expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res /14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP"

Transcrição

1 Palestra Prestação de Contas Eleitorais Res /14 TSE Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Prestação de Contas Eleitorais A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir desta obra intelectual, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico, inclusive através de processos xerográficos, de fotocópias e de gravação, somente poderá ocorrer com a permissão expressa do seu Autor (Lei n. 9610) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS: É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA APOSTILA, DE QUALQUER FORMA OU POR QUALQUER MEIO. CÓDIGO PENAL BRASILEIRO ARTIGO 184. Setembro 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade dos autores.

2 PRESTAÇÃO DE CONTAS ELEIÇÕES 2014 CONTABILIDADE NECESSÁRIA Material elaborado pelo Grupo de Trabalho CRC SP - Prestação de Contas Eleitorais Acesse no Portal do CRC SP Página principal 1

3 TEMOS REGRAS PARA: PRESTAR CONTAS ARRECADAR GASTAR REGRAS PARA PRESTAR CONTAS 2

4 O que é prestação de contas? - É a demonstração da boa e regular aplicação dos recursos. E isto acontece quando? -Do início de tudo, até a sua entrega efetiva. Contas eleitorais não são mais procedimento de candidato o de partido. TODO MUNDO QUE PARTICIPOU DA CAMPANHA VAI PRESTAR CONTAS? Obrigação de prestar contas (Art. 33) 3

5 Obrigação de prestar contas É obrigatória a assinatura: do profissional da contabilidade; ( 4º, art.33) do administrador financeiro (designado); do advogado constituído; do candidato (Art. 20, Lei 9504/97). Obs: se o candidato falecer durante a campanha, seu administrador financeiro ou a direção partidária farão a prestação de contas. RESOLUÇÃO N /2014 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE Dispõe sobre arrecadação e gastos de recursos por partidos políticos, candidatos e comitês financeiros, e ainda sobre a prestação de contas nas Eleições de Art. 33. Deverão prestar contas à Justiça Eleitoral: I o candidato; II os diretórios partidários, nacional e estaduais, em conjunto com seus respectivos comitês financeiros, se constituídos. [...] 4º O candidato e o profissional de contabilidade responsável deverão assinar a prestação de contas, sendo obrigatória a constituição de advogado. 4

6 RESPONSABILIDADE. PROFISSIONAL DA CONTABILIDADE Requer conhecimento da legislação eleitoral Res /14, art. 33: ratificar a intenção de deixar mais transparente a prestação de contas da campanha eleitoral, reconhece a importância do trabalho do profissional da contabilidade, uma vez que tal documento será mais técnico. O que deve ser observado na escrituração contábil? As normas contábeis vigentes, sempre com observância ao Código de Ética e aos Princípios de Contabilidade. 5

7 NORMAS DA PROFISSÃO. ÉTICA Consulta TSE Relator Min. Henrique Neves Contador nível superior Técnico em contabilidade nível médio Contrato delimitação de responsabilidade; Orientação por escrito; Declaração da totalidade de conteúdo; Obrigação de prestar contas (Art. 33) Deverão prestar contas à justiça eleitoral: QUEM: (PRINCÍPIO DA ENTIDADE) O candidato, diretamente ou por intermédio do partido político ou do comitê financeiro. Diretórios partidários, nacional e estaduais, juntamente com seus respectivos comitês financeiros, caso houver Vices e suplentes não prestam contas parciais, somente o titular. 6

8 Prazos (Art. 36) Prestação de Contas Prazos Primeira parcial 28/07 a 02/08/2014 Segunda parcial 28/08 a 02/09/2014 Contas finais (sem segundo turno) 04/11/2014 Contas finais de segundo turno 25/11/2014 Sistema As prestações devem ser elaboradas no Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE) e enviadas pela Internet à Justiça Eleitoral /prestacao-de-contas-eleicoes- 2014/sistema-de-prestacao-de-contaseleitorais-spce 7

9 Prestação de Contas Contas Parciais (Art. 36) Contas Finais (Art. 33) Prestação de Contas Parciais (Art. 36) Consistem na discriminação de recursos (dinheiro ou estimáveis) para financiamento da campanha eleitoral e gastos que realizaram, detalhando doadores e fornecedores. Haverá apresentação de prestação de contas parciais, que serão divulgadas pela Justiça Eleitoral na Internet nos dias 06/08 e 06/09/2014, respectivamente. Após o prazo, somente será admitida retificação das parciais. A não prestação parcial implica em infração grave a ser apurada no julgamento da prestação de conta final, mesmo que a Justiça Eleitoral divulgue os saldos financeiros dos extratos bancários encaminhados pelas instituições financeiras. Vices e suplentes não prestam contas parciais, somente o titular. Não haverá entrega de via impressa. 8

10 Documentação. Entrega. Impugnação Documentação fiscal (Art. 46) A documentação fiscal das despesas eleitorais deve ser emitida em nome de candidatos, partidos políticos ou comitês financeiros, com CNPJ. Os documentos fiscais comprobatórios dos gastos realizados com recursos do Fundo Partidário devem compor a prestação de contas; os demais não integram, podendo ser requeridos a qualquer tempo pela Justiça Eleitoral, a fim de subsidiar o exame das contas. 9

11 Entrega (Art. 40) Qualificação do candidato; Recibos eleitorais emitidos; Recursos arrecadados; Receitas estimáveis em dinheiro; Doações efetuadas para partidos políticos, comitês financeiros e a candidatos; Receitas e despesas (eventuais sobras ou dívidas de campanha); Despesas efetuadas; Comercialização de bens e/ou serviços; Despesas pagas após eleição; Conciliação bancária. Entrega O encaminhamento à Justiça Eleitoral será em meio eletrônico, pela internet. Na sequência o sistema emitirá Extrato de Prestação de Contas, certificando a entrega eletrônica, que deverá ser impresso, assinado e juntamente com os documentos descritosnoart.40incisoii,e protocolizado no órgão competente para julgar as contas, dentro do prazo legal. 10

12 Comprovação de Recursos Arrecadados (Arts. 44, 45 e 47) Através de canhotos de recibos eleitorais, extratos das contas bancárias específicas, documento fiscal de bens ou serviços, em caso de pessoa física. Na ausência de movimentação financeira éaceito: Extrato bancário ou declaração firmada pelo gerente da instituição financeira; Documentos fiscais emitidos em nome do doador ou termo de doação por ele firmado, sendo pessoa física; Termo de cessão ou documento equivalente quando for bem pertencente ao doador (pessoa física ou jurídica), cedidos temporariamente a candidato, partido político ou comitê financeiro, acompanhado da comprovação de propriedade. Apresentação das contas (Art. 39) As sobras financeiras de recursos do Fundo Partidário deverão ser restituídas ao partido político para depósito na conta bancária destinada à movimentação de recursos. 11

13 Impugnação Após apresentação das contas finais, a Justiça Eleitoral disponibilizará os dados na página da Internet e determinará a imediata publicação de Edital para qualquer partido político, candidato ou coligação, assim como o Ministério Público as impugne no prazo de três dias. A inexistência de impugnação não obsta a análise das contas pelos órgãos técnicos, e nem impede a atuação do Ministério Público Eleitoral. REGRAS PARA ARRECADAR REGISTRO. CNPJ. CONTA 12

14 O que a legislação eleitoral impõe para início da campanha eleitoral? Registro. Justiça Eleitoral (JE) Partidos ou coligações protocolizam os registros de candidatura Tribunal Regional Eleitoral (TRE) Governador, Senador, Deputado Federal/Estadual e Deputado Distrital Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Presidente da República Comitê Financeiro (Arts. 5º a 9º), deve ser registrado em até cinco dias no mesmo Tribunal Eleitoral responsável pelo registro de seus candidatos mediante formulário fornecido pelo Sistema de Registro do Comitê Financeiro - SRCF (via internet/tse). 13

15 (CNPJ) CADASTRO NACIONAL PESSOA JURÍDICA Justiça Eleitoral repassa automaticamente informações de registros de candidatos \ Comitês Financeiros Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) gera automaticamente o CNPJ e divulga o número na internet. Conta Bancária (Arts. 12 a 18) É necessária para registro de toda movimentação financeira da campanha. vice e suplentes não são obrigados a abrir conta bancária. diretórios municipais - da mesma forma. 14

16 Conta Bancária (Arts. 12 a 18) Não é automático, é aberta mediante requerimento (Race) Abertura de Conta Bancária Eleitoral - na pagina dos tribunais eleitorais (TRE). O prazo de 10 (dez) dias a contar da concessão do CNPJ pela RFB, pelo candidato, e no caso de partidos políticos, a partir de 1º de janeiro de 2014 até 5 de julho de Conta Bancária (Arts. 12 a 18) EXTRATO ELEITORAL As instituições Financeiras fornecerão mensalmente à Justiça Eleitoral, extratos eletrônicos com registro da movimentação financeira para instrução dos processos de prestação de contas. 15

17 Recibo Eleitoral (Art. 10 e 11) Impresso no Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE), autorização prévia obtida no Sistema de Recibos Eleitorais (SRE) disponível na página da internet do TSE, no menu Eleições Recibo Eleitoral (Art. 10 e 11) Emitido em duas vias por Partidos/ comitês financeiros / ou candidatos, arrecadação de recursos financeiros (dinheiro, cheques, cartões de crédito ou de débito, transferências bancárias) recursos estimáveis em dinheiro (bens e serviços). 16

18 Recibo Eleitoral (Art. 10 e 11) O vice e os suplentes utilizarão os recibos eleitorais do titular. O recibo é obrigatório mesmo que os recursos sejam do próprio candidato. DEVE constar a data, assinaturas do doador, candidato ou representante do comitê/partido. dispensada a assinatura do doador em caso de recursos arrecadados pela internet. Adotadas as providências preliminares posso arrecadar e gastar à vontade durante a campanha???? 17

19 NÃO Arrecadação de Recursos 18

20 Prazos. Período de arrecadação Início a partir do registro e conta bancária aberta Fim é o dia da eleição (Art. 30) A arrecadação somente é permitida excepcionalmente após a eleição para custear as despesas já contraídas e não pagas até aquela data, devendo estar quitadas até a entrega da prestação de contas. Fontes de Arrecadação (Art. 19) Recursos próprios dos candidatos; Recursos próprios dos partidos políticos, desde que identificada sua origem; Doações financeiras ou estimáveis em dinheiro de pessoas físicas ou jurídicas; Receitas decorrentes de comercialização de bens e serviços, e promoção de eventos; Receitas decorrentes da aplicação financeira dos recursos da campanha. 19

21 Fontes de Arrecadação (Art. 19) Que tal um jantar para arrecadar fundos? Fontes de Arrecadação (Arts. 19 e 27) Promoção de eventos realizados diretamente pelos candidatos, comitês financeiros ou pelo partido não é vedada pela legislação eleitoral. Deve ser comunicada com 5 (cinco) dias úteis de antecedência à Justiça Eleitoral, sendo que os valores arrecadados são doações sujeitas aos limites legais e à emissão dos recibos eleitorais. 20

22 Forma de Arrecadação (Arts. 22 e 23) Doações, inclusive pela internet, podem ser realizadas por pessoas físicas e jurídicas mediante: Cheques cruzados e nominais; Transferência bancária; Boleto de cobrança com registro; Cartão de crédito ou cartão de débito; Depósito em espécie identificado; Doação ou cessão temporária de bens ou serviços estimados em dinheiro, desde que sejam produtos de seu próprio serviço ou atividades econômicas e bens permanentes que integram o patrimônio do doador. Fontes Vedadas (Art. 28)...procedentes direta ou indiretamente de: Entidade ou governo estrangeiro; Órgão da administração pública; Entidade de classe ou sindical; Entidades beneficentes; Entidades esportivas; e Cartórios. Estas, tão logo identificadas, deverão ser recolhidas ao Tesouro Nacional através da Guia de Recolhimento da União (GRU). 21

23 Limites. Doação (Art. 25) Pessoa física: 10% dos rendimentos brutos auferidos em 2013, - penalidade quando ao doador exceder o limite, multa de cinco a dez vezes a quantia excedida, sem prejuízo ao candidato responder por abuso de poder econômico. Pessoa jurídica: 2% do faturamento bruto de 2013, desde que não tenha iniciado ou retomado suas atividades em 2014, dada a impossibilidade de apuração, sendo que a quantia excedida implicará na mesma penalidade aplicada à pessoa física e ainda fica excluída de licitação em órgão público por até cinco anos. Candidato que utilizar recursos próprios, o limite é de 50% do patrimônio informado à RFB na declaração de Imposto de Renda. REGRAS PARA GASTAR LIMITE.PRAZO.ESPÉCIES.VEDAÇÕES 22

24 Aplicação de recursos (Art. 3º) Limites de gastos (Art. 4º) A lei estabeleceu a data de 10/06/2014 para fixar o limite de gastos de campanha para cargos em disputa. Não ocorrendo a fixação dos gastos, os partidos políticos, por ocasião do registro de candidatura, fixarão os valores máximos de gastos na campanha. 23

25 Limites de gastos (Art. 4º) A alteração mediante solicitação, justificada decorrente de fatos supervenientes e imprevisíveis, à Justiça Eleitoral para apreciação e julgamento; sendo procedente, as informações serão inseridas no Sistema de Registro de Candidaturas (sistema CAND). Gasto além do limite fixado - de multa no valor de cinco a dez vezes a quantia em excesso, Recolhida em cinco dias contados da intimação; Podendo responder por abuso do poder econômico, nos termos do art. 22 da Lei Complementar n. 64/1990. Prazo. Período de aplicação (Art. 30) Início - abertura da conta bancária e emissão de recibos eleitorais; Fim -nodia da eleição. 24

26 Prazo. Período de aplicação (Art. 30) Pagamento posterior à data da eleição, somente para despesas contraídas até aquela data, cuja comprovação ocorrerá por documento hábil e idôneo emitido na data da realização da despesa. (competência) Gastos eleitorais: Espécies (Art. 31) Quais serão os gastos eleitorais? 25

27 Gastos eleitorais (Art. 31) Confecção de material impresso; Propaganda e publicidade por qualquer meio de comunicação; Despesas de instalação e funcionamento de comitês; Multas aplicadas aos partidos políticos por infração do disposto na legislação eleitoral; Montagem e operação de carros de som. Gastos eleitorais (Art. 31) Princípio da Competência e Oportunidade A efetivação dos gastos ocorre na data de sua contratação, independente da realização do seu pagamento. 26

28 Despesas de Pequeno Valor As despesas, até o limite de R$ 400,00, são pagas pelo fundo de caixa constituído pelos candidatos, partidos políticos e comitês financeiros (Art. 31), com valor não superior a 2% do total das despesas realizadas ou a R$ ,00, o que for menor. Obrigatória a respectiva comprovação por documentos fiscais ou outros permitidos pela legislação tributária. Contratos e Cláusulas Contatos: Despesa já contratada poderá ser paga após...até... Cláusula: a despesa poderá ser paga pelo partido. A efetivação dos gastos ocorre na data de sua contratação, independente da realização do seu pagamento. (competência) Retenções Tributárias: Na forma da IN RFB nº 872/2008. Obrigatória a respectiva comprovação por documentos fiscais ou outros permitidos pela legislação tributária. 27

29 Militância Não é despesa da campanha. Não é doação estimada em dinheiro. Despesa do Eleitor (Art. 32) O eleitor poderá realizar pessoalmente, gastos em apoio ao candidato até o limite de R$ 1.064,10, não sujeitos à contabilização, desde que não reembolsados e em nome do eleitor. (Art. 27,Lei 9.504/97) Não são entregues ao candidato, caso contrário, o obrigará ao registro de doação e à emissão do correspondente recibo eleitoral. 28

30 Bibliografia O livro Partidas Dobradas Eleições 2014 Contabilidade Necessária, de autoria do contador José João Appel Mattos e do advogado Bruno Mendes, CFC/CFOAB (Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil), é um importante instrumento de informação e de orientação à correta realização das prestações de contas das eleições de Considerações finais O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade. O otimista vê oportunidade em cada dificuldade. Winston Churchill OBRIGADO por sua participação!!! 29

31 30

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

NORMAS E REGULAMENTOS

NORMAS E REGULAMENTOS NORMAS E REGULAMENTOS Lei nº 9.096/1995; Lei nº 9.504/1997; Resolução TSE nº 23.406/2014; Comunicado BACEN nº 25.091/2014; IN Conjunta RFB/TSE nº 1.019/2010. REQUISITOS PARA ARRECADAR E REALIZAR GASTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES As doações poderão ser realizadas por pessoas físicas ou jurídicas em favor do candidato, comitê financeiro e/ou partido político, mediante (art.22): I cheques cruzados

Leia mais

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT Palestra: Prestação de Contas Eleitoral Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997: - Código Eleitoral (dispõe normas para eleição). Lei

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Lembre-se de que este guia foi elaborado para facilitar a sua compreensão do que é prestar contas à Justiça Eleitoral. Todas as normas, que contêm o assunto detalhadamente, estão disponíveis na página

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Quais as regras que devem ser observadas para a Prestação de Contas nas Eleições 2012? Além das normas contidas na Lei nº 9.096/1995 (a Lei dos Partidos Políticos) e na Lei nº 9.504/1997 (a Lei das Eleições),

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL Termina no próximo dia 6 de novembro o prazo para a entrega das prestações de contas finais dos candidatos que concorreram no primeiro turno

Leia mais

Arrecadação Gastos Prestação de contas

Arrecadação Gastos Prestação de contas Arrecadação Gastos Prestação de contas Tatão Bom de Voto História ilustrativa e simplificada de como arrecadar recursos, realizar despesas e prestar contas à Justiça Eleitoral. Arrecadação Gastos Prestação

Leia mais

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça) Prestação de Contas Eleitoral: Legislação x Prática Contador Ruberlei Bulgarelli Julho 2012 LIMITE DE GASTOS Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito O Tribunal Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Ementa: Dispõe sobre a arrecadação e

Leia mais

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. 23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. * RESOLUÇÃO Nº 23.216 ** INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Ementa: Dispõe sobre a arrecadação

Leia mais

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais:

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Art. 4º Toda e qualquer arrecadação de recursos para a campanha eleitoral,

Leia mais

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito.

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Instrução n o 22-06.2010.6.00.0000 Resolução n o 23.216 Brasília DF Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha

Leia mais

ELEIÇÕES 2014 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES CONTA BANCÁRIA CNPJ PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS

ELEIÇÕES 2014 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES CONTA BANCÁRIA CNPJ PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS ELEIÇÕES 2014 ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES Arrecadar ou gastar antes de cumpridos os requisitos = Contas desaprovadas! Professora Rita Gonçalves 1 2 PROVIDÊNCIAS

Leia mais

Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito.

Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito. OL ESOLUÇÃO TSE TSE N.. 23.216, DE 02 02 DE MARÇO DE DE 2010 INSTRUÇÃO N. 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. RELATOR: MINISTRO ARNALDO VERSIANI. (DJE-TSE, n.43, p.66, 04.3.10) Dispõe

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Eleição 2012 Brasília - 2012 Partido do Movimento Democrático Brasileiro Diretório Nacional PMDB - Diretório Nacional Tesouraria Nacional do PMDB Senado Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010 INSTRUÇÃO Nº 23-88.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Dispõe sobre a arrecadação e os gastos de recursos

Leia mais

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Departamento de Desenvolvimento Profissional www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS LUIS

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014 Financiamento de Campanhas Eleitorais Brasília - DF 09/10/2014 Democracia representativa Direito de votar e ser votado Financiamento de campanhas Financiamento de campanhas Nº Nome Partido Receitas 21

Leia mais

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA APRESENTAÇÃO O financiamento das campanhas eleitorais tem sido, até hoje, matéria por poucos conhecida, restrita em grande medida aos órgãos julgadores, à classe

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.216 INSTRUÇÃO N 22-06.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas)

RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas) RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas) Gustavo Kanffer Departamento Jurídico CEN-PSDB RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari

Leia mais

Prestação de Contas das Eleições 2014

Prestação de Contas das Eleições 2014 Cartilha sobre a Prestação de Contas das Eleições 2014 Brasília 2014 2014 Tribunal Superior Eleitoral É proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a autorização expressa dos autores. Secretaria

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas

Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas Brasília 2010 Tribunal Superior Eleitoral Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas Eleições

Leia mais

Ano 2010, Número 088 Brasília, quarta-feira, 12 de maio de 2010

Ano 2010, Número 088 Brasília, quarta-feira, 12 de maio de 2010 Página 75 Art. 14. Na divulgação de pesquisas no horário eleitoral gratuito devem ser informados, com clareza, o período de sua realização e a margem de erro, não sendo obrigatória a menção aos concorrentes,

Leia mais

A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS

A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS Autor: Sérgio Pastori Este artigo foi elaborado com base na Resolução de nº. 21.609/04, de 05/02/2004, do TSE, a qual dispõe sobre a arrecadação, a aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.376 INSTRUÇÃO Nº 1542-64.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.376 INSTRUÇÃO Nº 1542-64.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.376 INSTRUÇÃO Nº 1542-64.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a arrecadação e os gastos

Leia mais

Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas nas eleições de 2002.

Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas nas eleições de 2002. RESOLUÇÃO Nº 20.987* Instrução nº 56 - Classe 12ª Brasília - DF Relator: Ministro Fernando Neves. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Inst. 74/DF 1 JUSTIÇA ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Fernando

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS NAS ELEIÇÕES DE 2008

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí Prestação de Contas nº 275-29.2012.6.18.0030 Classe 25 Procedência: Agricolândia/PI (30ª Zona Eleitoral São Pedro do Piauí/PI) Protocolo: 69.643/2012 Relator: Dr. Valter Alencar Rebelo Assunto: Prestação

Leia mais

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES MANUAL DE ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS E DE PREST RESTAÇÃO DE CONT ONTAS ELEIÇÕES 2008 2 a EDIÇÃO Brasília 2008 Tribunal Superior Eleitoral Diretor-Geral da Secretaria Athayde Fontoura Filho Tribunal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos por candidatos e comitês financeiros e

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL Modular - Analistas TRE/TRF Disciplina: Direito Eleitoral Prof.: Thales Tácito Data: 17/10/2009 Aula n 06 MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL 1) APURAÇÃO

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Manual de Orientação do Sistema de Requerimento de Abertura de Conta Bancária Eleitoral SRACE/RACEP

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Manual de Orientação do Sistema de Requerimento de Abertura de Conta Bancária Eleitoral SRACE/RACEP TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL Manual de Orientação do Sistema de Requerimento de Abertura de Conta Bancária Eleitoral SRACE/RACEP Junho/2014 Conteúdo Sistema de Requerimento de Abertura de Conta Bancária

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Página 66 AYRES BRITTO, PRESIDENTE- ARNALDO VERSIANI, RELATOR RICARDO LEWANDOWSKI CÁRMEN LÚCIA- FELIX FISCHER- MARCELO RIBEIRO. PUBLICAÇÃO

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

Elaborado por: Gisleise Nogueira de Aguiar. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Elaborado por: Gisleise Nogueira de Aguiar. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.250 INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Gerardo Grossi. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre a prestação

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE JURISPRUDÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO GUIA PRÁTICO 1 ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS RESOLUÇÃO TSE Nº 23.364/2011 ELEIÇÕES 2012 REGISTRO

Leia mais

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas.

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas. ORIENTAÇÕES AOS MUNICÍPIOS, SOBRE O PEDEX 2011 PROCESSO DE ELEIÇÕES DIRETAS EXTRAORDINÁRIAS 2011 I- NORMAS GERAIS DAS ELEIÇÕES 1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de

Leia mais

Financiamento de campanhas e prestação de contas

Financiamento de campanhas e prestação de contas Financiamento de campanhas e prestação de contas Crescimento do gasto declarado com campanhas (total nacional) ANO TOTAL DE GASTOS (R$ milhões) ELEITORADO (milhões) CANDIDATOS (unidades) GASTO POR ELEITOR

Leia mais

ELEIÇÕES 2014. Partidas Dobradas. Contabilidade Necessária. 3ª Edição. Edição atualizada com a Resolução TSE n.º 23.406/14

ELEIÇÕES 2014. Partidas Dobradas. Contabilidade Necessária. 3ª Edição. Edição atualizada com a Resolução TSE n.º 23.406/14 Partidas Dobradas ELEIÇÕES 2014 Contabilidade Necessária Apoio www.cfc.org.br www.oab.org.br Partidas Dobradas - Eleições 2014 - Contabilidade Necessária - 2º Ediçlão Edição atualizada com a Resolução

Leia mais

Guia para Comprovação de Investimentos

Guia para Comprovação de Investimentos Guia para Comprovação de Investimentos 1 2 4 5 Introdução Acompanhamento na Fase de Análise ETAPA 1 Comprovação Financeira ETAPA 2 Comprovação Física ETAPA Comprovação Jurídica ETAPA 4 Liberação Penalidades

Leia mais

Tribunal Superior Eleitoral

Tribunal Superior Eleitoral ESOLUÇÃO N O 22.715/2008 INSTRUÇÃO N O 118 RESOLUÇÃO Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos por candidatos e comitês financeiros e prestação de contas nas eleições municipais de 2008. Brasília

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA Cartiillha de Arrecadação de Recursos, Gastos Elleiitoraiis e Prestação de Contas BELÉM PARÁ 2012 APRESENTAÇÃO Aproxima-se

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas).

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). 1º PASSO: VERIFICAÇÕES: a) Certificar-se junto ao site do TRE quanto à validade do prazo do mandato da direção. b)

Leia mais

EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X

EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 12.07.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - LEITURA X 2.1 - Representação de Valores

Leia mais

Manual de orientação do Sistema de Recibos Eleitorais SRE

Manual de orientação do Sistema de Recibos Eleitorais SRE TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE Manual de orientação do Sistema de Recibos Eleitorais SRE Janeiro/2014 Apresentação do sistema: Este manual tem o intuito de orientar os candidatos e partidos/comitês

Leia mais

ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA

ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA ANEXO VI PRESTAÇÃO DE CONTAS Proponente Endereço completo ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO CPF Telefone CEP Cidade UF E-mail Fax Tema do Projeto Período de utilização

Leia mais

Documentação necessária

Documentação necessária Documentação necessária OBS.: Devem ser apresentadas pelo candidato na fase de comprovação de informações: cópias dos documentos e originais para conferência. DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 23.432

RESOLUÇÃO N o 23.432 RESOLUÇÃO N o 23.432 Alterada pela Resolução TSE nº 23.437, publicada no TSE-e de 18/05/2015, págs. 36/37. PROCESSO ADMINISTRATIVO N o 1581-56.2014.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator

Leia mais

1 Solicitante do Auxílio Orientador-Pesquisador 2- N.º do Projeto. 3 - Tipo de Despesa. Relação do Material de Consumo.

1 Solicitante do Auxílio Orientador-Pesquisador 2- N.º do Projeto. 3 - Tipo de Despesa. Relação do Material de Consumo. ANEXO D PRESTAÇÃO DE CONTAS ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO Solicitante do Auxílio Orientador-Pesquisador CPF Endereço completo Telefone CEP Cidade UF E-MAIL FAX Tema

Leia mais

Atenção Inscrito - Leia com atenção.

Atenção Inscrito - Leia com atenção. Atenção Inscrito - Leia com atenção. A não entrega da documentação comprobatória correta pode comprometer na sua desclassificação. Será necessário somente aquela documentação que comprove os dados informados

Leia mais

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 23.432/14) Manual de prestação de contas anual de partidos políticos -1 Manual de prestação

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. 2014 versão l. (Direitos reservados)

MANUAL DO CLIENTE. 2014 versão l. (Direitos reservados) MANUAL DO CLIENTE 2014 versão l (Direitos reservados) 1 Anotações: 2 MANUAL DO CLIENTE Número do Manual: Cliente: CNPJ: Recebido em: / / Entregue por: Caro cliente Este manual tem a finalidade de instruí-lo

Leia mais

Parte III. Profa. Alessandra Brandão

Parte III. Profa. Alessandra Brandão Parte III Profa. Alessandra Brandão DIRF - Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte É a declaração feita pela FONTE PAGADORA, com o objetivo de informar à Secretaria da Receita Federal do Brasil:

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 1581-56.2014.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Henrique Neves Interessado: Tribunal Superior Eleitoral

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Eleições 2008: passo a passo da candidatura a vereador Eduardo de Souza Floriano* Com base na legislação atinente ao processo eleitoral, foi elaborado um passo a passo para os candidatos

Leia mais

Cartilha Contábil de apoio

Cartilha Contábil de apoio Cartilha Contábil de apoio Conteúdo Introdução... 3 A Cartilha... 4 Receita Operacional... 5 Receitas de mensalidades / semestralidades / anuidades... 5 Outros serviços educacionais... 5 Subvenções para

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41 DECRETO Nº. 075, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos para o encerramento do exercício financeiro de 2015 no âmbito da Administração Pública Municipal e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Prefeitura Municipal de Tupãssi PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e? R NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) é um documento

Leia mais

RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA

RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA PREENCHIMENTO DO ANEXO III RELATÓRIO DA EXECUÇÃO FÍSICO-FINANCEIRA FÍSICO: refere-se ao indicador físico da qualificação e quantificação do produto de cada meta e etapa executada e a executar. Não fazer

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

CONVÊNIOS EXECUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONVÊNIOS EXECUÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIOS EXECUÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS CONTA BANCÁRIA ESPECÍFICA O convenente deverá manter os recursos repassados na conta específica, somente sendo permitidos saques para pagamento das despesas relativas

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL PROPAGANDA ELEITORAL Katherine Schreiner katherine@eleitoralbrasil.com.br http://www.eleitoralbrasil.com.br Propaganda Política A expressão propaganda política é empregada para significar, em síntese,

Leia mais

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço;

I quando o prestador de serviços estabelecido no Município do Rio de Janeiro executar serviço; DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. [Publicado no D.O. Rio de 12.05.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.549, de 20.07.2010, publicado no D.O. Rio de 21.07.2010.] [Alterado pelo Decreto nº 32.601,

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências.

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL SUBSTITUTO, no exercício das atribuições

Leia mais

Retenções na Fonte e Informações para a D.C.T.F. (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais)

Retenções na Fonte e Informações para a D.C.T.F. (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) São Paulo, agosto de 2012 Retenções na Fonte e Informações para a D.C.T.F. (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) Prezado cliente: Sua empresa está obrigada a entrega da DCTF (apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL 1. Condição Geral: A Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, daqui por diante designada FUNDAÇÃO, poderá conceder Bolsas de Estudos a alunos regularmente matriculados

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

Da Propaganda Eleitoral Propaganda eleitoral em geral

Da Propaganda Eleitoral Propaganda eleitoral em geral Da Propaganda Eleitoral Propaganda eleitoral em geral 1.1. A propaganda eleitoral, inclusive na imprensa escrita e internet, somente será permitida a partir de 6 de julho de 2014. 1.2. A propaganda eleitoral

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI

FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI PRESTAÇÃO DE CONTAS FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI 1. A prestação de contas deve ser constituída dos seguintes documentos: a) Encaminhamento de Prestação de Contas Anexo I; b) Relação

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE CURSO E OFERTA DE TURMA DE ESPECIALIZAÇÃO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE CURSO E OFERTA DE TURMA DE ESPECIALIZAÇÃO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE CURSO E OFERTA DE TURMA DE ESPECIALIZAÇÃO (Conforme a Resolução 42/03-COUN, de 05 de novembro de 2003 e suas alterações). I. PROCEDIMENTO PARA CRIAÇÃO DE NOVO CURSO: A. ABERTURA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 01 DE ABRIL DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 01 DE ABRIL DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Comissão Eleitoral de Consulta à Comunidade Universitária para a Eleição de Reitor 2011-2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 01 DE ABRIL DE 2011

Leia mais

POLÍTICA DE PAGAMENTO

POLÍTICA DE PAGAMENTO POLÍTICA DE PAGAMENTO 1. OBJETIVO Estabelecer todos os critérios para o pagamento de fornecedores e prestadores de serviços aos empreendimentos administrados pela Itambé, bem como orientar todos os interlocutores

Leia mais

PARTIDO DOS TRABALHADORES São Paulo / SP. RELATÓRIO DE REVISÃO ESPECIAL (Análise Parecer Técnico Conclusivo da ASEPA)

PARTIDO DOS TRABALHADORES São Paulo / SP. RELATÓRIO DE REVISÃO ESPECIAL (Análise Parecer Técnico Conclusivo da ASEPA) PARTIDO DOS TRABALHADORES São Paulo / SP RELATÓRIO DE REVISÃO ESPECIAL (Análise Parecer Técnico Conclusivo da ASEPA) 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES (1.1) Atendendo solicitação especial dessa Entidade, procedemos

Leia mais

ACÓRDÃO N ( /4 /05/2015)

ACÓRDÃO N ( /4 /05/2015) TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS ACÓRDÃO N ( /4 /05/2015) b PRESTAÇÃO DE CONTAS N 1609-67.2014.6.02.0000. Requerente: VICENTE HIGINO DE OLIVEIRA. Advogada: Dr.a ARIANA MELO MOTA ATA1DE. Relator:

Leia mais