Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corporate Governance e responsabilidade social das empresas"

Transcrição

1 Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os mercados de capitais e minaram a confiança dos investidores. Tais escândalos e falências chamaram a atenção para a necessidade de se adoptarem medidas regulatórias tendo em vista reduzir a probabilidade de novos eventos semelhantes e aumentar a confiança. As responsabilidades das administrações e dos comités de auditoria foram reforçadas. Foram estabelecidos procedimentos de supervisão e auditoria. Normas de contabilidade e auditoria mais exigentes têm vindo a ser adoptadas. Tem vindo a ser dada uma grande importância à qualidade da informação disponibilizada e usada pelos intermediários financeiros, corretores, analistas e agências de rating. Como exemplos de iniciativas regulatórias, mencione-se a lei Sarbanes-Oxley nos Estados Unidos, os princípios adoptados pela IOSCO sobre a independência e a supervisão da actividade de auditoria bem como sobre conflitos de interesse dos analistas financeiros, ou ainda as iniciativas em curso da Comissão Europeia revendo as 4ª e 8ª directivas sobre auditoria, bem como no domínio do direito societário e do governo das sociedades na sequência do 2º Relatório Winter. Os princípios de governo das sociedades podem assegurar a adopção de boas práticas tendo em vista A transparência das organizações e dos seus processos de decisão A divulgação dos poderes e responsabilidades dos agentes

2 A responsabilização dos gestores e da administração A prevenção e boa gestão dos conflitos de interesses A preocupação prioritária das boas práticas de corporate governance consiste em assegurar mecanismos apropriados que promovam o exercício, pelos accionistas, dos seus direitos de propriedade, não só exercendo os seus direitos de voto, mas também através da possibilidade de apresentarem questões e avançarem com propostas nas assembleias de accionistas. Promover-se-á assim uma maior responsabilização da administração. Divulgação de informação e transparência, associadas a boas práticas de corporate governance também promovem incentivos de mercado para a auto-regulação. A regra é a seguinte: definam-se standards e exija-se divulgação (comply or explain). Neste contexto, os investidores e outros interessados na empresa terão a possibilidade de avaliar a qualidade do seu desempenho e da sua gestão, de defenderem os seus interesses e de induzir as mudanças societárias que se revelem adequadas. A exposição pública da adopção, ou não, das boas práticas de governo societário (naming and shaming) introduz uma valência reputacional que pressionará as empresas não cumpridoras. De notar, que as questões de governo societário são igualmente relevantes fora do universo das sociedades cotadas. São príncípios importantes para outras organizações tais como empresas e outras entidades públicas, organizações não governamentais, mercados de capitais, organizações internacionais, etc.

3 2 As questões relacionadas com a responsabilidade social das empresas têm também vindo a merecer uma atenção crescente entre empresários, responsáveis políticos e reguladores. Em Março de 2000, a Cimeira Europeia de Lisboa fez um apelo para uma maior atenção das empresas europeias às suas responsabilidades sociais nos domínios da formação, organização e gestão do trabalho, igualdade de oportunidades, inclusão social e desenvolvimento sustentado. Em 2002, a Comissão Europeia emitiu um documento entitulado Corporate Social Responsibility - a business contribution to sustainable development tendo em vista aumentar a convergência e a transparência das práticas existentes e procurando incorporar estas preocupações nas políticas da União Europeia. Será que os mercados de capitais podem desempenhar um papel importante na promoção de boas práticas e na maior consciêncialização dos investidores para estas questões? Com efeito, algumas sociedades de grande dimensão, com visibilidade internacional, podem contribuir, e têm já contribuído, para este objectivo. Alguns índices tentam já medir a performance das empresas socialmente responsáveis, como é o caso por exemplo do Dow Jones Sustainability Index. Além do mais, alguma evidência sugere que empresas com maior empenhamento social têm melhor desempenho no mercado de capitais. Iniciativas como a criação dos Fundos Éticos orientando os seus investimentos para empresas com melhores standards de responsabilidade social, também promovem a consciência do mercado para estas matérias. Matérias que têm vindo a ser colocadas no âmbito das preocupações da governação societária:

4 Maior procura por padrões de gestão ético-social mais elevados (a educação dos investidores poderá ser um complemento importante); A importância da informação na indução de melhores padrões societários de comportamento socialmente responsável (comply or explain / naming and shaming); A introdução de mecanismos específicos de corporate governance, p.ex., a criação de comités especializados para tratar destas questões ou a nomeação de gestores com responsabilidades nest domínio; A sua relevância na criação de valor para os accionistas numa perspectiva de longo prazo. 3 Os eventos atrás mencionados que abalaram os mercados financeiros nos últimos anos realçam a importância de riscos de governance associados à cosmética da informação financeira, ao comportamento fraudulento de gestores, à falta de auditoria independente e à inexistência de sistemas internos de gestão e controle de riscos. Os investidores não ignoram, ou não devem ignorar, que podem ser enganados e, por isso, sempre que têm a percepção que tal risco é material, exigem um prémio para o assumir ou então pura e simplesmente não investem nas empresas com má reputação de cumprimento das suas obrigações. A implicação deste facto é a de que o mercado avaliará negativamente tais riscos ou mau comportamento e reduzirá o valor de tais empresas. Desta forma, o mercado estará a dar um incentivo à boa governação das sociedades e à divulgação de informação. Na medida em que as empresas

5 reduzam tais riscos, reduzem também a probabilidade de ocorrência de sinistros pelo que o mercado melhorará a sua avaliação. Isto ilustra a forma como as preocupações de natureza social e ambiental, como as questões da sustentabilidade, podem ser tomadas em conta, ser incorporadas, nas preocupações dos participantes no mercado. Ou tais matérias são relevantes, materiais, com um impacto no valor de mercado das empresas ou, caso contrário, serão muito provavelmente ignoradas. É esta a natureza dos mercados, ou se ganha ou se perde. Não deixa grande espaço para o comportamento altruísta. Não nego a existência de comportamento altruísta. O que quero dizer é que ele não será a regra, mas sim a excepção. Em boa verdade, muitas vezes constatamos comportamentos altruístas porque dele decorrem vantagens: ou um subsídio, ou uma dedução fiscal ou um ganho de reputação. O mercado deverá pois internalizar os custos sociais e ambientais e julgar o desempenho das empresas, beneficiando as que se portem bem e penalisando as que se portam mal. Que fazer então para que as empresas percebam que a irresponsabilidade social pode ter um impacto negativo no seu valor de mercado? Como induzir, por esta via, maior responsabilidade social das empresas? Como alargar o âmbito das actuais preocupações de corporate governance de modo a incluir também questões de responsabilidade social e ambiental?

6 O legislador pode impor obrigações/responsabilidades legais. Essa seria sem dúvida a via mais efectiva desde que devidamente implementadas. Existem contudo duas grandes dificuldades que limitam o uso generalizado desta solução: Muitas das situações negativas que enfrentamos são a resultante do nosso mau comportamento colectivo, pelo que dificilmente se poderá imputar a sua responsabilidade a esta ou aquela entidade em particular; No sistema económico e financeiro global em que vivemos, imposições legais ou regulamentares deste tipo, porque se traduzem em custos, afectarão negativamente a competitividade das empresas face aos concorrentes localizados em jurisdições em que tais custos não são impostos. Podemos pois concluir que as soluções de cariz impositivo, a serem possíveis, devem ser globais e tanto quanto possível harmonizadas para serem efectivas. Por isso, as organizações internacionais podem desempenhar um papel muito importante. Esta via, como sabemos, não é fácil. Recordemos, por exemplo, as dificuldades com o Protocolo de Quito. Face a estas dificuldades creio que um bom complemento a eventuais medidas oficiais de cariz legislativo será o de aumentar a pressão social no sentido da adopção de regras de conduta mais exigentes no âmbito da responsabilidade social das empresas. Esta maior pressão social poderá ser uma via efectiva para fazer com que estas questões possam ser percebidas como riscos relevantes com um impacto material no valor das empresas.

7 A pressão social pode gerar os necessários incentivos de mercado que promoverão a adopção voluntária, por parte das empresas, de comportamentos mais socialmente responsáveis. Primeiro, será necessário definir quais são as regras de conduta apropriadas. Este é um importante papel a desempenhar pelas organizações sociais e ambientais, sejam governamentais ou não. Segundo há que recomendar a adopção de tais regras de conduta, formando a opinião pública no sentido de a sensibilizar para que valorize tais preocupações. Terceiro, pressionar para que as empresas divulguem se sim ou não, estão a adoptar as regras de conduta recomendadas (comply or explain). A divulgação de quem cumpre e de quem não cumpre introduz um elemento reputacional que será devidamente avaliado (naming and shaming). Será de esperar que ocorram dois efeitos: Os consumidores mudarão gradualmente as suas preferências e passarão a valorizar o comportamento socialmente responsável As empresas perceberão que o comportamento socialmente responsável é valorizado pelo mercado, e não quererão incorrer nos custos que possam resultar de uma má reputação. Em conclusão, a percepção corrente, entre os reguladores, é a de que o custo da imposição de obrigações específicas de divulgação ou a imposição de regras de conduta específicas nesta área não se justifica ainda face à percepção que os investidores têm dos benefícios que podem obter. A ênfase terá que ser colocada no comportamento voluntário através da promoção de incentivos de mercado que

8 induzam as empresas a adoptarem melhores e melhores standards (name and shame se necessário). Isto não preclude a necessidade de os reguladores imporem exigências referentes à identificação de riscos sociais e ambientais relevantes com que as empresas se possam ter que confrontar. O uso de procedimentos contabilísticos adequados deve ser exigido para reflectir o seu impacto na sua situação financeira bem como a sua divulgação ao mercado. A responsabilidade social é uma responsabilidade de todos, deve ser uma preocupação de todos. Obrigado

NOVAS REGRAS SOBRE CONTAS ANUAIS E CONSOLIDADAS

NOVAS REGRAS SOBRE CONTAS ANUAIS E CONSOLIDADAS NOVAS REGRAS SOBRE CONTAS ANUAIS E CONSOLIDADAS NOVAS REGRAS SOBRE CONTAS ANUAIS E CONSOLIDADAS Índice 1. Enquadramento 2. Directiva 2006/46/CE 3. Decreto-Lei n.º 185/2009, de 12/08 2 ENQUADRAMENTO Em

Leia mais

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders.

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders. Notas de apoio à Intervenção inicial do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira, na Conferência Responsabilidade Social e Corporate Governance, organizada, em parceria, pelo GRACE, pela AEM e

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e

Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e Perspectivas Futuras Fernando Teixeira eira dos Santos Presidente do Conselho Directivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Presidente do

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique Focus on Mozambique Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique CORPORATE GOVERNANCE NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Enfrentando a Crise Financeira Internacional: O Papel da Boa Governação Corporativa

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Uma primeira resposta da UE às questões relacionadas com a Enron. (5) avaliação dos analistas financeiros e papel das agências de notação.

Uma primeira resposta da UE às questões relacionadas com a Enron. (5) avaliação dos analistas financeiros e papel das agências de notação. NOTA DIRIGIDA AO CONSELHO INFORMAL ECOFIN A REALIZAR EM OVIEDO EM 12 E 13 DE ABRIL Assunto: Uma primeira resposta da UE às questões relacionadas com a Enron O caso da Enron - independentemente do resultado

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais Face à crescente importância e complexide dos assuntos relativos à divulgação de informação sobre o Societário, o Grupo PT apresenta em anexo a este relatório, mas como sua parte integrante, o Relatório

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

COMERCIAL E SOCIETÁRIO DESTAQUE. Agosto 2012 RELATÓRIO ANUAL DA CMVM SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES COTADAS EM PORTUGAL(2010) 1.

COMERCIAL E SOCIETÁRIO DESTAQUE. Agosto 2012 RELATÓRIO ANUAL DA CMVM SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES COTADAS EM PORTUGAL(2010) 1. DESTAQUE Agosto 2012 COMERCIAL E SOCIETÁRIO RELATÓRIO ANUAL DA CMVM SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES COTADAS EM PORTUGAL(2010) 1. INTRODUÇÃO Em 31 de Julho de 2012, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários

Leia mais

Contabilidade e transparência dos mercados bolsistas

Contabilidade e transparência dos mercados bolsistas Contabilidade e transparência dos mercados bolsistas Fernando Teixeira dos Santos Presidente do Conselho Directivo da CMVM IESC - 18/06/2002 Eficiência dos Mercados Reclama transparência da actuação de

Leia mais

Governo das Sociedades A Visão do Chairman

Governo das Sociedades A Visão do Chairman Lisboa, 4 de Novembro de 2008 XV Conferência do IPAI Governo das Sociedades d A Visão do Chairman Francisco Luís Murteira Nabo Corporate Governance O que é? Corporate Governance is the system by which

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Due Diligence Aspectos Práticos

Due Diligence Aspectos Práticos Due Diligence Aspectos Práticos Foi tendo em conta os aspectos práticos do tema que o Dr. Ivo Renato Moreira de Faria Oliveira apresentou o trabalho sobre o Due Diligence Financeiro no Contexto de uma

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Preâmbulo O mercado financeiro, e em especial o mercado especializado no crédito ao consumo, exige por parte

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP. Porto, 5 de Junho de 2009

O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP. Porto, 5 de Junho de 2009 O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP Porto, 5 de Junho de 2009 Agenda 1. EDP 2. Motivações e Desafios 3. Reconhecimentos 4. Próximos Passos 20090605 Benefícios do RS na EDP Direcção

Leia mais

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou:

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou: Independência dos membros do Conselho de dministração da Portugal Telecom, SGPS, S., com excepção dos membros da respectiva Comissão de uditoria Considerando as alterações ao Código das Sociedades Comerciais

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE II. Contabilidade II. Resultados. O Relatório de Gestão e a. Certificação Legal de Contas

LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE II. Contabilidade II. Resultados. O Relatório de Gestão e a. Certificação Legal de Contas Contabilidade II Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados. O Relatório de Gestão e a Certificação Legal de Contas 1 Tópicos a abordar: Resultados Relatório de Gestão 2 Tópicos a abordar: Resultados

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015 ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 1. OBJETO DA CONSULTA A CMVM tem um compromisso com o mercado de revisão

Leia mais

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário Relatório sobre a estrutura e Práticas de governo societário 108 RELATÓRIO SOBRE A ESTRUTURA E PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO (SANTANDER TOTTA SEGUROS) O presente relatório é elaborado nos termos do art.

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE E RESPONSABILIDADE SOCIAL

CORPORATE GOVERNANCE E RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATE GOVERNANCE E RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS 27-11-2014 Carlos Tavares 1. O tema do governo societário ganhou especial relevo na sequência do desencadear da crise financeira ainda em curso,

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Questionário sobre administração das sociedades

Questionário sobre administração das sociedades Anexo 1: Questionário de 2002 Questionário sobre administração das sociedades Data de referência 31 de Março de 2002 Nome da sociedade:... I. Divulgação de informação 1. São divulgadas as competências

Leia mais

Implicações da DMIF no Domínio das Instituições de Crédito

Implicações da DMIF no Domínio das Instituições de Crédito Sessão de Esclarecimento Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) Pedro Duarte Neves 18 de Dezembro de 2006 1 No plano comunitário Directiva 2004/39/CE,

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81.

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada nos termos do artigo 81.º do Regimento pela Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários sobre

Leia mais

OS DESAFIOS DO CORPORATE GOVERNANCE EM ANGOLA

OS DESAFIOS DO CORPORATE GOVERNANCE EM ANGOLA OS DESAFIOS DO CORPORATE GOVERNANCE EM ANGOLA Por: Professor Associado Convidado do ISCTE Presidente do Conselho de Administração da Multitel Conferência Apresentada no Âmbito das Comemorações dos 15 Anos

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

CMVM CMVM. Conferência

CMVM CMVM. Conferência Conferência Principais Conclusões do Inquérito Alargado sobre as Práticas de Governação das Sociedades Cotadas Portuguesas * O Código do Governo das Sociedades da Novas Propostas de Regras e Recomendações

Leia mais

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco,

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Exmos. Senhores Presidentes e demais membros dos Conselhos de Administração e das

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e apreciação por parte de entidades

Leia mais

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001 Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Agenda Introdução Desafio 1º passo Problemática ISO 27001 ISO 20000 Conclusões 2 Agenda Introdução

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701 Directriz de Revisão/Auditoria 701 RELATÓRIO DE AUDITORIA ELABORADO POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO ANUAL Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-4 OBJECTIVO 5-6 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

plasmadas nos avisos 1/13, de 19 de Abril, que estabelece as regras e obrigações de gestão corporativa

plasmadas nos avisos 1/13, de 19 de Abril, que estabelece as regras e obrigações de gestão corporativa 2 EXPANSÃO 26 de Julho 2013 C E R C O À F R A U D E Regras de compliance já mexem com a banca angolana Angola tem-se empenhado para acompanhar o desenvolvimento de medidas e políticas que visam adequar

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

A BOLSA DE VALORES SOCIAIS ENQUANTO PROMOTORA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA. ALGUMAS QUESTÕES. Deolinda Aparício Meira

A BOLSA DE VALORES SOCIAIS ENQUANTO PROMOTORA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA. ALGUMAS QUESTÕES. Deolinda Aparício Meira A BOLSA DE VALORES SOCIAIS ENQUANTO PROMOTORA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA. ALGUMAS QUESTÕES Deolinda Aparício Meira BREVE APRESENTAÇÃO DA BOLSA DE VALORES SOCIAIS A Bolsa de Valores Sociais (BVS),

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

Recomendações. www.bportugal.pt

Recomendações. www.bportugal.pt Comunicado do Banco de Portugal: Recomendações do Grupo de Trabalho sobre os Modelos e as Práticas de Governo, de Controlo e de Auditoria das Instituições Financeiras Na sequência do processo que conduziu

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Page 1 of 6. Regulamentos da CMVM - 2003. Regulamento da CMVM n.º 11/2003

Page 1 of 6. Regulamentos da CMVM - 2003. Regulamento da CMVM n.º 11/2003 A CMVM Comunicados Sistema de Difusão de Informação Recomendações Estudos e Documentos Legislação e Publicações Apoio ao Investidor / Mediação de Conflitos Sistema de Indemnização aos Investidores Consultas

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Novas exigências só podem ser compensadas com formação

Novas exigências só podem ser compensadas com formação Novas exigências só podem ser compensadas com formação Sandra Alves admite que a credibilidade da informação financeira fica abalada com os escândalos contabilísticos e diz que a actualização contínua

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES 2014 1 ÍNDICE Índice... 2 Preâmbulo... 3 Capítulo I Parte Geral...7 Capítulo II Accionistas e Assembleia Geral...11 Capítulo III Administração Executiva...12 Capítulo IV

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

PAPEL, ESTATUTO E RESPONSABILIDADE DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS NA UNIÃO EUROPEIA

PAPEL, ESTATUTO E RESPONSABILIDADE DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS NA UNIÃO EUROPEIA Livros Verdes PAPEL, ESTATUTO E RESPONSABILIDADE DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS NA UNIÃO EUROPEIA 1 ÍNDICE Parag. nº 1. INTRODUÇÃO 1.1-1.5 2. REGULAMENTAÇÃO DA REVISÃO LEGAL DE CONTAS A NÍVEL DA UNIÃO EUROPEIA

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Por vezes surgem perguntas relativas a Intermediários Promotores

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

O que é uma PME sustentável?

O que é uma PME sustentável? O que é uma PME sustentável? Uma PME sustentável é aquela que tem mecanismos e procedimentos que procuram a sustentabilidade nos seus três eixos fundamentais: Economico Social Ambiental Sustentabilidade

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas da Sonae Capital, SGPS, S.A., reuniu no dia 30 de Março de 2012, pelas 11:00, no Lugar do Espido, Via Norte, na Maia,

Leia mais