INFORMATIVO DEZEMBRO/2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATIVO DEZEMBRO/2004"

Transcrição

1 ANO VII N O 79 INFORMATIVO DEZEMBRO/2004 PNAFE-PA NOVO CANAL DE COMUNICAÇÃO COM OS CONTRIBUINTES Já está em funcionamento no Órgão Central a primeira Unidade de Resposta Audível (URA) da SEFA, que possibilitará aos contribuintes e servidores verificarem a veracidade da Nota Fiscal Avulsa e do Conhecimento Avulso de Transporte, através do telefone Ângela Aquino, fiscal de tributos (foto), explica que a secretaria está implementando um novo canal de interação com os contribuintes e promovendo a melhoria da qualidade dos serviços oferecidos ao público, de forma a prestar um atendimento, rápido, eficiente e de fácil acesso. Para utilizar a URA, que fica no Órgão Central, o contribuinte disca o número e segue as orientações da central de comunicação. Em primeiro lugar o contribuinte, automaticamente, recebe as boas vindas à SEFA e depois será solicitado que disque o número 2, por exemplo, para saber sobre a nota avulsa, e assim sucessivamente. Como a URA é totalmente informatizada, após a solicitação do contribuinte ou da fiscalização de trânsito, a Unidade buscará automaticamente no banco de dados do Sistema Integrado de Administração Tributária (SIAT) a resposta à solicitação do contribuinte ou da fiscalização, explica ela. Caso exista alguma irregularidade do documento consultado, esta será acusada de imediato e o contribuinte será orientado. A experiência da URA é um projeto piloto para a futura implantação do call center, informa Ângela Aquino (foto). INVESTIMENTOS VIABILIZAM CALL CENTER MENSAGEM AOS SERVIDORES Com investimento de R$ 140 mil de recursos do Pnafe-Pará e da contrapartida do governo do Estado, a SEFA está investindo na construção do seu callcenter, mais um passo importante para a melhoria do atendimento ao contribuinte, conforme previsto em seu Planejamento Estratégico. O Coordenador do Grupo Executivo do Programa de Modernização do Atendimento da SEFA, Luis Guilherme Duarte Maffra, explica que é uma ferramenta moderna e um canal de comunicação direto com o contribuinte para aprimorar o atendimento. O Estado está oferecendo, cada vez mais, melhores condições para que o contribuinte possa cumprir as suas obrigações legais, através de soluções rápidas e em tempo real, destaca. No call center, o atendimento terá dois níveis. No primeiro, efetuado pelas atendentes, serão identificadas as necessidades dos contribuintes, para depois dar as informações solicitadas. Serão fornecidas orientações sobre os serviços já disponibilizados no Portal da SEFA, além de orientações sobre DIEF, IPVA, Cheque Moradia entre outros. No segundo nível, ocorrerá o atendimento através do Plantão Fiscal, que será realizado por uma equipe de fiscais de tributos. As orientações serão mais técnicas e detalhadas, sobre o ICMS, a legislação tributária, ordem de serviços e outras atividades. Estarão atuando neste nível também o Help-Desk e a Unidade de Resposta Audível. O call-center funcionará nos primeiros meses de 2005 e ficará localizado no Órgão Central. Já foram adquiridas 12 estações de trabalho e os móveis para a nova unidade de atendimento. Serão realizadas obras físicas, como instalação da rede elétrica e lógica e o treinamento das atendentes. A meta é melhorar o nível do atendimento ao cliente, diz Maffra. A minha mensagem, e de toda a administração, é de agradecimento aos servidores. Os resultados conquistados em 2004 são frutos de um trabalho coletivo. Desde os funcionários da limpeza, dos servidores dos postos de fronteiras, das delegacias e da unidade central. É este conjunto que alcançou o crescimento da arrecadação, o avanço do atendimento ao contribuinte e tantos outras conquistas (Leia páginas 4 e 5). Agora vamos confraternizar para que possamos buscar em 2005 os resultados importantes para a secretaria da Fazenda e para o desenvolvimento do Pará. Feliz Natal e Próspero Ano Novo. Paulo Machado, secretário da Fazenda LEIA AINDA: QUALIDADE DA GESTÃO DO PARÁ PÁG. 3 BALANÇO E PERSPECTIVAS 2005 PÁGS. 4 e 5 CONTRIBUINTES REATIVAM CADASTRO PÁG. 6

2 2 INFORMATIVO FUNCIONÁRIA PADRÃO Vera Lúcia da Silva foi escolhida a funcionária Padrão da Delegacia de Santarém. Ela é economis- QUALIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO E FORTALECIMENTO DA CIDADANIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19/04 Altera dispositivos da Instrução Normativa n.º 0019, de 2 de outubro de 2001, que define as mercadorias de que trata o art. 126 do Anexo I do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº , de 18 de junho de 2001, e dá outras providências. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 20/04 Estabelece procedimentos com relação ao estoque de rações tipo pet para animais domésticos, classificados na posição 2309 da NBM/SH. MANUAL DE ATENDIMENTO FACILITA VIDA DO CONTRIBUINTE A secretaria da Fazenda vai lançar um Manual de Atendimento ao Cidadão Contribuinte. O objetivo do Manual é facilitar o acesso aos serviços, fornecendo informações sobre os locais onde o atendimento está disponível, quais são os documentos e procedimentos necessários, e a cobrança de taxa. O Manual será instituído através de Portaria do secretário da Fazenda, Paulo Machado. Ela prevê o sistema de atualização do Manual. Embora a SEFA mantenha a legislação do ICMS atualizada e disponível, no site da SEFA, muitas vezes o contribuinte desconhece a legislação. O documento foi criado para diminuir o tempo gasto no atendimento, auxiliando o contribuinte a resolver suas pendências com mais rapidez. Serve como uma fonte rápida de consulta para tirar dúvidas. É mais um serviço que SEFA está oferecendo para facilitar o acesso do contribuinte, dentro da visão do governador Simão Jatene de que o poder público deve atender cada vez melhor o cidadão. A SEFA oferece serviços em diversas áreas, que vão desde a autorização para emissão de documentário fiscal, passando pelo cadastro de contribuintes, o recebimento de Declaração de Informações Econômico-Fiscais (DIEF), autorização de lacres de equipamentos emissores de cupom fiscal (ECF), autorização de uso de sistema eletrônico de dados, recebimento de denúncia espontânea, parcelamento de dívida ativa. O manual traz 42 serviços em 10 módulos: Benefícios, Cadastro, Conta Corrente, Declarações, Documento Fiscal, ECF, Infrações, Outros serviços, Pagamentos e Processamento Eletrônico de Dados (PED). Será distribuído às entidades de classe empresariais e de contadores, além de ficar disponível nas delegacias fazendárias, e no Portal de Serviços da SEFA na internet (www.sefa.pa.gov.br). O que se exige hoje do órgão responsável pela função de finanças do Estado tem muito a ver com a sua capacidade de articular e interagir com os agentes institucionais envolvidos no processo de gestão pública estadual, com o fim de promover o equilíbrio fiscal através da maximização das receitas e otimização dos gastos, tendo como finalidade maior o desenvolvimento do Pará. O esgotamento do modelo departamental adotado pela maioria dos órgãos de finanças dos estados brasileiros sinaliza para a necessidade urgente de absorção de novos modelos de gestão com a visão de todo o processo. A função do órgão de finanças é a de realizar a administração tributária e financeira do Estado, tendo como objetivo estratégico alavancar as receitas e contribuir de forma pró-ativa com otimização dos dispêndios públicos, a fim de gerar, com qualidade, o desenvolvimento econômico, social e fortalecer a cidadania da sua população. Para isso é necessário que as organizações tenham bem definidos os seus objetivos. Para a equipe de coordenação do Programa de Qualidade, o negócio essencial da SEFA é a administração tributária no Pará. ADESO AO PQSP A sua missão é promover com excelência a tributação, a arrecadação e a fiscalização visando o desenvolvimento do Pará. Na visão de futuro, a SEFA deve estar entre as três melhores instituições do País nas atribuições de tributação, fiscalização e arrecadação até Deve também atuar com excelência no atendimento ao cidadão, ser respeitada pela sociedade com corpo funcional capacitado, integrado, motivado e adequadamente remunerada. A construção de uma visão de futuro tem que estar apoiada em um conjunto de princípios e valores (veja tabela abaixo) que servirão de fundamento para a tomada de decisão dos gestores. Por isso é fundamental rever seus comportamentos e seus paradigmas, a fim de que as mudanças se efetivem nos locais de trabalho. As mudanças só ocorrem, quando de fato, elas começam a acontecer a partir dos seus líderes. Portanto, a liderança tem uma responsabilidade muito grande no processo de reformulação dos modelos. PRINCÍPIOS E VALORES PARA UMA VISÃO DE FUTURO Competência Dinamismo Proatividade Compromisso Espírito Empreendedor Senso Crítico Coragem Ética Senso de equipe Criatividade Flexibilidade Versatilidade Determinação Imparcialidade Crer na Visão de Futuro Honestidade Organização INFORMATIVO SEFA ANO VII N o 79 DEZEMBRO/2004 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Telefones: (91) Fax (91) Edição e textos: M.J. Reis - MTb Fotos: Rodolfo Oliveira. Produção: Intercom - Comunicação Empresarial - Telefones: (91) Fax (91)

3 ta, servidora desde 1988 e atualmente trabalha no Serviço Regional de Informações Econônico-Fiscais, setor de cadastro, onde se destaca por sua simpatia, dedicação e bom humor. INFORMATIVO 3 SIMÃO JATENE LANÇA PROGRAMA DE QUALIDADE NA GESTÃO DO ESTADO Teresa Cativo: elevar a qualidade da gestão pública e modernizar a máquina administrativa do Pará Um projeto sem placas e inauguração, mas com desdobramentos fundamentais para produzir resultados positivos para a sociedade. Assim o governador Simão Jatene resumiu a importância do Programa de Qualidade na Gestão Pública do Estado do Pará (PQG- PA), lançado no começo da segunda quinzena de novembro, no hotel Beira-Rio, em Belém, durante a abertura do Seminário de Gestão Pública no Estado do Pará, que também contou com a presença da vice-governadora e secretária especial de Proteção Social, Valéria Pires Franco. O objetivo do seminário foi o de apresentar aos secretários estaduais, secretários adjuntos, gerentes de recursos humanos e técnicos de planejamento, os projetos de modernização da gestão e do planejamento implementados pelo Governo do Estado. São ações que consistem na adoção de novas tecnologias, capacitação dos recursos humanos e técnicas modernas e eficazes de gerenciamento, com o propósito de melhorar a eficiência nos serviços e bens ofertados à sociedade. A meta definida é que até 2010 a excelência em gestão pública seja um valor adquirido e preservado pelas instituições públicas estaduais e municipais do Pará, além de constituir um valor requerido do serviço público pelo próprio cidadão usuário frisou o governador. Márcia Cristina Santa Costa, Chefe de Divisão de Pessoal da SEFA, disse que a SEFA já deu passos significativos em sua gestão tributária e financeira, através do Pnafe-Pará, e agora o Programa de Qualidade na Gestão Pública do Pará, trabalhará a visão integrada do Estado. É mais um passo importante, pois otimiza os recursos públicos e preza pela definição clara de objetivos e no controle de resultados. O PQG-PA viabilizará uma avaliação contínua das práticas de gestão pública. Este é um passo importante no processo de modernização da gestão pública no Estado. É o tipo de projeto que não tem placa e nem inauguração, mas sem dúvida é fundamental para a eficiência de todos os demais projetos. Além disso, faz parte de uma grande ação do nosso governo, que é a valorização do servidor público, afirmou o governador. Ele recordou que na sociedade moderna nada é impositivo, precisamos criar a motivação para que as pessoas participem e sejam engajadas no processo, ressaltando a importância da adesão espontânea ao programa. Em seguida ele disse que estar convencido de que premiar é sempre mais estimulante do que punir, e a adesão como forma de participar é sempre mais saudável do que a imposição, e inclusive consolida uma coisa indiscutível, que é a democracia. Além de apresentar os projetos do governo estadual na área de gestão e planejamento, encaminhados ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e ao Ministério do Simão Jatene: valorização para os servidores e uma visão integrada do Estado do Pará Planejamento, o seminário constou com o lançamento do novo site Sead e do portal Compras Pará. O governador ressaltou que o pregão é um dos procedimentos alinhados à modernização da administração pública. O pregão fixa um preço referencial, que será uma média de preço para a sociedade, em que as concorrências e licitações e os processos de compra devem ser balizados por preços fixados. Isso melhora o uso dos recursos públicos, o que certamente é o desejo da população, e assim teremos ainda mais investimentos e serviços de melhor qualidade, acrescentou o governador. A secretária especial de Gestão, Teresa Cativo, fez uma referência especial ao governador Simão Jatene. Um dos seus primeiros atos foi agilizar a elaboração da Agenda Mínima do Governo, adequando-a ao PPA, a fim de garantir a continuidade dos projetos que já vinham sendo executados pelo governo e também avançar em outras frentes. Para nós, o desafio é elevar a qualidade da gestão e modernizar a máquina administrativa, afirmou a secretária. O titular da Sead, Frederico Monteiro, destacou as ações que vêm sendo adotadas há quase 10 anos pelo Governo do Pará, na área de modernização administrativa. No primeiro momento ficou clara a necessidade de uma reforma do papel do Estado, assim veio o ajuste fiscal, para dar suporte aos grandes projetos de infra-estrutura e à mudança da base produtiva, sempre objetivando a redução das desigualdades sociais e o combate à pobreza, concluiu.

4 4 INFORMATIVO PNAFE GARANTE AVANÇOS RECEITA PRÓPRIA CRESCE 6% Um balanço realizado pelo secretário da Fazenda, Paulo Machado, revela que os recursos do Pnafe-Pará e os da contrapartida do Estado garantiram as melhorias na administração tributária em Mesmo com as altas taxas de juros e as perdas com a desoneração das exportações, a SEFA fecha 2004 superando a meta de arrecadação, que era de R$ 2,5 bilhões de receita própria. Paulo afirma que o Pará vai arrecadar R$ 2,62 bilhões, levando em consideração que ainda falta fechar o mês de dezembro. Isso aponta um crescimento real de receita própria em torno de 6%,em 2004, já descontado o IPCA. Ele cita ainda outro exemplo positivo. O recadastramento foi uma ação bem planejada, que melhorou a nossa base de dados e permitiu um trabalho mais eficiente da fiscalização, da cobrança e da arrecadação. O secretário mostra os avanços na aquisição de equipamentos de informática. Estamos implantando o data warehouse. Um armazém de dados, que permitirá cruzar informações e ampliar as fiscalizações de profundidade. No atendimento ao contribuinte, outro salto é a implantação do call center e da Unidade de Resposta Audível, além do atendimento itinerante nos municípios da Ilha do Marajó, onde o Fisco Estadual foi ao encontro da sociedade e mostrou a importância da formalidade para o desenvolvimento regional. No treinamento, foram realizados 47 eventos de capacitação com horas/aula envolvendo servidores treinados em 68 turmas. Nós empossamos 29 fiscais. Agora nomeamos mais 22 para diversas regionais. Isso mostra um fortalecimento do interior com pessoal qualificado, além dos investimentos em obras físicas (foto abaixo) e da entrega de veículos, acentua. Já o Programa de Desenvolvimento de Equipes treinou 121 gestores em mais 390 horas/ aula. O PQFAZ atingiu todas as regionais do interior. Outro trabalho importante é o treinamento no procedimento e uso do protocolo, cuja implantação está sendo consolidada. Isso mostra de forma prática o cumprimento do planejamento estratégico e assim seguiremos as metas em 2005, finaliza. Obras no Bloco B do Órgão Central ESTADOS QUEREM R$ 9,1 BILHÕES PARA COMPENSAR PERDAS DAS EXPORTAÇÕES Os governadores do Pará, Rio Grande do Sul, Mato Groso e Minas Gerais, além dos secretários de Fazenda do País, mostraram ao governo federal, em nota oficial, que as perdas com a desoneração das exportações atingiram R$ 18 bilhões em Eles apresentaram os dados à União e querem a inclusão de R$ 9,1 bilhões no orçamento de 2005 para compensar as perdas. As exportações são importantes para o Brasil assim como a compensação é fundamental para o desenvolvimento do Estado do Pará Bateu no teto. Ninguém agüenta mais. Fomos solidários com o governo e agora estamos solitários, afirmou o governador Simão Jatene, um especialista no assunto, que sugeriu que os governadores dos Estados exportadores passem a pressionar a União para que destine este valor para a compensação das perdas das exportações, o que representa 50% do total de recursos que os Estados deixaram de arrecadar. De acordo com o secretário da Fazenda, Paulo Machado, desde o início da Lei Kandir, a média de compensação é de 50%. A nota mostra que no biênio 1997 a 1998, a União ressarciu 46.9% das perdas. Entre 1999 e 2000, foram repostos 44%. Nos anos 2000 e 2001, a União devolveu 54%.Já no governo Lula, o ressarcimento caiu para 29.3%. Em 2003, o repasse foi de 19%. É um cenário ruim para os Estados e afeta profundamente o pacto federativo, alerta. Segundo ele, o Estado do Pará já perdeu R$ 2, 66 bilhões de receita não ressarcida pela Lei Kandir Nós tivemos uma arrecadação de 1996 até hoje de R$ 14,5 bilhões. Poderíamos ter arrecadado R$ 18,9 bilhões, o que dá uma perda de arrecadação de R$ 4,4 bilhões. Já que recebemos de ressarcimento das exportações R$ 1,8 bilhão, restaram R$ 2,6 bilhões. Como a lei já existe há 8 anos, isso dá uma perda média anual de R$ 334 milhões, sem considerar a devolução dos crédito de ICMS que o Pará devolve aos empresários quando importam os seus insumos de outros Estados. Se não houver o aporte de R$ 9,1 bilhões para a compensação, os estados exportadores não permitirão mais a homologação dos créditos.não podemos arcar sozinhos com os custos das exportações, além dos custos das demandas sociais, antecipa o secretário. No entanto, mesmo com este cenário negativo, ele disse que o Pará tem um projeto de desenvolvimento. Temos uma agenda mínima de investimentos. Outros estados estão fazendo esforços para pagar o 13º salário e saldar suas dívidas, diferencia. O Pará tem uma estrutura fiscal ajustada e o seu comprometimento com a dívida não ultrapassa a sua receita acentua. O secretário enfatiza que o governador tem os recuros para cumprir as suas promessas de campanha, mesmo que tenhamos que fazer alguns ajustes. Agora imagina se não houvesse a desoneração e recebêssemos R$ 334 milhões por ano de compensação e não precisássemos pagar os créditos presumidos aos empresários? O desenvolvimento do Pará seriam bem maior. Além do que pagar a compensação sobre as exportações não é uma esmola e sim um direito e busca o que mais defendemos, que é o equilíbrio federativo, finaliza.

5 INFORMATIVO 5 FORTALECER O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM 2005 Falar dos desafios para 2005 é reforçar a determinação de que SEFA trabalhou em 2004 centrada em seu planejamento estratégico, que foi constituído para ser implantado de 2003 a Este é o nosso norte para A declaração é do secretário da Fazenda, Paulo Machado. Para ele,no próxmo ano, a SEFA dará continuidade às metas traçadas nas nove áreas estratégicas. Já no plano federal, vamos exigir do governo federal a compensação das perdas com a desoneração das exportações (leia matéria à esquerda). Em 2005, avançaremos no crescimento continuado da arrecadação com mais atenção para a cobrança e o parcelamento da dívida ativa e a cobrança do IPVA, sinaliza. Ele destaca uma nova gestão deste imposto. Vamos superar o equívoco de subdimensinar este imposto, quando comparado ao ICMS. Investiremos nos mecanismos de cobrança deste imposto e na expansão e modernização dos postos fiscais de fronteiras. No próximo ano ocorrerá avanços para melhorar os meios de acesso do contribuinte à SEFA. As pistas foram dadas pela pesquisa de satisfação para verificar como o contribuinte avalia o serviço de atendimento da secretaria (leia matéria abaixo). O recadastramento foi feito e precisa se extrair o máximo dele, disse Paulo, acrescentando que já foi encaminhado à secretária de Gestão, Teresa Cativo, o decreto da nova estrutura, que será enviado ao governador. O Plano de Cargos, Carreira, Remuneração e Salário está sendo discutido na mesa de negociação do governo do Estado com as entidades sindicais, da qual a secretária Adjunta, Rute Tostes, faz parte. Paulo Machado destaca necessidade de avançar no data ware house, ou seja, um armazém de dados, que permitirá utilizar todas Paulo Machado: vamos dar continuidade, em 2005, aos trabalhos desenvolvidos nas nove áreas estratégicas as bases de dados da Fazenda Estadual e realizar uma ação fiscacom mais eficácia. Num balanço do Pnafe-Pará, o secretário destaca um dos aspectos positivos em 2004: a movimentação dos Estados para manter o projeto de modernização que terminaria em Já debatemos a possibilidade de nova linha de financiamento com o Ministério da Fazenda e com o Bancno Interamericano de Desenvolvimento (BID) e existe um ambiente favorável para É importante avançar, por exemplo, o Sintegra, e implantar o cadastro único, sinaliza Paulo Machado. Já no caso do Pnafe-Pará, 94% dos recursos BID já foram aplicados, ou seja, dos R$ 15,3 milhões dólares, que equivaliam a R$ 32 milhões aproximadamente, após o segundo ajuste. Neste ano, foram utilizados 9% dos recursos, ou seja, R$ 2,9 milhões. Assim garantimos a atualização tecnológica, a capacitação continuada, a modernização e a reposição dos equipamentos. PESQUISA INÉDITA APONTA 60% DE SATISFAÇÃO NO ATENDIMENTO A secretaria da Fazenda realizou uma pesquisa de opinião entre setembro e novembro ouvindo contribuintes para saber o que pensam sobre o serviço prestado pela instituição. A pesquisa mediu se a qualidade do serviço prestado pela SEFA melhorou, piorou ou ficou igual nos últimos meses. Segundo o secretário da Fazenda, Paulo Machado, o resultado revela que 60% dos entrevistados avaliam que o serviço melhorou, enquanto 30% acreditam que o serviço está igual e 10% acham que piorou. O resultado nos dá uma noção de tempo. A pergunta se refere aos últimos meses e a tendência é melhorar os serviços. Hoje, segundo a pesquisa, 60% dos entrevistados utilizam os serviços prestados via internet e 1% não usa o serviço da rede. A pesquisa mostrou que o atendimento prestado pelo servidor foi considerado o mais relevante, seguido pela facilidade de obter o serviço, ou seja, 60% dos contribuintes aprovam com nota alta o atendimento feito pelo servidor. Ele afirma que este indicador de 60% é excelente. Isso nos deixa feliz.temos que almejar os 100%. Pouco mais de 20% atribuem nota média ao atendimento prestado pelo servidor. Se somarmos a nota alta e a média, atingimos 80% de bom atendimento. Vou dar um exemplo, o atendimento do IPVA, na 19ª Região Fiscal, recebeu 87% de nota alta. Já em relação à facilidade de o contribuinte obter o serviço, a pesquisa mostrou um resultado menos satisfatório - 47% deram nota alta e 38% nota média. São indicadores bons, porém menos adequados que os primeiros. Nós vamos avançar em 2005 com a implantação do Call Center, a Unidade de Resposta Audível, mais serviços no Portal e os investimentos em novas áreas de atendimento nas regionais, acentua. A pesquisa avaliou a capacidade dos funcionários. Entre os entrevistados, 60% atribuiram notas altas e 23% notas médias. Parabenizo o comportamento do servidor. Nós não temos pesquisa anterior à modernização, mas o alto índice percebido pela sociedade é fruto dos anos de treinamento, de aporte de equipamentos e de recursos para que os serviços possam ser bem feitos avalia o secretário. A pesquisa avaliou ainda os serviços oferecidos pelas regionais. 43% dos contribuintes consideram a qualidade excelente e 38% a avaliam como média. Somando os dois índices, chegamos a 83% de média e boa. É um indicador significativo, devemos passar o médio para excelente e tranformar o baixo em bom atendimento, estimula.

6 6 INFORMATIVO INTELIGÊNCIA FISCAL A Unidade Estadual de Enlace do Sistema Integrado de Informações Sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços (UEE-SINTEGRA), está discutindo com a Diretoria de Fiscalização (DFI) a consolidação de uma parceria entre os governos do Estado de São Paulo e do Pará visando dotar o fisco paraense de ferramentas para a apreensão de arquivos eletrônicos dos computadores de contribuintes durante uma ação fiscal. Consolidar esta iniciativa é dar às provas geradas a partir destes arquivos apreendidos uma validade perante os órgãos julgadores, explica Márcio José Albuquerque Carvalho, Coordenador da Unidade Estadual de Enlace (UEE), Segundo ele, é necessário firmar um protocolo entre os dois governos para a cessão dos direitos de uso do software authenticator. O software faz a captura dos arquivos e a emissão do termo de apreensão com código de autenticação, que garante a integridade do material apreendido. Como a parceria entre os Estados está em fase de consolidação, a Unidade de Enlace Estadual está viabilizando, junto à Escola Fazendária, a contratação dos treinamentos de capacitação dos servidores que vão atuar na apreensão de arquivos eletrônicos. Após o treinamento, parte da equipe será responsável pela elaboração do manual de procedimentos para a apreensão de arquivos eletrônicos. SEFA NA SEPAI Na primeira quinzena de novembro, mais de 25 servidores da Sefa participaram da 18ª Semana Paraense de Informática e Telecomunicações-SEPAI, realizada no Centur, em Belém. A SEPAI é o maior acontecimento de tecnologia da informação do Norte do Brasil, realizado no Pará. Para Emanuel Estumano Santos, analista de sistema da SEFA, o evento cumpre a sua missão de apresentar aos participantes os avanços da área de tecnologia da informação, que já se tornou uma referência tecnológica para Região Norte. CONTRIBUINTES BUSCAM REATIVAÇÃO DO CADASTRO De 1de julho a 1 de dezembro, 809 contribuintes que não fizeram o recadastramento dentro do prazo legal procuraram as delegacias regionais para reativar a inscrição estadual (veja tabela). De acordo com Ney Anderson, gerente de Internet da SEFA, para facilitar a reativação da inscrição estadual, a secretaria está disponibilizando no Portal de Serviços, a partir de dezembro, um link para atender os contribuintes. Para acessar o link, o contribuinte deve entrar no Portal de Serviços e clicar na Solicitação de Reativação da Inscrição Estadual. Após preencher os dados, cumprir todas as formalidades legais e pagar as taxas para reativar a inscrição cadastral, ele receberá um protocolo e o endereço da SEFA para o qual deve enviar a documentação necessária. De acordo com Edna Farage, Coordenadora de Informações Econômico- Fiscais, com estes documentos em mãos, o contribuinte buscará a delegacia regional de sua circunscrição para as análises finais e as providências cabíveis. O software para o funcionamento da Solicitação de Reativação da Inscrição Estadual foi desenvolvido por Marcelo Batista, da equipe de internet da SEFA. O governo do Pará e a secretaria estão mostrando novamente o respeito ao contribuinte que não se recasdastrou até julho passado, e viabilizando mecanismos para que a empresa possa se regularizar, além de racionalizar o trabalho do próprio contribuinte e das regionais. TABELA DE REATIVAÇÃO DA INSCRIÇÃO ESTADUAL Período de 1 de julho até 1de dezembro REGIÃO FISCAL QUANTIDADE 1ª Região Fiscal 149 contribuintes 2ª Região Fiscal 41 contribuintes 3ª Região Fiscal 134 contribuintes 4ª Região Fiscal 71 contribuintes 5ª Região Fiscal 17 contribuintes 6ª Região Fiscal 16 contribuintes 7ª Região Fiscal 100 contribuintes 8ª Região Fiscal 61 contribuintes 9ª Região Fiscal 128 contribuintes 10ª Região Fiscal 47 contribuintes 12ª Região Fiscal 24 contribuintes 13ª Região Fiscal 19 contribuintes 17ª Região Fiscal 2 contribuintes Total: 13 Regionais Total: 809 contribuintes Fonte: Sistema Integrado de Administração Tributária -SIAT. Marcelo, à esquerda: o governo oferece mecanismos modernos para o contribuinte voltar ao mercado formal no Estado do Pará

7 INFORMATIVO 7 MEDIDAS DE CONTROLE DE SEGURANÇA DA REDE SEFA No mundo moderno, onde um dos bens mais importantes é o conhecimento, o setor público tem trabalhado a informação como um mecanismo de melhor atender ao cidadão, bem como utiliza a segurança da informação como um bem público para o desenvolvimento de projetos estratégicos e de implementação de políticas públicas. Cristiano (à esquerda): melhorar os serviços aos contribuintes para ampliar a arrecadação e fortalecer o desenvolvimento do Estado De acordo com Eduardo Dias, gerente de Segurança da Informação da SEFA, existe um tripé fundamental no controle de segurança do Projeto de Tecnologia da Informação da Sefa. A segurança da informação está baseada na confiabilidade, integridade e disponibilidade e não devemos esperar o pior acontecer para depois prevenir. Trabalhamos com estes princípios, preservamos o respeito e a reputação da secretaria da Fazenda junto ao contribuinte, disponibilizamos mecanismos modernos para a fiscalização, arrecadação e a administração tributária. O foco central é a prestação de um serviço de qualidade, eficiente e célere. Cristiano Moreira, administrador de Rede da SEFA, informa que muitos passos já foram dados para atingir a segurança da informação na secretaria. Ele cita como exemplo a instalação de filtro de conteúdo do acesso à internet com monitoramento dos sites acessados, com redução de acesso indevido. Já reduzimos bastante e precisamos avançar mais. A SEFA vem investindo para garantir a segurança das informações dos contribuintes com trabalho preventivo e investindo contra possíveis acessos indevidos aos sistemas, além de manter uma política de informação, através da Intranet e do Informativo SEFA junto aos servidores em todo Estado do Pará. O administrador de rede acrescenta outra medida de segurança. Não é permitida a propagação de spam ou s alheios a SEFA. Estamos estudando uma proposta de como monitorar e evitar o envio de spam, que ocupa o tempo do usuário para abrir a mensagem, torna a rede mais lenta e desvia o foco central do trabalho. Nós queremos que a tecnologia gere mais produtividade, reduza os incidentes de vírus, melhore os serviços disponíveis aos contribuintes e continue sendo mais uma aliada para ampliar a arrecadação e fortalecer o desenvolvimento do Estado, afirma ele. REUNIÃO DOS DELEGADOS A última reunião dos delegados de 2004 foi realizada nos dias 13 e 14 de dezembro, no município de Salinas, no Hotel Privê da Atalaia. A reunião, que envolveu os diretores, delegados, inspetores e a administração da SEFA, possibilitou aos participantes realizarem um balanço de toda a administração tributária e financeira de 2004 e traçar as metas para 2005, que serão publicadas no Informativo SEFA. Para José Marques da Silva, da Unidade de Coordenação Estadual do Pnafe-Pará, as atividades de Salinas são mais uma demonstração firme que a SEFA está seguindo o seu planejamento estratégico e consolidando um processo de participação ativa dos servidores nas decisões da instituição. Estamos interiorizando as reuniões para facilitar a troca de conhecimentos da realidade paraense com todos os servidores, como já ocorreu em Castanhal e Santarém, durante a gestão do atual secretário da Fazenda, Paulo Machado, explica o coordenador da UCE-Pará. COMEMORAÇÕES NATALINAS As comemorações natalinas mobilizaram os servidores para a realização de uma grande festa de confraternização. As atividades foram organizadas pelo Programa de Qualidade da Secretaria da Fazenda (PQFAZ), juntamente com os servidores dos Grupos Integração e Fazendo o Bem. FEIRA DE ARTESANATO As festividades começaram com uma Feira de Artesanato, que ocorreu no Órgão Central, nos dias 15,16 e 17 de dezembro, das 9 às 13 horas. Todos os trabalhos expostos ao lado do Auditório, entre quadros, arranjos de natal, pinturas em camisetas, bijuterias e outras peças artísticas, foram criadas pelos servidores. A iniciativa revela o lado mais artístico, criativo e humano do servidor, além de fortalecer a eficiência profissional cotidiana, explica Antéro Lopes, coordenador do PQFAZ. Fátima Pinheiro, da Coordenação da Feira de Artesanato, comemorou a participação dos servidores e disse que parte dos recursos arrecadados com a venda dos trabalhos será destinada para os Grupos Fazendo o Bem e Integração. Já nos dias 16 e 17 foi realizada a atividade denominada Abraço dos Corredores, onde ocorreu a integração dos setores, num clima de ampla solidariedade e alegria. CONFRATERNIZAÇÃO E CULTO ECUMÊNICO No dia 22 de dezembro ocorreu um culto ecumênico com a mensagem do secretário da Fazenda, Paulo Machado, e uma homenagem ao Servidor Nota 10 da SEFA, João Nascimento, que trabalha no Departamento de Recursos Humanos da Diretoria de Administração. Neste mesmo dia ocorreu a apresentação de pequenas peças teatrais das unidades e foi realizado um concurso denominado Invente, Tente e Faça Diferente. O Coral Oficina da Voz fez apresentações. Durante a confraternização houve o sorteio de brindes e a entrega de cestas de Natal para as secretárias e os motoristas. Os servidores doaran diversos brindes para serem encaminhados às entidades carentes na Região Metropolitana de Belém.

8 8 INFORMATIVO Um estudo da Diretoria de Arrecadação e Informações Fazendárias revela que a relação entre o Imposto sobre as Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre as Prestações de Serviços Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) e o Produto Interno Bruto do Estado do Pará, em 2003, produziu um resultado 6,93% superior à média nacional (Veja Quadro 1). A diretora de Arrecadação e Informações Fazendárias, Dayse Ana Batista Santos (foto), explica que no início de 1997 existia um hiato acentuado entre a arrecadação potencial e a efetivamente realizada no Estado. AJUSTE NA GESTÃO RELAÇÃO ICMS/PIB PARÁ É SUPERIOR A DO BRASIL EM 6,93% Havia necessidade de ajustar a gestão, traçar uma estratégia para combater este hiato e elaborar uma meta para atingir a médio e longo prazo. Em 1997, em uma análise comparativa entre o coeficiente ICMS/PIB Pará e o brasileiro, a relação paraense representava 74,83% da nacional, o que coloca o Pará em uma posição negativa em 25,17%. Começamos a desenvolver um trabalho para ampliar os mecanismos de controle da arrecadação e da fiscalização no Pará, no sentido de ampliar a arrecadação com justiça fiscal. Em sete anos, explica a diretora, o governo do Pará, através da SEFA, conseguiu reverter este quadro e alcançou QUADRO I RELAÇÃO ICMS/ PIB PARÁ X BRASIL PERÍODO: EM MILHÕES DE REAIS BRASIL PARÁ PARÁ/BRASIL ANO ICMS PIB ICMS/PIB ICMS PIB ICMS/PIB % ,85 % ,13% 74,83% ,66 % ,62 % 84,36 % ,97 % ,42 % 77,70% ,47 % ,25 % 83,70% ,86 % ,69 % 85,18 % ,82 % ,13 % 91,23% ,87 % ,41 % 106,93% Fonte: SEFA/BALANÇO CONTÁBIL/SEPOF/MIDIC/SECEX/IBGE/BANCO CENTRAL DO BRASIL QUADRO 2 - PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES NO PIB PARÁ X BRASIL PERÍODO: EM MILHÕES DE REAIS BRASIL PARÁ ANO EXPORTAÇÃO PIB % EXPORTAÇÃO PIB % % % % % % % % % % % % % % % Fonte: SEPOF/MIDIC/SECEX/IBGE/BANCO CENTRAL DO BRASIL um resultado positivo de quase 7% superior ao ICMS sobre o PIB brasileiro. Esta meta foi alcançada graças ao decisivo apoio do ex-governador Almir Gabriel e do atual governador Simão Jatene, que acreditaram e respaldaram os investimentos na modernização da Secretaria e na qualificação e valorização do servidor com um forte instrumento para o projeto de desenvolvimento do Estado. A diretora acentua ainda que o crescimento de aproximadamente 7% se deu pelo eficiente combate à evasão fiscal e à sonegação e não por aumento da carga tributária. A nossa meta, em prazo relativamente curto, é ultrapassar em 10% o coeficiente Brasil, através do aumento da arrecadação do Pará. EXPORTAÇÃO A importância desses resultados pode ser melhor evidenciada quando é observado o fato de as exportações paraenses, de suma importância para o fortalecimento da balança comercial brasileira, terem representado, em 2003, 32% do PIB estadual enquanto que, a participação das exportações corresponderam a 15% do PIB nacional. Isso significa que o ICMS arrecadado no Estado incide sobre uma base tributável inferior a 68% dos seus bens e serviços finais gerados na economia, enquanto que a base tributária do governo federal sobre esses mesmos bens e serviços corresponde aproximadamente a 85%, uma vez que nesses percentuais há uma fatia do Imposto Sobre Serviços (ISS), que é cobrada pelos municípios, finaliza ela. (Veja Quadro 2).

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal PROGRAMA: 003 - ADIMINISTRAR PARA CRESCER OBJETIVO: Modernizar a administração municipal; Valorizar o servidor público; Adequar o quadro funcional; Elevar a arrecadação da receita própria; e Promover a

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE Versão 1.0 Belém PA - Maio 2014 Sumário 1. Introdução...

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DECRETO Nº 30.989, DE 31 DE JULHO DE 2015. D.O.E.: 03/09/15 ALTERADO PELO DECRETO Nº 31.064/15. Regulamenta a Lei nº 10.279, de 10 de julho de 2015, que institui o Programa de Estímulo à Cidadania Tributária

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

Plano de Trabalho Anual. Resultados de Gestão e Progresso das Medidas e Metas do Plano de Trabalho da Receita Pública

Plano de Trabalho Anual. Resultados de Gestão e Progresso das Medidas e Metas do Plano de Trabalho da Receita Pública Plano de Trabalho Anual Resultados de Gestão e Progresso das Medidas e Metas do Plano de Trabalho da Receita Pública 1º Semestre de 2011 Secretaria Adjunta da Receita Pública - SARP ESTRATÉGIA DA SARP

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA O FORNECEDOR DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO.

INFORMAÇÕES PARA O FORNECEDOR DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. INFORMAÇÕES PARA O FORNECEDOR DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. (Com base no Decreto nº 0432, de 23 de setembro de 2003 e Instrução Normativa 019, de 26 de setembro de 2003) 1 - O QUE É O PROGRAMA NOSSA CASA?

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO ICMS ANTECIPADO - OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO para recolhimento pelos optantes do Simples Nacional? Na unificação das seguintes modalidades

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

Um balanço consolidado

Um balanço consolidado ANO XVII N o 170 OUTUBRO 2013 Receita própria do Estado aumenta 7,7% Rosemary Nascimento: a presença do fisco inibe a sonegação e amplia a arrecadação Um balanço consolidado pela Diretoria de Arrecadação

Leia mais

Captação de Recursos via Nota Fiscal Paulista. Maisa Signor Relações Institucionais

Captação de Recursos via Nota Fiscal Paulista. Maisa Signor Relações Institucionais Captação de Recursos via Nota Fiscal Paulista Maisa Signor Relações Institucionais O que é Nota Fiscal Paulista Nota Fiscal Paulista é um programa criado em 2007 pelo governo do Estado de São Paulo para

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda Manual do Usuário Sistema Notapará Programa Nota Fiscal Cidadã Objetivo: Estabelecer orientações aos usuários do sistema Notapará, tais como: usabilidade, funcionalidade e navegabilidade. Manual do Usuário

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo)

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Data D.O.: 01/03/2013 Disciplina os procedimentos administrativos necessários à liquidação de débitos fiscais do Imposto sobre Operações

Leia mais

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais para que o Estado

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Versão 2 Objetivo do Manual Orientar sobre os procedimentos necessários para comunicação à SEFA da ocorrência de infrações à legislação do Programa

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Projeto SPED de A a Z

Projeto SPED de A a Z Consultoria e Treinamentos Apresentam: Projeto SPED de A a Z SPED Decreto nº 6.022 22/01/07 Instituir o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Promover a integração dos fiscos; Racionalizar e uniformizar

Leia mais

Cartilha da Escrituração Fiscal Digital - EFD

Cartilha da Escrituração Fiscal Digital - EFD Retificação da EFD O contribuinte poderá retificar a EFD: Até o dia 15 do mês subseqüente ao período informado, independente de autorização da SEFA/PA. Encerrado o prazo sem a retificação da EFD, o contribuinte

Leia mais

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal III Seminário de Gestão e iza Arrecadação Municipal Modernização dos Instrumentos de Arrecadação Fontes de Financiamento para Fazendas Públicas Municipais. Temas abordados no evento: 1. Alternativas de

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

100 RECEITA ESTADUAL

100 RECEITA ESTADUAL 2 TABELA DE TEMPORALIDADE PARA OS DOCUMENTOS ORIUNDOS DAS ATIVIDADES-FIM DA SEFAZ/AM CÓD. ASSUNTO 100 RECEITA ESTADUAL 111 112 110 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO RECEITA ESTADUAL: NORMAS. REGULAMENTAÇÕES.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO. Declaração de Informações Econômico Fiscais DIEF Comércio Exterior

MANUAL DE ORIENTAÇÃO. Declaração de Informações Econômico Fiscais DIEF Comércio Exterior Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação Executiva de Controle de Mercadorias em Trânsito Portos e Aeroportos MANUAL DE ORIENTAÇÃO Declaração de Informações Econômico Fiscais DIEF Comércio Exterior

Leia mais

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios e do Software Público Brasileiro

Leia mais

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS Coordenação do SPED FISCAL Página 1 de 38 ÍNDICE Apresentação...4 Agradecimentos...6 O que é Escrituração Fiscal Digital (EFD)?...7 Quem está obrigado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0015, DE 29 DE JUNHO DE 2000

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0015, DE 29 DE JUNHO DE 2000 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0015, DE 29 DE JUNHO DE 2000 Publicado no DOE(Pa) de 29.06.00 Dispõe sobre a regulamentação, implantação e execução da campanha denominada Nota da sorte, Cidadania Premiada. A SECRETÁRIA

Leia mais

Situação Fiscal do Estado de São Paulo

Situação Fiscal do Estado de São Paulo 4º Seminário de Gestão Pública Fazendária Situação Fiscal do Estado de São Paulo Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Julho/2015 Índice 1. Situação Fiscal 2. Medidas de Gestão Tributária e Contenção

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO)

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO) SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Ata da 8ª Reunião do CONFAZ-M/SC

Ata da 8ª Reunião do CONFAZ-M/SC Ata da 8ª Reunião do CONFAZ-M/SC Aos vinte e oito dias do mês de julho de dois mil e nove, reuniram-se no auditório da Junta Comercial do Estado de Santa Catarina (JUCESC), na cidade de Florianópolis,

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução...03 Projetos e Fatos Relevantes 2008...03 Raio X de Investimentos e Custos...10 Considerações

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail. Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.com Agenda 1. Visão Geral e Situação Atual dos Projetos integrantes do SPED

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

100 vezes Boletim. nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008

100 vezes Boletim. nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008 nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008 100 vezes Boletim Você acaba de receber o Boletim Digital de número 100. Esse veículo vem contando, há quase dois anos e meio, a história da consolidação da Infra

Leia mais

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO?

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? R= É a cobrança do ICMS de mercadorias sujeitas à exclusão de crédito

Leia mais

Tributação Imobiliária no Brasil Revendo Desafios

Tributação Imobiliária no Brasil Revendo Desafios SEMINÁRIO INTERNACIONAL TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA INICIATIVAS PARA O FORTALECIMENTO DA AÇÃO FISCAL DOS MUNICÍPIOS EM TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Escola de Administração Fazendária _ ESAF Lincoln Institute of Land

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Plano de Trabalho Anual

Plano de Trabalho Anual Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Fazenda Plano de Trabalho Anual Resultados de Gestão e Progresso das Medidas e Metas do Plano de Trabalho da Receita Pública 2º Bimestre/09 Secretaria

Leia mais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais O sistema eletrônico de cruzamento de dados, denominado Gestão do Malha Fina foi instituído, no âmbito da Secretaria da Fazenda, considerando a necessidade

Leia mais

Objetivos do Compromisso Bahia

Objetivos do Compromisso Bahia Objetivos do Compromisso Bahia Geral Conferir qualidade ao gasto público estadual Específicos Desenvolver uma cultura de responsabilização dos servidores em relação à gestão pública Dotar o governo de

Leia mais

Guia Informativo. Adequação da automação Softpharma

Guia Informativo. Adequação da automação Softpharma Guia Informativo Adequação da automação Softpharma SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. REGULAMENTAÇÃO... 5 2.1. Obrigatoriedade do uso do ECF... 5 3. ADEQUAÇÕES NO PROCESSO DE VENDA... 5 3.1. Cupom Fiscal...

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

O Desafio da simplificação FIESP 26/9/2013. Secretaria da Fazenda - SP. JOSÉ CLOVIS CABRERA Coordenador da Administração Tributária

O Desafio da simplificação FIESP 26/9/2013. Secretaria da Fazenda - SP. JOSÉ CLOVIS CABRERA Coordenador da Administração Tributária O Desafio da simplificação FIESP 26/9/2013 Secretaria da Fazenda - SP JOSÉ CLOVIS CABRERA Coordenador da Administração Tributária Processo de Arrecadação Fluxo Geral da Arrecadação Processo de Arrecadação

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS VOCÊ JÁ TEM POUCO TEMPO. UTILIZE ESSE TEMPO PARA RESOLVER OUTROS PROBLEMAS. ACHAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS TRIBUTÁRIOS E NO SPED FAZ PARTE DAS NOSSAS ESPECIALIDADES. AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS

Leia mais

Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006

Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006 1 Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006 2006 Saulo Pereira Vieira Coordenador de Planejamento e Avaliação Secretaria de Economia e Planejamento

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Soluções em TI ao alcance de todos

Soluções em TI ao alcance de todos Você sabia que a sua prefeitura, independentemente do tamanho, pode ser beneficiada com o uso de mais de 50 aplicações que fazem parte do Portal do Software Público Brasileiro? Soluções em TI ao alcance

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA GERAL DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA GERAL DA RECEITA ESTADUAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 011/2008/GAB/CRE Porto Velho, 28 de outubro de 2008. PUBLICADA NO DOE Nº1149, DE 22.12.08 CONSOLIDADA ALTERADA PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA: Nº 009, de 30.03.09 DOE Nº 1217, de 03.04.09

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO COM ASSOCIAÇÃO COMERCIAL Memória de Reunião Local: Sala de reunião da SRE Edf. Sede da Sefaz 8º andar

MEMÓRIA DA REUNIÃO COM ASSOCIAÇÃO COMERCIAL Memória de Reunião Local: Sala de reunião da SRE Edf. Sede da Sefaz 8º andar MEMÓRIA DA REUNIÃO COM ASSOCIAÇÃO COMERCIAL Memória de Reunião Local: Sala de reunião da SRE Edf. Sede da Sefaz 8º andar Horário: 10h50 Data: 30/4/2009 Abertura da reunião A reunião aberta pela secretária

Leia mais

Parágrafo único. O Grupo Ocupações de Fiscalização e Arrecadação OFA, criado pela Lei Complementar nº 81, de 10 de março de 1993, fica extinto.

Parágrafo único. O Grupo Ocupações de Fiscalização e Arrecadação OFA, criado pela Lei Complementar nº 81, de 10 de março de 1993, fica extinto. LEI COMPLEMENTAR Nº 189, de 17 de janeiro de 2000 Extingue e cria cargos no Quadro Único de Pessoal da Administração Direta, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, Faço

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE À EVASÃO FISCAL. Comissão criada pela Portaria nº 027/SUGP/SEFAZ de 04/05/04

PROPOSTAS PARA O COMBATE À EVASÃO FISCAL. Comissão criada pela Portaria nº 027/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 S PARA O COMBATE À EVASÃO FISCAL. Comissão criada pela Portaria nº 027/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA: ATENDIDO PTA RP 2004 ATENDIDO PTA RP 2005 NÃO PREVISTO PTA RP 1. SINTEGRA UNIDADE RESPONSÁVEL OBSERVAÇÃO

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda

Secretaria de Estado da Fazenda ESTADO DO ACRE Secretaria de Estado da Fazenda Guia do Usuário setembro 2012 Apresentação A Secretaria de Estado da Fazenda no intuito de facilitar o cumprimento das obrigações acessórias e oferecer maior

Leia mais

INFORMATIVO JANEIRO/2005

INFORMATIVO JANEIRO/2005 ANO VII N O 80 INFORMATIVO JANEIRO/2005 PNAFE-PA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Com participação de 35 técnicos que trabalham nas nove áreas estratégicas e nas diretorias da instituição, foi formada a minuta

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 7 20 de Dezembro, 2010 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI EQUIPAMENTOS DE CONTROLE FISCAL - Obrigatoriedade do Uso e Concessão de Benefício do Crédito Presumido de ICMS para sua Aquisição

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

ENTENDENDO A PREFEITURA

ENTENDENDO A PREFEITURA EDUCAÇÃO FISCAL Sensibilizar o cidadão para a função socioeconômica do Tributo; Facilitar e estimular o cumprimento da obrigação tributária pelo cidadão; Incentivar a sociedade a acompanhar e fiscalizar

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS BOLETIM INFORMATIVO DUARTE BENETTI CONTABILIDADE ANO XXIX Nº 122 Dezembro / 2013 Assuntos Diversos...1 Fiscal... 2 Pessoal... 3 Social... 4 Feriado e Agenda Obrigações...5 Mensagem...6 ASSUNTOS DIVERSOS

Leia mais

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS A sua empresa em contato com o mundo Ferramenta de envio de SMS A Talktelecom Líder na América Latina em telefonia computadorizada Compete no mercado desde 1992 com soluções em telecomunicações Em plena

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

01. DÚVIDAS FREQUENTES Fcont, ECF e ECD

01. DÚVIDAS FREQUENTES Fcont, ECF e ECD BOLETIM INFORMATIVO Nº 14/2015 ANO XII (22 de maio de 2015) 01. DÚVIDAS FREQUENTES Fcont, ECF e ECD 1. Fcont (Controle Fiscal Contábil de Transição) 1.1 Plano de Contas O plano de contas do Fcont não sofreu

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA. Nota Fiscal Paulista. Manual da Entidade Social GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Nota Fiscal Paulista Manual da Entidade Social V.2 28.07.2009 Índice Analítico 1. Considerações Gerais 3 1.1 Definição 3 1.2

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: TUDO SOBRE NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO CONSUMIDOR

GUIA ATS INFORMÁTICA: TUDO SOBRE NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO CONSUMIDOR GUIA ATS INFORMÁTICA: TUDO SOBRE NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO CONSUMIDOR SUMÁRIO Introdução... 3 Requisitos para implementação da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica... 12 Vantagens da Nota Fiscal de Consumidor

Leia mais

PNAFM PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS PNAFM

PNAFM PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS PNAFM Ministério da Fazenda - MF Secretaria Executiva - SE Subsecretaria de Gestão Estratégica SGE Coordenação-Geral de Programas e Projetos de Cooperação COOPE PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL Façam perguntas por: Telefone: (71) 2105-7900 E-mail: perguntas@tmunicipal.org.br DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Com

Leia mais

NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO

NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DEZEMBRO 2014 (VERSÃO 1.3) Av. Vereador José Monteiro, nº. 2233, Setor Nova Vila - Bloco A, térreo - CEP: 74.650-900 Goiânia Goiás 1 MANUAL

Leia mais

Curso de Especialização em DIREITO TRIBUTÁRIO

Curso de Especialização em DIREITO TRIBUTÁRIO Curso de Especialização em DIREITO TRIBUTÁRIO ÁREA DO CONHECIMENTO: Direito. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Direito Tributário. PERFIL PROFISSIONAL: Conhecer a doutrina,

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO

NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO OUTUBRO 2014 (VERSÃO 1.2) Av. Vereador José Monteiro, nº. 2233, Setor Nova Vila - Bloco A, térreo - CEP: 74.650-900 Goiânia Goiás 1 MANUAL

Leia mais

O Processo Administrativo na Inscrição em Dívida Ativa Tributária

O Processo Administrativo na Inscrição em Dívida Ativa Tributária O Processo Administrativo na Inscrição em Dívida Ativa Tributária Fato que provoca discussões e controvérsias é se a inscrição de um crédito tributário na Dívida Ativa exige sempre o registro do número

Leia mais