PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL"

Transcrição

1 PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

2 Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria Célia Borges Dalberio Um abominável mundo novo? O ensino superior atual, Regis de Morais Práticas e perspectivas de democracia na gestão educacional, Carlos Betlinski

3 Carlos Betlinski PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

4 Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão: Thiago Augusto Dias de Oliveira Cícera Gabriela Sousa Martins Diagramação: Dirlene França Nobre da Silva Capa: Marcelo Campanhã Impressão e acabamento: PAULUS Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Betlinski, Carlos Práticas e perspectivas de democracia na gestão educacional / Carlos Betlinski. São Paulo: Paulus, (Coleção Educação superior) Bibliografia. ISBN Democracia 2. Educação - Filosofia 3. Escolas - Administração e organização 4. Gestão educacional 5. Política educacional I. Título. II. Série CDD Índices para catálogo sistemático: 1. Gestão educacional democrática ª edição, 2013 Paulus 2013 Rua Francisco Cruz, São Paulo (Brasil) Tel.: (11) Fax: (11) ISBN

5 SUMÁRIO Dedicatória 7 Introdução 9 Capítulo I Das intenções e contradições das práticas DE gestão democráticas 15 Capítulo II Algumas referências conceituais sobre cultura POLítica Estrutura política e formação da cultura política Sobre o conceito de cultura política Um Estado para a sociedade: a dimensão ética no exercício do governo Dimensão ética da gestão pública na perspectiva freireana 55 Capítulo III Democracia como processo em disputa E em construção Democracia representativa elitista Democracia participativa Concepções não hegemônicas de democracia na contemporaneidade A democracia brasileira 91 Sumário 5

6 Capítulo IV Políticas públicas de gestão da educação NO estado neoliberal Descentralização e participação Relações entre Estado e sociedade civil na gestão educacional Conselhos gestores e o controle social sobre o Estado Contradições no papel político dos conselhos setoriais 119 Capítulo V Conselhos de educação: concepções e funções 129 Capítulo VI Indicadores para a avaliação das práticas DEMOCRÁTICAS nas relações entre Estado E sociedade civil Processo de avaliação de cultura política subjetiva de subgrupos participacionistas Indicadores de participação na gestão educacional municipal O papel dos conselhos na gestão municipal da educação 175 Conclusão A cidadania ativa como perspectiva DE qualificação das práticas democráticas 187 Referências bibliográficas práticas e perspectivas de democracia na gestão educacional

7 DEDICATÓRIA Para aqueles que sempre foram submetidos ao silêncio, para as cidadãs e cidadãos que sempre foram excluídos e impedidos de decidir sobre os interesses coletivos, que não puderam satisfazer suas necessidades e garantir os direitos que os conduziriam a uma vida digna, e àqueles a quem a cidade foi negada, a política é a arte e a razão da vida em sociedade. É preciso resgatar a politicidade da existência coletiva para se ter mais vida, para que seja possível a humanização. A ideologia neoliberal tem o poder de controlar as mentes e os corpos, de tal forma que se aceita com naturalidade que alguns decidam sobre os assuntos de interesse de todos, que utilizem o poder que emana do povo para benefícios próprios e não da coletividade. Será a política a astúcia para extrair vantagens pessoais? Os povos trabalhadores continuam sua luta exaustiva pela sobrevivência, permanecendo prostrados diante do cansaço da longa jornada de serviço e de transporte a que são submetidos nas metrópoles ou, o que é pior, permanecem alienados diante dos espetáculos produzidos pela mídia, que tem a intenção de despolitizar os problemas sociais. A vida indigna, a desgraça, a miséria e a violência se tornam espetáculos. A corrupção, a pi- Dedicatória 7

8 lhagem dos impostos vão se naturalizando, e permanece o silêncio. Não existem classes, não temos a nossa cidade, não há comunidades, existem indivíduos, números, existem mônadas. Na sociedade do hedonismo e do consumo, não há espaço para a política, para a mobilização comunitária. Só existe o mercado, o prazer, o indivíduo... É preciso reaver o sentido da vida em comunidade, tecer a rede da ética e da política na cidade. 8 práticas e perspectivas de democracia na gestão educacional

9 INTRODUÇÃO A temática desenvolvida neste livro destina-se aos alunos de todos os cursos de licenciatura e, em especial, aos do curso de pedagogia. O conteúdo desenvolvido também é de interesse significativo para os estudantes dos cursos de Serviço Social, Administração Pública e Ciências Políticas, além de interessar de forma direta a todos os profissionais que atuam na gestão de instituições públicas que prestam serviços à sociedade brasileira. A expectativa do autor é apresentar um texto que possa contribuir para o debate sobre democracia e suas práticas, contribuindo, dessa forma, para a formação dos profissionais que irão atuar na educação escolar e na gestão dos equipamentos públicos, especialmente das instituições educativas. Tanto na função de professores quanto na função de gestores, eles irão enfrentar o desafio da prática democrática e, para isso, precisam de um suporte teórico para avaliar e fazer suas experiências no campo da democracia. Embora acreditando que não exista receita pronta para os processos de educação em democracia, pode-se afirmar que somente os profissionais com uma formação sólida e crítica poderão contribuir, principalmente pelo seu exemplo e comprometimento, com os processos de formação para a democracia social. O texto discorrerá sobre os fundamentos teóricos e práticas de democracia existentes na relação entre Estado e so- Introdução 9

10 ciedade civil, especialmente as experiências de democracia existentes nos órgãos ou mecanismos institucionalizados que viabilizam a atuação política da sociedade civil junto ao Estado. O foco principal da análise são as práticas participativas existentes nos conselhos municipais de educação, mas as categorias e conceitos aplicam-se a todos os conselhos setoriais e a qualquer outro espaço ou mecanismo de participação cidadã, tais como os fóruns, audiências públicas, conselhos escolares. Para efeito de compreensão sobre qual participação e qual matriz de democracia perpassam as práticas políticas nas diferentes instâncias de atuação dos cidadãos, especialmente nos conselhos setoriais, as análises incidirão sobre três eixos ou aspectos principais: 1. A cultura política subjetiva dos cidadãos participantes, que podem espelhar o pensamento, princípios e os valores hegemônicos ou contra-hegemônicos existentes na sociedade brasileira e que poderão ser captados na observação das ações políticas existentes nos espaços institucionalizados, e mesmo na observação da prática da democracia como exercício da liberdade e como virtude. O interesse por política, adesão aos valores democráticos e extensão dos direitos políticos, ativismo político, autoavaliação sobre capacidade de influenciar e grau de confiança nas instituições políticas são algumas categorias fundamentais para entender a cultura política, desde um pequeno grupo participante de um conselho até de toda uma sociedade. 2. O tipo e grau de participação que norteiam a relação existente entre o Estado e a sociedade civil, onde destacaremos algumas características próprias dessa relação, tais como: estímulo à participação por parte dos governos locais, 10 práticas e perspectivas de democracia na gestão educacional

11 exercício da cidadania, empoderamento dos participantes da sociedade civil, dimensão pedagógica, formação política e diálogo. 3. O significado político dos mecanismos de participação, especialmente dos conselhos, no contexto do Estado neoliberal e do Estado democrático, procurando interpretar questões como: concepção de conselhos, processo de institucionalização, descentralização, tipo de participação que se pratica e controle social. Para efeito de organização didática e de estruturação deste texto, estabeleceu-se a seguinte ordem de discussão e de capítulos: No primeiro capítulo, Das intenções e contradições das práticas democráticas, é feita uma breve apresentação das propostas e intenções das práticas democráticas para a gestão dos serviços públicos brasileiros. Essas propostas se constituíram a partir de dois movimentos distintos: os movimentos populares e de oposição ao regime militar que historicamente lutavam pela democratização do Estado e pela criação de canais institucionalizados que permitissem a participação e o controle social sobre todas as instituições; e, por outro lado, o movimento induzido pelo próprio Estado, que, a partir da década de 1990, promoveu uma reforma política de cunho neoliberal, que, embora utilizasse do discurso democrático, implantou vários mecanismos de gerenciamento, controle e gestão dos serviços públicos. No segundo capítulo, Cultura política: referências conceituais, apresenta-se a conceituação de cultura política e faz-se a vinculação desta ao tema da democracia. A partir de referências bibliográficas, discutiu-se a relação das estruturas ou instituições políticas com o processo de formação da cultura política, considerando também a existência e a ação dos Introdução 11

12 movimentos de organizações populares que, no caso brasileiro, foram significativos para a produção de uma cultura política democrática e para a implantação de mecanismos de participação na gestão pública, como é o caso dos conselhos setoriais. No mesmo capítulo, é desenvolvida uma discussão sobre a ética na gestão pública. A partir de uma perspectiva freireana, entender que o processo de democratização se torna muito limitado, ou não chega a se concretizar de fato, sem a consideração de um referencial ético na prática política. No terceiro capítulo, Democracia: um conceito em disputa e em construção, numa perspectiva histórica, apresentam-se as características de dois paradigmas de democracia: a democracia representativa minimalista e a democracia participativa. Além de algumas referências teóricas sobre as duas matrizes de democracia, aponta-se para o movimento de resistência e inovação que vem se produzindo para aproximar o comportamento cidadão da ação política e expandir a cultura participacionista. No quarto capítulo, Políticas públicas e gestão educacional no Estado neoliberal, são analisadas algumas categorias como descentralização e participação, que orientam e explicam o processo de gerenciamento implantado nas políticas públicas a partir dos anos de A intenção é analisar como esses conceitos, que fazem parte do ideário da democracia e das lutas dos movimentos populares, podem ser transvestidos e apropriados estrategicamente pelo Estado neoliberal. No mesmo capítulo, são discutidos processos de implantação e implementação dos conselhos e, mais especificamente, enfatizo as contradições e os limites de ação política dos conselhos municipais de educação para se produzir o contro- 12 práticas e perspectivas de democracia na gestão educacional

13 le social sobre o Estado numa perspectiva de democratização e de garantia do direito à participação e à educação, conforme previsto na própria Constituição Federal. No quinto capítulo, Conselhos de educação: concepções e funções, são apresentadas as prescrições legais sobre a implantação dos conselhos e as tendências de concepções sobre os conselhos. No mesmo capítulo, são discutidas suas funções no contexto da democratização do Estado brasileiro. No sexto capítulo, Indicadores para a avaliação das práticas democráticas nas relações entre Estado e sociedade civil, será feita uma análise crítica dos processos de participação e da cultura política que perpassam as relações entre Estado e sociedade civil, tendo como perspectiva as práticas da democracia participativa. O foco de análise serão os mecanismos institucionalizados, especialmente os conselhos, que viabilizam a experiência da gestão educacional democrática. Nesse capítulo, ainda apresenta-se a metodologia da construção de indicadores de participação, um instrumento que utiliza de critérios quantitativos para avaliar o grau de participação que acontece na gestão municipal mediada pelos conselhos. Também é feita uma análise crítica sobre o papel que os conselhos têm desempenhado no contexto da gestão municipal da educação. São tecidas algumas considerações sobre os limites e as potencialidades que esses mecanismos institucionalizados de participação possuem para a construção da democratização do sistema político brasileiro. Introdução 13

princípios jurídicos e éticos em Tomás de Aquino

princípios jurídicos e éticos em Tomás de Aquino princípios jurídicos e éticos em Tomás de Aquino Coleção FILOSOFIA DO DIREITO Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves / Claudiano Avelino dos Santos Introdução crítica ao direito: Em busca do equilíbrio

Leia mais

Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas

Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas Apoio Pedagógico Memória, cultura e literatura O prazer de ler e recriar o mundo, Elias José Preservando

Leia mais

A função do ensino e A formação do professor universitário

A função do ensino e A formação do professor universitário A função do ensino e A formação do professor universitário Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria Célia

Leia mais

como fazer um planejamento pastoral

como fazer um planejamento pastoral josé carlos pereira como fazer um planejamento pastoral paroquial e diocesano Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão: Iranildo Bezerra Lopes

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

Escritos sobre educação

Escritos sobre educação Escritos sobre educação Coleção PEDAGOGIA E EDUCAÇÃO O jornal como proposta pedagógica, Joana Cavalcanti Ação psicopedagógica na sala de aula uma questão de inclusão, Márcia Ferreira Como fazer educação

Leia mais

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Kaefer, José Ademar A Bíblia, a arqueologia e a história

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Antonio Manzatto J. Décio Passos José Flávio Monnerat. a força dos pequenos. teologia do Espírito Santo

Antonio Manzatto J. Décio Passos José Flávio Monnerat. a força dos pequenos. teologia do Espírito Santo Antonio Manzatto J. Décio Passos José Flávio Monnerat a força dos pequenos teologia do Espírito Santo Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão:

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Coleção Liturgia e Música Coordenação editorial: Frei Joaquim Fonseca, OFM

Coleção Liturgia e Música Coordenação editorial: Frei Joaquim Fonseca, OFM INTRODUÇÃO ao canto gregoriano Coleção Liturgia e Música Coordenação editorial: Frei Joaquim Fonseca, OFM 1. Cantando a missa e o ofício divino, Joaquim Fonseca, OFM 2. Música brasileira na liturgia (vol.

Leia mais

Nos passos de santa teresinha do menino jesus

Nos passos de santa teresinha do menino jesus Nos passos de santa teresinha do menino jesus Coleção Nos passos dos SANTOS Nos passos de Santo Antônio, Luiz Alexandre Solano Rossi Nos passos de Santa Rita de Cássia, Luiz Alexandre Solano Rossi Nos

Leia mais

UMA HISTÓRIA CULTURAL DE ISRAEL

UMA HISTÓRIA CULTURAL DE ISRAEL UMA HISTÓRIA CULTURAL DE ISRAEL Coleção Palimpsesto Coordenação editorial: Prof. Dr. Paulo Nogueira O caminho do Cordeiro: representação e construção de identidade no Apocalipse de João, Valtair Afonso

Leia mais

Só Deus é bom! do jovem rico

Só Deus é bom! do jovem rico Só Deus é bom! As memórias do jovem rico Carlos Mesters Só Deus é bom! As memórias do jovem rico Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão:

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

jesus e a logoterapia

jesus e a logoterapia jesus e a logoterapia Coleção Logoterapia Logoterapia & Educação: Fundamentos e prática, Thiago Antonio Avellar de Aquino / Bruno F. Damásio / Joilson P. da Silva (orgs.) A vontade de sentido: Fundamentos

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

O IMAGINÁRIO DA CRIANÇA DENTRO DE NÓS. Através da literatura e da arteterapia

O IMAGINÁRIO DA CRIANÇA DENTRO DE NÓS. Através da literatura e da arteterapia O IMAGINÁRIO DA CRIANÇA DENTRO DE NÓS Através da literatura e da arteterapia Coleção PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO Crescer como pessoa, Serafín R. González O imaginário da criança dentro de nós: através da literatura

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

FORMAção de PROFESSORES desafios históricos, políticos e práticos

FORMAção de PROFESSORES desafios históricos, políticos e práticos FORMAção de PROFESSORES desafios históricos, políticos e práticos Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio /

Leia mais

A força restauradora da mística

A força restauradora da mística A força restauradora da mística Coleção Adoração Na presença de Jesus Eucarístico, Pe. Fábio Gleiser Vieira Silva Um dia de retiro espiritual - vol. 1 Orientações práticas, Víctor Manuel Fernández Um dia

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

MÉTODOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA USANDO ESCRITA, VÍDEO E INTERNET

MÉTODOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA USANDO ESCRITA, VÍDEO E INTERNET MÉTODOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA USANDO ESCRITA, VÍDEO E INTERNET série educação matemática Conselho Editorial Arlete de Jesus Brito Departamento de Educação, Unesp/Rio Claro Dione Lucchesi de

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

MÚSICA, EDUCAÇÃO E PROJETOS SOCIAIS

MÚSICA, EDUCAÇÃO E PROJETOS SOCIAIS MÚSICA, EDUCAÇÃO E PROJETOS SOCIAIS dos autores 1ª edição 2014 Direitos reservados desta edição: Tomo Editorial Ltda. A Tomo Editorial publica de acordo com suas linhas e conselho editoriais que podem

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

COLEGIADO GESTOR COMO DISPOSITIVO DE COGESTÃO. Aline Costa coaline18@gmail.com

COLEGIADO GESTOR COMO DISPOSITIVO DE COGESTÃO. Aline Costa coaline18@gmail.com COLEGIADO GESTOR COMO DISPOSITIVO DE COGESTÃO Aline Costa coaline18@gmail.com GESTÃO E COGESTÃO *GESTÃO: campo de ação humana que visa à coordenação, articulação e interação de recursos e trabalho humano

Leia mais

maria, jesus e paulo com as mulheres textos, interpretações e história

maria, jesus e paulo com as mulheres textos, interpretações e história maria, jesus e paulo com as mulheres textos, interpretações e história Ivoni Richter Reimer maria, jesus e paulo com as mulheres textos, interpretações e história Direção editorial: Claudiano Avelino dos

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

UNCME RS FALANDO DE PME 2015

UNCME RS FALANDO DE PME 2015 UNCME RS FALANDO DE PME 2015 DIRETORIA UNCME-RS VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO CONTATOS: Site: www.uncmers E-MAIL: uncmers@gmail.com.br

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 /(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 CONSELHO EDITORIAL Luiz Percival Leme Britto (Universidade Federal do Oeste do Pará) Diógenes Buenos Aires de Carvalho (Universidade Estadual do

Leia mais

CONCEITO DE ASSISTÊNCIA E ASSISTENCIALISMO

CONCEITO DE ASSISTÊNCIA E ASSISTENCIALISMO CONCEITO DE ASSISTÊNCIA E ASSISTENCIALISMO Solange Silva dos Santos Fidelis 1 Este trabalho foi elaborado no ano de 2004 como parte do trabalho de conclusão do curso de serviço social da Unioeste Campus

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos.

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos. PESQUISA SOBRE ARTIGOS ACERCA DA TEMÁTICA MOVIMENTOS SOCIAIS, MOBILIZAÇÃO SOCIAL E/OU PARTICIPAÇÃO POLÍTICA PUBLICADOS NA REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE ENTRE 1994 E 2011 (EDIÇÕES 45 A 108) Autor:

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA

EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS-CON- SUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS NOSSO

Leia mais

GESTÃO SOCIAL NA LÓGICA DA SOCIEDADE CIVIL. Profa. Sandra Silveira

GESTÃO SOCIAL NA LÓGICA DA SOCIEDADE CIVIL. Profa. Sandra Silveira GESTÃO SOCIAL NA LÓGICA DA SOCIEDADE CIVIL Profa. Sandra Silveira Conceitos - chaves Sociedade Civil Para Gramsc (1978), é constituída pelo conjunto de organizações responsáveis pela elaboração/difusão

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO VINICIUS SANTOS FERNANDES 1 Atualmente, a universidade brasileira tem sido

Leia mais

Agenda Estratégica Síntese das discussões ocorridas no âmbito da Câmara Técnica de Ensino e Informação

Agenda Estratégica Síntese das discussões ocorridas no âmbito da Câmara Técnica de Ensino e Informação Agenda Estratégica Síntese das discussões ocorridas no âmbito da Câmara Técnica de Ensino e Informação Ao largo do segundo semestre de 2014 e início de 2015, a CTEI debruçou-se sobre o Termo de Referência

Leia mais

EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO

EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO DOm Benedito Beni dos Santos EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO Comentário à EVANGELII GAUDIUM Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas 7 8 9 Dia a dia 10 com o Evangelho 2016 11 12 Texto e comentário Ano C São Lucas 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola *

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Dorotéia Baduy Pires** O que seria de uma orquestra, se cada músico tocasse o que quisesse? Se não houvesse disciplina?

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais