Reunião comunitária para discutir o zoneamento da União Square. Monica R. Lamboy Executive Director OSPCD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reunião comunitária para discutir o zoneamento da União Square. Monica R. Lamboy Executive Director OSPCD"

Transcrição

1 Reunião comunitária para discutir o zoneamento da União Square Monica R. Lamboy Executive Director OSPCD

2 Por que a União Square? Centro Histórico da Cidade. Caráter distinto Em processo de ressurgimento Acesso ao trânsito rápido no futuro (linha verde) Umaforte comunidade artística Potencial de crescimento

3 Desafios existentes As leis atuais impedem o desenvolvimento Limitação de espaço aberto ao público (parques/ zonas verdes) Espaço limitado para uso comercial Desequilíbrio entre veículos, pedestres, e ciclistas Necessidade significativa de infraestrutura Estruturas históricas reduzidas em altura Terrenos subdesenvolvidos

4 Comparação com a Davis Square Olhando os lotes comerciais um raio de um quarto de milha da União Square: Tamanho e número de lotes quase idênticos Relação similar de valor do edifício ao valor do terreno A Davis tem quase duas vezes mais a metragem quadrada do espaço construído Em Davis, o valor avaliado por pé quadrado é quase 50% mais alto União Davis 67 47% 570,000 $86 Lotes Valor do edifício SqFt Valor/SqFt 66 54% 1,100,000 $122

5 Processo para o desenvolvimento da proposta Equipe novo no Departamento do Planeamento Estratégico e Desenvolvimento Comunitário (OSPCD) Revisado os comentários das versões anteriores Revisado a opinião dos vereadores Preparamos uma proposta revisada do zoneamento Para aprimorar, trabalhamos com Grupo de Discussões durante 4 meses com os representantes das organizações: AHOC Historic Preservation Commission Allen /Linden Street Neighborhood STEP Arts Union Union Square Main Streets Chamber of Commerce Union Square Neighbors Development Community

6 Visão para o União Square Centro da cidade vibrante Melhorar e preservar o caráter da área Orientado ao trânsito Centralização no desenvolvimento de várias modalidades do transporte Variedade de residências Lugar onde o artista vive/trabalha, de renda salarial accesível e mista, unidades para famílias Desenvolvimento compatível Criacão de trabalhos locais em escritório, Desenvolvimento & da Pesquisa, e indústrias criativas Espaço aberto Melhoria das áreas verdes (parques) e a qualidade de vida

7 Princípios Prinicpais de Organização ão- p.1 Facilitar o desenvolvimento em áreas de oportunidade Reconstruir áreas pouco utilizadas Construir (Infill/ Encher) onde apropriado Aproximação estratificada (Step-down) para vizinhanças estabelecidas Respeitar a transição entre zonas commerciais e residenciais Aumento recuos (setbacks) e rebaixamento da altura de prédios perto de zonas residenciais Zonas-tampão (restritas) entre a zona residenciais e de mais alta concentração Abragimento equilibrado à circulação Usos e planos de construção amigáveis a pedestre Redução exigências do estacionamento Aumento das exigências de estacionamento de bicicletas

8 Princípios Principais de Organização ão- p.2 Assegurar a qualidade e a compatibilidade do projeto Criar diretrizes de projeto para cada área Exigências para que os últimos andares sejam construídos longe da rua (step back) Incentivo para que os prédios históricos retornem à altura original Forneçer uma certeza maior Critérios específicos de maneira que os que estão desempenhando o trabalho saibam o que esperar Proibição de isenções (waivers/ dispensas) Revisão mais intensa para novas construções Incentivo ao desenvolvimento sustentável Incentivos para os edifícios verdes (amigáveis ao meio-ambiente) Promoção de atividade para pedestre e ciclistas

9 Proposta zoneamento da União Square Distrito do Corredor Comercial (CCD) Distrito Orientou o Trânsito (TODs) Distrito de Cobertura das Artes (AOD)

10 Distrito do Corredor Comercial Propósito: Para controlar o desenvolvimento ao longo dos corredores (passagem) de tráfego pesado, especialmente nas áreas em que estes corredores passam por praças comerciais. Objetivos: Junção do transporte com e desenvolvimento econômico Preservação e complementação das estruturas históricas e seu caráter Incentivo ao desenvolvimento comercial do uso misto de meia-altura Desencorajemento dos usos inaprópriados de orientação automobilística Promoção de atividades para pedestres e ciclistas

11 Distrito do Corredor Comercial (CCD) Usos comerciais no piso térreo (primer andar) Parede contínua na rua com ilhas comerciais pequenas Desenvolvimento pleno (Infill) Incentivo para prédios históricos Exigências de estacionamento reduzidas Pagar ao invéz de ter estacionamento (Buyout) FAR 3.0 Height 55 ft

12 Imagens de Exemplos (CCD) 31 Union Square 2.9 FAR 6 Giles Park 3.0 FAR

13 Distrito de Cobertura das Artes Propósito: Para incentivar a preservação e a melhoria dos usos relacionados con as artes em União Square e em outras áreas apropriadas da cidade. O objectivo do distrito é de também para preservar e melhorar a área como um centro de varejo, serviços ás empresas, residências, uso de escritórios e para promover um forte caráter e uma escala pedestre em todo o distrito.

14 Distrito Cobertura das Artes Bônus FAR (da área da construção com relação ao terreno) para projetos com 100% do uso destinado a arte Bônus modesto para as áreas concentradas onde artistas moran/trabalham Alívio das limitações existentes de estacionamento

15 Imagens de Exemplos (AOD)

16 Distrito Orientou ao Trânsito Propósito: Para incentivar o desenvolvimento de uso misto orientado ao trânsito com acesso bem-projetado ao pedestre perto das conexões do trânsito e das áreas comerciais. Objetivos: Facilitar uma mistura de usos que contribuam para um ambiente empresarial vibrante e aumentem as atividades nas calçadas Reconstruir terrenos vagos ou que não estão sendo utilizados com desenvolvimento apropriados do uso misto e densidade Aumento do fornecimento da residências com preço acessível Incentivo ao desenvolvimento sustentável e o uso de critérios de edifícios amigáveis ao meio-ambiente (green)

17 TOD 55 Propósito: Para permitir oportunidades do desenvolvimento de uso misturado perto de vizinhanças residenciais menos densas já rxistentes. Antecipa-se que o desenvolvimento em quadras comerciais será uma mistura de usos comerciais e residenciais. Antecipa-se que o desenvolvimento em ruas do serviço local será predominante residencial.

18 Distrito Orientou ao Trânsito 55 (TOD 55) Ambiente residencial terá estruturas de meiaaltura primeiramente Criação de áreas restritas nas vizinhanças residenciais Redução das exigências de estacionamento FAR 3.0 Altura 55 pés

19 Imagens da amostra (TOD 55) Altura de~55 Pés 361 Somerville Avenue 3.5 FAR

20 TOD 85 Propósito: Este subdistrito de densidade moderada complementará os desenvolvimentos existentes próximos e servirá como um passagem aos distritos de densidade maior. O uso orientado ao pedestre é generalment exigido neste subdistrito ao longo das ruas públicas principais para incentivar a atividade ao nível da rua.

21 Distritos Orientou ao Trânsito 85 (TOD 85) Distrito é situado en ambas extremidades do corredor do Rua Prospect Exigência centrada no pedestre sustenta atividades ao nível da calcada Exigências que os andares acima de 55 p é s sejam construídos longe da rua (step back) Incentivo aos edifícios amigáveis ao meio-ambiente (green) 5% do uso deve ser relativos ás artes 15% das residências devem ser de preços acessíveis FAR 4.0 Altura 85 Pés

22 Sample Images (TOD 85)

23 TOD 100 Propósito: Para fornecer um núcleo mais comercial e mais alto com oportunidades de edifícios com corbertura assim como com fachadas a nível da rua e que se relacionam ás estruturas próximas de meia-altura. O uso orientado ao pedestre e generalmente exigido neste subdistrito ao longo das ruas públicas principais para incentivar a atividade a nível da calçada.

24 Distritos Orientou o Trânsito 100 (TOD 100) Conexão entre o Boynton Yards e União Square Exigência centrada no pedestre sustenta atividades a nível da calçada Exigências que os andares acima de 55 ft sejam construídos longe da rua (step back) Incentivo aos edifícios amigáveis ao meio-ambiente (green) 5% do uso deve ser usos relacionado as artes 15% do use devem ser residências de preço acessíveis FAR 4.0 Height 100 ft

25 Sample Images (TOD 100)

26 TOD 135 Propósito: Para fornecer maiores oportunidades de desenvolvimento econômico,e ao mesmo tempo estar localizado estratègicamente para minimizar impactos nas vizinhanças existents. Para diminuir a densidade, espera-se o aumento da provisão da espaço aberto público nesta area.

27 Distritos Orientou ao Trânsito 135 (TOD 135) Transformação em Boynton Yards, amortecedor de McGrath Permite usos industriais modestos A exigênciadeespaço aberto é aumentada a 15% Incentivo aos edifícios amigáveis ao meio-ambiente (green) 5% do uso deve ser usos relacionado ás artes 17.5% das residências devem ser de preços acessíveis FAR 6.0 Height 135 ft

28 Imagens da amostra (TOD 135)

29 Exigência Centrada no Pedestre Alguns quadras têm a exigência específica para o uso do pedestres Os usos incluem: serviço e varejo grandes/ pequenos; lugar para comer e beber; parque e espaço aberto; facilidade do trânsito rápido; e uso municipal Permitirá o espaço para o átrio e entrada para o estacionamento

30 Plano Abrangente do Zoneamento

31 Etapas seguintes Programação de reuniões de acompanhamento Materiais no Website (www.somervillema somervillema.gov) Pode requisitar uma reunião com o seu grupo Apresenta resentação aos vereadores no outono

32 Thanks to Focus Group! Abby Freeman Ben Dryer Beth Driscoll Ed Marakovitz Ellin Reisner Eric Fellinger (alternate) Frank Martelli Fred Berman (observer) Greg Jenkins Jacky Amburn Jean Martelli (observer) Jeff Meese Ken Kelly Margo Grossberg Mary Regan McFall Kerbey Mimi Graney Stuart Dash Ted Hatzis Trey Agnew Vicky Choitz Wig Zamore

33 CONTACT INFO Monica Lamboy, Executive Director Madeleine Masters, Planning Director Rob May, Director of Economic Devt Stephen Houdlette, Senior Econ Devt Spec Christopher DiIorio,, Senior Planner Lori Massa, Planner OSPCD 93 Highland Avenue Somerville, MA x 2500

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Green Line Extension Project Fall 2011

Green Line Extension Project Fall 2011 Green Line Extension Project Fall 2011 Introdução O Departamento de Transportes de Massachusetts (MassDOT) e a Autoridade de Transportes da Baía de Massachusetts (MBTA) estão trabalhando em conjunto para

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Ana Nassar, ITDP Brasil Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana SEMOB - GDF Brasília, 24 de setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

5. LEVANTAMENTO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO 5.1. RELAÇÕES TEMÁTICA / SÍTIO SÍTIO PROPOSTO O sítio proposto para a implantação situa-se no limite dos bairros Menino Deus e Praia de Belas, divididos pela Avenida

Leia mais

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Contexto das cidades Expansão urbana Modelo de ocupação territorial

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável Gabinete de Planeamento Inovação e Avaliação Catarina Marcelino (cmarcelino@imtt.pt) http://www.imtt.pt APA, 14 de Fevereiro de 2012 Índice 1. Conceito

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes AVALIAÇÃO NOVO PDE Claudio Bernardes ORDENAÇÃO TERRITORIAL MACROÁREAS MACROZONEAMENTO ZONEAMENTO ZONAS ESPECIAIS EIXOS DE ESTRUTURAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO URBANA MACROZONAS I Macrozona de Proteção e Recuperação

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA DO PIER NA ZONA PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO

PROPOSTA ALTERNATIVA DO PIER NA ZONA PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO ABRIL 23 1. Introdução ao setor e datos SITUAÇÃO 1. Introdução ao setor e datos ÁREA DE TRABALHO : 5.000.000 m2 (500 Ha) DATOS : ~ 22.000 habitantes hoje --- IDH = 0.792 ( 97º in Rio) (Gávea nº1 IDH =

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999 P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DEZEMBRO/1999 1999 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S S O

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

Vila Mariana. Fazendo a cidade com as próprias mãos. Subprefeitura. Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Vila Mariana. Fazendo a cidade com as próprias mãos. Subprefeitura. Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Vila Mariana Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana A cidade a gente

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5 Avenida Brasil HISTÓRICO A partir de 1935 foram definidas zonas de ocupação mais específicas dentre as quais a Zona Industrial. A primeira zona industrial efetivamente delimitada foi a de São Cristóvão.

Leia mais

RELACIONANDO A OCUPAÇÃO URBANA COM O SISTEMA VIÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RELACIONANDO A OCUPAÇÃO URBANA COM O SISTEMA VIÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RELACIONANDO A OCUPAÇÃO URBANA COM O SISTEMA VIÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Vânia Barcellos Gouvêa Campos Bruna Pinheiro de Melo Instituto Militar de Engenharia Mestrado em Engenharia de Transportes

Leia mais

WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP

WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP Eixo Temático: Ciências Sociais WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP RESUMO: Carolina Furlan Carcaioli 1 Odaleia Telles M.M. Queiroz 2 O planejamento urbano lida basicamente com

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos

Fazendo a cidade com as próprias mãos Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Penha Distritos de Artur Alvim, Penha, Cangaíba e Vila Matilde A cidade

Leia mais

ANEXO 5 - TABELA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS TABELA DE CONTROLE URBANÍSTICO

ANEXO 5 - TABELA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS TABELA DE CONTROLE URBANÍSTICO ANEXO 5.1 - ZONA COMERCIAL 1 ZC1 mínimo básico máximo (1) ocupação permeabilidade frente fundo Residencial Unifamiliar qualquer via, as atividades classificadas em G2 nas vias coletoras e superiores e

Leia mais

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A melhor localização de Águas Claras Surpreenda seus clientes com estilo. No comércio, o ponto é tudo! Na região que vem se consolidando como maior centro comercial de Águas Claras, nasce o Supremo Mall,

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento. Pinheiros

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento. Pinheiros Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Pinheiros Distritos Alto de Pinheiros, Pinheiros, Itaim Bibi e Jardim Paulista

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Itaim Paulista Distritos Lajeado e Itaim Paulista A cidade a gente constrói

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE. Subprefeitura. Perus. Distritos Anhanguera e Perus

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE. Subprefeitura. Perus. Distritos Anhanguera e Perus Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura Perus Distritos Anhanguera e Perus O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE T A cidade a gente constrói juntos! Saiba

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

CENTROS URBANOS VITAIS O caso da avenida São Pedro

CENTROS URBANOS VITAIS O caso da avenida São Pedro CENTROS URBANOS VITAIS O caso da avenida São Pedro Josiane Silva Lopes Bolsista BIC Uniritter Júlio Celso Vargas - Orientador Porto Alegre dezembro de 2004 APRESENTAÇÃO / OBJETIVOS O trabalho trata de

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA]

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] OBJETIVO Diagnosticar a opinião de moradores proprietários de imóveis no Jardim Esplanada sobre a possível mudança de zoneamento de residencial para comercial

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE São Miguel Distritos Vila Jacuí, São Miguel Paulista e Jardim Helena T A

Leia mais

Manual do Associado 2013/2014

Manual do Associado 2013/2014 Manual do Associado 2013/2014 Praça Conde de Barcelos 1 2 A SAAP E SUA ORIGEM Somos uma associação da sociedade civil sem fins lucrativos, fundada e legalmente constituída em dezembro de 1977, com o objetivo

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Santana Distritos Mandaqui, Santana e Tucuruvi A cidade a gente constrói

Leia mais

DIAGNÓSTICO URBANO DO BAIRRO RODRIGUES E DA PRAÇA CAPITÃO JOVINO NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS

DIAGNÓSTICO URBANO DO BAIRRO RODRIGUES E DA PRAÇA CAPITÃO JOVINO NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS DIAGNÓSTICO URBANO DO BAIRRO RODRIGUES E DA PRAÇA CAPITÃO JOVINO NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS Denize Fabiani (1) Daniela Maroni (2) Graziela Rossatto Rubin (3), Andrea Mussi (4) (1) Aluna da Escola de Arquitetura

Leia mais

Rio Branco, capital do Estado do Acre, foi fundada no final de 1882, na margem direita do Rio Acre pelo seringalista NeutelMaia com onome Voltada

Rio Branco, capital do Estado do Acre, foi fundada no final de 1882, na margem direita do Rio Acre pelo seringalista NeutelMaia com onome Voltada Prefeitura Municipal de Rio Branco Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito RBTRANS II Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Programa Cidades Sustentáveis Melhor Mobilidade,

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV Mário Barreiros Arquiteto Mestre em Engenharia Civil e Urbana Flektor Engenharia e Consultoria Ltda. Palestra realizada para o Instituto de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

Seção I: Um pouco sobre você

Seção I: Um pouco sobre você Qual o propósito desta sondagem? Gostaríamos de saber o seu parecer sobre as necessidades e prioridades residenciais e comunitárias mais importantes de New Bedford. De cinco em cinco anos a Cidade de New

Leia mais

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo A em pre sa Institucional Desde 2003 no mercado do Vale do Aço, a Costa Construtora investe em qualidade e tecnologia com o objetivo de atender toda a demanda na área de construção civil e melhorar o desempenho

Leia mais

Perguntas e respostas: Estudo de Saúde do Aeroporto de Logan

Perguntas e respostas: Estudo de Saúde do Aeroporto de Logan DEVAL L. PATRICK GOVERNADOR JOHN W. POLANOWICZ SECRETÁRIO CHERYL BARTLETT, RN COMISSÁRIA The Commonwealth of Massachusetts Executive Office of Health and Human Services Department of Public Health Bureau

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

Vila Prudente Sapopemba

Vila Prudente Sapopemba Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE Subprefeitura T Vila Prudente Sapopemba Distritos de São Lucas, Vila Prudente e Sapopemba

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2011

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2011 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2011 A QUALIDADE DA OFERTA DO NOVO ESTOQUE DE CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS COM FOCO NA DEMANDA E NO CENÁRIO ECONÔMICO ATUAL Pedro Poletto,

Leia mais

PGT - 1* para AUTOMÓVEIS. 1 vaga / unid com área 150 m² 1 vaga / unid c/ área 150 m² 2 vagas / unidade 1 vaga / 5 unidades

PGT - 1* para AUTOMÓVEIS. 1 vaga / unid com área 150 m² 1 vaga / unid c/ área 150 m² 2 vagas / unidade 1 vaga / 5 unidades USO para AUTOMÓVEIS PGT - 1* para AUTOMÓVEIS para BICICLETAS para MOTOCICLETAS Residências Unifamiliares 1 vaga/ unidade - - - 1 vaga / unidade Condomínios Unifamiliares - 2 vagas / unidade 1 vaga de visitante

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Pirituba Distritos de Jaraguá, Pirituba e São Domingos A cidade a gente

Leia mais

Distribuição das habitações económicas e sociais das dezanove mil habitações públicas

Distribuição das habitações económicas e sociais das dezanove mil habitações públicas Distribuição das habitações económicas e sociais das dezanove mil habitações públicas 4 de Junho de 2012 Nota de imprensa (Instituto de Habitação, Gabinete para o Desenvolvimento de Infraestruturas, Direcção

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

[ ] Propostas para a revisão do Plano Diretor. Mobiliza Curitiba

[ ] Propostas para a revisão do Plano Diretor. Mobiliza Curitiba Propostas para a revisão do Plano Diretor Mobiliza Curitiba Curitiba, novembro de 2014 As propostas aqui contidas foram resultado de extensos debates ao longo do último ano, por uma articulação de atores

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Gustavo Guerrante 30 de novembro de 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Ilustração artística da portaria. CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Estrada Ferreira Guedes, 784 Potuverá Itapecerica da Serra SP Brasil 23 43 04.00 S 46 53 32.00 O GR Guarulhos GR Hortolândia GR

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE T Casa Verde Distritos Limão, Cachoeirinha e Casa Verde A cidade a gente

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

Intervenções Urbanísticas em Metrópoles Mundiais e as Oportunidades para o Brasil

Intervenções Urbanísticas em Metrópoles Mundiais e as Oportunidades para o Brasil Intervenções Urbanísticas em Metrópoles Mundiais e as Oportunidades para o Brasil Como investir em um mundo em constante mudança? As oportunidades do Brasil acabaram? Como tomar decisões assertivas? 1930:

Leia mais

Apartamentos Disponíveis em Salvador

Apartamentos Disponíveis em Salvador Apartamentos Disponíveis em Salvador Não é surpresa que um apartamento em Salvador seja a escolha de muitos compradores que querem viver ou investir nessa linda cidade litorânea. Tem tudo o que um investidor

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento POLICE NETO

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento POLICE NETO Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Sé Distritos Bela Vista, Bom Retiro, Cambuci, Consolação Liberdade, República,

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

ANEXO I TABELA DO NÚMERO DE VAGAS DESTINADAS A ESTACIONAMENTO, NOS DIVERSOS TIPOS DE EDIFICAÇÕES

ANEXO I TABELA DO NÚMERO DE VAGAS DESTINADAS A ESTACIONAMENTO, NOS DIVERSOS TIPOS DE EDIFICAÇÕES ANEXO I TABELA DO NÚMERO DE VAGAS DESTINADAS A ESTACIONAMENTO, NOS DIVERSOS TIPOS DE EDIFICAÇÕES TIPOS DE EDIFICAÇÕES COLETIVAS MULTIFAMILIARES COMERCIAIS E DE SERVIÇOS CENTROS COMERCIAIS, SHOPPING CENTERS

Leia mais

Os componentes espaciais da

Os componentes espaciais da Os componentes espaciais da sustentabilidade The spatial components of sustainability Dr Beatriz Campos 1 O layout da cidade é o maior objeto da ç humana. criação Os espaços públicos urbanos são o teatro

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA

TRANSCRIÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA TRANSCRIÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA O MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, através da Secretaria Municipal de Urbanismo (SMU), em respeito ao princípio constitucional da publicidade e transparência, publica o texto

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 44/4 Setembro/04 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

INTEGRAR QUALIDADE, AMBIENTE E HIGIENTE E SEGURANÇA NO TRABALHO

INTEGRAR QUALIDADE, AMBIENTE E HIGIENTE E SEGURANÇA NO TRABALHO por SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTE QUALIDADE E SEGURANÇA por INTEGRAR QUALIDADE, AMBIENTE E HIGIENTE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 por Com a publicação das recentes normas internacionais da série 14000, sobre

Leia mais

VIII - participação da comunidade na gestão urbana.

VIII - participação da comunidade na gestão urbana. LEI COMPLEMENTAR N.º 416, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2.004 Estabelece diretrizes para ocupação do solo. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ, Estado de São Paulo, de acordo com o que decretou a Câmara Municipal

Leia mais

PROPOSTA DE INDICADORES DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL RELACIONANDO TRANSPORTE E USO DO SOLO. V. B. G. Campos, R. A. R. Ramos

PROPOSTA DE INDICADORES DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL RELACIONANDO TRANSPORTE E USO DO SOLO. V. B. G. Campos, R. A. R. Ramos PROPOSTA DE INDICADORES DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL RELACIONANDO TRANSPORTE E USO DO SOLO V. B. G. Campos, R. A. R. Ramos RESUMO Neste trabalho apresenta-se uma proposta de indicadores de mobilidade

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura M Boi Mirim Distritos Jardim Ângela e Jardim São Luís A cidade a gente

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

Em conexão com a cidade

Em conexão com a cidade Em conexão com a cidade O mundo exige conexão. Na vida virtual, na vida real, é preciso estar sempre perto de tudo, pronto para ir a qualquer lugar de forma rápida, acessível para quem precisar se conectar

Leia mais

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km .5. Intervenções físicas e aplicação dos instrumentos urbanísticos visando potencializar a inserção e a dinâmica urbana nas estações do projeto Trem Regional. APÊNDICE I .5. Intervenções físicas e aplicação

Leia mais

Concepção e planejamento de projetos para serem vendidos a terceiros;

Concepção e planejamento de projetos para serem vendidos a terceiros; A Park Development Corporation (PDC) começou sua história em 1977, quando David Townsend iniciou no mercado imobiliário e de finanças. A Park Development é uma companhia de desenvolvimento empresarial

Leia mais

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS Angelo Derolle Filho SISTEMA VULKEM PRINCIPAIS VANTAGENS Sistema Impermeável

Leia mais

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Revisão de 2014 Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer As propostas contidas nesta cartilha foram resultados de intervenções urbanas e processos

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais