ESTUDO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA FRUTA DA PALMA (FIGO DA ÍNDIA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA FRUTA DA PALMA (FIGO DA ÍNDIA)"

Transcrição

1 Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , ISSN ESTUDO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA FRUTA DA PALMA (FIGO DA ÍNDIA) Cláudia Dourado Medeiros 1, Josilene de Assis Cavalcante 2, Odelsia Leonor Sánchez de Alsina 3 RESUMO A maioria das frutas tropicais são altamente perecíveis, com vida útil curta, que implica em perdas na produção. A fim de minimizar essas perdas várias pesquisas envolvendo a desidratação osmótica estão sendo realizadas. Esse trabalho teve como principal objetivo estudar a desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia), como pré-tratamento a secagem em leito fixo. As condições operacionais para o estudo da desidratação osmótica foram: concentração da solução osmótica de 2, 3, e 5 Brix, tempo de imersão na solução de sacarose que variou de tempos curtos (3 a 27 min) e tempos longos ( a h) e efeito da agitação magnética. Todos os testes foram realizados à temperatura ambiente. Análises físicoquímicas como redução de peso (RP), ganho de açúcar (GA) e umidade foram realizadas. Foi verificado um aumento gradativo na redução de peso (RP) bem como no ganho de açúcar (GA) e uma diminuição do teor de umidade quando a concentração de sacarose e o tempo de imersão foram aumentados. O feito da agitação não foi significativo. O tempo de operação para atingir condições estáveis foi de aproximadamente 2 horas. Palavras-chave: Fruta da palma, desidratação osmótica, sólidos solúveis ( Brix) STUDY OF THE OSMOTIC DEHYDRATION OF THE FRUIT OF THE PALM (FIG OF THE INDIAN) ABSTRACT Most of the tropical fruits are very pereshible with a short life, which causes production losses. In order to minimize these losses research about osmotic dehydration was developed. The present work deals with the osmotic dehydration of prickly pear by sucrose solutions as a pretreatment before the convective drying. The following operational conditions were used: sucrose concentration 2, 3 and 5 o Brix; short immersion time from 3min to 27min and long immersion time hs to hs; with and without agitation. All the experimental runs were performed at ambient temperature. The process performance was evaluated by means of the weight reduction (RP) sugar gain (GA) and moisture content (X). It was verified that the osmotic dehydration is improved by increasing the o Brix of the solution and the immersion time. No significant influence of agitation was observed in the present conditions. The operation time to attain stable conditions was about 2 hours. Keywords: pickly pear, osmotic dehydration. Protocolo 9 de 25//26 1 Aluna IC/PIBIC/UAEQ/UFCG 2 Pesquisadora DCR/FAPESQ-PB/CNPq. 3 Prof a. da Unidade Acadêmica de Engenharia Química/UFCG. Av. Aprígio Veloso, 2, Bodocongó, Campina Grande-PB, CEP , Tel. (3)

2 15 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al. INTRODUÇÃO A desidratação osmótica, além do seu baixo custo energético frente a outros métodos de desidratação, adéqua a todas as escalas de produção, sendo uma alternativa tecnológica à redução das perdas pós-colheita (Aguiar et al., 22). Silveira & Alves (22) citam como vantagens da desidratação osmótica: (i) a diminuição do teor de umidade inicial do alimento em torno de 2-5%, (ii) a conservação das características organolépticas e nutricionais que visa primeiramente melhorar a qualidade ao produto e (iii) a redução do tempo de secagem convectiva e custo do processo. Enquanto que Travaglini et al. (1997) citam como desvantagens: (i) a permanência de uma indesejável fina camada de açúcar na superfície da fruta e (ii) a tendência da fruta se tornar rançosa e com teor de umidade muito baixo. A sacarose como agente osmótico pode reduzir a acidez natural das frutas, aumentando o sabor doce no produto final Goularte et al. (2). Dentre as espécies frutíferas que se constituem em alternativa econômica para o semi-árido brasileiro e que podem contribuir com o desenvolvimento da região, destaca-se a fruta da palma forrageira, conhecido também como fruto da Índia. O cultivo da palma forrageira, cujo nome científico é Opuntia fícus indica, para a produção de frutas se concentra no estado de São Paulo por obra dos colonos italianos, que trouxeram da terra natal tanto o gosto pelo figo quanto as técnicas de manejo (Glass, 2). De acordo com Corbo et al. (2) a fruta da palma é uma baga com aparência oval, de casca grossa carnosa (3 a % do peso da fruta) envolvendo uma polpa suculenta com muitas sementes revestidas de uma camada dura (5 a 1% do peso da polpa). A fruta da palma (figo da índia) é rica em vitamina C, cálcio e fibras (Cantwell, 21). Quando madura, sua polpa é suculenta e de sabor doce, as sementes têm coloração escura e são comestíveis. MATERIAS E METODOLOGIA Matéria prima A fruta da palma (figo da Índia), utilizada neste trabalho, é proveniente da região do cariri paraibano. As mesmas foram colhidas em estado de maturação apropriada para o consumo, acondicionadas em caixas e transportadas ao Laboratório de Transferência em Meios Porosos e Sistemas Particulados do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal de Campina Grande. A fruta da palma, do plantio à colheita, é mostrada na Figura 1. (a) (b) (c) (d) Figura 1 - Fruta da palma (figo da Índia): (a) plantio da palma forrageira, (b) florada que se transforma no fruto (c) frutos para colheita e (d) fruta com maturação apropriada para consumo. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

3 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al. 155 Para cada experimento realizado, as frutas foram lavadas e cortadas nas extremidades e descascadas cuidadosamente devido aos pequenos espinhos que constituem a sua casca. Depois de descascadas, as frutas foram cortadas em fatias de aproximadamente um centímetro de espessura. Caracterização da fruta da palma ( Brix) A determinação do teor de sólidos solúveis ( Brix) da polpa da fruta foi feita utilizando o refratômetro de Abbe. A polpa da fruta foi macerada para obtenção de uma amostra isenta de resíduo, que pudesse ser utilizada no equipamento para uma leitura apropriada. Preparo da solução osmótica A solução osmótica foi preparada misturando-se água destilada com sacarose (açúcar comercial), sob temperatura ambiente, para a obtenção de uma solução (xarope) com a concentração desejada que variou entre 2 ºBrix e 5 ºBrix. Estas concentrações foram escolhidas com base nos dados da literatura consultada para outras frutas (Mauro et al., 2; Silva et al., 26; Torres et al., 26). Condições de processamento As fatias da fruta da palma foram pesadas e colocadas em cestas individuais e numeradas confeccionadas com tela de alumínio. Estas cestas foram então imersas na solução osmótica num recipiente à temperatura ambiente e. Na primeira etapa dos experimentos, destinada a uma análise preliminar do comportamento da desidratação osmótica, o tempo de imersão foi de 2 horas. As concentrações de sacarose utilizadas foram de 2 Brix e 5 Brix. Nas primeiras,5 horas do experimento uma amostra foi retirada a cada 3 minutos para análise. Também foi analisada a amostra após o tempo final de 2 horas. A partir dos resultados exploratórios obtidos na primeira etapa foi projetada uma série de experimentos realizados na segunda etapa, com um tempo total de imersão de horas. Foram utilizadas soluções com Brix e 5 Brix. Amostras individuais foram retiradas a cada horas para análise, exceto em dois intervalos separados por períodos de aproximadamente de horas. Para análise do efeito da agitação sobre o processo de desidratação osmótica da fruta da palma, numa terceira etapa, foram realizados experimentos sob agitação magnética de 3±3 rpm com concentrações de 3, e 5 Brix. Decorrido o tempo estipulado preliminarmente, as amostras foram retiradas da solução osmótica e colocadas sobre papel absorvente. Após a retirada do excesso de solução, as amostras foram pesadas para o cálculo da redução de peso (RP); em seguida as mesmas foram divididas em duas partes: uma parte foi macerada para a determinação do Brix para o cálculo do ganho de açúcar (GA), e a outra parte foi utilizada para a determinação da umidade final da amostra pelo método da estufa: secagem da amostra a 15 C durante 2 horas. Cálculo das propriedades características estudadas Os cálculos da redução de peso (RP) e do ganho de açúcar (GA) e umidade foram feitos de acordo com as Normas Analíticas estabelecidas pelo Instituto Adolfo Lutz (195). A redução de peso da fruta da palma após a desidratação osmótica foi calculada através da Equação 1: ( mo mf ) RP = (1) mo onde: m o = massa inicial(g) m = massa final (g) f O ganho de açúcar (sólidos solúveis) da fruta da palma após a desidratação osmótica foi calculado através da Equação 2: ( mf yf ) ( mo yo) GA = (2) m o onde: m o = massa inicial(g) m f = massa final (g) y o = fração de sólidos solúveis inicial y f = fração de sólidos solúveis final A umidade em base seca da fruta da palma antes e após a desidratação osmótica foi calculada através da Equação 3: Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

4 156 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al. X m m i ss = (3) mss onde: m i = massa da alíquota colocada na estufa m ss = massa final da amostra após a secagem em estufa (g) RESULTADOS E DISCUSSÃO Após várias medições foi obtido para a fruta da palma in natura o Brix médio igual a 9,7±,3. Os resultados obtidos na primeira etapa, onde os experimentos foram realizados sem agitação e à temperatura ambiente, são apresentados nas Figuras 2 e 3 que ilustram a redução de peso (RP) e o ganho de açúcar (GA) durante a desidratação osmótica da fruta da palma, respectivamente.. Analisando a Figura 2 pode-se observar que para as amostras imersas na solução de 2 Brix, após uma rápida redução de apenas 2% nos primeiros 3 minutos, praticamente não ocorreu variação posterior na redução de peso durante todo o experimento. Entretanto, para a solução de 5 Brix houve uma perda em torno de 1% nos primeiros 3 minutos com um aumento significativo da redução de peso das amostras nas 6 horas seguintes e atingindo aproximadamente 35% de perda de massa ao final das 2 horas. 35 Brix = 5 Brix = RP(%) Figura 2 - Redução de peso (RP) da amostra na desidratação osmótica. Brix = 5 Brix = 2 1 GA (%) Figura 3 - Ganho de açúcar (GA) da amostra na desidratação osmótica. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

5 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al. 157 Como a redução de peso das amostras foi analisada apenas no intervalo de,5 a,5 horas e após 2 horas, pode-se observar que para a solução de 5 Brix é necessário um estudo mais detalhado das amostras no intervalo de tempo não analisado. Na Figura 3 observa-se que ao longo do tempo do tempo de imersão, ocorreu um ganho de açúcar (GA) para as amostras em ambas as soluções. No entanto, o comportamento é semelhante ao observado para a perda de peso. Para a solução de 2 Brix, no intervalo de,5 a,5 horas e após 2 horas o aumento do ganho de açúcar foi pequeno, já para a solução de 5 Brix o aumento foi considerável. Também neste caso é evidente a necessidade de um estudo no intervalo não analisado. De acordo com as observações verificadas na primeira etapa dos experimentos de desidratação osmótica, optou-se: (i) pela não utilização da solução de 2 Brix, pois esta não apresentou variações consideráveis na faixa estudada, (ii) pela variação do tempo de imersão da amostra e (iii) pela utilização de também de solução de Brix. Nas Figuras, 5 e 6 são apresentados os resultados de redução de peso (RP), ganho de açúcar (GA) e umidade (X), obtidos durante a desidratação osmótica da fruta da palma na segunda etapa. Nesta etapa os experimentos também foram realizados à temperatura ambiente e. A partir dos resultados apresentados nas Figuras e 5 foi observado que com o aumento do tempo de imersão das amostras nas soluções osmóticas ocorreu aumento gradativo na redução de peso (RP) bem como no ganho de açúcar (GA), tanto para as amostras na solução de Brix quanto para as amostras na solução de 5 ºBrix. Observa-se que, no intervalo de tempo estudado, a solução de 5 Brix apresentou em geral os melhores resultados, com uma redução de peso em torno de 36% e ganho de açúcar de 17 %. 3 RP (%) Brix 5 Brix Figura - Redução de peso (RP) da amostra na desidratação osmótica GA (%) te mpo (h) Brix 5 Brix Figura 5 - Ganho de açúcar (GA) da fruta da palma na desidratação osmótica. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

6 15 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al. Através dos resultados experimentais foram obtidas as curvas características da desidratação da fruta da palma. Na Figura 6 é representada a umidade em base seca normalizada com a umidade inicial em função do tempo para processamento com solução de sacarose nas concentrações de e 5 ºBrix e para tempo total de imersão de horas. Foi observado que, para ambas as concentrações utilizadas, houve redução do teor de umidade, atingindo até 25% do valor inicial com 5 o Brix em quanto que com o Brix a umidade final resultou em aproximadamente % da umidade inicial. Observa-se ainda na Figura 6 que após 2 horas as amostras não apresentaram variação significativa do teor de umidade indicando ter atingido equilíbrio com o meio. Nas Figuras 7 a 15 se verifica o efeito da agitação magnética sobre o processamento da fruta de palma com soluções de 3, e 5 Brix. 1, Brix 5 Brix, (X/X i ),6,,2, tem po (h) Figura 6 Efeito da concentração da solução no teor de umidade da fruta da palma RP (%) Figura 7 - Redução de peso da fruta da palma para solução osmótica com Brix = 3%. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

7 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) 32 Medeiros et al RP (% ) tempo ( h) Figura - Redução de peso da fruta da palma para solução osmótica com Brix = % RP (%) s em agitação Figura 9 - Redução de peso da fruta da palma para solução osmótica com Brix = 5%. 1 GA (%) Figura 1 Ganho de açúcar da fruta da palma para solução osmótica com Brix = 3%. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

8 16 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al. 16 GA (%) Figura 11 Ganho de açúcar da fruta da palma para solução osmótica com Brix = %. 16 GA (%) Figura Ganho de açúcar da fruta da palma para solução osmótica com Brix = 5%. 1,,,6 X/X o,,2, Figura 13 - Teor de umidade da fruta da palma para solução osmótica com Brix = 3%. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

9 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al ,,,6 X/X o,,2, Figura 1 - Teor de umidade da fruta da palma para solução osmótica com Brix = %. 1,,,6 X/X o,,2, Figura 15 - Teor de umidade da fruta da palma para solução osmótica com Brix = 5%. Foi observado que a agitação magnética não influenciou na redução de peso (Figuras 7, e 9) e no ganho de açúcar (Figuras 1, 11 e ) da fruta da palma para a faixa de Brix estudado, uma vez que ambas as curvas - com agitação magnética e magnética - apresentam a mesma tendência de comportamento, ou seja, com o aumento do tempo de imersão das amostras nas soluções osmóticas ocorreu uma perda gradativa de peso bem como no ganho de açúcar, não se observando diferenças significativas nas taxas de GA e RP. Analisando as Figuras 13, 1 e 15, nas quais são mostradas as curvas características da umidade normalizada em base seca nas concentrações de sacarose de 3, e 5 ºBrix, respectivamente, foi observado que a taxa de saída de água do interior do material também não foi favorecida pela agitação magnética. Estes resultados são fortes indícios de que a resistência predominante para a transferência de massa estaria no interior da fruta, ao menos nas condições estudadas. As curvas apresentadas confirmam ainda que com 2 horas de processamento são alcançadas condições de equilíbrio, independente da agitação e do o Brix da solução osmótica. CONCLUSÕES Foi estudada a desidratação osmótica do figo de palma com solução de sacarose de diversas concentrações, a temperatura Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

10 162 Estudo da desidratação osmótica da fruta da palma (figo da índia) Medeiros et al. ambiente, de aproximadamente 25 o C. Foi encontrado que as taxas de transferência de massa são favorecidas pelo aumento do o Brix da solução mas não houve efeito significativo da agitação, indicando que a resistência dominante é interna. Condições estáveis são obtidas após aproximadamente 2 horas de processamento. Nas condições mais favoráveis, com a solução de 5 o Brix, após esse tempo a fruta perdeu 36% de peso, apresentou um ganho de açucares de 15% e sua umidade caiu para 25% do valor inicial. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o apoio financeiro da FAPESQ-PB/CNPq. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Aguiar, S.F.; Gaspareto, O.C.P.; Magalhães, M.M.A.; Oliveira, G.L. Estudo da desidratação osmótica da banana nanica. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Química (COBEQ), XIV, 22, Natal, Anais. Natal: UFRN, 22. (CD Rom). Cantwell, M. Manejo pós-colheita de frutas e verdures de palma forrageira. In: Barbera, G., Inglese, P., Barrios, E. P. Agroecologia, cultivo e usos da palma forrageira. Paraíba: SEBRAE, 21. cap 1, p Corbo, M. R.; Altieri, C.; D amato, D.; Campaniello, D.; Del Nobile, M. A.; Sinigaglia, M. Effect of temperature on shelf life and microbial population of lightly processed cactus pear fruit. Postharvest Biology and Technology, v. 31, n. 1, p. 93-1, 2 Glass, V., Sabor entre espinhos. 62,LTO ,.html. 1 Nov. 2. Goularte, V.D.S.; Antunes, E.C.; Antunes, P.L. Qualidade de maçã fuji osmoticamente concentrada e desidratada. Ciência e Tecnologia de Alimentos. Campinas, v.2, n.2, p , 2. Mauro, M. A.; Monnerat, S. M.; Rodrigues, A. E. Vacuum drying of osmotic dehydrated apple slices. In: International Drying Symposium (IDS), 1 th, 2, São Paulo, Proceedings. São Paulo: UNICAMP, 2. v. C, p Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. São Paulo, v. 1, 3 a edição, 195. Silva, V. A.; Alsina; O. L. S; Pereira, J. A. Osmo-convective drying acerola: modeling of the convective kinetics. In: Inter- American Drying Conference (IADC), 3 rd, 25, Montreal, Proceedings. Montreal, 25. (CD-ROM) Silveira, A. M.; Alves, S. M. Tomates secos via processo combinado convecçãodesidratação osmótica. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Química (COBEQ), XIV, 22, Natal, Anais. Natal: UFRN, 22. (CD Rom). Travaglini, D.A.; Aguirre, J.M.; Silveira, E.T. Desidratação de frutas e hortaliças. In: Instituto de Tecnologia de Alimentos - Manual técnico, Campinas: ITAL, 1997, p Torres, J.D.; Talens, P.; Escriche,I.; Chiralt A. Influence of process conditions on mechanical properties of osmotically dehydrated mango. Journal of Food Engineering, v. 7, p. 2-26, 26. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v., n.2, p , 26

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS

Leia mais

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS Marina Massarollo (UNICENTRO), Vivian Buriol (UNICENTRO), Katielle R. V. Córdova (Orientadora), e-mail: kvcordova@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE.

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. Anastácia Maria Mikaella Campos NOBREGA 1, Maria Elita Martins DUARTE 2, Renata Duarte ALMEIDA 3, Suellton Rodrigues ANDRÉ 4. 1 Departamento

Leia mais

DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA MANGABA (Hancornia speciosa) ASSISTIDA POR ULTRASSOM

DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA MANGABA (Hancornia speciosa) ASSISTIDA POR ULTRASSOM DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DA MANGABA (Hancornia speciosa) ASSISTIDA POR ULTRASSOM A. A. L. SILVA 1, L. M. GARCIA 1, G. F. SILVA 2, A. S. LIMA 1 e O. L. S. ALSINA 1 1 Universidade Tiradentes, Instituto de Tecnologia

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CONSERVAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS PELO CONTROLE DE UMIDADE VANTAGENS ECONÔMICAS: Menor

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 MODIFICAÇÕES MICROESTRUTURAIS DE GOIABAS DESIDRATADAS OSMOTICAMENTE LETÍCIA FERNANDES DE OLIVEIRA 1, FAUSTO ALVES DE LIMA JÚNIOR 2 ; JEFFERSON LUIZ GOMÊS CORRÊA 3 RESUMO A desidratação osmótica, quando

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AGENTES PRESERVANTES DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO NO PROCESSO DE SECAGEM DE MAÇÃ

AVALIAÇÃO DE AGENTES PRESERVANTES DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO NO PROCESSO DE SECAGEM DE MAÇÃ AVALIAÇÃO DE AGENTES PRESERVANTES DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO NO PROCESSO DE SECAGEM DE MAÇÃ Sérgio Henriques Saraiva 1, Lílian Bozzi Zeferino 1, Mateus da Silva Junqueira 1, Luís César da Silva 1, Luciano

Leia mais

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Maria Silveira COSTA 1 ; Lourayne de Paula Faria MACHADO 2 ; Rogério Amaro

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Martins Duarte, Maria Elita; Pereira Ugulino, Sânia Mara; Rangel Moreira Cavalcanti Mata, Mario Eduardo; Santos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

PROCESSOS DE SECAGEM APLICADOS NA ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROJETO ALIMENTANDO TALENTOS

PROCESSOS DE SECAGEM APLICADOS NA ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROJETO ALIMENTANDO TALENTOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( x ) TECNOLOGIA PROCESSOS DE SECAGEM APLICADOS NA ENGENHARIA DE ALIMENTOS

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Sabrina Vargas MONTEIRO¹; Maria Alice NASCIMENTO ²; Adryze Gabrielle DORÁSIO²; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI³. 1Estudantes do Curso Superior

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES Tiago Cavalcante dos Santos Graduando em Química Industrial / DQ / CCT / UEPB Rene Pinto da Silva Graduado em Química Industrial / DQ / CCT

Leia mais

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Wallber Carneiro Ferreira 1, Maria Climene Bezerra de Medeiros Almeida 2, Patrício Borges

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3 Estudo da Secagem de Vagens de Amendoim - Runner IAC 886, em Monocamada. 71 Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Leia mais

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Universidade Federal do Espírito Santo Mestrado em Produção Vegetal Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Orientado: Marcos Moulin Teixeira Orientador:

Leia mais

SABO ETE LÍQUIDO E RIQUECIDO COM VITAMI A A DA PALMA FORRAGEIRA (Opuntia ficus indica)

SABO ETE LÍQUIDO E RIQUECIDO COM VITAMI A A DA PALMA FORRAGEIRA (Opuntia ficus indica) SABO ETE LÍQUIDO E RIQUECIDO COM VITAMI A A DA PALMA FORRAGEIRA (Opuntia ficus indica) WLADYMYR JEFFERSO BACALHAU DE SOUSA 1 ; KATILAYNE VIEIRA DE ALMEIDA 1 ; MARIA DE FATIMA NASCIMENTO SOUSA 1 Estudantes

Leia mais

PRODUÇÃO DE FRUTA PASSAS

PRODUÇÃO DE FRUTA PASSAS PRODUÇÃO DE FRUTA PASSAS SEMANA DE QUÍMICA 19 A 20 DE JUNHO ETF-MT ANDRE LUIS BONFIM BATHISTA E SILVA CRISTINA ACOSTA 1 INTRODUÇÃO O desperdício de frutas no Brasil é bastante acentuado superando à produção

Leia mais

CONVENCIONAL: AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS DE PROCESSO

CONVENCIONAL: AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS DE PROCESSO DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA Desidratação osmótica DE MANGA de manga seguida... SEGUIDA DE SECAGEM CONVENCIONAL: AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS DE PROCESSO 1021 Osmotic dehydration of mango followed by conventional

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO Thaise Ananele de Lima 1 ; Maria Madalena Rinaldi 2 ; Diego Palmiro Ramirez Ascheri 3 1 Química Industrial, UnUCET/Anápolis

Leia mais

EFEITO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA COMO TRATAMENTO PRELIMINAR NA SECAGEM DA MAÇÃ GALA (MALUS DOMESTICA BORK) E MAMÃO FORMOSA (CARICA PAPAYA L.

EFEITO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA COMO TRATAMENTO PRELIMINAR NA SECAGEM DA MAÇÃ GALA (MALUS DOMESTICA BORK) E MAMÃO FORMOSA (CARICA PAPAYA L. EFEITO DA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA COMO TRATAMENTO PRELIMINAR NA SECAGEM DA MAÇÃ GALA (MALUS DOMESTICA BORK) E MAMÃO FORMOSA (CARICA PAPAYA L.) Priscila Vitoriano CHIARELLI Jéssica Carolina MATHIAS Maria

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015 MONITORAMENTO DA MATURAÇÃO PÓS-COLHEITA DE TOMATE VERDE MADURO DOS GRUPOS ITALIANO PIZZADORO E SALADETE ALAMBRA ANJOS, Valéria Delgado de A 1 ; ZANINI, Juliana Salvetti 2 ; ABRAHÃO, Roberta Maria Soares

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO ALMEIDA, Diego Henrique de Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP MOLINA, Julio Cesar Escola

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE SENSOR CAPACITIVO DE UMIDADE DO SOLO DESTINADO AO CULTIVO DE HORTALIÇAS

CALIBRAÇÃO DE SENSOR CAPACITIVO DE UMIDADE DO SOLO DESTINADO AO CULTIVO DE HORTALIÇAS CALIBRAÇÃO DE SENSOR CAPACITIVO DE UMIDADE DO SOLO DESTINADO AO CULTIVO DE HORTALIÇAS MANUELA DA SILVA MORAIS 1, TADEU MACRYNE LIMA CRUZ 2, ADUNIAS DOS SANTOS TEIXEIRA 3, LUANA A. DANTAS 4, DAYENIA CELLY

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Efeito da reidratação na coloração da salsinha. Zeuxis R. Evangelista 1 ; Kari K. S. Araújo 1, Carolina C. Sena

Leia mais

DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE TOMATE SEGUIDA DE SECAGEM

DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE TOMATE SEGUIDA DE SECAGEM ISSN 1517-8595 35 DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE TOMATE SEGUIDA DE SECAGEM Jefferson Luiz Gomes Corrêa 1, Edmilson Dantas Silva Filho 2, Mabel Barros Batista 3, Flavio Arola 4 e Romeu Fioreze 5 RESUMO O objetivo

Leia mais

INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS NO SINAL FOTOACÚSTICO DE POLPA DE MANGA

INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS NO SINAL FOTOACÚSTICO DE POLPA DE MANGA ISSN 1517-8595 141 INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS NO SINAL FOTOACÚSTICO DE POLPA DE MANGA Waldemir Soares da Costa 1, Jose Suassuna Filho 2, Mário Eduardo R. M. Cavalacnti Mata 3,

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA

ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA Antônio Ricardo Alencar Reis, Allan Miguel Franco de Amorim, Carlson Pereira de

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

N Código Subgrupo Descrição Unid Preço Varejo

N Código Subgrupo Descrição Unid Preço Varejo 1 78019 2 78020 3 78021 4 78022 POLPA DE FRUTA; SABOR ABACAXI; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE FRUTA; SABOR ACEROLA; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE FRUTA; SABOR GOIABA; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

Ensaios não-destrutivos

Ensaios não-destrutivos Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Mecânica Ensaios não-destrutivos Prof. Dr. Fábio Lúcio Santos => Partículas Magnéticas => Líquidos Penetrantes Partículas Magnéticas => O ensaio

Leia mais

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor A cachaça brasileira conta agora com uma alternativa segura para aumentar sua qualidade com diminuição dos custos de produção. Depois de testar

Leia mais

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA Ana L. F. S. d Almeida 1, José R. M. d Almeida 2 * 1 Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal

Leia mais

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU Tânia Bené Florêncio de Amorim, Maria Auxiliadora Coêlho

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR 78029 FRUTAS 49203 FRUTAS ABACATE; 1ª QUALIDADE; MADURO E ENTRE MADURO; TAMANHO E COLORACAO: UNIFORMES; TIPO: FRUTO SELECIONADO; ESTADO DA POLPA: FIRME E INTACTA; SEM DANOS FISICOS E ORIUNDOS DO MANUSEIO

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA RESUMO PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA Autores: Souza, Milena C.; França, Luiz F.; Corrêa, Nádia C. F.; Gomes, Lúcia F. A.; Universidade Federal do Pará. milenacosta26@yahoo.com.temática:

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

CINÉTICA DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE TOMATES COM SOLUÇÕES HIPERTONICACONTENDO COMPOSTOS AROMÁTICOS

CINÉTICA DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE TOMATES COM SOLUÇÕES HIPERTONICACONTENDO COMPOSTOS AROMÁTICOS 337 ISSN 1517-8595 CINÉTICA DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE TOMATES COM SOLUÇÕES HIPERTONICACONTENDO COMPOSTOS AROMÁTICOS Luiz Amâncio de Freitas 1, Mario Eduardo R.M. Cavalcanti Mata 2, Maria Elita Martins

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante DETERMINAÇÃO DAS CURVAS DE SECAGEM DE FOLHAS DE PATA-DE-VACA (Bauhinia forficata) 1 Victor Correa Viana 1,3 ; Ivano Alessandro Devilla 2,3 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisador Orientador, UEG 3 Curso de Engenharia

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA Petrus Ferreira de Souza Orientadora: Elba Gomes dos Santos Resumo A presença de óleos em efluentes, pode se bastante

Leia mais

PROJETO CONSTRUÇÃO E TESTE DE DOIS PROTÓTIPOS DE SECADOR SOLAR DE BAIXO CUSTO USADOS PARA PRODUZIR BANANA-PASSA

PROJETO CONSTRUÇÃO E TESTE DE DOIS PROTÓTIPOS DE SECADOR SOLAR DE BAIXO CUSTO USADOS PARA PRODUZIR BANANA-PASSA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil PROJETO

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Área: Ciências Agrárias; Ciência e Tecnologia de Alimentos

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Área: Ciências Agrárias; Ciência e Tecnologia de Alimentos I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: Ciência e Tecnologia de Alimentos Área: Ciências Agrárias; Ciência e Tecnologia de Alimentos Nome do Líder:

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA SOBRE PROCESSOS PARA CONSERVAÇÃO DE FRUTAS" Parte III- PRODUÇÃO DE FRUTAS DESIDRATADAS

FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA SOBRE PROCESSOS PARA CONSERVAÇÃO DE FRUTAS Parte III- PRODUÇÃO DE FRUTAS DESIDRATADAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

REUSO DO XAROPE DE SACAROSE NA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE GOIABA: CINÉTICA DA PERDA DE QUALIDADE DOS PRODUTOS NO ARMAZENAMENTO Nº14228

REUSO DO XAROPE DE SACAROSE NA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE GOIABA: CINÉTICA DA PERDA DE QUALIDADE DOS PRODUTOS NO ARMAZENAMENTO Nº14228 REUSO DO XAROPE DE SACAROSE NA DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA DE GOIABA: CINÉTICA DA PERDA DE QUALIDADE DOS PRODUTOS NO ARMAZENAMENTO Fabiola Amaral Ibrahim¹;Rafaela Dias Parpinel 2 ;Elaine de Cássia Guerreiro

Leia mais

Fabricação de Bebidas Cerveja

Fabricação de Bebidas Cerveja Fabricação de Bebidas Cerveja Processos Químicos Industriais II 01/12/2011 1 Bebidas Fermentadas & Destiladas A fabricação de bebidas fermentadas evoluiu de uma concepção artesanal para um processo contendo

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DE MONOAMÔNIO FOSFATO. Guilherme Bellini de Souza 1 ; Marcello Nitz 2

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DE MONOAMÔNIO FOSFATO. Guilherme Bellini de Souza 1 ; Marcello Nitz 2 ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DE MONOAMÔNIO FOSFATO Guilherme Bellini de Souza 1 ; Marcello Nitz 2 1 Aluno de Iniciação Cientifica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor da Escola de

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS RESUMO

DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS RESUMO DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS Alessandra Cordeiro do Vale 1 ; Francielo Vendruscolo 2* ; Márcio Fernandes 3 1 Bolsista PIBIC-CNPq. Instituto Federal Goiano - campus Urutaí.

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

O Benefício do Processamento de Alimentos para a Saúde Humana e o Meio Ambiente

O Benefício do Processamento de Alimentos para a Saúde Humana e o Meio Ambiente O Benefício do Processamento de Alimentos para a Saúde Humana e o Meio Ambiente Prof. Dr. Antonio J. A. Meirelles Diretor da FEA/UNICAMP Faculdade de Engenharia de Alimentos Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS CINÉTICA DE ADSORÇÃO DE POLUENTES ORGÂNICOS POR BIOADSORVENTES E. G. Santos, O. L. S. Alsina, F. L. H. Silva Bolsista PRH-/ANP Universidade Federal de Campina

Leia mais

ANEXO II TABELA DE REFERÊNCIA DE PREÇOS

ANEXO II TABELA DE REFERÊNCIA DE PREÇOS Item: 368043 - ALFACE COM FOLHAS BRILHANTES, MACIAS E SEM ÁREAS ESCURAS, FRESCAS, COM COLORAÇÃO E APARÊNCIA E QUALIDADE, LIVRE DE RESÍDUOS DE FERTILIZANTES. 21 FEIRA DE DOMINGO 2,50 3.025,00 22 FEIRA DE

Leia mais

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Araújo Leite, José Cleidimário; Farias de Sousa, Ridelson; Sant'Ana Silva, Adriano;

Leia mais

Fisiologia vegetal. Aulas práticas. Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra

Fisiologia vegetal. Aulas práticas. Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra Fisiologia vegetal Aulas práticas Departamento de Botânica Faculdade de Ciências e Tecnologia de Coimbra Universidade de Coimbra 2 Aula 1 Osmose Gradiente osmótico (1 aluno de cada grupo) Osmómetro de

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO JOSE RODRIGO DOS SANTOS SILVA Instituto Federal de Goiás (Campus Goiânia) - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA Aluno: Stephanie Dexheimer Caplan Orientador: Fernando Betim Paes Leme Introdução As fibras de bananeira (Musa sp) se destacam por ser de cultivo

Leia mais

APROVEITAMENTO INTEGRAL

APROVEITAMENTO INTEGRAL APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS Fabiana Peres Nutricionista CRN2 6095 Especialista em Nutrição Humana Atualmente no Brasil, ainda existe grande desperdício de alimentos. Por isso, incentivar o aproveitamento

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie

Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie Maria Alice NASCIMENTO¹; Sabrina VARGAS MONTEIRO¹; Sônia OLIVEIRA DUQUE PACIULLI². 1Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Alimentos. Instituto

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO Rosana Araújo Cruz 1 (PVIC), Anna Carolina O. Martins 1 (PVIC), Rosilayne M. Oliveira Trindade 1 (PVIC), Thaís Rodrigues de

Leia mais

INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS NO SINAL FOTOACÚSTICO DE POLPA DE MANGA

INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS NO SINAL FOTOACÚSTICO DE POLPA DE MANGA ISSN 1517-8595 141 INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS NO SINAL FOTOACÚSTICO DE POLPA DE MANGA Waldemir Soares da Costa 1, Jose Suassuna Filho 2, Mário Eduardo R. M. Cavalacnti Mata 3,

Leia mais

SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO

SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO Luciene Natali 1 Willians Bini 2 Edmilson Dias de Freitas 3 RESUMO: Neste trabalho é feita uma investigação

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

Centro Universitário de Várzea Grande - UNIVAG DESIDRATAÇÃO CASEIRA, EM FORNO CONVENCIONAL DE BANANA PRATA VERDE

Centro Universitário de Várzea Grande - UNIVAG DESIDRATAÇÃO CASEIRA, EM FORNO CONVENCIONAL DE BANANA PRATA VERDE Centro Universitário de Várzea Grande - UNIVAG DESIDRATAÇÃO CASEIRA, EM FORNO CONVENCIONAL DE BANANA PRATA VERDE Juliana Maria Amabile Duarte*, Gilma Da Silva Chitarra**, Daniel Francisco Denti***, Stefano

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES

NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES NOVAS CULTIVARES DE LARANJA PARA O MUNICÍPIO DE GUAÇUÍ, ES s frutas ácidas, em especial as cítricas (a laranja, a tangerina, o Alimão e a lima),

Leia mais

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas 01. (Uepg) Quanto às características das substâncias puras e das misturas, assinale o que for correto. 01) Misturas sólidas homogêneas não podem

Leia mais

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Michelle Carlota GONÇALVES¹.; Gaby Patrícia TERÁN-ORTIZ².; Ezio Dornela GOULART²;Gustavo Lucas GONÇALVES³; ¹

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 186 RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 RESUMOS DE PROJETOS 187 ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E VIABILIDADE ECONÔMICA DA CERÂMICA VERMELHA UTILIZADA COMO AGREGADO RECICLADO MIÚDO PARA

Leia mais

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA CURSO DE FABRICAÇÃO DE IOGURTE Apresentador 1 Rodis, Caroline Inglês Apresentador 2 Gadens, Andressa Autor 3 Tedrus, Guilherme de Almeida Souza Autor 4 Ameida, Flávia Caroline

Leia mais

Tecnologias adequadas de transformação e conservação de produtos agrícolas

Tecnologias adequadas de transformação e conservação de produtos agrícolas Tecnologias adequadas de transformação e conservação de produtos agrícolas 1883 Saber Tropical www.iict.pt António Eduardo B. Leitão Centro de Ecofisiologia, Bioquímica e Biotecnologia Vegetal Instituto

Leia mais

Physical and chemical characterization of cambuci fruits produced in Salesopolis - SP

Physical and chemical characterization of cambuci fruits produced in Salesopolis - SP 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Caracterização física e química de cambucis produzidos em Salesópolis SP. Tatiane de Oliveira Tokairin 1 ; Ana

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO A densidade do solo é definida como sendo a relação existente entre a massa de uma amostra de solo seca a 105ºC e

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais