A INFLUÊNCIA DO SISTEMA MRP NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS Domingos Alves Corrêa Neto José Delázaro Filho SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DO SISTEMA MRP NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS Domingos Alves Corrêa Neto José Delázaro Filho SUMÁRIO"

Transcrição

1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA MRP NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS Domingos Alves Corrêa Neto José Delázaro Filho SUMÁRIO 1. Introdução 2. O sistema MRP 2.1. A lógica do cálculo das necessidades de materiais 2.2. Benefícios da implantação do sistema MRP 2.3. Indicadores de desempenho relacionados ao MRP 3. A pesquisa 3.1. Empresas pesquisadas 4. Análise dos resultados 4.1. Acuracidade das informações geradas pelo sistema MRP 4.2. Indicadores de desempenho da gestão de materiais 4.3. Benefícios alcançados com a implementação do sistema MRP 5. Conclusões e considerações finais 6. Referências bibliográficas 1. INTRODUÇÃO O novo contexto da concorrência diante da integração dos mercados leva as empresas nacionais a um processo irreversível de transformação para que possam ser competitivas internacionalmente. Este processo é bastante complexo e exige a cada instante um ritmo mais intenso de mudanças tecnológicas e de gestão. Todas as áreas organizacionais estão sujeitas a essa exigência, porém pode-se afirmar que nenhuma outra sinta os impactos da competitividade como as empresas do setor industrial, nas quais o uso de técnicas modernas de gestão e novas tecnologias de processo são fatores determinantes para a obtenção de um posicionamento competitivo sustentável. Dentro desse enfoque, duas grandes correntes filosóficas para administração da produção e de materiais surgiram nos últimos trinta anos com o objetivo de propiciar vantagens competitivas às empresas que as utilizam: a filosofia Just-incase (tradicional) e a filosofia Just-in-time (apenas a tempo). A filosofia just-in-time (apenas a tempo) procura atender as necessidades do mercado com base em técnicas que puxam a produção, ou seja, mediante a venda de um determinado produto é desencadeado, do final para o início do processo, um sistema de informação que permite a reposição imediata dos diversos componentes do produto nas suas diferentes etapas do processo produtivo. Essa filosofia tem como objetivo evitar qualquer tipo de atividade que não agregue valor ao produto, devendo ser eliminados todos os tipos de desperdícios existentes no processo fabril. A filosofia just-in-case (tradicional) é operacionalizada por técnicas que empurram a produção, procurando sempre minimizar os custos totais envolvidos dentro da estrutura produtiva. A implantação dessa filosofia requer a utilização de meios computacionais, equipamentos e programas do sistema, visando a viabilização de seus princípios básicos. Dentre esses sistemas, os mais conhecidos são

2 o MRP (Material Requirements Planning), voltado exclusivamente para a questão da administração de materiais, e o MRPII (Manufacturing Resources Planning) que, partindo do módulo básico do MRP e tendo a adição de módulos para planejamento e controle de produção (capacidades, compras, custos, etc.) tem como objetivo o gerenciamento de todo o processo produtivo. No sentido de contribuir para um melhor entendimento do sistema MRP foi desenvolvido este estudo, cujo objetivo fundamental foi a verificação do desempenho apresentado por empresas industriais selecionadas, segundo a análise de indicadores, que podem ser relacionados ao uso e implantação deste sistema no planejamento das necessidades de materiais. É importante mencionar que a literatura consultada identifica casos de sucessos e insucessos referentes a diversos processos de implantação de sistemas MRP, todos eles ocorridos nos Estados Unidos da América. White et al. (1982) desenvolveram a pesquisa mais conhecida sobre o processo de implementação do Sistema MRP nas empresas industriais americanas, com o apoio e patrocínio da APICS Educational and Research Foundation. Em contrapartida, Corrêa (1988) identificou a necessidade de ampliação dos conhecimentos sobre a utilização de sistemas MRP, fato esse pouco explorado pelos pesquisadores e usuários do referido sistema no Brasil, o que pode ser comprovado pela falta de literatura nacional a respeito. Do ponto de vista da importância do estudo para a prática empresarial, pode-se colocar que as empresas industriais investem um alto volume de recursos na implantação de sistemas MRP, e, normalmente não possuem mecanismos para aferição dos resultados efetivamente obtidos após o processo de implantação. 2. O SISTEMA MRP O sistema MRP para planejamento das necessidades de materiais é considerado como o que mais tem sido implantado pelas empresas industriais em todo o mundo. Embora seu conceito básico já existisse na década de 50, foi a partir de 1970 que essa técnica começou a ser difundida, principalmente graças ao trabalho de divulgação feito pela APICS American Production and Inventory Control Society, associação criada no ano de 1957 em Cleveland, USA. Joseph Orlicky, que diversos autores consideram ser o pai do moderno MRP, chamou o MRP de uma Revolução Copérnica, pois ele é tão diferente das tradicionais abordagens para planejamento e controle da manufatura quanto o modelo Copérnico de rotação da Terra ao redor do Sol foi do velho modelo de rotação do Sol ao redor da Terra (Vollmann, Berry e Whybark 1997). O conceito básico do sistema MRP (Material Requirements Planning) para planejamento das necessidades de materiais, em tradução livre, segundo o APICS Dictionary (1995) é: um conjunto de técnicas que utiliza dados da lista de materiais, registros de estoque e do planejamento-mestre da produção (MPS) para calcular necessidades de materiais. Ele faz recomendações para a realização do replanejamento das ordens para o material. Além disso, em função do seu registro período a período, ele faz recomendações para reprogramação das ordens abertas quando as datas prometidas e as datas necessárias não foram cumpridas. O registro período a período inicia com os produtos listados no MPS e determina (1) as quantidades de todos os componentes e materiais necessários para fabricar aqueles produtos e (2) a data em que os componentes e materiais são necessários. O registro período a período é executado pela explosão da lista de materiais, ajustado pelo estoque disponível (em mãos) ou encomendado, eqüivalendo as necessidades líquidas nos apropriados tempos de reposição.

3 As primeiras aplicações computadorizadas para geração das necessidades de materiais somente processavam listas de materiais, ou conforme Corrêa e Gianesi (1993) convertia um plano de produção de um produto final em um plano de compras ou produção de seus itens componentes. Esse novo enfoque, chamado de nova revolução industrial teve início em 1965 com o desenvolvimento de uma nova abordagem pela IBM Manufacturing Industries Marketing, divisão da IBM Corporation, que tinha como objetivo inicial o processamento de listas de materiais e a posterior originaram um conjunto integrado de aplicações básicas denominado PICS Production Information and Control System, que deveria ser aplicado na maioria das empresas industriais americanas. Wight (1974) identifica que com o advento do uso em massa do computador, houve uma mudança profunda no comportamento das empresas, e a geração das necessidades de materiais tornou-se um fato comum A lógica do cálculo das necessidades de materiais O mecanismo para cálculo das necessidades de materiais é composto de procedimentos que têm por objetivo calcular a quantidade necessária de itens que, somada às disponibilidades atuais e projetadas, atende às necessidades previstas de itens em um determinado período de tempo. Esse cálculo é obtido por meio de abordagem backward (de trás para frente) aplicada sobre os tempos de ressuprimento, sendo estes informados antecipadamente ao sistema. Orlicky (1975) indica que a função básica do planejamento das necessidades de materiais é a conversão de necessidades brutas em necessidades líquidas, dentro do período de tempo necessário. Segundo Slack et al. (1997), o cálculo de necessidades é um processo que o sistema efetua, recebendo as informações do plano mestre de produção e calculando a quantidade e momento em que essas necessidades irão satisfazer a demanda. Dentro do sistema MRP, as quantidades líquidas necessárias são sempre relatadas em função do tempo, alguma data ou período determinado, para todos os itens fabricados e comprados por uma empresa, com base em informações sobre necessidades previstas dos produtos por ela comercializados. Essas quantidades são calculadas mediante a utilização da seguinte fórmula: NL = NB RP ED Onde: NL são as necessidades líquidas no início do período t; NB são as necessidades brutas durante o período t; RP representam as quantidades que compõem os recebimentos programados, ordens em andamento e que devem estar disponíveis no início do período t; ED representam os estoques disponíveis, quantidades em estoque do item em questão. Uma vez estabelecidas as necessidades líquidas dos componentes, ordens são emitidas para compras ou fabricação dos diversos componentes. No caso dos componentes fabricados, o sistema MRP alimenta o módulo de cálculo das necessidades de capacidade (CRP Capacity Requirements Planning) a fim de que sejam calculadas as capacidades necessárias para a realização desses itens, com base nos roteiros de fabricação previamente definidos Benefícios da implantação do sistema MRP

4 Os benefícios que um sistema MRP, em operação e corretamente implantado, pode propiciar às empresas industriais são numerosos. A literatura pesquisada (Vollmann, Berry e Whybark 1997, Sum et al e Toomey 1996) é unânime na consideração dos seguintes benefícios: 1º) Melhoria do nível de serviço ao cliente, o que pode ocasionar um aumento das vendas, a melhoria da posição competitiva e a capacidade para manutenção do nível existente das vendas. A melhoria do nível de serviço também pode trazer uma resposta mais rápida às necessidades do cliente pela redução dos prazos de entrega, possibilitando entregas no momento desejado e manutenção das datas prometidas. 2º) Melhoria do planejamento e programação são alcançados tanto para os itens fabricados dentro da própria empresa quanto para os itens comprados, o que gera aumento de produtividade e redução de custos para ambos os itens, manufaturados e comprados. Redução do capital investido e do espaço físico são conseguidos pelos menores níveis de estoques de matéria-prima, material em processo e produtos acabados. 3º) Melhoria da coordenação das atividades operacionais, considerado como o maior benefício por propiciar que todos os usuários do sistema estejam na mesma sintonia, utilizando as mesmas informações, e reduzindo os desperdícios de mão-de-obra e equipamentos existentes dentro das empresas industriais. Wight (1993) estima alguns benefícios significativos que as empresas industriais podem obter quando da implantação e uso adequado do sistema MRP, conforme apresentado no Quadro 1. Benefícios Índice estimado (%) Redução do Investimento em Estoques Redução do Prazo de Entrega Redução do Custo de Compras (Aquisição) 5 Fonte: adaptado de Wight (1993) Quadro 1 Benefícios relativos à implantação e uso do MRP 2.3. Indicadores de Desempenho relacionados ao MRP Os indicadores de desempenho são formas de representação quantificáveis das características de produtos e processos utilizados pelas organizações para monitorar e corrigir o desempenho de seus produtos e processos ao longo do tempo. A apuração de resultados por meio de indicadores permite uma avaliação da empresa industrial em relação a sua meta e a outros referenciais, subsidiando as tomadas de decisão e o replanejamento, sempre que necessário. Plossl (1991) enfatiza que uma medição efetiva de desempenho deve levar a organização a desprezar um volume trivial de dados e focalizar seus fatos vitais, quer sejam eles físicos ou financeiros. Os três fatores que assumem maior importância, e portanto devem ser monitorados constantemente, são relacionados a: - Habilidade de satisfazer, não apenas servir, os clientes; - Ataques inflexíveis sobre todos os custos para produzir margens de lucro em todos os produtos comercializados; - Reduções constantes das necessidades de capital. Segundo Juran (1992), a unidade ideal de medida a ser utilizada para avaliação de sistemas produtivos deve possuir algumas características principais:

5 - Ser compreendida facilmente, - Possibilitar uma base consensual para tomada de decisões, - Ter uma aplicação ampla, - Conduzir a uma interpretação uniforme, - Ser de aplicação econômica, e - Ser compatível com os sensores existentes. Conforme Vollmann, Berry e Whybark (1997), os sistemas orientados para o atendimento de necessidades em períodos determinados têm como medida óbvia de desempenho os prazos obtidos. Quando utilizados em ambiente MRP, os indicadores de desempenho pretendem quantificar e analisar o impacto de variáveis em determinados parâmetros, normalmente relacionados a custos, estoques e tempos. Os critérios normalmente utilizados pelos diversos autores podem ser enquadrados na seguinte classificação: (a) Custos; (b) Tempo; (c) Quantidades; (d) Lucro. Para atender ao objetivo do estudo foram pesquisados os indicadores de desempenho a seguir relacionados: 1. Giro ou Rotação dos Estoques (n.º de vezes por ano): quantidade de vezes em que o estoque é renovado por ano, tendo como referência o estoque médio. 2. Prazos de Entrega (dias): prazo de fornecimento do produto acabado ao cliente, compreendendo todo o ciclo administrativo e produtivo. 3. Cumprimento dos Prazos de Entrega (%): índice de atendimento das datas de entrega prometidas no período em questão. 4. Confiabilidade dos Prazos de Entrega (%): índice de acerto no fornecimento dos prazos de entrega aos clientes no período em questão. 5. Pedidos Não Atendidos por Indisponibilidade de Material no Estoque (%): índice representativo do número de pedidos que não foram entregues por falta de material no estoque. 6. Tempo de Cobertura do Estoque de Matériais-Primas (dias): quantidade de dias de produção suportados pelo estoque de matérias-primas. 7. Tempo de Cobertura do Estoque de Produtos Acabados (%): quantidade de dias de vendas suportados pelo estoque de produtos acabados. 8. Redução do Nível do Estoque de Matérias-Primas (%): índice de redução dos estoques de matéria-prima em relação ao período anterior à implantação do Sistema MRP. 9. Redução do Nível do Estoque de Material em Processo (%): índice de redução dos estoques de material em processo em relação ao período anterior à implantação do Sistema MRP. 10. Redução no Nível do Estoque de Produtos Acabados (%): índice de redução dos estoques de produtos acabados em relação ao período anterior a implantação do Sistema MRP. 11. Número de Faltas de Itens (%): índice de faltas de itens no período em questão. 12. Tempo de Ciclo da Ordem (dias): tempo gasto do recebimento até a entrega da ordem. 13. Atraso Médio entre Previsto e Realizado (dias): média da diferença entre prazos previstos e realizados. 14. Investimento Médio no Estoque, em relação ao Faturamento (%): média de investimentos em estoques (em moeda) para todos os níveis dividido pelo faturamento da empresa. 3. A PESQUISA

6 Foram pesquisadas 6 (seis) empresas industriais, escolhidas de forma não-probabilística e por conveniência (Mattar 1997), que atenderam o requisito básico de possuírem o sistema MRP para planejamento das necessidades de materiais implantado há pelo menos 2 (dois) anos. As empresas industriais foram escolhidas, propositadamente, de diferentes setores de atividades, pois a intenção da pesquisa não era caracterizar o estudo em um determinado setor ou tipo de atividade, mas levantar dados e analisar o desempenho apresentado por aquelas empresas após a implementação do sistema MRP Empresas pesquisadas Por motivo de sigilo, as empresas estudadas foram denominadas de A, B, C, D, E, e F, sendo descritas brevemente a seguir: 1) Empresa A: fabricante pertencente ao setor de autopeças, localizado no município de Guarulhos São Paulo. 2) Empresa B: fabricante pertencente ao setor de artefatos de borracha, localizado no município de Campinas São Paulo. 3) Empresa C: fabricante pertencente ao setor de bens de capital, localizado no município de São Paulo São Paulo. 4) Empresa D: fabricante pertencente ao setor de bens de capital, localizado no município de São Paulo São Paulo. 5) Empresa E: fabricante pertencente ao setor químico, localizado no município de Valinhos São Paulo. 6) Empresa F: fabricante pertencente ao setor gráfico, localizado no município de Tatuí - São Paulo. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS Alguns dos principais resultados obtidos da pesquisa efetuada nas empresas industriais são apresentados e analisados à seguir Acuracidade das informações geradas pelo sistema MRP A acuracidade ou confiabilidade dos dados de entrada é considerada como um dos requisitos básicos para a operacionalização do sistema MRP. Assim, registros sobre estruturas de produtos, posição dos estoques, fornecedores e respectivos desempenhos históricos, previsão de vendas e tempos de fabricação e aquisição devem ser fornecidos com exatidão ao sistema antes da implantação e, aferidos à posterior. A Tabela 1 apresenta, segundo a opinião dos entrevistados, o desempenho das empresas industriais quanto à confiabilidade das informações após a implantação do sistema MRP, utilizando a seguinte escala do grau de acuracidade: 1 Baixo, 2 Médio, 3 Satisfatório e 4 Alto. GRAU DE ACURACIDADE ESCALA [1 a 4] ELEMENTOS DESVIO COEFICIENTE MÉDIA PADRÃO DE VARIAÇÃO PREVISÃO DE VENDAS 2,67 0,47 17,6% PLANO MESTRE 2,50 0,50 20,0%

7 DA PRODUÇÃO ESTRUTURA DOS PRODUTOS ESTOQUE DE MATÉRIAS-PRIMAS ESTOQUE DE SEMI-ELABORADOS ESTOQUE DE PRODUTOS ACABADOS PRAZO DE ENTREGA DO FORNECEDOR TEMPO DE FABRICAÇÃO (LEAD TIME) 3,67 0,47 12,8% 3,17 0,37 11,7% 3,00 0,58 19,3% 3,17 0,37 11,7% 3,00 0,58 19,3% 3,33 0,47 14,1% Tabela 1 Grau de acuracidade das informações geradas pelo MRP Foi escolhida a média aritmética de dados não-agrupados como medida de posição para análise do grau de acuracidade das informações geradas pelo sistema MRP. Com relação ao grau de acuracidade dos elementos do sistema MRP pesquisados, pode-se observar que as médias encontradas são bastante significativas, representando um desempenho satisfatório das empresas quanto à acuracidade das suas informações após a implantação do sistema MRP. Excetuandose os elementos PREVISÃO DE VENDAS e PLANO MESTRE DE PRODUÇÃO, todos os demais obtiveram resultados entre satisfatório e alto para grau de acuracidade. Dessa forma, a falta de exatidão dos dados do sistema, uma das causas dos fracassos na utilização do MRP, pode ser descartada em função das respostas fornecidas pelos seus principais usuários Indicadores de desempenho da gestão de materiais A motivação básica e a relevância deste trabalho foi analisar a maneira pela qual as empresas industriais pesquisadas observaram os seus respectivos desempenhos após a implantação do sistema MRP, o que é apresentado na Tabela 2. Antes da Implantação Depois da Implantação INDICADORES DE DESEMPENHO Giro (Rotação) dos Estoques (número de vezes por ano) Prazos de Entrega (dias) Cumprimento dos Prazos de Entrega (%) Confiabilidade dos Prazos de Entrega (%) Pedidos Não Atendidos por Indisponibilidade de Material no Estoque (%) Tempo de Cobertura do Estoque de Matérias-Primas (dias) Tempo de Cobertura do Estoque de Produtos Acabados (dias) Média Desvio Padrão Coeficiente de Variação Média (ATUAL) Desvio Padrão Coeficiente de Variação 6,3 8,06 127,3% 13,7 16,7 122,5% 37,8 37,9 100,3% 23,2 26,2 113,0% 76,0 21,2 28,0% 86,7 21,3 24,6% 81,0 17,9 22,2% 92,5 26,2 28,3% 7,2 4,4 61,5% 2,5 1,4 55,6% 64,2 30,2 47,7% 40,3 23,1 57,3% 45,0 17,3 38,5% 20,8 10,2 48,8%

8 Nível do Estoque de Matérias-Primas (%) Nível do Estoque de Material em Processo (%) Nível do Estoque de Produtos Acabados (%) Número de Faltas de Itens (%) Tempo de Ciclo da Ordem (dias) Atraso Médio entre Previsto e Realizado (dias) Investimento Médio no Estoque em Relação ao Faturamento (%) 100 (Base) 60 15,3 25,5% 100 (Base) 63,3 12,5 19,7% 100 (Base) 66,7 11,1 16,6% 15,5 14,1 91,2% 6,7 7,8 116,9% 34,2 28,8 84,2% 19,0 20,6 108,3% 6,2 3,9 62,4% 1,8 0,9 49,2% 42,5 12,8 30,2% 23,3 8,9 38,5% Tabela 2 Indicadores de desempenho da gestão de materiais Pode-se verificar que alguns indicadores de desempenho apresentam o coeficiente de variação acima de 50%, o que indica um alto grau de dispersão ao redor da média (MARTINS e DONAIRE 1990). Para esses casos, a média aritmética possui pequena representatividade, mesmo porque esses indicadores dependem do setor específico de atividade das empresas pesquisadas, porém os percentuais de melhoria atingidos são comparáveis entre si. A Tabela 3 identifica a mediana para o grupo de indicadores de desempenho com coeficiente de variação acima de 30%, fornecendo subsídios adicionais para a análise dos resultados apresentados pelas empresas industriais pesquisadas. INDICADORES DE DESEMPENHO Giro (Rotação) dos Estoques (número de vezes por ano) Prazos de Entrega (dias) Pedidos Não Atendidos por Indisponibilidade de Material no Estoque (%) Tempo de Cobertura do Estoque de Matérias-Primas (dias) Tempo de Cobertura do Estoque de Produtos Acabados (dias) Número de Faltas de Itens (%) Tempo de Ciclo da Ordem (dias) Atraso entre Previsto e Realizado (dias) Investimento Médio no Estoque em Relação ao Faturamento (%) Antes da Implantação Depois da Implantação (ATUAL) MEDIANA MEDIANA 2,5 5,0 40,0 7,5 6,0 2,5 80,0 52,5 52,5 25,0 6,5 1,5 30,0 10,0 6,5 1,5 37,5 20,0 Tabela 3 Posição central dos indicadores selecionados

9 A influência decisiva do sistema MRP no desempenho das empresas industriais é confirmada pelos dois métodos estatísticos utilizados, e, verificada segundo os benefícios tangíveis mostrados na Tabela 2 e na Tabela 3. As melhorias apresentadas depois da implantação são substanciais e representam uma economia fantástica de recursos para as empresas que implementaram o sistema MRP, independentemente do seu setor de atividade Benefícios alcançados após a implantação do sistema MRP Foi solicitado aos entrevistados que informassem o grau de melhoria proporcionado para cada um dos benefícios intangíveis (subjetivos), observando-se a seguinte escala do tipo Likert, de diferencial semântico: 1 Sem/pouca Importância, 2 Alguma Importância, 3 Importante, 4 Grande Importância. O resultado médio das respostas obtidas é apresentado na Tabela 4. GRAU DE MELHORIA BENEFÍCIOS MÉDIA DESVIO COEFICIENTE PADRÃO DE VARIAÇÃO APICS(1) Melhoria da Posição Competitiva 3,0 0,67 22,3% 2,1 Melhoria da Satisfação do Cliente 3,0 1,0 33,3% 2,5 Melhor Programação da Produção 3,0 0,67 22,3% 2,7 Melhoria de Eficiência da Fábrica 2,3 0,47 20,4 2,4 Redução dos Estoques de Segurança 2,8 0,69 24,6% 2,5 Redução Efetiva dos Custos 3,0 1,22 40,7% N/D (2) Melhor Estimativa do Custeio 2,7 1,10 40,7% 2,2 Melhor Controle dos Estoques 3,3 0,75 22,7% 3,0 Melhoria da Coordenação entre Vendas e Produção 3,2 0,69 21,6% 2,4 Melhoria do Moral do Pessoal Operacional 1,7 0,75 44,1% 2,3 Melhoria no Relacionamento com os Fornecedores 2,0 0,82 41,0% N/D (2) (1) pesquisa conduzida por Schroeder et al. (1981). (2) N/D: Informação não-disponível na pesquisa realizada pela APICS. Tabela 4 Benefícios alcançados com o sistema MRP Os resultados médios apresentados podem ser considerados como representativos das respostas fornecidas pelas empresas industriais, tendo em vista o coeficiente de variação apresentado por cada benefício. Apesar da cautela que se deve ter com relação aos resultados obtidos, é extremamente positivo verificar que as empresas pesquisadas identificaram melhorias substanciais na maioria dos benefícios relacionados, sendo destacados o MELHOR CONTROLE DOS ESTOQUES e a MELHORIA DA COORDENAÇÃO ENTRE VENDAS E PRODUÇÃO. Os números finais em relação a esses dois benefícios apresentam muito pouca dispersão dos graus de melhoria atribuídos, sendo ambos considerados como resultantes importantes da implantação do sistema MRP.

10 De forma contrária, a MELHORIA DO MORAL DO PESSOAL OPERACIONAL ficou localizada entre sem/pouca importância e alguma importância, confirmando o baixo envolvimento do pessoal operacional no processo de implantação do MRP. É importante salientar que esses resultados são ainda mais impressionantes quando comparados com os da pesquisa APICS mencionada (Schroeder et al., 1981). Com exceção da MELHORIA DE EFICIÊNCIA DA FÁBRICA, todos os demais graus de melhoria são superiores aos das empresas norte-americanas, mostrando que as empresas brasileiras estão obtendo resultados extremamente significativos da implantação do sistema MRP. 5. CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados apresentados referentes as investigações realizadas sobre a influência do sistema MRP no desempenho das empresas industriais pesquisadas permitem, entre outras, as seguintes conclusões: a)- Em relação ao capital investido em estoques Os estoques passaram a ter o seu giro (ou rotação) aumentado em 100% (de 2,5 para 5,0 vezes por ano), levando-se em consideração a mediana das empresas pesquisadas, significando que houve uma melhoria na utilização dos recursos financeiros das empresas após a implantação do sistema MRP. A redução média dos níveis dos estoques de matéria-prima, material em processo e produtos acabados em 40%, 36,7% e 33,3%, respectivamente, comprovam a eficiência desse tipo de sistema para a minimização do capital investido em estoques, o que também é confirmado pela diminuição do investimento no estoque em relação ao faturamento em 17,5%. b)- Em relação ao custo de manutenção dos estoques O tempo de cobertura para os estoques de matérias-primas e produtos acabados apresentaram alterações sensíveis quando comparados com a situação existente antes da implantação do sistema MRP, alcançando as reduções percentuais de 65,3% e 47,6%, respectivamente. Pode-se afirmar que essas reduções propiciaram às empresas uma menor necessidade de área para armazenagem e movimentação de seus estoques, o que significa dizer menor custo para manutenção dos estoques e aumento da vantagem competitiva de cada empresa, pela diminuição de atividades que não agregam valor aos produtos fabricados. c)- Em relação aos prazos de entrega A redução extremamente significativa dos prazos de entrega aos clientes de aproximadamente 61%, em média de 37,8 para 23,2 dias, representa a obtenção de uma importante vantagem competitiva, confirmando também que um dos objetivos básicos para a implementação do sistema MRP foi alcançado pelas empresas pesquisadas. A redução do tempo de ciclo de aproximadamente 55,6%, em média de 34,2 para 19,0 dias, indica uma grande melhoria do fluxo de materiais dentro do processo produtivo, obtendo as empresas maior velocidade no atendimento das necessidades de seus clientes. Os indicadores referentes a cumprimento e confiabilidade dos prazos de entrega também foram afetados positivamente pela implantação do sistema MRP, tendo sido observados, em média, ganhos de 10,7% e 11,5%, respectivamente. O nível de serviço ao cliente obteve uma enorme alavancagem por meio do melhor desempenho verificado nestes dois indicadores. d)- Em relação aos benefícios intangíveis Dos 11 (onze) prováveis benefícios intangíveis pesquisados, 2(dois) obtiveram grau de melhoria entre importante e grande importância: melhor controle dos estoques e melhoria da coordenação entre vendas e produção; 4 (quatro) com grau de melhoria importante: melhoria da posição

11 competitiva, melhoria da satisfação do cliente, melhor programação da produção e redução efetiva dos custos; 3 três) com grau de melhoria entre alguma importância e importante: melhoria de eficiência da fábrica, redução dos estoques de segurança e melhor estimativa do custeio; 1 (um) com grau de melhoria alguma importância: melhoria no relacionamento com fornecedores; 1 (um) com grau de melhoria sem importância: melhoria do moral do pessoal operacional. Estas indicações do grau de melhoria mostram que as empresas consideraram a implantação do sistema MRP como um fato significativo e relevante na melhoria dos seus desempenhos Os resultados evidenciam que as empresas usuárias do sistema MRP conseguiram, em média, obter uma parte substancial dos benefícios potenciais deste tipo de sistema, tanto os de natureza qualitativa como quantitativa, confirmando assim as premissas básicas mencionadas na literatura disponível de que a seleção e a implantação adequadas influem decisivamente na melhoria do desempenho das empresas industriais. O presente trabalho não pretendeu generalizar a realidade das empresas industriais quanto a utilização do sistema MRP, devido a pouca representatividade da amostra pesquisada. Estudos adicionais, em âmbito nacional, devem ser realizados para possibilitar uma análise mais representativa dos indicadores de desempenho e benefícios obtidos após às implantações realizadas nas empresas industriais brasileiras, bem como os condicionantes de sucessos e insucessos. Portanto, os resultados deste estudo abrem perspectivas a diversas pesquisas que poderão dar continuidade à ampliação dos conhecimentos sobre a utilização de sistemas derivados do MRP, tais como o Planejamento dos Recursos de Manufatura (MRPII Manufacturing Resources Planning) e o Planejamento dos Recursos Empresariais (ERP Enterprise Resouces Planning), sendo este último a moda organizacional dos dias atuais. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN PRODUCTION AND INVENTORY CONTROL SOCIETY. APICS Dictionary. Falls Church: APICS, 1995, 8 a. ed. CORRÊA, Henrique L. Sistemas Integrados de Planejamento de Recursos de Manufatura: Contribuição à Análise de Adequação e Aplicação. São Paulo: (Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo), CORRÊA, Henrique L., GIANESI, Irineu G.N. Just in time, MRP II e OPT: um Enfoque Estratégico. São Paulo: Atlas, JURAN, Joseph M. A Qualidade desde o Projeto: Novos Passos para o Planejamento da Qualidade em Produtos e Serviços. São Paulo: Pioneira, MARTINS, Gilberto de A., DONAIRE, Denis Princípios de Estatística. São Paulo: Atlas, 1990, 4 a ed. MATTAR, Fauze N. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas. 2 v., 1997, 4 a ed. ORLICKY, Joseph. Material Requirements Planning: the New Way of Life in Production and Inventory Management. New York: McGraw-Hill, PLOSSL, George W. Managing in the New World of Manufacturing: How Companies Can Improve Operations to Compete Globally. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, SCHROEDER, Roger G., ANDERSON, John C., TUPY, Sharon E., WHITE, Edna M. A Study of MRP Benefits and Costs. Journal of Operations Management.Minnesota: 2 (1): 1-9, 1981.

12 SLACK, Nigel et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, SUM, Chee C., ANG, James S.K., YEO, Lei N Contextual Elements of Critical Sucess Factors in MRP Implementation. Production and Inventory Management Journal. Falls Church: 38 (3): 77-83, TOOMEY, John W. MRPII: Planning for Manufacturing Excellence. New York: Chapman & Hall, VOLLMANN, Thomas E., BERRY, William L., WHYBARK, D. C. Manufacturing Planning and Control Systems. New York: McGraw-Hill, 1997, 4 a ed. WHITE, Edna M., ANDERSON, John C., SCHROEDER, Roger G., TUPY, Sharon E. A Study of the MRP Implementation Process. Journal of Operations Management. Minnesota: 3 (2): , WIGHT, Oliver W. The Executive s Guide to Successful MRPII. New York: John Wiley & Sons, 1993, 3 a ed.. Production and Inventory Management in the Computer Age. New York: Van Nostrand Reinhold, 1974.

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias George Paulus Pereira Dias paulus@proage.com.br 1998: Consultor em projetos na área de logística e planejamento com a utilização de técnicas de

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Sistemas de produção MRP & MRP II

Sistemas de produção MRP & MRP II Anais de Trabalhos Premiados Sistemas de produção MRP & MRP II Christian Botelho Lopes (Mecatrônica Industrial FATEC - Garça/SP) Email: christian.bl@hotmail.com Renan Henrique da Silva (Mecatrônica Industrial

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Atualizado em: 10/08/2010

Atualizado em: 10/08/2010 Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves Autorizada pela Portaria nº 3.895-MEC DOU 26.11.2004 PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Administração

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Um Perfil da Área de Administração da Produção no Setor de Autopeças na Região do ABC Paulista.

Um Perfil da Área de Administração da Produção no Setor de Autopeças na Região do ABC Paulista. Um Perfil da Área de Administração da Produção no Setor de Autopeças na Região do ABC Paulista. Autoria: João Evangelista de Andrade RESUMO O presente trabalho tem como objetivo conhecer os diferentes

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES COMO EVOLUÇÃO À CADEIA DE ABASTECIMENTO. UM ESTUDO APLICADO A UMA GRANDE INDUSTRIA ALIMENTÍCIA NO ESTADO DO CEARÁ

PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES COMO EVOLUÇÃO À CADEIA DE ABASTECIMENTO. UM ESTUDO APLICADO A UMA GRANDE INDUSTRIA ALIMENTÍCIA NO ESTADO DO CEARÁ PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES COMO EVOLUÇÃO À CADEIA DE ABASTECIMENTO. UM ESTUDO APLICADO A UMA GRANDE INDUSTRIA ALIMENTÍCIA NO ESTADO DO CEARÁ Harlenn dos Santos Lopes (UFPA ) harlenn@ufpa.br Francisco

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias Agenda 1. Apresentação MRP 2. Estudo de Caso 3. Apresentação da Planilha 4. Primeira rodada de tomada de decisões 5. Próximos passos MRP - Planejamento

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO 01 Alexandre Crepaldi 02 Celso Tomazini 03 Francine Lemes 04 Márcio Bernardo 05 Tábata Cristina 06 Tiago Tezzotto 07 Tied Humberto 1 O QUE É PCP? Plano de Controle de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Noções básicas de Administração da Produção. Noções básicas sobre a evolução do Pensamento Administrativo. Papel estratégico e objetivos da produção. Estratégia de produção. Projeto em gestão

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Artigo 09 Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos, Uso

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 0022/2012

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 0022/2012 Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino RESOLUÇÃO Nº 0022/2012 O Pró-Reitor de Ensino do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO 1 CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO Ana Caroline de Souza (Discente do 4º ano do curso de Administração-AEMS) Dayanny Karoliny Pedroso de Oliveira (Discente do 4º ano do curso

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Sorocaba 2011 PLANEJAMENTO 1

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Sorocaba 2011 PLANEJAMENTO 1 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP) Sorocaba 2011 PLANEJAMENTO 1 Alunos: Alexandre Crepaldi Celso Tomazini Francine Lemes Márcio Bernardo Tábata Cristina Tiago Tezzotto Tied Humberto Oliveira Nakahara

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Politron - jogo de empresas para treinamento gerencial em MRP II - um ano de aplicação no Brasil

Politron - jogo de empresas para treinamento gerencial em MRP II - um ano de aplicação no Brasil Artigo 08 Politron - jogo de empresas para treinamento gerencial em MRP II - um ano de aplicação no Brasil Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

MRP II E MANUFATURA ENXUTA: VANTAGENS, LIMITAÇÕES E INTEGRAÇÃO

MRP II E MANUFATURA ENXUTA: VANTAGENS, LIMITAÇÕES E INTEGRAÇÃO MRP II E MANUFATURA ENXUTA: VANTAGENS, LIMITAÇÕES E INTEGRAÇÃO João Murta Alves Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA - Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica - IEM Praça Mal. Eduardo Gomes, 50

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 5: PAPEL ESTRATÉGICO E OBJETIVOS DA PRODUÇÃO Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÃO COMO SUPORTE NOS MÉTODOS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO EM SERVIÇOS DE SÁUDE

O SISTEMA DE INFORMAÇÃO COMO SUPORTE NOS MÉTODOS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO EM SERVIÇOS DE SÁUDE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 1 AGOSTO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UM MODELO HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DO MRP II COM A MANUFATURA ENXUTA

UM MODELO HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DO MRP II COM A MANUFATURA ENXUTA UM MODELO HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DO MRP II COM A MANUFATURA ENXUTA João Murta Alves Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA - Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica

Leia mais

Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico

Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico Eng. Fabiane Ely Rio Grande Energia - RGE fely@rge-rs.com.br Eng. Filipe Müller

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES): FLÁVIO

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Plano mestre e RCCP MANUAL DE TREINAMENTO

Plano mestre e RCCP MANUAL DE TREINAMENTO Plano mestre e RCCP MANUAL DE TREINAMENTO 70-2810A MFG/PRO Versão eb Banco de dados: Demo Abril de 2001 Este documento contém informações patenteadas protegidas por leis de direitos autorais. Nenhuma parte

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Planejamento das Necessidades de Materiais

Planejamento das Necessidades de Materiais Planejamento das Necessidades de Materiais MRP MATERIALS REQUEREMENTS PLANNING Disciplina: GRM 12 Gestão de Sistemas de Produção FEMEC/UFU 1 MRP MATERIALS REQUEREMENTS PLANNING O MRP é uma técnica que

Leia mais

Universidade do Sagrado Coração

Universidade do Sagrado Coração Universidade do Sagrado Coração Questões Administração da Produção II 1. DEFINA QUALIDADE Qualidade é a conformidade com os padrões estabelecidos pela organização para um determinado produto, mas também

Leia mais

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso José Henrique de Andrade (EESC-USP) jandrade@sc.usp.br José Renato Munhoz (UFSCAR) renato.munhoz@citrovita.com.br

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais