupem e valorizem a administração de seus estoques, pois se este processo estiver bem organizado e controlado, a tendência é trazer benefícios para a organização. Como já mencionado anteriormente, um benefício notável seria a disponibilidade de capital para que seja investido de outras formas, e assim, permitindo que outros departamentos proporcionem a evolução de seus processos, e possam contribuir para que a empresa consiga satisfazer seus clientes. Um dos grandes objetivos da empresa é atingir a excelência no atendimento aos clientes. Uma forma de atingi-lo é disponibilizando os produtos nas quantidades e datas necessárias. Para que isso ocorra é imprescindível que o processo de gerenciamento de estoque flua corretamente. A empresa trabalha com o sistema make-to-order 1, logo, não tem a intenção de manter um alto nível de estoque de matéria-prima. Pretende-se então, identificar causas que propiciam esta situação, a qual não é desejável pela empresa. Nessa linha, ainda sugerir melhorias de processos para minimizar este problema, o qual, obviamente, prejudica o desenvolvimento da empresa em outros aspectos, devido à má utilização do capital. Outro aspecto importante a ser considerado na realização deste trabalho, é o fato da possibilidade de aplicação dos conhecimentos teóricos adquiridos durante o curso, os quais estão relacionados diretamente com a prática, já que o assunto da pesquisa foi muito 1 Make to order, segundo Arnold (1999), é o ambiente, no qual os fabricantes esperam até que uma encomenda seja recebida de um consumidor antes de começar a fabricar os bens.

13 12 mencionado em todo o período de estudo, justificando sua relevância, e, ainda oportunizando desenvolvimento pessoal e profissional do aluno. Em relação à viabilidade do projeto, serão utilizados bibliografias e conhecimentos de usuários, levantamento de dados internos da empresa, tais como relatórios, para a realização da pesquisa, que não proporcionará custo elevado. Tendo acesso ao processo da empresa, por fazer parte do quadro de funcionários da mesma, ao mesmo tempo em que já lhe foi concedida a autorização para a realização da pesquisa, o pesquisador tem facilidade na obtenção das informações necessárias para efetuá-la. Devido à competitividade de mercado existente, as empresas estão sendo pressionadas a aperfeiçoarem os seus processos continuamente para que, dessa forma, consigam atingir seus objetivos, que são lucratividade, custos baixos, aumento na participação de mercado, entre outros. Assim, esse ambiente se torna favorável para a implementação de mudanças organizacionais, priorizando, principalmente, setores que apresentam problemas pontuais já detectados, mas que ainda não tiveram nenhum tipo de ação desenvolvida para efetuar qualquer mudança. Mas isso deve ocorrem o quanto antes, para que as mesmas possam se manter no mercado.

14 2 GESTÃO DE ESTOQUES DE MATÉRIA-PRIMA Nesta seção serão apresentados os temas relacionados à pesquisa, com o propósito que seja possível a compreensão do estudo em andamento. Para exemplificar veja a figura a seguir, que se refere ao conceito de gestão de materiais. Saída de caixa Compras Gestão de Estoques Processamento de materiais Gestão de Estoques Submontagem Gestão de estoques Montagem Gestão de Estoques Fornece dores Estoq Matprima Estoque em processo Estoque de produto acabado Entrada de caixa Distribuição Física Clientes Fluxo de materiais e serviços Fluxo de informações Figura 1: Gestão de materiais integra a gestão de fluxo de materiais com o fluxo de informações associado. FONTE: SLACK; CHAMBERS; JOHNSTON, 2002, p. 428.

15 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS O setor de Planejamento e Controle de Materiais (PCM) é o responsável pela determinação das quantidades de produtos a serem produzidas e das quantidades de matériasprimas a serem compradas. Logo, é o responsável também, pela determinação dos níveis de estoque (veja figura 2). Então, de certa forma, torna-se também responsável pela otimização dos recursos da empresa, uma vez que, o estoque compromete parte do capital, que poderia estar disponível para outros tipos de investimentos. Para que os recursos sejam otimizados, é necessário projetar processos eficientes. Depois que este processo estiver definido é necessário administrá-lo para produzir bens de maneira econômica. Existem vários métodos para auxiliar a administração a planejar e controlar, um deles é através do controle do fluxo de materiais. O fluxo de materiais pode controlar o desempenho do processo (ARNOLD, 1999). Segundo Bertaglia (2003), o gerenciamento de estoque é um ramo da administração de empresas que está relacionado com o planejamento e o controle de estoques de materiais ou produtos que serão utilizados na produção de bens ou serviços. Por isso, a preocupação efetiva com os estoques pode interferir nos resultados estratégicos de uma empresa. Quando comprar? Quanto comprar? Nível de estoque Taxa de demanda (d) Tempo Figura 2: Modelo genérico de curva de nível de estoques. FONTE: CORRÊA,GIANESI E CAON, 1999, p. 53.

16 15 Um setor muito importante para a administração de materiais é o almoxarifado, o qual será brevemente descrito abaixo. 2.2 ALMOXARIFADO Pode ser definido como o local destinado à fiel guarda e conservação de materiais, em recinto coberto ou não, adequado a sua natureza, tendo a função de destinar espaços onde permanecerá cada item aguardando a necessidade do seu uso, ficando sua localização, equipamentos e disposição interna condicionados à política geral de estoques da empresa (VIANA,2000). O objetivo primordial de qualquer Almoxarifado é impedir divergências de inventário e perdas de qualquer natureza. Para cumprir sua finalidade, o Almoxarifado deverá possuir instalações adequadas, bem como recursos de movimentação e distribuição suficientes a um atendimento rápido e eficiente (VIANA, 2000). Existem rotinas rigorosas para a retirada dos produtos no Almoxarifado, que preservam os materiais armazenados, protegendo-os contra furtos e desperdícios. A autoridade para a retirada do estoque deve estar definida com clareza e somente pessoas autorizadas poderão exercer essa atribuição. 2.3 OBJETIVOS DA ÁREA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE MATERIAIS Os principais objetivos do Planejamento e Controle de Materiais são permitir o cumprimento dos prazos de entrega dos pedidos dos clientes, com a mínima formação de estoques, planejamento de compras e a produção de itens componentes para que ocorram apenas no momento e nas quantidades necessárias.

17 16 Dessa forma, por gestão de estoques, entendemos o planejamento do estoque, seu controle e sua retroalimentação sobre o planejamento (CHING, 1999). O planejamento consiste em determinação dos valores que o estoque terá com o correr do tempo, bem como na determinação das datas de entrega e saída dos materiais do estoque e na determinação dos pontos de pedido de material. Na etapa de controle, coloca-se em prática o planejamento realizado e controla-se o seu andamento para que o processo ocorra como planejado, possibilitando atingir os objetivos gerais da empresa, nos quais destaca-se, principalmente, a satisfação dos clientes. A retroalimentação é a comparação dos dados de controle com os dados do planejamento, a fim de constatar seus desvios e determinar suas causas. Quando for o caso, a empresa deve corrigir o plano para torná-la mais realista, fazendo com que o planejamento e o controle sejam cada vez mais coincidentes (CHING, 1999). 2.4 CARACTERÍSTICAS DO ESTOQUE Estoque é um termo amplo. No entanto, pode ser definido como um material armazenado por algum tempo, para uso futuro, assim regulando o ritmo entre fluxos de material dentro de uma indústria, às custas de alguma imobilização financeira. Apresenta vários tipos como matéria-prima, material em processamento, peças componentes, produtos acabados, material auxiliar e de uso geral (RUSSOMANO, 1995). Permite o atendimento regular das necessidades dos usuários para a continuidade das atividades da empresa, sendo estoque gerado, consequentemente, pela impossibilidade de prever-se a demanda com exatidão, e também é uma reserva para ser utilizada em tempo oportuno (VIANA, 2000). A manutenção de estoque implica riscos de investimento e obsolescência, e ainda a possibilidade de roubo.

18 17 Estoque consiste em substancial investimento em ativos e, portanto, deve proporcionar pelo menos algum retorno de capital. As dificuldades de serem encontradas metodologias sofisticadas para a apuração dos custos de manter estoques tornam difícil a avaliação do trade-offs entre níveis de serviço, eficiência das operações e níveis de estoque. Dessa forma maioria das empresas mantém estoque médio que excede suas necessidades normais (BOWERSOX,2001). Conforme Viana (2000), as principais causas que exigem estoque permanente para o imediato atendimento do consumo interno e das vendas nas empresas são: Necessidade de continuidade operacional; Incerteza da demanda futura ou de sua variação ao longo do período de planejamento; Indisponibilidade imediata do material nos fornecedores e cumprimento dos prazos de entrega. O ideal seria a inexistência de estoques, à medida que fosse possível atender ao cliente no momento em que ocorressem as demandas. Mas é extremamente difícil isso ocorrer. Então, torna-se necessário a existência de um nível de estoques que sirva de amortecedor entre os mercados supridor e consumidor, a fim de que os consumidores possam ser plena e sistematicamente atendidos. Mas em algumas empresas esse amortecedor tende a ser excessivo e acaba sendo investido muito capital em estoque desnecessário. 2.5 RAZÕES PARA O SURGIMENTO / MANUTENÇÃO DE ESTOQUES Segundo Corrêa, Gianesi e Caon (1999), as principais razões para o surgimento/manutenção de estoques são: Falta de coordenação: pode ser impossível ou inviável coordenar perfeitamente fases de um processo de transformação industrial. Certos

19 18 fornecedores, por exemplo, fornecem embalagens mínimas de matériasprimas, o que vai acarretando em geração de estoque deste item. Existem também problemas de custos do processo de compra, como custos de frete, administrativos, cotação e negociação, que são muito altos, e fazem com que sejam comprados lotes maiores do que a necessidade, com o intuito de amortizar o custo de obtenção do material; Incerteza: existem casos em que as taxas de consumo e suprimento não são previsíveis, ou seja, são incertas, por exemplo, quando o consumo não se dá com base em pedidos colocados com grande antecedência. Nestes casos, os estoques são necessários para fazer frente a estas incertezas; Especulação: quando há intenção de criação de valor e correspondente realização de lucro. Isso ocorre por meio da especulação com a compra e venda de materiais. Às vezes, as empresas conseguem antecipar a ocorrência de escassez de oferta de determinado bem, comprando quantidades mais altas do que aquelas necessárias para seu consumo, enquanto os preços ainda estão baixos. Quando vem a escassez e a alta de preços, não só a empresa não sofre com ela, mas também pode vender o excedente pelo preço aumentado, realizando bons lucros; Disponibilidade no canal de distribuição: dá-se principalmente com produtos de consumo (alimentos, higiene pessoal etc.), pois são produtos que precisam estar disponíveis próximos dos mercados consumidores. Os produtos que preenchem o canal de distribuição, podem representar quantidades consideráveis de estoques que devem ser gerenciados.

20 FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE ESTOQUES Segundo Viana (2000), gestão de estoques é um conjunto de atividades que visa, por meio das respectivas políticas de estoque, ao pleno atendimento das necessidades da empresa, com a máxima eficiência e ao menor custo, através do maior giro possível para o capital investido em materiais. Seu objetivo fundamental é buscar o equilíbrio entre estoque e consumo. Para isso existem algumas regras e critérios, dentre outras: impedir entrada de materiais desnecessários, mantendo em estoque somente os de real necessidade da empresa; centralizar as informações que possibilitem o permanente acompanhamento e planejamento das atividades de gestão; definir os parâmetros de cada material incorporado ao sistema de gestão de estoques, determinando níveis de estoque respectivos; determinar para cada material, as quantidades a comprar, por meio dos respectivos lotes econômicos e intervalos de ressuprimento; analisar e acompanhar a evolução de estoques da empresa; ativar o setor de compras para que as encomendas referentes a materiais com variação nos consumos tenham suas entregas aceleradas; ou reprogramar encomendas em andamento, em face das necessidades da empresa; decidir sobre a regularização ou não de materiais entregues além da quantidade permitida (excesso); realizar freqüentes estudos, propondo alienação, para que os materiais obsoletos e inservíveis sejam retirados do estoque.

21 20 Conforme Bertaglia (2003), muitos são os fatores que interferem nos processos e que afetam a maneira de administrar os estoques, como: utilização do conceito lote; estoque de segurança; níveis de serviço ao cliente; estoque de antecipação para situações de sazonalidade. Em decorrência de variações no mercado e comportamentos da concorrência, a estratégia de estoques deve ser continuamente revisada. 2.7 OBJETIVOS E POLÍTICAS DE ESTOQUES Bertaglia (2003), diz que a compreensão dos objetivos estratégicos da existência e do gerenciamento dos estoques é fundamental para se definir metas, funções, tipos de estoque e forma como eles afetam as organizações em suas atividades produtivas e de relacionamento com o mercado. Um dos objetivos do investimento em estoques é maximizar os recursos da empresa, ou seja, em muitos casos, a formação de estoques proporciona um balanceamento das operações da organização, possibilitando aumento na eficiência operacional, redução de custos de mão-de-obra e maximização da capacidade instalada. Outro objetivo é fornecer um nível satisfatório de serviço ao cliente ou consumidor, o qual está relacionado ao nível de atendimento que a organização supostamente pretende oferecer ao cliente e/ou consumidor. Para isso, as empresas precisam estabelecer critérios coerentes para medir a satisfação dos clientes (BERTAGLIA, 2003).

22 21 Entende-se por política de estoques o conjunto de atos diretivos que estabelecem, de forma global e específica, princípios, diretrizes e normas relacionadas ao gerenciamento. Em qualquer empresa, a preocupação da gestão de estoques está em manter o equilíbrio entre as diversas variáveis componentes do sistema, tais como: custos de aquisição, de estocagem e de distribuição, nível de atendimento das necessidades dos usuários consumidores, etc. (VIANA, 2000, p. 118). Conforme Viana (2000), a gestão de estoques economicamente consiste essencialmente na procura da racionalidade e equilíbrio com o consumo, ao mesmo tempo em que atenda as necessidades efetivas de seus consumidores com mínimo custo e menor risco de falta possível; assegure aos consumidores a continuidade de fornecimento; o valor obtido pela continuidade de fornecimento deve ser inferior a sua própria falta. 2.8 INDICADORES DE DESEMPENHO Segundo Bertaglia (2003), medir desempenho de estoque é salutar para a organização, uma vez que um dos aspectos fundamentais da administração moderna enfatiza a redução dos estoques. O aumento ou redução de estoques gera forte impacto nas finanças de qualquer empresa. Como exemplo de indicadores de desempenho que visam a monitoração de estoques temos: Giro de estoque: que corresponde ao numero de vezes em que o estoque é consumido totalmente durante um determinado período (normalmente um ano). Giro de estoque = vendas anuais / estoque médio Cobertura de estoque: que está relacionada à taxa de uso do item e baseiase no cálculo da quantidade de tempo de duração do estoque, caso este não sofra nenhum ressuprimento. Cobertura de estoque: estoque médio / demanda

23 22 Nível de serviço ao cliente: as organizações preocupadas com as necessidades dos clientes utilizam o conceito de serviço ao cliente para avaliar o desempenho do sistema de controle de estoques. Uma medida bastante comum é a taxa de atendimento ao pedido, que é a relação entre a quantidade de itens disponíveis e a quantidade de itens demandada pelo cliente. Acurácia de estoque: manter a acurácia dos estoques em um nível elevado - isento de erros- trará significativas vantagens à organização. Acurácia = quantidade física (contagem de estoque) / quantidade teórica (controles de entrada e saída do material) 2.9 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE CONSUMO Segundo Viana (2000), deve-se analisar continuamente o comportamento de consumo de materiais da empresa, para manter o equilíbrio entre o estoque e o consumo efetivo de matéria-prima. Uma possibilidade importante na análise do comportamento de consumo é utilização do material até esgotar, considerando-se que os materiais assim enquadrados não podem ser confundidos como obsoletos, pois ainda têm aplicação, com especificação adequada. Para identificar materiais no grupo utilizar até esgotar, considera-se algumas causas: desconhecimento da vida útil: o estabelecimento da vida útil resulta do conhecimento a que estão sujeitos os materiais quanto ao desgaste, fadiga, deterioração resultante da ação de agentes agressivos, calor, umidade, poeira, ácidos etc. compra em quantidade além da necessária, ou seja, compras caracterizadas pelo excesso de segurança;

24 23 desconhecimento da existência de estoque: especificação incompleta dificulta a perfeita identificação, deficiência que faz com que os materiais assim dispostos não sejam utilizados, podendo haver compra indevida dos mesmos. compra para aplicação imediata: alguns materiais podem ser armazenados sob a classificação de estocagem temporária e ficar sem utilização; nacionalização: materiais importados em via de nacionalização, portanto, sem condições de reposição original, cujos saldos ficam classificados na categoria utilizar até esgotar, até que a substituição por nacionais seja completada OBSOLESCÊNCIA E ALIENAÇÃO DE MATERIAIS INSERVÍVEIS Conforme Viana (2000), o ritmo de desenvolvimento, imperativo para grandes empresas, tem como conseqüência a alienação de objetos substituídos pela inovação tecnológica, e desgaste natural dos materiais utilizados. O descarte de materiais inservíveis, obsoletos e sucatados objetiva: eliminar os materiais que não mais atendem às exigências técnicas da empresa; desocupar áreas de armazenagem; reduzir os custos de armazenamento; reduzir o valor das imobilizações em materiais CONTROLE DE ESTOQUES É um procedimento rotineiro necessário ao cumprimento de uma política de estoques. O controle abrange as quantidades disponíveis numa determinada localização e acompanha suas variações ao longo do tempo. Essas funções podem ser desempenhadas manualmente ou por computador. As principais diferenças são a velocidade, a precisão e o custo.

25 24 Para implementar as políticas desejadas de gerenciamento de estoques, torna-se necessário desenvolver procedimentos de controle, que definam a freqüência segundo a qual os níveis de estoque são examinados e comparados com parâmetros de ressuprimento, ou seja, quando e quanto pedir CUSTOS DE ESTOQUE Os valores reais variam de setor para setor e de empresa para empresa. Os custos de capital podem variar dependendo das taxas de juros, do crédito da empresa na praça e das oportunidades de investimentos que a empresa pode ter. Os custos de armazenamento variam com o lugar e o tipo de armazenamento necessário. Os custos de riscos podem ser muito baixos ou podem estar perto de 100% do valor do item para produtos perecíveis. O custo de estocagem é geralmente definido como uma percentagem em valores monetários do estoque por unidade de tempo, geralmente um ano (ARNOLD, 1999, p.274) Conforme Arnold (1999), os custos associados ao estoque dividem-se em: a) Custo por item: o preço pago por um item comprado consiste no custo desse item e de qualquer outro custo direto associado com trazê-lo até a fábrica. b)custo de estocagem: esses custos incluem todas as despesas que a empresa incorre em função do volume de estoque mantido. Dentre eles, destacam-se os custos de capital, custos de armazenamento e custos de risco. c)custos de pedidos: são aqueles associados à emissão de um pedido ou para a fábrica ou para um fornecedor, ou seja, cada operação de entrada de pedido para abastecimento de estoque necessita de algumas atividades que geram estes custos. Estes custos incluem custos de controle de produção, custos de preparação e desmontagem, custos de capacidade perdida e custos de pedidos de compra. d)custo de falta de estoque: ocorre se a demanda durante o lead time excede a previsão, ocasionando uma falta de estoque, o que pode ter como conseqüência custos de pedidos não atendidos, de vendas perdidas e de clientes possivelmente perdidos.

26 25 e)custos associados à capacidade: quando é preciso alterar os níveis de produção, pode haver um aumento de custos devido a horas-extras, contratações, treinamentos, etc. Estes custos podem ser evitados pela produção de itens em períodos de folga para serem vendidos nos períodos de pico. Entretanto, isso aumenta o estoque nos períodos de folga. Slack, Chambers e Johnston (2002), salientam os seguintes custos de estoque: Custos de capital de giro: logo que colocamos um pedido de reabastecimento, os fornecedores vão demandar pagamento por seus bens. Quando fornecermos para nossos próprios consumidores, vamos, por nossa vez, demandar pagamento. Todavia, haverá provavelmente um lapso de tempo entre pagar a nossos fornecedores e receber pagamento de nossos consumidores. Durante esse tempo, temos que ter os fundos para manter os estoques. Isso é chamado capital de giro, que precisamos para girar o estoque. Os custos associados a ele são os juros, que pagamos ao banco por empréstimos, ou os custos de oportunidade, de não investirmos em outros lugares. Custos de armazenagem: são os custos associados à armazenagem física dos bens. Locação, climatização e iluminação do armazém podem ser caros. Custos de obsolescência: se escolhemos uma política de pedidos que envolve pedidos de quantidades muito grandes, que significará que os itens estocados permanecerão longo tempo armazenados, existe o risco de que esses itens possam tornar-se obsoletos, ou deteriorar-se com a idade.

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos Curva ABC A curva ABC tem por finalidade determinar o comportamento dos produtos ou dos clientes. Podemos desenvolver diversos tipos de curvas ABC contendo os seguintes parâmetros: 1. Produto X Demanda

Leia mais

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estoques são acumulações de matérias-primas, de materiais em processo e de produtos

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUES E O PLANEJAMENTO DE PRODUÇÃO

O CONTROLE DE ESTOQUES E O PLANEJAMENTO DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS

Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS Comentários às questões de Administração de Recursos Materiais do INSS Olá a todos. Seguem os comentários às questões da matéria de ARM que caíram na prova do INSS, aplicada pela banca FUNRIO. Como de

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais