MARCO ANTONIO DE ALMEIDA GESTÃO DA PRODUÇÃO E ENTREGA DE MUDAS DE EUCALIPTO CLONAL UTILIZANDO CONCEITOS DE MRP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARCO ANTONIO DE ALMEIDA GESTÃO DA PRODUÇÃO E ENTREGA DE MUDAS DE EUCALIPTO CLONAL UTILIZANDO CONCEITOS DE MRP"

Transcrição

1 MARCO ANTONIO DE ALMEIDA GESTÃO DA PRODUÇÃO E ENTREGA DE MUDAS DE EUCALIPTO CLONAL UTILIZANDO CONCEITOS DE MRP Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Agronegócio no curso de Pós-Graduação em Agronegócio, Departamento de Economia Rural e Extensão, Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná. Orientador Prof. Dr. Vitor Afonso Hoeflich CURITIBA 2010

2 Dedico a minha esposa Vanessa, meu filho Marco Júnior e minha filha Maria Eduarda, pelo incentivo e pela compreensão enquanto estive dedicando-me aos estudos. Dedico também à minha mãe Adelina e a meu pai Geraldo, que apesar de não estarem presentes, serviram de motivação para que eu pudesse prosseguir. Agradeço a Deus pela oportunidade.

3 SUMÁRIO Introdução PARTE I Revisão da Literatura e Metodologia de Pesquisa Sistema Agroindustrial Conceituação inicial O reflorestamento no setor de papel e celulose Sistemas Produtivos Conceituação inicial Classificação e seleção de sistemas produtivos Gestão da Produção Conceituação inicial Planejamento e controle da produção O conceito MRP Conceituação inicial Dinâmica MRP Componentes de um sistema MRP Entradas (Inputs) Saídas (Outputs) Tecnologia de informação de difusão do conhecimento Metodologia de pesquisa PARTE II Estudo de Caso e Modelagem do Sistema Estudo de caso Apresentação da organização Sistema produtivo de mudas florestais... 31

4 7.3. Planejamento da produção de mudas florestais O fator conhecimento na organização Modelagem do Sistema PARTE III Apresentação do Sistema Adaptação de um modelo para a produção de mudas florestais Detalhamento do funcionamento do sistema Portal Sistema MRP Fluxograma do viveiro florestal Abertura do sistema Entradas (Inputs) Saídas (Outputs) Considerações Finais Bibliografia Anexos... 97

5 RESUMO O objetivo desse trabalho foi desenvolver um sistema de gestão de produção e entrega de mudas, utilizando aplicativo simples que é o Excel, para que o usuário possua familiaridade na utilização, além de subsidiar de forma adequada a atividade de planejamento da produção, aumentando a confiabilidade da função produção e, como conseqüência, reduzir os riscos de não atendimento da demanda, além de estar difundindo o conhecimento, dada a complexidade do processo produtivo de mudas florestais bem como sua importância na cadeia produtiva florestal. Foi desenvolvido um software que podemos visualizar todo o sistema produtivo, levando em consideração cada elo, cada processo e memória de cálculo, preocupando-se com a cadeia de suprimentos - Suplly Chain Management e com mecanismos eletrônicos confiáveis, cada alteração no fluxo da rede, pode ser absorvida de forma e no momento adequado, permitindo as correções necessárias. O sistema de gestão para a produção e entrega de mudas florestais, traz a confiabilidade para os clientes e para a cadeia produtiva florestal, operacionalizado de forma simples, com a utilização de recursos como as planilhas eletrônicas do tipo Excel e atende principalmente a necessidade de gestão de produção de mudas para fins comerciais, pois com base no conceito do MRP - Material Requirements Planning - Planejamento das Necessidades de Materiais podemos perceber que o sistema avalia as necessidades para poder gerar o resultado com as possibilidades de compromissos de entregas de mudas, possibilitando o cumprimento de prazos, e conseqüentemente refletindo na agilidade e assertividade das decisões operacionais. Palavras-chave: mudas, eucalipto, planejamento, software, MRP.

6 INTRODUÇÃO O objetivo desse trabalho foi desenvolver um sistema de gestão de produção e entrega de mudas, utilizando aplicativo simples que é o Excel, para que o usuário possua familiaridade na utilização, além de subsidiar de forma adequada a atividade de planejamento da produção, aumentando a confiabilidade da função produção e, como conseqüência, reduzir os riscos de não atendimento da demanda, além de estar difundindo o conhecimento, dada a complexidade do processo produtivo de mudas florestais bem como sua importância na cadeia produtiva florestal. A principal motivação para o desenvolvimento deste trabalho foi à inexistência, por parte das empresas florestais, de sistemas formais para o planejamento de viveiro florestal, mais especificamente, para o caso de gestão da produção de mudas e principalmente no caso de produção de mudas para fins comerciais. Neste ramo de atividade existem informações necessárias para a tomada da decisão mais adequada com relação ao gerenciamento das atividades do processo de produção das mudas. Elas podem também ser utilizadas no caso de decisões de níveis mais abrangentes, que necessariamente deverão exigir a utilização de ferramentas computacionais para o cálculo e processamento dos dados. Como em todo planejamento, fatores como flexibilidade do sistema operacional, rapidez na atualização de dados, confiabilidade e objetividade das informações geradas, são de grande importância para subsidiar o processo de tomada de decisão neste ramo de atividade. Normalmente, os profissionais atuantes na área acabam por desenvolver planilhas individuais, geralmente específicas e fragmentadas. Em muitas oportunidades estas planilhas tornam-se ou demasiadamente complexas ou muito superficiais. Em ambos os casos, acabam sendo inadequadas para dar um melhor respaldo à tomada de decisão no

7 âmbito da produção de mudas, aumentando o risco da ocorrência de falhas operacionais que possam comprometer a cadeia produtiva desde o seu início. No mercado, já existem alguns softwares que fazem apenas o controle das operações, mas que não utilizam o conceito MRP (tanto na forma de Material Requirement Planning MRPI quanto na forma de Manufacturing Resources Planning MRPII, que possibilitam que os recursos produtivos estejam disponíveis na quantidade adequada e no momento adequado). O desenvolvimento de um software com base neste conceito (mais simples, mais amigável, com uso de tecnologia mais acessível) é uma alternativa para viabilizar a elaboração de um modelo de planejamento operacional para os viveiros florestais, visando atender a maioria das necessidades dos mesmos. A formalização de procedimentos e conhecimentos necessários para operacionalizar tal modelo (fruto de experiências individuais) possibilita, também, maior disponibilidade e facilidade de acesso ao conhecimento, potencializando a difusão do mesmo. Inicialmente, este trabalho apresenta noções sobre os seguintes tópicos: Sistema agroindustrial; Sistema produtivo; Gestão da produção; Metodologia MRP; Tecnologia de informação e difusão de conhecimento. Estes conceitos estão colocados de forma resumida, com a exemplificação dos mesmos, na etapa seguinte, momento em que será caracterizada uma organização atuante no ramo de produção de mudas, com detalhamento de sua produção de mudas florestais (e apresentação de especificidades e necessidades deste tipo de atividade). Finalmente, será apresentada a dinâmica do modelo de gestão da produção, como apoio ao planejamento específico para a área de produção de mudas de espécies florestais.

8 PARTE I REVISÃO DE LITERATURA E METODOLOGIA DE PESQUISA

9 1. Sistema Agroindustrial 1.1 Conceituação inicial A evolução da economia tornou obsoleta a noção da agricultura baseada em atividade do setor primário. Atualmente, como coloca Araújo (2003, p.16), existe todo um complexo de bens, serviços e infra-estrutura que envolve agentes diversos e interdependentes. Esta visão mais abrangente começa a tomar corpo, em nível mundial, ao final da década de 50 e, no Brasil, na década de 80. A abrangência desta nova visão, agora denominada como Complexo Agroindustrial, Agribusiness, Cadeia Agroeconômica ou Sistema Agroindustrial pode ser mais bem entendida com a seguinte conceituação: Todos os participantes envolvidos na produção, processamento e marketing de um produto específico. Inclui o suprimento das fazendas, as fazendas, operações de estocagens, processamento, atacado e varejo envolvidos em um fluxo desde a produção de insumos até o consumidor final. Inclui as instituições que afetam e coordenam os estágios sucessivos do fluxo do produto, tais como governo, associações e mercados futuros (Araújo (2003, p.16)). Para este trabalho, em específico, faz-se necessário o detalhamento do conceito de Sistema Agroindustrial utilizado pelo autor e em acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentação ABIA, datada de 1993: Sistema Agroalimentar, como o conjunto das atividades que concorrem à formação e à distribuição dos produtos alimentares (p.20); Sistema Agroindustrial Não Alimentar, como o conjunto das atividades que concorrem à obtenção de produtos oriundos da agropecuária, florestas e pesca não destinada à alimentação, mas aos sistemas energéticos, madeireiro, couro e calçados, papel, papelão e têxtil (p.20).

10 O autor ressalta também a importância de algumas especificidades da produção agropecuária, que a diferencia da produção de outros bens manufaturados: A sazonalidade da produção (como conseqüência das condições climáticas), a influência de fatores biológicos (como doenças e pragas) e, em muitos casos, a rápida perecibilidade. Uma última conceituação apresentada por Araújo (2003) a ser utilizada neste trabalho refere-se aos setores antes da porteira (ou a montante da produção agropecuária), dentro da porteira (produção agropecuária propriamente dita) e após a porteira (a jusante da produção agropecuária). O primeiro setor é composto basicamente pelos fornecedores de insumos e serviços, o segundo setor é o conjunto de atividades desenvolvidas dentro das unidades produtivas agropecuárias, e o último setor corresponde às atividades de armazenamento, beneficiamento, industrialização, embalagens, distribuição e consumo. 1.2 O reflorestamento no Brasil O plantio de florestas no Brasil tem aumentado muito, tendo como explicação a escassez de madeira, principalmente de cerrados, florestas nativas, que foram sendo substituídas por reflorestamento principalmente de eucalipto e pinus, além das restrições legais a extração de florestas nativas. A área reflorestada com eucaliptos ocupa 4,2 milhões de hectares, ou 65% da área total de florestas plantadas, que é de 6,6 milhões de hectares. O crescimento médio desta cultura no país é de 7,5% ao ano. É importante destacar que apesar das florestas de eucalipto representar no Brasil uma das maiores áreas plantadas no mundo, ou seja, aproximadamente 21% dos 20 milhões de hectares de eucaliptos plantados no mundo segundo estimativas da Unicamp Universidade de Campinas, esta ocupação corresponde a apenas 0,6% do território brasileiro, cuja dimensão é de 8,5 milhões de km². Alia-se a este cenário, a alta taxa de produtividade obtida pelo eucalipto no Brasil em relação a outros países do mundo.

11 2. Sistemas Produtivos 2.1 Conceituação inicial De acordo com Harding (1987), sistema pode ser entendido como uma atividade contínua envolvendo um conjunto de partes inter-relacionadas, as quais atuam de acordo com padrões estabelecidos (regras de operações) sobre inputs (entradas) no sentido de produzir outputs (saídas). A dinâmica da produção pode ser entendida pela figura a seguir: Materiais, informações e consumidores Instalações, pessoal Bens e serviços produzidos INPUT PROCESSAMENTO OUTPUT Fig.1: Dinâmica da produção. Fonte: Yokoyama (2004)) Já um exemplo da inter-relação entre as diversas atividades pertinentes à produção de bens e serviços pode ser visualizado na seguinte figura: Desenvolvimento de produto/serviço Engenharia de suporte técnico Marketing Produção Recursos Humanos Contabilidade e Finanças Compras Fig.2: Um enfoque sistêmico para a função produção. Fonte: Yokoyama (2004) Neste sentido, sistema produtivo, ou a função produção (conceito utilizado por Slack (2002) tem uma abrangência muito maior do que um processo de transformação. Esta noção ampliada leva em consideração todas as áreas de uma

12 organização que atuam de forma integrada e coordenada para agregar valor (transformar inputs em outputs e, neste processo, agregar valor). 2.2 Classificação e seleção de sistemas produtivos Uma classificação tradicional de sistemas de produção é fornecida por Moreira (2002): Sistema de Produção Contínua ou de Fluxo em Linha; Sistema de Produção por Lotes ou por Encomenda (Fluxo Intermitente); Sistema de Produção de Grandes Projetos sem Repetição. Slack (1999) apresenta uma versão mais abrangente, ao inserir a categoria de serviços, como pode ser observado na tabela a seguir: Processos em manufatura Processo de Projeto Processos em Serviços Serviços Profissionais Processo de Jobbing Processo em Lotes ou Bateladas Loja de Serviços Processo de Produção em Massa Processos Contínuos Serviços de Massa Tab.1: Tipos de Processos Fonte: Slack (1999) Ressalte-se que cada tipo de sistema produtivo possui características distintas: lay-out, equipamentos, mão-de-obra, mix/volume de produção, programação da produção, grau de contato com o consumidor, etc. A seleção do tipo de processo mais adequado deve levar em consideração os objetivos da função produção que, baseando-se em Slack (2002) podem ser agrupados em: Qualidade, Velocidade, Confiabilidade (ou Pontualidade), Flexibilidade e Custo (ou

13 Preço). Para alguns autores, de forma alternativa, estes objetivos podem ser agrupados em Qualidade, Tempo, Flexibilidade e Custo. Como decorrência destes objetivos, os fatores variedade e volume de produção afetam diretamente a seleção dos processos, numa relação que pode ser exemplificada na figura a seguir: Fig.3: Relação Mix/Volume e Processo em Manufatura Fonte: Slack (1999, p.135) Pode-se observar que componente mix diminui com o aumento da escala de produção, resultando produtos mais padronizados. De acordo com Mayer (1986) os produtos padronizados são aqueles que a empresa produz para estoque. Segundo o autor é possível fazê-lo porque há demanda contínua para esses produtos, além disso, suas especificações são, de certo modo, previsíveis. Finalmente, ressalte-se que a classificação de sistemas produtivos apresentada deve ser utilizada como uma orientação sendo que na prática, é usual a utilização de modelos mistos de processos de manufatura.

14 3. Gestão da produção 3.1. Conceituação inicial Conceituação inicial, iniciando pelas responsabilidades de acordo com Slack (1999): Indiretas: interagir com outros setores da organização para benefício mútuo; Diretas: entender os objetivos estratégicos da produção; desenvolver estratégia de produção; projetar processos de produção; planejar e controlar a produção; melhorar o desempenho da produção. Complementando, em relação às atividades de planejamento / tomada de decisão, Moreira (2002) classifica-as pelo critério de prazo e risco: Nível Estratégico: prazo e risco elevados; Nível Tático: prazo médio, risco moderado; Nível Operacional: curto prazo, baixo risco (decisões de rotina). Ainda, ao se tratar da administração da produção pela abordagem sistêmica, também fica claro que ela é uma atividade que está totalmente dependente de muitos outros sistemas que operam na empresa Planejamento e controle da produção De acordo com Harding (1987), o objetivo do planejamento de produção é atender os prazos de entregas aos clientes com o mínimo custo, via planejamento da seqüência das atividades de produção; ou de forma resumida, segundo Slack (2002), planejamento e controle é a atividade de se decidir sobre o melhor emprego dos recursos de produção, assegurando assim, a execução do que foi previsto.

15 Harding (1987) coloca que o planejamento é necessário, pois em toda unidade de produção há pessoas, maquinários e materiais, recursos dispendiosos, que devem ser usados da melhor maneira a fim de torná-la mais lucrativa. Ainda, o autor complementa que a moderna produção é complexa, tecnológica e deve, portanto, ser planejada cuidadosamente para levar em conta todas as possíveis restrições. Zaccarelli (1999; p.71) coloca que o trabalho do planejamento direta ou indiretamente, afeta toda a organização, como conseqüência dos documentos utilizados no planejamento (roteiro de produção, detalhes de cada operação, tempo de preparação, etc.), ferramentas, estimativas, etc.. Ainda segundo Harding (1987), para realizarmos o planejamento, precisamos de uma programação (listagem de produtos que deve ser realizada em determinado período de tempo e que é usualmente disposta numa seqüência de prioridade). Normalmente ela é baseada numa previsão de demanda. De acordo com Machline (1990), esta previsão pode ser baseada nos pedidos recebidos dos clientes, nas previsões de vendas, ou em ambas. Marinho (2001) reforça a idéia de que o planejamento da produção praticamente se inicia com dados que estipulam quais e quantos produtos devem ser produzidos e quando eles devem estar concluídos; além disso, coloca que, tradicionalmente, nos sistemas produtivos que produzem sob encomenda (make-to-order), esses dados aparecem durante o processo de venda do produto. Slack (2002) cita o exemplo de um construtor de casas que tenha projetos padronizados; ele pode optar por construir cada casa somente quando um consumidor tenha colocado um pedido firme. Neste caso, a operação precisaria de um planejamento e controle do tipo fazer-contra-pedido (make-to-order). Slack (2002) apresenta também o conceito de sistema de planejamento e controle puxado, onde o passo e as especificações do que é feito são estabelecidos pelo cliente (interno ou externo) que puxa o trabalho dos fornecedores (internos ou externos). Assim, o consumidor atua como um gatilho da produção e da movimentação. Se uma requisição não é passada para trás pelo consumidor para o fornecedor, o fornecedor não é autorizado a produzir qualquer coisa ou mover qualquer material. De forma mais detalhada, Slack (2002) menciona que o planejamento e o controle requerem a conciliação do suprimento e da demanda em termos de volume, tempo e

16 qualidade. Para conciliar o volume e o tempo, quatro atividades justapostas são desempenhadas: Carregamento: a quantidade de trabalho alocado para um centro de trabalho; Sequenciamento: quando o trabalho chega, decisões devem ser tomadas sobre a ordem em que as tarefas serão executadas; Programação é quando ao determinar a seqüência em que o trabalho será desenvolvido algumas operações requerem um cronograma detalhado, mostrando em que momento os trabalhos devem começar e quando eles devem terminar; Controle: intervenção periódica nas atividades da operação. Como exemplo de sequenciamento, de acordo com Slack (2002), algumas operações servem ao consumidor na exata seqüência de suas chegadas, na forma Firts In First Out (Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair - FIFO). Ainda segundo o autor, a divisão entre planejamento e controle não é clara, nem na teoria, nem na prática. Todavia, há algumas características gerais que ajudam a distinguir os dois. Um plano é uma formalização do que se pretende que aconteça em determinado momento no futuro. Um plano não garante que um evento vá realmente acontecer, é a declaração de intenção de que aconteça. O controle é o processo de lidar com as variações, podendo significar que os planos precisem ser redesenhados em curto prazo. O planejamento engloba também o controle de estoques. No caso de mudas florestais, o estoque serve para suprir uma eventual oscilação da demanda, pois apesar da demanda ser previsível e de uma garantia de retirada das mudas, a existência de um estoque é importante principalmente em virtude da possibilidade de ocorrência de algum problema operacional e fisiológico, visto a complexidade do trabalho com clones. Complementando, de acordo com Riggs (1981), os métodos quantitativos voltados ao planejamento devem ser utilizados para subsidiar a tomada de decisão, e não como soluções prontas para as questões os problemas de produção. Finalmente, é difícil imaginar uma empresa não fazendo parte de uma rede produtiva maior. Neste contexto, são válidos os conceitos pertinentes ao Suplly Chain

17 Managment (ou Gestão Integrada de Cadeia de Suprimentos), que de acordo com Ching (2001), é todo esforço envolvido nos diferentes processos e atividades empresariais que criam valor na forma de produtos e serviços para o consumidor final. Um exemplo de cadeia de suprimentos é fornecido pela figura a seguir: Informações e Recursos Produtos e Serviços Fontes de Suprimento Fornecedores Empresa Distribuidores Consumidores Logística de suprimentos Logística de produção Logística de distribuição Fig.4: Estrutura de cadeia logística integrada Fonte: Ching (2001, p.91) Na prática, é uma forma integrada de planejar e controlar o fluxo de mercadorias, informações e recursos, desde os fornecedores até o cliente final, procurando administrar as relações na cadeia logística de forma cooperativa e para o benefício de todos os envolvidos. Ou seja, cada elo da cadeia deve realizar o seu planejamento de formar coordenada com os outros elos da cadeia. Ao visualizar o sistema produtivo como um todo, cada elo poderá, através de mecanismos de controles confiáveis, fazer as correções necessárias frente às possíveis alterações de fluxo na rede. Desta forma, poderá colaborar de modo eficaz para que a cadeia possa atingir os seus objetivos.

18 4. O conceito MRP 4.1 Conceituação inicial A conceituação foi baseada em Slack (2002), Moreira (2002), Stevenson (2001), Goodfellow (1996), Gaither (2001), Mark (2001) e Martins & Laugeni (1999). Os sistemas MRP, como atualmente são conhecidos, foram viabilizados na década de 1960 a partir do desenvolvimento da capacidade de processamento dos computadores. Inicialmente, foram utilizados como ferramenta de apoio a sistemas de controle de estoques, para itens de demanda dependente (itens que dependem da demanda de produtos finais; as partes componentes), e denominados Material Requirement Planning (Planejamento das Necessidades de Materiais). A partir da década de 1980 estes sistemas tornaram-se mais abrangentes, integrando áreas como a financeira e a engenharia das empresas. Assim, além dos materiais que já eram tratados, passou-se a considerar também outros insumos como mão-de-obra, equipamentos, espaços disponíveis para estocagem, instalações, etc. Os softwares com tais capacidades de processamento passaram a ser denominados Manufacturing Resources Planning (Planejamentos dos Recursos de Manufatura). Como as iniciais de Manufacturing Resources Planning são as mesmas de Material Requirement Planning, convencionou-se chamar o primeiro de MRPII e o segundo de MRPI. Hoje em dia é cada vez maior o número de autores que chamam o MRP II de ERP (iniciais de Enterprise Resource Planning, ou seja, Planejamento dos Recursos da Empresa). Desta forma, ao longo do tempo o conceito MRP desenvolveu-se de um foco na gestão de operações que auxiliava o e planejamento e o controle das necessidades de materiais para se tornar, em anos mais recentes, um sistema corporativo que apóia o planejamento de todas as necessidades de recursos do negócio. Atualmente, o conceito MRP é extremamente difundido entre os profissionais que direta ou indiretamente lidam com os processos de produção (principalmente de alto volume), tanto de tangíveis (bens) quanto de intangíveis (serviços).

19 4.2 Dinâmica MRP A familiarização com o sistema montado é primordial para a sua operacionalização. Conforme Stevenson (2001), os gerentes precisam estar familiarizados com os principais detalhes dos inputs, dos outputs e do processamento do MRP. A partir da data e da quantidade em que um produto final é necessário, obtém-se as datas e as quantidades em que suas partes componentes (itens de demanda dependente) são necessárias. Assim, os sistemas MRP podem ser entendidos não só como uma técnica de controle de estoque, mas também como uma ferramenta de programação da produção, já que determina quanto deve ser reposto de cada item (adquirido ou processado) e a data que cada item deve estar disponível. Os sistemas MRP permitem estes cálculos com base nos pedidos em carteira, assim como uma previsão para os pedidos que a empresa imagina receber. Na seqüência, verificam, então, todos os ingredientes ou componentes que são necessários para completar esses pedidos, garantindo que sejam providenciados a tempo. A dinâmica de um sistema MRPI pode ser visualizada na figura a seguir: Fig.5: MRPI Fonte: Martins & Laugeni (1999, p. 223)

20 Já a dinâmica de um sistema MRPII, mais abrangente, pode ser observada na figura a seguir: Fig.6: MRPII Fonte: Martins & Laugeni (1999, p.219) As entradas e saídas destes sistemas serão detalhadas nos capítulos a seguir. 4.3 Componentes de um sistema MRP Entradas (Inputs) A qualidade dos dados utilizados é fator primordial. Conforme Goodfellow (1996), a implementação do MRP precisa ser desenvolvida sobre alicerces sólidos de dados muitos acurados. Os inputs básicos estão listados a seguir: Projeção da demanda A partir de uma previsão de vendas inicial é possível elaborar um roteiro de produção (denominado de Programa / Plano Mestre de Produção) que determina para cada tipo de produto fabricado pela empresa, a quantidade e o momento em que ele deverá estar disponível para se atender esta demanda.

21 Estoque: partes e componentes Em resumo, Slack (2002) define estoque como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. Complementando, afirma que não importa o que está sendo armazenado, ou onde ele está posicionado na operação; ele existirá porque existe uma diferença de ritmo (ou de taxa) entre fornecimento e demanda. Martins & Laueni (1998) mencionam que a informação sobre os níveis de estoques para cada item é também essencial para operacionalizar um MRP. Restrições: equipamentos e instalações As restrições de equipamentos e instalações em um sistema têm a preocupação de listar gargalos que podem afetar a capacidade de atendimento das necessidades. Slack (2002, p.344), coloca que as partes que estão trabalhando em sua capacidade máxima é que são as restrições de capacidade de toda a operação. Lista de materiais A lista de materiais dá a base para a continuidade dos cálculos. De acordo com Martins & Laugeni (1999, p.231), é a parte mais difícil e trabalhosa do sistema. Todos os produtos da linha de fabricação devem ser subdivididos em todos os seus componentes, subcomponentes e peças. De acordo com Slack (2002, p.458), um sistema MRP necessita de arquivo dos componentes de cada item, assim como um cozinheiro necessita de uma lista de ingredientes necessários para preparar um prato Saídas (Outputs) Atualização de estoques O sistema, ao processar os dados referentes ao estoques utilizados, automaticamente permite uma atualização dos estoques disponíveis.

22 Ordens de Produção Chiavenato (1991, p.97), cita que Ordem de Produção é a comunicação para produzir que é enviada para a seção produtiva, autorizando-a a executar determinado volume de produção. Ordens de compras De forma análoga às ordens de produção, são todas as ordens geradas solicitando as compras de materiais, listando o que, quando e quanto, para realização da produção e cumprimento dos prazos. Relatórios gerenciais O sistema permite a geração de relatórios de apoio ao planejamento das operações.

23 5. Tecnologia de informação e difusão do conhecimento Segundo Cruz (2003), tecnologia de informação é todo e qualquer dispositivo que tenha capacidade para tratar e ou processar dados e ou informações, tanto de forma sistêmica como esporádica, que esteja aplicada no processo. Em relação a estes dispositivos, Proença (1995), afirma que os computadores armazenam e tratam as informações, enquanto as redes de comunicação a transportam. Desta forma, computadores e redes formam a infra-estrutura de integração básica das organizações modernas. Yokoyama (2004) apresenta o Inside-out como uma abordagem atual para a formulação de estratégia; nesta abordagem (cujos principais autores são Hamel & Prahalad) a vantagem competitiva é determinada a partir do desenvolvimento, no interior das organizações, de core competencies (competências essenciais, oriundas de recursos valiosos, escassos, sem substitutos e de difícil imitação existentes em uma organização). Neste novo contexto, competência pode ser entendida como o conhecimento valorizado pelo mercado. Neste sentido, ainda segundo Yokoyama, a gestão do conhecimento tem papel essencial, sendo que o desenvolvimento e a difusão do conhecimento são etapas obrigatórias deste processo. Assim, a tecnologia de informação pode ser considerada um mecanismo deste processo, ao permitir disponibilizar e difundir o conhecimento nas organizações.

24 6. Metodologia de pesquisa De acordo com Gil (1991), podemos classificar esta pesquisa como pesquisa exploratória, que tem como principal objetivo proporcionar maior familiaridade com o tema. Em relação aos procedimentos técnicos utilizados, na primeira parte do trabalho utilizou-se o recurso de levantamento bibliográfico sobre os tópicos apresentados. A segunda parte do trabalho baseou-se num estudo de caso, que permite uma análise mais detalhada com base em um único objeto de estudo. Nesta parte, para a coleta de dados, recorreu-se ao levantamento documental, entrevistas informais com profissionais que desempenham atividades na empresa relacionadas com as atividades objeto de estudo. Nesta segunda parte, este trabalho pode também ser considerado, como uma pesquisa-ação, visto que o executor atuou como participante cooperador e responsável pelo processo de desenvolvimento de um novo modelo. Por se tratar de um novo modelo, a pesquisa tem as características de um estudo experimental, do tipo antes-depois, já que o modelo foi desenvolvido a partir da constatação de necessidades específicas, simulado e avaliado para ser incorporado à rotina das organizações. Pode-se enquadrar o desenvolvimento deste modelo dentro do ciclo PDCA de Deming (Martins & Laugeni (1998)): planejar (Plan), fazer (Do), verificar (Check) e agir (Act). Finalmente, o desenvolvimento do modelo obedeceu ao seguinte roteiro: Caracterizar o processo produtivo de mudas; Verificar com usuários as dificuldades e necessidades; Após consulta aos usuários, analisar as necessidades específicas de um planejamento e controle de unidades produtivas de mudas florestais; Formalizar lista de materiais em forma de planilhas. Formalizar cronograma da seqüência de etapas produtivas (cronograma de montagem MRP) em forma de planilhas; Formalizar sistema MRP piloto;

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

CENIBRA IMPLANTA MODERNO SISTEMA DE ERP PARA GESTÃO DO PROCESSO FLORESTAL

CENIBRA IMPLANTA MODERNO SISTEMA DE ERP PARA GESTÃO DO PROCESSO FLORESTAL CENIBRA IMPLANTA MODERNO SISTEMA DE ERP PARA GESTÃO DO PROCESSO FLORESTAL Perfil A CENIBRA foi fundada em 1973 e está localizada no leste de Minas Gerais. A empresa é o resultado do espírito empreendedor

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT BX PROJECT. Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos. Brochura

Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT BX PROJECT. Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos. Brochura Brochura BX PROJECT Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos SAP Business One para Empresas de Projetos Esta combinação de SAP Business One

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Definição da Necessidade de Produtos Finais

Definição da Necessidade de Produtos Finais OS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UTILIZADOS COMO VANTAGEM ESTRATÉGICA Lucia Helena de Oliveira 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Antonio Pascoal

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL Hélio Batista da Silva Junior (1) ; Paulo Henrique Paulista (2) FEPI- Centro Universitário de Itajubá,

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTA Ementa: Conceitos e estrutura da administração de produção. Sistemas de produção. Planejamento e controle da produção. Desenvolvimento de novos produtos. Técnicas modernas de administração de produção.

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Henrique Holowka 1 (EPA, DEP/FECILCAM) henrique_engprod@yahoo.com Isabela Korczovei Lemes 2 (EPA, DEP/FECILCAM) kl.isabela@hotmail.com

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Business Intelligence na área de Compras

Business Intelligence na área de Compras Business Intelligence na área de Compras - Caso de Sucesso DeciLogic - 2007 Agenda Introdução - Business Intelligence Eric Sarzana - Diretor - DeciLogic O projeto de BI da Telhanorte Marcelo Dalbone -

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado)

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Simulação e Gerenciamento de Manufatura Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Max-Prod Software importado Simulação e Otimização da Carga de Máquinas e Sequenciamento

Leia mais

SIE - Sistemas de Informação Empresarial. Transação. Fontes: O Brien e Associação Educacional Dom Bosco

SIE - Sistemas de Informação Empresarial. Transação. Fontes: O Brien e Associação Educacional Dom Bosco SIE - Sistemas de Informação Empresarial SPT Sistemas de Processamento de Transação Fontes: O Brien e Associação Educacional Dom Bosco Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa O Brien [ Problema Organizacional

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais