Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte."

Transcrição

1 Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte.

2 Leveduras Personalizadas O Futuro da Fermentação Henrique V. Amorim Agosto/2013

3 Áreas PRODUÇÃO DE ETANOL BEBIDAS DESTILADAS INDÚSTRIAS DO AÇÚCAR

4 Nossa Equipe Formação TOTAL PhD e Doutorado 9 Mestrado 10 MBA 4 BS 18 ADM 13 TOTAL 54

5 Clientes com Contrato Anual Produção anual Cana de açúcar (Mi de ton.) Açúcar (Mi de ton.) Álcool (Bilhões de litros) Bebidas destiladas (Mi litros) 500

6 O QUE É LEVEDURA SELECIONADA?

7 Histórico Levedura Selecionada JA 1990 Fermentec BG Copersucar SA Copersucar CR 1991 Copersucar PE Fermentec VR Fermentec CAT Fermentec FT858L 2007 Fermentec

8 Linhagens mais adequadas ao ambiente e ao processo. Seleção dirigida pelo processo.

9 Permanência 12 safras PE2, CAT1 e FT858L 100 Permanência (até 120 dias) 100 Permanência (até 240 dias) PE2 CAT1 FT858L PE2 CAT1 FT858L

10 Permanência 12 safras BG1, SA1 e Panificação 100 Permanência (até 120 dias) 100 Permanência (até 240 dias) BG1 SA1 PANIF BG1 SA1 PANIF

11 Evolução da colheita mecanizada % /98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 RPA Consultoria

12 Comparando O Genoma das Leveduras Tiamina (B1) Piridoxina (B6)

13 Estrutura dos Cromossomos Região dos genes básicos do metabolismo Braço menor (p petite) Centrômero: onde as duas partes se tocam Braço maior (q) Cromátide: uma das duas partes idênticas do cromossomo

14 Leveduras Personalizadas 9 Casos Concretos e de Sucesso

15 Caso 1 Destilaria A

16 FT858L 100% % 60% 40% 20% 0% DIAS PE-2 SELVAGENS FT858L Selvagem D2

17 FT858L 100% Média 80% 60% 40% 20% 0% PE-2 SELVAGENS FT858L ANO

18 Leveduras S288c PE2 FT858 Haploid Diploid Triploide

19 FT 858L Cariotipagem PE-2 FT858L

20 FT 858L DNA MITOCONDRIAL: Parentesco com PE2 PE2 5 4 FT858L Modelo

21 As boas características da FT 858L 1. Fermentação rápida 2. Tolera alto teor alcoólico 3. Tolera baixo ph no tratamento 4. Não é floculante per se 5. Metaboliza e produz etanol de maltose e maltotriose (álcool de grãos)

22 Tempo de fermentação FT 858L TEMPO DE FERMENTAÇÃO (h) ,6% Alc. 8,4% Alc.... FT858L Semanas

23 Caso 2 Destilaria B

24 Comparativo das Safras FT Y Parâmetros Avaliados Moagem TCH TCD 8000 Prod. Alc / dia m

25 Tempo de fermentação FT Y TEMPO DE FERMENTAÇÃO (h) ,2% EtOH 8,8% EtOH 8,9% EtOH 10,2% EtOH Semanas

26 FT Y PE-2 CAT-1 FT Y Selvagens dias7

27 FT Y Média ANO PE-2 FT Y

28 Caso 3 Destilaria C

29 FT 1255L dias PE-2 CAT-1 Selvagem FT1007L FT1008L FT1255L

30 FT 1255L Média Ano FT1255L

31 FT 1255L % 80% 60% 40% 20% 0% CAT-1 PE-2 FT1255L semanas

32 Caso 4 Destilaria D

33 FT-2052L % 80% 60% Selvagem Mauri FT2052L 40% 20% 0% dias

34 FT-2052L % 80% 60% 40% 20% 0% outra Saccharomyces Mauri FT2052L semanas

35 Caso 5 Destilaria E

36 FT1628L e FT1629L % 80% 60% 40% 20% 0% Selvagem BG-1 CAT-1 Semanas * FT1756L * FT1629L FT1628L *

37 FT1628L, FT1629L e FT1756L 100% % 60% 40% 20% 0% FT1756L FT1629L FT1628L BG-1 CAT-1 Semanas

38 Caso 6 Destilaria F

39 FT 2070L % 80% 60% 40% 20% 0% Selvagem FT2070L FT1628L FT1629L CAT-1 FT858L PE-2 Semanas

40 FT2070L % 80% 60% 40% 20% 0% 4 12 semanas CAT-1 PE -2 FT858L FT2070L

41 Caso 7 Destilaria G

42 FT 1416L % 80% 60% 40% 20% 0% FT1416L CAT-1 PE Dias

43 FT 1416L % 80% 60% 40% FT1416L PE-2 20% 0% 136 semanas

44 Caso 8 Destilaria H

45 FT 2023L % 80% 60% 40% 20% FT2023L FT858L PE-2 CAT-1 0% 3 9 Semanas

46 Caso 9 Destilaria I

47 FT 1736L % 80% 60% 40% FT1736L PE-2 20% 0% 6 12 Semanas 47

48 O QUE SE GANHA COM A PERMANENCIA DESTAS LEVEDURAS?

49 ESTABILIDADE NO PROCESSO Eficiência Produção Insumos

50 Consumo de dispersante e antiespumante 100 Cliente 1,2 % LEVEDURAS ,0 0,8 0,6 0,4 g/l ÁLCOOL DIAS BG-1 SELVAGENS DISP. + ANTIESPUMANTES 0,2

51 R$ 1,09 milhão em antiespumante é o que economizaria uma destilaria com moagem de 2 milhões t/ano com produção de 170 milhões /L

52 A inibição do crescimento bacteriano pelas leveduras personalizadas em comparação a levedura de pão.

53 Leveduras Testadas Levedura de pão PE2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L

54 Contaminação Bacteriana 100 Bacterial Bast. Rods X 10 x 6 /ml 10e6/mL Levedura Baker's yeast de pão PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L

55 Velocidade da Fermentação 2,50 Velocidade da Fermentação Velocity of fermentation (g CO2 in 4.5 h) 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 Levedura Baker's yeast de pão PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L

56 Ácido Láctico Lactic acid in the wine (mg / L) Ácido Láctico (mg / L) Baker's yeast Levedura de pão PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L

57 Ácido Acético Acetic acid in the wine (mg / L) Ácido Acético (mg / L) Baker's yeast de pão Levedura PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L -400

58 Diferença em Rendimento da Fermentação R$ 2,07 milhões Somente com a produção de ácidos pelas bactérias. Desvio 1,16% do açúcar. Produção cana: 2 milhões t Produção etanol: 170 milhões L

59 Muito Obrigado

60 facebook.com/fermentec

Progressos Tecnológicos na fermentação com adoção da cana crua

Progressos Tecnológicos na fermentação com adoção da cana crua Progressos Tecnológicos na fermentação com adoção da cana crua Henrique Amorim Workshop Cana Crua: A Experiência Acumulada VII José Paulo Stupiello - Out/2013 Áreas PRODUÇÃO DE ETANOL BEBIDAS DESTILADAS

Leia mais

NOVA MATÉRIA PRIMA E A PRODUÇÃO DE ETANOL HENRIQUE BERBERT DE AMORIM NETO

NOVA MATÉRIA PRIMA E A PRODUÇÃO DE ETANOL HENRIQUE BERBERT DE AMORIM NETO HENRIQUE BERBERT DE AMORIM NETO WORKSHOP SOBRE LIMPEZA DA CANA CRUA E QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA JUNHO DE 2014 INTRODUÇÃO DESAFIOS: COLHEITA DA CANA, PRODUÇÃO DE AÇÚCAR, PRODUÇÃO DE ETANOL. DIFERENÇA ENTRE

Leia mais

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim Fermentação 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010 Henrique Amorim SEDE FERMENTEC SEDE FERMENTEC Nossos Serviços CONSULTORIA (TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA) CURSOS E TREINAMENTOS

Leia mais

V Semana de Fermentação Alcoólica Jayme Rocha de Almeida ESALQ / USP 19 e 20 de Maio / 2011 Henrique V. Amorim

V Semana de Fermentação Alcoólica Jayme Rocha de Almeida ESALQ / USP 19 e 20 de Maio / 2011 Henrique V. Amorim Quanto custa selecionar uma levedura industrial? V Semana de Fermentação Alcoólica Jayme Rocha de Almeida ESALQ / USP 19 e 20 de Maio / 2011 Henrique V. Amorim O que é Levedura Industrial? Características

Leia mais

SELEÇÃO, AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UMA LEVEDURA PERSONALIZADA PARA A PRODUÇÃO DE ETANOL. Fernando Vicente Diretor Industrial

SELEÇÃO, AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UMA LEVEDURA PERSONALIZADA PARA A PRODUÇÃO DE ETANOL. Fernando Vicente Diretor Industrial SELEÇÃO, AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UMA LEVEDURA PERSONALIZADA PARA A PRODUÇÃO DE ETANOL Fernando Vicente Diretor Industrial Contar o histórico de como chegamos à levedura da Usina Alta Mogiana UAM. OBJETIVO

Leia mais

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool.

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Microorganismos são fontes ricas de produtos naturais, podem ser usadas como combustíveis, produtos químicos: polímeros e drogas. A habilidade de manipular

Leia mais

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor A cachaça brasileira conta agora com uma alternativa segura para aumentar sua qualidade com diminuição dos custos de produção. Depois de testar

Leia mais

Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica

Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica Osmar Vaz de Carvalho Netto osmar@lge.ibi.unicamp.br Laboratório de Genômica e Expressão Instituto de Biologia - UNICAMP V Semana

Leia mais

EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A USINA DA SOBREVIVÊNCIA EFICIÊNCIA É FUNDAMENTAL HENRIQUE V. AMORIM, Prof. 15º SBA - STAB 29 e 30 de Outubro de 2014 EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SOBRE A FERMENTEC ESTRUTURA DE 2500 M²

Leia mais

Análise da Influência do ph e da Temperatura no Processo de Fermentação de Caldo de Cana

Análise da Influência do ph e da Temperatura no Processo de Fermentação de Caldo de Cana Análise da Influência do ph e da Temperatura no Processo de Fermentação de Caldo de Cana Gabriela Bonassa 1*, Joel G. Teleken 2, Lara T. Schneider 3, Carlos de Jesus de Oliveira 3. (1) Graduando de Tecnologia

Leia mais

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica Prof. Clóvis Parazzi O que se deseja de um processo fermentativo? Elevado Rendimento Uniformidade na produção de metabólitos pela levedura

Leia mais

Perdas no Processo: Do Campo à Indústria

Perdas no Processo: Do Campo à Indústria Perdas no Processo: Do Campo à Indústria Curso Teórico e Pratico da Fermentação Etanólica UNESP/UFSCar 20 a 24 de fevereiro de 2006 Prof. Dr. Octávio Antonio Valsechi DTAISER/CCA/UFSCar vico@power.ufscar.br

Leia mais

As artesãs do etanol

As artesãs do etanol > ciência microbiologia As artesãs do etanol Descobertas sobre genética de leveduras incentivam a pesquisa para ampliar a produtividade de álcool Carlos Fioravanti fotos Eduardo Cesar de Nova Europa 44

Leia mais

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Jaime Finguerut jaime@ctc.com.br Luiz Antonio Dias Paes 5 de Junho de 2014 Agenda Dados Gerais da Safra 13/14

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS São bactérias que pertencem ao domínio BACTÉRIA. Cocos ou bacilos são Gram positivos não esporulados possuem baixo teor

Leia mais

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP Optinal Industrial Fermentation Silvio Roberto Andrietta Plantas de produção de etanol Etapas Preparo da matéria prima Preparo da cana (abertura

Leia mais

REUNIÃO TÉCNICA DE ECONOMIA O SETOR SUCROALCOOLEIRO UMA RADIOGRAFIA DO SETOR

REUNIÃO TÉCNICA DE ECONOMIA O SETOR SUCROALCOOLEIRO UMA RADIOGRAFIA DO SETOR REUNIÃO TÉCNICA DE ECONOMIA O SETOR SUCROALCOOLEIRO UMA RADIOGRAFIA DO SETOR CELSO FUJIOKA Março de 2014 DIRETORIA DE ECONOMIA DA ANEFAC POTENCIAL DE CULTIVO O plantio da cana-deaçúcar ocupa menos de 1%

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE LEVEDURAS CONTAMINANTES EM FERMENTAÇÃO DO TIPO BATELADA EM USINA DE ÁLCOOL DE PEREIRA BARRETO-SP

IDENTIFICAÇÃO DE LEVEDURAS CONTAMINANTES EM FERMENTAÇÃO DO TIPO BATELADA EM USINA DE ÁLCOOL DE PEREIRA BARRETO-SP IDENTIFICAÇÃO DE LEVEDURAS CONTAMINANTES EM FERMENTAÇÃO DO TIPO BATELADA EM USINA DE ÁLCOOL DE PEREIRA BARRETO-SP Sousa, R. L. (1) ; Scabora, M. H. (2) ; Silva, E. M. (3) ; Petroni, T.F (4) (1) Discente

Leia mais

Sistema Automático para Controle de Espuma em Fermentadores. Edson Rocha Spraying Systems Co.

Sistema Automático para Controle de Espuma em Fermentadores. Edson Rocha Spraying Systems Co. Sistema Automático para Controle de Espuma em Fermentadores Edson Rocha Spraying Systems Co. NA FERMENTAÇÃO OCORRE GRANDE FORMAÇÃO DE ESPUMAS QUE PODE TRANSBORDARAFETANDO O RENDIMENTO INDUSTRIAL, E OCUSTO

Leia mais

Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle

Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle Tese Doutorado: Edilson José Guerra Relato: Profª Dra Dejanira de Franceschi de Angelis Na década de 1990,

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 PAISS Etanol 2G 1. Motivação 2. Programa 2G 3. Perspectivas e discussão PAISS Etanol 2G 1. Motivação

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA PROFª ERIKA LIZ

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA PROFª ERIKA LIZ FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA PROFª ERIKA LIZ Fermentação Alcoólica Etanol Aplicado como combustível verde, em industrias de alimentos, perfumes, cosméticos e como insumo da industria química; Combustível potencialmente

Leia mais

Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira

Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira Estrutura Industrial e Mudança Tecnológica na Economia Sucroalcooleira Prof. Maria da Graça D. Fonseca (IE-UFRJ) Charles Ménard Costa (Consultor Infosucro) Competitividade da Indústria O sistema de produção

Leia mais

FERMENTAÇÃO SEM ÁCIDO SULFÚRICO NOVA TECNOLOGIA BAC-CEN 20-14

FERMENTAÇÃO SEM ÁCIDO SULFÚRICO NOVA TECNOLOGIA BAC-CEN 20-14 FERMENTAÇÃO SEM ÁCIDO SULFÚRICO NOVA TECNOLOGIA A CENTERQUIMICA A Centerquímica está localizada em Araçatuba-SP, atuando há mais de 30 anos no setor Sucroalcooleiro. Fornecemos toda linha de especialidades

Leia mais

Seminário Florescimento e Isoporização Efeitos na Moagem e Produção Industrial

Seminário Florescimento e Isoporização Efeitos na Moagem e Produção Industrial AGRADECIMENTOS INICIAIS CONVITE EVENTO PALESTRANTES PARTICIPANTES APRESENTAÇÃO Engenheiro Mecânico Universidade de Brasília 1982 Setor Sucroenergético 1984 MBA FGV Gestão de Projetos - 2011 MBA Agroenergia

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

ESTUDO DAS POTENCIALIDADES DA APLICAÇÃO DE LEVEDURAS ENCAPSULADAS PARA ELABORAÇÃO DE VINHOS ESPUMANTES

ESTUDO DAS POTENCIALIDADES DA APLICAÇÃO DE LEVEDURAS ENCAPSULADAS PARA ELABORAÇÃO DE VINHOS ESPUMANTES ESTUDO DAS POTENCIALIDADES DA APLICAÇÃO DE LEVEDURAS ENCAPSULADAS PARA ELABORAÇÃO DE VINHOS ESPUMANTES Autores: Thais Caroline ZATTERA 1, Fabiana Foralosso BORTOLINI 2, Álvaro Vargas JUNIOR 3, Nei FRONZA

Leia mais

LUIZ CARLOS BASSO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ESALQ/USP. V SEMANA DE FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA, Piracicaba 19/

LUIZ CARLOS BASSO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ESALQ/USP. V SEMANA DE FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA, Piracicaba 19/ A FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA: ALGUNS ASPECTOS BIOQUÍMICOS, FISIOLÓGICOS E MICROBIOLÓGICOS LUIZ CARLOS BASSO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ESALQ/USP V SEMANA DE FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA, Piracicaba 19/20-5-2011

Leia mais

Perdas no Processo: II CURSO DE MONITORAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO DA LICA. 11 de fevereiro de 2008

Perdas no Processo: II CURSO DE MONITORAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO DA LICA. 11 de fevereiro de 2008 Perdas no Processo: Do Campo à Indústria II CURSO DE MONITORAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO DA FERMENTAÇÃO ETANÓLICA. LICA. 11 de fevereiro de 2008 Prof. Dr. Octávio Antonio Valsechi DTAISER/CCA/UFSCar vico@ufscar.br

Leia mais

ANALISE DOS AÇÚCARES RESIDUAIS REDUTORES TOTAIS (ARRT) PRESENTES NO VINHO APÓS FERMENTAÇÃO DE CALDO DE SORGO SACRINO POR DOIS GENOTIPOS DE LEVEDURAS

ANALISE DOS AÇÚCARES RESIDUAIS REDUTORES TOTAIS (ARRT) PRESENTES NO VINHO APÓS FERMENTAÇÃO DE CALDO DE SORGO SACRINO POR DOIS GENOTIPOS DE LEVEDURAS ANALISE DOS AÇÚCARES RESIDUAIS REDUTORES TOTAIS (ARRT) PRESENTES NO VINHO APÓS FERMENTAÇÃO DE CALDO DE SORGO SACRINO POR DOIS GENOTIPOS DE LEVEDURAS João Henrique Chiara Silvério 1, Cristhyane Millena

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

Prof. Drª. Caroline Moraes

Prof. Drª. Caroline Moraes Prof. Drª. Caroline Moraes Carnobacterium Enterococcus Lactococcus Lactobacilus Lactosphaera Leuconostoc Oenococcus Pediococcus Streptococcus Tetragenococcus Vagococcus Weissella Característica do grupo:

Leia mais

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN A ENGENHO NOVO, sempre atenta ao desenvolvimento de novas tecnologias para produção de etanol, pesquisou e desenvolveu um processo simples e eficiente

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

Reunião Pública 2013 Safra 13/14

Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Grupo São Martinho 300.000 ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 21 milhões de tons Capacidade de processamento de cana de

Leia mais

Resumo das Funções Orgânicas e nomenclatura

Resumo das Funções Orgânicas e nomenclatura Resumo das Funções Orgânicas e nomenclatura EXERCÍCIOS As questões 2 e 3 referem-se aos textos abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado as usinas de compostagem,

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE. Prof(a): Erika Liz

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE. Prof(a): Erika Liz FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE Prof(a): Erika Liz Outubro - 2010 HISTÓRICO A cana-de-açúcar era conhecida e apreciada desde as mais antigas civilizações. Alexandre, o Grande, foi levada para a Pérsia,

Leia mais

Fabricação de Bebidas Cerveja

Fabricação de Bebidas Cerveja Fabricação de Bebidas Cerveja Processos Químicos Industriais II 01/12/2011 1 Bebidas Fermentadas & Destiladas A fabricação de bebidas fermentadas evoluiu de uma concepção artesanal para um processo contendo

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA

TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA Gabriela Prestes 1 ; Adriana Rute Cordeiro 2 1,2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ponta Grossa Brasil gabriela_prestes05@hotmail.com Resumo A cerveja

Leia mais

NOVAS METODOLOGIAS PARA A FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA DO SORO DE QUEIJO

NOVAS METODOLOGIAS PARA A FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA DO SORO DE QUEIJO NOVAS METODOLOGIAS PARA A FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA DO SORO DE QUEIJO L. DOMINGUES, N. LIMA e J.A.TEIXEIRA Centro de Engenharia Biológica IBQF, Universidade do Minho 4700 320 Braga Portugal. RESUMO Em Portugal,

Leia mais

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS WLADYMYR JEFFERSON BACALHAU DE SOUZA 1 ; NORMANDO MENDES RIBEIRO FILHO 2 ; RAISSA CRISTINA SANTOS 4 ; KATILAYNE VIEIRA DE ALMEIDA 1 ;

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA RESUMO PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA Autores: Souza, Milena C.; França, Luiz F.; Corrêa, Nádia C. F.; Gomes, Lúcia F. A.; Universidade Federal do Pará. milenacosta26@yahoo.com.temática:

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

Alto Teor Alcoólico/ECOFERM e Concentração de Vinhaça: Processos se Complementam

Alto Teor Alcoólico/ECOFERM e Concentração de Vinhaça: Processos se Complementam Tadeu Fessel Alto Teor Alcoólico/ECOFERM e Concentração de Vinhaça: Processos se Complementam Guilherme Marengo Ferreira Dedini Indústrias de Base Henrique Vianna de Amorim Fermentec 16 de junho de 2011

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS VARIAÇÕES ALÉLICAS DE Saccharomyces cerevisiae NA FERMENTAÇÃO INDUSTRIAL

IDENTIFICAÇÃO DAS VARIAÇÕES ALÉLICAS DE Saccharomyces cerevisiae NA FERMENTAÇÃO INDUSTRIAL IDENTIFICAÇÃO DAS VARIAÇÕES ALÉLICAS DE Saccharomyces cerevisiae NA FERMENTAÇÃO INDUSTRIAL Silva, A.C.P (1). Leite, A.L (1) ; Santos, F. J. A. L (1) ; Lima, M. C. S (1) ; Neto, A. G. B. N (2,3) ; Brasileiro,

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE.

NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE. BEM-VINDOS! NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE. Empresa fundada em no ano de 1987, a PROMAC iniciou suas atividades no ramo de equipamentos de movimentação de carga, atuando nas mais

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA MARTINS, Izadora F. 1 ; FUZIOKA, Pâmela U. ¹;SILVA, Alexsandro M. 2 ¹Graduandas do Curso de Farmácia do Centro Universitário São Camilo, Campus Ipiranga, São Paulo, SP.

Leia mais

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório 14 de abril de 2007 Senado Federal Produção Sucroalcooleira: Introdução Agroindústrias: processam um produto agrícola Cana-de-açúcar: Origem

Leia mais

Automação de Biorrefinarias de Etanol de 2ª Geração. Tecnologias e Desafios na Produção de Biocombustíveis

Automação de Biorrefinarias de Etanol de 2ª Geração. Tecnologias e Desafios na Produção de Biocombustíveis Automação de Biorrefinarias de Etanol de 2ª Geração Tecnologias e Desafios na Produção de Biocombustíveis CONCEITOS 28/08/2013 I Congresso de Automação e Inovação Tecnológica Sucroenergética 2013 - R3

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

Biologia CITOLOGIA - UNICAMP - VESTIBULARES DE 2016-2010

Biologia CITOLOGIA - UNICAMP - VESTIBULARES DE 2016-2010 1. (Unicamp 2015) O vírus Ebola foi isolado em 1976, após uma epidemia de febre hemorrágica ocorrida em vilas do noroeste do Zaire, perto do rio Ebola. Esse vírus está associado a um quadro de febre hemorrágica

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 12 Outubro, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Chuvas intensas no mês de setembro atrasaram a colheita de cana-de-açúcar nas principais

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DURANTE A PRODUÇÃO ARTESANAL DE CACHAÇA. FERNANDA DE SOUSA FERNANDES

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DURANTE A PRODUÇÃO ARTESANAL DE CACHAÇA. FERNANDA DE SOUSA FERNANDES AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DURANTE A PRODUÇÃO ARTESANAL DE CACHAÇA. FERNANDA DE SOUSA FERNANDES TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO SUBMETIDO À COORDENAÇÃO DO CURSO DE QUÍMICA INDUSTRIAL

Leia mais

A Importância do ERP na Gestão Industrial. Luiz Cunali Defilippi Usina Ipiranga

A Importância do ERP na Gestão Industrial. Luiz Cunali Defilippi Usina Ipiranga A Importância do ERP na Gestão Industrial. Luiz Cunali Defilippi Usina Ipiranga DADOS GRUPO IPIRANGA 2 Dados Grupo IPIRANGA. ESTIMATIVAS MOAGEM E PRODUÇÕES SAFRAS 14/15 E 15/16 - GRUPO IPIRANGA SAFRA 14/15

Leia mais

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE ASSSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE - MG 29/10/2009 A CANA COMO

Leia mais

Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia

Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia Minha cerveja está doente? Carboidratos Oxigênio Membranas Glicose CO 2 Etanol Acetaldeído Piruvato

Leia mais

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva Café Coquetéis CAFÉ COQUETÉIS O café é uma bebida estimulante, agradável, reanimadora, que apresenta aroma e sabor característicos e é capaz de agradar aos mais variados paladares. Versátil, compõe receitas

Leia mais

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular.

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular. Módulo Núcleo Exercícios de Aula 1) O envelope nuclear encerra o DNA e define o compartimento nuclear. Assinale a afirmativa INCORRETA sobre o envelope nuclear. a) É formado por duas membranas concêntricas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA COMPOSIÇÃO DO MEIO DA FERMENTAÇÃO EM ESTADO SÓLIDO NA PRODUÇÃO DE ETANOL

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA COMPOSIÇÃO DO MEIO DA FERMENTAÇÃO EM ESTADO SÓLIDO NA PRODUÇÃO DE ETANOL AVALIAÇÃO DO EFEITO DA COMPOSIÇÃO DO MEIO DA FERMENTAÇÃO EM ESTADO SÓLIDO NA PRODUÇÃO DE ETANOL H. C. OYAMA 1, U. C. FILHO 1, C. M. M. MIRANDA 1 e V. S. LOPES 1 1 Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade

Leia mais

AULA 5: Microrganismos Fermentadores

AULA 5: Microrganismos Fermentadores Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 7 período Disciplina: Microbiologia de Alimentos Professora: Sabrina Dias AULA 5: Microrganismos Fermentadores

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS PRINCIPAIS ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA CERVEJA MATÉRIAS-PRIMAS ÁGUA MALTE CEREAIS (ARROZ E MILHO) LÚPULO EXTRATO DE ALTA MALTOSE AÇÚCAR ADITIVOS Água - Sabor - Odor - Cor

Leia mais

Rose Monnerat EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia

Rose Monnerat EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia Bioinseticidas para controle de mosquitos transmissores de doenças Rose Monnerat EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia Malaria, Filarioses, Dengue, Febre amarela, Oncocercose Bacillus thuringiensis

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Saraiva Dornelles, Anita; Rodrigues, Sueli Fermentação alcoólica de caldo de cana utilizando grãos de kefir

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO 15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO Jose Willams da Silva Luz Gerente Corporativo Industrial Deltasucroenergia Willams.luz@deltasucroenergia.com.br Fone: 034.3319.6463

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2014 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

Currículo. Mestre em Engenharia de Sistemas Agrícolas - ESALQ/USP 2013. Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas ESALQ/USP

Currículo. Mestre em Engenharia de Sistemas Agrícolas - ESALQ/USP 2013. Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas ESALQ/USP Gestão Financeira e Custo de Produção de Cana-de-açúcar Taquaritinga/SP Outubro/21 João Henrique Mantellatto Rosa PECEGE/ESALQ/USP jhmrosa@pecege.esalq.usp.br Currículo Formação: Engenheiro Agrônomo ESALQ

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA USO DE LEVEDURA SELECIONADA EM ESCALA PILOTO PARA A PRODUÇÃO DE CACHAÇA DE ALAMBIQUE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA USO DE LEVEDURA SELECIONADA EM ESCALA PILOTO PARA A PRODUÇÃO DE CACHAÇA DE ALAMBIQUE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CLEBER MIRANDA GONÇALVES USO DE LEVEDURA SELECIONADA EM ESCALA PILOTO PARA A PRODUÇÃO DE CACHAÇA DE ALAMBIQUE Feira

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA D. SANCHO II ELVAS CIÊNCIAS DA TERRA E DA VIDA 11º ANO

ESCOLA SECUNDÁRIA D. SANCHO II ELVAS CIÊNCIAS DA TERRA E DA VIDA 11º ANO ESCOLA SECUNDÁRIA D. SANCHO II ELVAS CIÊNCIAS DA TERRA E DA VIDA 11º ANO Unidade de ensino: Sistemas vivos e energia. Sub-unidade: Fermentação. Guião de actividade Ontem, na aula de Educação Física, o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca Eniz Conceição Oliveira Miriam Ines Marchi Vanessa Paula Reginatto Maicon Toldi 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009 Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho Área Produção Rendimento Médio 08-09 07-08 08-09 07-08 08-09 07-08 UF % % % a/b a b a/b (a) (b) a/b (a) (b) PR 34 1.100 820

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 26 de maio de 2011 SOBRE A UNICA Maior organização representativa

Leia mais

Funcional de Saccharomyces cerevisiae durante fermentação

Funcional de Saccharomyces cerevisiae durante fermentação Bioenergética e Genética Funcional de Saccharomyces cerevisiae durante fermentação vinária durante a (Functional Genomics and Bioenergetics of Saccharomyces cerevisiae during winemaking) 100º Curso de

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOOLICA: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA

FERMENTAÇÃO ALCOOLICA: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA FERMENTAÇÃO ALCOOLICA: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA Anelise Grünfeld de Luca (Colégio Sinodal Ruy Barbosa) Araceli Gonçalves Schneider (Colégio Sinodal Ruy Barbosa) Sandra

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS CINÉTICOS NA FERMENTAÇÃO DE CERVEJA AROMATIZADA

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS CINÉTICOS NA FERMENTAÇÃO DE CERVEJA AROMATIZADA DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS CINÉTICOS NA FERMENTAÇÃO DE CERVEJA AROMATIZADA DEVELOPMENT AND EVALUATION OF KINETIC PARAMETERS THE FERMENTATION OF BEER FLAVOURED Charles Barbosa Reeck 1, Estevan

Leia mais

Processos de produção do álcool etílico de cana-de-açúcar e os possíveis reaproveitamentos dos resíduos resultantes do sistema

Processos de produção do álcool etílico de cana-de-açúcar e os possíveis reaproveitamentos dos resíduos resultantes do sistema Processos de produção do álcool etílico de cana-de-açúcar e os possíveis reaproveitamentos dos resíduos resultantes do sistema Claudio Cezar Meneguetti 1 (FECILCAM) silvana_mez@hotmail.com Silvana Mezaroba

Leia mais

Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos.

Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos. Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos. Vinho Queijo Cerveja Pão Vinagre Iogurte Louis Pasteur (1822-1895) Primeiro cientista a defender e comprovar a existência de microrganismos na

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DE MELAÇO OBTIDO DO TRATAMENTO COM EXTRATO DE MORINGA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DE MELAÇO OBTIDO DO TRATAMENTO COM EXTRATO DE MORINGA PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DE MELAÇO OBTIDO DO TRATAMENTO COM EXTRATO DE MORINGA Márcia Justino Rossini Mutton (1), Franciele Quintino Mendes (1), Gustavo Henrique Gravatim Costa (1), Letícia Fernanda

Leia mais

LEVEDURA SELECIONADA DE SUA PRÓPRIA UNIDADE INDUSTRIAL

LEVEDURA SELECIONADA DE SUA PRÓPRIA UNIDADE INDUSTRIAL LEVEDURA SELECIONADA DE SUA PRÓPRIA UNIDADE INDUSTRIAL Tipos de colônias de leveduras que entram através do mosto, na fermentação Colônias de leveduras que compõem uma certa amostra de fermento Fleischmann

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 1. Setor de Sucos Exportações em US$ 1.000 Produtos 2010 Part% 2013 2014 Part% 2014 2014/ 13 Var % anual 14/10 Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 43.005.652 41.136.370

Leia mais