Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda"

Transcrição

1 Dinatec Industria e Comercio Ltda Autor do relatório Francois Andre Martinot Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011

2 Introdução Relatório de Auditoria Este relatório foi compilado por Francois Andre Martinot e relata a Auditoria detalhada abaixo Referência/Tipo/Data/Duração Certificação/Norma Endereço Visita de Fechamento de Não Conformidades 04/03/ dia(s) No. Funcionários: 79 FM ISO 9001:2008 Dinatec Industria e Comercio Ltda Rua Valdemiro Valaski, 2006 Sao Jose dos Pinhais Paraná Brasil Realizar o encerramento das não-conformidades registradas na auditoria de certificação do sistema de gestão da qualidade. Sumário da Gestão Foram avaliadas in loco as ações corretivas e respectivas evidências, para todas as não-conformidades registradas na auditoria de certificação. Algumas das ações ainda continuam em implementação, devido a maior necessidade de prazos e recursos para sua conclusão. A eficácia destas ações será avaliada na próxima auditoria de manutenção. As não-conformidades foram encerradas. Como resultado desta verificação, temos a satisfação de informar que fica MANTIDA a recomendação para a certificação do sistema da qualidade da Dinatec, conforme os requisitos da ISO 9001:2008. Áreas Auditadas & Conclusões Gestão da Qualidade - Ver registros de não-conformidades abaixo. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 2 de 17

3 Não Conformidades menores a partir da última auditoria Relatório de Auditoria A511824/1 Gestão da Qualidade/ Alta Direção Descrição: Não estão sendo abertas ações corretivas para resultados de pesquisa de satisfação de clientes que ficaram abaixo da meta estabelecida pela própria Organização. Requisitos: A organização deve executar ações para eliminar as causas de não-conformidades, de forma a evitar sua repetição. As ações corretivas devem ser apropriadas aos efeitos das não-conformidades detectadas. Evidências: Pesquisa de satisfação realizada com 12 clientes para produtos entregues (instalados). Cliente "Hospital Cascavel" com índice de 10% de satisfação para a pergunta 01; 10% de satisfação para a pergunta 2; 30% de satisfação para a pergunta 3. O cliente Hospital José Pinto teve 40% para a pergunta 1; 40% para a pergunta 2. O cliente MG fundição teve 50% para a pergunta 1. O cliente Climazon teve 50% para pergunta 2. Para estes clientes/ perguntas, não foram atendidas as metas da Organização. As pesquisas foram realizadas e outubro de 2010 e até o momento não foram evidenciadas análises e/ou ações decorrentes. Ações: - Ações corretivas documentadas na RACP 82/10. - Foi evidenciado o tratamento dos itens abaixo da meta de satisfação. Foram evidenciados os formulários FP 45 (reclamações de clientes) abertos para os clientes cujos resultados da pesquisa ficaram abaixo da meta. - FP 45 nr. 010/11 (Hospital Cascavel) - foi trocado o compressor da usina do cliente. - FP 45 nr. 011/11 (Hospital José Pinto) - foi trocado o compressor da usina do cliente. - FP 45 nr. 013/11 (MG Fundição) - foi enviado no secador para o cliente. - FP 45 nr. 005/11 (Climazon) - foram efetuados os reparos reclamados pelo cliente na pesquisa. - FP 45 nr. 012/11 (Hospital Universitário de Florianópolis) - negociado com o cliente o aceite dos compressores não isentos de óleo. - Foi evidenciada mudança na especificação das usinas Usiox para que as vendas sejam realizadas com compressores de 10 HP ao invés de compressores de 5 hp. - Manual da Qualidade prevê tomada de ações corretivas para resultados de pesquisas de satisfação de clientes. - Procedimento de ação corretiva prevê a tomada de ações corretivas para os resultados da pesquisa de satisfação. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 3 de 17

4 A511824/10 Compras/ Almoxarifado Descrição: Foi evidenciado o uso de procedimento de trabalho obsoleto pelo processo de compras. Requisitos: Os documentos requeridos pelo Sistema de Gestão da Qualidade devem ser controlados.... Um procedimento documentado deve ser estabelecido para definir os controles necessários para... d) Assegurar que as versões pertinentes de documentos aplicáveis estejam disponíveis nos locais de uso,... g) Evitar o uso não pretendido de documentos obsoletos e aplicar identificação adequada nos casos em que eles forem retidos por qualquer propósito. Evidências: Estava em uso o procedimento PSQ 13, Rev.00, de 01/08/2009. O procedimento atual é o PSQ 13, Rev.02, de 08/11/2010 (Compra, Homologação, Avaliação de Fornecedores e Matéria-Prima). Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 91/10. - Não estão mais sendo usadas cópias físicas dos documentos do SGQ. Foi criada uma pasta na rede com todos os procedimentos em suas versões válidas disponibilizados em arquivos PDF. - Foi evidenciada a pasta "ISO LEITURA", com os documentos do SGQ. - Foi evidenciado o procedimento PSQ 01 em sua Rev.01, descrevendo a nova sistemática de distribuição de documentos através da pasta ISO Leitura. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 4 de 17

5 A511824/11 Compras/ Almoxarifado Descrição: Não estão sendo cumpridos os requisitos de seleção e qualificação de fornecedores estabelecidos pela Organização. Requisitos: - da ISO 9001: A organização deve avaliar e selecionar fornecedores com base na sua capacidade de fornecer produto de acordo com os requisitos da organização. Critérios para seleção, avaliação e reavaliação devem ser estabelecidos. Devem ser mantidos registros dos resultados das avaliações e de quaisquer ações necessárias, oriundas da avaliação. - Da organização: PSQ 13, Rev.02, de 08/11/2010, item Evidências: O fornecedor QGInox foi homologado em 04/10/2010, sem que tenha sido realizada a etapa de avaliação de amostra de matéria prima. Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 92/10. - Foram revisadas as homologações de todos os fornecedores, e recuperadas as informações de avaliação da amostra inicial. - Foi evidenciado laudo de avaliação de amostra inicial do fornecedor Plast Tottal, de 17/02/ Não foi evidenciado o laudo de amostra inicial do fornecedor QGInox, mas o mesmo não está mais em uso pela Organização. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 5 de 17

6 A511824/12 RH Descrição: Não estavam disponíveis todos os registros de treinamento necessários. Requisitos: A organização deve manter registros apropriados de educação, treinamento, habilidade e experiência. Evidências: Não estavam disponíveis registros que comprovassem a qualificação do profissional Márcio Nakamura como Solador. Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 93/10. - Foi disponibilizado o certificado de soldador do Sr. Márcio Nakamura. Evidenciado o certificado emitido pelo Senai/ PR, realizado no período de 07/12 a 18/12/ carga horária 40 h. - Foram revisadas as pastas com os registros de todos os funcionários e solicitados os registros faltantes (por exemplo, exames periódicos e outros treinamentos). - Foi reforçado com o do RH e com os funcionários a necessidade de manter em dia os registros de competências. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 6 de 17

7 A511824/2 Gestão da Qualidade/ Alta Direção Descrição: Não foram estabelecidos objetivos da qualidade coerentes com todos os aspectos da política da qualidade da Organização. Requisitos: Os objetivos da qualidade devem ser mensuráveis e consistentes com a política da qualidade. Evidências:não existe objetivo da qualidade estabelecido em coerência com o item da política "Manter um ambiente de estímulo à qualidade por meio de sensibilização e infra-estrutura adequadas e pela competência dos colaboradores". Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 83/10. - Foi evidenciada a revisão da Política da Qualidade e conseqüente revisão dos objetivos da qualidade. Evidenciados objetivos da qualidade mensuráveis e coerentes com a revisão da política da qualidade. Assunto registrado na ata de reunião do comitê da qualidade, de 15/02/ Foi estabelecido um novo mapeamento de processos onde foram definidos indicadores de desempenho de processos ou, na ausência destes, itens de monitoramento (mapa de processos, Rev,00, de 18/02/2011). - Foi evidenciado o desdobramento dos indicadores de desempenho associado ao mapeamento de processos. - Alguns indicadores em fase de desenvolvimento e implantação com o apoio da consultoria Isotec. Eficácia desta ação será avaliada na próxima auditoria de manutenção. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 7 de 17

8 A511824/3 Gestão da Qualidade/ Alta Direção Descrição: Não estão sendo acompanhados todos os objetivos da qualidade estabelecidos pela Organização. Requisitos: A Alta Direção deve analisar criticamente o Sistema de Gestão da Qualidade da organização, a intervalos planejados, para assegurar sua contínua adequação, suficiência e eficácia. Essa análise crítica deve incluir a avaliação de oportunidades para melhoria e necessidade de mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade, incluindo a política da qualidade e os objetivos da qualidade. Evidências: Não foi evidenciado o acompanhamento do objetivo "Pontualidade de Entrega", cuja meta é de 70%. Não está registrado na análise crítica ou outro instrumento o acompanhamento deste objetivo. Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 84/10. - Foi atribuída ao PCP a responsabilidade pelo acompanhamento do objetivo/ indicador pontualidade de entrega. - Evidenciada a planilha de acompanhamento de prazos de produção e entrega de equipamentos. - Em desenvolvimento nova planilha e novo indicador para o processo. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 8 de 17

9 A511824/4 Gestão da Qualidade/ Alta Direção 8.4 Descrição: Não estão sendo avaliados os dados de desempenho dos processos do sistema de gestão da qualidade. Não foram implementados os indicadores e respectivas análises de desempenho, eventual abertura de RO/ RACP, conforme especificado pelos procedimentos da Organização. Requisitos: - Da ISO 9001: A organização deve determinar, coletar e analisar dados apropriados para demonstrar a adequação e eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade e para avaliar onde melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade pode ser feita. - Da Organização: PSQ 04, Rev.02, de 11/11/2010. Evidências: Não estão sendo avaliados mensalmente os indicadores de desempenho dos processos, conforme determina o procedimento PSQ 04. Foram avaliados os registros das reuniões mensais de integração de processos e/ou reuniões de comitê da qualidade (onde os indicadores devem ser apresentados) e os mesmo não foram apresentados, sendo sempre justificado que serão apresentados na reunião seguinte. Registros das reuniões de e Ata de reunião do comitê da qualidade ( ). Os indicadores foram definidos, mas ainda não existem metas definidas para os mesmos e nem análise crítica dos seus resultados (análise de dados). Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 85/10. - Ações em consistência com o RACP 83/10. - Todos os indicadores foram revisados com o apoio da Isotec consultoria. - Alguns indicadores ainda em fase de implantação. - Eficácia da ação será avaliada na próxima auditoria de manutenção. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 9 de 17

10 A511824/5 Assistência Técnica Descrição: Não estão sendo seguidos todos os controles de processo determinados pela própria organização. Requisitos: - Da ISO 9001: A organização deve planejar e realizar a produção e a prestação de serviço sob condições controladas. Condições controladas devem incluir, quando aplicável: a) A disponibilidade de informações que descrevam as características do produto; b) A disponibilidade de instruções de trabalho, quando necessárias; c) O uso de equipamento adequado; d) A disponibilidade e uso de equipamento de monitoramento e medição; e) A implementação de monitoramento e medição, e f) A implantação de atividade de liberação, entrega e pós-entrega do produto. - Da Organização: PSQ 15, Rev.00, Item 6.3. Evidências: Foram avaliadas as OS 1598 (07/10/2010), 3619 (02/09/2010), 3169 (04/08/2010), todas para manutenção preventiva conforme contrato. Para estas visitas, não foi evidenciado o preenchimento do formulário "Revisão de Manutenção Preventiva". Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 86/10. - Foi realizado um reforço de conscientização para os técnicos solicitando o completo preenchimento das fichas ( de 18/02/2011). - Foram auditados internamente os clientes IKF (Curitiba) - OS 3954, de 11/01/2011; Unimed Joinville - OS 3197, de 13/01/2011; Santa Casa São Gabriel (RS) - OS 4005, de 12/02/2011. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 10 de 17

11 A511824/6 Projetos Descrição: Não existe sistemática para as análises críticas de alterações de projetos e seus impactos nos demais componentes dos projeto. Requisitos: A análise crítica das alterações de projeto e desenvolvimento deve incluir a avaliação do efeito das alterações em partes componentes e no produto já entregue. Devem ser mantidos registros dos resultados da análise crítica de alterações e de quaisquer ações necessárias (ver 4.2.4). Evidências: Evidenciado o RO 139, de 28/10/2010, apontando necessidade de alteração de projeto para posicionamento de componentes nos reservatórios. Evidenciado registro de ação tomada pela área de projetos em 18/11/2010 (revisão dos desenhos dos costados de todos os reservatórios para corrigir o problema). Não existe registro de análise crítica dos efeitos das alterações de projeto nos demais componentes, ou critérios para decidir que tipos de alterações de projeto necessitam de análise dos efeitos sobre os demais componentes do projeto. Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 87/10 - Foram criados modelos de registros para novos projetos e alterações de projetos. - Evidenciado o registro de reunião de projeto cliente Huerb Care, de 23/02/ Evidenciado o registro de reunião de alteração de projeto cliente interno (Projeto Dinavac), de 03/03/ Evidenciado o procedimento de projetos revisado (SQ 16, Rev,.03-04/03/2011), onde foram incluídas as sistemáticas de registros através das duas reuniões. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 11 de 17

12 A511824/7 Projetos/ PCP Descrição: Não estão sendo gerados em tempo hábil os dados necessários para início do processo de planejamento e controle de produção. Requisitos: A organização deve planejar e realizar a produção e a prestação de serviço sob condições controladas. Condições controladas devem incluir, quando aplicável: a) A disponibilidade de informações que descrevam as características do produto; b) A disponibilidade de instruções de trabalho, quando necessárias; c) O uso de equipamento adequado; d) A disponibilidade e uso de equipamento de monitoramento e medição; e) A implementação de monitoramento e medição, e f) A implantação de atividade de liberação, entrega e pós-entrega do produto. Evidências: Evidenciado que o pedido do cliente ALNOR entrou para o projeto no dia 19/11/2010 e até o momento não foi cadastrado no ERP. Conforme informações do gerente de projetos (responsável pelo cadastro dos itens), este cadastro deve ser feito em no máximo 3 dias depois do recebimento do pedido, para não haver prejuízos ao processo de PCP (disparo de compra de materiais, lead time de fornecimento, etc). Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 88/10. - Foi reforçado com o gerente do projeto a importância de cumprir os prazos dos lançamentos de dados para a produção. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 12 de 17

13 A511824/8 Produção/ Controle de Qualidade 7.6 Descrição: Não estão sendo analisados criticamente e registrados os resultados das calibrações realizadas e a adequação aos critérios de aceitação da Organização. Requisitos: - Da ISO 9001: A organização deve estabelecer processos para assegurar que o monitoramento e a medição possam ser realizados e sejam executados de maneira consistente com os requisitos de monitoramento e medição. - Da Organização: PSQ 10, Rev.01, de 26/10/ Calibração de Instrumentos de Medição, item 5.2. Evidências: Manômetro de medição da pressão do teste hidrostático evidenciado como calibrado (nr , certificado de calibração 8443/2010, emitido pelo fornecedor Famabras - Indústria de Aparelhos de Medição Ltda). Não foi realizada a análise dos resultados da calibração e aceite com o carimbo de "aprovado". Não existe memória de cálculo para comparar resultados (erro e incerteza) com os requisitos de monitoramento e medição. Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 89/10. - Foi revisada a planilha de controle de instrumentos, onde foi incluída a coluna de desvio máximo aceitável para cada equipamento. Evidenciadas as informações de desvio máximo para todos os equipamentos. - Instrumentos de medição em calibração externa. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 13 de 17

14 A511824/9 Produção/ Controle de Qualidade 7.6 Descrição: Não foi estabelecida sistemática para avaliações de resultados de medições anteriores, realizadas com instrumentos/ equipamentos considerados não-conformes quanto aos critérios de aceitação da calibração. Requisitos: Adicionalmente, a organização deve avaliar e registrar a validade dos resultados de medições anteriores quando constatar que o equipamento não está conforme com os requisitos. A organização deve tomar ação apropriada no equipamento e em qualquer produto afetado. Evidências: Não existe sistemática estabelecida para tratar este item. O PSQ 10 não aborda este assunto e não existe outra definição na Organização sobre este tema. Ações: - Ações corretivas documentadas no RACP 90/10. - Definida sistemática de controle de produtos com possibilidade de recall caso o instrumento seja encontrado fora do estado de calibração. - Evidenciada a revisão 02 do PSQ 10 (Calibração). Detalhe de turnos Planta Turno 1 Turno 2 Turno 3 Turno 4 Turno da noite Fim de seman a Total de funcionários na planta Dinatec Existe? 79 Auditados Justification required if shift exists but not audited Participantes da Auditoria Nome Ronaldo Nunes Alexsandro Rebellato Jacques Luciano Cargo Representante da Direção Gerente de Produção Gerente Técnico Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 14 de 17

15 A auditoria foi conduzida em nome do BSI por: Nome Francois Andre Martinot Cargo Lider do time Auditoria de Manutenção O programa da Auditoria de Manutenção está detalhado abaixo Endereço da planta Dinatec Industria e Comercio Ltda Rua Valdemiro Valaski, 2006 Sao Jose dos Pinhais Paraná Brasil Referência do Certificado/ Ciclo de Visita FM Intervalo de visita: 12 meses Duração da visita: 12 horas Próxima Recertificação: 12/01/2013 Re-certificação será realizada no final do ciclo, ou mais cedo, conforme requerido. A Avaliação de todo o sistema será requerido. Plano de Recertificação Visita 1 Visita 2 Visita 3 Visita 4 Visita 5 Visita 6 Área de Negócios/Localidade Data (mm/aa) 12/11 12/12 12/13 Duração (days) Gestão da Qualidade e Alta Direção Comercial Projetos PCP Compras e Almoxarifado Produção Controle de Qualidade Expedição/ Transporte Entrega/ Instalação/ Assistência Técnica Manutenção Financeiro (faturamento) TI RH Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 15 de 17

16 Plano da próxima visita Relatório de Auditoria Objetivo da visita Realizar a primeira auditoria de manutenção do sistema de gestão da qualidade da Dinatec, para confirmar sua contínua pertinência, eficácia e melhoria em atender aos requisitos da ISO Escopo da visita: Serão avaliados os processos e áreas da Dinatec, conforme o programa a seguir: Data Auditor Hora Área/Processo Cláusula 08:30 Reunião de Abertura Dia 01 09:00 Gestão da Qualidade 10:30 Projetos e PCP 12:00 Almoço 13:00 Compras e Almoxarifado 14:00 Produção 16:00 Controle de Qualidade 17:00 Encerramento do Primeiro Dia 08:30 Manutenção Dia 02 09:30 TI 10:00 RH 10:30 Preparação do Relatório 11:30 Reunião de Encerramento Por favor, considere que o BSI se reserva o direito de cobrar a taxa equivalente ao dia de auditoria pelo cancelamento da visita pela empresa em 30 dias da data agendada. Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 16 de 17

17 Notas Relatório de Auditoria A auditoria foi feita com base em amostragem e, portanto, podem existir Não Conformidades que não tenham sido identificadas. Se você quiser distribuir cópias deste relatório externo à sua organização e, em seguida, todas as páginas devem ser incluídas. BSI, seus funcionários e auditores devem manter confidenciais todas as informações relativas à sua organização e não deverá divulgar tais informações a terceiros, exceto que de domínio público ou exigido por lei ou organismos relevantes de credenciamento. BSI funcionários, auditores e organismos de acreditação tem assinado termos individuais de confidencialidade e só recebem informações confidenciais pela "necessidade de conhecer". "Apenas para Clientes' é o site que estamos satisfeitos por oferecer aos nossos clientes, elaborado para apoiar você em maximizar os benefícios da sua certificação BSI - vá até / JustForCustomers para saber mais. ( /FM ). Se pretender apresentar um recurso, então este deve ser preenchido por escrito, para o endereço abaixo. O processo de apelação será concluído no prazo de 30 dias a contar da data do presente relatório. Como parte dos termos BSI, é necessário você notificar o BSI de qualquer uma das seguintes alterações: Grandes alterações ao Sistema de Gestão; Mudança de propriedade, fusão ou aquisição; significativas alterações no número de empregados; Introdução de novos produtos e processos; Introdução de novos Clientes. A notificação deve ser feita dentro de 5 dias úteis da ocorrência. Será avaliado o impacto da notificação, e, se necessário contactá-lo para discutir eventuais avaliações adicionais. Este relatório e os documentos relacionados ("Relatório") está preparado para, e apenas para, o cliente do BSI e para nenhum outro propósito. Como tal, BSI não aceita ou assume qualquer responsabilidade (legal ou outra) por, ou em conexão a, qualquer outra finalidade para a qual o relatório possa ser utilizado, ou para qualquer outra pessoa que o Relatório seja apresentado, ou em cujas mãos possa vir a passar, e nenhuma outra pessoa deve estar habilitado a confiar neste relatório. Se você quiser falar com BSI em relação à sua certificação, entre em contato com o nosso suporte de operações: BSI Management Systems Rua Gomes de Carvalho, º andar Vila Olimpia CEP São Paulo/SP Tel: Fax: Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Página 17 de 17

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 00 01 02 Emissão inicial. Alteração do representante da direção Inclusão de informação no item 4.2.2.3 (passo 8) SMD 147. Elaborado:

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade. Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar

INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade. Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PÁGINA: 1 de 20 CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 91:28 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais. A TIVOLITUR estabelece, documenta, implementa e mantêm seu sistema de gestão da qualidade, visando

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6. Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.8 Exercícios 6.5 Conduzindo atividades de auditoria no local

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica GOIÁS (SEAC-GO) Rua dos Bombeiros, Qd. 248, Lt. 12, 14 e 15 Parque Amazônia-Goiânia-GO CEP: 74835-210 CNPJ: 02.552.768/0001-01 Telefone: (62) 3218-5946 / 3218-5330 Pessoa de Contato: Rousilene Correa de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO ACPA

ATA DE REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO ACPA Página 1 de 15 Participantes: Mario Pereira - Diretor Fabril Magna Moraes - Gerente RH Wando Rosa - Gerente Produção Karen - CIPA Daniel Miranda - Representante Trabalhadores SA8000 Rodrigo Barbosa - Representante

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES DA QUALIDADE. Instrutor: F. Ermi R. Ferrari

FORMAÇÃO DE AUDITORES DA QUALIDADE. Instrutor: F. Ermi R. Ferrari FORMAÇÃO DE AUDITORES DA QUALIDADE Instrutor: F. Ermi R. Ferrari A EMPRESA Sandra Ferrari Valquíria Novaes Ermi Ferrari Sejam bem vindos! SUMÁRIO Apresentação dos participantes Trabalho em equipe Sistema

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA DIREÇÃO Data da Reunião: 15/03/2011 Data da Próima Reunião: março/2012 Folha: Total de 4 PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA.

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica TRANSPORTE DE VALORES E DE CURSOS DE FORMAÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS (SINDESP-GO) Rua dos Bombeiros, Qd. 248 - Lts. 12, 14 e 15 Parque Amazônia-Goiânia-GO CEP: 74835-210 CNPJ: 33.376.906/0001-64 Telefone:

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE SCD

MANUAL DE QUALIDADE SCD MANUAL DE QUALIDADE SCD Aprovado por: André Leonardo Cavalcanti Fernandes Superintendente SCD Substituto Eventual Código: MQ-SCD Revisão: 00 Data: 27/07/2012 2 SUMÁRIO 1. Quadro de siglas... 6 2. Conceituação...

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO... 4 2 SIGLAS... 4 3 DEFINIÇÕES... 4 4 GENERALIDADES... 4 REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Página 1 de 5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4 REGISTROS E ANEXOS HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS ELABORAÇÃO APROVAÇÃO 24/06/2011 10/12/2011 Emissão

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

SISTEMA ISO 9000. Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF

SISTEMA ISO 9000. Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF SISTEMA ISO 9000 Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF Por que trabalhar com qualidade? Porque para começar a pensar em ser competitivo, é necessário fazer corretamente: na primeira vez, todas as vezes

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Sabemos que implementar e monitorar um Sistema de Gestão é um grande desafio, pois temos que planejar, controlar e verificar muitos registros, papéis,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade Revisão: 09 Folha: 1 de 20 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 2.1 PLANEJAMENTO E ESCOPO DO SISTEMA... 3 2.2 EXCLUSÕES... 5 2.3 CONSCIENTIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 5 2.3.1

Leia mais