As Respostas da Sociedade: DQEM, OSPAR, ONGs, Entidades Públicas. Foto: IMAG-DRAM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Respostas da Sociedade: DQEM, OSPAR, ONGs, Entidades Públicas. Foto: IMAG-DRAM"

Transcrição

1 As Respostas da Sociedade: DQEM, OSPAR, ONGs, Entidades Públicas Foto: IMAG-DRAM

2 Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Procura atingir o BOM ESTADO AMBIENTAL aplicando uma abordagem ecossistémica. Proteger e preservar o meio marinho, impedir a sua deterioração ou, quando exequível, restaurar os ecossistemas marinhos nas áreas afetadas; Prevenir e reduzir as entradas no meio marinho, a fim de eliminar progressivamente a poluição, por forma a assegurar que não haja impactos ou riscos significativos para a biodiversidade marinha, para os ecossistemas marinhos, para a saúde humana e para as utilizações legítimas do mar. OBJETIVOS

3 Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) DESCRITOR 10 As propriedades e quantidade de lixo marinho não prejudicam o meio costeiro e marinho. A distribuição de resíduos deve ser considerada nos programas de controlo; Determinar a atividade a que estão associados e a sua origem; Maior desenvolvimento de alguns indicadores, e o aprofundamento da avaliação da sua potencial toxicidade. Fotografia de David Villegas-Ríos.

4 Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Critérios e indicadores para definir o BOM ESTADO AMBIENTAL no Descritor 10 Critério Critério Características do lixo presente no meio marinho e costeiro Critério Impactos do lixo na vida marinha Indicadores 1) Tendências relativas à quantidade de lixo arrastado para as praia e/ou depositado no litoral, incluindo a análise da sua composição, distribuição espacial e origem; 2) Tendências relativas à quantidade de lixo na coluna de água e depositado nos fundos marinhos, incluindo a análise da sua composição, distribuição espacial e origem; 3) Tendências relativas à quantidade, distribuição em, sempre que possível, composição das micro-partículas; 1) Tendências em termos de quantidade e composição do lixo ingerido por animais marinhos.

5 Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Metas ambientais para manter ou alcançar o BOM ESTADO AMBIENTAL Descritor Avaliação do BEA Objetivo Metas Descritores afetados Tipo de meta Indicadores 10 Não Avaliado Colmatar falta de informação Nº 15 - Conceber e implementar programas de recolha de informação científica e de monitorização que permitam responder ao descritor. Nº 16 - Diminuir a quantidade de plásticos de origem terrestre na região que entra nos sistemas marinhos. Operacional D1; D4; D6 Estado 10.1; 10.2; 10.3

6 Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Programa de Medidas para o Lixo Marinho Metas Medidas Objetivo M15 M16 LiMar - Determinar bioindicadores para o lixo marinho. Implementar um programa de gestão de lixo a bordo de embarcações de pesca. Escolher bioindicadores para o D10 para as águas marinhas protegidas. Diminuir a quantidade de lixo marinho com origem em embarcações.

7 Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Programa de monitorização DeLixoMAR Projeto de âmbito nacional e cobre a sub-regiões do continente Português, da Madeira e dos Açores. Visa determinar as propriedades e quantidade de lixo marinho em áreas selecionadas do mar Português, assim como estimar o impacto destes desperdícios na vida marinha. O conhecimento da distribuição espacial do lixo e das suas propriedades permitirá identificar potenciais zonas em risco. Serão, ainda, estabelecidos modelos de acumulação de contaminantes através de micropartículas e resposta biológica.

8 Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) DeLixoMAR Objetivos 1-Estabelecer, em 2015, as condições de referência relativas à: (i) quantidade do lixo nas praias, na coluna de água e depositado nos fundos marinhos; (ii) quantidade e composição do lixo ingerido por organismos marinhos alvo; (iii) quantidade, distribuição e, sempre que possível, composição das micropartículas, em especial microplásticos; 2- Estabelecer as tendências, até 2019, relativas à: (i) quantidade do lixo nas praias, na coluna de água e depositado nos fundos marinhos; (ii) quantidade e composição do lixo ingerido por organismos marinhos alvo; (iii) quantidade, distribuição e, sempre que possível, composição das micropartículas, em especial microplásticos; 3- Estudar as relações de causa-efeito entre as propriedades e distribuição espacial do lixo marinho, os habitats e o biota, assim como a transferência de contaminantes através das micropartículasmicroplásticos; 4- Contribuir para a definição de indicadores associados ao impacto do lixo marinho na vida aquática da sub-região IV e V europeia.

9 Convenção OSPAR - The Convention for the Protection of the marine Environment of the North-East Atlantic Seguindo a mesma abordagem ecossistémica, a Comissão OSPAR estabelece a implementação de estratégias temáticas, inserindo o Lixo Marinho em duas dessas estratégias, nomeadamente: Biological Diversity and Ecosystems substantially reduce marine litter in the OSPAR maritime area to levels where properties and quantities of marine litter do not cause harm to the coastal and marine environment. Hazardous substances Foto: IMAG-DRAM

10 Convenção OSPAR - The Convention for the Protection of the marine Environment of the North-East Atlantic Praias OSPAR Monitorização do lixo marinho nas praias Que a recolha de dados forneça informação sobre a quantidade, tendências e origem do lixo marinho; Objetivo final: minimizar a quantidade de lixo que chega ao ambiente marinho.

11 Organizações Não Governamentais

12 Sociedade

13 O que fazemos nos Açores para avaliar os impactos deste problema (estudos científicos; campanhas públicas; aplicação das iniciativas internacionais)

14 Estudos Científicos Barreiros J.P., O. Guerreiro (2014) Notes on a plastic debris collar on a juvenile Pagellus acarne (Perciformes: Sparidae) from Terceira Island, Azores, NE Atlantic. Barreiros J.P., Raykov V.S. (2014) Lethal lesions and amputation caused by plastic debris and fishing gear on the loggerhead turtle Caretta caretta (Linnaeus, 1758). Three case reports from Terceira Island, Azores (NE Atlantic). Barreiros J.P., Barcelos J. (2014) Plastic ingestion by a leatherback turtle Dermochelys coriacea from the Azores (NE Atlantic). Pedro, et al., (2013) Past and present trophic position and decadal changes in diet of yellow-legged gull in the Azores Archipelago, NE Atlantic. Pham, et al., (2014) Marine litter distribution and density in European Seas, from the shelves to the deep basins. Pham, et al., (2013) Abundance of litter on Condor Seamount (Azores, Portugal, Northeast Atlantic). Fotos: IMAR-DOP Pieper (2013) Monitoring marine debris in two sandy beaches at Faial Island Azores. Foto: IMAG-DRAM

15 Iniciativas internacionais Responsáveis pelas Iniciativas Oceânicas, e coordenam operações de recolha de resíduos, cuja finalidade é de sensibilizar o grande público para a problemática dos resíduos aquáticos encontrados em grandes quantidades nas faixas litorais e oceanos. Site: Os resíduos recolhidos são classificados e quantificados de modo a serem integrados no trabalho de pesquisa científica da Surfrider sobre este tipo de poluição.

16 Plano de Ação Lixo Marinho Açores Foto: IMAG-DRAM

17 Objetivos do Plano de Ação Aumentar o grau de conhecimento sobre a problemática do lixo marinho nas águas dos Açores; Diminuir a quantidade de lixo produzido em terra que entra nos ecossistemas marinhos dos Açores; Responder à DQEM, nomeadamente ao Descritor 10, em conformidade com os critérios e indicadores associados definidos e de acordo com as metodologias definidas; Implementar o programa de monitorização DelixoMar propriedades e distribuição do lixo marinho e impactes na vida marinha no mar dos Açores; Responder à OSPAR, com a implementação de uma monitorização de lixo marinho em praias balneares;

18 Sensibilizar a sociedade civil para o problema do lixo marinho e da necessidade de o mitigar; Envolver os profissionais do mar para o problema do lixo marinho e necessidade de alterar comportamentos para o minimizar; Suportar as iniciativas da sociedade civil e das ONGs e das autarquias de limpeza de zonas costeiras e de fundos marinhos de baixa profundidade; Capacitar técnicos para valorizar a informação das campanhas públicas de remoção de lixo das zonas costeiras e do litoral submerso; Incentivar projetos de investigação sobre a problemática do lixo marinho; Integrar de forma funcional os diferentes projetos e iniciativas que têm como objeto o lixo marinho.

19 Projetos e Iniciativas a implementar Projeto / Iniciativa Programa de monitorização DeLixoMar - DQEM Projeto de investigação Estabelecer pontos de referência para o lixo marinho nos Açores" Monitorização OSPAR em praias balneares Monitorização de campanhas de recolha de lixo costeiro e subaquático Ação de Formação Monitorização de campanhas de recolha de lixo marinho na orla costeira e litoral submerso Inquérito às autarquias e freguesias da RAA Monitorização de lixo marinho flutuante pelos observadores do POPA Monitorização voluntária de lixo marinho flutuante pelos OMTs (WW) Avaliação das práticas de gestão de lixo em atuneiros nos Açores. Concurso de recolha de artes de pesca de fundo abandonada ou perdidas. Açores Entre Mares 2015, "Lixo Zero no Mar dos Açores Lixo Marinho Açores Página de internet (

20

Projeto 1 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores

Projeto 1 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Projeto 1 do Plano de Ação Lio Marinho Açores Projeto DQEM DeLioMar Lio Marinho Descrição É um projeto de âmbito nacional, incluído no programa de monitorização de Portugal, para responder ao Descritor

Leia mais

Projeto 5 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores

Projeto 5 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Projeto 5 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Monitorização de lixo marinho flutuante pelos observadores do POPA Descrição O conhecimento sobre macro e mega lixo marinho flutuante no mar dos Açores inexistente.

Leia mais

Projeto 7 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores

Projeto 7 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Projeto 7 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Avaliação das práticas de gestão de resíduos a bordo de atuneiros (por observadores do POPA) No Mar Lixo 0: Concurso de boas práticas. Descrição Sabe-se que

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Ficha de registo de Resíduos Recolhidos

Ficha de registo de Resíduos Recolhidos Ficha de registo de Resíduos Recolhidos Limpeza da Orla Costeira/Praias e Zonas Balneares Local: Ilha: Responsável pela recolha: Nº de telef.: Ponto inicial 1 : Ponto final 1 : e-mail: 1 Descrição ou coordenadas

Leia mais

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I CI.IM006.6.20121030 Estratégia de Sustentabilidade Zona Costeira de Cascais Zona Costeira de Cascais Parque Natural Sintra Cascais 15 praias balneares 17 praias monitorizadas permanentemente ZIBA Zona

Leia mais

O projeto MARLISCO e o lixo marinho em Portugal

O projeto MARLISCO e o lixo marinho em Portugal O projeto MARLISCO e o lixo marinho em Portugal Isabel Palma Paula Sobral, Lia Vasconcelos, Graça Martinho, José Carlos Ferreira, Flávia Silva IMAR-Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/14

PLANO DE AÇÃO 2013/14 Tema Diagnóstico (situações a melhorar) Objetivo(s) Meta(s) Ações e Atividades Previstas Sensibilizar a comunidade escolar para a necessidade crescente de reutilização de materiais; PLANO DE AÇÃO 2013/14

Leia mais

ESTRATÉGIAS MARINHAS PARA AS ÁGUAS MARINHAS PORTUGUESAS

ESTRATÉGIAS MARINHAS PARA AS ÁGUAS MARINHAS PORTUGUESAS ESTRATÉGIAS MARINHAS PARA AS ÁGUAS MARINHAS PORTUGUESAS PROGRAMA DE MONITORIZAÇÃO E PROGRAMA DE MEDIDAS da Diretiva Quadro Estratégia Marinha SUBDIVISÕES CONTINENTE, AÇORES, MADEIRA E PLATAFORMA CONTINENTAL

Leia mais

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO MAR PORTUGAL - Um Mar de Oportunidades MAR PORTUGAL Conectividade intercontinental; Todas as regiões são litorais ou insulares; Mar profundo. MAR PORTUGAL - Um Mar

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR SOBRE LIXO MARINHO: Actividades Dentro e Fora da Sala de Aula

MANUAL DO PROFESSOR SOBRE LIXO MARINHO: Actividades Dentro e Fora da Sala de Aula MANUAL DO PROFESSOR SOBRE LIXO MARINHO: Actividades Dentro e Fora da Sala de Aula Com base na experiência adquirida através do Projecto BCLME sobre Lixo Marinho, este manual pretende dar alguma orientação

Leia mais

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda.

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda. Programa do XI Governo Regional dos Açores Política Ambiental Senhora Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo, Na Resolução que adotou a histórica

Leia mais

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Projectos contribuem para: aplicação, desenvolvimento, avaliação e seguimento da política e legislação da UE na área da natureza e da biodiversidade, incluindo

Leia mais

PROJETO LIXO MARINHO: ESTRATÉGIAS DE AÇÃO PARA ENFRENTAMENTO DO PROBLEMA NO LITORAL BRASILEIRO

PROJETO LIXO MARINHO: ESTRATÉGIAS DE AÇÃO PARA ENFRENTAMENTO DO PROBLEMA NO LITORAL BRASILEIRO PROJETO LIXO MARINHO: ESTRATÉGIAS DE AÇÃO PARA ENFRENTAMENTO DO PROBLEMA NO LITORAL BRASILEIRO Garreta-Harkot, P. F.¹; Ivar do Sul, J. A. 2 ; Oliveira, A. L.; Filardi, C. L.; Rebouças, G. N.; Barretto,

Leia mais

Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar

Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar Amarelo: Questão? Azul: inserção Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar * O CCR Sul agradece à Comissão Europeia a oportunidade que

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL, SALUBRIDADE E SANEAMENTO DO AMBIENTE. Conceitos

SAÚDE AMBIENTAL, SALUBRIDADE E SANEAMENTO DO AMBIENTE. Conceitos SAÚDE AMBIENTAL, SALUBRIDADE E SANEAMENTO DO AMBIENTE Conceitos SAÚDE AMBIENTAL, SALUBRIDADE E SANEAMENTO DO AMBIENTE Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso de Licenciatura

Leia mais

Lixo marinho nos fundos oceânicos e a sua ingestão por peixes da costa portuguesa

Lixo marinho nos fundos oceânicos e a sua ingestão por peixes da costa portuguesa Diogo Fernando Pereira Neves Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Perfil de Gestão e Sistemas Ambientais Orientadora: Professora Doutora Maria Paula Oliveira Sobral Lixo marinho nos fundos oceânicos

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

PROJETO IMPACTO AMBIENTAL ZERO APRESENTAÇÃO

PROJETO IMPACTO AMBIENTAL ZERO APRESENTAÇÃO PROJETO IMPACTO AMBIENTAL ZERO APRESENTAÇÃO O PROJETO IMPACTO AMBIENTAL ZERO tem como missão junto ao meio ambiente, minimizar os impactos ambientais decorrentes da realização de eventos em áreas de preservação

Leia mais

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE CASCAIS Área do Concelho de Cascais 97,1km 2 Parque Natural de Sintra-Cascais ocupa 33 km 2 Nº de habitantes 205 117 O MAR

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MEDAO-SUPERTUBOS Código da Água Balnear PTCF2K Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Atividades de Sensibilização, Divulgação e Educação Ambiental

Atividades de Sensibilização, Divulgação e Educação Ambiental Atividades de Sensibilização, Divulgação e Educação Ambiental SENSIBILIZAÇÃO, DIVULGAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL A ESCOLA DE MAR é uma iniciativa individual, privada, vocacionada para o estudo, a investigação,

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Castelo

Perfil de Água Balnear do Castelo Perfil de Água Balnear do Castelo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear CASTELO Código da Água Balnear PTCV2T Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020

Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020 Dezembro 2011 PT Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020 A biodiversidade Na Europa, perto de um quarto das espécies selvagens está agora ameaçado de extinção A biodiversidade a extraordinária variedade

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA - Desenvolvimento e Implementação de um Projeto Multigeracional de Sensibilização Ambiental para Áreas Marinhas Protegidas - Tese de Mestrado em Engenharia do Ambiente Perfil Gestão e Sistemas Ambientais

Leia mais

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo2: Qualidade e Excelência FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo2: Qualidade e Excelência FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo2: Qualidade e Excelência FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 1. Identificação agrupamento de escolas Identificação: Agrupamento

Leia mais

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2014 COM(2014) 133 final ANNEXES 1 to 2 ANEXOS da Proposta de decisão do Conselho relativa à posição a adotar, em nome da União Europeia, na Comissão para a Conservação

Leia mais

Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd

Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável Projeto SEAMInd Conceição Santos Diretora de Serviços de Estratégia conceicao.santos@dgpm.mam.gov.pt 23 de

Leia mais

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública Vaz, P. (1) ; Coelho, P. (2) ; Mascarenhas, A. (1) ; Beja, I (1) ; Subtil, E. (2) ; Dores. A (1) ; Calixto.

Leia mais

ESTUDO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DECORRENTES DA DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA COSTEIRA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES PERNAMBUCO

ESTUDO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DECORRENTES DA DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA COSTEIRA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES PERNAMBUCO ESTUDO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DECORRENTES DA DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA COSTEIRA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES PERNAMBUCO MOURA, C.M. ¹;MOURA,A.C. 4 ; SILVA,E.V.¹, ROCHA, F. S. P.¹; PONTES-NETO,

Leia mais

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2. Atualização janeiro 2015

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2. Atualização janeiro 2015 ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA I RAM - RECURSOS NATURAIS - SISTEMA INTEGRADO RECURSOS NATURAIS SISTEMA Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2 RECURSOS

Leia mais

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente 1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS Eu um ser no ambiente Higiene Corporal Os cinco sentidos Corpo humano Perceber a importância do cuidado com o corpo, da vacinação e da prevenção de acidentes.

Leia mais

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar Município da Nazaré PROJECTO VIVER O MAR Valorizar a associação da Nazaré ao Mar como factor de identidade Assegurar o conhecimento Científico

Leia mais

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Marta Chantal Ribeiro Conferência de Lançamento do Livro Políticas Públicas do Mar, 23 de Novembro de 2010 Direito do Mar - Conceito:

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

Vote pelo seu ambiente

Vote pelo seu ambiente Vote pelo seu ambiente Um apelo ambiental para a ação do Parlamento Europeu de 2014-2019 Fotos: Susana Alves, Rúben Coelho e Pedro Geraldes Um papel claro para Europa O grande volume de desafios que a

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental?

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental? 1. Quais são as dimensões do Desenvolvimento Sustentável? 2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? a) Económica b) Social c) Ambiental d) Todas as anteriores a) Melhorar a nossa qualidade de vida

Leia mais

PADRÕES DE DEPOSIÇÃO E ORIGENS DO LIXO MARINHO EM PRAIAS DA ILHA DE ITAPARICA - BAHIA

PADRÕES DE DEPOSIÇÃO E ORIGENS DO LIXO MARINHO EM PRAIAS DA ILHA DE ITAPARICA - BAHIA PADRÕES DE DEPOSIÇÃO E ORIGENS DO LIXO MARINHO EM PRAIAS DA ILHA DE ITAPARICA - BAHIA Santana Neto, S. P. de 1,2,3,4, Silva, I. R. 1,4, Livramento, F. C.² 1. Núcleo de Estudos Hidrogeológicos e de Meio

Leia mais

Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro

Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro Projeto Conservação Recifal (PCR) Conservação, Pesquisa e Ordenamento do num sistema recifal do Nordeste brasileiro Pereira, P.H.C 1.; Pedrosa, M 1.; Lima, R 1.; Silva, R 1.;Lippi, D. L. 1 ;Leal, I. 1

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014

IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014 IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014 Atividades de Educação Ambiental: planear, realizar e avaliar Sesimbra, 28/29 de novembro de 2013 Jorge Neves Departamento de Comunicação e Cidadania Ambiental

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal. Seminário Diplomático

PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal. Seminário Diplomático PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal 1/9/2014 PROJETAR PORTUGAL 1 1 Sumário O limite exterior da plataforma continental para lá das 200 milhas náuticas Plataforma continental: o projeto português

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 RUI AZEVEDO II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 PONTOS A ABORDAR

Leia mais

A qualidade das águas balneares no contexto do Programa Bandeira Azul

A qualidade das águas balneares no contexto do Programa Bandeira Azul A qualidade das águas balneares no contexto do Programa Bandeira Azul Sofia Batista (sofia.batista@apambiente.pt) Divisão do Estado Qualitativo da Água, Departamento de Recursos Hídricos V Seminário Nacional

Leia mais

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas:

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas: 1411 e ao abrigo do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto- -Lei n.º 86/90, de 16 de março e para os efeitos previstos nos artigos 46.º a 49.º da Lei n.º 54/2015, de 22 de junho, o seguinte: ANEXO

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA K RAM - RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA

ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA K RAM - RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA K RAM - RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-K-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-K-2 RECURSOS

Leia mais

Plano de acção. Auditoria. Conselho Eco Escola

Plano de acção. Auditoria. Conselho Eco Escola Processo e resultados do grupo de discussão P3 Seminário Nacional ECO ESCOLAS 2010 Coimbra-22 de Janeiro, 17.00h/18.30h Pressupostos Foi proposto ao grupo de educadoras e professores do 1º ciclo presentes,

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Plano de Acção 2010-11. Escola Básica 2.3 Professor Noronha Feio Queijas, Oeiras. Página 1 de 7

Plano de Acção 2010-11. Escola Básica 2.3 Professor Noronha Feio Queijas, Oeiras. Página 1 de 7 Página 1 de 7 Diagnóstico Objectivos Diagnóstico Acções Recursos Intervenientes Calendarização Água Resíduos Energia Transportes Biodiversidade Mar Plano de Acção Elementos do Plano de Acção Temas em que

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL APSI Afogamentos de Crianças Principais Resultados 2002/2010 www.apsi.org.pt 1/6 AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL 2002 2010 RESUMO E PRINCIPAIS CONCLUSÕES I Introdução O afogamento

Leia mais

PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA

PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA JULHO 2014. Secretarias Parceiras: Secretaria Municipal de Técnica e Planejamento Secretaria Municipal de Trabalho,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 4462 Diário da República, 1.ª série N.º 199 13 de Outubro de 2010 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Decreto n.º 13/2010 de 13 de Outubro O Governo decreta, nos

Leia mais

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras Teresa Rafael 11 de março de 2014 Pontos chave: O que é o SNIMar? Quais são os objetivos? Organização e gestão do projeto

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES DO CMIA Vila do Conde 2014/2015

GUIA DE ATIVIDADES DO CMIA Vila do Conde 2014/2015 GUIA DE ATIVIDADES DO CMIA Vila do Conde 2014/2015 índice CMIA. 4 Exposições.. 11 Formações de professores 15 Jogos, Oficinas e percursos exploratórios... 17 O CMIA vai à escola. 29 Marcação de visitas.

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

PROJETO RIO ECOBARREIRA

PROJETO RIO ECOBARREIRA 1 PROJETO RIO ECOBARREIRA RESUMO: O RIO ECOBARREIRA é um projeto de pesquisa aplicada na área de desenvolvimento sustentável. O projeto envolve a análise da sustentabilidade sócio-econômica e ambiental

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

Lixo Marinho. Contribuições para IV Conferência Nacional de Meio Ambiente. Subsídios para o Texto Base. Gerência Costeira

Lixo Marinho. Contribuições para IV Conferência Nacional de Meio Ambiente. Subsídios para o Texto Base. Gerência Costeira Lixo Marinho Contribuições para IV Conferência Nacional de Meio Ambiente Subsídios para o Texto Base Gerência Costeira Conceito: Lixo Marinho: qualquer tipo de resíduo sólido, excluídos os orgânicos, produzido

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GOVERNO DE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL NAIR PALÁCIO DE SOUZA NOVA ANDRADINA - MS PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS 1.TÍTULO: Projeto Óleo e água não se

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Sessões Temáticas. Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental de Viana do Castelo

Sessões Temáticas. Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental de Viana do Castelo Sessões Temáticas Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental de Viana do Castelo Apresentação O Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA) foi desenvolvido no âmbito do Programa Polis,

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável PAULO LEMOS, Secretário de Estado Ambiente e do Ordenamento do Território Missão da Parceria Portuguesa para a

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

Plano de Ação ECO-ESCOLAS 2013/2014

Plano de Ação ECO-ESCOLAS 2013/2014 Gestão ambiental da escola Tema Diagnóstico Objetivos Metas Ações e Atividades Previstas Concretização - Recursos Concretização - Intervenientes Concretização - Calendarização Indicadores (monitorização

Leia mais

Angra Surf Club. Clean Up Day 2015

Angra Surf Club. Clean Up Day 2015 Bituca 0 Angra Surf Club O Angra Surf Club é uma associação sem fins lucrativos, idealizada por surfistas e criada diante a perspectiva de atuação com esporte e preservação ambiental. A organ ização incorpora

Leia mais

A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios

A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios Rodrigo Medeiros Universidade Federal Rural do RJ Laboratório de Gestão Ambiental & Instituto

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

PROJETOS / DESAFIOS / CONCURSOS PARA AS ECO-ESCOLAS 2013/14. (Já a decorrer)

PROJETOS / DESAFIOS / CONCURSOS PARA AS ECO-ESCOLAS 2013/14. (Já a decorrer) PROJETOS / DESAFIOS / CONCURSOS PARA AS ECO-ESCOLAS 2013/14 (Já a decorrer) GERAÇÃO DEPOSITRÃO 2014 No Facebook em: https://www.facebook.com/geracaodepositrao Todas as escolas da rede Eco-Escolas Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Água de Lastro nos Portos

Gerenciamento de Água de Lastro nos Portos Uirá Cavalcante Oliveira Especialista em Regulação de Serviços de Transportes Aquaviários 22 de Maio de 2008 1 2 3 4 5 Conteúdo Transporte Aquaviário Água de Lastro Aspectos Legais Gerenciamento Recomendações

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FONTE DA TELHA Código da Água Balnear PTCX7L Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Filme: Ilha das Flores

Filme: Ilha das Flores Filme: Ilha das Flores Gênero Documentário/Experimental Diretor Jorge Furtado Elenco Ciça Reckziegel Ano 1989 Duração 13 min Cor Colorido Bitola 35mm País Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=647

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.377 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO (AÇÕES E ATIVIDADES PREVISTAS) 2014/2015

PLANO DE AÇÃO (AÇÕES E ATIVIDADES PREVISTAS) 2014/2015 PLANO DE AÇÃO (AÇÕES E ATIVIDADES PREVISTAS) 2014/2015 ECO-ESCOLAS Numa fase inicial do Programa Eco-Escolas, priorizou-se a realização da Auditoria Ambiental, tendo-se organizado dois inquéritos (um mais

Leia mais

PROJECTO WW4ENVIRONMENT

PROJECTO WW4ENVIRONMENT PROJECTO WW4ENVIRONMENT SESSÃO DE DIVULGAÇÃO LIFE 2014-2020 Andreia Neves do Amaral AGENDA Projecto WW4ENVIRONMENT Dificuldades sentidas Lições aprendidas PROJECTO WW4ENVIRONMENT LIFE08 ENV/P/00237 Título

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 30/02 CRITÉRIOS PARA A GESTÃO SANITÁRIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS INTERNACIONAIS DE CARGA E PASSAGEIROS E PONTOS DE FRONTEIRA NO MERCOSUL TENDO EM VISTA:

Leia mais