Palavras Chave: Call center, Relacionamento com Clientes, Marketing, Marketing de Relacionamento, Marketing Direto e Telemarketing.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras Chave: Call center, Relacionamento com Clientes, Marketing, Marketing de Relacionamento, Marketing Direto e Telemarketing."

Transcrição

1 ! "$#&%' () *'+,(-. / #6*'798 O estudo do processo de implantação do call center na Cia. Luz e Força Santa Cruz em Piraju/SP. Sérgio Aparecido Donique Marlette Cássia Oliveira Pereira Resumo O call center é um importante canal de relacionamento entre a empresa e o cliente. A pesquisa apresenta os principais assuntos para implantar corretamente um call center e como estabelecer um contato eficaz com o cliente. O trabalho aborda assuntos sobre o marketing, marketing de relacionamento, marketing direto, telemarketing, descrevendo a importância desses elementos no contato com os clientes. Foi também realizado um estudo de caso numa empresa e elaborado um questionário para destacar as vantagens que o call center proporciona para a empresa. Palavras Chave: Call center, Relacionamento com Clientes, Marketing, Marketing de Relacionamento, Marketing Direto e Telemarketing. The study of the implanting process of the center call in the Luz e Força Santa Cruz Company in Piraju. Abstract The call center is an important channel of relationship between the company and the customer. The research shows the main subjects to implant a call center correctly and how to establish an effective contact with the customer. The work approaches subjects on the marketing, relationship marketing, direct marketing, telemarketing, describing the importance of these elements in the contact with the customers. It was also accomplished a case study in a company and elaborated a questionary to detach the advantages that the call center point out for the company. Key Words: Call Center, Relationship with Customers, Marketing, Marketing of Relationship, Direct Marketing and Telemarketing

2 1. INTRODUÇÃO Os avanços tecnológicos vêm representando uma importante vantagem competitiva e relacionada com as inovações tecnológicas, as informações se destacam como o referencial para a elaboração de estratégias e processos que direcionam as empresas para o desenvolvimento de produtos e serviços que satisfaçam seus consumidores. O mercado organizacional está em constante mudança e torna-se essencial que as empresas monitorem e se adaptem perante as novas tendências e mantenham-se competitivas e para Czinkota et al. (2001) através do planejamento de marketing podese acompanhar e elaborar estratégias que adaptem as organizações em relação as mudanças. O contato com o cliente é primordial para o monitoramento do mercado, por o ser totalmente influenciado pelas variações do mercado. No mercado competitivo de hoje, a experiência em marketing é essencial para manter a empresa prestadora de serviços profissionais ativa ou em crescimento. (Kotler, 2000 confirmar citação). O relacionamento entre empresa e cliente permite adquirir conhecimento sobre as pessoas, sendo estas informações primordiais para a identificação de seus perfis e segundo Gordon (1998) estabelecer o marketing de relacionamento que consiste [...] no processo contínuo e identificação e criação de novos valores com clientes individuais e o compartilhamento de seus benefícios durante uma vida toda de parceria. O autor destaca que o valor para o cliente consiste nos benefícios oferecidos pelos produtos e serviços em relação a seus custos e utilização, ou seja, é a avaliação do cliente em relação a utilidade do bem adquirido que deverá ser superior ao valor de aquisição. A tecnologia fornece através de seus recursos a otimização do relacionamento com o cliente, sendo que para Dantas (1997) a associação da telecomunicação com a informática resultou na telemática e o contato com os clientes tornou-se mais ágil e objetivo. O relacionamento com o cliente é aprimorado também pelas técnicas do marketing de relacionamento que através do Customer Relationship Management CRM, call center e telemarketing estabelecem comunicação com os clientes e fornecedores. O CRM utiliza-se da tecnologia para manter relacionamento com os clientes e as informações referentes deste contato serão registradas e processadas para melhorar as técnicas de relacionamento e inovar produtos e serviços para a satisfação dos clientes. O consumidor de hoje tem muito mais informações sobre produtos para fazer sua escolha, e conta com inúmeros canais de compra: shoppings gigantescos, lojas especializadas, sistemas de marketing direto, redes de home-shoppings e lojas virtuais na Internet. Além disso, é bombardeado a cada segundo por informações vindas de toda parte, através de todos os tipos de mídia. O cliente informado exige mais qualidade, menores preços e melhor assistência. (RABAÇA, 1996, p ) O telemarketing de acordo com Dantas (1997) tem como vantagem oferecer conforto e comodidade para os clientes, pois permite que realizem suas compras diretamente de sua residência.

3 Call Center ou centro de chamadas, tem como finalidade atender às necessidades dos cliente de uma empresa, dar informações, esclarecer dúvidas, resolver problemas. Conseguimos medir o grau de satisfação, através da análise das ligações recebidas, sinalizando a organização às mudanças necessárias. No Call center, o operador não exerce papel ativo de vendas, mas atua passivamente no registro de ocorrência. (CICONE, 2004, p. 36) O call center apresenta-se como essencial canal de comunicação com os clientes devido utilizar o telefone como principal meio de contato. 2. MARKETING A evolução sobre o conceito de marketing é gradativa. Dantas (1997), afirma que nos primórdios preocupava-se apenas com a distribuição e venda de produtos. Atualmente seus objetivos estão focados nas técnicas de otimização do relacionamento entre empresa e clientes sendo que Cicone (2004) define este relacionamento como o elemento essencial para a competição empresarial. Conforme citado, o foco principal estava nas vendas de produtos e com o passar dos tempos a relação entre cliente e empresa possibilitaram uma melhor compreensão do cliente e conseqüentemente a elaboração de estratégias que assegurassem o sucesso das organizações. A compreensão sobre as vendas e o marketing deve ser definida especificamente pelas empresas. Uma empresa voltada para vendas pressupõe que os consumidores não vão adquirir mercadorias e serviços que não julguem essenciais, e que a tarefa do pessoal de vendas seria justamente superar essa resistência e convencê-los a comprar (vender é apenas uma componente do marketing). Por outro lado, uma empresa voltada para o marketing orienta toda a empresa para o consumidor, com o objetivo de obter sucesso de longo prazo e fixação da boa imagem da marca para impulsionar novas vendas com a fidelização dos seus clientes. (RISSATO, 2004, p. 29) As vendas são fundamentais para a sobrevivência das empresas e elaborar estratégias para que o consumidor compre os produtos representa a permanência no mercado. O marketing através de seus métodos proporciona os requisitos para realizar negociações focalizando o cliente e não simplesmente o ato da venda. O marketing identifica produtos e serviços que satisfaçam aos consumidores segundo Czinkota et al. (2001) e o mercado organizacional embora seja influenciado pelas mudanças de comportamento das pessoas, torna-se primordial que os profissionais de marketing desenvolvam processos para monitorar os consumidores e adequar seus produtos e serviços para que atendam suas necessidades. O Marketing destina-se a trocas que podem ou não objetivar lucros e um importante diferencial para as empresas, consiste em elaborar produtos e serviços que demonstrem valor para os clientes, sendo que para Churchill (2003, p.13) valor é a diferença entre

4 as percepções do cliente quanto aos benefícios da compra e uso dos produtos e serviços e os custos em que eles incorrem para obtê-los. O Marketing voltado para o valor destina-se a identificar as razões pela quais os clientes são motivados a adquirir determinados produtos e serviços pressupondo que o valor da troca supere os custos da negociação e o produto ou serviço ofereça valor superior comparado a outros concorrentes. Para elaborar valores aos clientes, as empresas devem utilizar as ferramentas do composto de marketing que são o produto, preço, ponto de distribuição e promoção de acordo com Churchill (2003). O consumidor segundo Rabaça (2006) torna-se mais exigente em relação a qualidade dos produtos e serviços devido ao grande fluxo de informações provenientes dos inúmeros tipos de mídias e o autor ainda destaca que o cliente bem informado prioriza por menores preços e assistência. O autor relata que para concorrer neste mercado informatizado as empresas devem implantar sistemas sobre bases de dados contendo informações diversificadas sobre os clientes e utilizar estas informações na elaboração de estratégias para a satisfação total desses consumidores. O ambiente tecnológico constitui-se de pesquisas e estudos direcionados para a elaboração e inovação de produtos ou serviços. (Churchill, 2003). Os avanços da Tecnologia da Informação - TI, disponibiliza aos profissionais de marketing melhor relação com seus clientes e fornecedores, sendo que através destas inovações esta ocorrendo uma transição da sociedade industrial para a sociedade da informação segundo Shiozawa (1993), destacando que a informação é o elemento principal para o sucesso e permanência das empresas no mercado competitivo. O conhecimento científico, a pesquisa, as invenções e as inovações que resultem em bens e serviços novos ou aperfeiçoados constituem o ambiente tecnológico do marketing conforme Churchill (2003, p. 45). A informação vem se tornando o elemento principal dos avanços tecnológicos e a troca de informação entre empresa e cliente é fundamental para os profissionais de marketing. Os Sistemas de Informações são fundamentais para os executivos, pois de acordo com Jamil e Silva (2005) otimizam as decisões de marketing, focalizando a satisfação e a fidelização dos clientes, sendo que através da coleta de informações Las Casas (1991) relata que as empresas monitoram as mudanças ocorridas no cenário organizacional. O SIM pode ser definido como os recursos humanos e tecnológicos da empresa envolvidos de forma sistemática na coleta, qualificação, análise, disseminação e arquivo de informações relevantes às decisões de marketing. (LAS CASAS, 1997, p. 82) O SIM conforme Kotler (1998) otimiza as informações auxiliando as tomadas de decisões nas organizações e seus componentes são os sistemas de registro interno, atividades de inteligência de marketing, pesquisa de marketing e análise das decisões. O sistema de registro interno organiza as informações referentes a pedidos, preços e estoque. A inteligência de marketing fornece as informações diárias do ambiente de marketing, sendo obtidas através de jornais, revistas e conversas com consumidores. A pesquisa de Marketing é a elaboração de um estudo formal com o objetivo de solucionar determinadas situações da empresa, como a divulgação de produtos novos. A análise de decisão também denominada como Sistema de Apoio a Decisão de Marketing (SADM) organiza as informações referentes a empresa e ao ambiente. A tomada de decisão refere-se a uma questão de grande importância para os executivos, sendo que as melhores decisões serão aquelas fundamentadas em informações precisas que demonstrem a melhor opção a ser estabelecida. Torna-se importante destacar que

5 está ocorrendo uma padronização das empresas em relação à concorrência, pois além da tecnologia e a qualidade agregada nos produtos e serviços, a implantação de uma central de relacionamento será essencial para seu crescimento e sucesso. O objetivo desta central está em manter um contato com cliente e através de suas solicitações elaborar produtos e serviços que satisfaçam suas necessidades, segundo Cicone (2004). 3. MARKETING DE RELACIONAMENTO O Marketing de Relacionamento é o processo contínuo de identificação e criação de novos valores com clientes individuais e o compartilhamento de seus benefícios durante uma vida toda de parceria (GORDON, 1998, p. 31). As empresas segundo Bretzke (2000) estão vivenciando a era do marketing em tempo real, que consiste em disponibilizar informações para os clientes sobre os produtos e serviços oferecidos e atender a suas necessidades o mais rápido possível. O atendimento ao cliente torna-se essencial para melhorar o relacionamento. Para gerenciar as informações é necessário a aquisição de tecnologias que agilizem o processamento dos dados e otimizem as atividades de marketing. O marketing de relacionamento é essencial ao desenvolvimento da liderança do mercado, à rápida aceitação de novos produtos e serviços e a consecução da fidelidade do consumidor (BOGMANN, 2000, p. 23). Estabelecer contato com as pessoas resulta num processo natural de feedback, pois o cliente passa a fazer parte da elaboração, montagem e utilização do ciclo e vida do produto. O acompanhamento de todo o processo de elaboração e implantação dos serviços através de um bom relacionamento é possível monitorar o pensamento do público em relação a utilização dos produtos e serviços. O relacionamento com o cliente exige que a empresa esteja voltada para o processo de atender o cliente, em vez de estar voltada exclusivamente para seu operacional (BRETZKE, 2000, p. 16). As organizações que são focadas na hierarquia de comando e controle, segundo Bretzke (2000), classificam os indivíduos em os que comandam e aqueles que obedecem e nesta estrutura prevalece a visão de dentro para fora, ou seja, o foco é direcionado na gestão administrativa e não no cliente. De acordo com a autora os fatores como a criatividade e a inovação são elementos integrantes para o sucesso no atendimento ao cliente, pois influenciam na elaboração de novos produtos e serviços e ajudam as empresas a se adaptarem diante das mudanças organizacionais. O marketing de relacionamento tem como estratégia segundo Bogmann (2000), manter um relacionamento a longo prazo com o cliente e ao estabelecer essa comunicação objetiva-se beneficiar as duas partes envolvidas. As empresas de acordo com Bretzke (2000) têm que se reestruturar para estabelecerem relacionamentos eficazes com seus clientes e ao realizarem as mudanças devidamente planejadas, o retorno dos investimentos será garantido pela empresa ter reconhecido a importância em direcionar seus recursos para o relacionamento com os clientes. A autora ainda menciona que com a implantação do Customer Relationship Management CRM ou Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente, o processo de mudança torna-se favorável, pois além de reduzir os níveis hierárquicos permite que o cliente seja o elemento principal para a empresa. Essa é a meta em um mercado onde o diferencial está cada vez mais centrado no modo de fazer e não exatamente naquilo que

6 se faz e é certo que o CRM permite alcançar. CRM é uma sigla para Customer relationship Management (Gestão do Relacionamento com Clientes). Este conceito prevê a integração de todas as áreas de uma empresa, em particular o call center e as bases de dados corporativos, para administrar os contatos com público-alvo de modo a mantê-lo fiel, tornando as operações mais lucrativas. (MANCINI, 2001, p. 17) O gerenciamento do relacionamento do cliente, é essencial para o conhecimento dos clientes, sendo este fator de extrema importância para as empresas que desejam inovar e aprimorar seus produtos e serviços para a satisfação de seus clientes. Monitorar o comportamento e fatores que influenciam a decisão de compra são processos complexos e quando dominados pela empresa representam um importante diferencial. O CRM destaca-se como a ferramenta que definirá a vantagem competitiva. Para competir em tempo real, é preciso dotar a empresa de meios que permitam conhecer e relacionar-se de forma mais produtiva com os clientes. Esses meios integrados deram origem a um novo conceito, chamado de CRM Customer Relationship Management (Gerenciamento do relacionamento com o Cliente), definido como um conjunto de conceitos, construções e ferramentas compostas por estratégias, processos, softwares e hardwares. (BRETZKE, 2000, p. 15) O cenário organizacional está cada vez mais competitivo e o relacionamento com os clientes vêm se tornando prioridade para as empresas e no texto acima observa-se que a tecnologia tem disponibilizado importantes ferramentas para o aprimoramento deste relacionamento e o conceito de CRM tem como objetivo gerenciar este relacionamento através de recursos tecnológicos e processos estratégicos para que as empresas estabeleçam relações produtivas com seus clientes. O CRM é muito importante porque adquirir clientes, em geral, é muito mais oneroso para as organizações do que manter uma clientela já existente (STONE et al, 2001, p. 24). Adquirir novos clientes conforme o relato do autor torna-se extremamente oneroso para as empresas que devem estabelecer processos para manter os clientes atuais. Swift (2001, p. 8) menciona que o CRM baseia-se na premissa, atualmente bem conhecida, que custa menos manter os clientes atuais do que obter novos na realidade, cinco vezes menos. Através do CRM é possível estabelecer relacionamento a longo prazo com o cliente, sendo este fator de alta relevância para as empresas, pois manter os clientes atuais representa menos custo ao invés de conquistar novos clientes. Os benefícios apresentados pelo CRM, para Stone et al. (2001), podem ser analisados contabilmente pelos custos em adquirir clientes, por variações na quantidade de clientes e mudanças no comportamento de compra. Para Swift (2001, p. 17) o CRM fornece as capacidades para gerar produtos, serviços, resposta: individualização, personalização em massa e satisfação do cliente. O autor descreve que CRM é uma importante ferramenta para a satisfação do cliente, pois seu principal objetivo é o de identificar as necessidades dos clientes em relação aos produtos e serviços oferecidos, melhorando-os de acordo com a opinião dos próprios clientes.

7 O modelo de CRM reconhece que o relacionamento faz parte do mix de marketing e segundo Stone et al. (2001) em determinados momentos a opção de trabalhar com outros elementos desse mix é essencial para que os objetivos de marketing sejam alcançados. O CRM de acordo com Stone et al. (2001) deve identificar e conhecer as necessidades dos clientes e os recursos disponíveis pela empresa para supri-las e monitorar mudanças no comportamento do consumidor. O meio de comunicação utilizado pelo CRM segundo Stone et al. (2001), dependerá exclusivamente do contato a ser estabelecido. Um bom programa de CRM segundo Greenberg (2001) deve apresentar em tempo ágil as melhores decisões e estar acessível às pessoas relacionadas com os processos que envolvem assuntos que influenciam os consumidores. O aspecto mais significativo do processo de CRM é o aprendizado contínuo e a criação do conhecimento a respeito dos clientes, a fim de atingir objetivos e obter mais lucratividade a longo prazo (SWIFT, 2001, p. 36). O CRM de acordo com Swift (2001) inicia-se através do conhecimento do cliente quando as informações adquiridas são utilizadas nos processos de aprendizagem para a melhoria do relacionamento. Os benefícios e objetivos do processo do CRM são a retenção, obtenção e lucratividade dos clientes. Baseando-se no relacionamento, para Bretzke (2000) a mudança de maior destaque refere-se ao canal de comunicação onde o telemarketing é a parte integrante das estratégias de marketing e o Canal de Relacionamento ou Call Center passa a dar mais importância ao CRM e os vendedores não são mais os agentes principais no relacionamento com os clientes. O marketing direto segundo Bogmann (2000) pode ser classificado com uma ferramenta do marketing de Relacionamento. O Marketing Direto é uma importante ferramenta de comunicação com o mercado, seja para venda direta ao consumidor, seja para estímulo às vendas ao consumidor através dos canais tradicionais, seja como canal alternativo. É um instrumento de apoio eficiente para os negócios de qualquer empresa. (DANTAS, 1997, p. 26) O marketing direto empenha-se em realizar pedidos de compras diretamente dos clientes segundo Churchill (2003), sejam em suas residências ou locais de trabalho, disponibilizando vendedores ou utilizando correio, enviando e ligações telefônicas. Em suas origens o único contato era realizado pelo correio mas atualmente o marketing direto é aplicado por meio de revistas, telefones, computadores, emissoras de rádio e TV. Os clientes potenciais e os principais clientes atuais da empresa são identificados pelo marketing direto, que conforme Bacon (1994) elaboram estratégias que os atinjam por meio de mensagens pessoais através de contatos telefônicos, questionários ou visitas que resultam na resposta do receptor. As respostas imediatas são facilmente mensuráveis colaborando para a elaboração de planos e processos que direcionam os investimentos para que as campanhas sejam lucrativas para a empresa. Em vez de exibir sua mensagem para todo mundo, utilizando, por exemplo, cartazes, ele pode atingir pequenos grupos-alvo de pessoas ou consumidores com maior probabilidade de compra (BACON, 1994, p ). As quatro características que compõe o marketing direto segundo Kotler (1998, p. 544) são:

8 Não público. Normalmente, a mensagem é dirigida a uma pessoa específica. Sob medida. A mensagem pode ser adaptada para atrair o interesse da pessoa visada. Atualizado. A mensagem pode ser preparada com muita rapidez para ser transmitida a um indivíduo. Interativo. A mensagem pode ser alterada, dependendo da resposta da pessoa. O marketing direto além de ser mensurável segundo Bacon (1994), adapta-se aos orçamentos e mudanças referentes ás metas dos negócios e para Stone et al. (2001), possibilita quantificar precisamente os custos entre manter ou conquistar clientes. Os avanços tecnológicos e nos sistemas de telecomunicações segundo Dantas (1997) vem resultando em grandes mudanças nos processos de comunicação à distância. A informática associada com a telecomunicação tem colaborado favoravelmente para a administração dos sistemas de voz e computador. A verdadeira revolução da parceria entre telecomunicações e informática reside na intensidade com que tais soluções estão começando a ser utilizadas nas empresas, nos chamados call centers, ou SAC (Serviços de Atendimento ao Consumidor), complementarmente ao 0800, ao 0900 ou mesmo ao DDR (discagem direta a ramal), nas centrais de transmissão/recepção de fax, sistemas de homebanking e serviços de temarketing. (DANTAS, 1997, p. 53) Originalmente o telemarketing estava diretamente relacionado com as vendas realizadas pelo telefone, mas deve ser entendido como toda a maneira de estabelecer comunicação efetuada por meios telemáticos para a obtenção de determinados objetivos. A discagem automática e mensagens gravadas conforme Kotler (1998), são exemplos da automatização do telemarketing que ao serem direcionadas para clientes potenciais resultam em ótimos resultados, pois através de sistemas receptivcos e operadores especializados estes clientes efetuam suas compras no momento da ligação. O telemarketing pode ser aplicado de acordo com Dantas (1997) como canal de comunicação, canal de vendas e canal institucional. Porém antes de implantá-lo a empresa deve elaborar um planejamento calcular aos investimentos relacionados com equipamentos de telecomunicação e informática. O autor destaca que a utilização do telemarketing não pode interferir na privacidade do cliente, ressaltando a importância de um eficiente planejamento para identificar o melhor horário para estabelecer contato com o cliente. As vantagens abordadas por Dantas (1997) em relação ao telemarketing são velocidade de penetração, cobertura de forma controlada, capacidade de mensuração imediata, comodidade para o comprador, comunicação interativa, custo operacional menor e eficiência comprovada. O telemarketing segundo Las Casa (1992) classifica-se em ativo e receptivo. No telemarketing ativo a empresa realiza contato com o cliente e conforme Bacon (1994) as

9 empresas devem elaborar listas contendo números de telefones e disponibilizando-as para serem utilizadas em mala-direta e nos serviços de telemarketing. O telemarketing receptivo de acordo com Las Casas (1992) ocorre quando o cliente faz o contato com a empresa para solicitar serviços e informações, destacando que para Bacon (1994), mesmo as empresas não tendo possuindo operadores de telemarketing, estas realizam o telemarketing receptivo, pois no momento em que o funcionário atende um cliente ao telefone embora não saiba, está realizando a recepção desta pessoa. A implantação do telemarketing segundo Dantas (1997) tem que seguir as seguintes etapas, planejar telemarketing como componente da estratégias global de marketing da empresa, conseguir apoio da cúpula e dos outros setores da empresa, organizar, treinar pessoal envolvido, coordenar toda mídia associada, fazer um pré-teste, lançar uma campanha, gerenciar o programa e revisar o programa. O autor ao destacar o processo de implantação ressalta que o sucesso ou fracasso do telemarketing dependerá exclusivamente da elaboração do seu planejamento. 4. CALL CENTER É comum ouvirmos os termos call center, centro de atendimento ao cliente (sac), centros de interação com o cliente (cic), contact centers, hep desk, entre outros, sendo usados com o mesmo significado. (JAMIL E SILVA, 2005, p. 100) O call center conforme os autores pode ser definido como, Call verbo, que significa fazer uma requisição ou chamada, Center nome, que significa, uma área ou um ponto onde se desenvolvem atividades com objetivos determinados. Os autores ressaltam que independente da nomenclatura, o call center refere-se a um local onde se prioriza e estabelece o relacionamento com os clientes. O telefone é o instrumento de maior utilização nas centrais de relacionamento, mas o , fax, WEB e sites podem ser também utilizados para o contato com as pessoas. O Call center deve dispor de tecnologia de informação para a administração de seus processos e atender com eficácia grande quantidade de ligações simultaneamente. O atendimento do consumidor por telefone conforme Jamil e Silva (2005) surgiu nos meado de 1880 em Berlim quando um comerciante ao possuir um pequeno cadastro de seus clientes passou a oferecer seus produtos por telefone a essas pessoas. No Brasil por volta da década de 90, segundo os autores ocorreu um grande crescimento dos Call Centers nas empresas, devido a fatores como integração da informática com telecomunicações, aumento de linhas telefônicas e abertura econômica. A partir da abertura econômica, segundo Jamil e Silva (2005) empresas internacionais passaram a atuar no mercado brasileiro e as empresas nacionais para se adaptarem a este novo cenário tiveram que modificar sua estrutura organizacional para permanência e competitividade no mercado. A consolidação do Código de Defesa do Consumidor também foi importante para o avanço dos serviços de call center (Jamil e Silva (2005). A consolidação do Código de Defesa do Consumidor influenciou fortemente para a implantação dos Call Centers, pois tornou-se obrigatório que as empresas disponibilizarem informações sobre os produtos e serviços oferecidos e ao melhor métodos para o atendimento desta Lei era a implantação do Call Center. Aliado à tendência de crescimento de call centers, o Brasil também tem sido palco de desenvolvimento de serviços

10 terceirizados d atendimento. O fator que influi diretamente sobre essa tendência é a estratégia empresarial dos clientes das agências de call centers, que focam cada vez mais seus esforços na sua atividade fim, terceirizando aquilo que não se enquadra no seu contexto estratégico. (JAMIL E SILVA, 2005, p. 106) Os serviços terceirizados conforme os autores estão evoluindo no contexto organizacional e a principal vantagem para as empresas é a redução de custos, todavia com a terceirização ocorre a descentralização da operação e conseqüentemente a contratante não interage totalmente no contato com seus clientes. Uma das tendências previstas para o segmento de call centers é a expansão das operações offshore, termo que designa o atendimento ao mercado internacional nas centrais de atendimento (JAMIL E SILVA, 2005, p. 108). Para atender o mercado estrangeiro os call centers das empresas que almejam esses serviços terão que investir na melhoria dos serviços e na qualidade dos profissionais envolvidos com a central de atendimento. A implementação do Call Center conforme Jamil e Silva (2005) deve ser organizada em planejamento, operação e controle para que a empresa obtenha os resultados esperados. A elaboração do planejamento de acordo com Jamil e Silva (2005) é composta das seguintes etapas: diagnósticos estratégico, missão, instrumentos prescritivos e qualitativos. O centro de atendimento ao cliente não sobrevive sem um planejamento estratégico mercadológico definido e integrado ao plano de marketing da empresa. (JAMIL E SILVA, 2005, p. 111). O diagnóstico estratégico segundo os autores analisa os serviços externos e internos do call center. A análise externa verifica as ameaças e oportunidades que estão no ambiente do serviço e a melhor forma de se evitar ou usufruir dessas situações (JAMIL E SILVA, 2005, p. 111). Identificar as oportunidades e prevenir contra as ameaças permite a redução de possíveis falhas na elaboração de estratégias e processos. Segundo os autores os elementos analisados externamente são os consumidores, mercado, concorrentes, fornecedores, governo, tecnologias, aspectos culturais e financeiros da comunidade. Na análise interna se verificam os pontos fortes, fracos e neutros do serviço. Jamil e Silva ( 2005, p. 113). Os fatores da análise interna, conforme os autores são os sistemas de distribuição, análise dos produtos, novos produtos e serviços, força de vendas e prestação de serviços, promoção e propaganda, políticas mercadológicas, organização do departamento de marketing, processo produtivo, recursos humanos. Na fase de determinação da Missão procura-se focar no negócio do call center, por que ele existe (ou deve existir) e em que tipos de atividades a operação de call center se comentará no futuro (JAMIL E SILVA, 2005, p. 116). Definir a missão do Call Center é essencial para sua sobrevivência, pois suas metas e processos estratégicos serão elaborados a partir da missão estabelecida. Os instrumentos prescritivos e qualitativos segundo os autores, compõem a terceira fase do planejamento. Os instrumentos prescritivos estabelecem o que deve ser feito para o alcance da missão. Os instrumentos qualitativos constituem das projeções econômico financeiras do planejamento orçamentário (JAMIL E SILVA, 2005, p. 117). A fase de operação trata das atividades diárias do call center para prestação de serviços aos clientes (JAMIL E SILVA, 2005, p. 124). As atividades realizadas diariamente no

11 call center, são elaboradas na fase de operação e constituem-se de três elementos essências: pessoas, processos e ferramentas. O atendente de call center, de acordo com Jamil e Silva (2005) tornou-se mais qualificado para a realização dos serviços, atendendo aos clientes com mais agilidade e aprimorando-se em relação aos avanços tecnológicos. Ao estabelecer contato com cliente o atendente passa a representar a empresa e suas atitudes serão avaliadas pelo ouvinte, tornando primordial que durante o contato o estabelecimento da confiança para o cliente. A tecnologia do sistema de telefonia, os softwares inteligentes e os móveis ergonômicos são pontos que qualquer empresa que possui um call center pode ter (JAMIL E SILVA, 2005, p. 125). A tecnologia e seus recursos são importantes para a central de atendimento ao consumidor, mas segundo os autores o grande diferencial concentra-se no relacionamento. As empresas devem elaborar métodos que motivem os funcionários envolvidos no relacionamento com os clientes destacando ser este o fator primordial para o sucesso da organização. Sabemos que as características básicas que os agentes de call center devem possuir são boa enotação de voz, fluência verbal, boa comunicação, equilíbrio emocional, português adequado, postura, conhecimento de informática e, geralmente, segundo grau completo ou nível universitário. (JAMIL E SILVA, 2005, p. 126) Se o perfil é necessário o treinamento é fundamental para alcançar os resultados (JAMIL E SILVA, 2005, 128). O treinamento segundo os autores é essencial quando existem dúvidas sobre os equipamentos para execução do serviço e as informações que serão transmitidas aos clientes. O treinamento aplicado nos call centers, conforme Jamil e Silva (2005), podem ser classificados como treinamentos personalizados, ou seja, utiliza-se de modelos já aplicados em outras empresas, adequando-os a cultura e linguagem das pessoas que serão treinadas. O treinamento das equipes conforme os autores deve iniciar abordando as informações referentes ao produto, destacando a concorrência e tendências do mercado e quando a central de atendimento for informatizada, os atendentes devem ser capacitados para utilizarem os software e as técnicas de telemarketing serão a última parte do treinamento que abrangerá assuntos relacionados com o atendimento e vendas dos produtos ou serviços. O supervisor de call center de acordo com Jamil e Silva (2005) deve observar o atendente durante a execução do atendimento e após o término do contato identificar as falhas ocorridas e informar a maneira correta de se estabelecer o relacionamento. Tipicamente, os agentes são os únicos representantes da empresa que interagem com o cliente. Dessa forma, a impressão que cada agente passa é essencial ao sucesso ou fracasso do esforço de manter e reter o cliente (JAMIL E SILVA, 2005, p. 129). O agente do call center tem papel decisivo no sucesso ou fracasso do relacionamento com o cliente, pois no momento do contato o agente representa a empresa para o ouvinte. Os clientes estão mais exigentes e sua fidelidade com a organização pode ser comprometida em decorrência de concorrentes e devido a este motivo os agentes devem ser capacitados para realizarem um excelente contato para que o relacionamento seja um importante diferencial competitivo atendendo as exigências e necessidades dos consumidores.

12 O resultado do treinamento segundo Jamil e Silva (2005) pode ser identificado após três ou quatro dias destacando que a velocidade e o modo de aprendizagem variam entre as pessoas. Ocorrem alguns casos segundo os autores em que as pessoas se recusam em receber o treinamento e desempenhar suas habilidades. Os motivos desse bloqueio podem ser pessoais e os gerentes devem identificar e eliminá-los. Razões para a não aceitação do treinamento incluem não entendimento do conteúdo ou não entendimento sobre como implementar as novas habilidades (JAMIL E SILVA, 2005, P. 131). Os autores ressaltam que fatores que levam a não aceitação do treinamento devem ser analisados e resolvidos individualmente pelos gerentes e ao ser identificado falta de atitude ou desinteresse compete à gerência decidir a permanência ou substituição desses indivíduos. O supervisor de call center de acordo com Jamil e Silva (2005) tem como funções gerenciar as atividades do call center e estabelecer uma aliança entre o operacional e o estratégico da empresa que ao identificar as necessidades e problemas na operação do call center, reporta as informações para o estratégico relatando também as necessidades dos clientes. O supervisor segundo os autores deve acompanhar e motivar sua equipe e estar capacitado para auxiliar seus funcionários sempre que for solicitado. A ergonomia tem como objetivo produzir conhecimentos específicos sobre a atividade do trabalho humano. Utilizam-se métodos e técnicas para observar o trabalho humano (JAMIL E SILVA, 2005, p. 138). A ergonomia conforme citado utiliza-se de indicadores para analisar a complexidade do trabalho. Segundo os autores os aspectos como postura, exploração visual e deslocamento são fatores que devem ser observados nos atendentes de call center, sendo que os resultados desta análise serão utilizados para avaliar as condições de trabalho. Existem várias técnicas ergonômicas utilizadas para analisar o trabalho. Essas técnicas são dividas em técnicas objetivas e subjetivas (JAMIL E SILVA, 2005, p. 138). As técnicas objetivas, conforme os autores, consistem no registro das atividades realizadas num período, podendo ser realizada através de gravação em vídeo. As técnicas subjetivas são compostas por discursos, questionários e entrevistas, ressaltando que nesta técnica os dados obtidos podem divergir da situação real de trabalho. As empresas devem realizar processos para avaliar os aspectos ergonômicos de suas atividades e orientar os funcionários sobre a influência da ergonomia no trabalho sendo que Jamil e Silva (2005) destacam que a melhoria nos processos ergonômicos contribui para a motivação dos atendentes e conseqüentemente melhora o atendimento aos clientes. O call center quando implantado corretamente representa um importante diferencial para as empresas mas de acordo com Jamil e Silva (2005) muitas empresas não conseguem administrar corretamente todo o potencial do Call center. Os autores descrevem que para as empresas e seus call centers concentrarem seus recursos e esforços exclusivamente nos cliente é preciso que ocorra uma mudança organizacional, ou seja, deve-se mudar a maneira de agir e pensar para que o processo de mudança seja recebido facilmente pelas empresas e seu funcionários. Os scripts de acordo com Jamil e Siva (2005) são considerados como ferramentas que beneficiam a edição de textos e direcionam os atendentes durante o contato telefônico. O desenvolvimento do script inicia-se através da elaboração do esboço referente ao fluxo de ligações, ou seja, qualquer que seja o questionamento do cliente deve-se se ter a resposta que conduzirá a comunicação para a satisfação do mesmo. O script de acordo com os autores direciona o operador para realizar um atendimento de qualidade, sendo

13 que torna-se necessário que o operador entenda e pratique o roteiro do script para que durante o contato haja naturalmente com o cliente. A integração da telefonia com o computador e os avanços em softwares vem contribuindo com os supervisores e operadores para a otimização dos call canters e aumento da produtividade. Jamil e Silva (2005) destaca algumas das soluções utilizadas nos Call centers como: Solução de Discagem Preditiva - Predictive Dialing, determina o tempo que os atendentes de call centers devem efetuar uma ligação. Solução de Gerenciamento de Performance - Workforce Managemen, verifica o desempenho do call center, elaborando escalas de serviços e horário de lanche. Solução de Monitoração da Qualidade - Quality Monitoring System, registram os atendimentos e os comparam com a meta estabelecida. Solução de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente - CRM Customer Relationsp Management, o CRM gerencia e direciona os atendimentos tendo como referência o cliente. Unidade de Resposta Audiível URA, realiza automaticamente por meio de sistemas o atendimento e a resposta. Distribuidor Automático de Chamadas DAC, responsável por rotear as chamadas, ou seja distribui as chamadas automaticamente. Integração Telefone-Computador CTI, devido a esta integração tornou-se possível utilizar a telefonia informatizada sendo primordial para a otimização dos serviços de atendimento ao consumidor. Voz sobre IP VolP, Consiste em estabelecer contatos telefônicos e no envio de fax através de redes de dados em protocolo de Internet IP tendo como vantagem a qualidade e custo benefício superior. Antes de implementar qualquer solução no call center é necessário realizar um planejamento para que identifique seus custo benefício, ou seja, toda inovação realizada numa central de atendimento deve-se primeiramente analisar suas vantagens e desvantagens para a organização. O controle e avaliação do call center são realizados após a implantação do mesmo segundo Jamil e Silva (2205), analisando e direcionando sua operação. Nesta fase de controle e avaliação se verifica como a empresa esta indo para a situação desejada. O controle envolve os passos necessários para assegurar a realização da missão, englobando processos de avaliação de desempenho, comparações entre realizado e objetivos, análise de desvios e

14 tomada de ações corretivas. Essa última fase é realizada após a implantação do call center e tem como objetivo ajustar e discliplinar sua operação. (JAMIL E SILVA, 2005, p ) As centrais de atendimento, seguindo Jamil e Silva (2005), tem como o objetivo final a satisfação dos clientes, ou seja, após o término do contato o cliente deve sentir-se satisfeito. Para obter total produtividade do call center a quantidade de atendentes deve ser suficiente para atender a demanda de ligações. A demanda de ligações deve ser levantada de forma criteriosa, a fim de saber o número necessário de atendentes por período, buscando o menor percentual de perdas e planejando estatisticamente o número de faltas, folgas e intervalos dos funcionários. (JAMIL E COSTA, p. 181) A produtividade do call center de acordo com Jamil e Silva (2005) tem como referência o mapeamento da demanda das ligações. O grande desafio das empresas com call centers ou contact centers está em balancear os investimentos e seus custos de operação com os níveis de serviço e qualidade oferecidos, de forma que a operação seja rentável (JAMIL E SILVA, 2005, p. 184). Segundo os autores para mensurar o cálculo do retorno sobre os investimentos ROI, é preciso elaborar indicies comparativos, ou seja, analisar se houve melhoria nos projetos relacionados com o desenvolvimento do serviço. As métricas mais usadas para a realização de ROI são: número total de transações com o cliente, tempo médio de cada transação com o cliente, lucro por atendente, tempo médio de espera do cliente e taxa de abandono dos clientes. (JAMIL E SILVA, 2005, P. 185) Estabelecer as referências métricas, segundo os autores é primordial para avaliar a operação do call center e indicar possíveis melhorias para o aprimoramento no atendimento aos clientes, destacando que as métricas podem também ser utilizadas no cálculo de retorno referente a implantação de novas tecnologias no call center. O ROI pode ser calculado com referência na redução dos custos e no aumento da receita, conforme Jamil e Silva (2005), sendo que a redução de custos prioriza o aprimoramento da produtividade operacional tendo como principal foco a redução do tempo de execução das tarefas. O ROI pode ser obtido pela redução do custo, pois conforme Jamil e Silva (2005, p. 186) O tempo médio de atendimento de uma ligação do call center é considerado a métrica unitária mais importante, visto que ela exerce influência em outras métricas. A redução do tempo médio de ligação favorece o aumento da produtividade de acordo com Jamil e Silva (2005), pois os atendentes poderão realizar maior número de ligações evidenciando que o tempo médio deve manter a qualidade no serviço de atendimento. O aumento da produtividade segundo Jamil e Silva (2005), favorece a redução dos custos e consiste em manter os mesmos serviços disponibilizando um número menor de funcionários ou aumentar as transações com clientes e não contratar novas pessoas para

15 realização do serviço. Para os autores o custo total de propriedade ou Total Cost of Ownership avalia os custos e [...] leva em consideração os vários elementos que compõe a estrutura de custos de uma operação em um determinado período de tempo, como a necessidade de hardware, software, pessoal, consultoria no desenvolvimento, implantação e manutenção. (JAMIL E SILVA, 1997, p. 189). O serviço de atendimento de ao consumidor estabelece comunicação direta com os clientes sendo este relacionamento primordial para as empresas se manterem competitivas e monitorarem o mercado. 5. ESTUDO DE CASO O estudo de caso foi realizado na empresa Cia. Luz e Força Santa Cruz Votorantim, que atua na geração e distribuição de Energia Elétrica. Esta empresa implantou o call center e através da aplicação de um questionário tornou-se possível identificar as vantagens proporcionadas aos clientes. Através do questionário pode-se identificar que a implantação do call center permitiu o fim das filas de atendimento no balcão da agência, trazendo maior comodidade aos clientes e otimizando o atendimento prestado. O call center na empresa contribuiu para a agilidade no atendimento, pois o atendente do call center tem acesso ao banco de dados referentes aos setores da empresa, tendo subsídios para um atendimento comercial eficaz e maior precisão nas informações disponibilizadas. A empresa prioriza o relacionamento com o cliente, pois manter um bom relacionamento representa uma importante vantagem competitiva. O estudo de caso permitiu identificar que o registro centralizado das reclamações e solicitações proporciona um controle mais efetivo e prático dos indicadores de qualidade, proporcionando ações corretivas e preventivas nos processos da empresa. 6. CONCLUSÃO O trabalho identificou as vantagens e benefícios proporcionados pelo call center. O serviço de atendimento ao consumidor representa um importante diferencial para as empresas, pois fornece informações sobre o cliente. O contato com o cliente permite o monitoramento do mercado, ou seja, os produtos e serviços oferecidos são elaborados a partir das necessidades do consumidor. Foi analisado que a informação agregada a tecnologia é a principal fonte de suprimento para as centrais de atendimento tornando necessário que as empresas disponham de sistemas que administrem grande fluxo de informação. O call center apresenta-se como o principal canal de comunicação entre empresa e cliente. O telefone é o recurso utilizado para o contato e sendo assim proporciona comodidade paras as pessoas que podem solicitar os serviços de suas residências. A comunicação com o cliente representa um importante diferencial para as empresas. Para implantar um serviço de atendimento como o call center é essencial elaborar um planejamento, considerando formas de operação e estabelecendo controles de avaliação.

16 O atendente tem função primordial nos call centers, pois durante o contato com o cliente, este representa a empresa. Por isso é necessário que os mesmo sejam treinados e capacitados para o serviço. O estudo de caso permitiu a análise prática sobre a operação do call center e a aplicação do questionário salientou sobre os processos elaborados para implantação e adequação da empresa neste processo. A elaboração do trabalho foi de fundamental importância para ressaltar a necessidade em se estabelecer um canal de comunicação entre empresa e cliente. O relacionamento com o cliente representa um importante diferencial competitivo e através da pesquisa comprovou-se que o call center apresenta-se como um importante canal de comunicação com o cliente. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BACON, Mark. S. Faça você mesmo marketing direto: segredos para pequenas empresas. São Paulo: Atlas, BOGMANN, ItzhaK Meir. Marketing de Relacionamento: estratégias de fidelização e suas implicações financeiras. São Paulo: Nobel, Bretzke, Miriam. Marketing de Relacionamento e competição em tempo real com CRM (Customer relationship management). São Paulo: Atlas, CICONE, Fábio. Direto ao ponto: O Telemarketing e você! Preparando especialista em Call Center. São Paulo: Copidart Editora Ltda, CZINKOTA, Michael R, et al. Marketing: as melhores práticas. Porto Alegre: Bookman, CHURCHILL, Gilbertt A.; PETER, J. Paull. Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo: Saraiva, DANTAS, Edmundo Brandão. Telemarketing: a chamada para o futuro. São Paulo: Atlas, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing de Serviços. São Paulo: Atlas, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing de Varejo. São Paulo: Atlas, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing: conceitos, exercícios, casos. São Paulo: Atlas, GORDON, Ian. Marketing de relacionamento: estratégias, técnicas e tecnologias para conquistar clientes e mantê-los para sempre. São Paulo: Futura, GREENBERG, Paul. CRM, Customer relationship management na velocidade da luz: conquista e lealdade de clientes em tempo real na Internet. Rio de Janeiro: Campus, JAMIL, George Leal; SILVA, Fabiana Bigão. Call Center & Telemarketing. Rio de janeiro: Axcel Books do Brasil Editora, MANCINI, Lucas. Call Center, estratégia para vencer. Florianópolis, APEC, KOTLER, Philip. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, RABAÇA, Carlos Alberto. Marketing: segredos e estratégias. São Paulo: Saraiva, RISSATO, Marcelo. O cliente pro um fio: o que você precisa saber sobre o marketing e call center. São Paulo: Nobel, 2004.

17 Stone, Merlin et al. CRM Marketing de relacionamento com os clientes. São Paulo: Futura, SWIFT, Ronald. CRM, customer relationship management: o revolucionário marketing de relacionamentos com os clientes. Rio de Janeiro: Campus, SHIOZAWA, Ruy, Sergio Cacese. Qualidade no atendimento e tecnologia da informação. São Paulo, CIA. LUZ E FORÇA SANTA CRUZ, Piraju/SP. Nossa História. Disponível em <http:// Acesso em: 19 maio 2005.

A Implantação do call center como ferramenta de marketing. Estudo de Caso na Cia. Luz e Força Santa Cruz, Piraju, SP

A Implantação do call center como ferramenta de marketing. Estudo de Caso na Cia. Luz e Força Santa Cruz, Piraju, SP A Implantação do call center como ferramenta de marketing. Estudo de Caso na Cia. Luz e Força Santa Cruz, Piraju, SP RESUMO Sérgio Aparecido Donique Marlette Cássia Oliveira Ferreira O marketing desempenha

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por:

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por: 1 Conceitos Call Center - O que é? Denominamos Call Center ou Central de Atendimento ao conjunto de soluções e facilidades (Equipamentos, Sistemas e Pessoal) que tem como objetivo fazer o interface entre

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. UCB 2011 Unidade 04 Aula 01

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. UCB 2011 Unidade 04 Aula 01 UCB 2011 Unidade 04 Aula 01 O papel do Ombudsman/Ouvidor O que significa a palavra ombudsman? Ombudsman é uma palavra de origem sueca que surgiu em 1809, quando o Parlamento da Suécia decidiu ter um representante

Leia mais

TREINAMENTO CONTACTCENTER

TREINAMENTO CONTACTCENTER TREINAMENTO CONTACTCENTER CENTER CONTACT Os Contact Centers atuais têm um grande impacto nas empresas em diversos aspectos referentes a lucro, custos, inteligência de mercado e fidelização do cliente. Para

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Introdução Os Desafios dos Negócios Nova Era Proliferação de ofertas Mercados saturados Taxas de respostas decrescentes Custos de aquisição de clientes

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira

Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados sobre ERP são primordiais

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Programas de Comunicação Interativa

Programas de Comunicação Interativa Prof. Edmundo W. Lobassi O final do século XX marca uma nova configuração econômica no mundo. A globalização obriga o mercado a posicionar-se de forma diferenciada e esse fato exige, dos anunciantes e

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS 1. O marketing de relacionamento: (A) Não se relaciona com o endomarketing. (B) Não utiliza ferramentas de CRM (customer relationship management). (C) Pressupõe diálogo entre empresa e cliente, mas a comunicação

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida Marketing Prof. Marcelo Cruz Marketing de Relacionamento Marketing de Relacionamento Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo Bibliografia Sugerida AUMOND, C.W. Gestão de serviços e relacionamentos.

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Manual do Call Center para seguradoras

Manual do Call Center para seguradoras Manual do Call Center para seguradoras Introdução guradoras, além da necessidade de manter um canal de contato com os segurados, a qualidade sa estarão lidando com pessoas muitas vezes psicologicamente

Leia mais

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES 1 CONQUISTAR E MANTER CLIENTES Historicamente, o marketing se concentrou na atração de novos clientes. O pessoal de vendas era mais recompensado por achar um novo cliente do que por prestar muita atenção

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Otimização da força de trabalho baseada em análise

Otimização da força de trabalho baseada em análise Otimização da força de trabalho baseada em análise > O Impact 360, gera melhores resultados em todos os aspectos dos serviços fornecidos aos clientes. É possível obter uma melhora no atendimento ao cliente,

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo Mestrado em Gestão estratégicas de Organizações Disciplina: Sistemas de Informação e Novas Tecnologias Organizacionais Professor:

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Curso de Contabilidade INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Prof. Francisco José Lopes Rodovalho Gerência do Relacionamento com o Cliente CRM CUSTOMER RELATIONSHIP

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE NO COMÉRCIO DE JALES - CRM

TÍTULO: GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE NO COMÉRCIO DE JALES - CRM TÍTULO: GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE NO COMÉRCIO DE JALES - CRM CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JALES AUTOR(ES):

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Marketing de Relacionamento C.R.M. Custumer Relationship Management Marketing de Assiduidade Programa de milhagens Benefício financeiro Brinde por utilização

Leia mais

We make things move. Acesse: fastalways.com.br. We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur

We make things move. Acesse: fastalways.com.br. We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur We make things move We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur Acesse: fastalways.com.br www.yoursite.com 2 21. 2716.6601 www.fastalways.com.br Quem

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ]

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ] Módulo 4 CRM [ Customer Relationship Management ] Sumário Introdução pág. 01 1. Definição 2. Por que usar o CRM?? 3. Cadastro pág. 02 pág. 02 pág. 02 4. Tipos de CRM CRM pág. 04 4.1 Operacional: Criação

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES DO CALL CENTER

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES DO CALL CENTER Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Educação Física - N. 5, JUL/DEZ 2008 A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NA GERÊNCIA DE

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1. Vera Lucia Lima de Oliveira. FAAG Faculdade de Agudos

A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1. Vera Lucia Lima de Oliveira. FAAG Faculdade de Agudos A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1 Vera Lucia Lima de Oliveira FAAG Faculdade de Agudos RESUMO Este artigo teve como objetivo sugerir a implantação

Leia mais

GLOSSÁRIO - OUTSOURCING

GLOSSÁRIO - OUTSOURCING CONCEITO GLOSSÁRIO - OUTSOURCING DESCRIÇÃO 1ª LINHA Operadores generalistas que fazem o primeiro contacto e a triagem de chamadas em operações de help-desk, para então passar as chamadas aos operadores

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre?

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? RESUMO DA SOLUÇÃO CA Clarity e Nova for PPM da Kalypso Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? agility made possible Obtenha as ferramentas e informações necessárias

Leia mais

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Av. Nossa Senhora do Carmo, 1.191, 3º andar, Sion, Belo Horizonte/MG - www.planetfone.com.br 1 SUMÁRIO 1. A PLANETFONE... 03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 04

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde ebook GRÁTIS PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde Primeiros passos para a otimização do call center em clínicas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais