Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos"

Transcrição

1 Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos Referências: Margarida de Mello Aires, Fisiologia, Guanabara Koogan 1999 (612 A ) Ibrahim Felippe Heneine, Biofísica Básica, Atheneu 1996 ( H ) 1

2 Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos Fundamenta -se Trocas com meio ambiente Mecanismo para manutenção do Millier interne HOMEOSTASE (desenvolvido de acordo com o habitat ) Sensores capazes de registrar alteração homeostase circulação ( aurículas, ventrículos, aorta, carótida) sistema nervoso central fígado rim. **** 2

3 Processo osmótico 1. Conservação volume água corpórea: fluidos corporais 60-70% peso corporal 2. Manutenção concentração osmótica fisiológica: 300 miliosmoles/kg H 2 O Plasma Liquido intersticial Intracelular 4

4 RELEMBRANDO ALGUNS CONCEITOS...

5 Osmose Regular H 2 O células Equilíbrio hidroeletrolítico do corpo Saúde Doença Osmose: passagem ou difusão do solvente através de uma membrana semi-permeável, de uma região onde a concentração de solvente é maior para outra onde a concentração é menor. Dois componentes deste processo: Difusão da Água Membrana 7

6 O que é osmose? Osmose é o movimento de água através de uma membrana devido à diferença na concentração de água nos dois lados. (Esta definição não é rigorosamente correta. Seria mais correto dizer que osmose é o movimento de água através de uma membrana devido à diferença na energia livre de água nos dois lados ) Qualquer substância que esteja presente na água vai diminuir a concentração de água. Então, é comum dizer que osmose é o movimento de água através de uma membrana devido à diferença na concentração de solutos nos dois lados (a presença de soluto na água diminui a energia livre da água) 8

7 o nível neste lado vai aumentar O fenômeno de osmose e pressão osmótica Osmose é o movimento de água através de uma membrana devido à diferença na concentração de soluto nos dois lados. Nos falamos que a solução tem uma pressão osmótica ( SOL ). Esta pressão osmótica é uma força motriz que tende a trazer água à solução P atm solução SOL P atm água pura o nível neste lado vai diminuir isto é uma membrana semipermeável ideal (vamos simplesmente dizer membrana ideal ) água pode passar, mas nenhum soluto pode passar, também, a membrana tem resistência mecânica suficiente para não sofrer deformação quando as pressões físicas nos dois lados são diferentes 9

8 Osmose é uma propriedade coligativa Nós definimos osmose assim: osmose é o movimento de água através de uma membrana devido à diferença na concentração de solutos nos dois lados Osmose é uma propriedade coligativa isto quer dizer que somente importa o número de partículas presente na água, não importa a natureza destas partículas. Outra propriedades coligativas diminuição da pressão de vapor da água (e, como consequência, aumento do ponto de ebulição) diminuição do ponto de congelação 10

9 Volume de água corpórea * Água endógena % de água em relação ao peso corporal Fluidos corporais H 2 O ( 300ml / dia) 5% 15% 30-50% Plasma *VE Intersticial NaCl *VE Intracelular VI KCl Transcelular H 2 O pura ( 1,6 L / dia) H 2 O de alimentos ( 300 ml / dia) VE-Extra celular 20% Perdas de H 2 O em ml / dia Pulmões 50 à 700 Urina 1200 Pele 200 Intestinos 300 Cérebro espinhal, intra ocular pleural 28

10 Composição Fluidos Extracelular e Intracelular Substância Concentração Intracelular* (mm) Extracelular *Na *K *Ca ,5 *Mg 2+ 1,5 12 *Cl *HCO Pi 2 40 *Aminoácidos 2 8 *Glucose 5,6 1 ATP 0 4 * Proteina 0,2 4 * Concentração intracelular diferente de tecido para outro, maioria das células. * Dosagem química * Espectroscopia de absorção atômica 29

11 Proporção dos Líquidos Intracelular, Interticial e Intravascular de Acordo com a Idade Idade Liquido Intracelular Líquido Extracelular Intersticial Intravascular Recém nascido 25% 45% 5% 1 ano 30 35% 30% 5% Adulto 40 50% 15% 5% 30

12 Segundo PITTS : Distribuição H 2 O no Organismo H 2 O - tritiada HTO VE Sacarose - 14 C Membrana plasmática Homem % peso em Fluidos corporais Pele : 72 % Músculo: 75 % Esqueleto: 22 % Fígado: 68 % Coração: 79 % Pulmões: 79 % Rins: 83 % Baço: 76 % Sangue : 83 % Intestino: 74 % Tecido adiposo: 10% 31

13 RELEMBRANDO ALGUNS CONCEITOS... Peso atômico: peso total de um átomo ou a média das massas dos isótopos naturais de um elemento químico. O = 16 Na = 23 K = 39 Peso molecular: é a soma dos pesos atômicos de todos os elementos encontrados na fórmula de uma substância. Exemplo: Substância Fórmula Peso Molecular Mol (M) Milimol (mm) Cloreto de Potássio KCL ,5 = 74,5 74,5 g 74,5 mg Equivalente eletroquímico: Quando cátions e ânions se combinam, eles o fazem de acordo com sua carga iônica (valência) e não de acordo com seu peso. Equivalência eletroquímica se refere ao poder de combinação de um íon. Assim:

14 RELEMBRANDO ALGUNS CONCEITOS... Para íons monovalentes, 1 mol é igual a 1 equivalente. Para íons bivalentes, 1 mol é igual a 2 equivalentes. 1 mol H + (1 g) + 1 mol Cl - (35,5 g) 1 mol HCl (36,5 g) 1 equivalente; 1 mol Na + (23 g) + 1 mol Cl - (35,5 g) 1 mol NaCl (58,5 g) 1 equivalente; 1 mol Ca ++ (40 g) + 2 mol Cl - (71g) 1 mol CaCl 2 (111 g) 2 equivalentes. Molaridade: é o número de moles do soluto por litro de solução, a uma dada temperatura. Molalidade: é o número de moles do soluto por gramas do solvente. Osmolaridade: é o número de moles do soluto contidos em 1 litro de solução. Ou ainda é a concentração molar do soluto multiplicada pelo número de partículas. Ex: 1 M de glicose = 1 osmolar; 1 M de NaCl = 2 osmolar.

15 Osmolaridade Osmose e pressão osmótica dependem do número de partículas em solução Molaridade número de moles pôr litro de solução Molalidade número de moles em 1000 g de solvente Osmol número de partículas ou ions produzidas pela dissociação de 1 mol de uma substancia num solvente Osmolaridade (M os ) ou concentração osmolar de uma solução É a concentração molar multiplicada pelo número de osmoles (osmoles / litro) Osmolalidade (m os ) = concentração molal multiplicada pelo número de moles produzidos pelo soluto na solução (osmoles / 1000g de solvente) 34

16 OSMOLARIDADE NaCl 0,1 M Sacarose 0,1 M Mesma pressão osmótica? Por que? Não eletrólito Eletrólito C osm = C C osm = C. n p n p = número de partículas dissociadas 35

17 OSMOLARIDADE Glucose = soluto não dissociável 1M 1 osmolar = 1M os NaCl = solução dissociável 1M 2 osmolar ou 2 osmoles/l =2M os 36

18 COMPOSIÇÃO ELETROLÍTICA Todos os espaços líquidos corporais são isotônicos entre si. A osmolaridade do plasma, e conseqüentemente a do LEC, é de aproximadamente 300 mosm/l. A solução de NaCl a 0,9% é também chamada solução fisiológica porque possui osmolaridade semelhante ao do LEC, evidenciada pela fórmula abaixo: 1mEq de Na + (23mg) + 1mEq de Cl - (35,5) = 58,5 mg de NaCl Tem-se então: 58,5 mg de NaCl 1mEq (de Na + ou Cl - ) Molaridade (M)= concentração x 10/peso molecular (M) = 0,154 Osmolaridade (O) = Molaridade x nº de partículas (O) = 0,154 x 2 (dissociação ou meq) (O) = 0,308 osmóis/l 308 miliosmóis/l

19 Força ou Pressão H 2 O do lado que contem solução. solução concentrações fluxo osmótico ocorre da solução + diluída p/ + concentrada. Até atingir o equilíbrio. Força ou pressão Pressão osmótica ou Pressão de difusão Igual e oposta a força impulsora gerada pela C aplicada no lado que contem a solução. Pressão hidrostática necessária p/ impedir o fluxo osmótico da água. Determina: os movimentos técnica de crioscópia (3) = CRT Eq. De van`t Hoff prop. Coligativas sol. diluída 38

20 Dependência da pressão osmótica na [soluto] - IDEAL Se usarmos o osmômetro para determinar a pressão osmótica como uma função da [soluto] vamos achar a seguinte relação: pressão osmótica (Pa ou atm ou mmhg) = C os R T temperatura absoluta concentração de partículas osmoticamente ativas (osmol L -1 ) Note bem: osmol mol quando alguém fala X osmol, está dizendo que tem X mol de partículas osmoticamente ativas Para não-eletrólito C os = C Para eletrólito C os = n P C onde C é a concentração do composto e n P é o número de partículas constante dos gases 8314 L Pa mol -1 K -1 0,08206 L atm mol -1 K -1 62,36 L mmhg mol -1 K -1 Tome muito cuidado: use o valor correto para a situação que tem! Coloque as unidades dentro dos cálculos e trabalhá-los! 39

21 Força ou Pressão Osmótica H 2 O do lado que contem solução. Soluções concentrações fluxo osmótico ocorre da solução + diluída para + concentrada. Até atingir o equilíbrio. Pressão osmótica Pressão extra aplicada no lado do soluto Pressão osmótica ideal Equação de Vant Hoff V = nrt = (n/v)rt = C osm RT (3) para impedir a osmose. Pressão hidrostática necessária para impedir o fluxo osmótico da água. : pressão osmótica V: volume da solução n: n o de moles de partículas osmoticamente ativas (mols) R: constante universal dos gases = 8,314 Pa. m 3 /mol. k 0,0821 L. atm/mol.k T: temperatura absoluta (kelvin = k) C osm : concentração osmolar (mol soluto /L solução; osmolar ou osmolal) 40

22 Dependência da pressão osmótica na [soluto] - REAL Na verdade, a equação = C os RT é uma aproximação. A realidade é que tem desvios do comportamento ideal. Isto necessita a utilização do coeficiente osmótico. = C os R T coeficiente osmótico É necessário determinar empiricamente. Infelizmente, isto é chato, porque: varia com o tipo de partícula! mesmo falando da mesma partícula, varia com a concentração e pode até variar com a presença de outros solutos isto é um nome bonito para fator de correção Exemplo K 2 SO 4 [molar] 0,005 0,92 0,010 0,90 0,050 0,82 0,100 0,77 41

23 MAGNITUDE DE PRESSÃO OSMÓTICA: [ osmolar] do eritrócito no citoplasma ~ 300 mosm = 0,3 mol/l Calcule a pressão osmótica:? = C osm.r.t Realidade : = Φ C osm.r.t Φ : coeficiente osmótico = grau de idealidade Φ = 1 = ideal Φ varia com soluto presença de outros solutos concentração (enquanto C =0 Φ =1) Ex: K 2 SO 4 conc molal Φ 0,005 0,92 0,100 0,77 Desvios de idealidade devido: interações entre moléculas do soluto dissociação incompleta de eletrólitos espaço significativo ocupado por macromoléculas 42

24 Tonicidade o que acontece se um dos solutos pode atravessar a dada membrana? Vamos considerar uma membrana que uréia pode atravessar mas sacarose e glucose não. Nesta situação, as seguintes soluções são isotônicos ou não?: Caso 1 lado A = 1 M sacarose lado B = 1 M uréia Caso 2 lado A = 0,5 M sacarose + 0,5 M uréia lado B = 1 M uréia Caso 3 lado A = 0,5 M sacarose + 0,5 M uréia lado B = 0,5 M glucose + 0,5 M uréia 43

25 Caso 1 lado A = 1 M sacarose lado B = 1 M uréia A B no início as soluções são isoosmóticas não tem uma força motriz para o movimento de água a sacarose não pode passar de A para B mas a uréia vai passar de B para A (a uréia quer igualar as concentrações nos dois lados está pensando quero ter 0,5 M de mim em cada lado ) 44

26 Caso 1 - continuação então, no decorrer do tempo, uréia vai passando do lado B para A o nível vai subir A B o nível vai descer água então, depois do tempo zero vai ter 1 M sacarose + um pouco de uréia no lado A vai ter < 1 M uréia no lado B vai ter uma força motriz para o movimento de água de B para A. Portanto, no caso 1, as soluções iniciais não são isotónicos!!! 45

27 Caso 2 lado A = 0,5 M sacarose + 0,5 M uréia lado B = 1 M uréia A B no início as soluções são isoosmóticas não tem uma força motriz para o movimento de água a sacarose não pode passar de A para B mas a uréia vai passar de B para A (a uréia quer igualar as concentrações nos dois lados está pensando quero ter 0,75 M de mim em cada lado ) 46

28 Caso 2 - continuação então, no decorrer do tempo, uréia vai passando do lado B para A A B água então, depois do tempo zero vai ter 0,5 M sacarose + um pouco mais do que 0,5 M uréia no lado A vai ter < 1 M uréia no lado B vai ter uma força motriz para o movimento de água de B para A. Portanto, no caso 2, as soluções iniciais não são isotónicos!!! 47

29 Caso 3 lado A = 0,5 M sacarose + 0,5 M uréia lado B = 0,5 M glucose + 0,5 M uréia A B no início as soluções são isoosmóticas não tem uma força motriz para o movimento de água a sacarose não pode passar de A para B a glucose não pode passar de B para A a uréia pode passar de A para B e de B para A mas já está em equilíbrio (a uréia está pensando estou satisfeito, tenho 0,5 M de mim em cada lado ) 48

30 Caso 3 - continuação lado A = 0,5 M sacarose + 0,5 M uréia lado B = 0,5 M glucose + 0,5 M uréia A B Neste caso, as soluções iniciais são isotônicas já, no início, as soluções são isoosmóticos (então, não tem força motriz para o movimento de água) e ao longo do tempo, as osmolaridades das soluções não vão mudar (então, nem no futuro vai aparecer uma força motriz para o movimento de água) 49

31 Alteração no volume celular: - Meio hipertônico -Meio isotônico -Meio Hipotônioco Fluido intracelular 300 mosm Volume normal da célula 400 mosm solutos impermeáveis SOLUÇÃO HIPERTÔNICA Célula murcha 300 mosm solutos impermeáveis SOLUÇÃO ISOTÔNICA Volume celular constante 200 mosm solutos impermeáveis SOLUÇÃO HIP0TÔNICA Célula incha 50

32 TONICIDADE DE SOLUÇÕES Tonicidade é a capacidade que os solutos têm de gerar uma força osmótica que provoca o movimento de água de um compartimento para outro. Células biológicas quando colocadas em diferentes soluções, podem permanecer do mesmo tamanho, inchar ou arrebentar (plasmólise). Isso depende da concentração da solução externa e da permeabilidade da membrana.

33 Osmolaridade x Tonicidade das soluções Meio Solução- características Isosmótico Hiperosmótico Hiposmótico Isotônico Hipertônico Hipotônico Mesma concentração em solutos totais (osmolaridade) em relação solutos permeáveis e não- permeáveis. Maior que 300 mosm permeáveis e não permeáveis. Menor que 300 mosm permeáveis e não permeáveis. 300 m Osmol/ l solutos não permeáveis Solução concentração maior 300m Osmol / l solutos permeáveis célula diminui volume. Solução concentração menor 300m Osmol/ L solutos não - permeáveis célula aumenta volume. 52

34 Em geral composição química e osmótica Animais Água mar Relação Origem comum espécies VIVAS Na + K + Cl - Ca ++ Mg ++ Osm (meq/l) ( m Osm.) Mar 100 3, ,91 12,1 - Plasma 155 6, ,10 0,7 300 humano P. Boi ,9 5, P. Cavalo ,6 5, P. Cachorro ,7 5, P. Gato ,0 5,

Química Prof. Marcelo

Química Prof. Marcelo Química Prof. Marcelo PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1 Pressão de vapor 2 Pressão de vapor e mudança de estado 3- Tonoscopia 4- Crioscopia 5- Ebulioscopia 6 - Osmose e pressão osmótica PROPRIEDADES COLIGATIVAS

Leia mais

Difusão, Osmose e Tônus

Difusão, Osmose e Tônus Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Biofísica Difusão, Osmose e Tônus 1. Difusão 1.1. Definição 1.2. Fatores que afetam o coeficiente

Leia mais

Osmose, osmolaridade e tonicidade: transporte de água e regulação do volume celular

Osmose, osmolaridade e tonicidade: transporte de água e regulação do volume celular Osmose, osmolaridade e tonicidade: transporte de água e regulação do volume celular Fisiologia I RCG0214 Medicina RP Prof. Ricardo Leão Departamento de Fisiologia FMRP-USP Era uma vez uma hemácia feliz

Leia mais

Transporte de Solvente e Osmose. Introdução

Transporte de Solvente e Osmose. Introdução Transporte de Solvente e Osmose Introdução Os organismos vivos são constituídos, em sua maior parte, por água. Ela forma em torno de 60% a 90% da massa total das plantas e dos animais. E a água está constantemente

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas Química Aula de Revisão 9 3 os anos Décio ago/09 Nome: Nº: Turma: Propriedades coligativas Objetivo O objetivo dessa ficha é dar continuidade à revisão do 3º ano Química, dos assuntos mais significativos.

Leia mais

Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose

Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose 01. (Pucsp) Osmose é a difusão do solvente através de uma membrana semipermeável do meio menos concentrado para o meio mais concentrado. A pressão osmótica

Leia mais

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Propriedades Coligativas...1 Exercícios...3 Gabarito...5 Propriedades coligativas Propriedades

Leia mais

Características e os efeitos das propriedades coligativas

Características e os efeitos das propriedades coligativas Características e os efeitos das propriedades coligativas O estudo das propriedades coligativas é um dos conteúdos mais importantes a serem estudados, pois facilita a compreensão de fenômenos químicos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULA 4 PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES CAETANA CARVALHO, PAULO SANTOS 2006 1 INTRODUÇÃO As

Leia mais

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica).

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). 01 a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). b) Incorreta. Quanto mais volátil o líquido, menor será

Leia mais

Tema 06: Proteínas de Membrana

Tema 06: Proteínas de Membrana Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Tema 06: Proteínas de Membrana Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Proteínas de Membrana Visão Geral das Proteínas

Leia mais

Propriedades Coligativas. Profa. Kátia Aquino

Propriedades Coligativas. Profa. Kátia Aquino Propriedades Coligativas Profa. Kátia Aquino O que são? São as propriedades de uma solução que são influenciadas pela quantidade de soluto. Tal influência não depende da natureza do soluto. Vamos recapitular...

Leia mais

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA Luis Eduardo Maggi Tipos de Transporte Passivo Difusão simples Difusão facilitada Osmose Ativo Impulsionado pelo gradiente iônico Bomba de Na/K Em Bloco Endocitose: (Fagocitose,

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS

PROPRIEDADES COLIGATIVAS PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1- Pressão Máxima de Vapor: É a pressão exercida por seus vapores quando estes estão em equilíbrio dinâmico com o líquido. É bom lembrar também que quanto maior for a pressão máxima

Leia mais

Propriedades Físicas das Soluções

Propriedades Físicas das Soluções Propriedades Físicas das Soluções Solução (def): é uma mistura homogénea de duas ou mais substâncias. Solvente: componente da solução do mesmo estado físico, por exemplo água numa solução aquosa Soluto:

Leia mais

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo:

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo: MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES MEMBRANA PLASMÁTICA A membrana plasmática é constituída de uma camada dupla de lipídeos. Nesta camada, existem moléculas de proteínas encaixadas. Essas moléculas de proteínas

Leia mais

Propriedade Coligativas das Soluções

Propriedade Coligativas das Soluções Capítulo 9 Propriedade Coligativas das Soluções 1. (IME) Um instrumento desenvolvido para medida de concentração de soluções aquosas não eletrolíticas, consta de: a) um recipiente contendo água destilada;

Leia mais

Propriedades Coligativas Aula 3

Propriedades Coligativas Aula 3 Propriedades Coligativas Aula 3 Um efeito coligativo é uma modificação em certas propriedades de um solvente quando nele adicionados um soluto não-volátil, o qual só depende do número de partículas (moléculas

Leia mais

Fisiologia vegetal. Aulas práticas. Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra

Fisiologia vegetal. Aulas práticas. Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra Fisiologia vegetal Aulas práticas Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra 2 Aula 1 Osmose Gradiente osmótico (1 aluno de cada grupo) Osmómetro de

Leia mais

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS CÉLULA Unidade fundamental dos seres vivos Menor estrutura biológica capaz de ter vida autônoma Átomos Moléculas Estruturas supramoleculares Células tecidos órgãos Sistemas

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas São as propriedades das soluções que dependem do número de partículas dispersas e independem da natureza das partículas do soluto. Pressão Máxima de Vapor (PMV) PMV é a pressão

Leia mais

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL Prof. Hélder Mauad CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL São variáveis e sujeitas a controle fisiológico São variáveis e sujeitas a controle fisiológico 1. Sistema Nervoso

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina - Fisiologia Introdução à Filtração Glomerular Regulação do Fluxo Sanguíneo Renal Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS I

PROPRIEDADES COLIGATIVAS I PROPRIEDADES COLIGATIVAS I CONCEITO São propriedades que dependem unicamente do número de partículas dispersas na solução. Não dependem da natureza das partículas dispersas. Observe, a seguir, alguns dados

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS Prof. Robinho Propriedades Coligativas São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química, um líquido puro e uma solução desse líquido

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides 1. Considere o gráfico da pressão máxima de vapor em função da temperatura para um solvente puro e para uma solução desse solvente contendo um soluto molecular

Leia mais

ORIGEM DA VIDA. Acredita-se que as células vivas tiveram origem no oceano AMBIENTE ESTÁVEL. Solução de sais inorgânicos

ORIGEM DA VIDA. Acredita-se que as células vivas tiveram origem no oceano AMBIENTE ESTÁVEL. Solução de sais inorgânicos OSMORREGULAÇÃO CONCEITOS GERAIS: ORIGEM DA VIDA MEIO INTERNO E EVOLUÇÃO CARACTERÍSTICAS DOS AMBIENTES AQUÁTICOS CLASSIFICAÇÃO OSMÓTICA DOS ANIMAIS ANIMAIS MARINHOS (INVERTEBRADOS) ORIGEM DA VIDA Acredita-se

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA Funções Composição Química Propriedades Proteção Lipídeos Elasticidade Permeabilidade Seletiva Proteínas Regeneração MODELO ATUAL: MOSAICO

Leia mais

PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES

PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES M Filomena Botelho Objectivos Identificar e aplicar as propriedades das soluções Compreender a importância das propriedades coligativas Aplicar os conceito de pressão osmótica

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS

PROPRIEDADES COLIGATIVAS PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1) Qual das seguintes soluções aquosas apresenta maior ponto de ebulição? A) uréia 2,0 molar. B) glicose 1,5 molar. C) NaCl 1,5 molar. D) CH 3 COOH 1,0 molar. E) sacarose 2,5 molar.

Leia mais

16/03/2017. A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de

16/03/2017. A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de um local de MAIOR concentração para um de menor concentração (i.e. a favor do gradiente de concentração).

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Métodos de determinação da Massa Molecular

Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos absolutos a) Massa molecular média em número - Análise de grupos terminais - Elevação ebulioscópica - Depressão crioscópica - Abaixamento da pressão de

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Antes de falarmos sobre Osmose Reversa, precisamos entender o que é Osmose. Osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações

Leia mais

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7 1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ - UTPR DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA BACHARELADO EM QUÍMICA Práticas de ísico

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura)

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) A membrana plasmática é uma estrutura altamente diferenciada, que delimita a célula e lhe permite manter a sua individualidade relativamente ao meio externo.

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas As propriedades coligativas dependem da quantidade de moléculas de soluto. Já sabemos que a presença de soluto afeta as propriedades físicas do solvente, as propriedades coligativas de maior importância

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Água e Soluções Biológicas

Água e Soluções Biológicas Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Biofísica Água e Soluções Biológicas 1. Introdução 2. A estrutura da molécula de água 2.1.

Leia mais

Permeabilidade da membrana

Permeabilidade da membrana Permeabilidade da membrana 9 a u l a OBJETIVOS Ao final desta aula, você deverá reconhecer: A importância do transporte através das membranas. A permeabilidade de uma bicamada lipídica. Osmose. Pré-requisitos:

Leia mais

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21)

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) I Introdução Em Química, solução é o nome dado a dispersões cujo tamanho das moléculas dispersas é menor que 1 nanometro (10 Angstrons). A solução ainda pode

Leia mais

2) Uma solução de 5,00 g de ácido acético, CH 3 COOH, em 100 g de benzeno congela a 3,37

2) Uma solução de 5,00 g de ácido acético, CH 3 COOH, em 100 g de benzeno congela a 3,37 Química Geral e Experimental II Soluções e propriedades coligativas Resolução comentada de exercícios selecionados versão colig_v3_2005 Prof. Fabricio R. Sensato 1) Qual o ponto de ebulição de uma solução

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica Transporte através da Membrana Plasmática Biofísica Estruturas das células Basicamente uma célula é formada por três partes básicas: Membrana: capa que envolve a célula; Citoplasma: região que fica entre

Leia mais

1- PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES OU PROPRIEDADES COLIGATIVAS

1- PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES OU PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1- PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES OU PROPRIEDADES COLIGATIVAS Em países quentes, é costume adicionar à água do radiador dos automóveis o etilenoglicol, que eleva a temperatura de ebulição da água. Evita-se

Leia mais

SOLUÇÕES PROPRIEDADES COLIGATIVAS TERMODINAMICA II PROF. JAQUELINE SCAPINELLO

SOLUÇÕES PROPRIEDADES COLIGATIVAS TERMODINAMICA II PROF. JAQUELINE SCAPINELLO SOLUÇÕES PROPRIEDADES COLIGATIVAS TERMODINAMICA II PROF. JAQUELINE SCAPINELLO A SOLUÇÃO IDEAL Solução: mistura homogenia de espécies químicas (única fase) Solvente: constituinte em maior quantidade Soluto:

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

3 Propriedades Coligativas

3 Propriedades Coligativas 3 Propriedades Coligativas 1 Introdução É bastante comum as pessoas adicionarem sal à água que será utilizada no cozimento de alimentos. Com a adição de sal de cozinha, a água demora mais tempo para entrar

Leia mais

Efeito Osmótico de Soluções de Concentração Diferente na Membrana de um Ovo de Codorniz

Efeito Osmótico de Soluções de Concentração Diferente na Membrana de um Ovo de Codorniz Efeito Osmótico de Soluções de Concentração Diferente na Membrana de um Ovo de Codorniz Rui Pedro Lousa das Neves Bioquímica Grupo 3 Coimbra 05/05/99 Introdução Se entre dois meios com diferentes concentrações

Leia mais

Isotônicos. Ursula Trindade (DRE: 103142682)

Isotônicos. Ursula Trindade (DRE: 103142682) Isotônicos Ursula Trindade (DRE: 103142682) Osmolaridade e Osmolalidade Referem-se ao número de partículas osmoticamente ativas. Osmolaridade: número de partículas osmoticamente ativas de soluto contidas

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes.

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Membrana Plasmática 1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Componentes celulares Célula A Célula B Célula C Membrana

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas 1. Introdução Propriedades Coligativas Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

A MEMBRANA PLASMÁTICA

A MEMBRANA PLASMÁTICA A MEMBRANA PLASMÁTICA Prof. André Maia Conceito É uma membrana lipoprotéica, semipermeável que envolve a célula, separando-a do meio exterior. Funções da membrana proteção mecânica (contra choques físicos)

Leia mais

QUÍMICA AULA 01 SÉRIE AULA

QUÍMICA AULA 01 SÉRIE AULA QUÍMICA Prof. Lessa AULA 01 SÉRIE AULA 1. Sabendo que a pressão de vapor do solvente puro (água) é 0,18 mmhg e que a pressão de vapor do solvente na solução é 0,16 mmhg, pede-se: Glicose a) O abaixamento

Leia mais

pressão (atm) temperatura( C)

pressão (atm) temperatura( C) pressão (atm) T temperatura( C) 01) No diagrama de fases da água: 760 Pressão (mmhg) ta tb ta ( C) As temperaturas ta e tb são, respectivamente: a) pontos normais de fusão e ebulição. b) pontos normais

Leia mais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Qual é a faixa normal de osmolalidade plasmática? 260-290 - 310 mosm/kg H 2 0 Super-hidratação Desidratação NORMAL Osmolalidade é uma função do número total

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: BIOFÍSICA CARGA HORÁRIA: 120h CRÉDITOS: 06 CÓDIGO: SCF0013 PROFESSORA: MARLY PEREIRA LIMA EMENTA:

Leia mais

Propriedades das Soluções

Propriedades das Soluções Propriedades das Soluções Prof. Alex Fabiano C. Campos O Processo de Dissolução Uma solução é uma mistura homogênea de soluto(presente em menor quantidade de mols) e solvente(presente em maior quantidade

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Geral ASSUNTO: Soluções e Unidades de Concentração 1 1. TIPOS MAIS COMUNS DE SOLUÇÃO Solução

Leia mais

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura.

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura. Mudanças de fase Sublimação: sólido gás. Vaporização: líquido gás. Derretimento ou fusão: sólido líquido. Deposição: gás sólido. Condensação: gás líquido. Congelamento: líquido sólido. Mudanças de fase

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Estudo de caso Reúnam-se em grupos de máximo 5 alunos e proponha uma solução para o seguinte caso: A morte dos peixes ornamentais. Para isso

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS

PROPRIEDADES COLIGATIVAS RORIEDADES COLIGAIVAS O artigo abaixo trata de um tema extremamente cobrado nas provas do IME e do IA dos últimos anos. Em nosso site já existem dois outros artigos com exercícios sobre esse assunto e

Leia mais

Osmose e Plasmólise. Introdução. Materiais Necessários

Osmose e Plasmólise. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Você já pensou por que a lesma desidrata até morrer, quando jogamos sal nela? E porque a salada de tomate fica aguada depois de temperada? Veja, nesse experimento, como ocorrem os processos

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Preparatório Concursos- 2012 DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias;

Leia mais

MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri

MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri É de responsabilidade dos profissionais de enfermagem assegurar aos pacientes uma assistência de enfermagem livre de danos decorrentes de

Leia mais

Disciplina de Físico Química I - Tipos de Soluções Propriedades Coligativas. Prof. Vanderlei Inácio de Paula contato: vanderleip@anchieta.

Disciplina de Físico Química I - Tipos de Soluções Propriedades Coligativas. Prof. Vanderlei Inácio de Paula contato: vanderleip@anchieta. Disciplina de Físico Química I - Tipos de Soluções Propriedades Coligativas. Prof. Vanderlei Inácio de Paula contato: vanderleip@anchieta.br Misturas - soluções A grande maioria dos sistemas encontrados

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A água é a substância mais abundante nos seres vivos, perfazendo 70% ou mais da massa da maioria dos organismos. A água permeia todas as porções de

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES

CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES Definição de Solução: Uma solução é uma mistura homogênea de um soluto (substância a ser dissolvida) distribuída através de um solvente (substância que efetua a dissolução). Existem

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

PROF. DORIVAL FILHO dorivalfilho@uol.com.br. Membrana Plasmática. Parede Celular. Moneras peptoglicano (ou peptidoglicano).

PROF. DORIVAL FILHO dorivalfilho@uol.com.br. Membrana Plasmática. Parede Celular. Moneras peptoglicano (ou peptidoglicano). PROF. DORIVAL FILHO dorivalfilho@uol.com.br MEMBRANAS CELULARES Toda célula precisa estar envolvida por algum tipo de estrutura que controle o que nela pode entrar e sair. É a membrana plasmática a responsável

Leia mais

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma MISTURA Quando na mistura tiver apenas

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno COLESTEROL A n a L a u r a B u e n o Esteróides são álcoois de alto peso molecular. São compostos lipossolúveis muito importantes na fisiologia humana. Os esteróis possuem uma estrutura básica chamada

Leia mais

Citologia e envoltórios celulares

Citologia e envoltórios celulares Citologia e envoltórios celulares UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 7 Aula 1/3 A descoberta da célula Teoria celular Microscopia Microscópio Óptico Microscópio Eletrônico Técnicas de

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

As propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total.

As propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total. ula: 17 Temática: Propriedades Coligativas das Soluções s propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total.

Leia mais

OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal

OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal A composição química do nosso meio interno está continuamente sujeita a modificações (principalmente devido ao metabolismo celular), pelo que é importante

Leia mais

Guia do Professor. Objeto de Aprendizagem: Aprendendo por Osmose

Guia do Professor. Objeto de Aprendizagem: Aprendendo por Osmose Guia do Professor Objeto de Aprendizagem: Aprendendo por Osmose Introdução Caro(a) professor(a), o tema deste objeto de aprendizagem, a osmose, de modo geral é abordado de forma resumida durante o ensino

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Preparações líquidas: Podem conter uma ou mais substâncias químicas dissolvidas em solvente adequado ou em mistura de solventes mutuamente miscíveis ou dispersíveis.

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2ª SÉRIE Ensino Médio -2015. Roteiro de estudos para recuperação trimestral

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2ª SÉRIE Ensino Médio -2015. Roteiro de estudos para recuperação trimestral COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2ª SÉRIE Ensino Médio -2015 Disciplina: Professor (a): QUÍMICA LUÍS FERNANDO Roteiro de estudos para recuperação trimestral Conteúdo: Referência para estudo: Sites recomendados:

Leia mais

MICROSCOPIA. 1665 Robert Hooke, obra: Micrographia; Denominação células.

MICROSCOPIA. 1665 Robert Hooke, obra: Micrographia; Denominação células. CITOLOGIA Instituto Dom Fernando Gomes Professora: Cristiane Fontes Santos Graduação: Ciências Biológicas Lic. pela Universidade Federal de Sergipe Pós-graduação: Gestão em Saúde UFS E-mail: cfsfontes@hotmail.com

Leia mais

FISIOLOGIA COMPARATIVADA EXCREÇÃO AULA 1: EXCREÇÃO EM INVERTEBRADOS

FISIOLOGIA COMPARATIVADA EXCREÇÃO AULA 1: EXCREÇÃO EM INVERTEBRADOS FISIOLOGIA COMPARATIVADA EXCREÇÃO AULA 1: EXCREÇÃO EM INVERTEBRADOS Tipos de órgão excretor Vacúolo contrátil(protozoários e Porífera) Nefrídios: Protonefrídio(Vermes chatos) Metanefrídio(Oligoqueta) Nefrídio(Moluscos)

Leia mais

41 Por que não bebemos água do mar?

41 Por que não bebemos água do mar? A U A UL LA Por que não bebemos água do mar? Férias no verão! Que maravilha! Ir à praia, tomar um solzinho, nadar e descansar um pouco do trabalho. Enquanto estamos na praia nos divertindo, não devemos

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Reposição Hidroeletrolítica Introdução A meta da terapia com fluídos é a restauração do volume e composição de líquidos corporais à normalidade

Leia mais

Introdução à Química Inorgânica

Introdução à Química Inorgânica Introdução à Química Inorgânica Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira Química A Química é uma ciência que está diretamente ligada à nossa vida cotidiana. A produção do pão,

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

Prof.: Ramon L. O. Junior 1

Prof.: Ramon L. O. Junior 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais