MARKETING, INTERNET E O COMPORTAMENTO DO E- CONSUMIDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING, INTERNET E O COMPORTAMENTO DO E- CONSUMIDOR"

Transcrição

1 ISSN MARKETING, INTERNET E O COMPORTAMENTO DO E- CONSUMIDOR Yohans de Oliveira Esteves (LATEC/UFF) Resumo O presente artigo tem como objetivo apresentar e analisar o comportamento do consumidor no e-commerce, buscando identificar seu comportamento no que se refere ao seu processo de decisão de compra, analisando o crescimento do número de pessooas conectado a Internet e identificando motivos que levam os consumidores a efetuarem suas compras on-line, captando, ainda, informações sobre novas tendências de ações diante da inovação do comércio eletrônico. O problema principal constituiu-se em apresentar quais as mudanças os consumidores tendem a ter com uso da Internet. A coleta dos dados foi realizada através de um questionário com dezesseis perguntas fechadas e de múltipla escolha, disponível na Internet. Para análise das respostas obtidas através do questionário, utilizou-se a metodologia da análise de conteúdo temática. Os resultados apontam para observar os motivos pelos quais os consumidores estão utilizando a Internet, as maneiras que isto ocorre, a influência do comércio eletrônico na vida das pessoas, as maneiras pelas quais as empresas fazem seus negócios, e a forma pela qual os consumidores estão obtendo uma maior satisfação durante o processo de decisão de compra através da utilização da Internet. Palavras-chaves: Comércio eletrônico. Comportamento do consumidor. Internet. Online.

2 1. Introdução Atualmente o estudo do Marketing e de suas técnicas tem sido fator preponderante dentro das organizações, saber utilizar corretamente seus recursos e as novas tecnologias que emergem a cada dia é fundamental e pode representar forte vantagem competitiva para quem as utiliza. Os consumidores são influenciados por alguns fatores, tais como: culturais, pessoais, sociais e psicológicos. Surge desta forma, a possibilidade de que tais características sejam trabalhadas por meio do uso da internet, fazendo com que esta sirva de meio de comunicação entre o consumidor e a empresa. O presente artigo tem como área de interesse central o processo investigatório do Marketing, e a partir desta área específica, o tema correlato escolhido é o comportamento do consumidor frente ao novo conceito global do comércio virtual eletrônico. Desta forma, utilizando-se de questões atuais, busca identificar fatores comportamentais destes consumidores e demonstrar como os mesmos reagem em suas compras frente à facilidade proporcionada pelos meios eletrônicos através da internet. O objetivo deste artigo é comprovar se realmente existe uma tendência a mudanças de comportamento quando os consumidores migram do ambiente tradicional de compras para o virtual. Pode-se observar claramente o crescimento do comércio eletrônico no Brasil e no mundo, principalmente nos últimos tempos. Segundo Limeira (2007, p.15) o Brasil é o quinto país do mundo em número de usuários conectados na internet. Desta forma, os consumidores são bombardeados com informações praticamente instantâneas sobre os mais variados assuntos, tornando-se mais exigentes e conscientes no que diz respeito as suas relações de consumo. Quanto à metodologia a ser utilizada, e segundo a classificação de Vergara (2006), quanto a seus fins, a pesquisa é do tipo descritiva e explicativa. O foco dos estudos descritivos está no desejo de se conhecer uma comunidade, seus traços, características, seus problemas, seu mercado. A pesquisa explicativa visa esclarecer os fatores que contribuem para a ocorrência de determinado efeito ou, mesmo, determinam estas próprias ocorrências. Quantos aos meios, a pesquisa é do tipo bibliográfica e de campo, caracterizando-se pela análise de teorias existentes sobre marketing e o comportamento do consumidor. 2. Marketing 2.1. Evolução do Marketing No início de sua existência na terra, ainda em sociedades primitivas, cada grupo social era responsável pela produção e fornecimento de todos os recursos necessários a sua sobrevivência. Evidentemente, à época, as necessidades e desejos de cada indivíduo eram 5

3 poucos, e os produtos destinados a saciar estes desejos estavam acessíveis a qualquer indivíduo, sendo qualquer diferença e disputa resolvida basicamente pela lei do mais forte. Ao longo do tempo as populações sofreram um acréscimo significativo em seu número de componentes, como conseqüência houve a escassez de alguns produtos necessários a sobrevivência dos indivíduos. A partir da revolução industrial, a comunicação tornou-se mais difícil e os produtos passaram a ser apresentados e avaliados através do contato direto entre fornecedor e comprador. Passou-se então a vender e distribuir o que já havia sido produzido. Neste momento da história, o Marketing era visto e trabalhava de forma isolada, e os baixos padrões de vida faziam com que o foco principal não fosse o atendimento aos desejos e anseios do mercado. Os ambientes de negócios sofreram mudanças abruptas ao longo do tempo, em grande parte produzidas pela globalização dos mercados mundiais, que exige das empresas aprimoramentos constantes em todas as suas áreas de atuação. Segundo a AMA (American Marketing Association), Marketing é o processo de planejar e executar a concepção, a determinação do preço, a promoção e a distribuição de idéias, bens e serviços a fim de criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais. Para melhor entender o conceito de Marketing, Kotler e Armstrong (2007, p.4) nos dizem o seguinte: (...) o Marketing é um processo administrativo e social pelo qual indivíduos e organizações obtêm o que necessitam e desejam por meio da criação e troca de valor com os outros. Em um contexto mais específico dos negócios, o Marketing envolve construir relacionamentos lucrativos e de valor com os clientes. Assim, definimos Marketing como o processo pelo qual as empresas criam valor para os clientes e constroem fortes relacionamentos com eles para capturar seu valor em troca. (KOTLER E ARMSTRONG, 2007, p.4) Existem termos que permeiam a discussão sobre o Marketing, para Kotler e Armstrong (2007) alguns destes termos são os seguintes: Necessidade, desejos, demanda, produtos, valor, satisfação, qualidade, troca, transação, relacionamento e mercados. Estes termos podem ser melhor entendidos tomando-se como base a figura a seguir, em que se percebe a interação constante entre cada movimento relacionado aos conceitos principais do Marketing. 6

4 Figura 1 Conceitos Centrais de Marketing Fonte: KOTLER e ARMSTRONG, 1998, p.4. Para Mcdonald (2008, p.2), Marketing é um processo para: 1) definir mercados; 2) quantificar as necessidades dos grupos de clientes (segmentos) dentro desses mercados; 3) determinar as proposições de valor para atender a essas necessidades; 4) comunicar essas proposições de valor a todas as pessoas da organização responsáveis por entregá-las e conseguir que elas cumpram seu papel; 5) desempenhar um papel adequado na entrega dessas proposições de valor (em geral, apenas comunicações); 6) monitorar o valor entregue. Pode-se inferir, portanto, que a grande preocupação do Marketing consiste na percepção e identificação das reais necessidades do cliente, fazendo com que todas as ações de uma determinada empresa sejam direcionadas de forma a atendê-las. A partir ainda das necessidades percebidas, o Marketing busca explorar e melhorar não somente os atuais negócios da empresa, mas sim vislumbrar novas possibilidades e novos negócios no ambiente externo ao da organização Comportamento de consumo Existem algumas formas de classificarmos os consumidores, critérios como classe social e situação financeira são apenas algumas delas. Para melhor entendimento acerca do comportamento do consumidor, vejamos a citação abaixo: É definido como atividades com que as pessoas se ocupam quando obtêm, consomem e dispõem de produtos e serviços. Simplesmente falando, o comportamento do consumidor é tradicionalmente pensado como o estudo de por que as pessoas compram, sob a premissa de que é mais fácil desenvolver estratégias para influenciar os consumidores depois que entendemos porque as pessoas compram certos produtos ou marcas. (BLACKWELL; MINIARD; ENGEL, 2005, p. 6). O consumidor apresenta-se como figura essencial para a existência do processo empresarial, que consiste, basicamente, em um processo de troca. Nos anos posteriores a revolução industrial, estes consumidores dispunham de pouquíssimas alternativas para a seleção de produtos, rendendo-se ao chamado Marketing de massa que ditava a oferta. Ao longo do tempo, a indústria e o comércio mudaram, e, a economia de escala aliada aos ganhos de produção proporcionaram um aumento significativo da oferta de produtos. Durante este processo fica nítida a evolução também dos consumidores, que passam a contar com mais opções e mecanismos disponíveis para efetuarem suas aquisições. As classes sociais variam independentemente do salário recebido por um indivíduo, Kotler (1996) diz que estas classes sociais são divididas da forma mostrada no quadro a seguir. 7

5 Tipo da Classe Percentual % Características das classes Alta alta Menos de 1% Alta baixa Aproximadamente 2% Média alta 12% Média baixa 30% Baixa alta 35% Baixa baixa 20% Quadro 1 Tipos de Classes Sociais Fonte: Adaptado de KOTLER, 1996, p Processo de decisão de compra Representada pela Elite Social Consumo de jóias, antiquários, lazer.. Pessoas que ganham altas rendas ou fortunas. Adquirem símbolos de Status para si e para seus filhos. Preocupam-se com a carreira. Galgam profissões como: advogados, cientistas e professores universitários. Preocupam-se com a respeitabilidade. Representa em grande parte por homens de escritório, funcionários e operários especializados. Homens trabalham em empregos manuais e mulheres em casa. Instrução escolar é apenas média. Representa a camada mais baixa da sociedade. Pessoas desta classe são consideradas pelas outras classes como moradores de favelas ou refugos. A partir do entendimento das classes sociais, é nítida a existência de uma diferenciação entre ter e ser dentro de cada classe. Em grande parte, e na maioria das vezes, são estas diferenciações que influenciam o poder de compra do consumidor. Acerca dos fatores de comportamento dos consumidores, Kotler e Armstrong (2007) apresentam um modelo que visa demonstrar os fatores psicodinâmicos internos e externos que atuam sobre o consumidor. Figura 2 Fatores de influência no processo de decisão de compra Fonte: KOTLER E ARMSTRONG, 2007, p Para Kotler e Keller (2007, p.112), o consumidor, por si só, é uma caixa preta, justamente por carregar em seu histórico de vida, características que fazem dele um sujeito único. Essas características podem ser descritas como influências que afetam o processo de consumo elas podem ser culturais, sociais e pessoais. Os fatores culturais são os responsáveis por exercerem a maior e mais profunda influência sobre os consumidores, estes fatores estão, basicamente, subdivididos em três: cultura, subcultura e classe social. Cultura é aquela referente aos aspectos gerais da realidade social, para Blackwell, Miniard e Engel (2005, p.89), a cultura como utilizada no estudo do comportamento do consumidor, se 8

6 refere a valores, idéias, artefatos e outros símbolos significativos que auxiliam os indivíduos a se comunicar, interpretar e avaliar como membros da sociedade. No que diz respeito a subcultura, Kotler e Armstrong (2007, p.162) dizem que cada cultura consiste em subculturas menores as quais fornecem identificação mais específica e socialização para os membros. Logo, pode-se entender que são compostas pelas nacionalidades, religiões, grupos raciais e regiões geográficas. Já para Churchill e Peter (2000), a classe social consiste em distribuir a população em classes seguindo critérios pré-estabelecidos. No Brasil, este critério está fundamentado em um sistema de pontuação baseado na posse de bens de consumo durável, instrução do chefe da família, além de outros fatores, como por exemplo, a presença de empregados domésticos. Os fatores sociais constituem-se basicamente de grupos de referência, família, papéis e posições que acabam por influenciar o comportamento do consumidor. Para Kotler e Armstrong (2007) existem dois grupos de afinidade distintos, chamados de primários e secundários. O grupo primário tem sua constituição formada pela família, amigos, vizinhos e colegas de trabalho. Já o grupo secundário constitui-se de religiões, sindicatos e profissões, aos quais tendem a ser mais formais, exigindo, portanto, uma interação menos contínua. Para Kotler e Armstrong (2007, p.122), existem quatro importantes fatores psicológicos que influenciam o comportamento do consumidor durante seu processo de decisão de compra: motivação, percepção, aprendizagem, crenças e atitudes. Todas as pessoas, em geral, são motivadas por necessidades e desejos inesgotáveis. Alguns destes desejos e necessidades envolvem seu bem estar físico outros estão relacionados à forma com que o indivíduo se vê e se relaciona com os outros. Todas as pessoas sentem sede quase que constantemente, porém, são motivadas a cada segundo a trocarem a água por um refrigerante. Sobre a motivação, Kotler e Armstrong (2007, p.121), afirmam que motivo ou impulso é a necessidade que está pressionando suficientemente para levar uma pessoa a agir. Desta forma, a motivação passa a ser a força motriz interna de cada indivíduo e que os impele a ação. Ao momento em que uma pessoa encontra-se motivada e pronta para agir dá-se o nome de percepção. Sobre percepção, Kotler e Armstrong (2007, p.123) a definem como o processo pelo qual uma pessoa seleciona, organiza e interpreta as informações para formar uma visão significativa do mundo. 3. CONTEXTUALIZAÇÃO DA INTERNET 3.1. Evolução da Internet 9

7 Em seu trabalho Limeira (2007, p.15) nos informa que a preocupação com a informação sempre foi uma constante em todo o mundo, principalmente em tempos de guerra. Preocupados em estabelecer a liderança norte-americana em ciência e tecnologia na área militar, no ano de 1957, em plena guerra fria, o departamento de defesa dos Estados Unidos criou um projeto pioneiro e que iria causar grandes mudanças em todo o mundo. Surge então a ARPANET Advanced Research Projects Agency Network (Rede de Agências de Projetos Avançados de Pesquisa da Defesa Americana). O principal e maior desafio estava justamente em projetar uma rede que pudesse funcionar mesmo que uma de suas seções parasse de funcionar. Já no início dos anos 80 a internet passou por uma série de mudanças radicais em sua estrutura, todas as suas redes foram convertidas para protocolos baseados em TCP/IP, pois a ARPANET acabara de se transformar em backbone 1, que estabelecia a comunicação física entre os principais sites da internet. Nesta época a internet ainda estava começando e, portanto, seus números ainda eram bastante inexpressivos, porém, seu crescimento se deu de forma gigantesca. No ano de 1981 os computadores que hospedavam sites e estavam ligados a ARPANET eram apenas 230, já no ano de 1986 chegaram ao surpreendente número de Evidentemente que a evolução ocorreu rapidamente, hoje à grande rede global conta com milhões de computadores ligados a outros milhões de servidores espalhados por todo o mundo, onde usuários compartilham informações digitalizadas a grandes velocidades, mesma velocidade em que a rede cresce como um todo. No Brasil a internet dá seu pontapé inicial na década de 80, aproximadamente no ano de 1989, sobre este assunto Limeira nos diz o seguinte: Em 1989, com o objetivo de implantar no Brasil uma rede de pesquisa que interligasse as principais universidades, órgãos governamentais e nãogovernamentais e instituições de pesquisa, o Ministério da Ciência e Tecnologia formou um grupo composto por representantes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), da Fundação Carlos Chagas de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs), para discutir o tema. Como resultado, surgiu o projeto da Rede Nacional de Pesquisa (RNP), lançado em setembro de [...] Entre os anos 1996 e 1998, a RNP realizou melhorias em sua infra-estrutura, ampliando a capilaridade e velocidade de suas linhas. Em outubro de 1997, a RNP deu inicio a terceira fase do projeto denominada RNP2, que o objetivou o desenvolvimento de uma nova geração de redes Internet, interligando todo o país numa rede acadêmica de alto desempenho e conectando-se à iniciativa norte-americana Internet2. [...] (LIMEIRA, 2007, p. 24). 1 São operadores de telecomunicações que mantêm sistemas internos de elevadíssimo desempenho para comutar os diferentes tipos de fluxos de dados (voz, imagem, texto, etc). Na Internet, numa rede de escala planetária, pode-se encontrar hierarquicamente divididos, vários Backbones: os de ligação intercontinental, que derivam nos Backbones internacionais, que por sua vez derivam nos Backbones nacionais. 10

8 O conteúdo multimídia é a grande fixação atual dos usuários da internet, isto se deve, em grande parte, as altíssimas velocidades atingidas com o advento da banda larga. As ofertas de produtos e serviços pela internet estão crescendo a olhos vistos, bem como outras funcionalidades proporcionadas pela grande rede. As empresas estão percebendo cada vez mais a utilidade de tecnologias como a transmissão por videoconferência com qualidade de TV, telefonia IP e outros. Estas novas ferramentas além de otimizar o tempo gasto nos procedimentos rotineiros da empresa também geram uma economia considerável aos cofres das organizações. A Internet tem se propagado em velocidade incrível no país, o pedido de registro de domínios no site registro.br 2 tem chegado a quantidade extraordinárias, e não param de crescer, ajudando, desta forma, o crescimento no número de páginas Web existentes no Brasil. Para uma melhor visão deste crescimento vemos abaixo um gráfico que demonstra o crescimento do número de registros efetuados no período de 01/01/1996 até 05/03/2011. Gráfico 1 Crescimento de Domínios Registrado no Brasil Fonte: Registro.br Comércio Eletrônico Perder o dia na fila do banco para pagar uma simples conta, andar horas por livrarias a procura de livros especializados sobre algum tipo de assunto, brigar por produtos no supermercado do bairro, esses tipos de situação eram comuns até bem pouco tempo atrás. Hoje é possível realizar estas mesmas atividades à velocidade de um clique, tornando tarefas árduas em uma simples navegação pela internet, isso sem contarmos com a significativa 2 É comandado pelo órgão FAPESP, responsável por registro dos nomes de domínios e atribuir números IP (endereços pelo qual um computador é identificado na Internet) no Brasil. Onde através do Registro.Br, uma pessoa conectada à Internet consegue registrar no site um domínio brasileiro (.br). 11

9 diminuição dos custos. Este cenário representa uma revolução em nosso modo de vida, quebrando barreiras e transformando conceitos e velhos hábitos. Olhando pela ótica empresarial, o uso dos ambientes virtuais tem alterado significativamente a forma pela qual as empresas realizam seus negócios no século XXI, esta revolução, embora seja positiva, assusta pela velocidade a qual impõe ao nosso dia a dia com suas transformações. O comércio eletrônico tem como conceito qualquer forma de transação de negócio na qual as partes interagem eletronicamente, ao invés de compras físicas ou contato físico direto. Logo, fica evidente que todos os consumidores, empresas e governos estão envolvidos no processo contínuo de mudança tecnológica. A criação de novas tecnologias bem como a evolução de algumas já existentes serviram de suporte para o crescimento e evolução do comércio eletrônico. Algumas delas merecem destaque por sua importante contribuição neste processo evolutivo, as técnicas que garantem segurança na transmissão de dados sigilosos pela rede e a técnica de Marketing personalizado e direcionado ao consumidor alvo com novas formas de apresentar o produto são apenas algumas delas Comportamento do consumidor na era da Internet Os clientes que utilizam a Internet para efetuarem suas compras podem ser definidos como consumidores eletrônicos. Este consumidor cibernético pode ter várias outras denominações como, por exemplo, e-consumer, consumidor eletrônico, simplesmente consumidor, entre outras. Os consumidores têm a liberdade de visitar sites para busca de dados e comparações entre os produtos, podem utilizar agentes inteligentes que atendem suas preferências, oferecendo novas sugestões, e também contam com a facilidade de comunidades virtuais na Internet, as quais transferem um grande poder de negociação aos consumidores. Segundo Kotler e Armstrong (2007, p.131), a Difusão de inovações é classificada em níveis, como mostrado no gráfico abaixo: Figura 3 Curva de adotantes Fonte: Adaptado de KOTLER E ARMSTRONG, 2007, p.131. Contudo, é necessário superar essas resistências dos consumidores as inovações tecnológicas, pois os consumidores da nova economia criaram anticorpos. O que os profissionais de 12

10 Marketing devem fazer, é em vez de falar com as pessoas, fazer com que os mesmos falem entre si, criando idéias que se espalhem como um vírus. Para garantir a satisfação do consumidor, ou seja, uma avaliação pós-consumo positiva, assim como dar prioridade à retenção dos atuais clientes em relação à conquista de novos consumidores, devem ser seriamente considerada uma estratégia de Marketing on-line. Então, é possível diferenciar um cliente dos outros, e, conseqüentemente, dar a ele o tratamento personalizado que os concorrentes não oferecem Perfil do consumidor na Internet Alguns fatores oferecem fortes contribuições para que efetuem compras on-line, um dos mais representativos é definido pelo fato da diminuição constante do tempo disponível para realização das diversas atividades do cotidiano. À medida que as horas trabalhadas pelos membros da família aumentam, diminui, de forma proporcional, a quantidade de tempo disponível para pesquisas e compras de produtos da maneira tradicional. Segundo pesquisa realiza pela Câmarae-net, o perfil do consumidor levantado foi o seguinte: A renda média familiar do e-consumidor é de R$3.900,00 e se divide da seguinte maneira: Cerca de 37% tem renda familiar entre R$3.000,00 e R$8.000,00. Já, a parcela com renda entre R$1.000,00 e R$3.000,00, também tem uma grande participação no mercado, representando cerca de 31%. Do total de e-consumidores, 5% têm renda familiar menor que R$1.000, já 9% ganham mais de R$8.000 e 19% preferem não dizer (mesmo assim, a maior parte dos que preferem não dizer a renda são das camadas que têm um maior poder aquisitivo). A parcela compreendida entre os 25 e 49 anos de idade é esmagadora maioria entre os consumidores das lojas virtuais, sendo 71% da população que realiza compras pela Internet. O estudo mostra também que apenas 1% dos consumidores tem até 17 anos e 12% têm entre 18 e 24 anos. Outros 12% têm de 50 a 64 anos e apenas 1% tem mais de 65 anos. 2% preferiram não responder. Quando estimada a idade média do consumidor das lojas virtuais encontramos um número entre 34 e 35 anos. A grande maioria tem pelo menos nível superior completo (57%), sendo que 21% possuem também uma pós-graduação. Mais um dado sobre os consumidores das lojas virtuais é que os homens têm um maior hábito de comprar pela Internet. Em média 60% das pessoas que costumam comprar pela rede são do sexo masculino, contra 40% do sexo feminino. (Camaraenet, 2009) Nos últimos anos, a internet tem feito parte do cotidiano de grande parte das pessoas, e vem se transformando em um dos principais meios de comunicação mundial. As formas de utilização e a finalidade de uso de seus recursos variam de acordo com o perfil de cada usuário, dependendo da necessidade e do momento em que se realizam os acessos. A forma com que se identifica a utilização da internet se dá basicamente por meio do local de acesso, como: residências, lan-houses, no local de trabalho, em aeroportos, na casa de amigos, entre outros lugares. O tempo que cada usuário leva em seu acesso à internet também representa um fator importante, ou seja, é importante observar a média de tempo que as pessoas ficam conectadas à rede, utilizando as informações nela contidas. Conseqüentemente, o usuário da Web está presente em dois ambientes, simultaneamente: o ambiente físico imediato, em que ele esta presente; e o ambiente mediador da Web. Surge, 13

11 então, o conceito de tele presença, que vem a ser o grau em que o usuário se sente presente e se envolve no ambiente da Web. Portanto, para que a comunicação pela Internet se torne eficaz, é necessário que se crie um ambiente agradável e que estimule a tele presença, isto é, um ambiente com abrangência suficiente para que o usuário fique imerso e amplamente envolvido pela comunicação propiciada. 4. ANÁLISE DE RESULTADOS DA PESQUISA Visando subsidiar o presente artigo foi realizada uma pesquisa através de um questionário contendo 16 perguntas sobre consumo e utilização da internet pelos consumidores. O questionário continha perguntas fechadas e de múltipla escolha, disponível na Internet através do site O período de levantamento das respostas foi do dia 10 de Dezembro de 2010 até 10 de Fevereiro de 2011, alcançando opiniões no total de 108 pessoas sendo 61 respondentes do sexo masculino e 47 do sexo feminino. De acordo com os dados levantados 99% das pessoas costumam utilizar a Internet. Das 108 pessoas entrevistadas, 107 afirmaram utilizar a Internet, somente uma pessoa respondeu afirmando não utilizar a Internet. Esta pessoa pode ser considerada segundo Kotler e Armstrong (2007, p.131), não adotante, ou seja, pessoas que não utilizam determinados serviços ou produtos, por não aderirem à difusão de inovações. Gráfico 2 Local de acesso mais utilizado A partir do gráfico anterior, pode-se observar que das 108 pessoas que opinaram 69% utilizam a Internet prioritariamente em suas casas, com isso observa-se que a maioria destas pessoas possui computadores conectados na Internet. A segunda opção de acesso à Internet, por ser um local onde as pessoas passam grande tempo de suas vidas, foi o trabalho. Pode observar-se também a mínima quantidade de pessoas que utilizam a Internet, seja na escola ou em universidades, bem como daquelas fazem uso de lanhouses ou cyber cafés para efetuarem seus acessos. Esses resultados evidenciam o fato que desde 2005 tem crescido de forma considerável e acelerada os números de conexões residenciais na Internet. Outro fator de extrema relevância para qualquer estudo a respeito do consumo e do consumidor eletrônico, e em especial deste artigo, é o tempo que cada indivíduo leva conectado diariamente a grande rede. Das 108 pessoas entrevistadas, 51% afirmaram ficar na Internet por mais de 5 horas ao dia. 14

12 Gráfico 3 Tempo médio conectado na Internet Como se pode observar as facilidades de acesso e os novos recursos disponibilizados na grande rede vem estimulando o acesso e a permanência dos usuários conectados a internet. Por outro lado, este cenário somado às necessidades cada vez mais intensas dos consumidores também vem contribuindo para o aumento do tempo de conexão. A internet permite que as pessoas tenham acesso a um amplo e diversificado conjunto de opções e conteúdos para navegação, esse fato torna possível sua utilização para os mais variados fins, desde diversão até relacionamentos de trabalho. Grande parte dos pesquisados (40%) utiliza a internet prioritariamente para pesquisas diversas, já 25% delas utilizam para o trabalho e 13% deles priorizam o relacionamento e o contato com amigos. Gráfico 4 Fins de utilização da Internet De acordo com as escolhas apresentadas no gráfico, apenas 7% dos respondentes apontam a internet como forma de se efetuar compras. No entanto Blackwell R. D. et al, (2005), considera que as pessoas não entram na Internet pensando em comprar, mais sim obter informações de um produto ou alguma coisa de sua necessidade, e acabam sendo influenciadas através das propagandas expostas pelas empresas na Internet. Em resumo, os resultados encontrados evidenciam o fato de como as pessoas estão se comportando na Internet, o objetivo é o de entender se a utilização da internet e do comércio eletrônico tem mudado ou não a forma com que as pessoas tomam suas decisões durante o processo de decisão de compra. 15

13 Das 108 pessoas pesquisadas, 85% das pessoas responderam sim, ou seja, que o comércio eletrônico tem mudado o comportamento das pessoas em seu processo de decisão de compra, e apenas 15% de pessoas afirmaram negativamente. Gráfico 5 E-commerce no processo de decisão de compra do consumidor Foi visto que o consumidor em seu processo de decisão de compra é influenciado pelos fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos. De acordo com as repostas, apesar de os consumidores sofrerem essas influências, a maioria concordou que o e-commerce está ajudando para que os mesmos tomem suas decisões de forma diferenciada. De acordo com a pesquisa, a grande maioria confirmou comprar pela Internet, sendo que 49% destas pessoas somente para determinado tipo de produto e 25% em sites confiáveis. Outras 10% pensam em trocar mais sentem insegurança e 16% somente usa o comércio tradicional, excluindo o comércio eletrônico. Gráfico 6 E-commerce e comércio tradicional no processo de decisão de compra Desta forma observa-se que os consumidores estão optando pela compra on-line, pois 74% confirmaram comprar pela Internet, e apenas 26% não compram, sendo que 10% já pensam em trocar, mais ainda sentem insegurança, mas que brevemente acabarão vencidas com o crescimento de meios de proteção e criptografias que estão sendo implantadas para transações eletrônicas. Do total de 108 pessoas, 75% já compraram e pretendem comprar novamente pela Internet, apenas 3% dos respondentes afirmaram que nunca irão comprar pela Internet. Além disto, 19% das pessoas responderam que nunca compraram, mais pretende comprar um dia. 16

14 Gráfico 7 Diferenças entre os que adotam a compra on-line e os que não adotam Fica nítido a inclinação dos consumidores em aderir ao comércio eletrônico, seja pela facilidade propiciada, seja simplesmente por acompanhar as inovações do novo milênio. A internet e seus recursos vêm proporcionando aos consumidores o poder de confrontar produtos e analisar seus recursos, funcionalidades, preço, entre outros. Estes recursos tem sido de grande importância para o crescimento do e-commerce. Praticamente todas as pessoas buscam informações do produto antes de comprá-los, e somente duas afirmam não obter informações dos produtos. Além de entender se os consumidores efetivamente buscam informações sobre os produtos aos quais desejam adquirir, é importante também buscar entender quais os meios pelos quais estes consumidores mais utilizam para obter informações antes de comprar um produto. Gráfico 8 Busca de informações, e onde Conforme o gráfico anterior, 98% das pessoas confirmaram buscar informações antes de comprar um produto, e ao mesmo tempo utilizam a Internet como meio de ferramenta para esta busca. Pode-se entender que o consumidor esta cada dia mais procurando informações e compra de produtos utilizando a Internet, fato este que vem comprovar um aumento do comércio eletrônico no Brasil. Com base nos resultados obtidos, pode-se ver que produtos pertencentes à classe dos eletroeletrônicos, telefonia e informática lideram com folga o ranking dos produtos mais adquiridos ou procurados dentro do ambiente virtual. Estes produtos são responsáveis pela preferência de 58% do total de respondentes da pesquisa. As outras categorias dividem o interesse dos consumidores eletrônicos, com destaque apenas para a categoria de livros e DVD s/cd s que detém 19% da preferência dos consumidores. 17

15 Gráfico 9 Produtos mais procurados Fonte: Próprio autor Das 108 pessoas que opinaram 41% concordaram totalmente que o comércio eletrônico está possibilitando que as empresas possam conhecer melhor as necessidades de seus clientes e, portanto, vem mudando a forma com que estas empresas realizam seus negócios. Apenas uma pessoa discorda totalmente, ou seja, é nítido que na visão das pessoas a internet tem não só facilitado a maneira com que adquirem produtos, mas também a forma com que as empresas buscam ofertá-los. Como se pode observar, as respostas obtidas a partir dos dois questionamentos são bastante parecidas, 39% dos respondentes concordam totalmente e 47% concordaram parcialmente que a internet e o comércio eletrônico têm alterado de alguma forma o seu modo de vida, seja pela facilidade proporcionada ou pelos recursos existentes. Gráfico 10 Mudanças na vida das pessoas e nos negócios das empresas com o crescimento do comércio eletrônico Conforme observado no gráfico abaixo, 76% das pessoas que opinaram, concordou que a Internet tem contribuído para uma maior satisfação delas próprias enquanto consumidores. Observa-se ainda que 16% que não discorda e nem concorda com a afirmativa, e apenas 8% discorda sobre o aumento de satisfação do cliente através da utilização da Internet. Gráfico 11 Empresa, consumidor, e a internet como facilitador 5. CONCLUSÃO 18

16 Conforme apresentado, durante a evolução do consumo e do Marketing, o consumidor não dispunha de muita variedade de produtos e marcas para sua escolha e as empresas não conseguiam agradar por completo as necessidades das pessoas. Com o crescimento de usuários e empresas conectados na Internet, surge o comércio eletrônico. Esta nova ferramenta traz novos conceitos e usabilidades, possibilitando para as empresas que estas criem suas lojas virtuais, tornando o acesso a seus produtos fácil e democrático para todos. Por esta razão, vem crescendo o número de pessoas que estão utilizando o método on-line para comprarem determinados produtos, pela versatilidade e facilidade apresentada pela Web. Com base nos resultados apurados com a pesquisa, fica sugerido que a internet e suas ferramentas estão sim, influenciando o comportamento do consumidor durante o seu processo de decisão de compra. Fatores como disponibilidade, comparação, facilidade e acessibilidade tem sido fundamentais para que estes consumidores tornem-se cada vez mais exigentes e criteriosos em suas compras. Portanto, pode-se inferir que o comércio eletrônico realmente está mudando a maneira das pessoas e das empresas realizarem seus negócios. De acordo com o objetivo da pesquisa pode-se observar que os consumidores tendem a mudarem os seus comportamentos no consumo, como também na forma de vida. Pois como foi demonstrado, a Internet é uma ferramenta de extrema importância para o cotidiano, seja das pessoas, seja das empresas. Observa-se que as empresas têm obtido bons resultados através da utilização de ferramentas on-line, fazendo uso da Internet para obter conhecimento sobre o seu consumidor e suas preferências. Por outro lado, pode também obter um confiável feedback sobre seus produtos e serviços, aumentando o nível de conhecimento da empresa frente a seu mercado. Com a utilização da internet as pessoas tendem a obter de forma mais ágil e ampla, vários tipos de informações distintas acerca de todo o tipo de tema imaginável. Esta facilidade vem a contribuir para formação de um consumidor consciente de seus direitos e necessidades, além de mais atento a detalhes técnicos e a credibilidade de seus potenciais fornecedores. Da mesma forma, é preciso que as empresas entendam este novo ambiente e busquem soluções imediatas para que consigam satisfazer os anseios de seus atuais e potenciais consumidores. Neste contexto, ganham força os sites de relacionamentos em que as pessoas expõem sua vida de forma voluntária, fornecendo poderosas informações sobre sua personalidade e preferências. Estas informações devem ser exploradas ao máximo, já que podem proporcionar uma significativa vantagem competitiva para as empresas que as utilizem, onde propagandas e eventos podem ser direcionados somente ao público-alvo escolhido, poupando tempo, dinheiro e sem cansar o consumidor. Além disto, o e-commerce tornou-se muito mais do que somente um ponto de venda virtual, ele pode ainda ser utilizado como ferramenta durante todo o ciclo de venda, que vai desde a criação de uma demanda específica até a retenção do cliente na pós-compra. Agregando, desta forma, não só clientes e empresas de varejo, mas também estas empresas com seus fornecedores. 19

17 Referências AMERICAM MARKETING ASSOCIATION (AMA). Definição de Marketing. Disponível em: <http://www.marketingpower.com/aboutama/pages/definitionofmark eting.aspx>. Acesso em: 06 de Março BLACKWELL, R. D.; MINIARD, P. W.; ENGEL, J. F. Comportamento do Consumidor. 9ª ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, CÂMARA BRASILEIRA DE COMÉRCIO ELETRÔNICO. Perfil do consumidor on-line no Brasil. Disponível em: <http://www.camara-e.net/_upload/perfil_e-consumidor.pdf>. Acesso em: 06 de Março CHURCHILL, Gilbert A.; PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo: Saraiva, GRUPO DE PESQUISAS EBIT. Perfil do e-consumidor. Disponível em: <http://www.ebitempresas.com.br/perfil>. Acesso em: 18 de Nov KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de Marketing. 12ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, KOTLER, Philip; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. 12ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LIMEIRA, Tânia Maria Vidigal. E-Marketing: O Marketing na Internet com casos brasileiros. São Paulo: Saraiva, MCDONALD, Malcolm. Planos de Marketing: Planejamento e Gestão Estratégica. Rio de Janeiro: Elselvier, REGISTRO.BR. Estatística de Crescimento do Registro de Domínios no Brasil. Disponível em: <http://registro.br/stat/all.html>. Acesso em: 06 de Março VERGARA, Sylvia Constant. Métodos de Pesquisa em Administração. 7ª. ed. São Paulo: Atlas,

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br MARKETING DIGITAL Ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Extra, Extra notícias fresquinhas Você pode ter uma loja que funciona 24hs, inclusive aos domingos e feriados, não paga aluguel e nem condomínio

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Apresentação. bitveloz. Veja seus serviços pelos olhos dos clientes

Apresentação. bitveloz. Veja seus serviços pelos olhos dos clientes Apresentação bitveloz Veja seus serviços pelos olhos dos clientes Agenda Apresentação da e-bit bitveloz Contato 2 Histórico da e-bit Fundada em Fevereiro de 2000 Qualificação de lojas virtuais através

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais 1 MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 PRINCIPIOS O Seminário de Pesquisa exigido pelo curso de Administração é um projeto de atividades centrado em áreas teórico práticas, e deverá

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Como esta nova geração está mudando o setor de finanças. Brasil Julho de 2015

Como esta nova geração está mudando o setor de finanças. Brasil Julho de 2015 Conquistando Millennials: Como esta nova geração está mudando o setor de finanças Brasil Julho de 2015 1 Metodologia PESQUISA GLOBAL AMOSTRA GLOBAL CRITÉRIOS RESULTADOS DO BRASIL Pesquisa online de 20

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Tecnologia Web Focada em Negócios

Tecnologia Web Focada em Negócios Tecnologia Web Focada em Negócios Palestra: Otimização e Transparência no processo de compras. Marcos Carrara Outplan Empresa Catarinense com 13 anos de mercado. Produtos: Futebolcard Moke OutBuyCenter

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu Desembaraço Informações da indústria como você nunca viu Introdução É uma ferramenta dominada pela geração Y, mas que foi criada pela geração X. Ela aproxima quem está longe e tem distanciado quem está

Leia mais

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo.

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo. Universidade Castelo Branco O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DO E-COMMERCE DA SARAIVA RUAN CAÍQUE DE JESUS SIMAS Orientação: Prof.ª Carla Mota. Rio de Janeiro, jun. 2014 Introdução O comercio varejista brasileiro

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias CONSULTORIA COMÉRCIO ELETRÔNICO CONSULTORIA PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos!

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! De Camelô a Joalheiro Todos podem vender on-line! Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! 2 As pessoas me chamam de E-commerce Girl

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

O princípio da segmentação é criar grupos de clientes (ou potenciais clientes) com características comuns.

O princípio da segmentação é criar grupos de clientes (ou potenciais clientes) com características comuns. SEGMENTAÇÃO Segmentar o mercado ou a base de clientes é fundamental para a criação de um planejamento de marketing eficiente. Uma empresa não pode desenvolver um produto ou um serviço se não souber a quem

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb ConceitosGerais ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ConceitosGerais Índice 1 História da Internet... 2 a) No Mundo...

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

O comportamento de compra do consumidor da classe C

O comportamento de compra do consumidor da classe C O comportamento de compra do consumidor da classe C Josiane Wengrzynek, analistas.faq@bol.com.br, Av. das Araucárias, s/n, fone: (46) 559-1142 Quedas do Iguaçu-PR, 85460-000 Eliane Rodrigues do Carmo (FAQ),

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Estímulos de Marketing Outros Estímulos Características do comprador Processo de decisão do comprador Produto Preço Praça Promoção Econômicos Tecnológicos Políticos Culturais Culturais Sociais Pessoais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais