N : 3R BRASIL TEL S.A. Laudo de Dosimetria de Fone de Ouvido por Atividade Edição: 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "N : 3R BRASIL TEL S.A. Laudo de Dosimetria de Fone de Ouvido por Atividade Edição: 1"

Transcrição

1 Cliente: Projeto: N : Data: 05/01/ de 21 Laudo de Dosimetria de Fone de Ouvido por Atividade Edição: 1 Revisão: 0 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: CAMBÉ - PR SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório é parte integrante do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e do Programa de Conservação Auditiva (PCA) da 3R BTASIL TEL S.A. Refere-se as questões metrológicas, metodologias e procedimentos empregados nas avaliações de audio-dosimetrias de fone de ouvido em atividades de Call Center escolhidas de forma aleatórias, dentre as áreas e períodos mais críticos, isto é, focando o pior caso. Foi solicitado pela Área de Saúde e Segurança do Trabalho da Empresa conforme apresentado na proposta: PR_3R_ Especializada 09_revB. Também ao final deste sumário é apresentado uma avaliação demanda por um cliente específico para análise durante a jornada de trabalho com o uso de dois head sets de fornecedores diferentes. Esta mesma técnica já foi usada em piloto de helicóptero e avião, operadores de rádio, testadores de linha telefônica e em equipamento estetoscópios especiais usados na área de manutenção de grandes máquinas em mineradoras... Alguns dados não puderam ser mostrados por serem elevados e muito específico, facilitando a identificação da empresa. Nossa intenção é mostrar a existência de diferentes técnicas já a anos consagradas e, também, a grande necessidade de realizar tais medições em atividade que se utilizam de aparelhos do tipo fone de ouvido ou rádio de comunicação, que ficam a menos de 5cm da orelha externa. ESCOPO DE FORNECIMENTO São partes integrantes deste relatório (17) dezessete laudos de áudio-dosimetria de nível de pressão sonora dos Grupos Homogêneos de Exposição ou de Responsabilidade, identificados pela sigla NPS_FONE_N/S_ANO_LD_.LRU com o histórico de medição impresso pelo sistema/equipamento de medição, anexo aos laudos. Portanto, compõem o presente relatório os Laudos dos Grupos Homogêneo de Exposição com o NEN (nível de pressão sonora normalizado) e o histórico de medição impresso pelo equipamento de medição. As siglas LD Lado Direito, LE Lado esquerdo e PA são utilizadas para a localização dos diferentes pontos no mesmo andar, portanto define-se os grupos em função da localização. AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA EMPRESA SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE.

2 2 de 21 Foram elaborados os seguintes laudos conforme cronograma de entrega: Jornada de 6 horas diárias, 6 vezes por semana. Total de 36 horas semanais TABELA A - TABELA DE RESULTADO PARA ATIVIDADES DE 36 HORAS SEMANAIS LAUDO / DOCUMENTO GHE - Setor Função NPS_FONE_04_09_LD_ NPS_FONE_05_09_LD_ NPS_FONE_06_09_LD_ NPS_FONE_07_09_LD_ NPS_FONE_08_09_LD_ NPS_FONE_09_09_LD_ NPS_FONE_10_09_LD_ NPS_FONE_11_09_LD_ NPS_FONE_12_09_LD_ NPS_FONE_13_09_LD_ NPS_FONE_14_09_LD_ NPS_FONE_15_09_LD_ NPS_FONE_16_09_LD_ NPS_FONE_17_09_LD_ NPS_FONE_18_09_LD_ /1o andar/ Premium (LD/PA 77XX) / 1o Andar/Premium (LD/PA X8XX) / 1o Andar/Massivo (LE/PA - XX4) /9º Andar /Premium (LD/PA XX44) Call Center/receptivo / 10o Andar/Massivo (LE/PA - XX02) / 7o Andar/Top Premium (LE/PA 7512) / 6o Andar/Top Premium (LD/PA XX53 ) / 10o Andar/Top Premium (LD/PA XX65) / 9o Andar/Top Premium (LE/PA XX10) / 8o Andar/ Premium (LE/PA XX21) / 7o Andar/ Premium (LD/PA XX46) / 3o andar/ Massivo (LE/PA XX25) / 6o andar/ Massivo (LD/PA XX47) / 3o andar/ Premium (LD/PA XX54) / 5o andar/ Premium (LD/PA XX45) SEM ESPUMA Nível de Exposição Médio da jornada de trabalho TWA db(a) (6 horas) Nível de Tolerância e de Ação em db(a) (36 horas por semana) Nível de Ruído de Fundo do Ambiente (L95) em db(a) Nível de Pressão Sonora Recomendado pela NR-17 e NBR q=5 82,6 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 63,0 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 85,9 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 63,0 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 85,2 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 64,0 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 74,6 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 65,0 db(a) 65 e 60 db(a) q= db(a) 85, e 80,8 db(a) 66,5 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 67,3 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 62,0 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 71,1 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 63,0 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 74,8 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 63,5 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 72,0 db(a) 85,8 e 80,8 db(a) 62,5 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 70,3 db(a) 85, e 80,8 db(a) 64,5 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 68,1 db(a) 85, e 80,8 db(a) 64,0 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 71,6 db(a) 85, e 80,8 db(a) 63,5 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 68,5 db(a) 85, e 80,8 db(a) 63,5 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 77,9 db(a) 85, e 80,8 db(a) 64,0 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 71,0 db(a) 85, e 80,8 db(a) 62,0 db(a) 65 e 60 db(a)

3 3 de 21 Jornada de 8 horas diárias, 5 vezes por semana. Total de 40 horas semanais (ACGIH) TABELA B - TABELA DE RESULTADO PARA ATIVIDADES DE 40 HORAS SEMANAIS LAUDO / DOCUMENTO GHE - Setor Função NPS_FONE_19_09_LD_ NPS_FONE_20_09_LD_ Call Center / Consultor de Relacionamento / 3o Andar/(LE/PA 7X01) Call Center / Consultor de Relacionamento / 4o Andar/(LD/PA 71XX) Consultor de Relacionamento Consultor de Relacionamento Nível de Exposição Médio da jornada de trabalho TWA db(a) (8 horas) Nível de Tolerância e de Ação em db(a) (40 horas por semana) Nível de Ruído de Fundo do Ambiente (L95) em db(a) Nível de Pressão Sonora Recomendado pela NR-17 e NBR q=5 66,3 db(a) 85, e 80,8 db(a) 62,5 db(a) 65 e 60 db(a) q=5 65,6 db(a) 85, e 80,8 db(a) 62,0 db(a) 65 e 60 db(a) Conforme resultados informados nas tabelas A e B não foram superados os limites de exposição para insalubridade ou de ação de acordo com as NR-15 e NR-9 do Ministério do Trabalho e Emprego. Em destaque algumas fotos dos ambientes onde houveram as medições: Figura A Preparação do sistema com carrapato e fones fornecidos pela empresa Figura B Início dos trabalhos e detalhe do fone no ouvido (pina) do sistema de medição

4 4 de 21 Figura C Realização de uma medição sem espuma como destacado na imagem Resultados estatísticos característicos das atividades na empresa com head-set: 8% Gráfico de Ocorrência de NPS - Nível de Pressão Sonora 6% Quantidade de Ocorrência 4% 2% 0% Underflow 32.0 db 34.5 db 37.0 db 39.5 db 42.0 db 44.5 db 47.0 db 49.5 db 52.0 db 54.5 db 57.0 db 59.5 db 62.0 db 64.5 db 67.0 db 69.5 db 72.0 db 74.5 db 77.0 db 79.5 db 82.0 db 84.5 db 87.0 db 89.5 db 92.0 db 94.5 db 97.0 db 99.5 db db db db db db db db db Nível de Pressão Sonora em db(a) Figura D Forma do gráfico das medições menos elevadas com ruído de fundo próximo a 65,0 db(a)

5 5 de 21 Gráfico de Ocorrência de NPS - Nível de Pressão Sonora 4% 3% Quantidade de Ocorrências 2% 1% 0% Underflow 32.0 db 34.5 db 37.0 db 39.5 db 42.0 db 44.5 db 47.0 db 49.5 db 52.0 db 54.5 db 57.0 db 59.5 db 62.0 db 64.5 db 67.0 db 69.5 db 72.0 db 74.5 db 77.0 db 79.5 db 82.0 db 84.5 db 87.0 db 89.5 db 92.0 db 94.5 db 97.0 db 99.5 db db db db db db db db db Nível de Pressão Sonora em db(a) Figura E Forma do gráfico das medições mais elevadas com ruído de fundo acima de 65,0 db(a) A avaliação estatística é fundamental para a análise dos dados de medição com a identificação do tempo de escuta e standby, além do ruído de fundo do ambiente. AVALIAÇÃO TÉCNICA E COMPARATIVA DE DOIS HEAD-SETS Estudo através da medição e análise da exposição habitual e permanente a níveis de pressão sonora em uma atividade real executada por um operador de Call-Center com fone de ouvido antigo (head-set) e divisor de sinal para medição simultânea dos diferentes tipos com a cabeça artificial. As medições compreendem jornadas parciais, buscando a exposição de maior risco (EMR) da atividade com medição em tempo real em dois canais utilizando os dois ouvidos da cabeça artificial. Um medindo o fone antigo e o outro medindo o fone novo. Sendo calculada a dose de ruído ocupacional nos períodos de trabalho de 6, 8 e 11 horas diário, o TWA, e os níveis máximos e mínimos e o LEQ, além da comparação do isolamento externo e das características dos sinais dos dois fones A avaliação da qualidade do sistema de comunicação telefônico pode ser feita através de ensaios de inteligibilidade acústica da fala e medições dos níveis de pressão sonora de exposição do trabalhador, este último objetivo da presente.

6 6 de 21 O presente estudo foi solicitado pela área de RH para a realização de avaliação de uma única situação real, conforme PROPOSTA TÉCNICA E COMERCIAL para Serviço de Estudo e Medição de Nível de Pressão Sonora (Ruído) em Aparelhos de Headset(s) Este trabalho não mostra o estudo por completo, pois foi adaptado de um trabalho realizado em um cliente real. Contudo pode ser verificado a importância da metodologia e o uso de equipamentos adequados para a realização das avaliações. Analisar de Freqüência RTA Medição e análise de freqüência em fones, referente à execução do serviço in loco com softwares e hardwares desenvolvidos e calibrados no INMETRO utilizando plataforma Labview (compilado) que permite uma maior automação para visualizar e análise dos dados ocupacionais. O monitoramento realizado em tempo real e on line com uma unidade leitora de quatro canais acoplada a um Laptop e cabeça artificial. O sistema permite realizar um estudo da exposição do Operador de Telemarketing nos dois ouvidos simultaneamente (aberto sem fone, fechado com fone) gravando os níveis de pressão sonora em freqüência, os eventos acima de um determinado valor (ex: 80 db(a)) em arquivos.wav para posterior verificação através de reprodutor.wav do evento. O sistema também fornece a dose e os níveis de pressão sonora máximos e de pico. As medições englobam a jornada. Figura F Equipamento de medição calibrado no INMETRO como analisador e adaptado a cabeça mecânica da Neumann Americana (segue as Normas ITU já com compensação para campo difuso)

7 7 de 21 Fotos das medições no local Fotos G Detalhe do aparto montado para realização das medições com três head-sets (um no operador e os outros dois, que serão comparados, na cabeça mecânica). Canal 1 Head Set A ; Canal 3 Head Set B > Medição durante a Jornada de Trabalho (normal) Detalhe dos dois canais:

8 8 de 21 > Zoom na região de ruído de fundo /sem som nos fones > Análise dos tempos de respostas dos fones

9 9 de 21 Medição da Jornada (Ovido trocado) Head Set A Head Set B 90 Leq do 85 Período em db(a) Tempo (min) Gráfico 1 HS A no canal 1 e HS B no canal 3 durante a medição da jornada (3R Analizer) O aperto dos fones na cabeça pode ser o maior motivo das diferenças entre os fones quando da alternância entre as respostas dos fones para NPS elevado e quando captado apenas o ruído de fundo do ambiente. Inversão dos canais de medição Canal 1 Head Set B ; Canal 3 Head Set A > Medição durante a Jornada de Trabalho (normal)

10 10 de 21 > Medição durante a Jornada de Trabalho com volume alto (pior caso para o ambiente analisado) Comparativo do LEQ com volume máximo 100 Head-Set B Head-Set A Leq (dba) Tempo (min) Gráfico 2 Fone B no canal 1 e A no canal 3 durante a medição com volume próximo do máximo

11 11 de 21 Comparação entre os resultados ocupacionais: Medição ocupacional Nível Médio TWA db(a) - B Nível Máximo db(a) LMAX B Nível Médio TWA db(a) - A Nível Máximo db(a) LMAX A Jornada Normal (Inicial) Jornada Normal (Média) Volume Máximo durante a operação 77,3 93,0 77,1 dba 90,8 dba 76,0 94,3 75,8 dba 98,3 dba 82,7 98,4 84,6 dba 101,3 dba Na comparação verifica-se que com uma utilização moderada dos dois head-sets de diferentes fabricantes os valores são praticamente os mesmos variando nos valores máximos para o B que naturalmente também será maior (isto é, expõem mais o colaborador) com o aumento de volume, isto é, com atividades em ambientes de ruído de fundos mais elevados com necessidade de aumento de volume para melhorar a inteligibilidade na conversação. Neste caso os níveis médios chegaram a 84,6 db(a). Fotos H Detalhe da medição realizada em Helicóptero. Não há interferência com a atividade do piloto. COMPARAÇÃO ENTRE TÉCNICAS DE MEDIÇÃO Há duas técnicas de medição que permitem a avaliação de áudio-dosimetria em operadores de telemarketing, dentre outras atividades que usam fones de ouvido. A norma ISO trata sobre a avaliar a exposição a ruído em atividades com fones, considerando duas técnicas: cabeça artificial padronizada e microfone em ouvido real. Contudo a técnica mais adequada e abrangente é a da cabeça artificial também chamada de cabeça mecânica. No caso do presente trabalho, por exemplo, somente a técnica da cabeça artificial, isto é, com o head and torso Simulator, padronizada pelas normas ITU podem ser aplicadas para o trabalho demandado.

12 12 de 21 A técnica do microfone de ruído real é bastante adequada quando se está trabalhando com bonecos ou adaptadores em orifícios com dimensões conhecidas, que possibilita a correção com o ajunte das freqüências por oitava para o campo difuso. Para medição com indivíduos utilizando a técnica do ruído real o colaborador deve passar por uma avaliação médica para medição do canal auditivo, limpeza e corte dos pelos. Além disso, há as questões de prós - processamento e identificação de erros de medição inerente a esta técnica que deverá ser levado em consideração. A colisão da probe onde fica o mini-microfone no canal auditivo ou o entupimento da mesma devido a cera do ouvido, impossibilita ou descarta a medição. Os outros agravantes são os elevados valores de pico e NPS instantâneos que são semelhantes a choques acústicos, muito discutidos nas avaliações deste tipo e que mascara ou super avalia as medições, criando um problema para as empresas de telemarketing. Com o uso do microfone de ruído real, o simples toque no head-set (head fone) ou ajuste do microfone causam erros de mais de 30 db, o que muitas vezes inviabiliza medições em médios e longos períodos. Além disso, o mesmo exerce um grande incômodo ao operador; mesmo os já treinados. Deve-se, portanto apenas usá-lo em medições de curtos períodos realizadas três vezes (obtenção da média) para cada colaborador devidamente analisado pela área médica da empresa, obtendo uma análise rápida do volume, isto é, quase instantâneo do pior caso. Está técnica pode ser mais rápida apenas para o ajuste do volume dos Head-Sets, portando, pode compor o processo de medição ocupacional com a cabeça artificial (elemento fundamental), para o levantando e análise dos volumes de diversos fones de um setor, buscando o pior caso para a análise de áudio-dosimetria de fone da jornada com a cabeça artificial, exigência das normas ocupacionais e das instruções Normativas do MPAS e Diretrizes da FUNDACENTRO, adaptados aos limites do Ministério do Trabalho e Emprego. Seguem as diretrizes mínimas de um relatório deste tipo, sendo a primeira parte o sumário executivo a ser apresentado OBJETIVO Medição e análise da exposição habitual e permanente a níveis de pressão sonora em Grupos Homogêneos de Exposição (GHE) de atividades executadas com fones de ouvido (head-set). As medições compreendem jornadas parciais ou totais, buscando a exposição de maior risco (EMR) da atividade, sendo calculada a dose de ruído ocupacional nos períodos de trabalho de 6, 8 e 11 horas diário. 2. LOCALIZAÇÃO Empresa: 3R S/A Atividade: Serviço de Call Center / Operadores de Telemarketing Endereço: Av CAMBÉ, 1040, CAMBÉ - PR

13 13 de 21 Cep: CAMBÉ INSC. EST. Isento CNPJ / Pedido / Proposta: XNMNUDU Data de Medição: 28/12/2009 a 04/01/2010 durante três experientes. 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES NIST: National Institute of Standards and Technology's - Instituto dos EUA similar ao INMETRO no BRASIL. db(a): valor em decibéis que simula a curva de resposta do ouvido humano. É exigência da NR-15 medições nessa escala para a comparação com seus limites de tolerância. db(c): valor em decibéis usado para projeto de isolamento de fontes de nível de pressão sonora. O aparelho de medição de nível de pressão sonora com ponderação db(c) e no modo de detecção rápida, fornece valores que podem ser comparados com os limites máximos impulsivos permitidos pela NR-15, anexo 2. Detecção (lenta e rápida): os aparelhos usados para monitorar o ruído apresentam internamente circuitos de detecção lenta e rápida. No nosso caso, segundo a NR-15, usaremos a detecção lenta que evita grandes alterações no nível monitorado quando o nível de pressão sonora no ambiente apresenta subidas e descidas rápidas. DOSE: valor em porcentagem que superado em 100% no período de trabalho caracteriza condição insalubre e 50% o limite de ação, obedecendo aos parâmetros das normas nacionais. TWA: é considerado o Leq normalizado segundo parâmetros das normas, representa o nível de pressão sonora ponderado no tempo. Pode ser utilizado para refletir o nível contínuo equivalente ao ruído variável presente na atividade realizada para fim de comparação com os limites de tolerância da Legislação Ocupacional. Ln: Nível de ruído estatístico em db(a) representativo dos níveis instantâneos durante um período de medição. O L10 e o L90, por exemplo, representam o nível de pressão sonora em db(a) acima dos 10% e 90% dos níveis de pressão sonora instantâneos existente no ambiente. Portanto, normalmente, o L90 é utilizado como o ruído de fundo (RF), porque representa o valor mais baixo dos 90% dos ruídos existentes no ambiente. LEQ: Média logarítmica no tempo do nível de pressão sonora. É uma função de integração usada em ambientes para definir o valor médio do ruído existente no local (nível sonoro equivalente contínuo que segue o princípio da igual energia). Lmax: Nível de pressão sonora máximo existente no local durante as medições. Representa o ruído que ocorreu acima de 0,1% do tempo de medição (L0.1). Lmim: Nível de ruído mínimo existente no local durante as medições. Representa o ruído a partir do qual ocorreram níveis de pressão sonora acima de 99% do tempo de medição. NPS: Nível de pressão sonora. GHE: Grupo homogêneo de exposição definido pela FUNDACENTRO.

14 14 de NORMAS UTILIZADAS E REFERÊNCIAS [1] ISO 1999 Acoustics Determination of Occupational Noise Exposure and Estimation of Noise-Induced Hearing Impairment (1990); [2] NR-15 Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho - limites máximos permitidos; [3] NR-17 Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho - Ergonomia, conforto ambiental; [4] NHO-01 Norma para avaliação da exposição ocupacional ao ruído FUNDACENTRO (antiga NHT-09); [5] ITU-T Recomendações P58 Especificação do Torso (IEC 711 e ANSI relativo ao ouvido artificial. [6] Livro Perícia e Avaliação de Ruído e Calor - Passo a Passo segunda edição, Rogério Regazzi E Giovanni Moraes, 2001; DAJANI, H.; KUNOV, H.; SESHAGIRI, B. Real-time method for the measurement of noise exposure from communication headsets. Applied Acoustics, v. 49, n. 3, p , DARLINGTON, P. Practical measurement of telecommunication receiver electroacoustics for the computation of acoustic dose. In: IOA. Proceedings of the Institute of Acoustics. St. Albans: Institute of Acoustics, v. 25, part 4, p GIERLICH, H. W. Artificial head technology applications for headset measurements in call centres. In: IOA. Proceedings of the Institute of Acoustics. St. Albans: Institute of Acoustics, v. 24, part 4, p GLORIG, A. et al. Hearing studies of telephone operating personnel. J. Speech Hear. Res., v. 12, n. 1, p , IANNIELLO, C. Valutazione dei livelli diesposizione al rumore di operatori telefonici con un microfono nella conca Del padiglione auricolare. Revista Italiana de Acústica, v. 20, n. 1-2, p , IEC 711. Occluded-ear simulator for the measurement of earphones coupled to the ear by ear inserts ISO. INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO/DIS : Acoustics determination of sound immissions from sound sources placed close to the ears. Part 1: technique using microphones in real ears (MIRE-technique), CRITÉRIOS ERGONÔMICOS PARA AVALIAÇÃO DE SALAS E ESCRITÓRIOS TABELA 01 - Recomendações para Ambientes Fechados (NBR 10152) db(a) NC Restaurantes Escritórios

15 15 de 21 Salas de reunião Salas de gerência, Salas de projetos e de administração Salas de computadores Salas de mecanografia Notas: a) O valor inferior da faixa representa o nível sonoro (NPS) para conforto, enquanto que o valor superior significa o nível sonoro (NPS) aceitável para a finalidade. b) Níveis superiores aos estabelecidos nesta Tabela são considerados de desconforto, sem necessariamente implicar em risco de dano à saúde. Análise de Freqüências Segundo a NBR O método de avaliação recomendado, segundo a tabela 01 também se baseia nas medições do nível sonoro em db(a) como alternativa para simplificar a avaliação. Todavia, a análise de freqüências de um ruído sempre será importante para objetivos de avaliação do conforto ambiental permitindo a adoção de medidas de correção ou redução de nível sonoro ou nível de pressão sonora (NPS). Assim sendo, inclui-se na tabela as recomendações das curvas de avaliação de ruído (NC Noise Criteria), através das quais um espectro sonoro pode ser comparado, permitindo uma identificação das bandas de freqüência mais significativas e que necessitam correção. A análise das bandas de oitava do ruído na gana de 63 Hz a Hz deve ser determinada com filtros que obedeçam à IEC 225. Na utilização das curvas NC, admite-se uma tolerância de ± 1 db, com relação aos valores calculados pelo equipamento de medição (analisador LD 2800). Nenhum dos valores apresentados implica em dano a saúde. O recomendado para a atividade de Telemarketing o NC de 60 db (sala de computadores). O empregado na avaliação foi o nível global, portando o valor limite para ruído de fundo do ambiente será o de 65 db(a) que também atende ao recomendado pela NR EQUIPAMENTOS Calibrador CAL200 e Simpson: Modelo: CAL200; db em 1000 Hz s/n Marca: Larson Davis. Tipo: 1L Certificado: INMETRO N certif. DIMCI 1889/2006 e 2007 Função: fornecer nível de sinal conhecido antes e após as medições. Dosímetro LD 706: Modelo: Áudio-Dosímetro 706, norma IEC60651 e 60804; s/n: / 1176 Marca: Larson Davis. Tipo: 2 (especificação para dose: ANSI S e S ) Certificado: INMETRO em 2000; certif. RBC/INMETRO N de 2008

16 16 de 21 Função: avaliação da exposição ao ruído durante a jornada de trabalho. Configuração do Dosímetro LD 706: NR-15 Curva de ponderação A com detecção lenta Parâmetros utilizados para estimativa de Dose: Exchange Rate db 5 Criterion Level db(a) 85 Criterion Duration (horas) 8 Thershold db(a) 80 Pico db(c) Acima de 90 Nota: o equipamento não mede valores de pico abaixo de 90 db(c). No histórico de medição em anexo aos laudos, a cor azul claro representa o níveis equivalentes médios do período, a azul escura o nível máximo ocorrido no período e a rosa as valores de pico na deteção Peak não empregada pelas normas Brasileiras. Cabeça Artificial: Modelo: KU 100. Marca: Neumann. Microfones: dois microfones de pressão tipo 1 Função: Sistema de cabeça e o ouvido artificial para avaliação de medidas com fone de ouvido e telefones na área de telecomunicação; segundo normas ITU. DADOS TÉCNICOS Acoustical operating principle......pressure transducer Directional pattern... Ear Frequency range Hz...20 khz Sensitivity at 1 khz into 1 kohm mv/pa Rated impedance ohms balanced Rated load impedance ohms Equivalent SPL CCIR db Equivalent SPL DIN/IEC db-a S/N ratio CCIR db S/N ratio DIN/IEC db Maximum SPL for THD 0.5% db Maximum SPL for THD 0.5% with preattanuation db Maximum output voltage mv Dynamic range of the microphone amplifier DIN/IEC db Supply voltage V / 48 V ± 4 V / 6 x 1,5 V Current consumption x 2 ma, P 48 Matching connector XLR 3F Weight g Height mm Width mm A instrumentação utilizada é composta por áudio-dosímetro LD 706 com a Dummy Head da Neumann com microfones internos as orelhas (pinas) do tipo capacitivo e de pressão que proporciona uma medição confiável e reprodutiva dos NPS / LEQ e TWA durante a jornada de trabalho com impressão histórico de medição diretamente do

17 17 de 21 equipamento, atendendo os requisitos legais de períciais para avaliação ambiental quantitativo. O sistema atende todas as questões normativas e metrológicas para medição ocupacional por utilizar equipamentos homologados e rastreados a calibradores acústicos para verificação no local da qualidade da medida. Com o histórico de medição em anexo aos laudos e os Ln(s) é possível identificar os períodos mais ruidosos e obter valores de medição de acordo com os parâmetros do Ministério do Trabalho e Emprego MTE, Ministério da Previdência e Assistência Social - MPAS, e, da FUNDACENTRO na configuração do equipamento de medição de tipo 2 (áudio-dosímetro Larson Davis 706 S/N 1175). 7. METODOLOGIA O trabalho de monitoramento deve ser realizado procurando uma aproximação com a atividade habitual e permanente (não ocasional nem intermitente) do GHE. Para isso devem-se realizar enquetes e identificar atividades dentro de uma mesma função. Desta forma, dependendo da função analisada, há a possibilidade de agrupar trabalhadores que apresentam iguais características nos chamados "Grupos Homogêneos de Exposição (Grupos de Responsabilidade) como definidos na norma da FUNDACENTRO NHO-01 (antiga NHT-09). Também recomenda-se considerar os casos mais extremos de exposição ao ruído dos indivíduos pertencentes aos Grupos identificados, isto é, os casos de EMR Exposição de Maior Risco. É estabelecido o tempo de medição com o Áudio-Dosímetro de ruído para cerca de 60% a 100% da jornada e analisada a necessidade de realizações de mais medições para o referido grupo, compondo uma amostragem representativa da exposição média diária. As combinações das amostras devem ser realizadas através dos valores ponderados de nível de pressão sonora no mesmo intervalo de tempo, isto é, considerando para cada amostra o TWA em db(a) representativo da jornada de trabalho. As medições são realizadas com Cabeça Artificial Normalizada da Neumann que possui internamente microfones de pressão que não necessita de correção, préamplificadores e fonte de alimentação, sendo acoplada através de dispositivo específico de casamento de impedância ao áudio-dosímetro 706 da Larson Davis. O mesmo dispositivo utilizado na calibração pelo INMETRO ou nos Laboratórios da RBC Rede Brasileira de Calibração. São fornecidos pelo sistema de medição (calibrador / cabeça artificial / áudiodosímetro) os níveis de pressão sonora em intervalos de 15 segundos em db(a) na detecção slow, os níveis de pressão sonora estatísticos (Ln) e o nível global em

18 18 de 21 db(a) (TWA) de toda a jornada com os respectivos valores da dose e do tempo de exposição conforme os parâmetros da Norma Brasileira do Ministério do Trabalho e Emprego (NR-15 anexo 1). A apresentação dos níveis de pressão sonora estatísticos, os Ln, permitem avaliar o tempo de permanência em determinados níveis de ruídos, inclusive, se ocorreram níveis acima de 115 db(a) e qual a percentagem de tempo que os níveis de interesse ocorreram. Para a NR-17 utilizou-se o Ln 90 e 95 para avaliação do ruído de fundo do ambiente de trabalho durante as medições de fone. Como procedimento de medição, nos intervalos de pausa o head-set da cabeça articicial é deslocado do ouvido (pina) da mesma para que seja escutado o nível de pressão sonora do ambienta. 8. PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO As medições foram realizadas com o áudio-dosímetro e a cabeça artificial que deve utilizar um fone similar ao do usuário fornecido pela empresa. Quando possível deverá ser empregada um divisor/spliter (carrapato) adaptado à operação para a obtenção do mesmo NPS nos dois fones a serem utilizados: um fica no usuário e o outro na cabeça-artificial. Deve-se alternar os fones em intervalos de 2 horas. Como alternativa deve-se utilizar o mesmo canal ou mesa de operação do usuário alternando-se, neste caso, os fones em intervalos de 1 hora. Verificação da resposta do sistema de medição com um calibrador portátil antes e após a primeira e a última medição. No caso do usuário retirar o fone, a mesma operação deve ser realizada com a cabeça que deverá ficar no mesmo ambiente de trabalho obtendo-se o ruído de fundo do ambiente do ambiente por meio do Ln de 90 ou 95 db(a) atendendo a NR-17. Deverá ser realizada uma avaliação sem espuma no fone para verificações adicional. O desenho esquemático do sistema de medição é apresentado abaixo:

19 19 de 21 Figura 1 - Sistema de medição empregado Para a avaliação da presente foram seguidos os todos os procedimentos sugeridos para a melhor qualidade das medições. Portanto pode-se afirmar que os valores apresentados terão incerteza melhor que o sugerido. 9. CONSIDERAÇÕES São realizadas medições adicionais com o uso de dois áudio-dosímetros similares e analisados os dados tendo como referência os parâmetros e limites da norma NR-15 anexo 1 e 2 do Ministério do Trabalho e Emprego e os procedimentos de medição da NHO-01 da FUNDACENTRO. Os resultados chancelam o método e considerações podem ser vistas a seguir: Os níveis limites são os mesmos da NR-15 anexo 1 e 2; A incerteza de medição do sistema de medição é de ordem de ± 2,5 db; O nível de pressão sonora medido com a cabeça artificial no ambiente é calibrado para ser o mesmo do nível de pressão sonora na altura do ombro do usuário do áudio-dosímetro ou na orelha (pina) da cabeça artificial, posição recomendada na norma da FUNDACENTRO NHO-01; Devido à linearidade do equipamento da Neumann (Head and ear simulation) utilizado na área de telecomunicação e homologada por Normas ITU o sinal é diretamente captado pelo áudio-dosímetro, equipamento recomendado pelo MTE, MPAS e FUNDACENTRO. Pode ser constatado que a diferença entre as medições de um período de uma hora com dois áudio-dosímetros similares e verificados com o mesmo calibrador foi de + 1,8 db para o áudio-dosímetro da cabeça quando comparado com o outro áudio-

20 20 de 21 dosímetro posicionado a menos que 15 cm do ouvido do operador ou da cabeça artificial. Essa diferença é compatível com a incerteza de medição estimada e pode ser relacionada a diversos fatores como posição em relação à fonte, reverberação da sala, entre outros. E, está de acordo com o critério EMR Exposição de Maior Risco. Figura 2 Comparação do NPS na altura do ombro do operador (FUNDACENTRO) com a medição realizada com a cabeça artificial. Histórico de Medição Simultânea Leq (Norma) Leq Cabeça Neumann 90.0 NPS em db(a) :00:00 00:04:30 00:09:00 00:13:30 00:18:00 00:22:30 00:27:00 00:31:30 00:36:00 00:40:30 00:45:00 00:49:30 00:54:00 00:58:30 00:02:15 00:06:45 00:11:15 00:15:45 00:20:15 00:24:45 00:29:15 00:33:45 00:38:15 00:42:45 00:47:15 00:51:45 00:56:15 01:00:45 Tempo (hh:mm:ss) Figura 3 Gráfico da comparação do ruído ambiente medido com a cabeça artificial e áudio-dosímetro com microfone na altura do ombro. Nota: para a comparação levou-se em consideração a faixa de freqüência da voz em sistema de telecomunicações, isto é: 300Hz a 3400 Hz, faixa que o sistema da Neumann não necessita de nenhuma correção. LAUDOS EM ANEXO/

OTOLÓGICA LTDA E A EMPRESA FILÓ

OTOLÓGICA LTDA E A EMPRESA FILÓ Cliente: Projeto: N : REL_NPS_ENSAIO_CABINE AUDIOMETRICA_10 Data: 05/01/2010 1 de 13 OTOLÓGICA LTDA E A EMPRESA FILÓ Medição de Cabine Audiométrica in situ segundo a ISO 8253-1. Edição: 1 Relatório Técnico

Leia mais

INFINITY DO BRASIL PRODUTOS ELETRONICOS LTDA

INFINITY DO BRASIL PRODUTOS ELETRONICOS LTDA DOSIMETRIA DE FONE Cliente: Projeto: N : Data: 01/03/2011 Folha: INFINITY DO BRASIL PRODUTOS ELETRONICOS LTDA Laudo de Dosimetria de Fone de Ouvido (HTU 300 / HTU 310) Edição: 1 Revisão: 0 1 de 15 LAUDO

Leia mais

TABELA A - TABELA DE RESULTADO PARA ATIVIDADES DE 36 HORAS SEMANAIS. Exemplos de Dados Reais misturados de vários serviços (Demostração)

TABELA A - TABELA DE RESULTADO PARA ATIVIDADES DE 36 HORAS SEMANAIS. Exemplos de Dados Reais misturados de vários serviços (Demostração) Cliente: Projeto: N : Data: 20/05/2010 Dosimetria de Fone de Ouvido por GHE e Tecnologia da PA Edição: 1 Revisão: 0 1 de 18 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: Rio de Janeiro - RJ ES SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

www.isegnet.com.br POLICLINICA PADRÃO 1. OBJETIVO 2. LOCALIZAÇÃO 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES MEDIÇÃO ACÚSTICA 1 de 19

www.isegnet.com.br POLICLINICA PADRÃO 1. OBJETIVO 2. LOCALIZAÇÃO 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES MEDIÇÃO ACÚSTICA 1 de 19 Cliente: Projeto: N : REL_NPS_ENSAIO_CABINE_PADRAO_13 Data: 10/12/2013 POLICLINICA PADRÃO 1 de 19 Medição de Cabine Audiométrica in situ segundo a ISO 8253-1. Edição: 1 Relatório Técnico de Medição de

Leia mais

Clariah Fonoterapia e Audiologia Ltda.

Clariah Fonoterapia e Audiologia Ltda. Cliente: Projeto: N : REL_NPS_ENSAIO_CABINE_VEICULO _CLARIAH_11 Data: 15/02/2011 1 de 11 Medição de Veículo com Cabine Audiométrica in situ segundo a ISO Edição: 1 Relatório Técnico de Medição de Cabine

Leia mais

Avaliação da exposição de ope ra dores de teleatendimento a ruído Telemarketing operators noise exposure assessment

Avaliação da exposição de ope ra dores de teleatendimento a ruído Telemarketing operators noise exposure assessment Erasmo Felipe Vergara 1 Jovani Steffani 2 Samir Nagi Yousri Gerges 1 Marcos Pedroso 1 Avaliação da exposição de ope ra dores de teleatendimento a ruído Telemarketing operators noise exposure assessment

Leia mais

www.isegnet.com.br.com.br

www.isegnet.com.br.com.br M.Sc Rogério Dias Regazzi Diteror 3R Brasil Tecnologia Ambiental Diretor Isegnet.com.br Engo Mecânico e de SST Publicação: Parecer NAW OFFSHORE PARECER: JUSTIFICATIVA TÉCNICA DO LIMITE DE TOLERÂNCIA DE

Leia mais

N : 3R Brasil Tecnologia Ambiental Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1

N : 3R Brasil Tecnologia Ambiental Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Cliente: Projeto: N : Data:07/07/06 Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Revisão: 0 1 de 9 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: XX - RJ 1. OBJETIVO Medição da exposição a vibrações no

Leia mais

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL LOCAL: 3R Brasil Tecnologia Ambiental / Rio de Janeiro PAG 1 DE 31 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO PÁGINAS 0 Original A Item 8 Nota: Este material é de propriedade da 3R Brasil Tecnologia Ambiental. E só pode

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDÊNCIA Humberto Carlos Parro DIRETORIA

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

www.isegnet.com.br.com.br

www.isegnet.com.br.com.br RAT - Riscos Ambientais de Trabalho Periodicidade, Manutenção e Geração dos Demonstrativos LTCAT e o PPP Parecer Preliminar - Educativo (publicado na íntegra - 15 páginas) Introdução O objetivo das avaliações

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO:

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO: N : Data: 20/05/15 Cliente: Projeto: 1 de 24 Análise de Vazamento Acústico de Salas de Reunião 2 e 3 Edição: 1 Revisão: A Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: CIDADE-RJ 1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO

Leia mais

Capítulo: I Avaliador: Rogério Dias Regazzi Local: Local: Santarém - PA

Capítulo: I Avaliador: Rogério Dias Regazzi Local: Local: Santarém - PA N : Data: 17/01/11 Cliente: Projeto: 1 de 27 Relatório de Ruído (NPS) do Programa de Gerenciamento de Risco Edição: 1 Mapeamento Ambiental e Monitoramento da Exposição ao Ruído Revisão: 1 Capítulo: I Avaliador:

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Josevan Ursine Fudoli ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO HIGIENE OCUPACIONAL RUÍDO Aula

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

Apresentação de Serviços Especiais e de Duvidas Fundamentais. (por 3R Brasil e L.Gomes):

Apresentação de Serviços Especiais e de Duvidas Fundamentais. (por 3R Brasil e L.Gomes): Apresentação de Serviços Especiais e de Duvidas Fundamentais. (por 3R Brasil e L.Gomes): Padronização e Emissão de Laudos Conclusivos com o Gerente NPS-SST Metodologias e Procedimentos de Medição (avaliação

Leia mais

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST DEFINIÇÕES: SOM - Fenômeno acústico que consiste na propagação de ondas sonoras produzidas

Leia mais

CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA LTCAT e PPP

CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA LTCAT e PPP Nº XX-XX/201X (código: XXXX) CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA LTCAT e PPP Pelo presente instrumento particular, o SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO RIO DE JANEIRO - SECONCI-RIO, estabelecido

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO:

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO: N : Data: 03/12/13 Cliente: Projeto: 1 de 20 Tratamento Acústico de Sala de Reunião e Direção Edição: 1 Revisão: 0 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: CENTRO-RJ 1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO:

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA LEGISLAÇÃO E NORMAS: RUÍDO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CAPÍTULO V NORMA REGULAMENTADORA 15 - NR 15, ANEXOS 1 E 2 (LIMITES DE TOLERÂNCIA) DECRETO 3048/1999 - INSS

Leia mais

ITUC Instituto Tecnológico PUC-Rio (Lab Motores) 1 de 23

ITUC Instituto Tecnológico PUC-Rio (Lab Motores) 1 de 23 Cliente: Projeto: N : PUC_09 Data: 02/07/09 1 de 23 Avaliação Ambiental de Nível de Pressão Sonora e Diretrizes Edição: 1 Revisão: 1 Capítulo: I Avaliador: Rogério Dias Regazzi Local: Rio de Janeiro I.

Leia mais

PROPOSTA PADRÃO DE PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA CHAMADO GPCA PARA ATENDIMENTO AO MANUAL DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE DA EMPRESA

PROPOSTA PADRÃO DE PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA CHAMADO GPCA PARA ATENDIMENTO AO MANUAL DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE DA EMPRESA Rio de Janeiro, 0x de XXXX de 2010 REF: PR_3R_GPCA_CONTROLE_EMPRESA_01010 Número de páginas: 09 PROPOSTA PADRÃO DE PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA CHAMADO GPCA PARA ATENDIMENTO AO MANUAL DE SAÚDE,

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Alves Ciote, Fernando; Fernandes Ferreira Ciote, Renata; Haber, Jabra Análise da atenuação de ruído de protetores auriculares

Leia mais

CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE RUÍDO

CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE RUÍDO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M5 D2 HIGIENE DO TRABALHO IV GUIA DE ESTUDO PARTE IV AULA 59 CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE RUÍDO PROFESSOR AUTOR: Engº Josevan Ursine Fudoli

Leia mais

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL Última Atualização: Rio de Janeiro, 22 de Outubro de 2013. Número de páginas: 05 SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL Destacamos a seguir os serviços especiais mandatórios realizados

Leia mais

O Ruído e sua Medição

O Ruído e sua Medição 61 Capítulo 8 O Ruído e sua Medição 1. - Introdução Como já vimos no capítulo 2, podemos definir Ruído, de maneira subjetiva, como toda sensação auditiva desagradável, ou fisicamente, como todo fenômeno

Leia mais

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS)

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) ENSAIO DE DESEMPENHO DE LAJE PARA ISOLAMENTO DE RUÍDO DE IMPACTO NBR 15575-3:2013 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) deve estar de acordo com as exigência da norma IEC

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 14-Jun-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 11-Set-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA NORMA DE SEGURANÇA ORIENTATIVA

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA NORMA DE SEGURANÇA ORIENTATIVA 1. INTRODUÇÃO Dentre os agentes nocivos à saúde, o mais freqüente nos ambientes de trabalho, assim como no nosso dia a dia, é o ruído, que tem sido responsável por distúrbios auditivos temporários e permanentes

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02 Página1 Nível de Pressão Sonora Decibel Como o ouvido humano pode detectar uma gama muito grande de pressão sonora, que vai de 20 μ Pa até 200 Pa (Pa = Pascal), seria totalmente inviável a construção de

Leia mais

Sindicato - Frente de Obra da Galvão Engenharia S/A

Sindicato - Frente de Obra da Galvão Engenharia S/A N :1 Data: 15/02/13 Cliente: Projeto: Laudo Técnico das Condições do Ambiente de Trabalho & Edição: 1 Relatório de Condições Ambientais de Trabalho Revisão: 0 1 de 43 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Curso de Engenharia de Segurança do Trabalho Disciplina: Higiene do Trabalho III Aula 47

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO COMUNICADO/SOLICITAÇÃO Nos dias 5, 6 e 7 de novembro de 2013, na Universidade Aberta do Brasil Polo/UAB Imperatriz, será realizado o Curso de Medição e Avaliação de Ruído Ambiental, a ser ministrado pelo

Leia mais

METODOLOGIA OBJETIVA PARA AVALIAR EM CAMPO, A EFICÁCIA ACÚSTICA DE PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA

METODOLOGIA OBJETIVA PARA AVALIAR EM CAMPO, A EFICÁCIA ACÚSTICA DE PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA ISSN 1984-9354 METODOLOGIA OBJETIVA PARA AVALIAR EM CAMPO, A EFICÁCIA ACÚSTICA DE PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA Marcos Gama Nunes (UFF Latec) Resumo: O ruído é um agente físico muito presente nas atividades

Leia mais

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO.

CALILAB - LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. da TOTAL ner SAFETY CALILAB Laboratório de Calibração RBC - REDE BRASILEIRA DE CALIBRAÇÃO. CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO Na: RBC3-9319-482 1- CLIENTE/ EQUIPAMENTO Data da calibração: Processo: Nome: Labor

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

PARECER LTCAT / É ÓBVIO, ELE NÃO MORREU! CANAL 3R / COTESIA ISEGNET

PARECER LTCAT / É ÓBVIO, ELE NÃO MORREU! CANAL 3R / COTESIA ISEGNET "ESTAMOS DISPONIBIZANDO ESTE MATERIAL APÓS UM SÉRIE DE PERGUNTAS DE USUÁRIOS SOBRE O TEMA: LAUDO TÉCNICO E LTCAT. PERCEBEMOS EQUIVOCOS PERPETUADOS SEM FUNDAMENTOS OU NEXO COM A REALIDADE. UMA TENTATIVA

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

Informação do Produto

Informação do Produto Informação do Produto Perfeição da Adaptação Aberta SwissEar combina a melhor das soluções de adaptação aberta com a tecnologia de aparelho Auditivo patenteada pela Bernafon dentro da Perfeição da Adaptação

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

DC112d/DC112. Dosímetro / Dosímetro analisador

DC112d/DC112. Dosímetro / Dosímetro analisador Dosímetro / Dosímetro analisador D_DC112dDC112_v0027_20120703_PRT Aplicações Avaliação da exposição dos trabalhadores ao ruído no trabalho, simultaneamente à verificação dos EPI (Equipamentos de Protecção

Leia mais

ESTUDOS 3R BRASIL LTDA

ESTUDOS 3R BRASIL LTDA Cliente: Projeto: N : Data: 16/04/2010 1 de 14 ESTUDOS 3R BRASIL LTDA SITEMA 3R ANALIZER COM PLACA NI-9233 E Neumann KU 100 Edição: 1 Revisão: 0 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: Rio de Janeiro

Leia mais

www.isegnet.com.br.com.br

www.isegnet.com.br.com.br Rogério Dias Regazzi Diteror Isegnet.com.br Publicação Internacional A REALIDADE DOS MÉTODOS DE MEDIÇÃO COM MIRE, REAT E CABEÇA ARTIFICIAL cuidados com os milagres preconizados pelos fornecedores Referência

Leia mais

Os computadores como fonte de poluição sonora

Os computadores como fonte de poluição sonora Os computadores como fonte de poluição sonora Paulo Cabral Director da Unidade de Negócio de Laboratórios (pc@iep.pt) Teresa Canelas Responsável técnico da Unidade de Negócio de Laboratórios (tc@iep.pt)

Leia mais

Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Dependente de Ruído (Level Dependent) Pro Tac II

Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Dependente de Ruído (Level Dependent) Pro Tac II Comunicadores Modelo 3M Peltor Headset Dependente de Ruído (Level Dependent) Pro Tac II DESCRIÇÃO Protetores auditivos tipo circum-auriculares com atenuação dependente do ruído, constituídos por: - 1 par

Leia mais

Informação do Produto

Informação do Produto Informação do Produto Aparelhos Digitais Smile Plus Retroauriculares: Faixa de adaptação de acordo com a NAL-NL1 Smile Plus // BTE 1 Smile Plus 115 BTE DM com Tecnologia de Dois Microfones Os aparelhos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Estudo de Agentes Ambientais

RELATÓRIO TÉCNICO Estudo de Agentes Ambientais Anexo 1 do PGS-3209-46-23 Pág.: 1 de 30 VALE FERTILIZANTES RELATÓRIO TÉCNICO Estudo de Agentes Ambientais FOTO DA LOCALIDADE [Unidade/Complexo] [Código do relatório] [Mês/Ano de Elaboração] Nº: PGS-3209-46-23

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

PROTETORES AUDITIVOS

PROTETORES AUDITIVOS PROTETORES AUDITIVOS Prof. Samir N.Y. Gerges, Ph.D. Supervisor do Laboratório de Ruído Industrial (LARI) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Campus Universitário

Leia mais

Coletânea de Leis, Normas, Pareceres e Relatórios Técnicos

Coletânea de Leis, Normas, Pareceres e Relatórios Técnicos Contempla a NHO-09, a NHO-10 e a Nova Portaria No 1297 do MTE O livro Vibração Ocupacional e Ambiental - Guia Técnico e Prático " é uma contribuição para os profissionais atuantes no campo da Higiene Ocupacional

Leia mais

VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA RUÍDO LABORAL AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO

VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA RUÍDO LABORAL AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA RUÍDO LABORAL AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Ensaios: Ruído Laboral*; Ruído Ambiente*; Colheita de Poeiras Totais e Respiráveis*; Determinação de Poeiras Totais

Leia mais

www.isegnet.com.br.com.br

www.isegnet.com.br.com.br Rogério Dias Regazzi Diteror Isegnet.com.br Publicado na revista INMETRO PERIODICIDADE DE CALIBRAÇÃO UMA NECESSIDADE APRESENTAÇÃO A periodicidade de calibração e equipamentos e medidores para a área de

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de??????????????

Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de?????????????? ??????????? Eng º. De Higiene e Segurança do Trabalho Crea:?????????????? Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de?????????????? Processo: Recte: Recda:??????????????, nomeado por

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO Antonio Carlos Castellar de Castro Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF RESUMO O advento do Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP em 01/01/2004 no nosso

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A

RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A SPE FASHION CITY RUÍDO AMBIENTAL R.T 046/15-A PÁG. 1/21 RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A RUÍDO AMBIENTAL NATUREZA DO TRABALHO: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA CLIENTE: SPE FASHION CITY BRASIL S/A RODOVIA:

Leia mais

Qualificação Profissional (Capacitação)

Qualificação Profissional (Capacitação) Qualificação Profissional (Capacitação) M.SC Rogério Dias Regazzi Mestre em Metrologia e Qualidade Industrial PUC-Rio Engenheiro de Segurança do Trabalho e Ambiental Engo Mecânico e de Instrumentação e

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Passo Fundo

Prefeitura Municipal de Passo Fundo ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 2. OBJETIVO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar e emitir os Laudos

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025)

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025) Pág. de 7 OEC3 24-5-8. Objetivo O presente documento tem como objetivo definir os requisitos específicos para a acreditação de laboratórios de ensaios de acústica e vibrações, em complemento do estabelecido

Leia mais

PARECER CHAMADA PUBLICA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL. Atendendo solicitações de usuários do www.isegnet.com.br. e dos alunos do curso de vibração ocupacional.

PARECER CHAMADA PUBLICA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL. Atendendo solicitações de usuários do www.isegnet.com.br. e dos alunos do curso de vibração ocupacional. PARECER CHAMADA PUBLICA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL Atendendo solicitações de usuários do www.isegnet.com.br. e dos alunos do curso de vibração ocupacional. 1) INTRODUÇÃO: REF. M.SC ROGÉRIO DIAS REGAZZI Neste

Leia mais

Decibelímetro Modelo SL130

Decibelímetro Modelo SL130 Manual do Usuário Decibelímetro Modelo SL130 Introdução Parabéns pela sua compra do Decibelímetro SL130 Extech. Desenhado para montagem em parede, mesa, ou montagem em tripé, este medidor está de acordo

Leia mais

Engenharia Automotiva Parte II

Engenharia Automotiva Parte II Engenharia Automotiva Parte II PROF. KEY FONSECA DE LIMA 2 0 1 1 Medições de Ruído AMBIENTAL Levantamento ponto a ponto com medições instantâneas para conhecimento do perfil do ruído na área; Rastreamento

Leia mais

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LTDA

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LTDA xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LTDA R E C I F E MURIBECA - SETEMBRO / 2009 Levantamento ruído - set/2009 - Pág. 1/6. Í N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - EMPRESA BENEFICIADA 4. - AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO

Leia mais

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Engenheiro de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

MADETAL RUA SANTA ISABEL, 68. Porto Alegre RS. Ref.: LAUDO TÉCNICO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO. Porto Alegre, 21 de abril de 2014. Prezados Senhores:

MADETAL RUA SANTA ISABEL, 68. Porto Alegre RS. Ref.: LAUDO TÉCNICO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO. Porto Alegre, 21 de abril de 2014. Prezados Senhores: MADETAL RUA SANTA ISABEL, 68 Porto Alegre RS Ref.: LAUDO TÉCNICO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO Porto Alegre, 21 de abril de 2014. Prezados Senhores: Vimos por meio desta apresentar os resultados de Medição e

Leia mais

Guia do Usuário. Dosímetro de Ruído com Interface para PC MODELO 407355

Guia do Usuário. Dosímetro de Ruído com Interface para PC MODELO 407355 Guia do Usuário Dosímetro de Ruído com Interface para PC MODELO 407355 Introdução Parabéns pela sua compra do Dosímetro de Ruído Pessoal Extech 407355. O 407355 foi concebido para testar a exposição ao

Leia mais

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA.

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ESTABELECIMENTO: MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ENDEREÇO: SERRA DO CARIMBADO, S/N SÃO TOMÉ DAS LETRAS-MG CNPJ: 70.986.153/0001-35 RAMO DE ATIVIDADE: MINERAÇÃO CNAE: 08.10.0-99 GRAU DE RISCO: 4

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Informação do Produto

Informação do Produto Informação do Produto Aparelhos Digitais Intra-aurais Flair 0 ITE Flair 310/321/3 ITC Flair 410 MC Flair 1 CIC 0 10 Faixa de adaptação de acordo com a NAL-NL1 Flair 315 ITC DM Flair oferece a maior flexibilidade,

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE AUDIÓMETROS DE SONS PUROS

CALIBRAÇÃO DE AUDIÓMETROS DE SONS PUROS CALIBRAÇÃO DE AUDIÓMETROS DE SONS PUROS REFERÊNCIA PACK: 43.58.VB Sónia Monteiro Antunes Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. do Brasil, 101 1700 Lisboa E-mail: santunes@lnec.pt ABSTRACT This paper

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4050

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4050 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4050 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01 3.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Teresa Marinho (UNESP) marinhoteresa@yahoo.com.br Viviane

Leia mais

Verificação das próteses auditivas

Verificação das próteses auditivas Verificação das próteses auditivas Karina Souza e Equipe de Treinamento ReSound Mini Microphone: Increased Understanding in Many Situations Verificação das próteses auditivas A verificação das próteses

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

Conforto Acústico em edifícios residenciais

Conforto Acústico em edifícios residenciais ARTIGO Conforto Acústico em edifícios residenciais Maria de Fatima Ferreira Neto, pesquisadora e professora da UNIP-Sorocaba; Stelamaris Rolla Bertoli, professora Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura

Leia mais

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA - - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - Acreditação Nº 474 Data da Acreditação 27/09/2010 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação 27/09/2016

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

Ruído ocupacional e a inteligibilidade em salas de aula

Ruído ocupacional e a inteligibilidade em salas de aula Ruído ocupacional e a inteligibilidade em salas de aula Valéria de Sá Barreto Gonçalves (PPGEP/ UFPB) lelajp@terra.com.br Liliane Sena (UFPB) lilianesena@yahoo.com.br Márcio Carvalho (UFPB) mkarvalho2005@yahoo.com.br

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento

Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem: NBR 152:1987 e errata de Junho 1992 CB-02- Comitê

Leia mais