(es): : Ricardo Motta Pinto Coelho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(es): : Ricardo Motta Pinto Coelho"

Transcrição

1 1 Módulo 5 Aula 3 Certificação Ambiental: Norma ISO (Sistemas de Gestão Ambiental). Autor(es) (es): : Ricardo Motta Pinto Coelho 1.0 A Preocupação Ambiental Após a Conferência de Estocolmo, no início da década de setenta, e a partir do estabelecimento dos princípios do Desenvolvimento Sustentável, a questão ambiental passa a ocupar uma posição de destaque nas agendas governamentais. Esta mudança de postura possibilitou a adoção de regulamentações e legislações cada vez mais rígidas no intuito de melhorar e preservar o meio ambiente. No entanto somente após a Conferência do Rio de Janeiro sobre o Meio ambiente e Desenvolvimento, a ECO'92, a questão ambiental ganhou grande relevância em todos os segmentos da sociedade com o efetivo engajamento de Organizações Não Governamentais (ONGs) e agremiações político-partidárias (partidos verdes) que passaram a fiscalizar e pressionar não somente as empresas, mas, também, o poder público a adotar atitudes ambientalmente corretas. A Agenda 21, documento final da ECO 92, (re)define o Desenvolvimento Sustentável orientando políticos e líderes dos países a usar os recursos ambientais de maneira a atender às necessidades das populações atuais e das gerações futuras. Princípios básicos do Desenvolvimento Sustentável: a) viver com recursos da Terra, cuidando para a sua preservação e uso por gerações futuras;

2 2 b) manter o consumo de recursos renováveis dentro dos limites de sua reposição; c) deixar às próximas gerações não só um legado de riqueza fabricada pelo homem (prédios, estradas, ferrovias), mas também de riqueza natural, suprimentos de água limpa e adequada, terra boa e arável, uma vida selvagem rica e florestas amplas. (HMSO apud BS Sistema de Gerenciamento Ambiental, 1995). A educação ambiental está sendo introduzida no ensino fundamental em muitos países, não somente aqueles mais desenvolvidos. Hoje conceitos tais como a reciclagem do lixo, a limitação do consumo de supérfluos e a conservação ambiental são triviais para crianças de várias nações. Agências não governamentais tais como o Conservation International ou o Greenpeace têm representantes em muitos países e grande expressão junto às comunidades e governos. Um dos alicerces do novo paradigma do Desenvolvimento Sustentável refere-se ao fato de que a atividade econômica pode até ser incentivada ao adotar-se uma postura voltada à preservação e recuperação do meio ambiente. Adicionalmente, os empresários estão se tornando mais conscientes das responsabilidades e custos gerados por possíveis acidentes ambientais e pela geração de impactos ambientais indiscriminados. Nos países desenvolvidos é muito grande o grau de preocupação expresso pela sociedade em relação ao meio ambiente. Segundo Hans Jöhr (1994), nos Estados Unidos, entre 1988 e 1989, o número de denúncias e condenações por infrações às leis que protegem o meio ambiente simplesmente dobraram. Outras conseqüências são o provável aumento de custo dos prêmios de seguros das áreas envolvidas e a variação do valor das ações das organizações. Tal postura também se faz sentir no Brasil. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente da PBH, por exemplo, vem registrando uma verdadeira explosão no número de denúncias sobre questões voltadas à degradação ambiental. Em São Paulo, a administração municipal e o governo estadual vêm adotando o rodízio de veículos nas cidades, medida em grande parte baseada nos elevados índices de poluição atmosférica (ver no capítulo anterior a legislação sobre emissão de gases em veículos). Outro fato muito importante está ligado à mudança de comportamento do consumidor que passa a exigir, além da qualidade e do preço competitivo, uma postura

3 3 ambientalmente correta das corporações. A adoção de princípios ambientais na conduta de um dado empreendimento pode, portanto, gerar uma vantagem competitiva em relação a seus concorrentes. Outras empresas que continuem poluindo tendem a perder competitividade em relação a custos, devido a taxações e paradas de produção a ela impostas pelas agências de controle ambiental e outros órgãos do Poder Público. Segundo Margalef (1977), a poluição pode ser entendida como um recurso fora de lugar. Segundo Porter e Linde, em Ser Verde Também é Ser Competitivo (1995), a preservação ambiental pode gerar uma grande redução de custos associada a um aumento de competitividade do empreendimento. O efluente normalmente contém vários subprodutos que podem ser encarados como sendo recursos desperdiçados, atestando a ineficiência do processo produtivo. A diminuição das concentrações de determinados subprodutos nos efluentes levaria a uma redução não só o impacto ambiental, mas também os custos, melhorando a qualidade do produto e aumentando a sua competitividade. Até recentemente, as empresas não estavam preocupadas em estimar o custo da poluição em termos de desperdícios de recursos, de esforços e de diminuição de valor para o consumidor. Segundo Reis (1995), a aproximação entre ecologia e economia é irreversível. Para ele, as empresas vêm percebendo que é mais barato fazer 'certo da primeira vez', minimizando a geração de resíduos, ao invés de reparar depois. Medidas mitigadoras da poluição como a instalação de filtros ou processos de tratamento de efluentes são em geral mais complexas, caras e demandam mais tempo em sua instalação do que se adotadas ainda na fase de projeto industrial. Em alguns casos, os custos da despoluição são tão elevados que a sua adoção torna-se inviável em determinados tipos de plantas industriais. Em decorrência do novo paradigma ligando desenvolvimento sustentável e preservação dos ecossistemas proposto pela agenda 21, várias empresas, em diversos países, identificaram, nas questões ambientais, um dos mais importantes fatores críticos de sucesso para a continuidade da aceitação dos seus produtos nos mercados interno e externo. Por outro lado, inúmeros países adotam normas mais rígidas quanto ao aspecto ambiental não só dos produtos acabados, mas também para a qualidade ambiental das matérias-primas e outros insumos. Não somente os países industrializados estão se adequando aos novos mandamentos do desenvolvimento sustentável. Os países do

4 4 terceiro mundo, tradicionais fornecedores de insumos básicos, passaram também a sofrer considerável pressão para adotar os princípios do desenvolvimento sustentável e uma política nacional de gestão ambiental na produção destes insumos. Um bom exemplo pode ser visto nas mineradoras que tem encontrado barreiras à exportação quando não adotam um sistema eficiente de gestão ambiental em suas minas. A regulamentação ambiental inevitavelmente se tornará em uma eficaz barreira aos produtos e serviços para aqueles países que permaneceram refratários a introdução de S.G.A. em seus agentes produtores de bens de exportação. No caso do Brasil, observase atualmente vários setores que adotaram o SGA segundo o conjunto ISSO 14000, que é uma federação mundial, não-governamental, ao qual participam 110 países, inclusive o Brasil. Os grandes acidentes ecológicos ocorridos nos anos setenta e oitenta, tais como a tragédia de Sevezo na Itália, o vazamento de cianetos em Bhopal, na Índia, o derramamento de petróleo pelo cargueiro Exxon Valdez, no Alasca, e o acidente nuclear de TChernobil na Ucrânia, geraram impactos ambientais de grandes proporções. Tais acontecimentos levaram a criação dos Sistemas de Gestão Ambiental em alguns países nórdicos, na Europa Central e nos Estados Unidos. As auditorias ambientais passaram a serem adotadas por vários empreendimentos a partir de meados da década de oitenta. Tais auditorias tinham o objetivo de conhecer os passivos ambientais associados ao empreendimento. Algumas das organizações que realizaram este trabalho verificaram que não bastava a realização de auditorias regulares, pois a integração da empresa com o meio ambiente dependia, em grande parte, de uma modificação de postura de seus dirigentes e funcionários. Somente uma atitude comprometida, integrada e sistematizada, por parte das organizações, seria eficaz para a preservação ambiental. O modelo ISO 9000 do Sistema de Qualidade, foi visto como uma estrutura ideal para um Sistema de Gestão Ambiental. No Reino Unido, uma instituição normativa, a British Standards Institution- BSI, propôs um sistema de normas voltadas para o Sistema de Gestão Ambiental a exemplo do que faz a BS 5750/ISO 9001 em relação aos Sistemas de Qualidade. A esse modelo de Sistema de Gestão Ambiental denominou-se BS 7750, que foi tomado por base para o desenvolvimento da norma internacional ISO Embora não seja a solução

5 5 definitiva para a questão da poluição industrial, o estabelecimento de normas ambientais apresenta a vantagem de promover a integração dos critérios ambientais aos critérios de desempenho da organização em todos os níveis. (Gilbert, 1995). As possíveis mudanças geradas nas empresas que implantarem e mantiverem um Sistema de Gestão Ambiental de acordo com a norma ISO 14001, provavelmente a tornarão mais competitivas, graças aos seguintes fatores: a) redução de custos, graças à economia de recursos naturais e à minimização da geração de resíduos; b) conquista de mercados restritos como o da Comunidade Européia, do Área de Livre Comércio da América do Norte - NAFTA e de outros países desenvolvidos; c) queda na probabilidade de processos de responsabilidade civil; d) facilitação na captação de recursos dos órgãos de fomento e desenvolvimento, como o BID, Banco Mundial, BNDS e BDMG; e) maior controle sobre os seus impactos ambientais significativos; f) melhor relacionamento com a comunidade; g) atendimento às regulamentações municipais, estaduais e federais. 2. Desenvolvimento da família ISO Denomina-se ISO família a série de normas ISO relativas a meio ambiente. Este conjunto é constituído por seis Subcomitês Técnicos: SCO1 Gestão Ambiental (coordenado pela Inglaterra); SCO2 Auditoria Ambiental (coordenado pela Holanda); SCO3 Rotulagem Ambiental (coordenado pela Austrália); SCO4 Avaliação de Desempenho Ambiental (coordenado pelos Estados Unidos);

6 6 SCO5 Análise do Ciclo de Vida (coordenado pela França); SCO6 Termos e Definições (coordenado pela Noruega); 2.1 ISO/ Comitê Técnico (TC) 207 Várias empresas, inicialmente britânicas e depois européias, que implementaram os princípios da BS 7750, demonstraram que os fatores benéficos acima assinalados podem ser alcançados com relativa rapidez. A partir destas experiências positivas, da mesma maneira que ocorreu na ISO 9000, a ISO formou o SAGE - Strategic Advisory Group on the Environment para investigar a necessidade do desenvolvimento de normas internacionais para a gestão ambiental. Após uma indicação favorável do SAGE, em março de 1993, a ISO organizou o Comitê ISO/TC 207 com o objetivo de desenvolver as normas ISO família Segundo Maurício Reis (1995), o Comitê Técnico ISO/TC 207 tem o objetivo de formular normas universais de gerenciamento ambiental, passíveis de certificação por entidades credenciadas. O comitê ISO/TC 207 é dividido em subcomitês que, por sua vez, são divididos em grupos de trabalho. Cada grupo de trabalho foi responsável pela geração das minutas de normas a eles designados. As coordenações do ISO/TC 207 e dos subcomitês foram designadas a certos países de representatividade nos assuntos em questão. Segundo Pinheiro e Silva (1995), podemos dividir os trabalhos do ISO/TC 207 segundo três enfoques básicos representados na Tabela 2 abaixo.

7 7 Tabela 2 Metas e enfoques do comitê técnico ISO/TC 207. Nota: (*) O SC1 é coordenado pelo BSI - British Standard Institution, autor da BS Além dos países que secretariam cada um dos subcomitês, diversas nações estão participando ativamente dos trabalhos do ISO/TC 207. Verificou-se que países como EUA, Japão e Brasil, que ficaram alheios ao desenvolvimento das normas ISO família 9000, estão preocupados com a interferência da ISO família em suas atividades e vêm mantendo uma posição ativa no desenvolvimento dessas normas. Por exemplo, na reunião plenária do ISO/TC 207 em Oslo em meados de 1995, além da delegação brasileira, que contou com a participação de 21 representantes de diversos setores, estiveram presentes países como Uruguai, Chile, Colômbia e México, o que ajudou a equilibrar as votações. No Brasil, o órgão que acompanha as discussões no âmbito do ISO/TC 207 é o Grupo de Apoio à Normalização Ambiental - GANA, que visa avaliar o impacto das proposições do ISO/TC 207 sobre a competitividade nacional e propor alternativas que atendam aos interesses brasileiros. O Brasil, por intermédio do e vinculado à ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), vem participando ativamente da elaboração de normas ambientais (Shigunov, 2009).

8 8 As normas geradas/ em geração pelo ISO/TC 207 e sua situação estão no anexo A. 3. Introdução à ISO Escopo A ISO 14001/96 tem a seguinte finalidade: Esta Norma especifica os requisitos relativos a um sistema de gestão ambiental, permitindo a uma organização formular uma política e objetivos que levem em conta os requisitos legais e informações referentes aos impactos ambientais significativos. Ela se aplica aos aspectos ambientais que possam ser controlados pela organização e sobre os quais presume-se que ela tenha influência. Em si, ela não prescreve critérios específicos de desempenho ambiental. A norma se aplica a qualquer organização que deseje implementar, manter e aprimorar um sistema de gestão ambiental; assegurar-se de sua conformidade com a sua política ambiental definida; demonstrar tal conformidade a terceiros; buscar certificação/ registro do seu sistema de gestão ambiental por uma organização externa; realizar uma auto-avaliação e emitir auto-declaração de conformidade com esta norma." A certificação ISO garantirá que um empreendimento tenha instalado os elementos básicos de um sistema de gestão ambiental. Por outro lado, ela não garante que o empreendimento tenha alcançado o melhor desempenho ambiental possível. A ISO 14001, assim como a ISO 9000, foi redigida de modo a ser aplicável a todos os tamanhos e tipos de organizações, e para adaptar-se às diversas condições geográficas, culturais e sociais. A ISO tem em vista o processo produtivo e o desempenho ambiental da organização, mas não está voltada para o desempenho ambiental do produto gerado, durante e após o seu uso. Ela está diretamente relacionada com a sistemática de projeto e geração do produto ou serviço e os conseqüentes impactos ambientais, sejam eles diretos ou indiretos *.

9 9 (*) Nota: Impactos diretos: Aqueles sobre os quais a organização possui controle direto. Impactos indiretos: Aqueles sobre os quais a organização pode ter influência para alcançar controle limitado. Um exemplo seria a extração de matérias-primas fornecidas por outra organização. Os requisitos sobre a gestão da saúde e segurança ocupacional não estão incluídos na norma ISO 14001, entretanto, ela permite que os sistemas gerenciais da organização abranjam estas áreas, desde que a empresa assim o defina. O processo de certificação somente será aplicável aos aspectos do Sistema de Gestão Ambiental. A definição das normas de emissão de gases, efluentes líquidos e ruídos, não está prevista pela norma ISO A competência para este tipo de regulamentação cabe ao Poder Público. No caso do Brasil, isto é atribuição do CONAMA e demais órgãos ambientais nos estados da federação. Cabe ao empreendimento buscar esta base legal antes da implantação do S.G.A. A certificação pela norma ISO apenas vai exigir que o empreendimento cumpra estas normas legais. 3.2 Partes Interessadas A ISO (1996) define como partes interessadas os indivíduos preocupados ou afetados com o desempenho ambiental da organização. Tais partes podem incluir aqueles que exerçam controle estatutário sobre a organização, as comunidades locais, organizações dos empregados, os investidores e as seguradoras, os clientes e consumidores, os grupos de interesse ambiental e o público em geral (Reis, 1996). Diferenças entre a ISO e a ISO família 9000: - A família ISO 9000 (1994) está voltada para a qualidade do produto final e dos diferentes fornecedores. Os requisitos especificados destinam-se primordialmente à obtenção da satisfação do cliente graças à prevenção de não conformidades em todos os estágios, desde o projeto até os serviços associados; - A ISO (1996) prevê que as especificações e expectativas relativas aos impactos ambientais gerados pela organização no meio ambiente são definidas pelas partes interessadas, e cabe ao Sistema de Gestão Ambiental manter controle sobre os processos e subprodutos da organização para que os impactos gerados por eles permaneçam dentro

10 10 das especificações pré-definidas e atinjam as expectativas das partes interessadas. As especificações incluem regulamentações municipais, estaduais, federais, códigos de boas práticas, etc. Os Sistemas de Gestão Ambiental abordam as necessidades de uma vasta gama de partes interessadas e a evolução da sociedade para a proteção ambiental. O governo e as agências de controle ambiental representam estas partes interessadas perante as organizações P.D.C.A. e Melhoria Contínua Os objetivos maiores da Gestão Ambiental são definidos a seguir: a) observar as normas e procedimentos e eliminar as falhas do processo, atuando metodicamente na causa fundamental de cada problema detectado. Desta forma, tem-se um processo mais estável e previsível. Atua-se nos processos e subprodutos que geram impactos ambientais significativos, reais ou potenciais. A lógica é a prevenção, planejando e controlando continuamente os processos, reduzindo seus subprodutos e o consumindo menos recursos. A idéia não é só minimizar os impactos ambientais colocando "filtros dos subprodutos" nas saídas dos processos, e sim melhorá-los para que consumam menos recursos (incluindo recursos naturais) e gerem menos subprodutos. Os subprodutos gerados por deficiências dos processos devem ser inspecionados, monitorados e tratados para garantir a satisfação das regulamentações governamentais sobre o meio ambiente. Dessa forma, além de minimizar os impactos ambientais sobre o meio ambiente, estaremos tornando a organização mais eficaz, melhorando os seus processos, reduzindo os seus custos, e consequentemente, tornando a empresa mais competitiva. b) atingir uma evolução contínua do desempenho ambiental dos processos e, conseqüentemente, da organização. A norma contém os elementos fundamentais de sistemas de gestão, com base no processo dinâmico e cíclico de "planejar, implantar, verificar e rever" (Anexo, 1 da ISO 14001, 1996).

11 11 Como foi visto acima, o gerenciamento do S.G.A. tem como base o controle dos processos. O gerenciamento do Sistema de Gestão Ambiental, dentro do ciclo P.D.C.A., é representado pela norma ISO (1996) como na figura 1. Os passos descritos no ciclo P.D.C.A. ficam facilmente identificados nos requisitos da norma. A melhoria contínua está explicitada pela elipse no topo do esquema. Figura 01 Passos do ciclo PDCA.

12 12 4. Requisitos da norma NBR ISO 14001/96 A versão brasileira da norma ISO 14001, também chamada NBR ISO 14001/96 é dividida em diversos subsistemas. Estes subsistemas são interligados entre si e cada requisito pode incluir mais elementos de um setor ou processo da organização. O Sistema de Gestão Ambiental, de acordo com o modelo definido pela NBR ISO 14001/96, pode ser representado através do ciclo descrito na Figura Requisitos Gerais Este capítulo traz uma introdução da versão brasileira da norma determinando que a implantação da SGA deve ser em conformidade com os requisitos da norma além de garantir e demonstrar, para as partes interessadas, a eficácia do SGA. 4.2 Política Ambiental Esta política reflete - de início - o compromisso da alta administração com as partes interessadas nos assuntos relativos ao meio ambiente. A Política Ambiental é a 'diretriz' do Sistema de Gestão Ambiental - SGA, orientando os envolvidos a trabalhar, se comprometer e se esforçar numa única direção. A política ambiental associa a organização por um lado aos impactos ambientais por ela gerados, do outro. Ela vai observar a natureza, escala e impactos ambientais causados por suas atividades, produtos e serviços. A política ambiental deve ser transparente, ou seja, ela deve ser documentada e compreendida por todos os funcionários da organização. Também deve ser pública, para que todas as partes interessadas estejam cientes. Ítem essencial da política ambiental de uma empresa é a declaração ampla das intenções da organização na área de desempenho ambiental, que possa ser utilizada por todas as partes da organização no desenvolvimento de suas próprias metas.

13 Planejamento Todas as atividades, produtos e serviços do SGA devem ser objetivamente planejadas. O planejamento consiste em um elenco de metas objetivas a serem alcançadas por cada setor do empreendimento, agregado a uma relação da metodologia gerencial a ser empregada e um cronograma tentativo Aspectos Ambientais O impacto ambiental é definido como qualquer modificação do meio ambiente resultante das atividades, produtos ou serviços de uma organização. O presente requisito refere-se à identificação dos aspectos ambientais geradores dos impactos ambientais significativos sejam eles reais ou potenciais. A fase inicial de implantação de um S.G.A. consiste na identificação e avaliação dos aspectos ambientais. O levantamento dos aspectos ambientais significativos é fundamental para o planejamento de um Sistema de Gestão Ambiental, sendo uma das 'entradas' de todo o processo. Segundo a ISO Treinamento de auditores Ambientais da P-E Batalasb (1996), estes aspectos podem ser: a) diretos - aqueles de que a organização possui controle. Por exemplo, as atividades do processo da própria organização; b) indiretos - aqueles sobre os quais a organização pode ter influência para alcançar controle limitado. Exemplos: Extração de matéria-prima fornecida por outra organização e uso do produto pelo consumidor; c) existentes - aspectos que atualmente já se manifestam, (inclusive no passado); d) a serem gerados por novos desenvolvimentos - aspectos que podem vir a existir com a inclusão de novos produtos, serviços e atividades. O levantamento dos aspectos ambientais em um empreendimento geralmente compreende as seguintes etapas: a) identificação dos requisitos legislativos e reguladores;

14 14 b) identificação dos aspectos ambientais significativos; c) exame das práticas e procedimentos de gestão ambiental existentes; d) a avaliação de dados provenientes da investigação de acidentes anteriores. O próximo passo consiste na implementação do monitoramento ambiental através de indicadores (ou da análise de registros de monitoramentos realizados no passado). O monitoramento consiste ainda na avaliação da significância (qualificação) da base de dados disponível, com o objetivo de se traçar metas prioritária na área de S.G.A. Esta fase é denominada 'filtro de significância'. A NBR ISO 14001/96 determina que o Sistema de Gestão Ambiental deve ser estruturado objetivando a manutenção do controle sobre os processos que geram aspectos e impactos ambientais significativos (reais ou potenciais). Entende-se por aspecto ambiental significativo o aspecto ambiental que gera impacto ambiental significativo, real ou potencial. A avaliação de significância dos aspectos ambientais consiste em uma etapa crítica no processo de implementação do sistema S.G.A. Embora subjetiva, ela deve ser entregue a uma equipe multidisciplinar devidamente capacitada onde constem elementos familiarizados com os processos e as necessidades das partes interessadas. Esta equipe deve acolher ainda profissionais capazes de entender as respostas e demais sinais mensuráveis na biota e nos ecossistemas impactados. O processo de avaliação de significância é periódico Requisitos legais e Outros Requisitos A questão básica do Sistema de Gestão Ambiental é o compromisso com o cumprimento dos requisitos legais (municipais, estaduais e federais) e outras regras que a empresa assumiu atender. No caso brasileiro, a equipe deve estar familiarizada com as normas pertinentes do CONAMA bem como aquelas expedidas pelos órgãos ambientais dos estados e Municípios afetados. O Sistema de Gestão Ambiental deve possuir mecanismos para garantir que as exigências legais, de regulamentações e de outras políticas (por exemplo, práticas empresariais ou diretrizes especificas do setor) relativas

15 15 aos impactos ambientais identificados sejam conhecidas, documentadas, disponíveis, entendidas e atualizadas (sempre que necessário) pela organização. Outros Requisitos seriam contratos firmados com um cliente, acordos com autoridades públicas, regulamentações não obrigatórias, acordos com sindicatos, enfim, uma restrição relativa ao meio ambiente que a empresa assumiu que iria respeitar. Por exemplo, um compromisso com níveis máximos de emissões de poluentes nos efluentes líquidos assinado entre uma empresa e a associação de moradores da bacia hidrográfica onde localiza-se o empreendimento Objetivos e Metas Este requisito visa garantir a existência de metas ambientais claras para a empresa, gerências e funcionários. Ele permite que as metas propostas no contexto ambiental sejam conhecidas e implementadas por todos os níveis da corporação. Os objetivos e as metas ambientais devem ser estabelecidos em cada função e nível relevante, dentro da organização Os objetivos e metas são normalmente quantificáveis e constituem uma ferramenta de gestão e de melhoria contínua, permitindo que a alta administração monitore o Sistema de Gestão Ambiental. Os objetivos e metas ambientais também devem ser alcançáveis e ambiciosos. Desta maneira os funcionários ficarão motivados. Os objetivos e metas deverão ser monitorados periodicamente pela organização, permitindo uma reorientação do Sistema de Gestão Ambiental, quando necessário. Os objetivos e metas devem ser obrigatoriamente analisados pela Administração (requisito 4.6 da NBR ISO 14001/98) Programa(s) de Gestão Ambiental Este requisito determina as ações que devem ser implementadas para que a organização atinja os seus objetivos e metas, no mais variados níveis. Para estas ações, devem-se atribuir responsabilidades, recursos e prazos para implementação.

16 16 O Programa de Gestão Ambiental é gerado, entre outras fontes, a partir da identificação dos aspectos ambientais significativos existentes ou previstos. No entanto, é o programa de gestão ambiental que dirá quais as ações que deverão ser tomadas nas diferentes etapas de planejamento, desenvolvimento, produção, comercialização e disposição dos produtos e serviços. 4.4 Implementação e Operação A implementação de um sistema S.G.A. esta na dependência da criação da 'base do sistema' que vai embasar a implementação dos planos pré-definidos Estrutura e Responsabilidade A definição de papéis, responsabilidades, autoridades bem como os recursos necessários para a prática da Política Ambiental da organização é o tema deste requisito. O requisito 'estrutura e responsabilidade' constitui um dos diferenciais entre as organizações que fazem controle ambiental e as empresas que possuem sistema de gestão ambiental, pois somente o S.G.A. garante uma atribuição de responsabilidades claras. a. Atribuição de Responsabilidades e Autoridades A atribuição dos papéis, responsabilidades e autoridades é comunicada a todos os envolvidos no Sistema de Gestão Ambiental, permitindo que sejam conhecidos e respeitados pelos colaboradores da organização. A determinação das funções, responsabilidades e autoridades deve ser feita, segundo a NBR ISO 14001/96, de maneira documentada. b. Recursos A alta administração deve prover todos os recursos necessários para a implementação e manutenção do Sistema de Gestão Ambiental. Esses recursos incluem não só pessoal, mas também itens de custeio tais como equipamentos de suporte e recursos financeiros para materiais e serviços diversos. Deverá ser alocada uma determinada soma que garanta o treinamento dos envolvidos no S.G.A.

17 17 c. Representante da Administração A alta administração deve nomear um representante com a responsabilidade de coordenar a implantação e manutenção do Sistema de Gestão Ambiental e, ainda, fazer o elo de ligação entre a operação do S.G.A. e a alta administração. O representante da administração deve: c1). assegurar que os requisitos do Sistema de Gestão Ambiental sejam estabelecidos, implementados e mantidos; c2). reportar o desempenho do S.G.A. à alta administração, para análise crítica, como uma base para a melhoria do sistema. A função de 'representante de administração' pode ser exercida por uma ou mais pessoas, dependendo do porte da organização Treinamento, Conscientização e Competência Após a determinação clara dos papéis, responsabilidades e autoridades, a NBR ISO 14001/96 aborda a formação dos recursos humanos como parte fundamental do Sistema Gestão Ambiental. O requisito 'treinamento, conscientização e competência' visa garantir que todo o pessoal envolvido com o Sistema de Gestão Ambiental esteja apto para exercer as suas tarefas. Para tanto, os funcionários da organização devem estar conscientes da sua parcela de responsabilidade na operação do Sistema de Gestão Ambiental, seja ela de pequena ou grande valia para o andamento da S.G.A. Além do processo de conscientização dos funcionários, todos os colaboradores que atuam junto a aspectos ambientais geradores de impactos ambientais significativos, reais ou potenciais, devem ser capacitados para exercer corretamente as suas tarefas. Os treinamentos, que devem ser fornecidos periodicamente (melhoria contínua), com finalidade primordialmente preventiva, abrangem a parte técnica e de conscientização. Periodicamente, devem ser realizados levantamentos das necessidades de treinamento.

18 18 A norma NBR ISO 14001/96 determina que os procedimentos acima mencionados também incluam os indivíduos que trabalham na operação, mas não pertençam aos quadros funcionais da empresa (contratados). Figura 2-2 Fluxograma de implementação da certificação ambiental em um empreendimento.

19 Comunicação Este requisito reconhece a necessidade de que a organização seja transparente para suas partes interessadas, durante a sua operação e nas situações de emergência. Para isso, é necessária a criação de fluxos de informação rápidos e desprovidos de ruídos. A 'comunicação' inclui o estabelecimento de processos para informar interna e, quando necessário, externamente, as atividades ambientais da organização. A NBR ISO 14001/96 abrange a comunicação em dois níveis: interno e externo. Internamente, a empresa deve ter procedimentos para comunicações nos vários níveis e funções da organização. A comunicação interna objetiva melhorar o fluxo de informações entre os colaboradores e a conscientização e comprometimento dos funcionários com a Política Ambiental e com o S.G.A. A comunicação externa está concentrada na comunicação da organização com as partes interessadas externas, formando um canal de duas vias. É utilizada pela empresa no fornecimento de informações sobre a sua operação (dando maior segurança à comunidade), na venda da sua imagem e também nos casos de situação de emergência. Para as partes interessadas externas, é um meio de transmissão das suas ansiedades e reclamações. A NBR ISO 14001/96 determina que a organização deve estabelecer e manter procedimentos para recebimento, documentação e respostas às comunicações relevantes das partes interessada externas com respeito aos seus aspectos ambientais e ao Sistema Gestão Ambiental Documentação do Sistema de Gestão Ambiental O requisito 'documentação do Sistema de Gestão Ambiental' solicita que a empresa possua um procedimento que descreva os elementos centrais do Sistema de Gestão Ambiental e indique a documentação relacionada. Este procedimento, apesar de não ser denominado de Manual de Gestão Ambiental, tem evidente semelhança com o Manual da Qualidade definido pela NBR ISO 9001/94. Já a BS7750: determina explicitamente que a empresa deve possuir um Manual de Sistema de Gestão Ambiental.

20 Controle de Documentos O objetivo deste requisito, que é de suma importância, é garantir que o Sistema de Gestão Ambiental seja apoiado por uma documentação adequada. Tem conceituação igual ao requisito 4.5 da NBR ISO 9001/94 Conforme descrito anteriormente, a NBR ISO 14001/96 tem, como dois de seus pilares, o planejamento e a prevenção de problemas. A conseqüência disto é a criação de planos, procedimentos e instruções de trabalhos documentados que são utilizados por todo o pessoal que executa atividades geradoras de impactos ambientais significativas. Para que as atividades e processos sejam executados em conformidade com os planos, procedimentos e instruções de trabalho, acima mencionados, é fundamental que estes documentos estejam aprovados e disponíveis para todos os funcionários ou contratados que executam tarefas que geram impactos ambientais significativos, reais ou potenciais, Daí, a formulação do requisito Controle de Documentos, que visa garantir que todos os documentos relacionados com as atividades e processos que geram ou têm possibilidade de gerar impactos ambientais significativos estejam identificados, aprovados e disponíveis no local de uso Controle Operacional O requisito Controle Operacional visa ao estabelecimento e manutenção de controles para garantir que os processos e atividades que geram impactos ambientais, reais ou potenciais, operem em condições previamente definidas. Portanto, o ponto inicial deste requisito é o conhecimento das atividades e processos que geram aspectos ambientais, que, por conseqüência, geram impactos ambientais significativos, reais ou potenciais (estas informações são obtidas através do requisito Aspectos Ambientais da NBR ISO 14001/96). Tibor e Feldman (1996) descrevem que a organização que mantiver o controle destas atividades e processos terá, em conseqüência, o controle dos impactos ambientais significativos gerados por eles. Estes processos e atividades incluem: a) processos gerados dos aspectos ambientais; b) processos de tratamento de resíduos, efluentes, emissões, ruídos, etc.;

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO Sumário NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO 1 Objetivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos do sistema de gestão ambiental

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso

NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT 1996 NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN PUBLICAÇÃO CDTN 931 Sistema de Gestão Ambiental SGA de acordo com as Normas NBR ISO 14001 e 14004, da

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16001 Primeira edição 30.11.2004 Válida a partir de 30.12.2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos Social responsibility Management system Requirements Palavras-chave:

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

CÓPIA PARA TREINAMENTO

CÓPIA PARA TREINAMENTO CÓPIA PARA TREINAMENTO NBR ISO 14001:2004 Sumário Página Prefácio IV - 2 Introdução V- 2 1 Objetivo e campo de aplicação 5 2 Referências normativas 5 3 Termos e definições 5 4 Requisitos do Sistema de

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente.

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente. Gestão Ambiental Empresarial Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Gestão Ambiental Objetivos Compreender o processo de evolução da conscientização ambiental; Conhecer conceitos relacionados ao desenvolvimento

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS Turma: 8 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: CAMPOS, Lucila Maria de Souza; LERÌPIO,

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Como agregar valor durante o processo de auditoria

Como agregar valor durante o processo de auditoria QSP Informe Reservado Nº 55 Fevereiro/2006 Como agregar valor durante o processo de auditoria Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

A nova ABNT NBR ISO 14001:2004 mudanças e implicações

A nova ABNT NBR ISO 14001:2004 mudanças e implicações A nova ABNT NBR ISO 14001:2004 mudanças e implicações Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN) handsonpimenta@hotmail.com Reidson Pereira Gouvinhas (UFRN) reodspn@ct.ufrn.br Resumo O presente trabalho versa

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos FUNDAÇÃO VANZOLINI ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos 1 Das 100 maiores economias do mundo, 51 são empresas 1 2 5 11 14 23 24 25 27 28 29 31 37 38 40 42 43 PAÍS/EMPRESA

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Pré-Fabricação: O Contexto Habitacional e a Sustentabilidade A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 27 de agosto de 2009 ISO = International

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais