Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca."

Transcrição

1 Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello 9 período Faculdade de Educação UFRJ Orientadoras: Yvonne Maggie (IFCS) e Ana Prado (FE) Pesquisa: Ethos escolar e trajetórias estudantis no ensino médio do Rio de Janeiro: causas e consequências do abandono das salas de aula. Resumo: Meu objetivo nesse trabalho é descrever e refletir sobre as trajetórias escolares e pessoais que estimulam a permanência dos estudantes no ensino médio. Quem sãoos alunos, quais são as suas trajetórias, quais as suas relações com a escola, com a educação, com a família e suas perspectivas de futuro. Para entender essas relações a observação participante é a metodologia basilar, aliada também a entrevistas abertas. Este trabalho é resultado da observação participante em uma escola estadual carioca situada na zona norte da cidade. Mesmo com a existência de uma peneira... na escola, como foi dito por uma professora, há alunos que conseguem atravessar esse nível de ensino sem reprovações. Eles afirmam que as redes de sociabilidade criadas na escola influenciam positivamente seu desempenho e a continuidade dos estudos. Palavras-chave: Reprovação Permanência Ensino Médio Redes de Sociabilidade Introdução Esse projeto está inserido na pesquisa Ethos escolar e trajetórias estudantis no ensino médio do Rio de Janeiro: causas e consequências do abandono das salas de aula, desenvolvido pela professora Yvonne Maggie. Em março de 2012 me vinculei a esse projeto e comecei uma pesquisa com alunos do primeiro ano do Ensino Médio de uma escola estadual carioca, localizada na 1

2 Zona Norte da cidade. Inicialmente analisei os olhares produzidos pelos alunos sobre a escola, sua sala de aula, seus colegas e seus professores. Utilizei a metodologia clássica da antropologia, a observação participante para acompanhar os alunos em todas as suas atividades na escola e realizei entrevistas com esse grupo. Também elaborei um trabalho de produção fotográfica com os estudantes em que eles retrataram e refletiram sobre seu cotidiano, os símbolos e rituais existentes na escola. Ao longo de dois anos de observação participante pude me deparar como uma questão muito pertinente àquele contexto. Da turma de 55 alunos que ingressaram no ano de 2012 no primeiro ano do ensino médio, 13 passaram para o segundo ano. Os outros se transferiram, abandonaram ou ficaram reprovados. Uma professora fez uma reflexão sobre as peneiras existentes na trajetória escolar dos alunos. Segundo ela há uma primeira peneira na antiga quinta série, seguida pelo momento da saída do ensino fundamental e a terceira peneira ocorre no primeiro ano do ensino médio. Para ela, este período funcionava como uma espécie de divisor de águas nas escolas. Estudos já realizados indicam que essas peneiras não são algo exclusivo dessa instituição. A repetência é um fenômeno recorrente nas escolas de ensino médio do Rio de Janeiro. Schwartzman (2006) mostra que o grande funil do sistema educacional do Brasil não está mais no ensino fundamental como se acreditava até alguns anos atrás, mas sim no ensino médio. Ele aponta que no ensino médio, a taxa de reprovação do Rio de Janeiro, de 33.3% um em cada 3 alunos é uma das Piores do Brasil (SCHWARTZMAN; 2011:5). Mantém-se, portanto, a pedagogia da repetência, descrita em 1991 por Sérgio Costa Ribeiro. Este processo estudado por diversos pesquisadores e descrito por essa professora nos mostra um contexto de acentuada evasão, abandono e reprovação. Contudo há poucos trabalhos que se aprofundam no estudo dos alunos que sobrevivem a essas peneiras e continuam seu curso escolar, principalmente no ensino médio. É sobre esses alunos que trato em meu trabalho. Procuro descrever a trajetória dos treze estudantes que acompanho desde o primeiro ano do ensino médio: quem são, quais são as suas trajetórias, quais as suas relações com a escola, com a educação, com a família e suas perspectivas de futuro. 2

3 Neste trabalho busco apresentar os resultados de minha pesquisa ao longo desses dois anos. Primeiramente me atenho ao trabalho fotográfico, intitulado Projeto Autorretrato, que realizei com os alunos em seu primeiro ano no Ensino Médio. Depois analiso entrevistas feitas com os alunos que sobreviveram ao primeiro ano. Na última parte, faço um diálogo mais estreito entre os resultados e a teoria. Trabalho de campo: do autorretrato às redes de sociabilidade Em 2012 realizei um trabalho com os alunos do primeiro ano do ensino médio intitulado Projeto Autorretrato. Nele os alunos tiveram a oportunidade de fotografar, em seus celulares ou câmeras fotográficas, o que julgassem mais interessante na escola, o que mais os chamava atenção. Em uma dessas fotos foi retratado um grupo de alunos sentados em uma das escadas da escola. Como pedi para que descrevessem as fotos, eles disseram que aquela era a galera da escada. Assim como essa, houve outras fotos em que eles se retrataram junto ao seu grupo de amigos. Como nos diz Peixoto, a análise das imagens coloca à prova a capacidade de identificar o que há de antropológico nessas imagens e de reconhecer, na banalidade de alguns planos, as manifestações cristalizadas das relações sociais. (PEIXOTO 1998:7). Esse trabalho suscitou questões do tipo: como é ser aluno nessa escola? O que é importante nela? Quando vocês acordam de manhã para vir para a aula o que vocês esperam? Ao responderem a essas perguntas os alunos ressaltaram as redes de amizade como um dos fatores para a permanência na escola e o seu resultado nas aulas. O trabalho fotográfico possibilitou um novo olhar para o campo e comecei a analisar a influencia dessas redes de sociabilidade e os discursos que as permeiam. De que maneira elas influenciavam a vida escolar daqueles estudantes? Outros recursos como a observação participante e as entrevistas foram fundamentais para ler o que as fotos poderiam significar. No segundo ano de trabalho com esses alunos, mantive-me fazendo a observação participante e também realizei entrevistas com onze dos treze alunos que tinham feito parte da turma que acompanhei no primeiro ano da pesquisa. Eles foram os que passaram pela peneira do primeiro ano do ensino médio. Nas entrevistas perguntei sobre a Nela foram contemplados assuntos que dizem respeito à família, a 3

4 trajetória escolar, as opiniões sobre a escola, a discriminação, o trabalho, a repetência, a rotina, os relacionamentos, o lazer. Farei aqui uma opção por ressaltar aspectos que dialogam com a questão central neste trabalho que são as redes. A primeira informação que aparece no grupo de alunos pesquisados é que de treze alunos que passaram de série, onze são mulheres e dois são homens. No trabalho de campo frequentando as aulas em turmas de segundo ano, vejo que essa situação se mantém. Quando perguntados a respeito de sua escola falam que ela tem uma fama de desorganizada e é conhecida como escola de quem não quer nada. Na questão sobre o que seria uma escola ruim metade dos alunos citam a sua como exemplo. Além disso, afirmaram que essa escola não era a escola que queriam cursar o ensino médio. Perguntei então, se trocariam de escola. A resposta, na maioria dos casos, é que quando entraram sim, mas agora não, pois já haviam se enturmado criando amigos na escola. Sobre a escolha da escola, muitos falaram sobre terem sido influenciados pelas escolhas dos amigos. Eles combinaram previamente quais escolas tentariam. Contudo, mesmo com a influência de seus grupos, as mães aparecem com o ator que deu o veredicto sobre onde eles iam estudar. Essas mães são muito mais escolarizadas que os pais. Enquanto elas têm o ensino médio completo ou incompleto, os pais aparecem tendo apenas o ensino fundamental incompleto. São elas também quem acompanham os estudos desses jovens, enquanto os pais aparecem mais como figuras punitivas. Sobre os motivos pelos quais gostam de vir à escola, aparece fortemente a relação com os amigos. Muitos destacam a influência direta do grupo de amigos na sua aprovação e algumas vezes na sua reprovação. Destacam também o diálogo, o entrosamento, a atenção e o saber explicar, como pontos importantes para ser um bom professor. Conclusão Tendo em vista a relação enfraquecida que esses alunos demonstraram ter com a sua escola ao colocarem esta como exemplo de escola ruim, estes estudantes se utilizam de outros recursos para permanecerem naquele ambiente. 4

5 O conceito de capital social de Bourdieu (1980) é interessante para nossa análise na medida em que esse é visto como um conjunto de recursos vinculados ao pertencimento a um grupo. Para ele, essas redes de relações podem ser produtos conscientes ou inconscientes de uma ação direcionada a uma instituição com o intuito de transformar as relações em meios de garantir direitos, reconhecimento, respeito. Honorato (2005) usa o termo famílias de substituição para falar de um grupo em que se herda um ethos de ascensão pela escola. Nelas há uma solidariedade grupal que ajuda no processo escolar. Podemos citar aqui a influencia de certos professores no incentivo a permanência desses alunos na escola. Analisei alguns dos motivos da permanência desses alunos na escola. Um dos que mais me chamou atenção em suas falas e em seu cotidiano foram as redes de amizade. Os dados indicam que as redes influem em suas escolhas educacionais, em seus desempenhos e facilitam ou dificultam o fortalecimento de laços de pertencimento à escola. Bibliografia BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. In: NOGUEIRA & CATANI (Org.). 14 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, HONORATO, G. Estratégias Coletivas em torno da Formação Universitária: Status, Igualdade Mobilidade entre Desfavorecidos. Dissertação de Mestrado. UFRJ, IFCS, RJ: PEIXOTO, Clarice. Caleidoscópio de imagens: o uso das imagens e a sua contribuição à análise das relações sociais. In Feldman-Bianco B. e Moreira Leite M., Desafios da Imagem: fotografia, iconografia e vídeo nas CS. Ed. Papirus, 1998 (2001, 2a ed.) RIBEIRO, S. C. A pedagogia da repetência. Estud. av., São Paulo, v. 5, n. 12, Agosto SCHWARTZMAN, S. Melhorar a educação no Rio de Janeiro: um longo caminho. In: URANI & GIAMBIAGI. Rio A Hora da Virada. Rio de Janeiro: Elsevier,

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava.

Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava. Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava. Laila Cristina Cezar Rezende (UFRJ / FE) Eixo Temático: A idéia parecia boa, mas não deu muito certo. Da próxima vez... Resumo

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema

Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema Anexos 71 Anexo I Exmo. Sr. Encarregado de Educação Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema Este

Leia mais

Regulação Bimestral do Processo Ensino Aprendizagem 3º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data:

Regulação Bimestral do Processo Ensino Aprendizagem 3º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data: Regulação Bimestral do Processo Ensino Aprendizagem 3º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data: Disciplina: Antropologia Urbana Professor: Luis Fernando Caro estudante; Ao longo do bimestre desenvolvemos

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

FOTOGRAFIA: Uma experiência entre arte e vida

FOTOGRAFIA: Uma experiência entre arte e vida FOTOGRAFIA: Uma experiência entre arte e vida Mariete Taschetto Uberti 1 Resumo: A proposição deste ensaio originou-se de um projeto desenvolvido junto a uma turma de 7º ano, de uma Escola Rural de Ensino

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Resumo: Este trabalho é resultado do curso de formação Gestar II Matemática,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO Autor: Riselda Maria de França Oliveira Universidade Estadual do Rio de Janeiro - riseldaf@hotmail.com Co-autor: Marcelo Alex de Oliveira

Leia mais

O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS

O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS Luciana Cristina Araújo da Silva/Universidade Federal Fluminense alteridadeounao@yahoo.com.br Walison Boy dos Santos/Universidade

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO COMPONENTE CURRICULAR: SEMINÁRIO DE CULTURA CONTEMPORÂNEA II ANTROPOLOGIA. Professora: Me. Camila Sissa Antunes

CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO COMPONENTE CURRICULAR: SEMINÁRIO DE CULTURA CONTEMPORÂNEA II ANTROPOLOGIA. Professora: Me. Camila Sissa Antunes CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO COMPONENTE CURRICULAR: SEMINÁRIO DE CULTURA CONTEMPORÂNEA II ANTROPOLOGIA Professora: Me. Camila Sissa Antunes ANTROPOLOGIA URBANA Etnografias do espaço público RUA como

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EJA DO SESC LER EM ACAUÃ PIAUÍ

FORMAÇÃO DOCENTE: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EJA DO SESC LER EM ACAUÃ PIAUÍ Revista Científica Interdisciplinar. ISSN: 2358-8411 Nº 3, volume 2, artigo nº 20, Julho/Setembro 2015 D.O.I: http://dx.doi.org/10.17115/2358-8411/v2n3a20 FORMAÇÃO DOCENTE: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

ENTREVISTA. Clara Araújo

ENTREVISTA. Clara Araújo ENTREVISTA Clara Araújo RE - Inicio de suas atividades acadêmicas? CA - Iniciei minhas atividades acadêmicas como professora de uma Faculdade que não mais existe, aqui no Rio, em 1985. Depois comecei a

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

PERFIL DOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE TERESINA

PERFIL DOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE TERESINA PERFIL DOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE TERESINA * Kezia Costa de Sousa Nathan da Silva Cunha Universidade Federal do Piauí RESUMO O presente trabalho discute a problemática da Educação de

Leia mais

Projeto Escola e família: construindo novos caminhos

Projeto Escola e família: construindo novos caminhos Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Projeto Escola e família: construindo novos caminhos ELIZÂNGELA. S. VIEIRA COORDENADORA DE PROJETOS EDUCACIONAIS

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE A BUSCA DO INTERESSE NA SALA DE AULA LUCILEIA NAVARRO GARCIA Profª. FABIANE

Leia mais

Eixo 1 - Autonomia econômica e igualdade no mundo do trabalho, com inclusão social.

Eixo 1 - Autonomia econômica e igualdade no mundo do trabalho, com inclusão social. Eixo 1 - Autonomia econômica e igualdade no mundo do trabalho, com inclusão social. Estes dados são resultado de um processo participativo sem desenho amostral e cumprimento de cotas, cuja margem de erro

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. São Geraldo/Barnabé

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. São Geraldo/Barnabé Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS São Geraldo/Barnabé Data: 29/04/2015 Nomes: Nícolas Christmann João Marcelo Paulo Francisco Matheus Valadares

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um 1. Introdução Tomo consciência de mim, originalmente, através do outro: deles recebo a palavra, a forma e o tom que servirão à formação original da representação que terei de mim mesmo. (BAKHTIN, 1992,

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

ENCONTRO "PCN EM AÃÃO"

ENCONTRO PCN EM AÃÃO ENCONTRO "PCN EM AÃÃO" RELATO DA PAUTA DO ENCONTRO Cuiabaß - Parte de 5¼ a 8¼ súrie por Caio M. Costa 1 a. dia - Manhã 1 a. parte - todos juntos - Ana Rosa e Rosaura Apresentação dos PCNs Níveis de concretização

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero (A autora deste artigo é procuradora da República. Como mãe de duas crianças que freqüentam a educação infantil, e como profissional na área

Leia mais

CORES E ENREDOS QUE RETRATAM AS INFÂNCIAS: OS DESENHOS INFANTIS COMO RECURSO DE PESQUISA NO CAMPO EDUCACIONAL

CORES E ENREDOS QUE RETRATAM AS INFÂNCIAS: OS DESENHOS INFANTIS COMO RECURSO DE PESQUISA NO CAMPO EDUCACIONAL CORES E ENREDOS QUE RETRATAM AS INFÂNCIAS: OS DESENHOS INFANTIS COMO RECURSO DE PESQUISA NO CAMPO EDUCACIONAL Palavras-chave: Pesquisa; desenhos infantis; consumismo e escolarização. Ediane Weis 1 Lenir

Leia mais

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Joelma Cristina Parente Monteiro Alencar-UEPA/Brasil Resumo A escola do povo Aikewara foi instalada pela FUNAI,

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Docência no Ensino Superior

Docência no Ensino Superior Docência no Ensino Superior Trajetórias e Saberes Ana Paula Pereira Arantes Raimunda Abou Gebran 2013 Ana Paula Pereira Arantes; Raimunda Abou Gebran Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial.

Leia mais

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS CAIADO, Katia Regina Moreno Docente da Faculdade de Educação da Puc-Campinas Doutoranda na Faculdade de Educação da USP. INTRODUÇÃO

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE BARREIRO, Cristhianny Bento 1 IFSUL AFONSO, Marcela da Silva 2 IFSUL CASTRO, Beatriz Helena Viana 3 IFSUL Grupo de Trabalho

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS Resumo Solange da Silva Figueiredo; Isabel Cristina da Silva Gonçalves;

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Entre a favela e uma escola de elite: um estudo sobre trajetórias de jovens participantes do projeto Escola da Comunidade

Entre a favela e uma escola de elite: um estudo sobre trajetórias de jovens participantes do projeto Escola da Comunidade Entre a favela e uma escola de elite: um estudo sobre trajetórias de jovens participantes do projeto Escola da Comunidade Autora: Amanda Prado de Oliveira. Universidade de São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Projeto: o que pensam os jovens de baixa renda sobre a escola?

Projeto: o que pensam os jovens de baixa renda sobre a escola? Projeto: o que pensam os jovens de baixa renda sobre a escola? Haroldo da Gama Torres Danilo França Jacqueline Teixeira Rafael Camelo Edgard Fusaro Junho de 2013 EQUIPE Haroldo da Gama Torres Danilo França

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANDRÉ ANTÔNIO MAGGI SACOLA MÁGICA E LATA LITERÁRIA Claudia

Leia mais

Introdução. I o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;

Introdução. I o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; Apresentação A entrada das famílias populares nas escolas públicas brasileiras, sobretudo a partir da década 1970, representa um dos fenômenos mais importantes para a construção de uma sociedade democrática,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS.

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. COLLING, Janete 1 ; ZIEGLER, Mariani 1 ; KRUM, Myrian 2. Centro Universitário franciscano - UNIFRA E-mails: janetecolling@hotmail.com;

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015 Ara Pyaú Haupei Kyringue Paola Correia Mallmann de Oliveira Este ensaio fotográfico é uma aproximação ao ara pyaú (tempo novo) e às kiringue (crianças) no nhanderekó, modo de ser tradicional entre os mbyá

Leia mais

SOBRE O MEIO AMBIENTE NO CURSO DA CONSTRUÇÃO DA CIDADE: ACERVOS FOTOGRÁFICOS

SOBRE O MEIO AMBIENTE NO CURSO DA CONSTRUÇÃO DA CIDADE: ACERVOS FOTOGRÁFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL VI SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1983-2013 Michel Pêcheux: 30 anos de uma presença Porto Alegre, de 15 a 18 de outubro de 2013 SOBRE O MEIO AMBIENTE

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL, EVASÃO ESCOLAR E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO MACHADO, Marcela, R.L. MOREIRA, Priscila R. Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO: Este

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES

O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES Berenice Lurdes Borssoi 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE bereborssoi@bol.com.br RESUMO: O intenso processo de mudanças originadas

Leia mais

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Deiseane Louise Santos Oliveira (PPGE/UFAL) Resumo A preocupação com a temática surgiu a partir de uma prática interventiva em que atuei como bolsista

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

O ensino de teatro na Escola de Tempo Integral Rogério Moura UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Palavras-Chave: Escola tempo espaço- formação

O ensino de teatro na Escola de Tempo Integral Rogério Moura UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Palavras-Chave: Escola tempo espaço- formação 1 O ensino de teatro na Escola de Tempo Integral Rogério Moura UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Palavras-Chave: Escola tempo espaço- formação A jornada integral começou a ganhar força no contexto

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

PIBIC 05/06. Departamento de Educação

PIBIC 05/06. Departamento de Educação PIBIC 05/06 Departamento de Educação Alunas: Sandra Mendes Moreira Orientadora: Tânia Dauster Título do Projeto: Escrita na Universidade Os Universitários e as Relações entre Leitura E Escrita ESCRITA

Leia mais

A ESCOLA É QUE NÃO ENTENDE: ESTRATÉGIAS FAMILIARES E PROCESSOS DE ESCOLARIZAÇÃO EM CAMADAS POPULARES DO MUNICÍPIO DE POCINHOS PB.

A ESCOLA É QUE NÃO ENTENDE: ESTRATÉGIAS FAMILIARES E PROCESSOS DE ESCOLARIZAÇÃO EM CAMADAS POPULARES DO MUNICÍPIO DE POCINHOS PB. A ESCOLA É QUE NÃO ENTENDE: ESTRATÉGIAS FAMILIARES E PROCESSOS DE ESCOLARIZAÇÃO EM CAMADAS POPULARES DO MUNICÍPIO DE POCINHOS PB. Maria da Guia Costa Araújo Orientanda - Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

diversidade e desigualdade na escola

diversidade e desigualdade na escola Fórum de Pesquisas CIES 2006 6-dez Pedro Abrantes e João Sebastião colaboração de Ana Raquel Matias, Joana Campos, Susana Martins e Teresa Seabra diversidade e desigualdade na escola síntese de pesquisas

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana,

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana, DESAFIOS DA ALFABETIZAÇÃO/ LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO DA AMAZÔNIA PARAENSE: ANÁLISE A PARTIR DAS NARRATIVAS DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CURRALINHO Resumo Heloisa

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais