ECOLOGIA GERAL ECOFISIOLOGIA, FATORES ECOLÓGICOS, RELAÇÕES ECOLÓGICAS, FATORES LIMITANTES E O AMBIENTE FÍSICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECOLOGIA GERAL ECOFISIOLOGIA, FATORES ECOLÓGICOS, RELAÇÕES ECOLÓGICAS, FATORES LIMITANTES E O AMBIENTE FÍSICO"

Transcrição

1 ECOLOGIA GERAL Aula 02 Aula de hoje: ECOFISIOLOGIA, FATORES ECOLÓGICOS, RELAÇÕES ECOLÓGICAS, FATORES LIMITANTES E O AMBIENTE FÍSICO Ecofisiologia (conceito) É o campo da Ecologia que estuda a influência que os fatores ambientais exercem sobre um organismo e seus processos fisiológicos, podendo aumentar e/ou reduzir seu desempenho/crescimento, etc. Exemplo: Larvas de Aedes aegypti se transformam (emergem) em adultos em média de seis dias a 18 o C. Larvas de Aedes aegypti se transformam (emergem) em adultos em média de dois dias a 25 o C. Plantas de eucalipto crescem em média 40 m 3 / hectare / ano quando há alta incidência de chuvas e calor. Plantas de eucalipto crescem em média 20 m 3 / hectare / ano quando há baixa incidência de chuvas e calor. Estudos clássicos na área de ecofisiologia são: Verificar de que maneira a variação dos fatores ambientais (temperatura, UR, precipitação, fotoperíodo) influencia o desempenho de um determinado organismo. Obs. Fatores ambientais podem até mesmo impossibilitar que determinado organismo ocorra em certos locais. Exemplo:

2 Plantio de café Arábica na região de Sinop. O café Arábica se adapta a a uma região com clima mais ameno (frio). Plantio de Teca na região da Zona da Mata de MG. A Teca se adapta a uma região com clima mais quente e chuvoso. O estudo da ecofisiologia é subdividido em dois grandes grupos: 1- Ecofisiologia vegetal Trata dos processos fisiológicos e das respostas vitais das plantas diante de mudanças que ocorrem no meio ambiente onde vivem. A importância desses estudos estão em desenvolver e absorver novas tecnologias para a produção de madeira, visando melhorar a qualidade e competitividade dos produtos de origem florestal. Para se obter árvores adequadas a diferentes fins e ambientes, é necessário entender melhor os processos fisiológicos envolvidos na sua adaptação às condições ecológicas, principalmente nos anos com déficit hídrico mais elevado. Exemplo bem sucedido do estudo da Ecofisiologia Vegetal Um plantio de eucalipto de semente produz em média 38 m 3 / hectare / ano de madeira. Um plantio de eucalipto clonal produz em média 70 m 3 / hectare / ano de madeira. A base do estudo de melhoramento genético em eucalipto é a adaptabilidade ao local. 2- Ecofisiologia Animal Refere-se ao estudo do estado ou modificação das funções fisiológicas dos animais mediante as características locais ou funções ecológicas nas quais estão inseridos.

3 1- Um exemplo bem sucedido são os programas de controle biológico de pragas agrícolas. Nesses estudos os pesquisadores visam encontrar as melhores condições ambientais para a maior produtividade de inimigos naturais. 2- Produção de gado e frangos para abate, através de estudos ecofisiológicos se sabe qual a melhor temperatura, UR, Fotoperíodo para se obter uma maior produtividade. Alguns dos Principais Fatores que são avaliados em estudos Ecofisiológicos. Temperatura dada em o C; o F e K Umidade Relativa do Ar (UR) dada em % de água suspensa no ar Precipitação Pluviométrica dada em mm de chuva Velocidade e Direção do Vento velocidade (km/h); direção (Norte Sul) Fotoperíodo - Intervalo de tempo decorrido entre o surgimento e o por do Sol. Também chamado de duração efetiva do dia. O fotoperíodo depende da latitude local e da inclinação do Sol na data considerada. Fotofase é a fase de claro de um ciclo claro/escuro; dia. Escotofase é a fase de escuro de um ciclo claro/escuro, noite. ph (potencial hidrogeniônico) - é um importante fator que pode determinar condições de sobrevivência ou não dos seres vivos.

4 FATORES ECOLÓGICOS Antes de iniciarmos a abordagem sobre fatores ecológicos, devemos deixar bem claro que, todo organismo está submetido no meio onde vive e seus agentes físicos; climáticos; edáficos (relacionados ao solo); químicos e bióticos. 1. Fator Ecológico (conceito) Pode ser definido como fator ecológico todo elemento ou condição do ambiente capaz de agir diretamente sobre os seres vivos, pelo menos em uma fase de seu ciclo vital Ações que os fatores ecológicos podem exercer sobre os seres vivos A influência que os fatores ecológicos exercem sobre os seres vivos pode proporcionar eventos como: * O processo de extinção e recolonização de certas espécies (influência direta na distribuição espacial e temporal); * Mudanças nas taxas de fecundidade, natalidade e mortalidade (o que pode influenciar diretamente na densidade das populações); * Favorecer o aparecimento de modificações adaptativas (quantitativas e qualitativas). Seleção natural ou até mesmo estratégias de sobrevivência como hibernação (redução da temperatura corporal e metabolismo do indivíduo, estado de sonolência, com em animais de clima frio), diapausa (interrupção do desenvolvimento de ovos e larvas de insetos dormência), estivação (como ocorre nos anuros e moluscos, é um tipo de proteção contra o secamento temporário dos habitats com a passagem para o estado de dormência ou quiescência sem perda da vitalidade) e outras.

5 1.2. Os fatores ecológicos podem ser classificados em: Fatores ecológicos bióticos; Fatores ecológicos abióticos Fatores ecológicos BIÓTICOS (conceito) Em ecologia são considerados como fatores bióticos todos aqueles que estão relacionados aos seres vivos e que se associam com outros de mesma espécie ou de espécie diferente para obter alimento, proteção, transporte e reproduzir. Resumindo, são relações que os seres vivos estabelecem entre si. Essas relações podem ser: INTRA ou INTER-ESPECÍFICA; HARMÔNICA ou DESARMÔNICA Fatores ecológicos ABIÓTICOS (conceito) Em ecologia entende-se por fatores abióticos como sendo todas as influências que os seres vivos possam receber em um ecossistema, derivadas de aspectos físicos, químicos ou físico-químicos do meio ambiente. Resumindo, são fatores do ambiente que influenciam os seres vivos. Ex: Temperatura, UR, Luminosidade, ph, etc Relações Ecológicas e Interações Entre as Espécies em caráter Biótico Sabemos que todos os seres vivos se relacionam com outros e essas relações podem ocorrer ao nível: Intraespecífico - ocorre entre indivíduos da mesma espécie; Interespecífico - ocorre entre indivíduos de espécies diferentes; Harmônico - nenhum dos organismos é prejudicado; Desarmônico - pelo menos um dos organismos é prejudicado.

6 2.1. Tipos de relações ecológicas do tipo Biótica a) Canibalismo é quando um animal mata e devora o outro. Com relação ao nível, o canibalismo pode ser considerado como tipo de relação INTRAESPECÍFICA E DESARMÔNICA. O comportamento canibal é de forma geral raro, porém sua ocorrência está relacionada e questões como: Falta de alimento Superpopulação o que gera competição por alimento; Deficiência nutricional (fonte de alimentação de baixa qualidade nutricional). Neste caso, o comportamento de canibalismo, se deve a busca por complementação alimentar. Aspectos relacionados ao processo reprodutivo (aranhas) Figura 1. A Canibalismo após o acasalamento. B Canibalismo por falta de alimento. b) Competição o conceito de competição está relacionado a luta por alimento, territorialidade, acasalamento. Com relação ao nível, a competição pode ser considerada como tipo de relação INTRA-ESPECÍFICA DESARMÔNICA ou INTERESPECÍFICA DESARMÔNICA

7 A competição é de forma geral um comportamento freqüentemente observado e está relacionado a questões como: Limitação da população (competição entre predadores e presas. Ex. cobras e ratos); Fatores de seleção natural (os menos adaptados são eliminados por seus competidores. a história do Bode dentuço); Figura 2. A - Competição devido a superpopulação. B Competição pela fêmea. C competição por territorialidade. c) Predativismo ou predação o conceito de predativismo está relacionado ao fato de que um animal mata outro de espécie diferente para se alimentar. Com relação ao nível, o predativismo pode ser considerado como tipo de relação INTERESPECÍFICA e DESARMÔNICA. O predativismo é de forma geral um comportamento freqüentemente observado e está relacionado a questões como: Equilíbrio da população de presas; Fator de seleção natural; É uma prática muito aplicada em programas de controle de pragas nos setores agrícolas e florestais.

8 Figura 3. A Leão predando uma zebra. B Percevejo predador importante para o controle de pragas. d) Parasitismo o conceito de parasitismo está relacionado ao fato de que um organismo vive às custas de outro, vindo a prejudicá-lo. Com relação ao nível, o parasitismo pode ser considerado como tipo de relação INTERESPECÍFICA e DESARMÔNICA. O parasitismo é de forma geral um comportamento freqüentemente observado. Exemplos clássicos de parasitismo: - Ectoparasitos - piolho nos seres humanos, pulgas e carrapatos em cães; - Endoparasitos Ascaris sp., Isospora sp., Taenia sp. - Fungos parasitando plantas. OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Não confundir parasitismo com parasitoidismo. Diferente do parasitismo, o parasitoidismo é um tipo de relação na qual o organismo parasitóide desenvolve pelo menos uma etapa de seu ciclo de vida sob um hospedeiro, vindo a matá-lo no final da relação.

9 Figura 4. A Carrapato (ectoparasito). B Taenia sp. (endoparasito). C Fungo parasitando planta. Figura 5. A Insetos parasitóide ovipositando no interior do corpo do hospedeiro. B Larvas do parasitóide no interior do corpo do hospedeiro. e) Amensalismo o conceito de amensalismo está relacionado a um tipo de associação entre indivíduos de espécies diferentes na qual uma espécie inibe o desenvolvimento de outra. Ex: liberação de antibióticos por determinados fungos, causando a morte de certas bactérias. Com relação ao nível, o amensalismo pode ser considerado como tipo de relação INTERESPECÍFICA e DESARMÔNICA.

10 O amensalismo é de forma geral um tipo de relação mais comumente observada em vegetais, fungos e bactérias. Exemplos clássicos de amensalismo: - liberação de antibióticos por determinados fungos, causando a morte de certas bactérias; - alelopatia em eucaliptocultura. Figura 5. A Fungo liberando compostos que causa a morte de certas bactérias. B Plantas de eucalipto liberam compostos no solo que matam todos os outros vegetais (alelopatia). e) Foresia ou forésia o conceito de foresia está relacionado a um tipo de associação entre indivíduos de espécies diferentes em que um se utiliza do outro para transporte sem parasitismo e sem prejudicá-lo. Com relação ao nível, a foresia pode ser considerada como tipo de relação INTERESPECÍFICA e HARMÔNICA. A foresia é de forma geral um comportamento associado a atividade de polinização, onde ocorre a transferência de grãos de pólen de uma flor para o estigma de outra, ou para o seu próprio.

11 Exemplos clássicos de foresia: - Relação da rêmora ou peixe-piolho com o tubarão (esse peixe gruda-se nos tubarões e se alimentam de restos alimentares das presas); - Transporte de pólen por abelhas; - Transporte de sementes por pássaros e insetos. Figura 6. A Rêmora e tubarão. B Abelha em atividade de polinização. C Pássaro transportando material, inclusive sementes. f) Mutualismo ou Protocooperação o conceito de mutualismo está relacionado a questão de troca de benefícios entre os seres vivos, com ou sem interdependência. Com relação ao nível, o mutualismo pode ser considerado como tipo de relação INTERESPECÍFICA e HARMÔNICA. Exemplos clássicos de mutualismo: - Relação entre o crocodilo e a ave palito (a ave se alimenta de restos de alimento nos dentes dos crocodilos, nisso, promovem a limpeza dos dentes); - Relação entre algumas espécies de formigas e os pulgões (as formigas se alimentam de exsudados liberados pelo pulgão e com isso desenvolvem sua proteção).

12 Figura 7. A Ave palito se alimentando de restos de comida nos dentes de crocodilo e com isso promovendo a limpeza dos mesmos. B Formiga se alimentando de exsudados liberados pelos pulgões e com isso fazendo a sua proteção contra predadores. g) Inquilinismo o inquilinismo trata-se de um tipo de relação ecológica entre organismos de diferentes espécies. Nesta relação, apenas uma espécie é beneficiada sem, entretanto, ocorrer prejuízo para a outra espécie associada. Com relação ao nível, o inquilinismo pode ser considerado como tipo de relação INTERESPECÍFICA e HARMÔNICA. Exemplo clássico de inquilinismo: - Bromélia sobre árvores; - Peixe agulha e o pepino do mar.

13 Figura 8. A - Bromélia sobre tronco de uma árvore. B Peixe agulha e o pepino do mar. h) Comensalismo o conceito de comensalismo está relacionado ao fato de que um organismo se alimentar de restos alimentares de outro. Com relação ao nível, o comensalismo INTERESPECÍFICA e HARMÔNICA. pode ser considerado como tipo de relação Exemplos clássico de comensalismo: - Relação rêmora x tubarão; - Relação hiena leão. Figura 8. A Rêmora e o tubarão. B Hiena se alimentando de um pedaço de carcaça deixada pelo leão. i) Sociedade o conceito de sociedade está relacionado aos indivíduos com vida gregária onde eles se organizam hierarquicamente, cooperam entre si no que diz respeito a divisão de tarefas e trabalho visando o desenvolvimento da população.

14 Com relação ao nível, a sociedade pode ser caracterizada por apresentar um tipo de relação INTRAESPECÍFICA e HARMÔNICA. Exemplos clássico de sociedade: - Sociedade humana; - Sociedade de formigas; - Sociedade de abelhas. Figura 9. A Sociedade humana. B Sociedade de abelhas. C - Sociedade de formigas. j) Colônia o conceito de colônia está relacionado a união de indivíduos anatomicamente e/ou fisiologicamente semelhantes, onde esses indivíduos apresentam um elevado grau de dependência entre si e que em geral perderam a capacidade de viver isoladamente. Podendo ou não ocorrer divisão do trabalho Com relação ao nível, a colônia pode ser caracterizada por apresentar um tipo de relação INTRAESPECÍFICA e HARMÔNICA. Exemplos clássico de colônia: - Colônia de corais; - Colônias de bactérias.

15 Figura 10. A Colônia de corais. B Colônia de certas bactérias. Observação importante para a diferenciação entre Sociedade e Colônia: É correto falarmos colônia de abelhas, formigas? Não, pois as abelhas e formigas apresentam diferenciação, uma vez que existem rainha e zangões ou machos (que apresentam funções reprodutivas), soldados (destinam-se a proteção) e operárias (destinam-se ao trabalho). Neste caso, cada indivíduo pode sobreviver separadamente, sendo chamados de espécies eusociais, ou seja, formam uma sociedade e não uma colônia.

16 3. Relações dos seres vivos com Fatores ecológicos ABIÓTICOS Os fatores abióticos podem ser: a) Temperatura É um fator abiótico de grande importância para os seres vivos e influencia seu metabolismo, períodos de atividade, desenvolvimento, reprodução, suas características morfológicas e aspectos comportamentais. De acordo com as variações de Temperatura os seres vivos ser agrupados da seguinte forma: - Organismos estenotérmicos - São aqueles que não toleram grandes variações térmicas. Exemplo: lagartixa; - Organismos euritérmicos - São aqueles capazes de tolerar grandes variações térmicas. Exemplo: lobo; De acordo com a Temperatura corporal os organismos são agrupados em: - Heterotérmicos São seres que a temperatura corporal varia com a temperatura ambiente. Exemplo: répteis, ambíbios; - Homeotérmicos São seres que tem temperatura corporal constante. Exemplo: aves, mamíferos;

17 Alterações na temperatura podem influenciar em questões relacionadas à adaptabilidade de organismos à condições desfavoráveis, alguns fenômenos são: - Migração - Os animais percorrem distâncias variadas em busca de ambientes propícios para a reprodução, com melhores condições climáticas e presença de alimentos. Exemplo: Andorinhas, flamingos, Lepidoptera (borboletas). - Hibernação - Os animais diminuem suas atividades vitais, devido ao frio. Exemplo: Ursos, morcegos. - Estivação - Algumas espécies diminuem suas atividades vitais, devido ao calor. Exemplo: crocodilos, moluscos, quelônios (tartarugas). Adaptações que permitem aos animais resistir às condições de temperatura: - Quantidade de gordura Em regiões frias: maior teor de gordura Em regiões quentes: menor teor de gordura - Tamanho e densidade dos pêlos Em regiões frias: mais densos e compridos Em regiões quentes: menos densos e curtos - Tamanho das orelhas e focinhos Em regiões frias: orelhas e focinhos curtos Em regiões quentes: orelhas e focinhos compridos

18 Em regiões frias, animais que possuem essas características fazem com que a perda de calor seja reduzido. Todavia, em regiões quentes, animais que possuem essas características são favorecidas na perda de calor para o meio e evitam o sobre aquecimento. Quanto à adaptabilidade das plantas às baixas temperaturas, elas podem ser: - Anuais - As plantas anuais não suportam o intenso frio do inverno e deixam suas sementes para germinar no ano seguinte. Exemplo: Feijoeiro; - Bienais - As plantas bienais em baixas temperaturas perdem sua parte aérea, porém mantém sua parte subterrânea. Exemplo: Lírio; - Perenes ou Vivazes - Estas plantas conseguem manter suas estruturas o ano todo. Exemplo: Papoula; b) Luz Fundamental no processo fotossintético, responsável pela produtividade nos ecossistemas, fonte de energia essencial a vida no nosso planeta. A luz é um importante fator abiótico e atua sob diversas formas (intensidade, radiação, direção e duração). A luz ainda pode influenciar nas variações da atividade diária e sazonal de alguns animais e estar associada a aspectos reprodutivos onde alguns insetos produzem luz para localização e atração do parceiro sexual (bioluminescência). O fator abiótico Luz ainda divide os seres vivos em alguns grupos como: - Eurifóticos - seres que suportam grandes variações de luz;

19 - Estenofóticos - seres que não suportam grandes variações de luz; - Plantas umbrófitas: vegetais adaptados à sombra. A luz pode influenciar alguns organismos em diversos aspectos. Existem organismos de hábitos diurnos e noturnos. Há também aqueles que são fortemente atraídos pela luz (mariposas), enquanto outros a evitam (toupeira, larvas de mosca). É importante saber o significado do termo fotoperíodo que é o número de horas de luz por dia, ou seja, a duração do dia. O fotoperíodo pode variar com as estações do ano e também tem importante papel na regulação do relógio biológico, que se manifesta sob forma de diversos ritmos. c) Água De fundamental importância para todos os seres vivos, e, essencial a vida. Algumas das principais associações da água com a vida em nosso planeta: - Entra na composição das células de todo ser vivo; - Está presente em todos os processos metabólicos; - Tem papel fundamental na regulação do clima em nosso planeta, na regulação da temperatura corporal dos homeotermos e na distribuição dos seres vivos na biosfera. Os seres são classificados em função da relação que mantém com a água, podendo ser: Hidrófilos e Hidrófitos- Animais e vegetais que vivem permanentemente na água; Exemplo: peixes, vitória régia. Higrófilos e Higrófitos - Animais e vegetais que vivem em ambientes úmidos. Exemplo: anfíbios, bananeira Mesófilos e Mesófitos Seres que vivem em áreas mais ou menos úmidas. Exemplo: protozoários, bactérias; Xerófilos e Xerófitos - Animais e vegetais que vivem em ambientes secos.

20 Exemplo: mamíferos de deserto, cactáceos. Tropófitas - Seres que suportam grande variação de umidade. Exemplo: alguns tipos de plantas d) Umidade relativa Assim como a temperatura, a umidade relativa é um fator de grande importância para os seres vivos devido a influencia que exerce no metabolismo, períodos de atividade, desenvolvimento, reprodução, morfologia e aspectos comportamentais dos organismos. Além do com a umidade é um fator desencadeador de outros tipos de relações, como por exemplo, ao nível biótico: Exemplo: a umidade relativa (UR) elevada pode favorecer a presença de fungos sobre outros organismos. e) ph O ph (potencial hidrogeniônico) é um importante fator abiótico devido a sua representatividade na limitação da vida, ou seja, o ph determina condições de sobrevivência ou não dos seres vivos. f) Substâncias inorgânicas As substâncias inorgânicas são aquelas envolvidas nos ciclo dos materiais Exemplo: carbono, azoto, oxigênio, etc. g) Compostos orgânicos Os compostos orgânicos são àqueles que ligam o biótico ao abiótico. Exemplo: nutrientes, substâncias húmicas.

21 FATORES LIMITANTES E O AMBIENTE FÍSICO A Lei do Mínimo Proposta pelo biólogo alemão Justus Liebig no século XIX, diz que o sucesso de um organismo em um meio ambiente depende de que nenhum fator de sobrevivência exceda seu limite de tolerância. Em outras palavras, para que um ser vivo continue vivo, todos os fatores necessários à sua sobrevivência devem estar presentes, de nada adianta haver excesso de todos se um estiver em falta. Liebig concluiu, acertadamente, que o organismo não é mais forte que o elo mais fraco de sua cadeia ecológica de necessidades. Um componente ambiental é considerado fator limitante quando está em carência, em completa falta ou, quando excede ao nível máximo tolerável. A faixa de tolerância de um fator limitante fica compreendida entre os limites superior e inferior tolerável por um organismo. Exemplo prático para entendimento: (Carência) 1- Nitrogênio, Fósforo e Potásio (NPK) são alguns dos nutrientes essências para o bom desenvolvimento de mudas de eucalipto. No entanto, se não houver água disponível não haverá desenvolvimento. 2- CO2, água e nutrientes presentes no solo, são indispensáveis para o desenvolvimento vegetal, porém, se não houver luz (Sol) não haverá a fotossíntese e o processo de nutrição vegetal não acontecerá. (Excesso) 1- Á água é indispensável o desenvolvimento vegetal, porém quando fornecida em excesso, prejudica o solo, fazendo a lavagem dos nutrientes, proporciona condições favoráveis a instalação de microrganismos patogênicos, etc.

22 MOMENTO BATE BOCA Temas de hoje Estou desenvolvendo um projeto para estabelecer um plantio de café arábica na região Norte do estado do Mato Grosso. Quais são as expectativas que posso ter para o sucesso do meu empreendimento? Ano passado, houve em grande problema aqui na região Norte do Mato Grosso que acometeu de forma assustadora os pecuaristas locais. Um ataque severo de cigarrinha-das-pastagens causou grandes prejuízos devido a queima das pastagens (conseqüência do ataque das cigarrinhas). Como podemos entender este acontecimento, uma vez que foi a primeira vez que ocorreu esta situação com esta intensidade. Ainda, com relação a cigarrinha das pastagens, foi recomendado aos pecuaristas a aplicação de um defensivo agrícola, biológico, chamado Metarhizium anisopliae (uma espécie de fungo entomopatogênico) que apresenta bons resultados no controle dessa praga. No entanto, aqui não foi efetivo no controle. Por que?

FATORES ECOLÓGICOS. Professora: Dayse Luna Barbosa

FATORES ECOLÓGICOS. Professora: Dayse Luna Barbosa FATORES ECOLÓGICOS Professora: Dayse Luna Barbosa Fatores Ecológicos São o conjunto de fatores biológicos e físicos que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. Fatores Ecológicos Fatores Ecológicos

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin Conceitos Ecológicos Prof. Dr. Mauro Parolin Hábitat [1] ou habitat (do latim, ele habita) é um conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Relações ecológicas Representam as interações entre os seres vivos em um determinado ecossistema. Podem ser divididas

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio Relações Ecológicas Tema: Ecologia Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio 1) Introdução A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações

Leia mais

Fatores Ecológicos. Ciências do Ambinete Módulo 1 Professora: Bartira Brandão da Cunha

Fatores Ecológicos. Ciências do Ambinete Módulo 1 Professora: Bartira Brandão da Cunha Fatores Ecológicos Ciências do Ambinete Módulo 1 Professora: Bartira Brandão da Cunha FATORES ECOLÓGICOS: CONCEITO São conjuntos de fatores físicos e biológicos de um determinado ambiente que atuam sobre

Leia mais

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos Engenharia Civil Disciplina Ecossistemas e Saúde Ambiental Relações Ecológicas Duas Aula- Relações Ecológicas Profª Msc. Dulce Amélia Santos PODEMOS CLASSIFICAR AS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Relações ecológicas Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Classificação Intraespecífica: entre indivíduos da mesma espécie. Interespecífica: entre indivíduos de espécies

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente.

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente. RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS - As relações ecológicas são aquelas que se manifestam em diferentes populações de um ecossistema que pode ocorrer em indivíduos de uma mesma espécie ou não. Relações

Leia mais

ECOLOGIA SERES VIVOS AMBIENTE. estuda as relações entre

ECOLOGIA SERES VIVOS AMBIENTE. estuda as relações entre ECOLOGIA SERES VIVOS estuda as relações entre AMBIENTE Níveis de Organização Molécula Célula Tecido Órgão Sistema Espécie População Comunidade Ecossistema Biosfera Níveis de Organização Espécie Grupo de

Leia mais

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES SOCIEDADES Diferem das colônias basicamente pela independência física exibida por seus integrantes. Também caracterizam-se

Leia mais

1.1 - Interacções seres vivos factores abióticos

1.1 - Interacções seres vivos factores abióticos Ciências Naturais 8ªano 1.1 - Interacções seres vivos factores abióticos Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro 1.2 - Interacções seres vivos factores abióticos Dinâmica dos ecossistemas Num ecossistema,

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G Ensino Fundamental Ciências da Natureza Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos dos continentes H7 2 Origem dos seres vivos na Terra H17 3 Relações ecológicas

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE

RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS (ALELOBIOSES) 1- HARMÔNICAS NINGUÉM É PREJUDICADO 2- DESARMÔNICAS ALGUÉM É PREJUDICADO 3- INTRA-ESPECÍFICAS OU HOMOTÍPICAS OS SERES SÃO DA MESMA ESPÉCIE 4- INTERESPECÍFICAS

Leia mais

COMUNIDADES INTERAÇÕES ECOLÓGICAS

COMUNIDADES INTERAÇÕES ECOLÓGICAS INTERAÇÕES ECOLÓGICAS Harmônicas Desarmônicas INTERAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS Intraespecíficas positivas Interespecíficas positivas INTERAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS Intraespecíficas positivas Colônia

Leia mais

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica.

Relações Ecológicas. Essa interação entre os seres vivos é chamada de relação ecológica. Relações Ecológicas Relações Ecológicas Os seres vivos de diferentes espécies, além de interagirem com o meio abiótico em que vivem, também se interagem com os outros seres vivos presentes num mesmo local.

Leia mais

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO RELAÇÕES ECOLÓGICAS Interações (relações ou associações) = SIMBIOSE INTRAESPECÍFICAS - entre indivíduos da mesma espécie. INTERESPECÍFICAS

Leia mais

Interações entre os seres vivos

Interações entre os seres vivos Relações Ecológicas Interações entre os seres vivos I. CLASSIFICAÇÃO:. Quanto as espécies participantes: - Intra-espec específicas ou Homotípicas picas: : mesma espécie cie. - Interespecíficas ou Heterotípicas

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. biológicos, ou bióticos, e físicos, ou abióticos, de um determinado ambiente, que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade.

FATORES ECOLÓGICOS. biológicos, ou bióticos, e físicos, ou abióticos, de um determinado ambiente, que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. FATORES ECOLÓGICOS FATORES ECOLÓGICOS Fatores biológicos, ou bióticos, e físicos, ou abióticos, de um determinado ambiente, que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. Bióticos: relações entre

Leia mais

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF

INTERAÇÕES. Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF INTERAÇÕES Guilherme Alfenas Programa de Pós-Graduação em Ecologia PGECOL - UFJF BIBLIOGRAFIA RICKLEFS, R.E. 5ª edição. A Economia da Natureza. Editora Guanabara Koogan. CONCEITO BÁSICO São relações que

Leia mais

Pirâmides de números

Pirâmides de números Fluxo de energia Pirâmides de números COBRA (1) RATO (15) MILHO (100) PROTOZOÁRIOS CUPIM (100) (1) ÁRVORE (1000) ARANHAS (100) MOSCAS (300) (1) BANANA NAO HA PADRAO UNICO!!! - Massa de matéria orgânica

Leia mais

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO)

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula de hoje: ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula 07 Antes de iniciarmos os estudos sobre populações e seus componentes precisamos conhecer e conceituar as estruturas

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Multidisciplinar A Ecologia é complexa, e envolve:

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS

INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO A variação de factores do meio, como a luz, a humidade e a temperatura, pode determinar nos animais: - adaptações morfológicas ou - alterações no comportamento nos animais

Leia mais

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos,

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos, ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO BIOLOGIA 1º ANO / 3ª etapa Professor: Warley Ferreira 1. Uma população de parasitas e seus hospedeiros estão em interação. Eliminando-se os parasitas, espera-se que a população

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro CONTEÚDO: CAP. 1, 2 e 3 EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA Professora: Alexsandra Ribeiro 1. O esquema abaixo nos mostra como a vida está organizada no planeta. A complexidade da

Leia mais

Ecologia Relações entre os seres vivos

Ecologia Relações entre os seres vivos O funcionamento de uma comunidade depende das diversas relações ou interações entre os organismos que a compõem. Essas relações podem ser: A)Intra-específicas quando ocorrem entre seres da mesma espécie;

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia da UFPR apresentou uma boa distribuição de conteúdos ao longo das nove questões. O grau de dificuldade variou entre questões médias e fáceis, o que está

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS FATORES DO MEIO NO COMPORTAMENTO DOS ANIMAIS

INFLUÊNCIA DOS FATORES DO MEIO NO COMPORTAMENTO DOS ANIMAIS INFLUÊNCIA DOS FATORES DO MEIO NO COMPORTAMENTO DOS ANIMAIS Fatores abióticos Características do ambiente físico-químico que influenciam os seres vivos: TEMPERATURA, LUZ, UMIDADE: Influenciam o crescimento,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos Ser humano: semelhanças e diferenças (características físicas e comportamentais, gostos pessoais) Partes do corpo humano Sentidos humanos: audição, visão, paladar, tato e olfato Cuidados com os órgãos

Leia mais

Ecologia das comunidades

Ecologia das comunidades Ecologia das comunidades Relações ecológicas Intraespecífica ou interespecífica Harmônica ou desarmônica Intraespecíficas harmônicas Disponível em: .

Leia mais

NICHO FUNDAMENTAL NICHO REALIZADO

NICHO FUNDAMENTAL NICHO REALIZADO PADROES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIES E BIOGEOGRAFIA TAXONS SUPERIORES SCOMUNIDADE NIICHO ECOLOGICO NICHO MULTIDIMENCIONAL AS DIMENCOES FATORE INTRINSECOS FATORES EXTRINSECOS NICHO FUNDAMENTAL NICHO REALIZADO

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente 1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS Eu um ser no ambiente Higiene Corporal Os cinco sentidos Corpo humano Perceber a importância do cuidado com o corpo, da vacinação e da prevenção de acidentes.

Leia mais

Biologia Fascículo 10 André Eterovic

Biologia Fascículo 10 André Eterovic Biologia Fascículo 10 André Eterovic Índice Ecologia Conceitos Ecológicos...1 Cadeias Alimentares...2 Relações Simbióticas...4 Exercícios...6 Gabarito...8 Ecologia Conceitos Ecológicos Ecologia: definição

Leia mais

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS 5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS Auno(a) N 0 6º Ano Turma: Data: / / 2013 Disciplina: Ciências UNIDADE I Professora Martha Pitanga ATIVIDADE 01 CIÊNCIAS REVISÃO GERAL De

Leia mais

FRENTE 01 - MODULO 11 ESTUDO DA POPULAÇÕES

FRENTE 01 - MODULO 11 ESTUDO DA POPULAÇÕES FRENTE 01 - MODULO 11 ESTUDO DA POPULAÇÕES FLUTUAÇÕES E OSCILAÇÕES FLUTUAÇÕES SÃO VARIAÇÕES GRANDES NO TAMANHO DA POPULAÇÃO. OSCILAÇÕES SÃO PEQUENAS VARIAÇÕES DO TAMANHO DE UMA POPULAÇÃO FATORES DEPENDENTES

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS Os seres vivos, além de interagirem com o meio abiótico, também interagem com outros seres vivos presentes na mesma comunidade. Estas interações são as relações

Leia mais

Ciclos de vida ou ciclos biológicos

Ciclos de vida ou ciclos biológicos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop ECOLOGIA GERAL Ciclos de vida ou ciclos biológicos Profº D.Sc. Evaldo Martins Pires SINOP, MT 2011 Aula de hoje * Conceituar e contextualizar

Leia mais

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional Pergunta: Qual a importância das relações ecológicas? São as formas de interação entre os diferentes organismos de um ecossistema.

Leia mais

RELAÇÕES ECOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO

RELAÇÕES ECOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Tipo de interação A Intraespecíficas 9 relações que ocorrem entre indivíduos da mesma espécie. 9 relações que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes. Tipo de resultado da interação

Leia mais

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas

Relações ecológicas. Relações intraespecíficas harmônicas Relações ecológicas Nenhum ser vivo está sozinho neste planeta, todos os seres vivos se relacionam seja com seres da própria espécie ou com seres de outras espécies. Essas relações são muito importantes

Leia mais

Os seres vivos e o ambiente

Os seres vivos e o ambiente Nas teias alimentares, certos organismos podem ser, ao mesmo tempo, consumidores primários, secundários, etc., dependendo da cadeia alimentar que for selecionada. A eliminação de alguns organismos de uma

Leia mais

Data: /08/14 Bimestr e: Nome: 9 ANO Nº Disciplina Biologia Valor da Prova / Atividade:

Data: /08/14 Bimestr e: Nome: 9 ANO Nº Disciplina Biologia Valor da Prova / Atividade: Data: /08/14 Bimestr e: 2 Nome: 9 ANO Nº Disciplina Biologia : Valor da Prova / Atividade: Professo r: Ângela Nota: Objetivo / Instruções: Lista de Recuperação 1.Explique a principal diferença entre sociedade

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS BIOLOGIA Prof. Fred ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS Ecologia: definição e importância Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e entre estes e o ambiente em que vivem. Envolve aspectos do

Leia mais

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso:

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso: Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA Parte 01 Nome: Curso: Data: / / 1 - Introdução Diversas são as definições que podem ser atribuídas à Ecologia. Segundo diversos autores, Ecologia é: a) O estudo das

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia 1. Durante uma aula de campo, a professora informou que naquela área existiam diversas espécies de formigas, seres que estabelecem uma relação intraespecífica harmônica conhecida como sociedade. Informou

Leia mais

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Texto Base: Aula 25 Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Autor: Ana Lúcia Brandimarte Ecologia: significado e escopo As aulas finais de Biologia Geral serão dedicadas ao estudo da Ecologia,

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Revestimento do Corpo ou tegumento. Proteção contra a ações do Ambiente. - Depende do ambiente e do modo de vida.

Revestimento do Corpo ou tegumento. Proteção contra a ações do Ambiente. - Depende do ambiente e do modo de vida. Sistemas Funcionais Revestimento do Corpo ou tegumento Proteção contra a ações do Ambiente. - Depende do ambiente e do modo de vida. a) Esqueleto Sustentação Invertebrados: esqueletos calcários. Nos artrópodes

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, em sua versão 2012, apresentará uma redação e 180 questões objetivas, divididas nas quatro áreas do conhecimento: - Ciências

Leia mais

Harmôni cas Desarmô nicas. Harmôni cas Desarmô nicas

Harmôni cas Desarmô nicas. Harmôni cas Desarmô nicas biozell Intra - específicas Inter - específicas Harmôni cas Desarmô nicas Harmôni cas Desarmô nicas Colônia Sociedade Competição Canibalismo Protocooperação Mutualismo Comensalismo Foresia Inquilinismo

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS A proposta A proposta de ensino das Ciências Naturais se fundamenta na construção do pensamento científico acerca dos fenômenos

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Ecologia. Aula Programada. Biologia. Tema: Ecologia

Ecologia. Aula Programada. Biologia. Tema: Ecologia Aula Programada Tema: Ecologia Biologia 1) Conceitos Básicos Indivíduo: Exemplar de uma espécie qualquer que constitui uma unidade distinta. Espécie: Conjunto de indivíduos muito semelhantes entre si e

Leia mais

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS 2011 Aula III AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA TUNDRA O termo Tundra deriva da palavra finlandesa Tunturia, que significa

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente.

FATORES ECOLÓGICOS. Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente. Relações Ecológicas FATORES ECOLÓGICOS FATORES ECOLÓGICOS Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente. FATORES ECOLÓGICOS Fatores Biológicos ( Bióticos) Fatores Biológicos

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LECTIVO 2014 / 2015 PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano DOMÍNIO: PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.:

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Nas figuras abaixo

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS

CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Conteúdo de Recuperação

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional)

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) A dinâmica populacional crescimento e regulação do tamanho populacional Quando se menciona um aumento do tamanho populacional,

Leia mais

IC II - Lab.Geo.Fis. Aula 3. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II - Lab.Geo.Fis. Aula 3. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II - Lab.Geo.Fis Aula 3 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Sistemas Teoria Geral dos Sistemas Relações entre os elementos dos Ecossistemas Biogeografia e Sistemas

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM 2º CICLO Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Currículo Nacional do Ensino Básico- Competências Essenciais Ciências Físicas

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas UFRGS ECOLOGIA Fluxo de energia e Interações ecológicas 1. (Ufrgs 2015) Analise o quadro abaixo que apresenta os componentes de uma cadeia alimentar aquática e de uma terrestre. Ecossistema aquático aguapé

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar - Ciências Naturais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar - Ciências Naturais Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar - Ciências Naturais A proposta Em sua organização teórico-metodológica, a proposta enfatiza a construção do pensamento científico acerca

Leia mais

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas 1 BIOLOGIA Devido ao fato de serem muito simples em termos de organização, podemos afirmar que os vírus provavelmente tiveram sua origem antes do surgimento das primeiras células procarióticas. a) A afirmação

Leia mais

Ciências da Natureza. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências da Natureza. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências da Natureza baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Elementary School 2 K5 Meu corpo Meu corpo. Higiene do corpo. Órgãos

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração A UU L AL A Respiração A poluição do ar é um dos problemas ambientais que mais preocupam os governos de vários países e a população em geral. A queima intensiva de combustíveis gasolina, óleo e carvão,

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas.

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. O que é? O que estuda? Qual a sua importância? HISTÓRICO Homem primitivo

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Ecologia. Tiago Vianna

Ecologia. Tiago Vianna Ecologia Tiago Vianna O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Espécie População Comunidade Fatores Abióticos Ecossistema Biosfera Hábitat

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 I. MEIO AMBIENTE CONCEITOS MEIO AMBIENTE Tudo o que cerca o ser vivo,

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Marque com um (X) a(s) alternativa(s)

Leia mais