Qualidade da Imagem e Dose Órgão em Exames Radiográficos Digitais de Tórax de Pacientes Adultos em Pato Branco, PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade da Imagem e Dose Órgão em Exames Radiográficos Digitais de Tórax de Pacientes Adultos em Pato Branco, PR"

Transcrição

1 Qualidade da Imagem e Dose Órgão em Exames Radiográficos Digitais de Tórax de Pacientes Adultos em Pato Branco, PR Neuri A. Lunelli 1,2, Marcos Ely A. Andrade 1, Luiz Felipe A. Lima 1, Lisane Tonet 3, Helen J. Khoury 1, Richard Kramer 1 1 Departamento de Energia Nuclear, Universidade Federal de Pernambuco, Recife-PE , Brasil 2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco-PR , Brasil 3 Policlínica Pato Branco, Pato Branco-PR , Brasil Resumo. Este estudo foi realizado com exames de tórax PA de pacientes adultos realizados com equipamento CR em uma clínica de Pato Branco-PR. Os valores de K a,e foram estimados a partir dos parâmetros de irradiação e do rendimento do tubo de raios X. As doses absorvidas em órgãos e tecidos dos pacientes e os riscos efetivos de incidência de câncer foram estimados utilizando-se o programa CALDose_X-3.5. A qualidade da imagem foi avaliada com base nos critérios estabelecidos pela Comunidade Europeia. O terceiro quartil do K a,e estimado foi de 0,170 mgy, inferior ao nível de referência estabelecido pelo Ministério da Saúde. Os órgãos que apresentaram as maiores doses absorvidas foram: pulmão (36±16 µgy), rins (25±14 µgy) e baço (23,2±9,5 µgy). O risco de incidência de câncer foi de 0,098±0,051 casos por pessoas expostas. Todas as imagens avaliadas obtiveram conformidade superior a 85% dos critérios de qualidade europeus. 1 Introdução A substituição de sistemas analógicos por sistemas de imagem digital nas clínicas de radiologia tem crescido nos últimos anos. O sistema de radiografia computadorizada (computed radiography CR) tem sido bastante empregado devido à compatibilidade com os equipamentos de raios X já existentes e com vantagens da flexibilidade da manipulação digital da imagem e do seu armazenamento. Esta mudança nem sempre é acompanhada de um programa de otimização. A portaria 453/98 do Ministério da Saúde [1] estabelece níveis de referência de dose na entrada da pele para exames radiográficos. Porém, estes níveis de referência são relativos apenas aos sistemas convencionais tela-filme. Ainda não existem níveis de referência nacionais para os sistemas digitais. Portanto, torna-se importante a realização de estudos para a avaliação da qualidade da imagem e da dose de radiação

2 recebida pelo paciente de modo a se poder avaliar a vantagem e/ou desvantagem na implementação destas novas tecnologias digitais e dos riscos dos pacientes submetidos a estes procedimentos radiográficos [2]. Este trabalho busca avaliar a qualidade da imagem de radiografias digitais de tórax de pacientes adultos realizadas em um hospital da cidade de Pato Branco, além de estimar o valor do kerma no ar na superfície de entrada e as doses absorvidas em diversos órgãos dos pacientes. 2 Materiais e Métodos Este estudo foi realizado em uma clínica radiográfica da cidade de Pato Branco, PR, com um equipamento convencional de raios X (CGR-Philips 750 MA), instalado em 1977 e com recente mudança na aquisição de imagens, com transformação do sistema tela-filme para CR (AGFA, cassete MD4-0). Foram avaliados exames de tórax póstero-anterior (PA) de 25 pacientes adultos. Para estimar os valores de kerma no ar na superfície de entrada (K a,e ) e as doses absorvidas médias em órgãos e tecidos, foram registrados os seguintes parâmetros de irradiação e dados dos pacientes: idade, gênero, tensão (kvp), carga (mas), distância foco-pele e foco-chassi, tamanho do chassi. Os valores de K a,e foram estimados utilizando o rendimento do tubo de raios X (mgy/mas a 1 metro), calculado a partir do kerma no ar obtido utilizando um medidor não invasivo PTW Diavolt Universal (calibrado pelo Laboratório de Metrologia das Radiações Ionizantes LMRI- DEN/UFPE), para 5 faixas de tensão. Os parâmetros de rendimento, dados do paciente e de irradiação foram inseridos no programa CALDose_X 3.5, que utiliza os fantomas voxel MAX06 e FAX06 [3] para estimar as doses absorvidas médias em órgãos e tecidos radiossensíveis dos pacientes. O programa também calcula os riscos de incidência e mortalidade de câncer induzido por radiação a partir do risco efetivo (R), definido por Brenner [4]. Esta grandeza é calculada a partir da seguinte equação: R r H T T T onde H T é a dose equivalente no órgão ou tecido T e r T é o risco de redução do tempo de vida por câncer específico de tecido atribuível à radiação (por unidade de dose equivalente ao tecido T). Os valores de r T são fornecidos pelo relatório número VII sobre Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante (Biological Effects of Ionizing Radiation BEIR) [5]. Esta grandeza é expressa em número de casos por pessoas expostas, o que a torna mais fácil de ser interpretada, em comparação com a dose efetiva, que é expressa em Sv. Paralelamente à estimativa das doses, foi feita a análise da qualidade das imagens adotando como modelo os Critérios de Imagem da Comunidade Europeia [6]. Estes critérios são definidos acerca da visualização e identificação de detalhes anatômicos, como mostra a Tabela 1.

3 Tabela 1 Critérios de imagem para exames radiográficos de tórax na projeção PA/AP. 1 Exame realizado em aspiração máxima, salvo quando suspeita de corpo estranho 2 Visualização do tórax sem rotação, nem inclinação 3 Visualização do tórax desde os ápices pulmonares até D12/L1 4 Visualização do padrão vascular em 2/3 dos pulmões 5 Visualização da traquéia e dos brônquios próximos 6 Visualização nítida do diafragma e dos ângulos costofrênicos 7 Visualização das estruturas vertebrais e para-vertebrais 8 Visualização do pulmão retrocardiáco e do mediastino 3 Resultados e discussões Os 25 pacientes pesquisados foram escolhidos aleatoriamente entre uma faixa de massa de 65 a 75 kg e alturas entre 1,60 e 1,75 m, sem distinção de gênero. A distribuição destes pacientes, de acordo com suas idades se encontra na Fig. 1. Fig. 1 Distribuição das idades dos pacientes. A Tabela 2 mostra os valores médios, mínimos e máximos de tensão, carga e distância foco-paciente. Nos exames avaliados, os valores de tensão do tubo variaram entre 74 e 92 kv. Estes valores são inferiores ao recomendado pela Comunidade Europeia (125 kv). A Comunidade Européia recomenda que as distâncias foco-chassi fiquem entre 140 e 200 cm. Os valores praticados nos exames avaliados estão de acordo com o intervalo recomendado.

4 Tabela 2 Parâmetros de irradiação. Parâmetro Média Mínimo Máximo Tensão (kv) 78, Carga (mas) 18, Distância Foco-Paciente (cm) 152, A distribuição do K a,e estimado para estes pacientes está representado na Fig. 2. O valor médio de K a,e estimado foi de 0,137±0,040 mgy. O terceiro quartil desta amostra foi de 0,170 mgy, valor inferior ao nível de referência estabelecido pela portaria 453/98 do Ministério da Saúde (0,4 mgy) [1] e pela Comunidade Europeia (0,3 mgy) [6]. É importante destacar que estes valores se referem a equipamentos que utilizam sistema tela-filme. Fig. 2 Distribuição dos valores de K a,e Entre os órgãos radiossensíveis, os que apresentaram as maiores doses absorvidas foram: pulmão (36±16 µgy), rins (25±14 µgy), baço (23,2±9,5 µgy), fígado (19,2±9,1 µgy), esôfago (18,4±7,5 µgy) e pâncreas (13,2±7,5 µgy). Os valores médios ( ), o primeiro quartil e o terceiro quartil (representados pela caixa) e valores extremos (*) estão representados na Fig. 3. Os riscos de incidência e mortalidade de câncer foram, respectivamente, de 0,098±0,051 e 0,079±0,042 casos por pessoas expostas. Não foram encontrados trabalhos com valores de risco efetivo de exames de tórax para comparação, o que já era esperado, visto que o risco efetivo é uma grandeza relativamente nova [4].

5 Órgãos Figura 3 Distribuição das doses absorvidas em órgãos relevantes. A qualidade de imagem, avaliada por um médico radiologista, seguindo os critérios descritos na Tabela 1, mostrou que apenas os critérios 5 e 6 não foram identificados em 100% dos pacientes. No entanto, estes dois critérios tiveram visualização em 96% e 92% dos pacientes, respectivamente. Apesar dos valores de tensão praticados serem inferiores aos recomendados, todas as imagens avaliadas obtiveram conformidade superior a 85% dos critérios de qualidade europeus. 4 Conclusão Este trabalho mostra um bom padrão de qualidade para exames de tórax neste hospital e com doses baixas, apesar do valor de tensão estar abaixo do recomendado. O fator limitante neste exame é a qualidade da imagem e a manipulação da imagem digital pelo radiologista no momento do laudo permite uma maior flexibilidade na aceitação desta imagem, reduzindo assim a possível repetição do exame. No entanto, existe a necessidade de um acompanhamento mais amplo nestes exames buscando sempre a melhoria dos serviços radiológicos e otimização da prática radiológica. Referências 1. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Sanitária. Diretrizes de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico. Portaria 453/98, de 1/6/1998. Brasília: Diário Oficial da União 103, 2/6/1998.

6 2.Bacher, K., Smeets, P., Bonnarens, K., Hauwere, A. D., Verstraete, K., Thierens, H. Dose Reduction in Patients Undergoing Chest Imaging: Digital Amorphous Silicon Flat-Panel Detector Radiography Versus Conventional Film-Screen Radiography and Phosphor-Based Computed Radiography. AJR (2003). 3. Kramer, R., Khoury, H. J., Vieira, J. W. CALDose X: a software tool for the assessment of organ and tissue absorbed doses, effective dose and cancer risks in diagnostic radiology. Phys Med Biol (2008). 4 Brenner, D. J. Effective dose: a flawed concept that could and should be replaced. The British Journal of Radiology (2008), p NRC. Health Risks from Exposure to Low Levels of ionizing Radiation. Biological Effects of Ionizing Radiation (BEIR) VII, phase 2, Committee to Assess Health Risks from Exposure to Low Levels of Ionizing Radiation, National Research Council (NRC) of the National Academies. Washington DC: The National Academies Press (2006). 6. Commission of European Communities. European guidelines on quality criteria for diagnostic radiographic images. Report EUR 16260EN. Bruxelas: European Communities/Union (1996 ).

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 APLICAÇÃO DO

Leia mais

Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná

Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná Lorena E. Porto 1 ; Hugo R. Schelin 1,2 ; Amanda C. Dos Santos 1 ; Ana Paula Bunick 1 ; Sergei Paschuk 1 ;

Leia mais

Influência do uso de técnicas de alto kv e baixo mas na dose em pacientes submetidos a exames de raios X de tórax

Influência do uso de técnicas de alto kv e baixo mas na dose em pacientes submetidos a exames de raios X de tórax Influência do uso de técnicas de alto kv e baixo mas na dose em pacientes submetidos a exames de raios X de tórax Paulo Márcio Campos de Oliveira 1, Peterson Lima Squair 2, Marco Aurélio de Sousa Lacerda

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

Fantomas adultos em função da massa corporal, da altura e da postura usando estatísticas antropométricas Caucasianas

Fantomas adultos em função da massa corporal, da altura e da postura usando estatísticas antropométricas Caucasianas Fantomas adultos em função da massa corporal, da altura e da postura usando estatísticas antropométricas Caucasianas Richard Kramer 1, Vagner Ferreira Cassola 1, Felix Mas Milian 2, Carlos Alberto Brayner

Leia mais

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Otimização da Análise e Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Autores: Maria Lucia Nana Ebisawa Irita Dra. Maria de Fátima Magon Prof. Dra. Yvone Mascarenhas

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA Rosangela da Silveira CORRÊA, Ruffo FREITAS-JÚNIOR, João Emílio PEIXOTO, Maria Eugênia da Fonseca LEMOS, Rosemar Macedo de Sousa RAHAL Programa de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional

Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 02-02 (2014) 01-16 Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional Alejandro H. L. Gonzales

Leia mais

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES XX (XXXX) XX-XX Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada E. W. Martins; M. P. A. Potiens Gerência

Leia mais

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Alexandre Bacelar 1, José Rodrigo Mendes Andrade 2, Andréia Caroline Fischer

Leia mais

Dosimetria de pacientes pediátricos submetidos a exames radiológicos de seios da face

Dosimetria de pacientes pediátricos submetidos a exames radiológicos de seios da face X Congreso Regional Latinoamericano IRPA de Protección y Seguridad Radiológica Radioprotección: Nuevos Desafíos para un Mundo en Evolución Buenos Aires, 12 al 17 de abril, 2015 SOCIEDAD ARGENTINA DE RADIOPROTECCIÓN

Leia mais

O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis

O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis As grades anti-dispersão aprimoram qualidade da imagem

Leia mais

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA

Leia mais

Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos

Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos Introdução A criação de imagens radiográficas dos pacientes pediátricos apresenta vários desafios únicos comparativamente à

Leia mais

CALDose_X online: Cálculos de Monte Carlo em tempo real via Internet para dosimetria em radiodiagnóstico

CALDose_X online: Cálculos de Monte Carlo em tempo real via Internet para dosimetria em radiodiagnóstico CALDose_X online: Cálculos de Monte Carlo em tempo real via Internet para dosimetria em radiodiagnóstico Richard Kramer 1, Arthur Cavalcanti 2, Vagner Ferreira Cassola 1, Rafael Dueire Lins 2, Carlos Alberto

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

Daros, K A C e Medeiros, R B

Daros, K A C e Medeiros, R B 1 ESTUDO DAS FONTES DE RUÍDO DA IMAGEM PARA FINS DE OTIMIZAÇÃO DAS DOSES NA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO E ABDOME ADULTO Daros, K A C e Medeiros, R B Universidade Federal de São Paulo São Paulo

Leia mais

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear A Ruzzarin 1,AM Xavier 2, A Iwahara 1, L Tauhata 1 1 Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes/Instituto

Leia mais

+O O ESTADO DA ARTE NA RADIOLOGIA NO SÉC. XXI

+O O ESTADO DA ARTE NA RADIOLOGIA NO SÉC. XXI + V JORNADAS DE RADIOLOGIA +O O ESTADO DA ARTE NA RADIOLOGIA NO SÉC. XXI 21-10-2011 Joana Santos + Introdução A evolução tecnológica na Radiologia tem sido exponencial; Faz parte do Perfil Profissional

Leia mais

Dose absorvida e efetiva em mulheres submetidas a exames de PET-CT para diagnóstico oncológico

Dose absorvida e efetiva em mulheres submetidas a exames de PET-CT para diagnóstico oncológico Dose absorvida e efetiva em mulheres submetidas a exames de PE-C para diagnóstico oncológico Priscila do Carmo Santana 1, Paulo Márcio Campos de Oliveira 1,2, Arnaldo Prata Mourão Filho 3, Felipe Dias

Leia mais

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 1 PRINCÍPIOS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Radiação pode ser definida como a energia que vem de uma fonte e viaja através do vácuo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

Riscos Ocupacionais e do Público Durante Exames Radiológicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de um Hospital Público de Sergipe

Riscos Ocupacionais e do Público Durante Exames Radiológicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de um Hospital Público de Sergipe SCIENTIA PLENA VOL. 5, NUM. 11 2009 www.scientiaplena.org.br Riscos Ocupacionais e do Público Durante Exames Radiológicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de um Hospital Público de Sergipe W.S.

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

Individualização das técnicas radiográficas em radiologia computadorizada.

Individualização das técnicas radiográficas em radiologia computadorizada. BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES XX (XXXX) XX-XX Individualização das técnicas radiográficas em radiologia computadorizada. M.E.S. Abrantes a,b ; W. F. Felix c ; G. A. P. de Oliveira d ; L.

Leia mais

F ATORES DE PONDERAÇÃO PARA AS GRANDEZAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

F ATORES DE PONDERAÇÃO PARA AS GRANDEZAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/002:2011 F ATORES DE PONDERAÇÃO PARA AS GRANDEZAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se aos requisitos da Norma CNEN

Leia mais

As vantagens da imagiologia volumétrica de feixe cónico em exames ortopédicos das extremidades

As vantagens da imagiologia volumétrica de feixe cónico em exames ortopédicos das extremidades As vantagens da imagiologia volumétrica de feixe cónico em exames ortopédicos das extremidades Imagiologia em tomografia computadorizada de feixe cónico para extremidades A tomografia computadorizada de

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Artigo Original Ros RA, Caldas LVE CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Renato Assenci Ros 1, Linda V.E. Caldas 1 Resumo Abstract Este

Leia mais

William S. Santos 1, Lucio P. Neves 1, Ana P. Perini 1, Linda V.E. Caldas 1 and Ana F. Maia 2

William S. Santos 1, Lucio P. Neves 1, Ana P. Perini 1, Linda V.E. Caldas 1 and Ana F. Maia 2 International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR CÁLCULO DE COEFICIENTES DE CONVERSÃO DE RISCO DE CÂNCER PARA EXPOSIÇÕES

Leia mais

Prof. Magno Cavalheiro www.imagemradiologica.webnode.com. Facebook.com/imagemradiologica

Prof. Magno Cavalheiro www.imagemradiologica.webnode.com. Facebook.com/imagemradiologica Faria. Imaginologista técnico em radiologia médica; Cursando tecnólogo em Radiologia (Universidade do Grande Rio) Pres. Diretório Acadêmico de Radiologia (Universidade do Grande Rio) Especializado em Tomografia

Leia mais

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR O USO DO PROTETOR

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

Otimização da Implementação de Modelos NURBS-3D em Simulações Dosimétricas na Física Médica

Otimização da Implementação de Modelos NURBS-3D em Simulações Dosimétricas na Física Médica UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ Centro de Pesquisas em CIÊNCIAS e TECNOLOGIAS das RADIAÇÕES- CPqCTR Otimização da Implementação de Modelos NURBS-3D em Simulações Dosimétricas na Física Médica Vivaldo

Leia mais

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho Aluno : Aristófanes Corrêa Silva Professor : Paulo Cezar Carvalho Setembro/2001 Tópicos 1ª Fase Projeto VISMED Estimativa de Volume Pulmonar 2ª Fase Aquisição da Imagem Tomografia computadorizada Dicom

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DOSE E DA IMAGEM RADIOGRÁFICA DIGITAL DE TÓRAX USANDO MODELAGEM COMPUTACIONAL. Samanda Cristine Arruda Correa

OTIMIZAÇÃO DA DOSE E DA IMAGEM RADIOGRÁFICA DIGITAL DE TÓRAX USANDO MODELAGEM COMPUTACIONAL. Samanda Cristine Arruda Correa COPPE/UFRJ OTIMIZAÇÃO DA DOSE E DA IMAGEM RADIOGRÁFICA DIGITAL DE TÓRAX USANDO MODELAGEM COMPUTACIONAL Samanda Cristine Arruda Correa Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia

Leia mais

BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 03-1A (2015) 01-11

BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 03-1A (2015) 01-11 BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 03-1A (2015) 01-11 Cálculo de coeficientes de conversão de risco de câncer para exposições médicas e ocupacionais usando simulação de Monte Carlo em procedimentos

Leia mais

O radiodiagnóstico na saúde pública

O radiodiagnóstico na saúde pública O radiodiagnóstico na saúde pública Marcus Vinícius Teixeira Navarro SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NAVARRO, MVT. O radiodiagnóstico na saúde pública. In: Risco, radiodiagnóstico e vigilância

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI PROJETO REVELAÇÃO DE IMAGEM DIAGNÓSTICA DIGITALIZADA ECIMARA DOS SANTOS SILVA Email: e.santos@hospitalnardini.org.br Telefone: (11) 4547-6906 Cel. (11) 98697-6908

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL XX CONGRESSO BRASILEIRO DE FÍSICA MÉDICA SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM MEDICINA OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

Leia mais

Estrutura do Curso...

Estrutura do Curso... Radiologia Digital Aula 2 Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Estrutura do Curso... 1. Introdução à Radiologia Digital 2. A imagem digital e etapas de PDI 3. Equipamento - Detectores

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação.

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDENTE DA FUNDACENTRO Humberto Carlos

Leia mais

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO:

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: RELATOR: Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Norma da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, que normatiza e preconiza a obrigatoriedade de

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X JEFERSON MIGUEL LEITE CASTILHO Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO Docente Esp.

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES DOSIMETRIA E ASPECTOS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM EXAMES RADIOGRÁFICOS

Leia mais

Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens

Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens Márcio Bottaro Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Laboratório de Desempenho e Segurança de Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos envolvidos:

Leia mais

Desenvolvimento de Modelos Antropomórficos Patológicos Usando Técnicas de Modelagem 3D para Dosimetria Numérica

Desenvolvimento de Modelos Antropomórficos Patológicos Usando Técnicas de Modelagem 3D para Dosimetria Numérica Desenvolvimento de Modelos Antropomórficos Patológicos Usando Técnicas de Modelagem 3D para Dosimetria Numérica Kleber Souza Silva Costa 1, Antonio Konrado de Santana Barbosa 2, Fernando Roberto de Andrade

Leia mais

O software EVP Plus fornece o processamento mais recente de imagens para os sistemas CR e DR

O software EVP Plus fornece o processamento mais recente de imagens para os sistemas CR e DR O software EVP Plus fornece o processamento mais recente de imagens para os sistemas CR e DR Introdução Os técnicos de radiografia esperam um grau alto de automação e eficiência na tecnologia que eles

Leia mais

SOLUÇÃO FLEXÍVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 300

SOLUÇÃO FLEXÍVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 300 SOLUÇÃO FLEXÍVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 300 O sistema de Radiografia Digital Direta (DR) DX-D 300 agrega qualidade de imagem excelente à conveniência completa. Oferece tecnologia superior,

Leia mais

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX SCOUT Posição do paciente: paciente em DDH, com a cabeça para o gantry e os MMSS, elevados acima da cabeça. Radiografia digital em AP. Técnica: 100

Leia mais

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico III Congresso Nacional dos Profissionais das Técnicas Radiológicas Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial NR 07-PCMSO-Quadro II-Parâmetros para Monitorização PORTARIA SIT nº 223/2011-DOU:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Helder C. R. de Oliveira N.USP: 7122065 SEL 5705: Fundamentos Físicos dos Processos de Formação de Imagens Médicas Prof. Dr. Homero Schiabel Sumário História; Funcionamento e

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108, Volume 5, janeiro a junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Didática Sistêmica

Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108, Volume 5, janeiro a junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Didática Sistêmica FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Revista Didática Sistêmica TRIMESTRAL ISSN: 1809-3108 Volume 5, janeiro a junho de 2007 O QUE FAZ UM FÍSICO NO HOSPITAL? Fátima Hernandes Rodrigues 1 RESUMO:

Leia mais

Humanização em radiologia pediátrica

Humanização em radiologia pediátrica Humanização em radiologia pediátrica TATIANA FAZECAS CHEFE DO SERVIÇO DE IMAGEM DO HOSPITAL MUNICIPAL JESUS MEMBRO DA SOCIEDADE LATINO AMERICANA DE RADIOLOGIA PEDIÁTRICA - SLARP CDPI CRIANÇA HOSPITAL PASTEUR

Leia mais

VistaScan Combi View Eficiência com precisão

VistaScan Combi View Eficiência com precisão VistaScan Combi View Eficiência com precisão O novo digitalizador de placas de fósforo com tela touch screen para todos os formatos Ar comprimido Aspiração Imagiologia Tratamento Higiene Placas de fósforo

Leia mais

OBTENÇÃO DE RADIOGRAFIAS DIGITAIS SINTÉTICAS UTILIZANDO MODELOS COMPUTACIONAIS DE EXPOSIÇÃO DO TIPO FANTOMAS E VOXELS / EGS4

OBTENÇÃO DE RADIOGRAFIAS DIGITAIS SINTÉTICAS UTILIZANDO MODELOS COMPUTACIONAIS DE EXPOSIÇÃO DO TIPO FANTOMAS E VOXELS / EGS4 OBTENÇÃO DE RADIOGRAFIAS DIGITAIS SINTÉTICAS UTILIZANDO MODELOS COMPUTACIONAIS DE EXPOSIÇÃO DO TIPO FANTOMAS E VOXELS / EGS4 Roberto COSTA (1); José VIEIRA (2) ; Fernando LIMA (3) (1) Departamento de Energia

Leia mais

Otimização da imagem em Tomografia Computorizada no exame de Tórax

Otimização da imagem em Tomografia Computorizada no exame de Tórax INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA Otimização da imagem em Tomografia Computorizada no exame de Tórax Maria dos Anjos Pombo Batista dos Santos Orientadores:

Leia mais

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR 1. PRIMEIRO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: 1.1 Os serviços que desejarem obter a certificação da qualidade deverão

Leia mais

Profº. Emerson Siraqui

Profº. Emerson Siraqui RADIOLOGIA DIGITAL Profº. Emerson Siraqui Nome: Emerson Siraqui Formação Acadêmica: Graduação: Tecnólogo em Radiologia Médica-FASM Especialização: APRESENTAÇÃO Operacionalidade e Capacitação em aparelhos

Leia mais

Dosimetria e avaliação da qualidade da imagem em um sistema de radiografia direta *

Dosimetria e avaliação da qualidade da imagem em um sistema de radiografia direta * Artigo Original Oliveira BB et al. / Qualidade da imagem em um sistema de radiografia direta Dosimetria e avaliação da qualidade da imagem em um sistema de radiografia direta * Dosimetry and image quality

Leia mais

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Priscila do Carmo Santana 1,2,3, Danielle Soares Gomes 3, Marcio Alves Oliveira 3 e Maria do Socorro Nogueira 3

Leia mais

Avaliação Dosimétricas numa Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de uma Maternidade Pública do Estado de Sergipe

Avaliação Dosimétricas numa Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de uma Maternidade Pública do Estado de Sergipe Avaliação Dosimétricas numa Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de uma Maternidade Pública do Estado de Sergipe William S. Santos, Daniel M. Dias, João V. Batista, Ana F. Maia Departamento de Física,

Leia mais

Raio X e Tomografia Computadorizada

Raio X e Tomografia Computadorizada Raio X e Tomografia Computadorizada Processamento de Imagens e Sinais Biológicos Aluno: Diego Cordeiro Barboza Professora: Aura Conci 04/2010 Sumário Introdução Descoberta Geração Imagens com Raio X Tomografia

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX

CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX CMNE/CILAMCE 2007 Porto, 13 a 15 de Junho, 2007 APMTAC, Portugal 2007 CALIBRAÇÃO DE APARELHOS DE RAIO X EM IMAGENS DE TOMOGRAFIA DE CRÂNIO E TÓRAX Dário A.B. Oliveira 1 *, Marcelo P. Albuquerque 1, M.M.G

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Parecer de Aprovação MEC n 3.607, de 3 de dezembro de 2003 -D.O.U 4/12/2003 Diretora da Faculdade: Profª Vera Lucia

Leia mais

Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face

Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face Ana Caroline Mello 1, Vicente Machado Neto 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR, Programa

Leia mais

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com Antonio Carlos Moreira antonicmoreira@gmail.com 1 O Tecnólogo em Radiologia como integrante da equipe multiprofissional na Intervenção Cardiovascular. 2 Ministério do Trabalho e Emprego C.B.O.: 3241-20

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações Janeiro 2007 Digitalizador CR 30-X CR 30-X Digitalizador Alta qualidade de imagens Ampla gama de aplicações O CR 30-X é um digitalizador altamente versátil. Ele oferece uma solução ideal para qualquer

Leia mais

Dosímetros de Fibras Ópticas Florbela Rêgo Luís Peralta Mafalda Gomes Jornadas do L I P 2010 LABORATÓRIO DE INSTRUMENTAÇÃO E FÍSICA EXPERIMENTAL DE PARTÍCULAS Protótipo de Dosímetro de Fibra Óptica Cintilante

Leia mais

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CAMPUS DA SAÚDE PROF. JOÃO CARDOSO NASCIMENTO JÚNIOR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - UNIDADE DE IMAGENS E MÉTODOS GRÁFICOS TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES PROJETO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

Formação em Física Médica: Panorama Atual dos Cursos de Graduação e Perspectivas

Formação em Física Médica: Panorama Atual dos Cursos de Graduação e Perspectivas II ConFiMe II Congresso de Física Médica da Unicamp Formação em Física Médica: Panorama Atual dos Cursos de Graduação e Perspectivas Ricardo A. Terini Depto. de Física PUC-SP CONFIME 2010_ Formação em

Leia mais

Análise de laudos radiométricos em radiologia odontológica Analysis of radiation protection reports in dental radiology

Análise de laudos radiométricos em radiologia odontológica Analysis of radiation protection reports in dental radiology ORIGINAL ORIGINAL Análise de laudos radiométricos em radiologia odontológica Analysis of radiation protection reports in dental radiology Melquisedec Oliveira da SILVA¹ Alessandro Martins da COSTA² Thomaz

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

SOLUÇÃO MÓVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 100 COM DETECTOR SEM FIO

SOLUÇÃO MÓVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 100 COM DETECTOR SEM FIO SOLUÇÃO MÓVEL EM RADIOGRAFIA DIGITAL DIRETA DX-D 100 COM DETECTOR SEM FIO COM SUA EXCELENTE QUALIDADE DE IMAGEM E FLEXIBILIDADE NO MANUSEIO, O DX-D 100 MÓVEL COM DETECTOR SEM FIO OFERECE UM RÁPIDO PROCESSAMENTO

Leia mais

Elaboração de um Modelo de Referência para o Processo de Radiologia.

Elaboração de um Modelo de Referência para o Processo de Radiologia. Elaboração de um Modelo de Referência para o Processo de Radiologia. Autores: Maria Lucia Nana Ebisawa Irita Janaina Hornos da Costa, Rafael Souza Dra. Maria de Fátima Magon Prof. Dra. Yvone Mascarenhas

Leia mais

REQUISITOS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS. Madelon A. F. Zenóbio e Teógenes Augusto da Silva

REQUISITOS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS. Madelon A. F. Zenóbio e Teógenes Augusto da Silva REQUISITOS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS Madelon A. F. Zenóbio e Teógenes Augusto da Silva Centro de Desenvolvimento e Tecnologia Nuclear CDTN/CNEN Rua Prof. Mário Werneck s/n- caixa

Leia mais

Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010

Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010 Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010 Diário Oficial da União nº 133, de 14 de julho de 2010 (quarta-feira) Seção 1 Pág. 839/840 Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

Introdução à Radiologia

Introdução à Radiologia SUMÁRIO INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA Introdução à Radiologia Métodos de imagem: Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle (Raio X) Tomografia Computadorizada (TC) Ultrassonografia (US) Ressonância Magnética (RM)

Leia mais

Relatório da prática/proposta

Relatório da prática/proposta Relatório da prática/proposta 1.Nome da pratica/ proposta inovadora: Projeto de Digitalização de Imagens Radiológicas na Rede Pública de Saúde de Naviraí 2.Caracterização da situação anterior: O município

Leia mais

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com EMENTA Produção de Raios X : O Tubo de Raios X Sistema de geração de imagens por raios X Formação de Imagem radiográfica

Leia mais