A introdução de ferramentas APS nos sistemas de Planejamento, Programação e Controle da Produção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A introdução de ferramentas APS nos sistemas de Planejamento, Programação e Controle da Produção"

Transcrição

1 A introdução de ferramentas APS nos sistemas de Planejamento, Programação e Controle da Produção Cristhiano Stefani Faé (UFRGS) Alexandre Erhart (UFRGS) Resumo As atividades de Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) exercem um papel fundamental no desempenho de uma organização. Este artigo apresenta um estudo sobre o contexto do PPCP, as principais dificuldades enfrentadas pelas empresas e as técnicas e ferramentas disponíveis. O estudo teve ênfase na avaliação da introdução de Sistemas de Programação com Capacidade Finita FCS e Sistemas de Planejamento e Programação Avançados APS nas atividades de PPCP. A análise revelou que estas ferramentas podem trazer resultados expressivos para as empresas. Palavras-chave: PPCP, Programação, APS. 1. Introdução O sistema de planejamento e controle da produção faz parte do sistema de informação do sistema produtivo, tendo ênfase nos materiais, máquinas, mão-de-obra e fornecedores. Tanto o sistema de planejamento e controle da produção como o próprio sistema de produção são concebidos para atender as condições do mercado e as condições impostas pela estratégia da empresa. Um sistema eficiente de planejamento e controle da produção pode trazer vantagens competitivas substanciais à empresa no mercado em que está inserida (VOLLMANN et al., 1997). Segundo Zattar (2004), não é de hoje que o sequenciamento, a programação e o planejamento da produção são temas de grande preocupação para as indústrias. Pesquisas na área começaram em meados do século XX. Na década de 1970 os computadores tornaram-se mais poderosos e baratos, viabilizando o surgimento dos sistemas computacionais, entre eles os sistemas para o Planejamento de Requisitos de Materiais MRP. Porém, os MRPs não tratavam da capacidade dos recursos produtivos da empresa em nenhum nível de sua solução. Em decorrência dessa limitação surgem na década de 1980 os sistemas de Planejamento de Recursos de Manufatura - MRP II. Assim como o MRP, que não considerava os recursos produtivos, o MRP II também possuía uma deficiência: considerava como infinita a capacidade dos recursos instalados e como constantes os lead times, de forma independente da demanda. Esta falta de visibilidade dos recursos resultava em um plano de produção não confiável e somente referencial. Em paralelo aos sistemas MRP II uma outra solução começava a ser pesquisada, os Sistemas de Programação com Capacidade Finita FCS e posteriormente os Sistemas de Planejamento e Programação Avançados APS (ZATTAR, 2004). Entretanto, foi somente na década de 90 que estes sistemas computacionais passaram a ser mais utilizados e difundidos no mundo todo, favorecidos com o grande número de implantações dos Sistemas de Gestão Empresarial (ERP). Neste cenário, os sistemas de MRP, MRP II, FCS e APS passaram a ser introduzidos de forma integrada aos ERP s. Segundo Saisse (2003), nos últimos anos foi constatada uma onda crescente de informatização nas empresas, notadamente dos sistemas corporativos do tipo ERP. No entanto, a informatização da gestão da manufatura continuou defasada, tendo em vista que os módulos específicos ENEGEP 2005 ABEPRO 9

2 existentes eram baseados em técnicas desatualizadas, com limitada aplicação no ambiente de produção. O presente artigo tem o objetivo de apresentar uma contextualização das atividades de PPCP - Planejamento, Programação e Controle da Produção, considerando a sua aplicação nos sistemas produtivos, as principais dificuldades encontradas e as ferramentas existentes para tratar tais questões. Na seção 2 é feita uma análise de todas as etapas envolvidas no PPCP. Na seção 3 são abordadas as problemáticas enfrentadas pelas empresas para executar tais etapas. Na seção 4 são apresentadas as principais ferramentas para estes processos. A seção 5 analisa as vantagens de se utilizar os softwares FCS/APS. Finalizando, a seção 6 apresenta as conclusões deste trabalho. 2. Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) Alguns autores tratam simplesmente como PCP Planejamento e Controle da Produção, considerando que a programação faz parte do planejamento; outros preferem discriminar as duas atividades, tendo em vista as diferenças existentes entre elas. O presente artigo utilizará apenas a nomenclatura de PPCP. Segundo a revista APS Insight (2001), a diferença fundamental entre planejamento e programação da produção é o horizonte e o nível de detalhamento considerado. Tipicamente o horizonte de planejamento é definido em semanas ou meses e agrega dados de demanda e capacidade para avaliar o impacto da programação. Já a programação, por outro lado, possui um horizonte de horas ou dias e considera trabalhos ou tarefas individuais e ferramentas específicas, permitindo, desta forma, instruções detalhadas a serem liberadas. FONTE: Adaptado de Volmann et al. (1997). Figura 1 Sistema de Planejamento, Programação e Controle da Produção. ENEGEP 2005 ABEPRO 10

3 As tarefas do PPCP podem ser descritas em três níveis hierárquicos da manufatura. No nível estratégico (decisões de longo prazo), onde são definidas as políticas estratégicas de longo prazo da empresa, o PCP participa da formulação do planejamento estratégico da produção, gerando um plano de produção. No nível tático (decisões de médio prazo), o PCP desenvolve o planejamento mestre da produção, obtendo o plano mestre da produção (PMP). No nível operacional (decisões de curto prazo), o PCP prepara a programação da produção administrando estoques, sequenciando, emitindo e liberando as ordens de compra, fabricação e montagem, bem como executa o acompanhamento e controle da produção (TUBINO, 2000). O início do processo, conforme a Figura 1, se dá pelo Planejamento Agregado da Produção (APP Aggregate Production Planning), uma programação preliminar e aproximada das operações que satisfaça a previsão da demanda a um custo mínimo e serve de base para o Planejamento de Recursos (MEREDITH & SHAFER, 2002). A desagragação do APP em produtos finais gera o Plano Mestre de Produção (MPS Master Production Scheduling), o qual definirá a correta utilização dos recursos apontados no APP (VOLLMANN et al., 1997). O MPS é um plano para a produção de itens de produtos finais, que leva em conta limitações de capacidade identificadas à grosso modo, de forma também agregada. A identificação dos limites de capacidade é feita através do planejamento aproximado de capacidade (RCCP Rough Cut Capacity Planning), com a discretização da demanda de cada período do APP em períodos menores e da desagregação da produção em diferentes tipos de produtos (KRAJEWSKI & RITZMAN, 1999). De posse do plano das informações oriundas do MPS, é realizado o Planejamento das Necessidades de Materiais (MRP Material Requirements Planning), responsável por calcular as necessidades líquidas de materiais que garanta que a quantidade demandada de produtos acabados seja produzida conforme o plano de produção. Como resultado final, o MRP gera as datas e as quantidades a serem fabricadas ou compradas, ao longo do horizonte de planejamento (ELSAYED & BOUCHER, 1994). Entretanto, Krajewski & Ritzman (1999) ressaltam que o MRP não considera limitações de capacidade, o que pode ser parcialmente obtido através do Planejamento da Capacidade (CRP Capacity Requirements Planning). Cabe ressaltar que o CRP ignora a possibilidade de existência de dois ou mais pedidos a serem processados num centro de trabalho no mesmo instante. A Programação da Produção (PS Production Scheduling) estabelece, a curto prazo, quanto e quando comprar, fabricar ou montar de cada item necessário à composição dos produtos finais. Para tanto, são dimensionadas e emitidas Ordens de Compra para os itens comprados, Ordens de Fabricação para os itens fabricados internamente, e Ordens de Montagem para as submontagens intermediárias e montagem final dos produtos definidos pelo MPS (TUBINO, 2000). Para garantir que o programa de produção emitido seja executado corretamente, utilizam-se os sistemas de controle de chão-de-fábrica (SFC Shop-Flor Control). No capítulo seguinte será apresentada uma análise sobre a complexidade e os principais problemas enfrentados nas atividades relacionados ao processo de PPCP. 3. A problemática do PPCP A execução de todos os procedimentos que estão relacionados ao PPCP, descritas de forma suscinta na seção anterior, certamente não é uma tarefa simples. Na prática, foi somente com o uso da informática que algumas destas atividades passaram a ser utilizadas e a ter importância para as empresas. A dinâmica de um ambiente industrial faz com que tais procedimentos tornem-se ainda mais complexos de serem plenamente realizados. Este dinamismo interfere diretamente nas tarefas ENEGEP 2005 ABEPRO 11

4 de longo prazo (APP e MPS, principalmente), de médio prazo (MRP e CRP) e sobretudo nas tarefas de curto prazo, mais especificamente na programação da produção. Todo o ciclo das atividades de PPCP termina com a programação da produção seguida do acompanhamento deste plano, ou seja, com o controle do que foi de fato produzido. É nesta etapa de programação que determina-se a ordem na qual as tarefas devem ser processadas, ou seja, a sua seqüência de realização. Esta etapa final, chamada de sequenciamento, pode ter grandes repercussões na capacidade de carga de trabalho, além de determinar se as tarefas vão ser concluídas a tempo (MEREDITH & SCHAFER, 2002). Dentre as atividades de PPCP, é certamente nestas etapas de programação e sequenciamento das atividades que as dificuldades são maiores para as empresas. Isto se deve ao fato de que as ineficiências ocorridas nestes processos são mais visíveis e afetam diretamente o desempenho da empresa em termos de custos, confiabilidade e agilidade nas entregas de pedidos, flexibilidade, níveis de estoques em processo e de estoques de produto acabado, tempos de atravessamento, otimização do uso dos recursos, dentre outros fatores. Em princípio, o sequenciamento e a emissão de um programa de produção deveriam ser tarefas simples para o setor de PCP das empresas, já que este programa está sendo suportado por um plano de produção de longo prazo e por um MPS de médio prazo, onde as necessidades de capacidade de produção foram analisadas e equacionadas em tempo hábil. Porém, dentro da dinâmica empresarial, instabilidades de curto prazo, como cancelamentos, adiantamentos ou acréscimos em pedidos dos clientes, alterações nas especificações dos itens, ou ainda, deficiências na qualidade e nos ritmos de trabalho, fazem com que a eficiência do sistema produtivo dependa fundamentalmente de um processo dinâmico de sequenciamento e emissão do programa de produção (TUBINO, 2000). Em termos de ordens Em termos de recursos Em termos de operações as ordens apresentam datas de entrega diferentes; cada ordem está em um estado diferente de realização; as ordens apresentam tempos de setup variáveis, de acordo com a ordem anterior; as ordens podem apresentar roteiros alternativos, possivelmente com produtividades diferentes; cada ordem pode ser feita em máquinas alternativas, com eficiências diferentes; as ordens podem atender a clientes com importância relativa diferente; as ordens podem necessitar de reprogramações freqüentes, tanto em função dos clientes (alterações nas quantidades e datas de entrega) quanto de ocorrências não previstas nos recursos e operações; FONTE: Adaptado de Corrêa et al. (2001). máquinas quebram, bem como demandam manutenção; matérias-primas podem não estar sempre e confiavelmente disponíveis; ferramentas podem não estar disponíveis; funcionários podem faltar; energia elétrica pode ser indisponível em determinados horários; as máquinas podem ter diferentes turnos de trabalho, com eficiências que mudam ao longo do dia; alguns produtos não podem ser programados simultaneamente (compartilham o mesmo molde, por exemplo); a equipe responsável pelo setup só pode fazer uma troca de cada vez, por exemplo; problemas relacionados à qualidade geralmente ocorrem, requerendo retrabalhos; as operações podem ter tempos de perecibilidade; operações podem demandar tempo de pós-produção (cura, secagem, etc.); operações podem ter restrições para a definição de tamanhos de lotes (capacidade de tanques, por exemplo); operações podem ser feitas em recursos gargalos, exigindo máxima utilização; operações podem demandar a disponibilidade simultânea de diversos recursos, por exemplo, uma determinada máquina trabalhando com uma determinada ferramenta ou com determinado operador especializado; Quadro 1 Restrições e complexidades das atividades de programação da produção. ENEGEP 2005 ABEPRO 12

5 O Quadro 1 apresenta uma relação das principais restrições e complexidades inerentes às atividades de programação da produção, analisadas em termos de ordens de produção, recursos produtivos e operações. 4. Ferramentas existentes para os processos de PPCP Diversos estudos vêm sendo realizados para tratar toda esta problemática da programação da produção. Para solucionar especificamente o problema do sequenciamento existem inúmeras regras, algoritmos e heurísticas na literatura. O fato é que diversos fatores influenciam na escolha dos melhores métodos e torna-se praticamente inviável a resolução manual destas alternativas, sendo comum chegar-se a um resultado sub-otimizado. Além disso, a incidência de erros e imprecisões são normais, por envolverem muitos cálculos e muitas horas de trabalho dos responsáveis por essas atividades. Face a essa problemática, os sistemas informatizados apresentam-se como ferramentas indispensáveis para tratar eficientemente as diversas variáveis de decisão e os conflitantes objetivos de desempenho presentes no processo de PPCP. Nesse contexto, destaca-se o MRP, um algoritmo desenvolvido na década de 70 para organizar as necessidades de materiais. O MRP realiza a explosão das necessidades de materiais e gera ordens de montagem, fabricação e compras, a partir da data de entrega do produto final. Porém, os MRPs não tratavam da capacidade dos recursos produtivos da empresa. Em decorrência dessa limitação, e em virtude da maior capacidade de processamento dos computadores, surgem na década de 1980 os sistemas de Manufacturing Resources Systems - MRP II (ZATTAR, 2004), com a proposta de estender-se ao nível dos recursos produtivos. Entretanto, a lógica do MRP/MRPII pressupõe algumas situações que não refletem a realidade dos ambientes produtivos. Dentre as quais, destacam-se: a programação considera a capacidade infinita dos recursos; os lead times são constantes; o ciclo de processamento é relativamente demorado; existe a necessidade de realizar muitas intervenções manuais; os sistemas requerem processos e roteiros fixos e assim não consideram as diferentes alternativas de sequenciamento, como também não consideram a possibilidade de fazer simulações; outras restrições não são consideradas, tais como mão-de-obra especializada, operações terceirizadas, tempos de preparação diferentes, ferramentas, etc.; entre outras limitações. Corrêa et al. (2001) destacam que o sistema MRP II sozinho tem recursos limitados para lidar com ambientes produtivos que apresentem grau de complexidade alta em termos de programação detalhada de fábrica. Nesse sentido, é importante ressaltar o nível hierárquico no qual o MRP está inserido (médio prazo), apresentando-se como uma excelente ferramenta de planejamento mas insuficiente no que diz respeito às decisões de programação da produção (curto prazo). Essas limitações incentivaram a pesquisa por ferramentas mais adaptadas à complexidade dos sistemas de manufatura. Na década de 90, juntamente com o advento dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP - Enterprise Resources Planning), começou a surgir os Sistemas de Programação com Capacidade Finita (FCS - Finite Capacity Scheduling), e posteriormente os Sistemas de Planejamento e Programação Avançados (APS - Advanced Planning and Scheduling ou Advanced Planning Systems). Este novo conceito reconhece a necessidade da existência de um elo de ligação entre o planejamento de médio e longo prazo com o planejamento do chão-de-fábrica. As ferramentas FCS / APS serão descritas na próxima seção. ENEGEP 2005 ABEPRO 13

6 5. Softwares Avançados de Programação da Produção FCS/APS As ferramentas APS e FCS podem ser caracterizadas como Softwares Avançados de Planejamento e Programação da Produção, sendo capazes de considerar praticamente todas as variáveis e restrições inerentes ao ambiente produtivo, gerando planos de execução viáveis que necessitam de pouca ou nenhuma intervenção do programador. Na literatura nacional é muito comum também serem encontrados outros termos relacionados ao mesmo assunto, como Softwares de Planejamento Fino da Produção ou Sistemas de Programação Finita. Neste artigo adotou-se a nomenclatura FCS e APS. Como principais características destas ferramentas pode-se destacar: Capacidade finita: neste caso, são consideradas as reais capacidades dos recursos, ou seja, aloca-se trabalho aos recursos somente até um limite estabelecido; Restrições finitas: para retratar fielmente a produção, a programação considera todas as restrições operacionais existentes na produção, como limitações de ferramentas, operadores, matrizes, bitolas, energia elétrica, etc.; Relacionamento entre ordens: diferentemente do MRP, as ordens de produção geradas de forma separada podem ser interligadas, garantindo assim um controle sobre a produção; Reprogramações: em função de imprevistos e alterações na produção, estes sistemas permitem fazer reprogramações instantâneas, a fim de manter toda a empresa atualizada; Simulações de cenários: pelo fato de demonstrar a realidade da produção da empresa, é possível simular análises de performance e dos custos envolvidos com o uso de horasextras, terceirizações, compras de equipamentos, divisão de lotes, etc.; O Guia do Usuário do Software Preactor (2004) define a Programação da Produção com Capacidade Finita como o processo de criar uma seqüência de operações, relativas a um conjunto de ordens de produção, com um número limitado de recursos. Cada ordem é constituída de uma ou mais operações (por exemplo: perfuração, torneamento, pintura, etc.) que devem ser executadas em uma seqüência específica, usando um conjunto de recursos disponíveis (máquinas, trabalhadores, etc.). Uma seqüência ou programação de operações determina a hora de início e de término para cada operação e as distribui em seus respectivos recursos, de tal forma que sempre se evite conflitos ou superposições. Nos sistemas FCS / APS é realizada, inicialmente, a modelagem detalhada do sistema produtivo (máquinas, mão-de-obra, ferramentas, calendário, turnos de trabalho, roteiros de fabricação, taxas de operação, matriz de tempos de setup, restrições tecnológicas, etc.), e da regra de seqüenciamento, que deve estar em sintonia com os objetivos e políticas da empresa. A seguir, são introduzidas as informações de demanda (determinada pelo plano mestre de produção, pela carteira de pedidos e por previsões de vendas, bem como pedidos urgentes e simulações de datas de entrega). Além disso, o sistema deve ser constantemente abastecido com as condições reais do sistema produtivo (matéria-prima disponível, situação de máquinas, manutenções programadas, status das ordens, níveis dos estoques, apontamentos, etc.) e continuamente analisado pelo programador, que deve simular cenários e identificar possibilidades de melhorias no processo. Ritzman & Krajewski (2004) destacam que o ajuste manual das datas de processamento dos pedidos através de planilhas ou quadros magnéticos de programação da produção é virtualmente impossível, de modo que as melhores soluções para a programação da produção - aquelas que atendem às datas do MRP e não violam nenhuma das restrições - podem ser encontradas com os Sistemas de Programação com Capacidade Finita. Os softwares FCS e APS são, por conceito, sistemas especialistas em programação da ENEGEP 2005 ABEPRO 14

7 produção e são, portanto, introduzidos na maioria dos casos de forma integrada aos sistemas MRP e MRP II, suprindo assim as carências destas ferramentas, caracterizando assim os chamados sistemas híbridos (MRP/MRPII + FCS/APS). Segundo Corrêa et al. (2001), os sistemas híbridos tendem a ser crescentemente utilizados, pois o MRP II tem limitações importantes no tratamento de sistemas de produção complexos que tenham como principal recurso limitante não os materiais, mas a capacidade de produção. De acordo com a abordagem de Ritzman & Krajewski (2004), o MRP transfere ao FCS/APS a informação sobre quais os pedidos precisam ser programados, e ele devolve ao MRP as reais datas de início e fim de produção das operações, para fins de reprogramação das necessidades de materiais. Uma utilização comum dessa ferramenta em um sistema híbrido de PPCP pode ser observada na Figura 2. Figura 2 Sistema híbrido MRP/MRP II FCS/APS. Um fato que merece atenção é que o conceito envolvido nos sistemas baseados em capacidade finita não substitui e nem exclui a necessidade por sistemas de capacidade infinita. Ou seja, as ferramentas FCS e APS, apesar de poderem trabalhar de forma isolada (stand alone), surgiram com o propósito de integrarem-se aos sistemas de ERP, MRP e MRPII. A Figura 2 demonstra de forma clara este relacionamento e a complementariedade entre os sistemas. 6. Conclusão O presente estudo apresentou e analisou as complexidades inerentes ao processo de PPCP, sobretudo em relação à programação da produção. Observou-se o seu importante papel estratégico na obtenção de resultados financeiros nas empresas, e introduziu-se a utilização de ferramentas APS nos sistemas de PPCP, como forma de explorar os ganhos potenciais das decisões de curto prazo dos ambientes de manufatura. Como limitações e dificuldades encontradas no desenvolvimento deste trabalho, pode-se citar a pouca disponibilidade de bibliografia objetiva e atualizada no assunto, principalmente no que se refere às ferramentas FCS e APS. Mesmo que este mercado dos sistemas baseados no conceito de capacidade finita esteja em uma fase de evolução e aceitação por parte das empresas, este fato pode ainda ser um dos responsáveis pela questão das empresas demonstrarem alguma resistência na adoção destas ferramentas. ENEGEP 2005 ABEPRO 15

8 As discussões relatadas neste artigo demonstram claramente a atual necessidade das empresas por ferramentas mais ágeis e confiáveis para a gestão da manufatura. Da mesma forma, verifica-se a insatisfação destas organizações que, acompanhando o ritmo do mercado, passaram a adotar os sistemas corporativos de MRP e ERP. Tal fato foi impulsionado, acima de tudo, pela promessa de que estas ferramentas viriam para solucionar todos os problemas de gerenciamento da produção. O conceito de capacidade finita vêm sendo introduzido em centenas de empresas no mundo todo, configurando-se como toda uma família de ferramentas de sequencimento, programação e planejamento da produção. Muitas empresas vêm se beneficiando dos resultados alcançados com o uso de softwares FCS e APS, devido ao grande impacto que exercem. Porém, a adoção destes sistemas para gerenciar as atividades de PPCP exige um amplo estudo sobre as particularidades de cada empresa. A correta tomada de decisão pela melhor ferramenta e a posterior implantação pode garantir inúmeros benefícios para o desempenho da organização, dentre os quais pode-se citar a: redução dos custos operacionais, redução no nível de estoques, aumento da capacidade aparente, melhoria na performance de entrega dos pedidos, aumento da flexibilidade, entre inúmeros outros. Referências APS INSIGHT (2001) Desktop Guide to APS. Disponível em: <www.aps.insight.com>. Acesso em 10/05/2005. CORRÊA, H. L; GIANESI, I. G; CAON, M. (2001) Planejamento, Programação e Controle da Produção. São Paulo: Atlas. ELSAYED, E. A. & BOUCHER, T. O. (1994) Analysis and control of production systems. 2ª ed. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice-Hall. MEREDITH, J. R. & SHAFER, S. M. (2002) Administração da produção para MBAs, 1ª ed. São Paulo: Bookman. PREACTOR. (2004) User Guide. Preactor International, UK. RITZMAN, L.P. & KRAJEWSKI, L.J. (2004) Administração da Produção e Operações. São Paulo: Prentice Hall. SAISSE, M. C. P. (2003) Planejamento fino da produção - um elo esquecido na estratégia de manufatura. XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Ouro Preto, MG. TUBINO, D. F. (2000) Manual de Planejamento e Controle da Produção. São Paulo. TURBIDE, D. (2000) What happened to APS? Midrange Enterprise. VOLMANN, T. E; BERRY, W. L; WHYBARK, D. C. (1997) Manufacturing planning and control systems, 4ª ed. Boston: McGraw-Hill. KRAJEWSKI, L.J. & RITZMAN, L.P. (1999) Operations management, strategy and analysis, 5ª ed. Massachusetts: Addison-Wesley. ZATTAR, I.C. (2004) Análise da aplicação dos Sistemas Baseados no Conceito de Capacidade Finita nos diversos níveis da administração da manufatura através de estudos de caso. Tese de Mestrado. UFSC. ENEGEP 2005 ABEPRO 16

PROCEEDINGS SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO: UMA APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA MOVELEIRA.

PROCEEDINGS SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO: UMA APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA MOVELEIRA. SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO: UMA APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA MOVELEIRA. Alexandre Erhart, UFRGS, erhart@producao.ufrgs.br Cristhiano Faé, UFRGS, fae@producao.ufrgs.br Gustavo Meneses, UFRGS,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE

O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE Robson Pache (FAHOR) rp000705@fahor.com.br Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Vilmar Boeno Silva (FAHOR)

Leia mais

Artigo publicado. na edição 10. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio/junho de 2009

Artigo publicado. na edição 10. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio/junho de 2009 Artigo publicado na edição 10 Assine a revista através do nosso site maio/junho de 2009 a : : Artigos Desafios e tendências na aplicação de sistemas APS no Brasil Uma abordagem empresarial e prática para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO UMA APLICAÇÃO NA

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Artigo 09 Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos, Uso

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Sistemas de Administração e Gestão da Produção

Sistemas de Administração e Gestão da Produção Sistemas de Administração e Gestão da Produção Izabel Cristina Zattar izabelzattar@netvision.com.br www.grima.ufsc.br/izabel/index.html Os 3 Grandes Níveis do Planejamento Horizonte de detalhamento Diário/Semanal

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC

MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC ISSN 1984-9354 MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC André Luís Almeida Bastos (FURB/UFSC/UNIFEBE) Henriette Damm

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RODRIGO OLIVEIRA PIERITZ

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RODRIGO OLIVEIRA PIERITZ UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RODRIGO OLIVEIRA PIERITZ APLICAÇÃO PRÁTICA DOS SISTEMAS APS: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Artigo publicado. na edição 22. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2011

Artigo publicado. na edição 22. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2011 Artigo publicado na edição 22 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Lean Manufacturing e os softwares Aps Como aplicar o Lean Manufacturing

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Sistema de Programação Avançada da Produção com Capacidade Finita: O Caso da TRAFO Transformadores de Força do RS

Sistema de Programação Avançada da Produção com Capacidade Finita: O Caso da TRAFO Transformadores de Força do RS Sistema de Programação Avançada da Produção com Capacidade Finita: O Caso da TRAFO Transformadores de Força do RS Daniel Fagundes Ribas (PUCRS) daniel.ribas@trafo.com.br Flávio Régio Brambilla (ULBRA)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DANIELE DOS SANTOS CYPRIANO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DANIELE DOS SANTOS CYPRIANO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DANIELE DOS SANTOS CYPRIANO PROPOSTA DE UM SISTEMA AVANÇADO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Os sistemas que fazem o que outros prometiam

Os sistemas que fazem o que outros prometiam Os sistemas que fazem o que outros prometiam Por Bruno Spadafora Ferreira Introdução Se você é consultor de empresas que lida com sistemas de gestão empresarial, como eu, certamente já observou situação

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning

ERP Enterprise Resourse Planning Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação 2B Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso ERP Enterprise Resourse Planning Alexandre

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Prof. Msc. Marco Aurélio

Prof. Msc. Marco Aurélio Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção MRP MATERIAL REQUERIMENTS PLANNING Prof. Msc. Marco Aurélio Data: 05/03/2012 A históriado MRP começacom o episódiobíblicodaarcade Noé. DEUS DISSE

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

REFERENCIAL TEÓRICO SOBRE SISTEMAS APS: UM PONTO DE PARTIDA PARA FUTURAS PESQUISAS

REFERENCIAL TEÓRICO SOBRE SISTEMAS APS: UM PONTO DE PARTIDA PARA FUTURAS PESQUISAS REFERENCIAL TEÓRICO SOBRE SISTEMAS APS: UM PONTO DE PARTIDA PARA FUTURAS PESQUISAS Thales Botelho de Sousa (UNIVEM) thaleseafsal@yahoo.com.br Nas esferas de estudo sobre sistemas de planejamento e controle

Leia mais

VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA O PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO

VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA O PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA O PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO João Carlos Espíndola Ferreira (UFSC) jcarlos@emc.ufsc.br Izabel Cristina Zattar (UFSC)izabelzattar@netvision.com.br Resumo:

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 Confidencialidade, Propriedade Intelectual e Marca Registrada Apresentação Renato Mendes renato.mendes@mezasoft.com

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Controle da produção baseado em códigos de barras

Controle da produção baseado em códigos de barras Controle da produção baseado em códigos de barras Fábio Favaretto (PUCPR) fabiofav@ccet.pucpr.br Alfredo Iarozinski Neto (PUCPR) alfredo@ccet.pucpr.br Resumo O controle da produção é um processo que tem

Leia mais

Programação da produção adequada à realidade

Programação da produção adequada à realidade Divulgação TECNOLOGIA Programação da produção adequada à realidade Com a implantação de um sistema APS, de planejamento e programação detalhada da manufatura, desenvolvido pela Ortems, a fábrica da filial

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Aplicação de um sistema avançado de planejamento e programação da produção à uma empresa de autopeças: um estudo de caso

Aplicação de um sistema avançado de planejamento e programação da produção à uma empresa de autopeças: um estudo de caso Aplicação de um sistema avançado de planejamento e programação da produção à uma empresa de autopeças: um estudo de caso Guilherme Ernani Vieira (PUC-PR) gev@ccet.pucpr.br Lúcio Morelli Soares (PUC-PR)

Leia mais

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO OBJETIVO DA AULA Planejamento Mestre da Produção - MPS Planejamento das necessidades de materiais - Compreender a importância do MPS e dentro do planejamento da produção 2 CONTEXTUALIZAÇÃO SOPA DE LETRINHAS

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

PRÁTICAS DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: estudo de caso em indústria calçadista

PRÁTICAS DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: estudo de caso em indústria calçadista 546 PRÁTICAS DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: estudo de caso em indústria calçadista Paulo Cezar Silva - FATEC Érica Ap. Araújo - USP Fatec 1. Introdução As indústrias calçadistas do

Leia mais

Aula 06 PPCP ABERTURA

Aula 06 PPCP ABERTURA ABERTURA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PERÍODO LETIVO: 1 SEM/2015 SÉRIE: 6ª e 7ª Série PROFESSOR: Ivan Godoi Aula 06 DISCIPLINA CONTATO: ivan_godoi@aedu.com

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEIVID MARQUES NUNES (UNIMINAS) deivid_ep@hotmail.com

Leia mais

PCP: UTILIZAÇÃO DO MS PROJECT NO AUXÍLIO À PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE CALDEIRARIA.

PCP: UTILIZAÇÃO DO MS PROJECT NO AUXÍLIO À PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE CALDEIRARIA. PCP: UTILIZAÇÃO DO MS PROJECT NO AUXÍLIO À PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE CALDEIRARIA. Everton Carlos Prado (UNIFEG) evertoncarlosprado@hotmail.com Edivaldo jose Moreira (UNIFEG) ediymoreira@hotmail.com

Leia mais

METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO COM CAPACIDADE FINITA EM EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO COM CAPACIDADE FINITA EM EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO COM CAPACIDADE FINITA EM EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS Izabel Cristina Zattar izabelzattar@netvision.com.br Carlos Maurício Sacchelli,

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço

Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço Meire Aleixo Silvestre dos Reis Faculdade Educacional Araucária - Bacharel em Engenharia

Leia mais

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR Marcos Aurélio Zoldan (CEFETPR) mazo@pg.cefetpr.br Drª Magda Lauri Gomes Leite (CEFETPR) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Henrique Holowka 1 (EPA, DEP/FECILCAM) henrique_engprod@yahoo.com Isabela Korczovei Lemes 2 (EPA, DEP/FECILCAM) kl.isabela@hotmail.com

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 1 Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 Nas empresas existe uma estrutura específica que planeja, programa e controla as estratégias relativas à produção,

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Estudo da integração entre sistemas scada, mes e erp em empresas de manufatura discreta que utilizam processos de usinagem

Estudo da integração entre sistemas scada, mes e erp em empresas de manufatura discreta que utilizam processos de usinagem Estudo da integração entre sistemas scada, mes e erp em empresas de manufatura discreta que utilizam processos de usinagem Ronaldo Mardegan (EESC-USP) mardegan@sc.usp.br Vinicius Martins (EESC-USP) vmartins@sc.usp.br

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Sorocaba 2011 PLANEJAMENTO 1

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Sorocaba 2011 PLANEJAMENTO 1 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Sorocaba 2011 PLANEJAMENTO 1 Alunos: Alexandre Crepaldi Celso Tomazini Francine Lemes Márcio Bernardo Tábata Cristina Tiago Tezzotto Tied Humberto Oliveira Nakahara

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

O Uso de Sistemas ERP no Processo de Gestão de Demanda em Ambientes Make-to-Stock

O Uso de Sistemas ERP no Processo de Gestão de Demanda em Ambientes Make-to-Stock O Uso de Sistemas ERP no Processo de Gestão de Demanda em Ambientes Make-to-Stock MsC. Rodrigo Cambiaghi Azevedo (EESC/USP) roazevedo@dc.com Profa. Dra. Daisy do Nascimento Rebelatto (EESC/USP) daisy@prod.eesc.usp.br

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC.

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC. GESTÃO DE MATERIAIS Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 A natureza e a função dos estoques 2 Métodos de gestão dos estoques Método LEC Método ABC Método de revisão contínua e periódica

Leia mais

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6 Introdução Há 50 anos, as cadeias eram gerenciadas por lápis, papel e calculadora. Hoje existem softwares. Esta parte da aula fará um tour pelos tipos de softwares

Leia mais