UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGROALIMENTAR: ARQUITETURA PARA AS FUNÇÕES DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. MOACIR SCARPELLI São Carlos 2006

2 ii SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGROALIMENTAR: ARQUITETURA PARA AS FUNÇÕES DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO.

3 iii UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGROALIMENTAR: ARQUITETURA PARA AS FUNÇÕES DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Moacir Scarpelli Tese de doutoramento apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos, como parte dos requisitos para a obtenção do título de doutor em Engenharia de Produção. Orientador: Prof. Dr. Mário Otávio Batalha São Carlos 2006

4 Ficha catalográfica elaborada pelo DePT da Biblioteca Comunitária/UFSCar S285sp Scarpelli, Moacir. Sistemas de produção agroalimentar: arquitetura para as funções de planejamento e controle da produção / Moacir Scarpelli. -- São Carlos : UFSCar, p. Tese (Doutorado) -- Universidade Federal de São Carlos, Agroindústria. 2. Planejamento e controle da produção. 3. Industria - classificação. I. Título. CDD: (20 a )

5 v FOLHA DE APROVAÇÃO AUTOR: Moacir Scarpelli TÍTULO DO TRABALHO: SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGROALIMENTAR - Arquitetura para as funções de planejamento e controle da produção. Tese apresentada à Universidade Federal de São Carlos, como parte dos requisitos para obtenção do título de Doutor em Engenharia de Produção. Aprovado em 19 de dezembro de BANCA EXAMINADORA Presidente (Orientador) 1ºExaminador 2ºExaminador 3ºExaminador 4ºExaminador Prof. Dr. Mário Otávio Batalha (DEP/UFSCAr) Prof. Dr. Paulo Furquim de Azevedo (FGVSP) Prof. Dr. Antonio Freitas Rentes (USP-São Carlos) Profª Drª. Andréa Lago (DEP/UFSCAr) Prof. Dr. Hildo Meirelles de S. Filho (DEP/UFSCAr)

6 vi DEDICATÓRIA A sabedoria popular diz que um homem deve ter filhos, escrever um livro e plantar uma árvore. Em uma interpretação livre, pode-se subentender que essa é a sua busca pela imortalidade, que se daria pela sua matéria, nos cromossomos de seus filhos, pelas suas idéias, nas letras gravadas pela vida e, por último, em suas ações benéficas, espalhando frutos, flores e sombra. As três coisas são intrinsecamente interligadas e o sucesso de uma é tanto maior, quanto maior for o sucesso da outra. Ao conjunto harmonioso das três poder-se-ia dar o nome de felicidade. O sucesso aqui pode ser entendido como toda a contribuição que se dá para que outros também possam buscar sua imortalidade e assim também serem felizes. Essa felicidade não seria plena se não pudéssemos compartilhá-la com todos os que de alguma forma apóiam, intervêm ou acompanham essas realizações com seu amor, sua amizade e seu vivo interesse. É com esse intuito que dedico, a contribuição, que suponho esse trabalho possa dar, primeiramente aos meus pais, origem dos erros e acertos, e aos meus filhos, estes, minha continuidade e melhor obra. Em seguida dedico aos que acreditaram em mim e, de alguma forma, apoiaram com seu incentivo, sua expectativa, suas contribuições e seu carinho. Isso inclui irmãos, de sangue ou de fé, amigos de infância, formação e trabalho, alunos e tantos quantos me ouviram ou me falaram ao cérebro e ao coração. Dedico por fim e em especial, a uma faxineira que conheci, em função deste trabalho. Uma pessoa que é a síntese do desprendimento, caráter, humildade, sensibilidade e idealismo, raros nos dias de hoje, mas ainda preservados, como modelo, em uma alma tão simples e ingênua. Uma certeza de que sempre se pode melhorar a qualidade da árvore. O homem é a medida de todas as coisas Protágoras de Abdera

7 vii AGRADECIMENTOS Ao se formular agradecimentos, sempre se incorre no risco de não mencionar alguém que, de alguma forma, também faz jus a eles. Assim, de antemão, peço a estes que compreendam que a ausência de seus nomes, apenas indica meu possível grau de senilidade e não a importância que lhes dedico. Desta forma, inicialmente gostaria de formular meus agradecimentos ao Professor Mário Otávio Batalha, não só meu orientador, sobretudo um grande amigo, com quem partilhei idéias, trabalho e cervejas. Alguém que acreditou e ofereceu todo o apoio necessário nessa jornada. Em seguida, por grupos e, nestes, ordem alfabética, um defeito em minha formação, agradeço ao: (1) Grupo francês: - Professores - Annie Lambert e Jean Louis Lambert; - amigos - Christian Pechot; Ghislaine Bidaut; Isabelle Gruisson; Sebastien Bretch; (2) Grupo dos colegas de trabalho: - Professores Alessandra Rachid; Ana Lúcia Vitale Torkomian; Andréa Lago; Edemilson Nogueira; Hildo Meirelles; José Flávio Diniz Nantes; Júlio César Donadone; Luiz Fernando de O. Paolillo; Manoel Fernando Martins; Marcelo Silva Pinho; Paulo Eduardo Gomes Bento; Reinaldo Morábito; Roberto Antonio Martins; Rosane Chicarelli Alcântara; Elizabeth Schultzer (In Memorian); Luiz Gastão de Castro Lima (in Memorian); (3) Grupo de música: - Alceu Gomes Alves fl. (violão); Gian Pessoa (violão); Mauro Rocha Cortes (percussão); Paulo Furquim (violão, cavaquinho e viola de arco). (4) Grupo dos amigos de jornada: Alfeo Rohm; Antonio Battochio; Antonio Roberto Villaboin Chagas; Ariovaldo de Souza; Cláudia Buhamra; João Widmer; Marilena Malta Campos; Norma Aquiles Basso; Raimundo José de Souza; (5) Grupo importante: Cláudia Carregaro; Carla Maiotto; Carolina Carregaro; Marco Antonio Castellar; (6) Grupo mais que importante: Silvânia Costa Carregaro; (7) Grupo muito mais que importante: Anália G. Scarpelli; Hermínio Scarpelli; Marilene Scarpelli; Marilda S. Costa; Marisa Scarpelli. (8) Grupo fundamental: Alexandre Camargo Scarpelli; Maíra Camargo Scarpelli. Aos nomes que mencionei e aos que não mencionei, mas que sabem fazer parte do rol especial com que os distingo, todo o meu agradecimento pelo apoio, amizade e

8 viii enorme confiança que em mim sempre depositaram. Este trabalho foi desenvolvido com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, conforme Processo de número BEX1093/02-9.

9 ix RESUMO A agroindústria tem-se mostrado um segmento extremamente importante no contexto produtivo, particularmente no Brasil, seja em relação aos valores econômicos envolvidos, seja na geração de empregos diretos e indiretos. Entretanto, suas peculiaridades não têm sido suficientemente consideradas na literatura e mesmo no desenvolvimento de sistemas de Planejamento e Controle da Produção. Assim, esse trabalho visa resgatar essas preocupações, contribuindo basicamente em dois aspectos. O primeiro é a constituição de um sistema de classificação que permite identificar esses empreendimentos segundo suas particulares características constitutivas. O segundo é a proposição de uma arquitetura para o sistema de Planejamento e Controle da Produção, voltado para as principais necessidades da parcela de empreendimentos agroindustriais dedicados ao fracionamento da matéria-prima alimentar, tais como abatedouros e moageiras. Nessa arquitetura é particularmente destacada a preocupação com a previsão de demanda, associada à restrição de disponibilidade da matéria-prima, bem como a constituição do programa mestre de produção, considerando a geração simultânea de coprodutos, que podem ou não ser imediatamente desejados. Palavras-chave: -Agroindústria de primeira transformação; Planejamento e Controle da Produção Agroindustrial; Sistema de Classificação de Empresas de Manufatura.

10 x ABSTRACT The role of the agribusiness has been extremely important in the context of the Brazilian production in terms of both economic values and employment generation. However, the agribusiness specific characteristics have not been sufficiently considered in the literature and even in the development of Production Planning and Control Systems. This thesis is an attempt to fulfill this lack. Two basic aspects were taken into consideration. First, the thesis provides a classification system that allows for identifying those enterprises according to their special characteristics. Second, the architecture of a Planning and Control System is proposed in order to address the main needs of agri-industries, which are dedicated to the raw material splitting up, such as slaughterhouses and mills. In that architecture, it is particularly taken into account demand forecasting and raw material availability restriction. Also, a rule of master production scheduling have been built taking into consideration the simultaneous generation of co-products, which can or not to be immediately needed. Key words: First transformation s agro industry; Agro industry Production s Planning and Control System; Manufacturing Enterprise Classification System.

11 xi Lista de Figuras Figura n Título Página 1.1 Participação percentual das exportações brasileiras no comércio 2 mundial Classificação dos ramos de estudo Etapas do método científico Estrutura de um sistema de processamento industrial Configurações de processos industriais com diferentes segmentações e interpenetração de produtos Subdivisão de empreendimentos e diversificação de produtos Administração de operações e fabricação Estrutura convencional para planejamento e controle da produção Estrutura hierárquica para planejamento e controle da fabricação Balanceamento de capacidade inter plantas e processos Tipologia das técnicas de previsão Níveis de previsão de vendas Evolução dos sistemas de estoque e fabricação Intervalos e períodos de um programa mestre de produção Representação da estrutura hierárquica de composição de um produto Estrutura de lista de materiais com co-produtos representando um processo de fracionamento de grãos por tamanho Gráfico de Gozintho para árvore de fragmentação Possíveis alternativas obtidas em processos de desagregação Listas de materiais para MRP e JIT Estrutura da lista de manufatura do produto acabado e seus subconjuntos Verificação de carga em relação à capacidade Relação entre os possíveis tipos de estoque em um ambiente industrial Comparação de sistema de estoque de quantidade de pedido fixada e reposição por período de pedido fixado... 73

12 xii Figura n Título Página 2.22 Exemplo de lista de materiais tradicional versus a de tempo de execução único Controle do processo de produção no MRP Sistema PBC em um processo de três estágios Gargalos e recurso restrição de capacidade Carta de fluxo do OPT Evolução dos sistemas de PCP puros e híbridos Classificação dos sistemas de produção (cubo PCS) Maneiras de executar as várias funções de coordenação Carta de situações de produção com relação as principais características: complicação e especificidade Projeções globais de conceitos a situações Funções e alternativas em relação aos conceitos de controle Regiões de dominância para os conceitos de controle Cadeia da carne bovina Fases da produção pecuária 134 bovina Fluxo de materiais e procedimentos de abate, evisceração e corte Estrutura de codificação dos lotes de carcaça Volume das exportações de carne bovina Tendência das exportações de carne bovina por opção Participação percentual dos diferentes tipos de carne bovina no volume total exportado pelo Brasil 1 (2000) Operações típicas que constituem as atividades dentro das empresas Atividades possíveis de serem executadas nas empresas Possíveis estruturas dos produtos Sistemas de emissão de ordens considerando o tipo de processo e de 181 intervenção do cliente Sistemas de planejamento de materiais Cálculo da capacidade Cota Hilton = índice que fixa a participação de cada país no mercado europeu de carne in natura.

13 xiii Figura n Título Página 6.1 Arquitetura do sistema de informações em empreendimentos agroindustriais de primeira transformação Relação entre a demanda futura e a restrição de matéria-prima Relação entre ciclo na produção rural e horizonte de previsão Modelo básico de desenvolvimento da matéria-prima agropecuária Detalhe do planejamento agregado integrando diferentes processos em uma planta Instâncias decisórias sobre grades de venda e de produção Composição de produtos e aproveitamento da matéria-prima Variantes e produtos da matéria-prima A em árvores de desagregação Exemplo de cálculo de necessidade de matéria-prima Notação para cálculo de necessidade de matéria-prima Exemplo de estrutura em árvore com restrição de quantidades fracionárias

14 xiv Lista de tabelas Tabela n Título Página 1.1 Exportações brasileiras (em US$ milhões FOB) Programa mestre de produção em taxa de produção diária para um dado item 4.1 Produção de carnes bovina, de vitelo e de búfalo, de países selecionados Conselho nacional da pecuária de corte balanço da pecuária bovídea de corte 1994 a 2004** Volume das exportações de carne bovina

15 xv Lista de Quadros Quadro Título Página n 2.1 Atividades e eventos dinâmicos típicos e suas freqüências Comparação de níveis em um sistema integrado hierarquicamente Planejamento agregado e as estruturas de planejamento e controle da produção Comparação dos conceitos de controle Elementos de Caracterização do sistema de classificação multidimensional Valores admissíveis para as variáveis As variáveis e a escolha de um sistema de Planejamento e Controle da produção Produção para estoque Acabamento (personalização) por pedido Fabricação ou concepção sob pedido Identificação de sistema de gestão apropriado (a) Identificação de sistema de gestão apropriado (b) Identificação de sistema de gestão apropriado (c) Elementos de análise e nomenclatura originais, adotados nas classificações Famílias de atributos, particularidade e complexidade que permitem caracterizar os sistemas de produção Classificação de carcaças bovinas Exportações Brasileiras de Carne In Natura e Industrializada em (1999) Características dos sistemas de fluxo de materiais Características dos sistemas de fluxo de materiais modificado Atitudes corporativas que implicam preferências 171 estratégicas Indústrias de primeira transformação (2º processo): Preparação de matérias-primas Indústrias de segunda transformação (3º processo) : Obtenção de produtos intermediários Indústrias de 2ª transformação (4º processo): Obtenção de produtos intermediários e/ou finais montados

16 xvi Quadro Título Página n 5.7 Classificação revisada dos sistemas de emissão de ordens de produção Indústrias de primeira transformação (2 processo): Preparação de matérias-primas Indústrias de 2ª. Transformação (3 processo): Obtenção de produtos intermediários fabricados Indústrias de 2ª. Transformação (4 processo): Obtenção de produtos intermediários e finais montados Sentido preferencial do Fluxo de Informações Classificação das Indústrias de primeira transformação (2 processo): Preparação de matérias-primas Classificação das Indústrias de 2ª. Transformação (3 processo): Obtenção de produtos intermediários fabricados Classificação das Indústrias de 2ª. Transformação (4 processo): Obtenção de produtos intermediários e finais montados Classificação das indústrias de primeira transformação (2º processo): preparação de matérias-primas perecíveis Classificação das indústrias de primeira transformação (2 processo): Preparação de matérias-primas não perecíveis Classificação das indústrias de 2ª transformação (3 processo): Obtenção de produtos perecíveis intermediários fabricados Classificação das Indústrias de 2ª. Transformação (3 processo): Obtenção de produtos não perecíveis, intermediários, fabricados Classificação das Indústrias de 2ª. Transformação (4 processo): Obtenção de produtos perecíveis, intermediários e finais montados Classificação das Indústrias de 2ª. Transformação (4 processo): Obtenção de produtos não perecíveis, intermediários e finais, montados

17 xvii LISTA DE SIGLAS. SÍMBOLOS E ABREVIATURAS. ABIA Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação ABIEC Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne APICS American Production and Inventory Control Society ATO Assemble To Order BOM Bill of Material BOMfr Bill of Manufacturing BSC Base Stock Control C Contínuo CCR Capacity Constraint Resource CNPC Conselho nacional de Pecuária de Corte CONWIP Constant Work in Process COP Customer Order Point COPICS Communications Oriented Production Information and Control System CRP Capacity Requirement Planning DCI/DIPOA Divisão de Controle do Comércio Internacional do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal DDTO Design of Disassemble to Order DMTO Design of Manufacturing To Order DTO Design To Order DTO Disassemble to order E Empurrar EBQ Economic Batch Quantity EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria EOQ Economic Order Quantity ERP Enterprise Resource Planning ETO Enginer To Order FAPRI Food and Agricultural Policy Research Institute FC Fluxo convergente FD Fluxo divergente FL Fluxo linear

18 xviii FOG FS FSB IBGE IEDI JIT JS L LPA LPE LRP LSPE M MATO MDIC MDTO MMTO MOG MPS MRP MRP II MTO MTS oo-bom OPOQ OPT P PA PBC PCS PDP PDT Factory Order Generation Flow Shop Flow Shop Bloqueado Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituto de Estudos para o desenvolvimento industrial Just in time Job Shop Lote Lote de itens PAdronizados Lote de itens PErsonalizados Lot Requirement Planning Lote de itens Semi-PErsonalizados Massa Modified Assemble to Order Ministério de Desenvolvimento Indústria e comércio Modified Disassemble to Order Modified Make to Order Material Order Generation Master Production Schedulling Material Requirement Planning Manufacturing Resource Planning Make To Order Make To Stock Object Oriented Bill of Material Order Point Order Quantity Optimized Production Technology Puxar Projeto de Agregação Periodic Batch Control Personalization Constraint Step Programa Diretor de Produção Projeto de Desagregação/ Transformação

19 xix PEA População Economicamente Ativa PIB Produto Interno Bruto PIC Plano Industrial e Comercial PRM Planejamento Reverso de Materiais PS Project Shop RA Receita de Agregação RCCP Rough Cut Capacity Planning RDT Receita de Desagregação/ Transformação ROP Reorder Point Systems SBC Standard Batch Control System SDA/MAPA Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SECEX Secretaria de Comércio Exterior SFC Shop Floor Control SHC Schedulling SIC Statistic Inventory Control SIF Serviço de Inspeção Federal SISBOV Sistema Brasileiro de identificação e certificação de Origem Bovina e bubalina SRF/MF Secretaria da Receita Federal do Ministério da Fazenda TI Tecnologia de Informação USDA United States Department of Agriculture WIP Work In Process

20 xx Lista de termos estrangeiros Assemble To Order (ATO) Base Stock Control (BSC) Basic BOM Bill of Manufacturing (BOMfr) Tipo de política de planejamento em que as funções que acionam a montagem de produtos só são desempenhadas mediante a confirmação de demandas reais estabelecidas por ordens de venda. Tipo de sistema de controle de estoque que opera repondo um saldo negativo de estoque (ou demanda virtual) gerado por uma demanda do produto pai. Lista de materiais constituída para especificar uma família de produtos oriundos de fragmentação cujas matérias primas sejam consideradas contínuas. Tipo de lista que especifica conjuntamente a seqüência de operações de produção para fazer um produto intermediário ou acabado e os materiais necessários a cada operação. Bill Of Material Listas de materiais que traduzem em sua configuração de apresentação a estrutura hierárquica com que os produtos são constituídos. Blending Operação ou conjunto de operações que se caracteriza pela mistura de componentes visando a obtenção de uma dada especificação final. Buckets Espaços de tempo (dia, semana, quinzena, mês), também denominados fases, em que se subdividem os períodos de um programa mestre. Buffer Denominação dada aos estoques criados em processo para tornar independentes etapas de produção reduzindo os riscos de falta de material e aumentando a flexibilidade de programação. By-product Material de valor, produzido como um fluxo lateral de um processo de produção. Capacity Recurso de produção que mais restringe o desempenho do sistema Constraint Resource Capacity Requirement Planning Closed looping Módulo dos sistemas MRP II e ERP que executa a avaliação da carga com base em capacidade infinita. Sistemática de revisão do programa mestre de produção à luz do resultado da avaliação de carga em relação à capacidade disponível introduzido no sistema MRP II - Planejamento de recursos de manufatura. Cold shortening Encurtamento por resfriamento: fenômeno do encurtamento das fibras dos músculos da carcaça bovina causado pelo armazenamento sob temperatura entre 0 e 10 C na fase de pré-rigidez.

21 xxi Conwip Decoupling Point Design To Order (DTO) Engineering To Order (ETO) Enterprise Resource Planning Flow JIT System Flow shop Frozen Cooked Beef JIT kanbam Job Job shop Just in time kanbam (Constant Work in Process estoque constante em processo) tipo de sistema de controle que libera os trabalhos para uma linha de tal forma que o máximo nível de estoque em termos de carga não seja violado. Também denominado Customer Order Point COP caracteriza o ponto do processo em que se separa a parte da organização orientada em direção a atividades de fabricação dedicadas a pedidos de clientes, da parte da organização baseada em previsão para estoque. Tipo de política de planejamento em que as funções que acionam a fabricação só são desempenhadas mediante a confirmação de demandas reais estabelecidas por ordens de venda incluindo a possibilidade de projetar um produto integralmente de acordo com especificações dos clientes. Tipo de política de planejamento em que as funções que acionam a fabricação só são desempenhadas mediante a confirmação de demandas reais estabelecidas por ordens de venda incluindo a possibilidade de promover adequações do projeto de acordo com especificações dos clientes. Planejamento de Recursos do Empreendimento, sistema que privilegia a integração do conjunto de funções do empreendimento associando-as ao MRP II. Sistema de controle da produção que funciona como um sistema de estoque de duas gavetas onde a reposição de um lote unitário de fabricação é acionada quando a primeira gaveta é esvaziada. Tipo de constituição de um empreendimento em que os materiais fluem através dos centros de trabalho segundo um roteiro fixo segundo um padrão de fluxo de fabricação unidirecional. Tipo de carne industrializada, na forma de cortes, cozidos e embalados. Sistema de controle da produção que funciona como um sistema de estoque de duas gavetas onde a reposição de um lote de fabricação é acionada quando a primeira gaveta é esvaziada. entidades operacionais (lotes) a serem controladas no piso da fábrica Tipo de fluxo de materiais em que os lotes de matérias primas percorrem diferentes roteiros para a execução das operações. Esse fluxo, dito emaranhado está estreitamente associado ao tamanho dos lotes sua repetitividade e layout associado. Sistemas de fabricação baseados na lógica de só se produzir o necessário quando necessário. Sistemática de controle de fabricação baseada no uso de cartões de controle.

22 xxii Lead time Lot Requirement Planning (LRP) Make to order (MTO) Make To Stock (MTS) MRP program based Object Oriented Bill of Material Optimized production technology (OPT) Order point order quantity (OPOQ) Periodic batch control (PBC) Project shop Recipe Rough Cut Capacity Planning (RCCP) Tempo de obtenção de cada item ou conjunto, desde o momento de início de sua obtenção até o momento em que se torna disponível para uso. Planejamento de necessidade de lote: sistema de planejamento em que as necessidades de peças são determinadas pela explosão dos produtos constantes de um programa mestre, mas no qual apenas algumas delas são destacadas como lotes relacionados especificamente a demanda do produto pai. Tipo de política de planejamento em que as funções que acionam a fabricação só são desempenhadas mediante a confirmação de demandas reais estabelecidas por ordens de venda. Tipo de política de planejamento em que as funções que acionam a fabricação são desempenhadas antecipando-se às demandas reais. Planejamento de necessidade de materiais baseado em programa: sistema resultante da evolução do MRP que introduziu o conceito de lista de manufatura e programação mestra com avaliação simultânea de carga. Lista de materiais orientada a objeto. Procedimento de geração dinâmica de listas de materiais, com base em recursos proporcionados por linguagem de programação computacional orientada a objeto, que permite tratar estruturas de produtos em que os componentes e quantidades são variáveis. Tipo de sistema de planejamento e controle da produção cuja principal característica é balancear o fluxo de produção com base em recurso restrição de capacidade. Tipo de sistema de planejamento e controle da produção baseado na reposição de estoque determinada por um ponto de ressuprimento. Esse ponto é definido com relação ao tempo de ressuprimento e a quantidade a repor calculada com base na taxa de consumo. Tipo de sistema de planejamento e controle da produção em que periódica e sistematicamente são emitidos os mesmos conjuntos de ordens de reposição e cujos tempos de reposição se equivalem. Fabricação por projeto: tipo de constituição de um empreendimento em que os recursos são levados ao local de geração dos produtos, dadas as suas características dimensionais ou peculiaridades construtivas. Tipo de lista de material aplicável a produtos constituídos por matérias primas caracterizadas como contínuas. : verificação grosseira da capacidade, baseada na análise da somatória de cargas de trabalho que incidem sobre um conjunto de recursos denominados críticos, determinada por um programa mestre de produção.

23 xxiii Runout Shop Floor Control (SFC) Spare parts Standard Batch Control System (SBC) Statistic Inventory Control Técnica de priorização da emissão de ordens de reposição de estoque em linhas de produção baseada na taxa de demanda e duração do estoque disponível. Módulo dos sistemas MRP II e ERP que executa a programação e controle de fabricação. Conjuntos de componentes e/ou subconjuntos que se sugere acompanhar os produtos, de forma a simplificar o processo de manutenção. Sistema de Controle de lote padrão. Sistema de planejamento e controle da produção que visa sincronizar a emissão da ordem de produção de um pequeno lote de produtos acabados com a emissão de ordens nas quantidades exatas das peças e componentes requeridos. Controle estatístico de estoque. Procedimento de reposição de estoques em que se considera o tempo de reposição, a taxa de demanda por unidade de tempo e o nível de atendimento desejado expresso por uma quantidade em estoque capaz de garantir uma certa variabilidade de demanda. Supply to order Abastecimento sob pedido. Obtenção\ de matérias primas realizada apenas quando houver aplicações definidas que as consumam. Supply to stock Abastecimento para estoque. Obtenção de matérias primas para repor estoques com aplicação presumida. Synchro-MRP Sistema de planejamento e controle de fabricação híbrido, que apropria as vantagens oferecidas por sistemas do tipo MRP no longo prazo e médio prazo com a sistemática de controle mais maleável obtida com o kanbam. Throughput time Time based Time phased Tempo de processamento total exigido para a obtenção de um dado produto. Sistemas de planejamento de materiais que consideram a reposição segundo intervalos de tempo. Sistema de emissão de ordem de fabricação baseado no lead time de obtenção do item.

24 xxiv SUMÁRIO Resumo Abstract Lista de figuras Lista de tabelas Lista de quadros Lista de siglas Lista de termos estrangeiros ix x xi xiv xv xvii xx Capítulo 1 Apresentação do trabalho Introdução Justificativa, ou o significado da indústria agroalimentar brasileira Objetivos do trabalho Notas metodológicas Estrutura do Trabalho Capítulo 2 Sistemas de Produção e as Funções de Gestão de Operações Introdução Planejamento e controle da produção Elementos de um sistema de planejamento e controle da produção Estrutura do planejamento da produção por níveis hierárquicos Estrutura para planejamento hierárquico e para planejamento convencional Previsão de demanda e plano de aquisição de recursos Planejamento agregado ou planejamento industrial e comercial Programa mestre de produção Sistemas de planejamento de materiais Sistema de planejamento de necessidade de materiais (MRP) Sistema de planejamento de necessidade de materiais (MRP) receitas Sistema de planejamento de necessidade de materiais sob condições de desagregação... 53

25 xxv Sistema de planejamento de necessidade de materiais em ambientes Just in Time Ações resultantes Sistema de planejamento da capacidade e as estruturas de planejamento e controle da produção Sistemas de planejamento da capacidade em ambientes MRP Síntese do Planejamento da Capacidade nos sistemas OPOQ, MRP, JIT,PBC e OPT Sistemas de emissão de ordens Sistemas de emissão de ordens OPOQ (Order Point Order Quantity) Sistemas de emissão de ordens PBC (Periodic Batch Control) Sistemas de emissão de ordens MRP Sistemas de Emissão de Ordens (JIT) KANBAM Sistemas de programação e controle da produção Sistemas de programação e controle da produção no MRP, MRP II e ERP Quem usa o MRP Sistemas de programação e controle da produção PBC (Periodic Batch Control) Sistemas de programação e controle da produção OPT (Optimized Production Technology) Quem usa o OPT Sistemas de programação e controle da produção JIT Kanbam Quem usa o Kanbam Sistemas de programação e controle da produção CONWIP (Constant Work in Process estoque constante em processo) Quem usa o CONWIP Síntese dos Sistemas de Produção e as Funções de Gestão de Operações Evolução dos sistemas de planejamento e controle da produção

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE MODELO CONCEITUAL E PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL NO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL JOSE CARLOS PANTAROTO Orientador: Prof.

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA Automação e mão de obra Patrícia Lins de Paula 16/04/2012 62 AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA 2. Automação e mão de obra 2.1 Setores e operações de produção 2.2 Instalações

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Rafael Paradella Freitas Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

2. Planejamento e Controle da Produção

2. Planejamento e Controle da Produção 15 2. Planejamento e Controle da Produção O mercado torna-se a cada dia mais exigente e o dominio de novas tecnologias, de novos processos ou então sistemas e técnicas, é uma grande preocupação para as

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

A certificação CS&OP-P

A certificação CS&OP-P A certificação CS&OP-P Em mercados competitivos o profissional que dominar o processo de S&OP possuirá grande diferencial estratégico e vantagem competitiva no ambiente de negócios. Neste cenário onde

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Clarissa Fullin Barco (UFSCar)cfbarco@hotmail.comFábio Barbin Villela (UFSCar)fbvillela@yahoo.com.br A inspiração para este estudo vem de uma

Leia mais

Administração de Materiais e Logística

Administração de Materiais e Logística Administração de Materiais e Logística Com abordagem a Supply Chain Scorecard Prof. Me Clesio L. Landini Jr. - 2012 - Dedicatória Aos meus alunos, a mola propulsora para a realização desta obra; Aos meus

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estoques são acumulações de matérias-primas, de materiais em processo e de produtos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO 01 Alexandre Crepaldi 02 Celso Tomazini 03 Francine Lemes 04 Márcio Bernardo 05 Tábata Cristina 06 Tiago Tezzotto 07 Tied Humberto 1 O QUE É PCP? Plano de Controle de

Leia mais

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO OBJETIVO DA AULA Planejamento Mestre da Produção - MPS Planejamento das necessidades de materiais - Compreender a importância do MPS e dentro do planejamento da produção 2 CONTEXTUALIZAÇÃO SOPA DE LETRINHAS

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

A TECNOLOGIA MRP APLICADA NA GESTÃO DE FERRAMENTAS DE USINAGEM NO SETOR AUTOMOBILÍSTICO 1

A TECNOLOGIA MRP APLICADA NA GESTÃO DE FERRAMENTAS DE USINAGEM NO SETOR AUTOMOBILÍSTICO 1 A TECNOLOGIA MRP APLICADA NA GESTÃO DE FERRAMENTAS DE USINAGEM NO SETOR AUTOMOBILÍSTICO 1 Alexandre Rodizio Bento 2 Sérgio Luís Tambosi 3 Martin José Fagonde Morães 4 Resumo Os sistemas de produção da

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado Livia Pires Chaves Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra.

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. CAPÍTULO 6 Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) é uma função técnica e administrativa que tem por objetivo fazer os planos que orientarão

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Frutas em Calda, Geléias e Doces

Frutas em Calda, Geléias e Doces Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Iniciando um

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE ANIMAL. Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos

MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE ANIMAL. Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE RASTREABILIDADE ANIMAL Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento do

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 04 Sistemas de Análise Gestão de Estoques Gráficos de Estoques Custos de Estocagem Análise de Valor SISTEMA DE ANÁLISE As perguntas que devem

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Orientador: Fernando Bernardi de Souza. Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Engenharia, Bauru, 2012

Orientador: Fernando Bernardi de Souza. Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Engenharia, Bauru, 2012 Maciel, Maurício Roberto. Desenvolvimento de um software de apoio ao ensino de métodos de planejamento e controle da produção em ambientes MTS baseado na teoria das restrições / Maurício Roberto Maciel,

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Você encontrará nesse artigo uma análise dos sistemas de gestão integrada na área de supply chain (MRPs) e uma visão diagnóstica sobre os motivos pelos

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO

INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO CRISTIANA GONÇALVES BORGES (UFPB//PPGEP) cristiana.borges@arcelor.com.br Joeli Cuzzuol

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO - SIMULADOR DE REGRAS DE SEQÜÊNCIAÇÃO

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO - SIMULADOR DE REGRAS DE SEQÜÊNCIAÇÃO PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO - SIMULADOR DE REGRAS DE SEQÜÊNCIAÇÃO Renato de Oliveira Moraes UNIP Universidade Paulista Rua Bacelar, 1212 Vila Clementino São Paulo, SP Cep 04026-002 e-mail: renato.moraes@ perceptron.com.br

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC.

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC. GESTÃO DE MATERIAIS Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 A natureza e a função dos estoques 2 Métodos de gestão dos estoques Método LEC Método ABC Método de revisão contínua e periódica

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais