MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS DE CALL CENTER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS DE CALL CENTER"

Transcrição

1 ISSN MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS DE CALL CENTER Luana Quintanilha Pacheco (LATEC/UFF) Resumo Preocupadas com o nível de motivação de seus colaboradores, as empresas começam a despertar a necessidade de investir cada vez mais em pesquisas de clima organizacional, cursos motivacionais, e todo tipo de recursos que possam estimulá-los a permanecer motivados e assim encontrar simultaneamente a realização pessoal e profissional, podendo, desta forma, extrair o máximo de cada um deles. Elas sabem que, na atualidade, de nada adianta estratégia, tecnologia ou idéias inovadoras sem profissionais motivados. Porém, a questão é descobrir por que alguns se sentem altamente motivados para realizar determinadas tarefas que a outros parecem enfadonhas e desinteressantes. Os indivíduos são motivados de diferentes maneiras, conforme suas necessidades e seus valores sociais. Tentar entender essas necessidades e esses valores é o grande desafio apresentado aos gestores, principalmente nas empresas de Call Center. Principal objetivo do estudo é identificar as vantagens que a motivação oferece para as empresas de Call Center, analisando as inúmeras formas de utilização para a melhoria do ambiente de trabalho. Outro objetivo é esclarecer para as pessoas à estarem sempre motivadas em seu trabalho, contribuindo para que todas os participantes possam trabalhar e ser feliz o tempo todo. Palavras-chaves: Call Center. Motivação. Gestão de Recursos Humanos. Clima Organizacional.

2 1- INTRODUÇÃO Motivação é uma das grandes preocupações das empresas de Call Center no ambiente de trabalho. É um fenômeno contínuo, nunca definitivamente resolvido para cada indivíduo. Só se obtém a efetiva motivação quando colaboradores conseguem realizar suas necessidades e seus objetivos de vida, dentro e fora da empresa. Observando as empresas de Call Center, podemos perceber que, dentro das operações onde estão ocorrendo os atendimentos, está faltando um gestor, muitas vezes até tem um supervisor, porém falta a ele uma postura de gestor. Outra observação feita a estas empresas, é que possuem um Turn Over muito elevado, devido a falta de motivação dos operadores. Quais são as vantagens para a empresa de Call Center de que seus funcionários estejam motivados? Motivação é um tema bastante discutido entre os profissionais de administração. Entende-se por motivação o ato de dar motivos para a ação das pessoas. O comportamento motivado é algo que se busca alcançar em qualquer empresa para que se possa atingir a maior produtividade. Embora muito se fale de motivação, ainda hoje as empresas têm dificuldade em manter o comportamento motivado dos seus colaboradores, no que muitas vezes investem recursos e esforços de forma errada e acabam por prejudicar ainda mais a sua produtividade. O tema a ser trabalhado neste artigo é a motivação voltada para as empresas de contact center. Onde o estudo se delimitará na segmentação das empresas de Call Center e a da gestão de Recursos Humanos. 2

3 As empresas de contact center estão entre as maiores geradoras de empregos do Brasil. Essa geração de empregos, não se deve apenas ao fato das empresas estarem crescendo, mas também ao fato de haver uma grande rotatividade de pessoal, o que implica em grande número de demissões. Destas, boa parte se devem à falta de motivação do colaborador para permanecer ou mesmo para produzir aquilo que a empresa espera dele. Principal objetivo do estudo é identificar as vantagens que a motivação oferece para as empresas de Call Center, analisando as inúmeras formas de utilização para a melhoria do ambiente de trabalho. Outro objetivo é esclarecer e ajudar as pessoas à estarem sempre motivadas em seu trabalho. Será demonstrado também os processos de Recursos Humanos. A intenção é de compreender como é importante a presença do gestor dentro da empresa, estimulando e motivando os colaboradores. Acredita-se que motivação é um conceito que se invoca com freqüência para explicar as variações de determinados comportamentos e, sem dúvida, apresentamos a grande importância para a compreensão do comportamento humano, um estado interno resultante de uma necessidade que desperta certo comportamento. As organizações tentaram, através do modelo mecanicista, impor que o trabalhador separe a realidade da vida profissional. Acredita-se que isso seja uma mera ilusão, pois a pessoa é um todo, em que vive razão e emoção, vida pessoal e profissional. Atualmente o mercado de trabalho está muito competitivo, exigindo que as pessoas estejam em constante inovação, e para isso devem estar sempre motivados em no trabalho, pois o desempenho é a garantia de permanência. O estudo será de pesquisa bibliográfica com enfoque qualitativo, de diversos autores. A pesquisa tem finalidade de mostrar para os gestores, administradores, e a quem tiver interesse, 3

4 a importância de se ter funcionários motivados nas empresas de Call center, explicando suas teorias e dando exemplos. A pesquisa do artigo é bibliográfica e explicativa. Pois, irá esclarecer a importância de ter uma equipe motivada. 2- CALL CENTER Entende-se contact center como sendo os meios pelos quais as empresas podem estar em contato com seus clientes, tanto para ofertar serviços e produtos, quanto para atender as reclamações e dar suporte técnico-operacional. O contact center engloba as seguintes formas de contato com clientes: call center; Web; ; mala direta; carta; entre outros menos utilizados e que não apresentam importância significativa neste estudo, já que estamos focando em empresa de contact center, que no geral trabalham exclusivamente com call center Os call centers são centrais de atendimento, comumente baseadas em tecnologias de computer and telephone integated (CTI), que combinam telefonia com recursos de informação do computador e concentram todas as chamadas dos clientes de uma empresa em um único local, com vista em maximizar a produtividade dos operadores e conquistar a fidelidade do consumidor. (DANTAS,2000, P.254) Compreende serviços diversos de atendimento a cliente ou de vendas via telefone, feitas por meio de centrais especializadas. O Call Center é uma versátil ferramenta com muitas aplicações, tendo como recurso o telefone. Ele funciona como um sábio método de conduzir os negócios de uma empresa. Crie inúmeras oportunidades para fazer negócios dando suporte à venda, vendendo e fazendo do pós-venda, mantendo um alto nível de prestação de serviços a uma base de clientes. Assim o Call Center produz e gera receita para a empresa, mantendo a confiança do cliente e permitindo que ela permaneça viva no mercado. Ele é uma aplicação de tecnologia, com práticas de negócios. (CARMEN MAIA, 2007, p.8) 4

5 Quando se fala em call center, estamos falando em milhares de pessoas interagindo diretamente com os clientes da empresa. Por este motivo se torna essencial que as pessoas que fazem parte do processo estejam preparadas para executar suas tarefas da melhor forma possível. Para isso, são necessários treinamentos adequados, mas também manter uma equipe motivada e comprometida com os resultados a serem alcançados Empresas vitoriosas são aquelas que abrem suas portas ao cliente, que criam canais para a comunicação cada vez mais fácil com seus clientes, que estão sempre prontas a ouvir, informar, esclarecer, orientar. O sucesso Call Center não é apenas espaço físico, equipamentos e pessoas. É muito mais que tudo isso. Do ponto de vista conceitual, ele envolve três elementos básicos. O primeiro deles é software, ou seja, um conjunto de programas que ajuda a empresa a alcançar as soluções mais eficientes. Em segundo lugar vem o hardware, com as ferramentas que nos fornece, tais como PABX, banco de dados, telecomunicações. Por último, humanware, uma palavra que volta a ter sentido estratégico, significando os talentos humanos, a cultura do usuário e a competência operacional. De nada vale dispor dos recursos tecnológicos mais avançados de software e hardware se o seu pessoal de operação não estiver altamente preparado e motivado. Mas o que precisamos fixar como meta central é que o Call Center existe para abrir as portas da empresa ao mercado, tornando-se o mais eficiente centro de atendimento de clientes. A sigla SAC tem sido popularizada nos últimos tempos para significar "Serviço de Apoio ao Cliente". Ela aparece em muitos rótulos de produtos, com um telefone de prefixo 0800, destinado ao atendimento do cliente ou do consumidor. Ele é um convite ao diálogo. Quem quer preservar sua clientela, dando-lhe a melhor atenção, precisa saber usar o Call Center. Com ele, milhares de pessoas passam a obter quaisquer esclarecimentos 5

6 adicionais sobre produtos ou serviços, para reclamar ou para dar sugestões e até para fazer reservas mais rápidas. Os recursos humanos: a seleção, o treinamento e a monitoração dos atendentes são um fator crítico de sucesso para uma central de atendimento. Quando se fala de serviço, tratase de uma atividade essencialmente humana (DANTAS, 2000 p.265) Para tentar fazer com que seus colaboradores se mantenham motivados, muitas empresas tentam estimulá-los oferecendo plano de carreira, realizando processo seletivo interno, dando oportunidades aos operadores de crescerem dentro da empresa. Algumas fazem um processo seletivo, nos quais diversos fatores são avaliados, como notas de monitoria, aderência a escalas, absenteísmo, e através do mesmo são selecionados alguns funcionários para estarem recebendo o benefício de fazerem uma faculdade com desconto, desde que esteja ligada a área de Call Center. Outro processo adotado,é fazer campanhas de atendimento, nas quais diversos quesitos são avaliados (aderência à escala, tempo médio de resposta e qualidade no atendimento) com objetivo de motivarem suas equipes a fazerem tudo da forma correta para que consigam atingir uma boa pontuação na campanha tendo a classificação de 1º, 2º e 3º lugares, prêmios até mesmo em dinheiro. Com essas iniciativas as empresas tentam estimular aos funcionários a trabalharem de forma adequada e motivados e conseguem até mesmo reduzir o absenteísmo nas operações. Não bastará dotar sua empresa do melhor Call Center se as pessoas que vão cuidar dele no dia-a-dia não estiverem bem preparadas e altamente motivadas. Treinamento de alta qualidade para os novatos da empresa é fundamental, e é necessário e recomendado oferecer oportunidades para reciclagem dos colaboradores. 3- MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS DE CALL CENTER 6

7 Motivação não é um produto acabado, mas um processo que se configura a cada momento no fluxo permanente de vida. A motivação está dentro das pessoas. O que é definido por motivação? Segundo BERGAMINI (2006), a motivação pode ser entendida como o desempenho e os esforços dos colaboradores para atingir os resultados desejados. O caráter de interioridade da motivação nos diz que ela é experimentada por cada pessoa, não sendo, portanto, generalizada. As pessoas têm valores, necessidades, interesses, organização familiar e formação profissional diferentes, portanto, uma história de vida própria que condiciona suas motivações. O bom desempenho depende de quão motivado está o empregado. Em termos de comportamento, a motivação pode ser conceituada como o esforço e a tenacidade exercidos pela pessoa para fazer ou alcançar algo. (Chiavenato, 2005, p.213) Uma pessoa motivada estará disposta a produzir mais em menos tempo, porque tem dentro de si uma necessidade de apresentar resultados. Esses resultados podem estar direcionados, por exemplo, à necessidade de crescimento dentro da empresa, à competição interna, ao salário recebido em troca de sua produtividade, entre outros fatores. Para muitas pessoas o Call Center é o seu primeiro emprego, às vezes, estão trabalhando ali até mesmo para pagar uma faculdade, muitas não pretende seguir carreira nesta área, com isso a maioria das pessoas não tem muita motivação e dedicação para ser reconhecida e promovida. Motivação é intríseca, ninguém motiva ninguém. Cada um que se motiva ou não. Tudo o que as pessoas estão de fora podem fazer é estimular, incentivar, provocar a motivação. Por 7

8 isso precisamos de um bom gestor, para que assim possam identificar quais as necessidades de cada funcionários e tentar estimulá-lo à estar sempre motivado e a fazer um trabalho com força de vontade. O termo motivação é geralmente empregado como sinônimo de forças psicológicas, desejos, impulsos, instintos, necessidades, vontade, intenção, etc. (BERGAMINI, 2005 p. 109) O individuo raramente está satisfeito consigo mesmo e com seu nível de realização pessoal a cada degrau na vida. Quando se constata a estagnação, já se pode levantar a suspeita de que algo não vai bem. De acordo com Chiavenato(2005) motivação pode ser definida como o processo responsável pela intensidade, direção e persistências dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta. Segundo Chiavenato (2000), para estimular a motivação no trabalho é preciso: Reconhecer as diferenças individuais: Não tratando os colaboradores como se fossem todos iguais, pois eles possuem necessidades diferentes. Procurando compreender o que é importante para cada um deles. Definir objetivos e fornecer feedback: tratar objetivos que sejam específicos, desafiantes e que possam ser monitoráveis. Permitir que os colaboradores saibam como estão se saindo. Estimular a participação nas decisões: Permitir ou, até mesmo, encorajar a participação dos colaboradores nas decisões que os afetam, como a fixação de objetivos ou a definição dos procedimentos de trabalho. Vincular as recompensas ao desempenho: Deixar claro para todos os colaboradores que as recompensas, sejam elas financeiras ou não, estão diretamente relacionadas ao desempenho no trabalho. 8

9 Fazer com que as recompensas sejam percebidas como justas: Vincule as recompensas às experiências, habilidades, responsabilidades e esforços apresentados pelos colaboradores. Os colaboradores se sentem mais motivados com as recomendações acima, reconhece que a empresa está preocupada com seu bem-estar, o que aumenta sua produtividade, tendo uma redução de custos com relação às doenças de trabalho, estreitando o relacionamento interpessoal dentro da empresa e facilitando processos. Para superar o desafio da motivação é necessário observar, além da capacidade técnica, a personalidade profissional (comunicação, estilo de trabalho, estilo de liderança, leque de recursos, tomada de decisão, atitude frente à vida, atitude frente aos outros). Cada vez mais esses traços de inclinações passam a ser mais significativos para reconhecer se um indivíduo está apto a desempenhar bem uma determinada função. Quanto mais alta for a capacidade em identificar essas aptidões, interesses e habilidades dos colaboradores, menor é a probabilidade de erros de contratações e promoções. No Call Center esta percepção é de extrema importância, pois um bom atendimento depende de uma boa gestão, caso um atendente que não tenha perfil seja promovido a uma supervisão, provavelmente aquela operação será um fracasso, seus operadores não terão condições de oferecer o melhor atendimento. Segundo Chiavenato (2000) nos dias atuais, isso é possível por meio da aplicação de testes de personalidade. Há muitos deles, baseados em diferentes teorias, mas o mais adequado às necessidades de uma empresa deve ser fácil e rápido, com resultados claros, compreensíveis e claramente discriminado para que estereótipos sejam evitados. Isso permite obter uma compreensão da motivação do seu comportamento e assim prever e minimizar possíveis situações de conflito e desconforto. Possibilita, por exemplo, 9

10 avaliar como a personalidade de cada pessoa afeta a dinâmica do grupo de trabalho no qual está inserido. Adotar essa nova visão traz benefícios não apenas por aumentar a probabilidade de se colocar o profissional certo na função certa, mas também contribui para o desempenho e, consequentemente, da boa imagem da organização. A transparência na aplicação e avaliação do teste também beneficia o próprio profissional. Quanto mais consciente de suas necessidades, de seus conflitos, de seus limites e de suas potencialidades, maiores as suas chances de enfrentar os desafios da carreira. Afinal, a produtividade tende sempre a aumentar quando busca atender as motivações inerentes à sua personalidade. Motivação é, dessa forma, uma questão - chave para uma bem sucedida organização, principalmente dentro do Call Center. 4- CLIMA ORGANIZACIONAL DENTRO DO CALL CENTER A literatura sobre o moral dos empregados teve seu início com a Teoria das Relações Humanas. Segundo Chiavenato (2000) para a Teoria das Relações Humanas, a motivação é o impulso de exercer esforço para o alcance de objetivos organizacionais desde que também tenha capacidade de satisfazer alguma necessidade individual. Moral é um conceito abstrato, intangível, porém perfeitamente perceptível. Moral é uma decorrência do estado motivacional das pessoas provocado pela satisfação ou não das necessidades individuais. Na medida em que as necessidades das pessoas são satisfeitas pela organização ocorre a elevação da moral. Na medida em que as necessidades das pessoas são frustradas pela organização, ocorre abaixamento da moral. (CHIAVENATO, 2003, p.121) O moral é responsável pelas atitudes das pessoas. Atitude é uma postura ou julgamento quanto aos objetos, pessoas ou situações que predispõem as pessoas a um 10

11 determinado tipo de comportamento. O moral elevado é acompanhado de uma atitude de interesse, identificação, aceitação, entusiasmo e impulso positivo em relação ao trabalho, além da diminuição de problemas de supervisão e disciplina, estimula a colaboração, pois esta se apóia em uma base psicológica na qual predomina o desejo de pertencer e a satisfação de trabalhar em grupo. O moral elevado depende do clima de relações humanas que se desenvolvem quando existe um adequado entrosamento entre a organização formal e a organização informal, comunicações de boa qualidade e um nível de supervisão satisfatório. A partir da definição de moral decorre o estabelecimento do clima organizacional, um moral elevado conduz a um clima receptivo, amigável, quente e agradável, enquanto o moral baixo quase sempre provoca um clima negativo, adverso, frio e desagradável. Clima organizacional é a atmosfera psicológica que envolve, num dado momento, a relação entre a empresa e seus funcionários. (Luz, 2003, p.13). Se o Clima Organizacional não for um clima agradável dentro do ambiente de Call Center, provavelmente seus operadores de telemarketing não terão a devida motivação para que assim possam realizar um bom atendimento. O clima organizacional, portanto, é a qualidade ou propriedade do ambiente organizacional que é percebida ou experimentada pelos membros da organização e que influencia poderosamente o seu comportamento (Chiavenato, 2005, p.267). O clima organizacional é favorável quando proporciona satisfação das necessidades pessoais dos participantes e elevação do moral. E o mesmo é desfavorável quando proporciona a frustração daquelas necessidades. Ele influencia o estado motivacional das pessoas, e é por ele influenciado. Segundo Luz (2003), o clima organizacional apresenta alguns indicadores nas organizações que dão sinais sobre a qualidade, como por exemplo: 11

12 Turn Over Quando o turn over de uma empresa está elevado, pode significar que falta algo na empresa para satisfazer seus funcionários. Absenteísmo O excessivo número de faltas e atrasos pode ter o mesmo significado do turn over. Pichações nos banheiros O banheiro funciona como um lugar anônimo, onde os funcionários sentem-se seguros para xingar e zombar dos seus gerentes e da empresa. Programas de Sugestões Quando malsucedidos, podem revelar a falta de comprometimento dos funcionários, não apresentando em número ou em qualidade as sugestões. Avaliação do desempenho Quando é utilizado um procedimento formal para avaliar desempenho de seus empregados, muitas vezes as informações encontradas confirmam que o baixo desempenho de muitos colaboradores decorre de seus estado de ânimo, da apatia em relação a empresa. Greves Muitas vezes revela o descontentamento dos funcionários em relação à empresa. Conflitos interpessoais e interdepartamentais A intensidade dos conflitos interpessoais e entre os diferentes departamentos da empresa é o que vai determinar muitas vezes um clima tenso ou agradável. Desperdícios de Material Muitas vezes a forma do trabalhador reagir contra a empresa é estragando os materiais, consumindo mais do que o necessário e danificando equipamentos. Queixas no Serviço Médico Os funcionários descarregam suas angústias sobre os mais diferentes tipos de reclamações no serviço médico, como 12

13 sobrecarga de trabalho, humilhações, exposição a situações vexatórias, constrangimentos, discriminações. Muitos destes distúrbios emocionais, provocam doenças e influindo negativamente na qualidade de vida dos empregados. Muitos dos itens acima são claramente vistos em empresas de Call Center, o Turn Over geralmente é muito alto assim como o absenteísmo, até mesmo pelo fato de a maioria delas funcionam 24 horas, trabalharem sábado, domingo e feriados. Segundo Chiavenato (2005), as iniciativas que podem ser feitas para melhorar o ambiente de trabalhado são: Recompensas monetárias Através do dinheiro você consegue suprir as necessidades do primeiro e segundo nível. Incentiva e reduz carências ou necessidades. E pode reduzir ansiedade, consolidando a auto-confiança e a auto-avaliação das pessoas. Assim pode ser implantado na empresa o plano de bônus, que são valores variáveis e esporádicos. Recompensas não-monetárias São as necessidades sociais estimadas por Maslow (2000), envolvem reconhecimento, prestígio e status. Assim podem ser feitos os planos organizacionais e grupais, pois se as pessoas acreditam que há outras recompensas ligadas ao desempenho, procuram incentivar esse desempenho entre colegas. Enriquecimento de tarefas Seria enriquecer uma tarefa de acordo com o desenvolvimento da pessoa que a executa, podendo ser vertical ( atribuição de atividades mais complexas ou importantes e a retirada de uma mais simples ou menos importante), ou a horizontal (migração de tarefas diferentes, porém com a mesma complexidade, dificuldade ou importância). Flexibilização do horário de trabalho Pode ser feita de duas maneiras: 13

14 *O funcionário trabalha dez horas por dia ganhando um dia de folga, ou seja, ao invés de trabalhar oito horas por dia, durante cinco dias na semana, trabalha dez horas em quatro dias somente. *Colocar um horário núcleo, onde todos os funcionários devem estar naquele horário e o restante ele escolhe se prefere trabalhar antes ou depois, desde que complete as 40 horas semanais. O que não ocorre em empresas deste ramo, geralmente as tarefas são simples e repetitivas, as recompensas monetárias são baixas e os horários bem rígidos, por conta das escalas de atendimento. Se a qualidade do trabalho for boa, conduzirá a um clima de confiança e respeito mútuo, no qual o indivíduo tenderá a aumentar suas contribuições e elevar suas oportunidades de êxito psicológico e a administração tenderá a reduzir mecanismos rígidos de controle social. A motivação, ao contrário do incentivo, traz um resultado muito assertivo uma vez que atende as expectativas de cada profissional. O que deve ser feito é criar um clima que gere motivação. 5- GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EMPRESAS DE CALL CENTER Quando falamos em gerenciamento de pessoas, queremos nos referir à maneira pela qual as pessoas são administradas dentro da empresa. Sabemos que a administração de pessoas é uma responsabilidade de linha e uma função de staff; ou seja, são dirigidas por 14

15 executivos que adotam diretrizes e práticas estabelecidas pelos especialistas em Recursos Humanos. Os executivos de Recursos Humanos exercem uma função de staff e de assessoria, enquanto aqueles assumem a responsabilidade de linha pelas decisões que tomam e pelo envolvimento direto com as pessoas. Dentro da empresa de Call Center geralmente quem assume a responsabilidade de linha é um supervisor junto com um coordenador de operações, e é de extrema importância dentro deste tipo de organização pois o membro de RH está muito distante do funcionário para poder tomar uma decisão, seja ela qual for. São os executivos que administram as pessoas com base em diretrizes e práticas emanadas pelo Recursos Humanos. Por isso, a administração de Recursos Humanos é uma responsabilidade de linha. Isto é, de cada executivo (Chiavenato, 2005, p.90) Cada executivo é responsável pela sua equipe de trabalho. Para poder gerenciá-la e dela obter eficiência e eficácia, o executivo precisa selecionar, desenhar cargos, treinar, motivar, avaliar e remunerar o seu pessoal. Segundo Chiavenato (2005), o gerenciamento de pessoas requer em sete aspectos fundamentais: Escolha da equipe de trabalho: Recrutamento e seleção dos participantes da equipe. Desenho do trabalho da equipe: Estruturação das tarefas e atribuições de cada membro. Treinamento: Contínuo treinamento e desenvolvimento dos participantes enriquecendo o conhecimento, as habilidades e as competências. Liderança: Condução, orientação e impulsionamento dos membros da equipe. 15

16 Motivação: Incentivo contínuo dos membros da equipe e administração de conflitos. Avaliação de desempenho da equipe: Retroação e autodesenvolvimento pessoal de cada membro. Remuneração da equipe: Estabelecimento de um sistema de recompensas com base no desempenho e nos resultados alcançados. É de extrema importância que dentro do Call Center o gerenciamento seja muito eficiente, pois normalmente os salários são baixos, precisando mais ainda incentivar a equipe para que ela esteja sempre motivada, o treinamento deve ser contínuo para que os operadores consigam atender os clientes de forma adequada, sanando todas as suas dúvidas. À área de Recursos Humanos compete simplesmente descrever e analisar os cargos já estruturados para poder recrutar, selecionar, treinar, avaliar e remunerar seus ocupantes. (Chiavenato, 2005, p.121) A gestão de Recursos Humanos procura ajudar o administrador a desempenhar todas essas funções, porque ele não realiza seu trabalho sozinho, mas através das pessoas que formam sua equipe. Pessoas são capazes de conduzir a empresa a seus objetivos estratégicos, gerando mudanças, riqueza e valor. Os seres humanos são a chave do sucesso ou do fracasso das estratégias inovadoras de uma organização, e por isso a importância de um bom gestor. É é isso que acontece nas empresas de Call Center, as pessoas que ficam a frente dos negócios, são os operadores, se eles estiverem bem treinados e motivados vão fazer um bom atendimento, fazendo assim a empresa um sucesso, do contrario a empresa será um fracasso. A satisfação dos clientes depende do atendimento, normalmente é obtida por indicadores qualitativos que buscam avaliar o nível de eficácia dos trabalhos realizados pelos 16

17 profissionais que respondem por qualquer processo ligado à gestão de Recursos Humanos, sempre na perspectiva do cliente. Dessa forma, pode-se observar a importância da gestão de recursos humanos na empresa de Call Center. Se a empresa tiver um Recrutamento e Seleção eficaz, mantiver a motivação de seus funcionários, oferecerem um bom treinamento e sempre que necessário aplicarem reciclagem, os operadores irão exercer um bom trabalho, atingindo assim o nosso cliente final, de forma que o mesmo fique satisfeito. 6- CONCLUSÃO O tema motivação, trabalhado no decorrer da produção deste estudo, vem sendo visto e revisto a várias gerações de estudiosos da administração. Considerado um dos temas mais importantes da área de gestão de pessoas, é de suma importância o seu entendimento por parte dos profissionais que atuam neste setor, visando garantir um bom clima organizacional e conseqüentemente, um bom desempenho das equipes de trabalho, gerando melhores resultados para a organização. Baseado na necessidade de conhecermos e sabermos empregar a motivação como forma de aumentar a produtividade das pessoas foi desenvolvido este estudo. Concluímos, cque a motivação, dentro de uma empresa de contact center é de enorme importância, principalmente porque se trata de um segmento em que toda a eficiência dos processos depende quase que exclusivamente do desempenho humano. Quando temos um grupo de trabalho desmotivado, observamos uma queda da produtividade, enquanto que, aumentamos o índice de absenteísmo e descontentamento com a função, gerando turnower, o que por sua vez, prejudica a empresa tanto em gastos com 17

18 treinamento, quanto com perda da qualidade, já que as pessoas mais experientes tendem a sair e no seu lugar ficam sempre iniciantes. Quando se conta com uma equipe unida e motivada, as pessoas tendem a compartilhar os resultados, comemorar cada vitória, cada indicador que fica positivo. Este clima de comemoração, funciona como motivador, mas precisa ser espontâneo, não basta à empresa oferecer festas para mostrar aos funcionários que está satisfeita com os resultados alcançados. É preciso fazer com que seus colaboradores entendam que os resultados da empresa são a vitória deles e nem sempre é fácil conseguir esse tipo de consciência grupal, principalmente, se existirem entre eles pessoas que não conseguem se enquadrar na motivação do grupo. Os fatores motivacionais são de grande importância para as organizações de contact center, o que exige que sejam conhecidos e empregados de maneira coerente e eficiente. A má aplicação da motivação, pode ao invés de motivar, se tornar fator de descontentamento geral, bastando para isso que não sejam observadas as diversas conseqüências que tais atitudes gerenciais podem gerar. 18

19 REFERÊNCIAS ASSIS, Marcelino Tadeu de. Indicadores de Gestão de Recursos Humanos: usando indicadores demográficos, financeiros e de processo de gestão. Rio de Janeiro Qualitymark, 2005, 208p. BERGAMINI, Cecília Whitaker. Psicologia aplicada à administração de empresas. São Paulo Editora Campus, 2005, 175p. Motivação nas organizações. São Paulo - Atlas, P. CASTRO, Alfredo Pires de. Auto-motivação Como despertar esta energia e transmiti-la às pessoas. Rio de Janeiro : Campus, 1996, 116p. CHIAVENATO, Idalberto. Comportamento Organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações Rio de Janeiro: Elsevier, 2005, 539p. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro - Campus Elsevier, 2000, 664p. Introdução à Teoria Geral da Administração: uma visão abrangente da moderna administração. Rio de Janeiro - Campus Elsevier, 2003, 634p. DANTAS, Edmundo Brandão. Telemarketing a chamada para o futuro. SP. Editora Atlas, 2000, 301p. DENTON, D. Keith. Qualidade em serviços: o atendimento ao cliente como fator de vantagem competitiva. São Paulo: Makron: McGraw-Hill, 1990, 222p. KRISTIAN, Anderson. Como encantar o cliente pelo telefone. Rio de Janeiro Editora Campus, 1995, 113p. LEVY-LEBOYER, Claude. Crise das motivações. São Paulo Atlas, 1994, 138p. LUZ, Ricardo Silveira. Gestão do clima organizacional. Rio de Janeiro Qualitymark, 2003, 143p. MAIA, Carmen Sylvia Barbosa. Supervisão em Call Center: O Caminho para o Sucesso. Rio de Janeiro Qualitymark, 2007, 248p. MATIAS, Antônio Sylvio. Monografia: do projeto à execução. Rio de Janeiro Rio, 2006, 125p. MASLOW, Abraham H. Maslow no gerenciamento. Rio de Janeiro Qualitymark, 2000, 392p. ROBBIENS, Stephen P. Comportamento Organizacional. São Paulo: SP Editora 2002, 637p. 19

20 VROOM, Victor H. Gestão de Pessoas, não de Pessoal Os melhores métodos de motivação e avaliação de desempenho. São Paulo: Editora Campus LTDA, 1997, 274p. 20

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento Eficiência no em clínicas e hospitais ÍNDICE 3 - Introdução 4 - O que os clientes esperam de um bom 6-5 dicas para gerar eficiência no -EBOOK- Produzido por CM Tecnologia 11 - Conclusão 12 - Sobre a CM

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Como é o RH nas Empresas?

Como é o RH nas Empresas? Como é o RH nas Empresas? Informações gerais da pesquisa Objetivo: entender a percepção dos profissionais de RH sobre clima organizacional Pesquisa realizada entre 24/06 e 12/07 Parceria entre Hay Group

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

AULA 11 Marketing de Serviços

AULA 11 Marketing de Serviços AULA 11 Marketing de Serviços Pessoal de serviço da linha de frente: fonte de fidelidade de clientes e vantagem competitiva A linha de frente é uma fonte importante de diferenciação e vantagem competitiva.

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS ALCIDES DE SOUZA JUNIOR, JÉSSICA AMARAL DOS SANTOS, LUIS EDUARDO SILVA OLIVEIRA, PRISCILA SPERIGONE DA SILVA, TAÍS SANTOS DOS ANJOS ACADÊMICOS DO PRIMEIRO ANO DE

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo > Relatório de Vendas Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 INTRODUÇÃO O Relatório de Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação do potencial do Exemplo na função de vendas. Este relatório é baseado nos resultados

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE EQUIPES Formação de Equipes Eficazes; Administração de Relações Laterais

ADMINISTRAÇÃO DE EQUIPES Formação de Equipes Eficazes; Administração de Relações Laterais ADMINISTRAÇÃO DE EQUIPES Formação de Equipes Eficazes; Administração de Relações Laterais DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina?

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina? Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web Quem é a professora responsável? Qual o objetivo da disciplina? Como estudar e obter nota para aprovação? Qual é a bibliografia básica?

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar?

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Angélica Adriani Nunes de Moraes 1 Denise Aparecida Ferreira Patrícia Karla Barbosa Pereira Maria Eliza Zandarim 2 Palavras-chave: Empresa, motivação, equipe. Resumo

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais