Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental. Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica CEEE-GT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental. Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica CEEE-GT"

Transcrição

1 Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica CEEE-GT

2

3 1 SUMÁRIO MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO 6 DIMENSÃO GERAL 8 PERFIL 8 Missão 9 Visão 10 Princípios e Valores 10 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO 10 Estrutura organizacional 10 POLÍTICA DE EXCELêNCIA EM GESTÃO 12 GESTÃO DA QUALIDADE 13 Política da Qualidade 13 Objetivos da Qualidade 13 Planejamento do Sistema de Gestão 15 O Pró-Gestão 15 Responsabilidade Socioambiental 16 RESPONSABILIDADE COM PARTES INTERESSADAS 19 COMUNICACAO INSTITUCIONAL 21 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA TRANSMISSÃO 21 INVESTIMENTOS EM TRANSMISSÃO 22 Expansão do Sistema de Transmissão 22 Certificação ISO 9001 Operação e Engenharia do Sistema 29 Proteção e Medição do Sistema de Transmissão 30 Supervisão e Controle 32 TELECOMUNICAÇÕES 34 MANUTENÇÃO 35 Manutenções preventivas em LTs e SEs: 35 Obras 35 Trabalhos de Recomposição do Sistema 35 Elaboração de Relatórios Técnicos: 36 Aquisição de Sistema de Recomposição Emergencial de LT (Estruturas de Emergência) 36 Novo sistema de gerenciamento - SIGOM 37 Comitê de Linha Viva 37 OPERAÇÃO DO SISTEMA 37 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GERAÇÃO 38

4 2 INVESTIMENTOS EM GERAÇÃO 38 EXPANSÃO DA GERAÇÃO 39 PCH Ijuizinho II 39 Ampliação da Usina Hidrelétrica Ernestina e PCH Forquilha 39 Projeto Básico Usina Hidrelétrica Ernestina 40 Ampliação da PCH Bugres 40 UHE Dona Francisca 40 UHE Machadinho 41 UHE Campos Novos 41 Projeto CERAN Companhia Energética Rio das Antas S/A 41 PCH Furnas do Segredo 42 UHE Foz do Chapecó 43 MODERNIZAÇÃO E MANUTENÇÃO 44 Principais obras: 44 Recuperação e pintura dos stop-logs da UHE Passo Real 44 Sinalização interna e externa das usinas do Sistema Salto e Sistema Jacuí 45 Reforço e reabilitação - Barragem de Ernestina 45 Sistema de telecomunicação das PCHs - Pequenas Centrais Hidrelétricas 45 Revitalização e Automação da Unidade 3 da Usina Hidrelétrica de Capigüi 46 COMERCIALIZAÇÃO 47 DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA 48 ESTRUTURA DE GOVERNANÇA 49 Assembléia Geral 49 Conselho Fiscal 49 Conselho de Administração 49 Diretoria Colegiada 50 Auditoria Interna 50 AUDITORES INDEPENDENTES 51 Código de Ética 51 CONTROLES INTERNOS 51 ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 53 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DOS CONSELHEIROS 54 Tempo de Mandato 60 MODELO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 61 REUNIÕES REALIZADAS 62

5 3 COMPOSIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, CONSELHO FISCAL, COMITÊS DO CONSELHO, DIRETORIA EXECUTIVA E AUDITORIA 64 Conselho de Administração 64 Conselho Fiscal 65 Diretoria Executiva 65 Auditoria 66 DIMENSÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 67 GESTÃO DE ASSUNTOS JURÍDICOS 68 GESTÃO DE CONTRATOS 69 CONTRATO DE GESTÃO 70 DIMENSÃO PÚBLICO INTERNO 74 PESSOAS, A MAIOR RIQUEZA DA CEEE-GT 74 QUEM É O FUNCIONÁRIO MÉDIO 74 CENSO INTERNO 77 MUDANÇAS NO QUADRO 77 CARGOS E SALÁRIOS 78 VARIAÇÃO DO SALÁRIO 79 REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES 80 ENCARGOS SOCIAIS 81 BENEFÍCIOS PARA OS TRABALHADORES 81 Bônus que alimentam 81 Auxílio creche 81 Planos de saúde 82 Participação nos Resultados 82 OUTROS BENEFÍCIOS 83 PREPARANDO O FUTURO 83 Previdência complementar 83 Aposentadoria planejada 84 Programa de Desligamento Incentivado 84 Oportunidade de aprender 85 Inclusão social 86 SAÚDE E SEGURANÇA 87 Prevenção de acidentes 87

6 4 Saúde 87 Acidentes do trabalho 88 Política de Segurança 89 Área Protegida 89 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL 90 PÚBLICO EXTERNO 92 ESTRATÉGIAS RELATIVAS AOS FORNECEDORES DO GRUPO 92 Critério de Seleção de Fornecedores 92 TERCEIRIZAÇÃO DA EXECUÇÃO DE OBRAS NA TRANSMISSÃO 93 AÇÕES EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE 96 Programa Ilumine Vidas 96 Projeto Pescar 97 Programa a nota é minha 98 Bombeiros Voluntários 98 Semeando oportunidades 99 INVESTIMENTO ÁREA CULTURAL 100 Política de Patrocínio 100 PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO P&D 103 GOVERNO E SOCIEDADE 104 Práticas anticorrupção e antipropina 104 Liderança e influência social 104 RECONHECIMENTO 104 DIMENSÃO AMBIENTAL 106 IMPACTOS, CICLO DE VIDA E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL 109 Autorização de órgãos ambientais 109 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DETERIORADAS 110 PRESERVAÇão DE ÁREAS DE PATRIMÔNIO DA UNIão 116 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS 120 EDUCAÇÃO AMBIENTAL 124 Aprendendo a respeitar a natureza 124 Semana dedicada ao Meio Ambiente 127 Oficinas de EcoArte Água valorizada 127 Convênio para formar prevencionistas 128

7 5 EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA 130 Consumo de combustíveis 130 PRESERVAÇÃO DA NATUREZA 131 Podas de árvores 131 Ações institucionais 131 Normas de transportes 131 Água consumida para gerar energia 132 Consumo de água na empresa 132 Certificação Ambiental / ISO METAS 133 INDICADORES QUANTITATIVOS 135

8 6 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO Ao longo de 2009, vivenciamos um período de retomada do crescimento econômico e do consumo de energia elétrica, com a alavancagem da produção industrial em função da redução das alíquotas dos impostos. Complementarmente, as altas temperaturas também elevaram o consumo, beneficiando o faturamento e impondo à CEEE-GT muitos desafios relacionados ao sistema elétrico. Nesse ano, iniciamos o Programa de Melhorias dos Processos de Gestão Pró-Gestão com o auxílio do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade PGQP, desenvolvido em seis frentes estratégicas, nas quais todos os colaboradores se engajaram com dedicação. No que tange à investimentos, os executados em Geração foram aplicados mais de R$ 35 milhões, enquanto em Transmissão superamos os R$ 60 milhões, permitindo o desenvolvimento e a expansão dos negócios. Com o índice de disponibilidade média de quase 100% nas Linhas de Transmissão, a Concessionária demonstra uma grande confiabilidade no suprimento de energia elétrica. Quanto á Geração de energia, o índice de disponibilidade média de Geração foi de 90,9% considerando as paradas de 90 dias para manutenção preventiva das máquinas 1 e 2 da Usina de Passo Real, demonstrando a alta disponibilidade do parque gerador da Concessionária e a qualidade técnica de seus ativos. Ainda no negócio de geração, destaca-se a participação em sociedade com a Enerfin do Brasil Sociedade Brasileira de Energia ltda em um dos projetos vencedores de energia eólica, marcando a entrada da CEEE GT nesse segmento. A escolha de Porto Alegre como uma das cidades brasileiras a sediar a Copa do Mundo em 2014 nos traz muita satisfação. Por outro lado exige grande comprometimento da Concessionária, pois grandes investimentos deverão ser realizados na área de Transmissão, demandando maior expansão e melhorando a eficiência de seus ativos.

9 7 A CEEE-GT, cumprindo com sua Missão, atendeu ao seu compromisso com o desenvolvimento sustentável, investindo em projetos sociais e culturais, pautados pelo respeito ao meio ambiente e às comunidades. Destaque para os seguintes projetos: o Projeto pescar, que ofereceu oportunidades para jovens entre 16 e 19 anos no Curso de Iniciação Profissional em Eletricidade; o Programa Ecoarte, que são oficinas realizadas nos municípios de concessão da CEEE GT, além do Projeto Semear, que visa resgatar a dignidade da população em condições de vulnerabilidade do entorno das linhas de transmissão do município de Cachoeirinha. Em 2010, termos grandes desafios, dentre eles, a implantação das Normas Internacionais de Contabilidade e a continuidade do pró-gestão e seus desdobramentos estratégicos, permitindo á Concessionária alcançar níveis maiores de eficiência e eficácia na Geração e Transmissão de energia, bem como atender cada vez melhor nossos clientes, motivo pelo qual nos orgulhamos e trabalhamos com afinco. Na certeza de ter correspondido às expectativas, a Administração ratifica seu compromisso expresso na Política de Excelência em gestão, contribuindo para o desenvolvimento do Estado e do País, e agradece a confiança de nossos clientes, acionistas e a comunidade, assim como o empenho e a dedicação de nossos colaboradores.

10 8 DIMENSÃO GERAL PERFIL A Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica - CEEE-GT, empresa de economia mista, originou-se do processo de reestruturação societária e patrimonial da Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul CEEE, tendo sido constituída formalmente em 27 de novembro de 2006, através de uma Assembléia Geral Extraordinária de Acionistas, onde foi estabelecido que a Companhia iniciaria suas atividades em 1º de dezembro de A Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica - CEEE-GT possui em seu parque gerador 15 usinas hidrelétricas (UHE) próprias, agrupadas nos sistemas Salto e Jacuí, totalizando 909,9MW. Possui 60 subestações, 15,3 mil estruturas que sustentam quilômetros de linhas de transmissão, dos quais 5.863,36 quilômetros, de propriedade da CEEE-GT e 190,41 quilômetros de linhas de transmissão particular, nos níveis de tensão de 230 kv na rede básica e de 138 kv e 69 kv nas demais instalações. A empresa é responsável pela operação e manutenção dessas linhas. O aumento nos quilômetros de linhas de transmissão, em relação a 2008, é devido à construção e início de operação de duas linhas de transmissão, autorizadas pela resolução da Aneel 538/2006: a) Construção do segundo circuito da Linhas de Transmissão 230 kv Ramal Lajeado 2; b) Construção do segundo circuito da Linha de Transmissão 230 kv Ramal Santa Cruz 1. Ambas entraram em operação comercial em A CEEE-GT também aumentou a capacidade instalada de 2008 para 2009 devido a entrada em operação comercial das subestações de Livramento 2 (instalação do segundo transformador 230/69 kv) e Pólo Petroquímico (instalação do transformador 230/69 kv), totalizando MVA. Ambos empreendimentos foram autorizados pelas resoluções 538/2006 e 1322/2008, respectivamente.

11 9 Com essa estrutura, a Companhia viabiliza o transporte e suprimento de energia aos seus clientes: três concessionárias de distribuição, uma permissionária de distribuição, sete concessionárias ou autorizadas de geração, duas autorizadas de importação e/ou exportação de energia elétrica, bem como onze consumidores livres. Os principais acionistas da CEEE GT são a Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações (CEEE-Par), com 65,92% das ações e a Eletrobrás, com 32,59%. O restante (1,49%) é de acionistas minoritários. Tendo em vista a pequena quantidade de ações em circulação no mercado, a CEEE-GT atualmente negocia suas ações em mercado de balcão organizado com pouca movimentação. No quadro a seguir, apresentamos a composição acionária em 31 de dezembro de 2009: ACIONISTA ORDINÁRIAS PREFERENCIAIS TOTAL Quantidade % Quantidade % Quantidade % CEEE-Par , , ,92 ELETROBRÁS , , ,59 MUNICÍPIOS , , ,92 BM&F BOVESPA S/A , , ,55 OUTROS , , ,02 TOTAL , , ,0 NOTAS: 1 - TOTAL DE 424 ACIONISTAS. 2 - EM NOVEMBRO/2009 FOI REALIZADO O GRUPAMENTO DE AÇÕES NA PROPORÇÃO DE 1000 POR 1. MISSÃO Contribuir para o desenvolvimento da sociedade atuando no setor de energia e negócios associados com segurança, rentabilidade e sustentabilidade.

12 10 VISÃO Ser referência nacional no setor de energia pela excelência na gestão e prestação de serviços, expandindo seus negócios de forma sustentável. das pessoas. PRINCÍPIOS E VALORES Ética, segurança, sustentabilidade, excelência técnica e valorização ORGANIZAÇÃO E GESTÃO Uma das ações prioritárias da Concessionária em 2009, o Pró-Gestão - Programa de Melhorias de Processos de Gestão da CEEE-GT, desenvolveu diversas ações em conjunto com a consultoria da Associação Qualidade RS PGQP. Partindo de um diagnóstico do Sistema de Gestão, realizado no período de janeiro a março de 2009, a Associação Qualidade RS (PGQP) levantou vários pontos críticos em relação ao Modelo de Excelência em Gestão MEG. A partir destas recomendações foram propostas seis frentes de trabalho a serem desenvolvidas, a saber: Gestão Estratégica, Gestão Orçamentária, Gestão de Processos, Aderência e Atualização do SIG para ERP, Desenvolvimento de Lideranças e Programa de Comunicação Interna e Externa. A frente de Planejamento Estratégico apresentou como uma das principais ações a reformulação da identidade organizacional do Grupo, para busca de adequação das Concessionárias às demandas atuais do setor de energia. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica - CEEE-GT possui órgãos de controle, fiscalização e avaliação de desempenho da gestão, com a realização de assembléias pelos Conselhos de Administração, Fiscal e atuação permanente da Auditoria Interna. As atribuições desses órgãos são as seguintes:

13 11 Assembleia Geral: Supervisionar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras, eleger os membros dos conselhos de Administração e Fiscal e fixar a remuneração dos membros dos conselhos de Administração e Fiscal e da Diretoria. Conselho de Administração: Fixar a orientação geral dos negócios da empresa; eleger e destituir os diretores, fixando-lhes as atribuições em consonância com o disposto no Estatuto Social; fiscalizar a gestão dos diretores; examinar a qualquer tempo os livros e papéis da empresa, solicitar informações sobre contratos celebrados, ou em via de celebração, e quaisquer outros atos, deliberar a convocação da Assembleia Geral quando julgar conveniente; manifestar-se sobre o relatório da Administração e as contas da diretoria; autorizar os afastamentos de diretores e indicar-lhes substitutos, nos casos previstos no Estatuto Social; aprovar o Plano de Gestão, bem como suas revisões, que deverá conter o planejamento estratégico de longo prazo, os fundamentos, metas, objetivos e resultados a serem perseguidos e atingidos pela empresa e sua política de dividendos, nos quais se basearão os planos, projeções, atividade, estratégias, investimentos e despesas a serem incorporados no Plano Plurianual e Estratégico e no Orçamento Anual. Conselho Fiscal: Manter permanente fiscalização e controle de gestão, cabendo-lhe as competências e atribuições privativas e indelegáveis definidas em Lei. Auditoria Interna: Verificar a eficácia em nível de projetos, dos programas específicos aprovados e os resultados obtidos em diferentes fases de execução, diante das políticas e metas fixadas pela Gestão da Empresa e legislação aplicável. Fiscalizar a eficiência e propriedade dos procedimentos dos sistemas e dispositivos de controle interno desenvolvidos pelos diferentes órgãos da Empresa na execução de suas atividades sistematizadas, de acordo com a legislação pertinente, regulamentos, normas e diretrizes internas fixadas pela Diretoria.

14 12 POLÍTICA DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Focada no atendimento às expectativas das partes interessadas (clientes, colaboradores, fornecedores, acionistas, sociedade e órgãos públicos e privados) e nos compromissos com a gestão da qualidade, ambiental, saúde e segurança no trabalho e responsabilidade social, a CEEE-GT fundamenta a sua Política de Excelência em Gestão nos seguintes princípios: Assumir o compromisso público de defesa e proteção aos Direitos Humanos, Direitos da Criança, Direitos Fundamentais do Trabalho, preservação do Meio Ambiente e prevenção à poluição, combate à Corrupção e promoção de boas práticas de Governança Corporativa, promovendo a integração desses compromissos à suas estratégias organizacionais. Assumir o compromisso de atuar no aperfeiçoamento de seu capital humano, promovendo uma administração de gestão de

15 13 pessoas orientada para o desempenho, considerando o ambiente contributivo como o vetor principal para o desenvolvimento dos indivíduos, atendendo aos instrumentos internacionais relacionados às práticas trabalhistas e à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, por entender que seus colaboradores são parceiros estratégicos e, portanto, fundamentais para suas conquistas. Atuar com ética na relação com todos os públicos com os quais se relaciona - acionistas, colaboradores, fornecedores, clientes e a sociedade em que se insere - buscando a sustentabilidade dos seus negócios. Adotar as melhores práticas no planejamento e na gestão de seus processos de negócio, de apoio e gerenciais, comprometido sempre com a melhoria contínua e a eficácia do seu sistema de gestão, garantindo o alinhamento dessas práticas aos objetivos estratégicos da organização. GESTÃO DA QUALIDADE POLÍTICA DA QUALIDADE Garantir que a coordenação, supervisão e controle da operação do sistema de potência sejam realizadas de forma contínua, segura e eficaz. Esta política é avaliada anualmente pela Diretoria Colegiada, visando manter sua eficácia, sofrendo adequações, se necessário. OBJETIVOS DA QUALIDADE Os objetivos da qualidade definidos pela alta administração são: Atender às necessidades dos clientes e aos seus requisitos; Disponibilizar os recursos tecnológicos, humanos e financeiros necessários, mantendo-os adequados; Promover o desenvolvimento e o aperfeiçoamento técnico das pessoas;

16 14 Buscar, permanentemente, a melhoria contínua dos processos; Implementar ações necessárias para atingir os resultados. A Direção da CEEE-GT compromete-se com seu Sistema de Gestão da Qualidade através da definição de Políticas e Objetivos que asseguram a comunicação da importância em atender aos requisitos dos clientes, aos requisitos regulamentares e estatutários. Demonstra seu comprometimento ao conduzir o processo de análise crítica dos resultados obtidos e garantindo a disponibilidade de recursos para alcance das metas. Desta forma, a Direção assegura o desenvolvimento e a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade, bem como a sua melhoria contínua, elaborando planos de ações para alcançar as metas previstas. O conjunto de ações planejadas é comunicado às partes interessadas e acompanhado de forma sistemática ao longo do processo de execução, através da Análise Crítica da Direção. É assegurado pela Diretoria Colegiada da CEEE GT o planejamento do sistema de gestão da qualidade, de forma a satisfazer os requisitos e objetivos da qualidade, sendo que a integridade deste sistema é mantida mesmo quando mudanças são planejadas e implementadas. O processo de planejamento inclui os seguintes passos: Alinhar as metas com os objetivos e diretrizes corporativas; Identificar os projetos em andamento e que serão concluídos no ciclo seguinte; Identificar novos projetos e necessidades; Prever recursos tecnológicos; Prever recursos para infraestrutura; Prever os recursos financeiros para realização dos projetos; Prever necessidades de treinamento e desenvolvimento de pessoas.

17 15 PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO O PRÓ-GESTÃO No primeiro trimestre do ano de 2009, a Associação Qualidade RS (PGQP Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade) realizou, através de uma de suas consultorias credenciadas, um diagnóstico do Sistema de Gestão das empresas do Grupo CEEE. A partir disso desenvolveu-se internamente o Programa de Melhorias de Processos de Gestão do Grupo CEEE (Pró-Gestão) com três consultorias externas credenciadas ao PGQP, visando ampliar a competitividade e transformar as ameaças em oportunidades de desenvolvimento das empresas do Grupo em um mercado exigente. A partir do diagnóstico, recomendações foram feitas e essas podem ser, resumidamente, assim listadas: Estruturar e implementar processo de formulação das estratégias definindo objetivos, indicadores, metas e planos de ações; Implementar a gestão por processos; Revisar o processo de elaboração de orçamento e de gerenciamento do fluxo de caixa; Revisar a estrutura organizacional, e Desenvolver e disseminar a cultura da excelência na organização. A fim de buscar as melhorias propostas por tais recomendações, seis frentes de trabalho iniciaram as atividades em julho de 2009, a saber: Gestão Estratégica: destinou-se a apontar o direcionamento estratégico competitivo e de negócios do Grupo CEEE para um horizonte de cinco anos estabelecendo diretrizes de longo prazo; Gestão Orçamentária: visou o aperfeiçoamento da cadeia de processos da Gestão Orçamentária de modo que o Grupo CEEE tenha um aprimoramento no gerenciamento de receitas e despesas, garantindo assim o alcance dos resultados;

18 16 Gestão de Processos: buscou a identificação dos macroprocessos e processos do Grupo CEEE, objetivando a implementação de um Sistema de Gestão baseado em processos; Programa de Comunicação Interna e Externa: destinou-se a implementação de um plano de comunicação interna e externa para disseminação do Programa de Melhoria da Gestão; Desenvolvimento de Lideranças: foi proposto para a implementação de um programa de desenvolvimento de habilidades para as lideranças visando um melhor desempenho das equipes de trabalho. Análise de Aderência e Atualização do Sistema Integrado de Gestão (SIG) para ERP: destinou-se ao mapeamento dos processos típicos e subprocessos de seis macroprocessos da empresa e ao seu redesenho, quando necessário, culminando com a definição dos requisitos para a aquisição de um Sistema Integrado de Gestão (ERP). Em síntese, o Programa denota o empenho do Grupo CEEE em buscar a excelência na Gestão, com foco nos resultados para impulsionar o crescimento das Empresas do Grupo. Do ponto de vista social, o Grupo CEEE tem se pautado por ações que busquem a sustentabilidade, a cidadania, a geração de renda e melhoria da qualidade de vida, na sua área de concessão. Tais ações trarão repercussões sobre os resultados operacionais, a médio e longo prazo, elevando o retorno sobre o investimento, na medida em que aumentam a arrecadação. RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL A CEEE GT busca o fortalecimento do conceito de responsabilidade social e ambiental nos processos de trabalho, associando suas estratégias econômico-financeiras ao atendimento das questões socioambientais de maneira permanente e pró-ativa. A inserção do conceito de responsabilidade social em seus processos de trabalho visa apoiar ações socialmente responsáveis junto a seus diversos públicos. Com isso, formalizou em janeiro de 2009 sua Política de Responsabilidade Social representada pelo ato de refletir sobre as práticas da empresa, analisar seu modo de produção e

19 17 relacionamento entre os públicos de interesse, para promover o desenvolvimento, sem descuidar dos aspectos econômicos, sociais e ambientais. Os seguintes princípios estão presentes nessa política: Comprometimento; Diálogo, comunicação e transparência; Respeito à dinâmica socioambiental. Ações de inserção do conceito de Responsabilidade Social: Desenvolvimento de programas de capacitação e desenvolvimento do público interno; Revisão dos processos/procedimentos/atividades de trabalho; Práticas de gestão dos diversos níveis hierárquicos; Relações com os diversos públicos; Demonstrações oficiais de suas atividades empresariais, promovendo a transparência de suas decisões e dos resultados decorrentes das mesmas. Promover e apoiar ações junto aos seus diversos públicos que visem: Incentivar o desenvolvimento e a difusão de tecnologias ambientalmente sustentáveis; Potencializar a responsabilidade ambiental; Proteger os direitos humanos reconhecidos internacionalmente; Erradicar qualquer forma de trabalho forçado ou compulsório e de trabalho infantil; Erradicar qualquer forma de discriminação; Combater a corrupção em todas as suas formas.

20 18 A empresa está convicta que o modelo de gestão focado na perpetuidade de seu negócio e na sustentabilidade socioambiental de suas atividades contribuirá para a evolução e disseminação das boas práticas de responsabilidade socioambiental.

21 19 RESPONSABILIDADE COM PARTES INTERESSADAS Partes interessadas Acionistas e investidores Clientes Fornecedores Empregados, colaboradores, estagiários, parceiros Detalhamento CEEE PAR Eletrobrás Municípios BM&F BOVESPA S/A Outros 3 concessionárias de distribuição,1 permissionária de distribuição,7 concessionárias ou autorizadas de geração, 2 autorizadas de importação e/ou exportação de energia elétrica, 11 consumidores livres Materiais: Serviços: 1423 empregados 139 estagiários Canais de Comunicação Seminários, Reuniões, Relatórios. Site corporativo Pesquisas de Satisfação ANEEL, ABRATE e ABRAGE Agergs Audiências Públicas Campanhas Publicitárias Feiras e eventos Reuniões, Seminários, Relatórios Manual de Informações Básicas sobre a Empresa Veículos de Comunicação: Mnc Micro Notícias CEEE Circuito Interno

22 20 Órgãos e programas públicos Organizações sociais, ambientais e comunidades Ministério de Minas e Energia Eletrobrás Governo do Estado do RS Prefeituras Municipais Órgãos regulatórios do setor com os quais se relacionam mais freqüentemente. Fundação Pescar Parceiros Voluntários PUC RS UFRGS Instituto ETHOS Revista CEEE Resoluções de Diretoria Circulares Normas e Procedimentos Internos Encontros com as CIPAS Reuniões com Sindicatos de Classe Prepostos Resoluções Comunicados ABRAGE e ABRATE Grupos de Trabalho Audiências Públicas Campanhas educativas, Encontros, Reuniões, Audiências Públicas.

23 21 COMUNICACAO INSTITUCIONAL A comunicação institucional da CEEE-GT é feita pela Assessoria de Comunicação Social, formalmente estruturada na empresa. O setor atua junto à imprensa e em atividades de relações públicas e publicidade, divulgando serviços e projetos de interesse dos consumidores, através de releases, eventos, feiras, ações comunitárias e campanhas publicitárias. No segmento publicitário, atua com o apoio de uma agência de propaganda (licitada e contratada para esse fim), que colabora com a empresa no planejamento e na definição de campanhas que serão veiculadas nos meios de comunicação (rádio, TV, jornais, internet e outros) da capital, interior e, até, fora do Estado, a partir das diversas demandas existentes na Organização. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA TRANSMISSÃO O planejamento do Sistema de Transmissão visa adequar a capacidade da oferta de energia do sistema (geração e importação), à demanda (mercado e exportação) sinalizado pelos Agentes, às novas solicitações de acesso e aos padrões de desempenho em termos de carregamento, níveis de tensão e confiabilidade estabelecidos pelos Procedimentos de Rede do Operador Nacional do Sistema (ONS). Ressalta-se que o adequado desempenho do sistema elétrico do RS, só será alcançado com o equacionamento do conjunto de obras que estão em andamento e outras previstas para iniciar nos anos subseqüentes. O eventual atraso na implantação dos empreendimentos previstos implica em risco de corte de carga e elevação do custo de operação, decorrente de restrições ao despacho de usinas ou de limitações de intercâmbio entre regiões. Como forma de atender ao Planejamento Estratégico, citado nos parágrafos acima, a área da Transmissão criou a Assessoria de Planejamento e Controle que visa assessorar o diretor na elaboração de planos de ação, execução e apuração dos resultados; acompanhar os assuntos de interesse da área de Transmissão que envolvam direitos e obrigações; coletar, analisar e controlar os indicadores e informações gerenciais; proceder pesquisas; dar apoio técnico a outras divisões, entre outras atribuições.

24 22 Considerando a expansão da rede de transmissão do Rio Grande do Sul ser definida a partir dos Planos de Ampliações e Reforços consolidados pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) e da Empresa de Planejamento Energético (EPE), autorizando a CEEE-GT a construir um conjunto de obras, aos objetivos da qualidade da CEEE-GT associam-se os objetivos específicos da área de Transmissão, a saber: Adequação aos procedimentos de rede do Operador Nacional do Sistema Interligado Nacional, obedecendo aos critérios de segurança e confiabilidade; Ampliação de atendimento à carga e atendimento ao critério N-1 (o sistema deve suportar a perda de um elemento da rede sem desligamento de carga, sem perda de estabilidade do sistema, sem violação de padrões de grandezas elétricas e sem atingir limites de sobrecarga de equipamentos e instalações); Evitar na Rede Básica de Fronteira sobrecarga em condição de contingência, dos transformadores para o patamar de carga média, no final do horizonte de 2012; Elevar o fator de potência aos níveis recomendados pela legislação. INVESTIMENTOS EM TRANSMISSÃO EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Em 2009, foram despendidos grandes esforços para levar adiante o Plano de Investimento da CEEE-GT, sendo concluídos e energizados diversos empreendimentos. As demais estão em fase de construção, projeto básico e contratação. De modo geral, podemos citar como beneficiários dos empreendimentos da área de Transmissão as Concessionárias (3) e Permissionárias (1) de Distribuição, Concessionária ou autorizada de geração (7), Autorizada de importação e/ou exportação de energia elétrica (2), bem como o Consumidor livre (11) e a população do Rio Grande do Sul (10,6 milhões).

25 23 A CEEE-GT está autorizada pelo Poder Concedente a implementar o seguinte conjunto de obras: SE Lajeado 2 (em licitação), SE Santa Cruz 1 (em licitação), SE Ijuí (em Licitação), SE Quinta (em licitação), SE Taquara (em licitação), SE Alegrete 2 (em projeto), SE Uruguaiana 5 (em projeto), SE Canoas 1 (em projeto), SE Eldorado (em projeto), SE Guaíba 2 (em projeto), SE São Borja 2 (em projeto), SE Cachoeirinha (em projeto), SE Livramento 2 (em projeto), SE Maçambará (em projeto), SE São Vicente (em projeto), SE Scharlau (em projeto), SE UPME (em projeto), SE Cruz Alta (em projeto), SE Panambi (em projeto), SEs Camaquã, Farroupilha, Gravataí 2, Nova Prata 2 e Santa Marta sendo executadas com equipe própria da CEEE GT, SE Canoas3 (em projeto), recapacitação LT 138kV CIN-CACH (em licitação) e abertura da LT 230kV CIN-Pel3 (em licitação). Todas estas obras irão ampliar a capacidade de atendimento da demanda, confiabilidade e qualidade do fornecimento. A carga própria de energia no mercado do Rio Grande do Sul, acumulada ao longo do ano, foi de GWh. Com relação aos valores de carga máxima instantânea verificados no Rio Grande do Sul, o valor máximo de carga em 2009 ocorreu no dia 10 de fevereiro de 2009 às 15h28 min no valor de MW, porém não superou o recorde histórico de MW, observado em 10 de janeiro de 2008 às 14h31min. O índice de perdas técnicas na transmissão é da ordem de 1,79%, número que vem diminuindo ano a ano (em 2007 era de 2,9% e em 2008 de 2,09%). Essa diminuição provém da expansão das Linhas de Transmissão feitas nos últimos anos, fazendo com que a transmissão de energia seja feita com menor carga, possibilitando a redução das perdas técnicas. A Energia Deixada de Transmitir (EDT) Geral, totalizada no ano de 2009, alcançou 1589,09 MWh, sendo que 1538,44 MWh representam a EDT sob responsabilidade da Transmissão CEEE GT e 50,64 MWh externos à Transmissão CEEE GT. Esses valores representam uma EDT média Geral de 132,42 MWh/mês e uma EDT média Transmissão CEEE GT de 128,20 MWh/mês.

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercícios findos em 31 de Dezembro de 2009 e 2008. Valores expressos em milhares de reais. Sumário RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1.MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO... 3 2.PERFIL... 4 3.GOVERNANÇA

Leia mais

CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica. Programa de Investimentos

CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica. Programa de Investimentos CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica Programa de Investimentos Geração de Energia Elétrica no RGS * 79 usinas em operação * Potência instalada de 6 GW * Representando 6,52 % da capacidade total

Leia mais

Secretaria de Infraestrutura e Logística

Secretaria de Infraestrutura e Logística Secretaria de Infraestrutura e Logística Investimento - 2011 Geração Transmissão Distribuição Total CEEE Realizado2011 R$13.071,26 R$65.019,92 R$118.149,60 R$196.240,78 Plano de Investimentos 2012-2014

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS Conforme as Normas Internacionais de Contabilidade

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS Conforme as Normas Internacionais de Contabilidade DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS Conforme as Normas Internacionais de Contabilidade Períodos findos em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais. SUMÁRIO Relatório

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S/A CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2010

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S/A CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2010 CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S/A CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS - 2010 0BInformações sobre a Companhia Denominação Social: Endereço da Sede: Endereço na Internet Diretor de Finanças, Participações e

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Em 2013 completamos 25 anos de atividade empresarial, período no qual participamos da implantação de importantes projetos na área de energia elétrica

Em 2013 completamos 25 anos de atividade empresarial, período no qual participamos da implantação de importantes projetos na área de energia elétrica BEM-VINDOS A ELTMAN é uma empresa de engenharia atuando nas áreas de estudos elétricos, projetos básicos e executivos e serviços de campo, nos segmentos de energia elétrica e transporte. Nosso foco principal

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 PERFIL DA EMPRESA A Premier Ambiental é uma empresa de Consultoria em Gerenciamento de Requisitos Legais, implantação e manutenção

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Grupo aumentou quadro de colaboradores próprios em 29%. Juntas, AES Eletropaulo e AES Sul distribuíram energia para mais

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 RELATÓRIO ONS - 3/107/06 EMITIDO EM: 28/04/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução - Comentários Informações baseadas em abril de 2010. Furnas Centrais Elétricas S. A. - Empresa de geração e transmissão,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ÁREA DE OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA DA CEEE RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ÁREA DE OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA DA CEEE RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ÁREA DE OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA DA CEEE RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE 2006/2007 1 ORGANOGRAMA O Setor de Qualidade e Normatização, o Departamento

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores;

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores; A Empresa A Ativo Energia é uma empresa registrada no CRC-SP e especializada em consultoria e assessoria contábil, focada no setor de energia elétrica, com especialização nas áreas de controle do ativo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

AUTORIZAÇÕES DE INSTALAÇÕES NAS DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO - DIT

AUTORIZAÇÕES DE INSTALAÇÕES NAS DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO - DIT AUTORIZAÇÕES DE INSTALAÇÕES NAS DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO - DIT Revisão de 14/12/2015 - Rev.96 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Administração dos Serv da Transmissão Rua da Quitanda

Leia mais

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social.

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Resumo A Spin Engenharia participou da implantação do Centro de Operações Integrado (COI) da Queiroz Galvão Energias Renováveis (QGER).

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE. Plano de Gestão. Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária. Aprovado pelo CD em 29/10/2015

Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE. Plano de Gestão. Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária. Aprovado pelo CD em 29/10/2015 Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE Plano de Gestão 2016 Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária Aprovado pelo CD em 29/10/2015 Sumário 1 Apresentação 3 2 Metodologia 4 3 Plano de Trabalho_2016 5 3.1

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa 1/13 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CGPC nº13/2004 Apresenta e especifica estrutura, componentes e mecanismos corporativa na

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

Modelo de premiação para Incentivo à Excelência das Prestadoras de Serviços. Coelba Coelba Coelba

Modelo de premiação para Incentivo à Excelência das Prestadoras de Serviços. Coelba Coelba Coelba XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Modelo de premiação para Incentivo à Excelência das Prestadoras de Serviços Rita de Cassia

Leia mais

10 ANOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 2 DE DEZEMBRO DE 2009

10 ANOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 2 DE DEZEMBRO DE 2009 10 ANOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 2 DE DEZEMBRO DE 2009 DEZEMBRO / 2009 1. INTRODUÇÃO Este Plano de Atividades, elaborado em conformidade com

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins meramente informativos. É proibida a reprodução total ou

Leia mais

DECRETO Nº 54.785, DE 23 DE JANEIRO DE 2014

DECRETO Nº 54.785, DE 23 DE JANEIRO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 54.785, DE 23 DE JANEIRO DE 2014 Institui a Política Municipal de Governança de Tecnologia da Informação e Comunicação - PMGTIC,

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Ganhos de Gestão do Centro de Operação da CESP com a Certificação ISO 9001:2000

Ganhos de Gestão do Centro de Operação da CESP com a Certificação ISO 9001:2000 Ganhos de Gestão do Centro de Operação da CESP com a Certificação ISO 9001:2000 Autores: José Hélio Luppi Júnior CESP Castilho-SP. Fernando Peres de Moraes CESP Castilho-SP. Carlos Alberto Skilhan CESP-

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental. Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica CEEE-D

Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental. Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica CEEE-D Relatório Anual de Responsabilidade Socioambiental Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica CEEE-D 1 SUMÁRIO MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO... 5 DIMENSÃO GERAL... 7 PERFIL INSTITUCIONAL... 7 Missão...

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC RESUMO A cisão da ELETROSUL em duas empresas, uma exclusivamente de transmissão e outra de geração, e também a criação do ONS, e cessão do seu SSC à este ONS, obrigou a ELETROSUL a adquirir um novo sistema

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais