Organismos de Certificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organismos de Certificação"

Transcrição

1 Organismos de Certificação

2 Programação Horário Assunto Responsável 15:00 15:05 Breve Apresentação Institucional Marco A. B. Roque - (IEX) 15:05 15:15 Curva de Aprendizado Demandas Atendidas Marco A. B. Roque - (IEX) 15:15 15:25 Sanções aos Organismos de Certificação Marco A. B. Roque (IEX) 15:25 15:50 Boas Praticas de Certificação Eduardo Rodrigues (ABRACE) 15:50 16:00 Relacionamento OCP X Laboratórios Eduardo Rodrigues (ABRACE) 16:15 16:30 Relacionamento OCP X Laboratórios Eduardo Rodrigues (ABRACE) 16:30 16:40 Especialista nas Auditorias da CGCRE Marco A. B. Roque (IEX) 16:40 16:55 Avaliação da Conformidade Parte 1 Synésio Batista da Costa (IQB) Claudio Torelli - (A2BR) 16:55 17:15 Avaliação da Conformidade Parte 2 Carlos Pitanga (BSI) 17:15 17:30 Debates

3 Marco A. B. Roque - IEX Vice-Presidente da ABRAC INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE Compromisso com a credibilidade A Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade é uma organização sem fins lucrativos, fundada com o objetivo de atuar ativamente em defesa dos interesses dos Organismos de Avaliação da Conformidade, quer sejam Organismos de Certificação ou Laboratórios, de forma imparcial e independente

4 Marco A. B. Roque - IEX Vice-Presidente da ABRAC Curva de Aprendizado Demandas Atendidas Consolidação de Canal de Comunicação Reconhecimento da representatividade nacional e internacional Administração Profissional ABROC < ABRAC

5 Marco A. B. Roque - IEX Vice-Presidente da ABRAC Sanções aos Organismos de Certificação Definições e comunicação das regras Ponto em aberto: suspensão/encerramento das atividades do organismo de certificação e laboratórios

6 Boas Práticas de Certificação Segmentação x Vocação do Organismo Análise de relatórios de ensaio Responsabilidade do Organismo de Certificação Relacionamento Organismos de Certificação x Laboratórios Mudança de comportamento Laboratórios de Ensaios Eduardo Rodrigues - ABRACE ABRAC Membro do GPT Produtos

7 Boas Práticas de Certificação Segmentação x Vocação do Organismo Um dos pilares da ABNT ISO/IEC 17065, no Anexo A, é a Competência. Será que estamos atuando em segmentos que fomos vocacionados? Temos competência para atuar neste segmento?

8 Relacionamento entre Organismos e Laboratórios Avaliação de relatórios de ensaios Responsabilidade do Organismo de Certificação Conceito: A responsabilidade e autoridade pela decisão (se um requisito está em conformidade ou não) é exclusiva do OCP. A responsabilidade do laboratório é fazer todas as verificações, apresentar o resultado encontrado de cada uma delas, justificativas (ex. quando NA) ou evidencias (ex. quando NC) e informar as condições de execução do ensaio.

9 Relacionamento entre Organismos e Laboratórios Mudança de Comportamento Laboratório não deve aceitar fazer orçamento definitivo sem Plano de Ensaios; O Laboratório deve fazer a analise critica da solicitação e enviar o orçamento; OCP não deve aceitar Relatórios de Ensaio com Atende / Não Atende, OK/NC, etc. Relação mais estreita e mais frequente entre OCP e laboratório, principalmente quando o equipamento sob teste não é comum, hibrido, mais de uma norma, etc. Laboratório não deve fornecer orçamento ao cliente sem a participação de um OCP; Participar ativamente dos CTs da ABRAC (labs e OCPs) e discutir e harmonizar práticas, RTQs e até metodologias; Não dar opinião formada e depois informar que deve confirmar com o OCP.

10 Relacionamento entre Organismos e Laboratórios O que melhorar no Relacionamento? O OCP deve mandar sempre o Plano de Ensaios ao Laboratório ao solicitar o orçamento definitivo; Laboratório deve fazer a analise critica da solicitação e enviar o orçamento ao OCP; O orçamento deve ser analisado pelo OCP antes de enviar ao cliente; Lembre-se: O operador primário do esquema de certificação Inmetro é o OCP e o laboratório não deve se comunicar com o solicitante sem estar em comum acordo com o OCP. O OCP oferece ao solicitante os orçamentos dos laboratórios previamente aprovados, para não interferir na liberdade de escolha do solicitante. De qualquer forma a escolha final do laboratório é responsabilidade integral do OCP.

11 Especialista nas Auditorias da Cgcre Qual o papel do especialista nas auditorias? Auditor + especialista nos programas em curso Alocação de especialista em escopos / regulamentos novos Marco A. B. Roque - IEX Vice-Presidente da ABRAC

12 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE Avaliação da Conformidade Novos desafios! Claudio Torelli A2BR Membro do CA - ABRAC

13 Oferecer ao Poder Concedente constante contribuição para aprimoramento dos requisitos técnicos pertinentes às atividades do segmento. Através de ações consistentes manter os atuais sócios e ampliar o quadro associativo. Apresentar ao publico em geral (Governo, Iniciativa Privada, Consumidor), a Avaliação da Conformidade/Certificação brasileira como ferramenta disponível para melhoria da confiança em serviços, produtos e pessoas. Claudio Torelli A2BR Membro do CA - ABRAC

14 O Brasil possui aproximadamente Laboratórios e 100 Organismos Acreditados pela Coordenação Geral de Acreditação CGCRE. A marca INMETRO adquiriu credibilidade impar e é sinônimo de proteção ao Consumidor no País e no Exterior. O sistema de controle exercido pela CGCRE e INMETRO e seus critérios de Acreditação e Registro nos credenciam para buscarmos novos mercados a partir de Instituições dos Governos Federal, Estaduais e Municipais. Claudio Torelli A2BR Membro do CA - ABRAC

15 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Produtos para saúde medicamentos regulação sanitária, etc Ministério da Saúde 17 programas divulgados cartão nacional de saúde, Farmácia Popular, Alimentação e Nutrição, SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), Medicamentos fracionados, Redução de Mortalidade, etc. MINISTÉRIO DAS CIDADES Programa de moradias biogás acessibilidade urbana Companhia Brasileira de Trens Urbanos, etc. Claudio Torelli A2BR Membro do CA - ABRAC

16 DENATRAN Departamento Nacional de Transito Certificação de componentes automotivos vias publicas (sinalização / obras, etc). FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação vinculado ao Ministério da Educação Projetos : Alimentação Escolar Livro Didático, Dinheiro Direto na Escola, Transporte Escolar, Aquisição de Equipamentos para Rede Escolar Publica, etc. MMA Ministério do Meio Ambiente Agua, clima, educação ambiental, veículos, etc. Claudio Torelli A2BR Membro do CA - ABRAC

17 BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Comercio, serviços e turismo, serviços de educação e saúde, Exportação e Inserção Internacional ( aumento da competividade industrial), financiamento, entre outros assuntos. CEF Caixa Econômica Federal Produtos para construção certificados conforme o SBAC - hoje através do PSQ Programa Setorial da Qualidade - (Município e ou Estado diretamente com os Financiadores) e Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQPH Claudio Torelli A2BR Membro do CA - ABRAC

18 Ampliando a proteção e conservação do Cidadão e do Meio Ambiente Aquisição de Produtos Certificados no âmbito do SBAC. Contratação de empresas prestadoras de serviços com Sistema de Gestão Certificados. Liberação de financiamentos BNDES BB CEF (serviços e produtos) para Instituições Certificadas. Claudio Torelli A2BR Membro do CA - ABRAC

19 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE Novos segmentos a serem atendidos pela Avaliação da Conformidade Parte 2 Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

20 Reflexões sobre o Mercado de Certificação de Sistemas de Gestão Novos caminhos para expansão sustentável no Brasil Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

21 Mercado Global Crescimento global de 4% em comparação com o ano anterior; Crescimento em todos os tipos de certificação dentro do universo pesquisado, particularmente expressivo em: Gestão de Energia Segurança Alimentar Segurança da Informação Dispositivos Médicos Gestão Ambiental Fonte: ISO Survey 2012, publicada no último trimestre de Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

22 Tamanho e Crescimento do Mercado Global Fonte: ISO Survey 2012, publicada no último trimestre de Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

23 Maior Crescimento Maior Mercado Mapa do Tamanho e Crescimento Mercado Global # ISO 9001 ISO ISO/TS ISO ISO ISO ISO CHINA CHINA CHINA CHINA ALEMANHA JAPÃO ALEMANHA 2 ITÁLIA JAPÃO CORÉIA DO SUL ÍNDIA EUA REINO UNIDO ESPANHA 3 ESPANHA ITÁLIA EUA GRÉCIA ITÁLIA ÍNDIA DINAMARCA 4 ALEMANHA ESPANHA ÍNDIA ROMÊNIA REINO UNIDO CHINA SUÉCIA 5 JAPÃO REINO UNIDO ALEMANHA ITÁLIA FRANÇA ROMÊNIA ITÁLIA 6 REINO UNIDO CORÉIA DO SUL JAPÃO JAPÃO SUÍÇA TAIWAN ROMÊNIA 7 FRANÇA ROMÊNIA BRASIL TURQUIA CHINA ESPANHA ÍNDIA 8 ÍNDIA FRANÇA ITÁLIA POLÔNIA JAPÃO ITÁLIA TAILÂNDIA 9 EUA ALEMANHA TAILÂNDIA FRANÇA ISRAEL ALEMANHA TAIWAN 10 BRASIL EUA MÉXICO ESPANHA TAIWAN EUA FRANÇA # ISO 9001 ISO ISO/TS ISO ISO ISO ISO ESPANHA CHINA CHINA CHINA ITÁLIA ROMÊNIA ALEMANHA 2 CHINA ESPANHA ÍNDIA ROMÊNIA ALEMANHA JAPÃO DINAMARCA 3 ROMÊNIA ITÁLIA CORÉIA DO SUL JAPÃO EUA CHINA ITÁLIA 4 FRANÇA ROMÊNIA TAIWAN DINAMARCA SUÍÇA REINO UNIDO IRLANDA 5 ALEMANHA ALEMANHA MÉXICO ÍNDIA ESPANHA ÍNDIA FRANÇA 6 PORTUGAL DINAMARCA TURQUIA ITÁLIA CHINA ESPANHA TAILÂNDIA 7 ARGENTINA EUA EUA HOLANDA TAIWAN EUA TAIWAN 8 INDONÉSIA REINO UNIDO RÚSSIA VIETNÃ FRANÇA BULGÁRIA ÁUSTRIA 9 SUÍÇA ARGENTINA POLÔNIA ISRAEL PAQUISTÃO ITÁLIA ESPANHA 10 VIETNÃ BULGÁRIA TAILÂNDIA ESPANHA HOLANDA HOLANDA ÍNDIA Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas Rank GDP Country/Region 1 USA 2 China 3 Japan 4 Germany 5 France 6 UK 7 Brazil 8 Russia 9 Italy 10 India 13 Spain 14 Mexico 15 South Korea 17 Turkey 18 Netherlands 20 Switzerland 21 Argentina 22 Sweden 23 Poland 25 Taiwan 27 Austria 29 Thailand 34 Denmark 37 Israel 43 Greece 44 Pakistan 47 Portugal 48 Ireland 53 Romania 57 Vietnam

24 Motivadores do Crescimento Países Estratégias para aumento da competitividade através de certificações de sistemas de gestão são claramente perceptíveis em alguns Países. Rank GDP Listed on Top Growth Listed on Country/Region Top Market 1 USA China Japan Germany France UK Brazil Russia Italy India Spain Taiwan Thailand Romania 4 3 Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

25 Motivadores do Crescimento Exemplo Espanhol certificações de sistemas de gestão Diversos benefícios econômicos incentivam o aumento da competitividades através de certificações, apesar da forte crise econômica Alguns exemplos de programas identificados em 2014: Segurança em Estradas (ISO 39001): =6cf830946ea93410VgnVCM b0c1e0aRCRD&vgnextfmt=default Saúde Ocupacional e Segurança (OHSAS 18001): https://www.tramitacastillayleon.jcyl.es/web/jcyl/binarios/217/952/eye_1074_2013.pdf?blobheader=application%2fpdf%3bcharset%3dutf-8&blobnocache=true Meio Ambiente (ISO 14001), podendo incluir qualidade (ISO 9001), e Segurança de Informação (ISO 27001): Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

26 Motivadores do Crescimento ISO % das certificações concentradas na Alemanha conforme ISO Survey O Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Segurança nuclear publicou em 2012 um ato/decreto para promover a adoção de energia renováveis (http://www.erneuerbare-energien.de/en/unser-service/mediathek/downloads/detailview/artikel/renewable-energy-sources-act-eeg-2012/) Existe um forte compromisso de mudar a matriz energética do país, e existe um benefício financeiro associado a melhoria da eficiência energética. Dados Atualizados: a Alemanha em Maio 2014: certificações, representando 47% do mercado mundial (7.345 certificados). Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

27 Motivadores do Crescimento ISO % das certificações concentradas no Japão conforme ISO Survey O órgão de Governo NISC (National Information Secutiry Center) criado em 2005 (ano da publicação da ISO 27001) promove segurança de informação neste país. Leis e regulamentos foram criados para assegurar proteção de informações incentivando a utilização da ISO Exemplo: Act. 57 em seu artigo 7 Atualmente o NISC, tem ampliado a atuação para gestão de riscos (ISO 31000) e em gestão para continuidade de negócios (ISO 22301) e um novo ciclo de crescimento deve ser percebido nestas áreas. Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

28 Motivadores do Crescimento ISO % das certificações concentradas na Alemanha e USA conforme ISO Survey ISO é pré-requisito explícito nos principais mecanismos regulamentares existentes: Comunidade Europeia (Marcação CE); FDA (EUA) Health Canada MHLW (Japão), etc Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

29 Mercado Global - Conclusões O mercado de certificações de sistemas de gestão não é diretamente proporcional ao tamanho da economia ou a situação econômica do País; Os motivadores para o crescimento do mercado são variáveis (regionais, culturais, setoriais, etc), porém incorporam: Estratégias de governo que promovam o aumento da competitividade das Organizações (e País) através das certificações; Estratégias de governo para crescimento através de exportações e desenvolvimento sustentável; Regulamentação alinhada com as tendências e normas internacionais; Programas de incentivo diretos à certificação; Aumento da sensibilização sobre o tema. Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

30 Mercado Local Redução de 8% em comparação com o ano anterior; Extremamente concentrado e dependente de certificações ISO 9001, ISO e ISO/TS 16949; Tamanho do mercado desproporcional ao tamanho da economia; Volume de OCCs acreditados superior à demanda instalada. Ambiente de negócios pressiona comoditização dos serviços, sendo desfavorável à realização de investimentos, inibindo a melhoria contínua. Norma % ISO % ISO % ISO TS % ISO % ISO % ISO % ISO % % Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

31 Ações ABRAC para Desenvolvimento do Mercado Criação do Grupo Técnico de Sistemas de Gestão para: Desenvolver o mercado de certificação de sistemas de gestão: Aumentar a sensibilização do governo, da iniciativa privada e outras partes interessadas sobre os benefícios da certificação como uma ferramenta de melhoria da competitividade e crescimento sustentável; Promover regulamentação alinhada com as normas internacionais de sistemas de gestão; Promover o conhecimento e vínculo dos programas estratégicos do Governo com as normas de sistemas de gestão; Participar/Desenvolver projetos para incentivos à certificação. Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

32 Ações ABRAC para Desenvolvimento do Mercado Criação do Grupo Técnico de Sistemas de Gestão para: Promover a melhoria continua das práticas de certificação de sistemas de gestão: Estimular comunicação e boas práticas entre OCCs; Estimular melhoria da qualificação profissional; Assegurar isonomia competitiva entre OCCs; Assesgurar comunicação efetiva com a Cgcre sobre temas tecnicos relacionados ao setor; Estimular a criação e adesão à novos programas de acreditação. Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

33 Ações ABRAC para Desenvolvimento do Mercado Possíveis áreas de trabalho: ISO Segurança de Informação ISO Gestão de TI ISO Segurança no Transporte Rodoviário ISO Gestão para Continuidade dos Negócios ISO Gestão de Riscos ISO XRequisitos para Organismos de Certificação ISO Gestão de Saúde Ocupacional e Segurança Industrial Transições de alto impacto, tais como: ISO 9001 ISO Carlos Pitanga - BSI ABRAC Membro do GPT Sistemas

34 ABRAC Associação Brasileira dos Organismos de Avaliação da Conformidade /Fone:

Organismos de Certificação. Aldoney Freire Costa Chefe da Divisão de Acreditação de Organismos de Certificação

Organismos de Certificação. Aldoney Freire Costa Chefe da Divisão de Acreditação de Organismos de Certificação Organismos de Certificação Aldoney Freire Costa Chefe da Divisão de Acreditação de Organismos de Certificação Programação Horário Assunto Responsável 9h 9h15min Abertura Marcos Aurélio / Aldoney Costa

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as 2º Congresso Brasil-Alemanha de Energias Renováveis e Eficiência Energética - Effizienz ISO 50001: cenário mundial e brasileiro George Alves Soares São Paulo, 02 de dezembro de 2014 Principais Funções

Leia mais

Os Modelos de Gestão nas Organizações

Os Modelos de Gestão nas Organizações Os Modelos de Gestão nas Organizações APCER VISÃO Ser reconhecida como uma empresa de auditoria e certificação global. MISSÃO Auditar e certificar em todo o mundo, com competência e confiança, para benefício

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001?

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? Oportunidades e desafios na expansão da oferta e no uso da energia - recursos, tecnologia e gestão Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? São Paulo, 27 de novembro

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

Tecnologia Conectividade

Tecnologia Conectividade Funcionalidade de Alimentos como Ferramenta de Marketing Mª Engª Alexia Hoppe I Mostra de Ciência e Tecnologia TecnoDohms Porto Alegre, Maio 2012 Tecnologia Conectividade Geração Y: valores e atitudes

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Apresentação. Julieta Simas Ouvidora do Inmetro

Apresentação. Julieta Simas Ouvidora do Inmetro Apresentação Estamos divulgando o Balanço Gerencial Anual da Ouvidoria Externa do Inmetro, que se destina a demonstrar o desempenho da Instituição, durante o ano de 2005, em comparação ao ano de 2004.

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Luis Barrinha - Gestor de Ambiente e Segurança SGS ICS - International Certification Services Funchal, 28 de Novembro de 2002 SOCIÉTÉ

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Serviços de telefonia. condições de prestação

Serviços de telefonia. condições de prestação Serviços de telefonia móvel: preços e condições de prestação Audiência pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Ercio Alberto Zilli Presidente Executivo

Leia mais

Números Significativos: Certificados emitidos

Números Significativos: Certificados emitidos Números Significativos: Certificados emitidos Qualidade: 24.672 ISO 9000 523 ISO/TS 16949 86 EN 9100 MEIO AMBIENTE: 5.923 ISO 14000 99 Cadeia de Custodia madeira 553 EMAS 1.069.038,29 Ha Gestão Florestal

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL % DE RESPOSTAS POR REGIÃO INTRODUÇÃO Américas 19% Ásia 31% A pesquisa global de opinião sobre o mercado

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H O que é PBQP-H? O PBQP-H (Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat), é um instrumento do governo federal que tem como meta organizar

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

Projeto GeoCONVIAS abril 2009

Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Logica 2008. All rights reserved Agenda 1 2 3 4 5 6 7 8 Instituições Participantes Objetivo do Projeto Fluxo de Trabalho de CONVIAS Benefícios Escopo do Projeto Arquitetura

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Perspectivas do consumo mundial de café

Perspectivas do consumo mundial de café Perspectivas do consumo mundial de café 19º Seminário Internacional de Café de Santos 9 e 10 de maio de 2012 Praia de Pernambuco, Guarujá SP Robério Oliveira Silva Diretor Executivo Resumo Produção mundial

Leia mais

A Normalização e a Certificação

A Normalização e a Certificação A Normalização e a Certificação 14 de Outubro 2014 Ana Rita Pereira Introdução 3.9.1 auditoria Processo (3.4.1) sistemático, independenmte e documentado para obter evidências de auditoria (3.9.4) e respectiva

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM Balança comercial de produtos químicos 1991 a 2011* US$ bilhões Déficit cresceu de forma explosiva:

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

AMCHAM e a Internacionalização de empresas

AMCHAM e a Internacionalização de empresas Defensores da livre iniciativa Representatividade multisetorial e nacional Amplo e diferenciado conteúdo Estabelecer a competitividade de longo prazo Fortalecimento dos canais de influência AMCHAM e a

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica Cenário e Perspectivas para o Segmento de Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva ABEEólica 84 Associados 2 84 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking Mundial 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Maurício Fernandes Pereira PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PRESIDENTE DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS.

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Soluções de Telecomunicações para Empresas LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Permanência mínima para todos os serviços de 24 meses. IVA não incluido. Válido até Outubro de 2012 ZON Office ZON

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Correios Soluções que aproximam

Correios Soluções que aproximam Correios Soluções que aproximam IV Conferência das Comunidades Brasileiras no Exterior Vice-Presidência de Negócios Identidade Corporativa Correios em números 117 mil empregados 18 mil veículos 17 mil

Leia mais

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL PROJETO SERIALIZAÇÃO Projeto Serialização DHL 1 Serialização SETRM 2015 DEUTSCHE POST DHL DHL Supply Chain é parte do Grupo Deutsche Post com presença global e extensivo portifólio em serviços Logísticos

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre

Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO. Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014. MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Competência Técnica de Laboratórios - INMETRO Rio de Janeiro, 26 de novembro de 2014 MARCOS AURÉLIO LIMA OLIVEIRA Inmetro - Cgcre A Coordenação Geral

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O que você sabe sobre a Suíça? Roger Federer Chocolates Relógios de luxo 2 O que você também deve saber Hotspot para Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

A Organização de Eventos como Diferencial Competitivo das Instituições. Profa. Me. Lirian M. Meneghel

A Organização de Eventos como Diferencial Competitivo das Instituições. Profa. Me. Lirian M. Meneghel A Organização de Eventos como Diferencial Competitivo das Instituições Profa. Me. Lirian M. Meneghel Julho/2012 As civilizações foram, e são, conhecidas pelas práticas de rituais. Evento PRODUTO Usado

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais