Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique"

Transcrição

1 PROJETO DE PESQUISA Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique Mestranda: Arq. Martina Joaquim Chissano Orientador: Prof. Dr. Antonio M.N. Castelnou PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL CURITIBA 2010

2 Contextualização 11 Províncias 36 Distritos 14 Municípios NORTE Moçambique possui 19,91 milhões de habitantes, cujo nível de urbanização é de cerca de 33%, sendo que: 94% são assentamentos informais 86% pop. urbana c/acesso à água potável 14% com saneamento adequado (UN-HABITAT, 2004) CENTRO SUL Mapa de Moçambique

3 Contextualização Maior parte da população urbana reside em áreas sem acesso à infra-estruturas básicas, carentes em equipamentos sociais e alojadas em unidades habitacionais precárias. O crescimento não planificado de áreas precárias e periurbanas, foi agravado pela ausência de instrumentos de planejamento de uso de solos, sua execução e controle (UNEP, 2010) Maputo, Moçambique

4 Problema QUAIS seriam as propostas projetuais reconhecidas internacionalmente que melhor resolveriam a questão da HABITAÇÃO SOCIAL em MOÇAMBIQUE e COMO deveriam ser aplicadas visando a SUSTENTABILIDADE das construções, em um momento nacional de debate na definição de uma política e estratégia para habitação? Tipologia habitacional zona urbana Burkina Faso Award 1999 Tipologia habitacional zona rural Tipologia habitacional zona peri urbana

5 Objetivos Investigar as diretrizes de projeto sustentável adequadas à HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HIS e estabelecer aquelas capazes de orientar a gestão integral de projetos, a qual permita uma maior sustentabilidade para as propostas a serem implementadas em Moçambique. Tipologias habitacional do FFH

6 Justificativas INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO AMBIENTE CONSTRUÍDO descrevem os seus impactos ambientais, econômicos e sociais para projetistas, proprietários, usuários, gestores, desenvolvedores de Políticas Públicas e demais partes interessadas da indústria de construção. Tais indicadores capturam tendências para informar os agentes de decisão, orientar o desenvolvimento e o monitoramento de políticas e estratégias. O mundo em desenvolvimento está em grande reconstrução, uma vez que a cada momento aparecem novos edifícios, para abrigar as necessidades do ser humano. Em países como Moçambique, há grande necessidade de que o seu desenvolvimento suporte os PRÍNCIPIOS DE SUSTENTÁBILIDADE, pela sualimitaçãoderecursos edemodoaevitarerros quepossamprejudicaro futuro da sua população(chissano, 2010).

7 Referencial Bibliográfico IRURAH, Daniel Palavras -chave: Políticas - Estratégias - Habitação Sustentável - Custos -Benefícios SILVA, Vanessa Gomes Palavras-chave: Sustentabilidade - Indicadores - Avaliação - Edifícios - Ambiente Construído TRIANA, Maria Andrea Palavras -chaves: Arquitetura - Edificações Sustentáveis - Diretrizes Florianópolis (Brasil)

8 Contextualização no Programa PPGCC- Área de concentração: Ambiente Construído Pesquisas Realizadas: Diretrizes de design e arquitetura para adaptação da habitação de interesse social ao cadeirante (SANTOS, L. K. S., 2004) Diretrizes para implantação de sistemas construtivos abertos na habitação de interesse social através da modulação (PEREIRA, A. C. W., 2005) Princípios para expansão de habitações de interesse social sob a ótica dos sistema construtivo (LARCHER, J. V. M., 2005)

9 Mapa Mental PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS PESQUISA E REVISÃO BIBLIOGRÁFICA PROTOCOLO DE COLETA DE DADOS SELEÇÃO DOS DADOS RELATÓRIO DE RESULTADO CONCLUSÕES ANÁLISE DE ESTUDO DE CASO DISSERTAÇÃO CASO1 CASO2 CASO3

10 Metodologia de Pesquisa Unidade de análise Projeto arquitetônico de habitação de interesse social Delimitação do problema Projeto de construção de conjuntos de apartamentos de habitação social Localização: Bairro de Zimpeto, Maputo (Moçambique) Parceria pública-privada: Município e Banco Millennium Bim

11 Metodologia de Pesquisa Classificação dos objetivos: Busca-se responder o COMO e o PORQUÊ das questões abordadas. Neste caso, portanto, não é possível a generalização estatística mas sim analítica (YIN, 2005). A questão do COMO insere-se na preocupação de se chegar a diretrizes que permitam garantir a sustentabilidade de projetos de HIS, em um caso particular, explorando-se várias evidências. O exame de evidências ou o PORQUE de diferentes perspectivas irá aumentar as chances de que o estudo seja exemplar (YIN, 2005). Escolha da estratégia: A pesquisa segue um perfil de CARÁTER EXPLORATÓRIO, com a utilização do método de ESTUDO DE CASO como principal estratégia de desenvolvimento da mesma. A realização da ANÁLISE DE CASOS ESPECÍFICOS contará com outras estratégias complementares, tais como: pesquisa web e bibliográfica, observação participante, análise de documentos e entrevistas.

12 Protocolo de Coleta de Dados Revisão bibliográfica: Projeto sustentável Desenvolvimento sustentável Sustentabilidade nas construções Pesquisa teórica sobre projetos similares Observação local direta: Componentes físicos Topografia Localização urbana Densidade espacial Infraestrutura urbana Qualidadedeareágua Qualidade visual Operação e manutenção Niveis de conforto térmico Níveis de conforto acústico Componentes Sociais Tecnologia de Construção Levantamento documental: Plantas arquitetônicas Projetos complementares Legislação do local Estudo social, econômico e cultural Registro de imagens do local Entrevistas: Abertas Semi-estruturadas Coleta de dados e pesquisa de campo: Leirislena Moçambique Lda. (Empresa construtora) Conselho Municipal da Cidade de Maputo CMCM Millennium Bim (Banco privado em Moçambique) Universidade Eduardo Mondlane Profissionais e demais especialistas

13 Estratégia de Análise de Dados ANÁLISE QUALITATIVA Coleta de dados Apresentaçãode dados Reduçãodos dos dados Delineamento e verificação UTILIZAÇÃO DE MATRIZES Representação gráfica bidimensional em que são relacionadas ações e componentes em separado ou em conjunto (VIGGIANO, 2010)

14 Cronograma Atividades Levantamento literatura Revisão Bibliográfica Mar. Dez. Jan. Dez. Jan. Mar. Sistematização de dados Preparação da coleta de dados Seleção de estudo de caso Realização de estudo de caso Análise de estudo de caso Formulação das conclusões Elaboração da dissertação Qualificação Revisão da dissertação Defesa Correção da dissertação

15 Referências CHISSANO, M. J. Diretrizes de projeto para habitação social em Moçambique. Curitiba: Projeto de Pesquisa - Mestrado em Construção Civil, PGCC-UFPR, FFH FUNDO PARA O FOMENTO DA HABITAÇÃO. Disponível em: <http://www.ffh.gov.mz>. Acesso em agosto IRURAH, D. K. Estudo de Política e estratégias para habitações sustentáveis para a cidade de Johannesburg Susteinable Settlements, incluindo análise do custo benefício para habitações de baixa renda em áreas urbanas da África do Sul e eficiência energética (USAID and Housing Finance Resource Programme - Department of Housing of South Africa). Disponível em:<http://www.dhs.gov.za> LARCHER, J. V. M. Princípios para expansão de habitações de interesse social sob a ótica dos sistema construtivo. Curitiba: Dissertação de mestrado em construção civil, PPGCC-UFPR, PEREIRA, A. C. W. Diretrizes para implantação de sistemas construtivos abertos na habitação de interesse social através da modulação. Curitiba: Dissertação de mestrado em construção civil, PPGCC-UFPR, SANTOS, L. K. S. Diretrizes de arquitetura e design para adaptação da habitação de interesse social ao cadeirante. Curitiba: Dissertação de mestrado em construção civil, PPGCC-UFPR, 2004.

16 Referências SILVA, V. G. Indicadores de sustentabilidade de edifícios: estado da arte e desafios para desenvolvimento no Brasil. Ambiente construído, América do Norte, 7, apr Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br>. Acesso em 18.maio.2010 TRIANA, M.A. Diretrizes para incorporar conceitos de sustentabilidade no planejamento e projeto de arquitetura residencial multifamiliar e comercial em Florianópolis. Florianópolis: Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo, PPGAU-UFSC, UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Normas para apresentação de documentos científicos. 2. ed. Curitiba: UFPR, UNEP -UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME. Disponível em: <http://www.unep.org>. Acesso em: 20.maio.2010 UN-HABITAT -PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA ASSENTAMENTOS HUMANOS. Urban indicators guidelines: Monitoring the habitat agenda and the millennium development goals. Nairobi: UN-HABITAT, ago VIGGIANO, M. Projetando com diretrizes bioclimáticas. Disponível em: <http://www.casaautonoma.com.br>. Acesso em: 20.maio.2010 YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades 29ª. Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção Novembro 2013

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012.

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas¹; Ronan Yuzo Takeda Violin²;

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO X ENCONTRO ANUAL DA UNIÃO LATINO-AMERICANA DE CÁTEDRAS DE VIVENDA Pelotas - 2004 Tema: A Universidade e a Habitação de Interesse Social Interdisciplinaridade e Inserção Sistemática nos Currículos ABORDAGEM

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO

PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO PARCERIA UNIVERSIDADE-GOVERNO COMO FONTE DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO PARA O MEIO PROFISSIONAL E ACADÊMICO Arq. MSc. Eduardo Grala da Cunha Universidade de Passo Fundo/RS, Unochapecó/SC, e-mail: egcunha@terra.com.br.

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen.

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen. Giselle Mesquita O uso da contabilidade na formação do preço e no planejamento das vendas: um estudo empírico sobre micro e pequenas empresas da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Projeto de pesquisa

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5363 - FORTALECIMENTO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Objetivo: MELHORAR O DESEMPENHO DA GESTÃO MUNICIPAL, MEDIANTE A CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS E DO ADEQUADO USO

Leia mais

ordenamento do território

ordenamento do território O desenho urbano serve o território. Neste campo, o território tem sofrido influências sob a forma de como a sua ocupação é encarada: desde o urbanismo como esté#ca ao urbanismo como obra de engenharia,

Leia mais

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO INFORMAÇÕES BÁSICAS datas de início e término: local: fonte de recursos: arranjo institucional: 2015

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL

SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL Foto: Fundo Comunicação Social Arquivo Público do Distrito Federal SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL SYSTEM OF MEDICAL RECORDS FROM HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL Este trabalho

Leia mais

Projeto Edificar - Arquitetando Sonhos. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Projeto Edificar - Arquitetando Sonhos. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Projeto Edificar - Arquitetando Sonhos Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto Filadélfia de Londrina

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO Objetivos: Apresentar a estrutura básica de um projeto de pesquisa com vistas a sua elaboração FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO DA COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Santo, Brasil - LPP/UFES, engel@npd.ufes.br; labproj@npd.ufes.br

Santo, Brasil - LPP/UFES, engel@npd.ufes.br; labproj@npd.ufes.br A ADOÇÃO DA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO PÓS- OCUPAÇÃO ENQUANTO INSTRUMENTO DE DIAGNÓSTICO DA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ, BRASIL: RESULTADOS PRELIMINARES. Arq. Drª. Cristina Engel de Alvarez (1) Arq.

Leia mais

Gestão de Riscos na Embrapa

Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de riscos na Embrapa - Agenda A Embrapa Ponto de partida Reestruturação Organizacional Política de gestão de risco Metodologia Alinhamento de processos Contexto atual

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas World Urban Forum 2010 Side Event Principais Conclusões do Eixo Físico-Urbanístico Consultor Sênior - Prof. Dr. João Sette Whitaker Ferreira Antecedentes históricos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE RESÍDUOS QUÍMICOS E O PROCESSO DE DESCARTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade VICE-REITORIA ACADÊMICA DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade PLANO DE CURSO

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS Mensurando a sustentabilidade ambiental: uma proposta de índice para o Mato Grosso do Sul Marlos da Silva Pereira; Leandro Sauer Área temática: Estratégias sustentáveis Tema: Gestão socioambiental 1. Introdução

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO Objetivos específicos (1) Desenvolver métodos e técnicas para a recuperação e adaptação (para uso habitacional) de edificações existentes desocupadas.

Leia mais

Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa

Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa Alcenir Soares dos Reis Maria Guiomar da Cunha Frota A elaboração de um projeto de pesquisa indica para o pesquisador (ou para as instituições às quais

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR 4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR CIDADE PARA TODOS E TODAS COM GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA E CONTROLE SOCIAL Avanços, Dificuldades e Deságios na Implementação

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br Aula 04: Desenvolvendo o problema científico. Metodologia e fases da pesquisa. 6 de abril de 2015

Leia mais

III SePeAU Seminário de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo ANTONIO CASTELNOU DAU-PPGCC/UFPR 2010 Dados do Pesquisador ARQUITETO E URBANISTA ENGENHEIRO CIVIL PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Dados do Pesquisador

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA. MOMSteelPor, S.A. www.momsteel.com.pt

01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA. MOMSteelPor, S.A. www.momsteel.com.pt MOMSTEELPOR, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A, (MOMSteelPor) é uma empresa especializada na conceção, desenvolvimento e produção de projetos e estruturas metálicas, sediada

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA O DIREITO À CIDADE APRISIONADO EM CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES: A ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA RESUMO: O Direito apresenta-se para a sociedade, a partir de

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

1 - Corpo Docente Titulação: "Adequada" Tempo de Dedicação: "Bom" Concentração na Área: "Regular" Dependência de Visitantes: "Não Depende"

1 - Corpo Docente Titulação: Adequada Tempo de Dedicação: Bom Concentração na Área: Regular Dependência de Visitantes: Não Depende UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Credenciamento do curso de pós-graduação, em nível de Mestrado, em Estruturas Ambientais Urbanas, da Faculdade de Arquítetura e Urbanismo Jucundino da Silva Furtado Face ao pedido

Leia mais

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM 1A Tic Em Apoio A Projeto 1 1 A Realidade Virtual Imersiva Como Tecnologia De Suporte À Compreensão De Modelos Computacionais 37 O Uso De Tecnologias De Realidade Aumentada Como Estratégia De Empoderamento

Leia mais

Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com

Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com PLANO DIRETOR E POLÍTICAS PÚBLICAS NA EFETIVAÇÃO DO PRINCÍPIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS: Planos Habitacionais

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET Rosana PICORAL M.Sc. PROPAR/UFRGS, Arq., Prof. da FAU/PUCRS e FENG/PUCRS.

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL Thiago Silva Pereira José Aparecido Sorratini PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO

Leia mais

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010 Círculos de Diálogos no Município Municipalização dos ODM - 2010 Desde 2006, o Movimento Nós Podemos Paraná articula os Círculos de Diálogo que são encontros para incentivar o trabalho voluntário dos três

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta EDUCAÇÃO AMBIENTAL Meta e Estratégias Meta Universalizar a educação socioambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, como uma prática inter, multi e transdisciplinar, contínua e permanente nos

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social - HIS: potencial de integração de tecnologia inovadora na produção de projetos habitacionais arquitetura em contêiner Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM * SES-PE ** IMIP Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde Diretoria Geral de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Gerencia de Monitoramento e Vigilância

Leia mais

1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA

1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA 1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA INDICADORES DIAGNOSTICO SOCIAL 2010 Indicadores Periodicidade Fonte Alojamentos (n.º) Decenal INE Censos Alojamento segundo tipo de alojamento (%) Decenal INE Censos Alojamentos

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O IV Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade: Negócios Sociais e seus Desafios 24 e 25 de novembro de 2015 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Fundo, Fórum e Projetos Sociais e Ambientais apoiados pelo Sapiens Parque

Fundo, Fórum e Projetos Sociais e Ambientais apoiados pelo Sapiens Parque Fundo, Fórum e Projetos Sociais e Ambientais apoiados pelo Sapiens Parque 1. Introdução O Sapiens Parque é um Parque de Inovação que visa implantar no Norte da Ilha de Santa Catarina / Florianópolis um

Leia mais

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo Metodologia Etapas do Projeto de Paisagismo Etapa de Levantamentos, Análise e Diagnóstico Aspectos históricos Morfologia do sítio Relações urbanas Aspectos climáticos Caracterização demográfica Elementos

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-2

1. Documento: 20026-2015-2 1. Documento: 20026-2015-2 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG. Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz

1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG. Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz 1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz Tendências do Mercado Imobiliário a partir do Índice de Evolução dos Preços do Mercado Imobiliário IEPMI-H

Leia mais

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva Apresentação Aliança Consultoria José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva SOBRE A ALIANÇA Empresa fundada em 1993, através de uma parceria com a Fundação Christiano Otoni da Universidade

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr 1 Introdução 1 - MASSUr A urbanização sem planejamento tem trazido conseqüências nos diferentes campos apresentando impactos na saúde do indivíduo. Segundo Scaringella (2001) a crise da

Leia mais