TARCIO DANIERBE RIBEIRO LEAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TARCIO DANIERBE RIBEIRO LEAL"

Transcrição

1 TARCIO DANIERBE RIBEIRO LEAL AUDITORIA DE RISCOS PARA SUSTENTABILIDADE DE SISTEMAS DE GESTÃO: AMBIENTAL, DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO E DA QUALIDADE. RECIFE PE 2013

2 Tarcio Danierbe Ribeiro Leal* RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar auditoria de riscos como processo de avaliação de organizações com sistemas de gestão normatizada quanto a sua capacidade de assegurar sua sustentabilidade pelo gerenciamento de riscos ao desempenho ambiental, à segurança e saúde do trabalhador e ao relacionamento com clientes. Este artigo, elaborado por pesquisa aplicada documental apresenta a integralização dos requisitos estabelecidos nas Normas NBR ISO 14001:2004 Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso, ABNT NBR 18801:2010 Sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho Requisitos e NBR ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos com os princípios e diretivas para o sucesso sustentado e gerenciamento de riscos. A Norma NBR ISO 9004:2010 Gestão para o sucesso sustentado apresenta princípios e diretivas para a sustentabilidade das organizações de trabalho por meio do atendimento equilibrado dos interesses de todas as partes interessadas em suas atividades e resultados. A Norma NBR ISO 31000:2009 Gestão de riscos apresenta princípios e diretivas para assegurar a eficácia da tomada de decisões nas organizações de trabalho pelo gerenciamento das incertezas, correntes e futuras, nas atividades, nas ações e dos fatos relacionados ao trabalho humano. Conhecer estas incertezas significa comutá-las em algo previsível tornando possível agir pro ativamente para mitigar seu potencial de causar danos aos objetivos planejados, aos resultados esperados e benefícios desejados. A auditoria de riscos tem o propósito de avaliar a sustentabilidade da organização pelo tratamento das incertezas e intrínsecas fontes de riscos. Palavras-chaves: auditoria. Incerteza. Risco. Sistemas de gestão. Sustentabilidade. *Bacharel em Administração pela FOCCA Faculdade de Olinda. Especialista em Perícia e Auditoria Ambiental pelo IBPEX Instituto Brasileiro de Pós Graduação e Extensão. Auditor Líder de Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001: 2004 pelo BSI Management Systems Registro IRCA/RAB. Auditor Líder de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 pela P-E Batalas Limited Registro IQA. 2

3 ABSTRACT The objective of this paper is to present audit risk as "process" for evaluating organizations with standardized management systems for their ability to ensure their sustainability by managing "risks" to environmental, safety and health of workers and the relationship with customers. This article, written by applied research documentary presents the payment of "requirements" set out in the Standards ISO 14001:2004 Environmental management systems - Requirements with guidance for use, ABNT NBR 18801:2010 management systems safety and health at work - Requirements and ISO 9001:2008 quality Management Systems - Requirements with the principles and policies for "sustained success" and managing "risks". The NBR ISO 9004:2010 Managing for the sustained success presents principles and policies for the sustainability of organizations working through the balanced care of the interests of all "stakeholders" in their activities and results. The NBR ISO 31000:2009 Risk Management presents principles and policies to ensure effective decision-making in work organizations for managing the "uncertainties", current and future activities, actions and facts related to human labor. Knowing these "uncertainties" means switches them into something predictable making it possible to act proactively to mitigate its potential to cause damage to planned objectives, expected outcomes and benefits desired. The audit of "risk" is meant to assess the sustainability of the organization for dealing with "uncertainties" and intrinsic "sources of risk". Keywords: audit. Management systems. Risk. Sustainability. Uncertainty. 3

4 1. INTRODUÇÃO A presente análise pretende expor os benefícios em avaliar sistemas de gestão pela capacidade da organização em aplicar o gerenciamento de riscos para assegurar a eficácia e eficiência no atendimento aos objetivos e metas legais e de desempenho: ambiental, na segurança e saúde no trabalho e na satisfação dos clientes. Para definição e atendimento destes objetivos, requisitos são estabelecidos nas Normas: NBR ISO 14001:2004 Sistema de gestão ambiental - Requisitos com orientação para uso; ABNT NBR 18801:2010 Sistema de gestão da segurança e saúde no trabalho - Requisitos e NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão da qualidade - Requisitos. A certificação destes sistemas por Organismo de Certificação Acreditado depende do atendimento destes requisitos, que é verificado por processo de auditoria estabelecido a partir das diretivas constantes na Norma NBR ISO 19011:2012 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão. Os requisitos estabelecidos nestes sistemas de gestão são desdobrados para atendimentos de todas as partes interessadas pela Norma NBR ISO 9004:2010 Gestão para o sucesso sustentado de uma organização - Uma abordagem da gestão da qualidade que estabelece definição e conceito para sucesso sustentado de uma organização de trabalho, ampliando as perspectivas dos desempenhos inerentes ao meio ambiente, à segurança e saúde no trabalho e à satisfação dos clientes. A visão holística requerida pela sustentabilidade demanda, também, análise temporal das expectativas das partes interessadas. A probabilidade de ocorrer eventos que altere resultados planejados e a severidade desta alteração é abordada na Norma NBR ISO 31000:2009 Gestão de riscos - Princípios e diretrizes que apresenta riscos como fator comum aos sistemas de gestão. O gerenciamento de riscos como modelo de gestão determina a integralização da gestão ambiental com a gestão da segurança e saúde no trabalho e com a gestão da qualidade ao considerar a interação dos seus focos e dos conjuntos de seus requisitos, possibilitando assim, unificar cont role, análise e ações para assegurar a melhoria contínua da eficácia na mitigação dos riscos aos objetivos do desempenho sistêmico planejado. Com esta unificação o processo Auditoria de Conformidade, estabelecido na Norma NBR ISO 19011:2012, seria comutada para Auditoria de Riscos com o propósito de avaliar a presença de incertezas geradoras de fontes de riscos, com base em critérios de riscos estabelecidos para os objetivos estratégicos, táticos e operacionais para interesses ambientais, sociais, legais, regulamentares, comerciais, técnicos, financeiros e econômicos. Esta discussão, fundamentada no conceito de risco, estabelecido na Norma NBR ISO 31000:2009, tem como objetivo propor o processo Auditoria de Riscos como meio de avaliar a capacidade dos sistemas de gestão em conhecer e tratar as incertezas, e intrínsecas fontes de riscos, inerentes ao propósito da organização de trabalho. 4

5 A Auditoria de Riscos, proposta aqui, se aplica a sistemas de gestão, individualmente ou integrados, e consiste na avaliação da capacidade da organização em assegurar a eficácia das operações e eficiência do desempenho, no presente e no futuro. 2. GESTÃO NORMATIZADA SISTEMAS A rapidez na transferência de informações, e da comunicação e a velocidade da movimentação humana aproximam as diferentes culturas sociais e corporativas. A adoção de Normas que estabelecem modelos de gestão adotados pelos mais diversos tipos de organizações de trabalho proporciona facilidade no relacionamento em toda cadeia de fornecimento. Neste intuito foram criadas Normas que estabelecem modelos de gestão com foco na qualidade (NBR ISO 9001:2008), com foco no meio ambiente (NBR ISO 14001:2004), com foco na segurança e saúde no trabalho (NBR ABNT 18801:2010), entre outras. Estas Normas são distintas quanto ao seu escopo e equivalentes quanto aos elementos essenciais de gestão, divergindo, entretanto, na extensão de algumas obrigações e preceitos e redundando em outras. A Norma NBR ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos apresenta preceitos e obrigações para uma organização de trabalho implementar, manter e melhorar continuamente um sistema de gestão para demonstrar sua capacidade de fornecer bens tangíveis e executar ações que resultem em bens intangíveis que atendam ao que foi acordado com os clientes e consistentes com a legislação e regulamentação inerentes a estes produtos e serviços. A Norma ABNT NBR 18801:2010 Sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho - Requisitos apresenta obrigações para uma organização de trabalho implementar, manter e melhorar continuamente um sistema de gestão para demonstrar sua capacidade de identificar, controlar e mitigar, perigos, incertezas e riscos à segurança e saúde do profissional partícipe direto ou indireto do fornecimento de bens tangíveis ou intangíveis e de atender a legislação e a regulamentação inerentes à segurança e saúde ocupacional. A Norma NBR ISO 14001:2004 Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso apresenta preceitos e obrigações para uma organização de trabalho implementar, manter e melhorar continuamente um sistema de gestão para demonstrar sua capacidade de ide ntificar, controlar e mitigar situações com potencial de alterar o meio ambiente decorrentes de suas atividades na produção e fornecimento de bens tangíveis e realizações de ações que resultem em bens intangíveis e demonstrar a capacidade de atender a legislação e a regulamentação inerentes ao meio ambiente. As organizações de trabalho que utilizam modelos de gestão estabelecidos nestas Normas com propósito de reconhecimento público obtendo certificação destes sistemas de gestão por organização acreditada pelo Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial - INMETRO devem executar controles e realizar análise crítica, específicas para cada foco de gestão qualidade, meio ambiente e segurança e saúde no trabalho. A interação destes elementos de gestão com base 5

6 na gestão de riscos possibilita a formação de um sistema unificado potencializando a eficácia dos processos e a eficiência do desempenho sustentado. 3. GESTÃO DE PROCESSOS As Normas que estabelecem os sistemas de gestão ambiental, segurança e saúde no trabalho e qualidade determinam que as operações técnicas e atividades administrativas das organizações de trabalho sejam definidas em forma de processo. A Norma NBR ISO 9000:2005 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário define processo como conjunto de atividades inter-relacionadas ou interativas que transformam insumos (entradas) em produtos (saídas). A Figura 1 - Diagrama de processos representa a integração e interação de processos formando um sistema: DIAGRAMA DE PROCESSOS Produtor Procedimentos C Recursos Produtor Produtor Produtor Procedimentos C Procedimentos C Procedimentos C Recursos Recursos Recursos Produtor Procedimentos C Recursos Produtor Procedimentos C Recursos Fonte: autoria própria Aplicando a definição de processo na Figura 01 temos: F representando o fornecedor das entradas dos processos, E representando o insumo que inicia o processo - o insumo deve ser entendido como qualquer bem tangível ou intangível, desde uma solicitação verbal para realização de um serviço até uma matéria-prima pra fabricação de bens de produção, 6

7 Produtor é o pessoal que executa os procedimentos que compõem o processo, Recursos são todos os equipamentos, instrumentos e materiais utilizados para execução dos procedimentos, S representando os produtos, as saídas - na Norma NBR ISO 9000:2005 produto está definido como resultado de um processo. Ou seja, produto é todo e qualquer resultado intencional de uma ação humana, executada em resposta a entrada (insumo), C representando o cliente do resultado do processo. É o destinatário do produto de cada processo, Áreas verdes representando o ambiente de trabalho adequado ao recebimento da entrada, a realização de procedimentos e expedição da saída. Manter os processos controlados assegurando os resultados planejados consiste em conhecer as possíveis ocorrências que interfiram direta ou indiretamente nestes resultados. A amplitude e exatidão do conhecimento destas possíveis ocorrências significa redução ou eliminação das incertezas sobre os objetivos, determinados pela organização de trabalho, inerentes a obrigações comerciais, técnicas, sociais, estatutárias e regulamentares. A gestão do meio ambiente, a gestão da segurança e saúde no trabalho e a gestão da qualidade do produto é, primariamente, o gerenciamento dos riscos aos processos. A gestão de riscos analisa os processos quanto às intrínsecas incertezas geradoras das fontes de riscos que causam insegurança à eficácia destes processos e à eficiência do desempenho dos sistemas de gestão. Do tratamento dos riscos por um mesmo conjunto de ações decorre a unificação de sistemas de gestão. 4. GESTÃO DE PROCESSOS PARA QUALIDADE DO PRODUTO Para obter qualidade dos bens tangíveis e intangíveis a Norma NBR ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos estabelece um modelo de gestão que inclui definir a organização em forma de processos, estabelecer procedimentos padronizados para assegurar a eficácia dos processos, dimensionar recursos materiais e humanos, adequadamente, qualitativamente e quantitativamente, 7

8 determinar objetivos e metas para melhoria contínua do desempenho do sistema de gestão, e monitorar, medir e analisar a adequação e conformidade dos processos e eficácia dos resultados. A Norma NBR ISO 9000:2005 Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário insere as seguintes definições: a) qualidade: grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. Qualidade é, essencialmente, execução dos processos conforme planejados, produto com características e atributos estabelecidos para o uso pretendido, igualdade entre resultado planejado e resultado alcançado, b) requisito: necessidade ou expectativa que é expressa, geralmente de forma implícita ou obrigatória. Ou seja, requisito é o que for estabelecido como obrigatório entre partes interessadas nas atividades da organização, expresso de forma tácita ou formal, explicita ou implícita. 4. GESTÃO DE PROCESSOS PARA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Para a eficácia da prevenção a riscos à segurança e à saúde do trabalhador a Norma ABNT NBR 18801:2010 Sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho estabelece que deve ser assegurado a) ambiente de trabalho adequado às atividades, b) infraestrutura, incluindo máquinas e equipamento apropriados, c) competência determinada para o executor das atividades, d) conscientização da importância da segurança e saúde, e e) monitoramento, medição e controle implementados e eficazes. Garantir a segurança e saúde no trabalho consiste em conhecer os perigos, ou seja, os fatores de risco e tratá-los de forma que as incertezas sejam eliminadas ou mitigadas e os riscos, lesões ou doenças, sejam evitados. A gestão da segurança e saúde no trabalho consiste em executar os processos sob condições controladas assegurando eliminação ou mitigação de perigo à integridade física e psicológica do profissional envolvido direta ou indiretamente nos processos fins e nos demais 8

9 processos da organização de trabalho. Perigo é estabelecido na Norma ABNT NBR 18801:2010 pelo termo fator de risco, definido como fator intrinsicamente suscetível de causar danos à saúde, integridade das pessoas, materiais e ambiente de trabalho. Os fatores de riscos decorrem do desconhecimento de elementos do comportamento humano, de elementos naturais e materiais, ou seja, decorrem das incertezas sobre estes elementos. Eliminar estas incertezas é eliminar a causa do dano ou eliminar incidentes ou acidentes ou manter o fator de risco sob controle, tornando aceitável a probabilidade de ocorrência e a severidade do dano desta ocorrência. A Norma ABNT NBR 18801:2010 adota as seguintes definições: a) incidente: qualquer ocorrência não programada que por circunstância possa resultar em lesões, danos materiais ou econômicos à organização ou anormalidade no processo operacional e/ou administrativo. A Norma Britânica BSI 18001:2007 Sistemas de gestão da saúde e segurança no trabalho Requisitos apresenta incidente como ocorrência (situação, fato ou ação) não planejada que originou ou poderia originar dano a saúde do trabalhador, expresso, este dano, em forma de lesão ou doença. Acrescenta que o incidente que causou dano pode ser referenciado como acidente ; b) acidente: evento ou sequência de eventos de ocorrências anormais, ou qualquer interferência no processo normal de trabalho, que resultem em consequências que possam causar lesões no trabalhador. ; c) fator de risco: fator intrinsicamente suscetível de causar danos à saúde, integridade das pessoas, materiais e ambiente de trabalho. A Norma Britânica BSI 18001:2007 Sistemas de gestão da saúde e segurança no trabalho Requisitos denomina fator de risco de perigo : fonte, situação ou ato com potencial para provocar danos ao ser humano em termos de lesão ou doença, ou uma combinação destas. ; d) controle de risco: implementação de ações para reduzir a probabilidade de ocorrência de um fato negativo referente a segurança e saúde no trabalho., e e) trabalhador: toda pessoa que, executando um esforço físico ou intelectual no desempenho de uma atividade ou de uma profissão, realiza um empreendimento, promove uma obra ou obtém um resultado tendo em mente satisfazer uma necessidade economicamente útil. 5. GESTÃO DE PROCESSOS PARA O MEIO AMBIENTE Para assegurar a eficácia da prevenção de riscos ao meio ambiente a Norma NBR ISO 14001:2004 Sistemas de gestão ambiental requisitos com orientações para uso inclui obrigatoriedade para 9

10 identificar os aspectos ambientais dos processos e produtos, determinar os impactos ambientais significativos, estabelecer controle operacional dos processos, conscientizar as pessoas da importância da preservação do meio ambiente, e assegurar cumprimento dos requisitos por monitoramento, medição e controle. Preservar a qualidade do meio ambiente consiste em conhecer os perigos, ou seja, aspectos ambientais, e tratá-los de forma que as incertezas sejam resolvidas e os riscos, impactos ambientais, sejam evitados ou mitigados. Gerenciar os aspectos ambientais inclui o gerenciamento dos processos. A Norma NBR ISO 14001:2004 estabelece que todo e qualquer elemento de processo, incluindo suas entradas e suas saídas, devem ser analisados com o propósito de implementar controles operacionais adequados à magnitude dos impactos ambientais. A magnitude destes impactos é expressa como nível de risco. Conhecer o que pode ocasionar impactos ambientais é eliminar incertezas. O controle operacional determinado por esta Norma consiste em identificar estas incertezas e estabelecer e executar ações que impeçam a ocorrência de acidentes ou mesmo i ncidentes ambientais. A gestão do meio ambiente consiste em executar os processos sob condições controladas assegurando eliminação ou mitigação de perigo ao meio ambiente. A Norma NBR ISO 14001:2004 tem como objeto de gestão os aspectos ambientais e impactos ambientais. Os primeiros são definidos, na própria Norma, como elementos das atividades ou produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o meio ambiente. Os impactos ambientais estão definidos como qualquer modificação do meio ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, dos aspectos ambientais da organização. Os aspectos ambientais são potenciais causas dos impactos ambientais. A Norma NBR ISO 14001:2004 define meio ambiente como circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo-se ar, água, solo, recursos naturais, flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações. Por estas definições, entende-se, por exemplo, que o vazamento de substância tóxica é um aspecto ambiental da atividade de armazenamento deste produto contaminante, sendo seu contato com o solo, com corpos d`água, uma alteração do meio ambiente, ou seja, impacto ambiental. Os potenciais impactos ambientais devem ser analisados quanto à probabilidade de sua ocorrência e a gravidade das consequências. Estabelecer a significância dos impactos ambientais fundamenta a decisão para determinar a extensão e rigor das ações de controle sobre os aspectos ambientais. 10

11 6. AUDITORIA DE CONFORMIDADE NOS PROCESSOS: ATENDIMENTO A REQUISITOS A Norma NBR ISO 19011:2012 Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão estabelece processo de auditoria fundamentado em princípios, técnicos e éticos, para avaliar a capacidade de sistemas de gestão em alcançar resultados planejados. A Norma NBR ISO 19011:2012 define auditoria como processo sistemático documentado e independente para obter evidência de auditoria e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são atendidos. A auditoria como processo sistemático assegura sua eficácia pela padronização de métodos e devida fundamentação. Por ser documentado tem a capacidade de demonstrar consistência nos resultados de sua avaliação. A independência dos auditores legitima a conclusão da auditoria. A avaliação objetiva afasta resultados opinativos, idiossincráticos, apresentando conclusão fundamentada. A precisão da extensão da adequação e conformidade do sistema de gestão é assegurada pela definição dos critérios de auditoria em que os auditores se apoiam para executar a auditoria O processo auditoria de conformidade consiste em comparar evidências objetivas a critérios de auditoria. A Norma NBR ISO 19011:2012 define evidência objetiva como registros, apresentação de fatos ou outras informações, pertinentes aos critérios de auditoria e verificáveis. Define critérios de auditoria como conjunto de políticas, procedimentos ou requisitos usados como uma referência na qual a evidência de auditoria é comparada. O resultado deste processo, a conclusão de auditoria, demonstra o grau de conformidade do sistema de gestão pela extensão do atendimento aos requisitos estabelecidos nos critérios de auditoria. As técnicas de auditoria inclui, essencialmente, análise de documentos, observação de fatos e entrevistas. A saída do processo auditoria retrata um momento na organização decorrente de fato, situação ou ação ou uma combinação de um ou mais destes elementos. A conclusão de auditoria tem o propósito de fornecer dados e informações que fundamentem, consistentemente, a tomada de decisões necessárias para tratar desvios dos procedimentos, para tratar as falhas nos controles operacionais dos aspectos e impactos ambientais, para tratar os fatores de riscos à segurança e saúde das pessoas. As ações em respostas as constatações de auditoria saídas da auditoria tratam realidades presentes ou passadas. 7. GESTÃO DE RISCOS A Norma NBR ISO 31000:2009 Gestão de riscos Princípios e diretrizes apresenta definição e modelo de gerenciamento aplicável à todas as áreas e interesses de uma organização de trabalho. Esta Norma define risco como efeito da incerteza nos objetivos. Um efeito é um desvio em relação ao resultado planejado, podendo ser positivo ou negativo. A incerteza é a deficiência em qualquer grau nas informações, no conhecimento na compreensão de um evento, presente ou futuro, da probabilidade de sua ocorrência, das decorrências associadas. 11

12 Os riscos são intrínsecos aos objetivos dos níveis estratégico, tático e operacional. Abrangem objetivos inerentes à projetos, inerentes à processos, inerentes à produtos, inerentes à serviços. Abrangem objetivos comerciais, financeiros, econômicos, técnicos, legais, sociais, ambientais. A gestão de riscos requer da organização uma atitude perante o risco. Ou seja, uma abordagem administrativa para avaliar e eventualmente buscar, reter, assumir ou afastar-se do risco. Buscar o risco significa criar intencionalmente a fonte de riscos com o propósito de obter desvios favoráveis aos objetivos inicialmente estabelecidos. Reter o risco é permitir a permanência da probabilidade de sua ocorrência. Assumir o risco é conhecer o seu impacto nos objetivos. Afastar-se do risco é tratar a fonte de riscos eliminando as incertezas intrínsecas. A organização ao estabelecer objetivos deve considerar os efeitos das consecuções destes objetivos e respectivas metas em todas as partes interessadas, entendida pela gestão de riscos definida na Norma NBR ISO 31000:2009, como pessoa ou organização que pode afetar, ser afetada, ou perceber-se afetada por uma decisão ou atividade. As ações que compõem a gestão de riscos são: Identificação dos riscos - processo de busca, reconhecimento e descrição de riscos., inclui a identificação das fontes de riscos elemento que individualmente ou combinado, tem o potencial intrínseco para dar origem ao risco., e dos eventos ocorrência ou mudança em um conjunto especifico de circunstâncias. As fontes de riscos podem ser tangíveis ou intangíveis. Pode ser uma atividade, um produto, qualquer elemento de um processo ou uma combinação deles. Os eventos podem consistir em uma ou mais ocorrências, pode consistir em uma não ocorrência, pode ser referido como incidente ou acidente. Estabelecimento do perfil do risco - descrição de um conjunto qualquer de riscos. Consiste em estabelecer a abrangência do risco, no contexto interno e no contexto externo da organização, com identificação das partes interessadas. Análise de riscos - processo de compreender a natureza do risco e determinar o nível do risco., expresso pela magnitude do risco, ou combinação de riscos, medido pela combinação matricial da severidade de suas consequências com a probabilidade de ocorrência. Avaliação de riscos - processo de comparar os resultados da análise de riscos com os critérios de risco para determinar se o risco e/ou sua magnitude é aceitável ou tolerável. A avaliação de risco consiste em determinar a significância dos riscos, servindo de base para estabelecer o tratamento de riscos. 12

13 Tratamento de riscos - processo para modificar o risco. A modificação do risco é denominada na Norma NBR ISO 31000:2009 como controle, que está definido como medida que está modificando o risco. O controle pode ser evitar o risco por não iniciar ou descontinuar a atividade que dá origem ao risco, pode ser assumir ou aumentar o risco a fim de buscar uma oportunidade, pode ser a remoção da fonte de risco, pode ser a alteração da probabilidade de ocorrer o risco, pode ser alteração das consequências dos danos, pode ser compartilhamento do risco com outra parte interessada ou pode ser uma retenção do risco por uma escolha consciente. A gestão de riscos no âmbito da Norma NBR ISO 31000:2009 tem sua eficácia decorrente da observância dos seus princípios: Criar e proteger valores inerentes à preservação do meio ambiente; à segurança e saúde das pessoas; à qualidade do produto; ao gerenciamento de projetos: à conformidade legal e regulamentar; à aceitação pública; à eficiência nas operações; à governança corporativa; à reputação da organização. Ser ação integrada e inter-relacionada ao controle de processos ; ao controle operacional dos aspectos e impactos ambientais ; ao controle dos fatores de risco à segurança e saúde no trabalho, e as demais ações da organização de trabalho. Servir de fundamentação para tomada de decisões. Proporcionar consistência nos controles dos processos e monitoramento dos objetivos por tratamento das incertezas na eficácia dos processos, das incertezas na eficiência do desempenho e das incertezas nas previsões. Ser ação sistêmica para assegurar consistência dos resultados do controle de riscos. Estar fundamentada em dados e informações históricos utilizados como entrada para determinar tratamento das incertezas, das fontes de riscos e dos danos e suas consequências. Considerar a interação entre os ambientes internos e externos da organização. Abordar o fator humano considerando aspectos culturais e vocacionais. Abordar holisticamente para que todas as partes interessadas sejam consideradas quanto às suas necessidades e expectativas específicas inerentes à organização. Ser iterativa e dinâmica possibilitando acompanhar as mudanças externas e internas. 13

14 Ser direcionada por objetivos e metas que representem melhoria continua dos resultados planejados e benefícios esperados. 8. GESTÃO PARA SUSTENTABILIDADE A Norma NBR ISO 9004:2010 Gestão para o sucesso sustentado de uma organização - Uma abordagem da gestão da qualidade expõe a necessidade de atender, de forma equilibrada, todas as partes interessadas na organização de trabalho e apresenta diretivas para desempe nho sustentado. A Norma NBR ISO 9004:2010 define sucesso sustentado como resultado da capacidade de uma organização para alcançar e manter os seus objetivos de longo prazo. Esta capacidade requer análise do ambiente da organização definido por esta Norma como combinação de fatores internos e externos e condições que podem afetar o alcance dos objetivos da organização e o seu comportamento em relação às suas partes interessadas. A Norma NBR ISO 9000:2005 define parte interessada como pessoa ou grupo que tem um interesse no desempenho ou no sucesso de uma organização. A Figura 2 - Partes interessadas apresenta os principais elementos do ambiente da organização. PARTES INTERESSADAS Ecologicamente Adequado Clientes Economicamente Viável Empregados Consumidor Integração Família Sucesso Sustentado Governo Equilibrio Comunidade Órgãos Classitas Socialmente Responsável Fornecedores Acionistas Culturalmente Aceitável Fonte: autoria própria 14

15 A gestão para o sucesso sustentado estabelecido na Norma NBR ISO 9004:2010 consiste em identificar e entender as necessidades de todas as partes interessadas em um ambiente organizacional suscetível de mudanças dinâmicas repleto de incertezas. Assegurar a harmonia da satisfação equilibrada das partes interessadas inclui antever suas necessidades. As incertezas inerentes às mudanças constituem perigos ao atendimento destas necessidades, objetivos da organização, devendo ser analisadas e ações implementadas para eliminar os perigos, denominados fatores de riscos pela Norma ABNT NBR 18801:2010 e denominados fontes de risco pela Norma NBR ISO 31000:2009. O sucesso sustentado de uma organização de trabalho decorre primariamente do tratamento dos conflitos de interesses das partes interessadas na organização. Tratar estes conflitos consiste em conhecer as necessidades e expectativas, presentes e futuras, estabelecendo objetivos e metas que possibilitem equilíbrio na satisfação dos interesses. Estabelecer processos técnicos e administrativos eficazes que assegurem atingir o sucesso sustentado significa conhecer e tratar as incertezas que comprometem este sucesso. A análise de negócio de uma organização de trabalho que tenha seus objetivos orientados para o sucesso sustentado abrange, na extensão apropriada, as perspectivas de sustentabilidades demonstradas na Figura 3 Sustentabilidades, página 16. A análise do ambiente da organização consiste na observação das perspectivas do sucesso sustentado : a) Perspectiva Social: qualidade de vida da população por distribuição de renda que possibilite diminuir a disparidade social, assegurando situação favorável à motivação dos trabalhadores. b) Perspectiva Econômica: segurança na regularidade e reciprocidade dos investimentos privados e públicos compatíveis com o acesso à tecnologia para estabelecimento de padrões de produção que assegurem padrão de consumo proporcionado pela sustentabilidade social. c) Perspectiva Cultural: respeito aos costumes, hábitos e valores da comunidade fornecedora da mão-de-obra proporcionando o desenvolvimento vocacional com uso adequado dos recursos proporcionados pela sustentabilidade econômica. d) Perspectiva Espacial: fixação da população em seu local de origem visando manter o equilíbrio entre o rural e o urbano, utilizando processos agropecuários que assegurem a saúde e a preservação do meio ambiente e descentralizando a industrialização a partir da sustentabilidade cultural. e) Perspectiva Ecológica: extração e uso adequados dos recursos naturais com geração de resíduos minimizada por processos que visem devolver à natureza elementos não 15

16 poluentes ou poluentes em níveis aceitáveis que assegurem o uso contínuo e ininterrupto destes recursos naturais, nesta e demais gerações. f) Perspectiva Política: administração pública participativa que a assegure a estabilidade política com descentralização da gestão de recursos pela autonomia da administração local e maior agilidade na aplicação destes recursos. SUSTENTABILIDADES Sustentabilidade do Meio Ambiente Ambiente da Organização Sustentabilidade Ecológica Sustentabilidade Econômica Sustentabilidade Espacial Sucesso Sustentado Sustentabilidade Social Sustentabilidade Cultural Sustentabilidade Política Fonte: autoria própria A organização de trabalho focada no sucesso sustentado transforma estas perspectivas de sustentabilidade em perspectivas estratégicas para estabelecimento de diretivas, objetivos e metas de desenvolvimento. O desenvolvimento sustentável requer gestão que inclui conhecimento das incertezas, e intrínsecas fontes de risco, dos cenários desenvolvidos por estas perspectivas, avaliar os riscos e estabelecer, na extensão apropriada, medidas proativas de prevenção e controle para evitar ou mitigar os riscos. 9. AUDITORIA DE RISCOS PARA SUSTENTABILIDADE Avaliar a conformidade e eficácia das operações e gestão de uma organização de trabalho orientada para a sustentabilidade do sucesso consiste em analisar dados e informações que demonstrem o quanto a organização conhece as incertezas, as fontes de riscos e o quanto estão efetivamente implementadas ações que tornem aceitáveis o grau dos riscos, expresso em matriz matemática de probabilidade e severidade. 16

17 A Auditoria de Conformidade constata fatos decorrentes, a Auditoria de Riscos tem como objeto a capacidade de tratar as incertezas inerentes à consecução dos resultados planejados. A Auditoria de Conformidade analisa cada sistema de gestão com abordagem restrita ao objeto da gestão, a Auditoria de Riscos analisa a operação e gestão independentemente do foco de cada sistema de gestão. Há dicotomia no resultado da Auditoria de Conformidade: atendimento ou não atendimento de requisito. O resultado da Auditoria de Riscos demonstra o grau da capacidade da organização de trabalho em assegurar a sucesso sustentado pelo tratamento das incertezas. A não conformidade, não atendimento a requisito, demanda ações para eliminar suas causas, ou seja, eliminar causa do que já ocorreu. As fontes de riscos e incertezas demandam ações para evitar o risco ou mitigar o seu nível. Os resultados da Auditoria de Conformidade proferem não conformidades classificadas pela importância do conjunto de requisitos desatendidos. As não conformidades são classificadas pela severidade de fatos ocorridos. Os resultados da Auditoria de Riscos ao sucesso sustentado proferem riscos. Os riscos são classificados por sua consequência, determinada pela combinação de probabilidade de ocorrência com sua severidade, ou seja, pela potencialidade de comprometer a sustentabilidade do sucesso planejado. A Auditoria de Conformidade avalia a eficácia. A Auditoria de Riscos avalia a eficácia e a eficiência. As ações decorrentes da Auditoria de Conformidade tratam de causas de fatos presentes ou passados. As ações decorrentes da Auditoria de Riscos tratam de capacidade de assegurar o futuro planejado. 10. CONCLUSÃO A Auditoria de Riscos ao sucesso sustentado, aqui estabelecida, é o processo adequado para avaliação sistemas de gestão quando há o propósito de demonstrar a capacidade da organização de trabalho em gerenciar riscos ao equilíbrio, à eficácia e à eficiência no entendimento e atendimento das expectativas e necessidades, presentes e futuras, de clientes, fornecedores, empregados, investidores, gestores, comunidades e governos, de forma continuamente melhorada. 11. REFERÊNCIAS Associação Brasileira de Normas Técnicas Norma NBR ISO 14001:2004 Sistemas de gestão ambiental - Requisitos com orientação para uso,

18 Associação Brasileira de Normas Técnicas Norma NBR ABNT 18801:2010 Sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho - Requisitos, Associação Brasileira de Normas Técnicas Norma NBR ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, Associação Brasileira de Normas Técnicas Norma NBR ISO 9000:2005 Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário, Associação Brasileira de Normas Técnicas Norma NBR ISO 9004:2010 Gestão para o sucesso sustentado de uma organização - Uma abordagem da gestão da qualidade, Associação Brasileira de Normas Técnicas Norma NBR ISO 31000:2009 Gestão de riscos - Princípios e diretrizes, Associação Brasileira de Normas Técnicas Norma NBR ISO 19011:2012 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão,

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP César Augusto Asciutti Agência USP de Inovação, São Paulo (SP), 3091-2933, asciutti@usp.br Resumo Este artigo apresenta uma breve

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

ABNT NBR ISO 14001 NORMA BRASILEIRA. Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso

ABNT NBR ISO 14001 NORMA BRASILEIRA. Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 14001 Segunda edição 31.12.2004 Válida a partir de 31.01.2005 Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso Environmental management systems - Requirements

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RESUMO DO ARTIGO Este artigo se propõe a apresentar uma panorâmica do uso da Segurança da Informação e sua importância como diferencial competitivo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

CÓPIA PARA TREINAMENTO

CÓPIA PARA TREINAMENTO CÓPIA PARA TREINAMENTO NBR ISO 14001:2004 Sumário Página Prefácio IV - 2 Introdução V- 2 1 Objetivo e campo de aplicação 5 2 Referências normativas 5 3 Termos e definições 5 4 Requisitos do Sistema de

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Data: 21/08 /2013 Página: 1 /24 C DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV Descrição e/ou folhas atingidas Data 00 Emissão Inicial. 25/04/2013 01 Pág.03 Responsabilidades: Inclusão da Gerência de Planejamento e Controle

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16001 Primeira edição 30.11.2004 Válida a partir de 30.12.2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos Social responsibility Management system Requirements Palavras-chave:

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Prefácio...iv Introdução...vi

Prefácio...iv Introdução...vi ABNT NBR 18801:2010 Sumário Página Prefácio...iv Introdução...vi Scope 3 1 Introdução 4 2 Escopo 6 3 Termos e definições 6 4 Elementos do sistema de gestão da SST 9 4.1 Participação dos trabalhadores 9

Leia mais

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio.

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio. GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO: a participação dos controles internos na gestão estratégica corporativa Nome: Ricardo Alexandre Gonçalves de Moura (Auditor especialista em revisão de controles internos

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Marcello Guimarães Couto, M.Sc. HGB Consultoria e Gestão Ltda. marcello@hgb.com.br mgcouto@gmail.com Resumo Este artigo aborda os novos

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros Everton J. De Ros A ISO 9001 Revisão 2015 Cronograma Publicação Prevista em setembro de 2015 Jun 2012 Nov 2012 Jun 2013 Jan 2014 Set 2014 Jan 2015 Set2015 Minuta Design Spec & WD Design Spec & WD1 aprovada

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS JURÍDICOS

GESTÃO DE RISCOS JURÍDICOS A ISO 31000 Aplicada AMOSTRA DE ALGUMAS SEÇÕES DO MANUAL GESTÃO DE RISCOS JURÍDICOS REVISÃO TÉCNICA: Francesco De Cicco Diretor-Executivo do QSP Centro da Qualidade, Segurança e Produtividade para o Brasil

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

NBR ISO 9000. Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000

NBR ISO 9000. Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 DEZ 2000 NBR ISO 9000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso

NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT 1996 NBR ISO 14001 Sistemas de gestão ambiental - Especificação e diretrizes para uso Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso

Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 14001 Segunda edição 31.12.2004 Válida a partir de 31.01.2005 Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso Environmental management systems - Requirements

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho DEZ 2000 NBR ISO 9004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15331 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos Adventure tourism Safety management system Requirements

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL ESPECIFICAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL ESPECIFICAÇÃO ICS 03.100.01; 13.100 1 / 30 APRESENTAÇÃO A OHSAS 18001 foi desenvolvida com a participação das seguintes organizações: National Standards

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO Sumário NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO 1 Objetivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos do sistema de gestão ambiental

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27001

ABNT NBR ISO/IEC 27001 ABNT NBR ISO/IEC 27001 Para Dataprev e Senado 1/63 As Normas NBR ISO/IEC 27001 - Requisitos para implantar um SGSI NBR ISO/IEC 27002 - Práticas para a gestão de SI NBR ISO/IEC 27005 - Gestão de riscos

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

EXERCÍCIO E7 (individual)

EXERCÍCIO E7 (individual) PCC-2530 Sistemas de Gestão da Qualidade nas Empresas da Construção Civil Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Sistemas de Gestão Integrada: Segurança do Trabalho, Qualidade, Ambiente e Responsabilidade

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais