CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO OURO PRETO, MAIO DE 2008.

2 REITOR PROF. DR. JOÃO LUIZ MARTINS VICE- REITOR PROF. DR. ANTENOR RODRIGUES BARBOSA JÚNIOR CHEFE DE GABINETE PROF. DR. MARCELO EUSTÁQUIO SILVA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO PROF. DRA. CÉLIA MARIA FERNANDES NUNES PRÓ-REITOR DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROF. DR. TANUS JORGE NAGEN PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO PROF. MSC. RODRIGO MEIRA MARTONI PRÓ-REITOR DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO PROF. MSC. GILBERTO QUEIROZ DA SILVA PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO PROF. DR. LUIZ FERNANDO LOUREIRO RIBEIRO PRÓ-REITOR EXTRAORDINÁRIO DE PROJETOS ESPECIAIS PROF. DR. CARLOS FREDERICO M. C. CAVALCANTI

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO COMISSÃO PROFA. CLARISSE MARTINS VILLELA ESCOLA DE MINAS PROF. FERNANDO ABECÊ ESCOLA DE MINAS PROF. GERALDO DONIZETTI DE PAULA ESCOLA DE MINAS PROF. HUMBERTO SILVA GUIMARÃES ESCOLA DE MINAS

4 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 CONCEPÇÃO GERAL 3 COMPETÊNCIAS E HABILIDADES 4 PERFIL DO EGRESSO 5 OBJETIVOS GERAIS 6 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 7 ESTRUTURA CURRICULAR Núcleo de Conhecimentos de Fundamentação Núcleo de Conhecimentos Profissionais 7.3 Trabalho de Curso 7.4 Sistema de Pré-Requisitos 8 AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO ESCOLAR 9 ESTÁGIO SUPERVISIONADO 10 ATIVIDADES COMPLEMENTARES 11 MATRIZ CURRICULAR 12 - DISCIPLINAS E DISTRIBUIÇÃO DO QUADRO DOCENTE 13 EMENTÁRIO 14 FLUXOGRAMA DE DISCIPLINAS 15 PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO

5 1 APRESENTAÇÃO Antiga e acalentada aspiração social e institucional, o curso de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Minas da UFOP encontra agora o momento e o ambiente adequados à sua criação. Chamadas a repensar seu papel na sociedade, as universidades brasileiras, em sua quase totalidade, aderiram ao Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais REUNI. Ao incluir o curso que ora se apresenta em seu projeto de participação no programa, a UFOP reafirmou sua excelência no âmbito da educação superior. Seguindo o percurso de sua implementação e em cumprimento à Resolução CNE/CES nº6, de 2 de Fevereiro de 2006, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, delineia-se aqui o Projeto Pedagógico a ser adotado por esta instituição. Ressalta-se que, pelo caráter tentacular e multidisciplinar intrínseco à formação acadêmica e à prática do profissional da Arquitetura e do Urbanismo, este curso emerge com um potencial vigoroso e inédito de articulação das várias áreas do conhecimento paulatinamente implantadas na UFOP. Em um contexto mais amplo, a formação de massa crítica nesta área de atuação profissional, que congrega vertentes das artes e das ciências aplicadas, representa significativo aprofundamento das relações institucionais da academia com a sociedade, com a produção da cidade e com os destinos de Ouro Preto e de toda sua região. Esta dupla articulação interna e externa pontua claras perspectivas de inserção da UFOP e da cidade nas questões de ponta nacionais e internacionais relativas ao planejamento urbano, ao patrimônio cultural, ao ambiente natural e construído, à qualidade de vida, aos renovados processos tecnológicos da construção civil, ao valor estético das obras patrimoniais, dentre outros.

6 2 CONCEPÇÃO GERAL A concepção do curso visa uma sinergia voltada para a mudança do contexto atual do exercício da profissão do Arquiteto e Urbanista. Várias instituições de Ensino Superior no Brasil vêm se manifestando contrariamente à formação de profissionais que se colocam a serviço da demanda mercadológica. O mercado, de caráter especulativo, atende a um pequeno grupo privilegiado da sociedade e exclui camadas menos favorecidas que anseiam por melhores condições do habitat construído. Pretende-se aproximar os profissionais de seu compromisso social e de uma postura reflexiva frente à sua produção. Cabe mencionar a discussão sobre essa problemática especialmente debatida nos Seminários de Ensino e Pesquisa em Projeto de Arquitetura Projetar 2005, onde se discutem que se por um lado há uma falta de debate e publicações científicas na área, por outro, há cada vez menos uma crítica honesta de projetos de arquitetura, urbanismo e paisagismo contemporâneos e cada vez mais publicações de cunho promocional ou simples documentação. E ainda, Áreas de atuação como habitação social, Planejamento Urbano e a Conservação do Meio Ambiente, Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural, Ordenação Estética e Espacial das Cidades, dentre outras, vêm sendo cada vez menos valorizadas e estimuladas na formação dos profissionais arquitetos e urbanistas. Constata-se, então, um desvio do papel a ser exercido pelo profissional que é muito mais abrangente do que aquele ditado pelo mercado dominante. 3 COMPETÊNCIAS E HABILIDADES As competências e Habilidades definidas para o Arquiteto e Urbanista da UFOP têm como base as Diretrizes Curriculares Nacionais definidas pelo MEC que determinam uma formação profissional que revele, pelo menos: a) o conhecimento dos aspectos antropológicos, sociológicos e econômicos relevantes e de todo o espectro de necessidades, aspirações e expectativas individuais e coletivas quanto ao ambiente construído;

7 b) a compreensão das questões que informam as ações de preservação da paisagem e de avaliação dos impactos no meio ambiente, com vistas ao equilíbrio ecológico e ao desenvolvimento sustentável; c) as habilidades necessárias para conceber projetos de arquitetura, urbanismo e paisagismo e para realizar construções, considerando os fatores de custo, de durabilidade, de manutenção e de especificações, bem como os regulamentos legais, e de modo a satisfazer as exigências, culturais, econômicas, estéticas, técnicas, ambientais e de acessibilidade dos usuários; d) o conhecimento da história das artes e da estética, suscetível de influenciar a qualidade da concepção e da prática de arquitetura, urbanismo e paisagismo; e) os conhecimentos de teoria e de história da arquitetura, do urbanismo e do paisagismo, considerando sua produção no contexto social, cultural, político e econômico e tendo como objetivo a reflexão crítica e a pesquisa; f) o domínio de técnicas e metodologias de pesquisa em planejamento urbano e regional, urbanismo e desenho urbano, bem como a compreensão dos sistemas de infra-estrutura e de trânsito, necessários para a concepção de estudos, análises e planos de intervenção no espaço urbano, metropolitano e regional; g) os conhecimentos especializados para o emprego adequado e econômico dos materiais de construção e das técnicas e sistemas construtivos, para a definição de instalações e equipamentos prediais, para a organização de obras e canteiros e para a implantação de infra- estrutura urbana; h) a compreensão dos sistemas estruturais e o domínio da concepção e do projeto estrutural, tendo por fundamento os estudos de resistência dos materiais, estabilidade das construções e fundações; i) o entendimento das condições climáticas, acústicas, lumínicas e energéticas e o domínio das técnicas apropriadas a elas associadas;

8 j) práticas projetuais e soluções tecnológicas para a preservação, conservação, restauração, reconstrução e reabilitação e reutilização de edificações, conjuntos e cidades; k) as habilidades de desenho e o domínio da geometria, de suas aplicações e de outros meios de expressão e representação, tais como perspectiva, modelagem, maquetes, modelos e imagens virtuais; l) o conhecimento dos instrumentais de informática para tratamento de informações e representação aplicada à arquitetura, ao urbanismo, ao paisagismo e ao planejamento urbano e regional; m) a habilidade na elaboração e instrumental na feitura e interpretação de levantamentos topográficos, com a utilização de aerofotogrametria, fotointerpretação e sensoriamento remoto, necessário na realização de projetos de arquitetura, urbanismo e paisagismo e no planejamento urbano e regional. 4 PERFIL DO EGRESSO Em conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais, o curso de Arquitetura e Urbanismo deverá assegurar a formação de profissionais generalistas, capazes de compreender e traduzir as necessidades de indivíduos, grupos sociais e comunidade, com relação à concepção, organização e construção do espaço interior e exterior, abrangendo o urbanismo, a edificação, o paisagismo, bem como a conservação e a valorização do patrimônio construído, a proteção do equilíbrio do ambiente natural e a utilização racional dos recursos disponíveis. Especificamente nesta instituição, o Curso de Arquitetura e Urbanismo deve possibilitar aos graduandos: Explorar o potencial construtivo dos materiais metálicos e de suas técnicas construtivas nas diversas tipologias arquitetônicas; Lidar, criteriosamente, com as questões de preservação, conservação e restauração de bens patrimoniais; Adotar uma postura crítica frente às questões contemporâneas da produção social do espaço;

9 Formar-se em ambiente universitário favorável à interdisciplinaridade e à ampliação de conhecimentos propiciadas pelo acesso às disciplinas oferecidas por outros cursos da instituição; Envolver-se em atividades de pesquisa e extensão; 5 OBJETIVOS GERAIS O curso deverá estabelecer ações pedagógicas visando ao desenvolvimento de condutas e atitudes com responsabilidade técnica e social e terá por princípios: a qualidade de vida dos habitantes dos assentamentos humanos e a qualidade material do ambiente construído e sua durabilidade; o uso da tecnologia em respeito às necessidades sociais, culturais, estéticas e econômicas das comunidades; o equilíbrio ecológico e o desenvolvimento sustentável do ambiente natural e construído; a valorização e a preservação da arquitetura, do urbanismo e da paisagem como patrimônio e responsabilidade coletiva. 6 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Relacionam-se os seguintes objetivos específicos do Curso de Arquitetura e Urbanismos desta instituição, identificados à forte vocação regional: formar massa crítica na área da Arquitetura e do Urbanismo, cuja necessidade se consubstancia nos problemas crônicos de compatibilidade e adequação do crescimento urbano acelerado com o excepcional valor cultural do patrimônio natural edificado das cidades históricas mineiras; ampliar a consciência patrimonial dos cidadãos; contribuir para a melhoria da qualidade do ambiente construído; formar profissionais afetos às questões contemporâneas da produção social do espaço; formar profissionais afetos às questões de preservação, conservação e restauração dos bens patrimoniais brasileiros; contribuir para o desenvolvimento dos potenciais regionais nas áreas do patrimônio histórico e da siderurgia;

10 desenvolver pesquisas que contribuam para o crescimento tecnológico regional, em especial a indústria da construção civil e da construção metálica; aprofundar a participação institucional na evolução de Ouro Preto; aprofundar a integração de instituições públicas afetas ao planejamento das cidades e à preservação do patrimônio histórico e cultural; 7 ESTRUTURA CURRICULAR O curso possui uma carga horária total obrigatória de horas, resultado de horas de disciplinas obrigatórias, 144 horas de disciplinas eletivas além de estágio curricular supervisionado, que deverão ser concluídas em no mínimo 10 semestres letivos e no máximo 15 semestres letivos. Exige-se do aluno uma pesada carga de trabalho. Além das atividades curriculares, onde o estudante se dedica ao estudo das artes, da ciência, tecnologia, da teoria e história e do projeto, a arquitetura e o urbanismo são abordados como fenômenos culturais. Por isso, os alunos são estimulados a buscarem uma formação cultural ampla, onde a discussão de filmes, obras de arte, literatura e filosofia representam parte importante do curso e, também, de atividades extracurriculares. Esta formação complementar é totalmente viável dentro do ambiente cultural de Ouro Preto. Estruturado semestralmente, o curso de Arquitetura e Urbanismo segue os três núcleos interdependentes, estabelecidos pelas Diretrizes Curriculares Nacionais. Os núcleos de conteúdos poderão ser dispostos, em termos de carga horária e de planos de estudo, em atividades práticas e teóricas, individuais ou em equipe. Estas atividades encontram-se relacionadas a seguir e deverão ser implementadas durante o andamento do curso, seguindo os trâmites institucionais de aprovação. a) aulas teóricas, complementadas por conferências e palestras previamente programadas como parte do trabalho didático regular;

11 b) produção em atelier, experimentação em laboratórios, elaboração de modelos, utilização de computadores, consulta a bibliotecas e a bancos de dados; c) viagens de estudos para o conhecimento de obras arquitetônicas, de conjuntos históricos, de cidades e regiões que ofereçam soluções de interesse e de unidades de conservação do patrimônio natural; d) visitas a canteiros de obras, levantamento de campo em edificações e bairros, consultas a arquivos e a instituições, contatos com autoridades de gestão urbana; e) pesquisas temáticas, bibliográficas e iconográficas, documentação de arquitetura, urbanismo e paisagismo e produção de inventários e bancos de dados; projetos de pesquisa e extensão; emprego de fotografia e vídeo; escritórios-modelo de arquitetura e urbanismo; núcleos de serviços à comunidade; f) participação em atividades extracurriculares, como encontros, exposições, concursos, premiações, seminários internos ou externos à instituição, bem como sua organização Núcleo de Conhecimentos de Fundamentação composto pelas seguintes matérias: Cálculo Diferencial e Integral I Desenho de Arquitetura Estética Física Térmica e Ondulatória Geometria Descritiva Introdução à Sociologia Metodologia Científica Plástica Núcleo de Conhecimentos Profissionais composto pelas seguintes matérias: Arquitetura Brasileira Computação Gráfica Aplicada à Arquitetura e Urbanismo

12 Conforto Ambiental Construções Metálicas, de Concreto e de Madeira Estudo dos Solos Instalações Prediais Introdução à Arquitetura e Urbanismo Legislação e Prática Profissional Materiais de Construção e de Acabamento Paisagismo Patologia das Construções Planejamento Urbano e Regional Projeto Arquitetônico Projeto de Interiores Resistência dos Materiais Saneamento Sistemas Estruturais Sustentabilidade em Arquitetura e Urbanismo Técnicas Construtivas Técnicas Retrospectivas Tecnologia da Construção Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo Topografia e Desenho Topográfico 7.3 Trabalho de Curso Trabalho Final de Graduação, desenvolvido no último ano do curso e em formato de anteprojeto ou de monografia, é o meio pelo qual o formando demonstrará os conhecimentos adquiridos ao longo do curso. É um trabalho de caráter interdisciplinar em que se avalia o domínio do aluno sobre os conhecimentos essenciais e sua capacidade resolver problemas de arquitetura e urbanismo. Para realizar o Trabalho Final de Graduação o aluno será orientado, obrigatoriamente, por professor arquiteto e urbanista, por ele escolhido dentre os professores do quadro do Departamento de Arquitetura e Urbanismo.

13 Outro aspecto considerado é a defesa deste trabalho junto a uma banca com participação de arquiteto e urbanista não pertencente ao quadro do Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Os critérios, procedimentos e mecanismos de avaliação, além das diretrizes e técnicas relacionadas com sua elaboração exigem regulamentação própria a ser aprovada pelo Colegiado do Curso. 7.4 Sistema de Pré-Requisitos O sistema adotado é o de pré-requisito por bloco, sendo obrigatória a orientação acadêmia para matrícula em disciplinas. 8 AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO ESCOLAR No curso de Arquitetura e Urbanismo, devido ao grande número de disciplinas práticas, o processo de avaliação conhecido como prova escrita não será a única maneira de examinar o grau de conhecimento do aluno. Desta forma, para diversas disciplinas, trabalhos práticos serão adotados como forma de avaliação e, em determinados casos, esta se fará por pesquisas bibliográficas, relatórios, seminários e similares, conforme previsto no Capítulo X - Da Avaliação e do Aproveitamento Escolar - do Regimento Geral da UFOP. Demais aspectos relativos ao rendimento escolar, assiduidade e eficiência atenderão ao Regimento supra citado. 9 ESTÁGIO SUPERVISIONADO Trata-se de atividade curricular obrigatória que permite aos alunos a vivência do ambiente profissional, o desenvolvimento de atividades práticas pertinentes à sua área de formação e o contato com situações reais de trabalho. Poderá ser realizado em empresas públicas ou privadas sob a supervisão da instituição de ensino, por meio de seu corpo docente. O Estágio Supervisionado consta de uma carga horária de 180 horas, distribuídas ao longo do curso, a partir do 5 o período. Sua operacionalização demandará regulamentação própria, a ser aprovada pelo Colegiado do Curso.

14 10 ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares são componentes curriculares enriquecedores e implementadores do próprio perfil do formando e deverão possibilitar o desenvolvimento de habilidades, conhecimentos, competências e atitudes do aluno, inclusive as adquiridas fora do ambiente acadêmico, que serão reconhecidas mediante processo de avaliação. Estas atividades complementares podem incluir projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos, seminários, simpósios, congressos, conferências, até disciplinas oferecidas por outras instituições de educação. Estas atividades, realizadas ao longo do curso, atenderão à resolução do CEPE N o 1987 que relaciona a atribuição de créditos conforme tabela abaixo. Atividade Créditos Periodicida de 1) Iniciação à Pesquisa, Docência e Extensão. Programa de Pesquisa 2 por semestre Programa de Monitoria e Pró-Ativa 2 por semestre Programa de Extensão 2 por semestre 2) Participação em Grupos PET 2 por semestre Grupos de Tutorias. 3) Apresentação de trabalhos em 3.1. Apresentação de resumo em evento 2 Por apresentação eventos Publicações de artigos completos 3 por artigo 4) Vivência profissional complementar 5) Disciplinas cursadas em outras Instituições 6) Outras atividades em revista com corpo editorial Atividades de estágios complementares 1 por 90 horas por empresa Disciplinas cursadas pelo aluno em outras Instituições de Ensino Superior, através de convênio, intercâmbio, etc., cujos créditos não puderem ser apropriados pelo procedimento de Aproveitamento de Estudos 1 por 30 horasaula por analogia por analogia

15 11 MATRIZ CURRICULAR DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tabela 1 - Matriz curricular do Curso de Arquitetura e Urbanismo 1º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Introdução à Arquitetura e Urbanismo DEARQ 36 Desenho de Arquitetura I DEARQ 144 Geometria Descritiva DEARQ 72 Estética DEARQ 36 Cálculo Diferencial e Integral I DEMAT 72 TOTAL 360 2º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo I DEARQ 72 Desenho de Arquitetura II DEARQ 72 Computação Gráfica Aplicada à Arquitetura DEARQ 72 Plástica DEARQ 36 Metodologia Científica DEEDU 36 Física Térmica e Ondulatória DEFIS 72 TOTAL 360 3º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo II DEARQ 108 Projeto Arquitetônico I DEARQ 108 Materiais de Construção DECIV 72 Topografia e Desenho Topográfico DEARQ 72 TOTAL 360 4º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo III DEARQ 72 Projeto Arquitetônico II DEARQ 108 Introdução à Sociologia DEARQ 36 Estudo dos Solos DECIV 72 Resistência dos Materiais DECIV 72 TOTAL 360

16 5º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Projeto Arquitetônico III DEARQ 108 Arquitetura Brasileira I DEARQ 36 Urbanismo I DEARQ 72 Conforto Ambiental DECAT 72 Sistemas Estruturais DECIV 72 TOTAL 360 6º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Projeto Arquitetônico IV DEARQ 108 Arquitetura Brasileira II DEARQ 36 Urbanismo II DEARQ 72 Construções de Concreto Armado DECIV 72 Construções Metálicas I DECIV 72 TOTAL 360 7º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Projeto Arquitetônico de Construções Metálicas DEARQ 108 Planejamento Urbano e Regional I DEARQ 72 Paisagismo DEARQ 36 Construções Metálicas II DECIV 72 Construções de Madeira DECIV 36 Instalações Prediais I DECAT 36 TOTAL 360 8º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Projeto de Restauração / Revitalização Arquitetônica DEARQ 108 Planejamento Urbano e Regional II DEARQ 72 Sustentabilidade em Arquitetura e Urbanismo DEARQ 36 Saneamento Urbano DECIV 72 Instalações Prediais II DECAT 36 Legislação e Exercício Profissional DEARQ 36 TOTAL 360

17 9º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Projeto Integrado de Arquitetura/Urbanismo/Paisagismo DEARQ 108 Projeto de Interiores DEARQ 72 Trabalho Final de Graduação I DEARQ 36 Técnicas Construtivas DECIV 72 TOTAL º PERÍODO / DISCIPLINAS DEPTO CHS Trabalho Final de Graduação II DEARQ 144 Técnicas de Retrospectivas DEARQ 72 Patologia das Construções DECIV 72 Estágio Supervisionado* TOTAL 288 Observação: para completar a carga horária mínima de 3600 horas, o aluno deverá cursar 144 horas em disciplinas eletivas Disciplinas Eletivas: - Antropologia (Curso de Museologia) - Cenografia (DEART) - Comunicação Visual (Curso de Comunicação Social) - Construções Metálicas Especiais (DECIV) - Construções Metálicas III (DECIV) - Construções Metálicas Industrializadas (DECIV) - Croquis e Desenho Artístico (DEARQ) - Desenho Estrutural e de Instalações (DECAT) - História da Arte (DEHIS) - Introdução à Filosofia da Ciência e das Idéias (DEFIL) - Planejamento e Administração de Obras (DECIV) - Princípios de Domótica (DECAT) - Projetos de Iluminação (DECAT) - Sistemas Construtivos dos Séculos XVIII e XIX (DEARQ) - Técnicas de Conservação e Restauro (DEARQ) - Transportes Urbanos (DECIV)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005.

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Superior/ Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a.

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a. SIC nº 20/2010* Belo Horizonte, 22 de junho de 2010. 1. ARQUITETURA E URBANISMO. DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS. ALTERAÇÃO. RESOLIUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010. CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. CONSELHO

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO CNE/CES Nº2/2010 QUE INSTITUI AS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO CNE/CES Nº2/2010 QUE INSTITUI AS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO CNE/CES Nº2/2010 QUE INSTITUI AS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO APRESENTAÇÃO As atuais diretrizes curriculares nacionais

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 507/2014 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Grau: Bacharelado. O CONSELHO

Leia mais

INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior

INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACI ONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior UF: DF ASSUNTO: Proposta de alteração da Resolução CNE/CES nº 6/2006, que instituiu

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 I - NÚCLEO DE CONHECIMENTOS DE FUNDAMENTAÇÃO Estética,

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 078, DE 05 DE OUTUBRO DE 2007. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h -

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h - V- MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 3. Estética e História das Artes 05 75h

Leia mais

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso O objetivo deste Guia é apresentar as informações básicas sobre o Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Uberlândia, servindo

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CACCAU Centro de Atividades Complementares do Curso de Arquitetura e Urbanismo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Nas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACs)

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACs) REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACs) CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO O Colegiado do

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Ciências Contábeis.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ

BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ 1º PERÍODO Introdução à Arquitetura e Urbanismo 04 60 História e Teoria da Arquitetura e do Urbanismo I - Panorama Mundial 04 60

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares do Curso de graduação em Educação Artística,

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

Atividades Complementares dos Cursos da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - UNIVAP

Atividades Complementares dos Cursos da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - UNIVAP Atividades Complementares dos Cursos da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - UNIVAP Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares para os cursos de graduação e graduação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo

Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo SEMESTRE 1 - Obrigatórias SAP0615 Projeto I 12 4 16 SAP0620 Desenho de Arquitetura 6 2 8 SAP0623 Plástica 6 2 8 SAP0645 Informática na Arquitetura 8 2 10 SAP0646

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA E URBANISMO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ARQUITETURA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVÇO PÚBLCO FEDERAL UNVERSDADE FEDERAL DE CAMPNA GRANDE CONSELHO UNVERSTÁRO CÂMARA SUPEROR DE ENSNO RESOLUÇÃO Nº 04/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso de Graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA Art. 1º As atividades acadêmico-científico-culturais, denominadas atividades complementares, compreendem

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014

RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014 Faculdade Independente do Nordeste Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001. RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014 Aprovar a alteração da matriz curricular do Curso de Arquitetura

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS:

I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS: Reitoria Resolução nº 003, de 12 de março de 2009. Regulamenta o Programa de Atividades Complementares- PAC dos cursos de graduação O Reitor da Universidade Candido Mendes, no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DE ARQUITETURA E URBANISMO Campus Min. Petrônio Portella, Bloco: 06, Ininga CEP:64.049-550 - Teresina, Piauí, Brasil E-mail coordarq@ufpi.br

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Pedagogia.

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara CONSELHO SUPERIOR ACADÊMICO E ADMINISTRATIVO RESOLUÇÃO CSAA N 04/2015 Regulamenta as Atividades Complementares dos Cursos de Graduação das Faculdades Integradas de Taquara. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

DISCIPLINA IT 489/852 FUNDAMENTOS PARA PARA O TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO Caderno de Normas, Recomendações e Prazos

DISCIPLINA IT 489/852 FUNDAMENTOS PARA PARA O TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO Caderno de Normas, Recomendações e Prazos INSTITUTO DE TECNOLOGIA Departamento de Arquitetura e Urbanismo DISCIPLINA IT 489/852 FUNDAMENTOS PARA PARA O TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO Caderno de Normas, Recomendações e Prazos Organização Comissão

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Atividades Complementares

Atividades Complementares Centro de Ciências da Educação, Artes e Humanidades CCEAH-UNISANTOS Atividades Complementares ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA PETRÓLEO ENGENHARIA PORTUÁRIA ENGENHARIA

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ARQUITETURA E URBANISMO. CRÉDITOS Obrigatórios: 246 Optativos: 2.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ARQUITETURA E URBANISMO. CRÉDITOS Obrigatórios: 246 Optativos: 2. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:19:48 Curso : ARQUITETURA

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso: Sistemas de Informação NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso: Sistemas de Informação NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso: Sistemas de Informação NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aprovadas pela Comissão Coordenadora em 06/12/2012 Aprovadas

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais Apresentação Querido (a) aluno (a) Seja bem vindo (a) à Faculdade de Engenharia da Universidade do Estado

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Art. 1º - Compreende-se como Atividade Complementar toda e qualquer atividade que complemente a formação acadêmica oferecida pelas disciplinas

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES NORMAS GERAIS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Prezados alunos, As atividades Acadêmico-Científico Culturais foram instituídas como carga horária visando a complementação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ANEXO I REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO UNICEP

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO UNICEP 2 Centro Universitário Central Paulista REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO UNICEP Considerando que as Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação entendem

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADE COMPLEMENTAR

REGULAMENTO DE ATIVIDADE COMPLEMENTAR REGULAMENTO DE ATIVIDADE COMPLEMENTAR CURSO DE MARKETING www.ffb.edu.br SUMÁRIO Título I Das Considerações Gerais... 5 Título II Dos Objetivos... 5 Título III Das Atividades Complementares... 6 Título

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA CAV

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA CAV CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 0, de 05 de abril de 0, publicado no Diário Oficial da União nº 66, de 08 de abril de 0. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES,

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

MANUAL DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS MANUAL DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS APRESENTAÇÃO As atividades acadêmico-científico-culturais - AACC têm por finalidade oferecer aos acadêmicos dos cursos de licenciatura e bacharelado

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITORIAL Profª. Dra. Lúcia Helena Vasques Diretora Acadêmica Prof. Me. Domingos Sávio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES]

Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES] 2012 Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ] REGULAMENTO SOBRE AS 1 Tendo em vista a necessidade de formar profissionais generalistas e compreendendo que a trajetória das Atividades Complementares deve

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Atividades Complementares NAC (Resolução CNE/CES nº 9/2004)

Regulamento do Núcleo de Atividades Complementares NAC (Resolução CNE/CES nº 9/2004) CURSO DE DIREITO DA UniEVANGÉLICA DIREÇÃO DE CURSO Regulamento do Núcleo de Atividades Complementares NAC (Resolução CNE/CES nº 9/2004) DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A carga horária da matriz 2009.1

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL DE ABERTURA CPD Nº 075 CONCURSO PÚBLICO, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2015. A Fundação Universidade Federal de São

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 70/2002

RESOLUÇÃO CONSEPE 70/2002 RESOLUÇÃO CONSEPE 70/2002 ALTERA A CARGA HORÁRIA DOS CURRÍCULOS DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - As Atividades Complementares constituem ações que devem ser desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

CURRICULUM SIMPLIFICADO

CURRICULUM SIMPLIFICADO Série: 1-1 Semestre 7AQ110 ANTROPOMETRIA 2.0 7AQ104 DESENHO ARQUITETÔNICO I 4.0 7AQ101 DESENHO DE OBSERVAÇÃO 4.0 7AQ102 DESENHO GEOMÉTRICO 4.0 7AQ106 HISTÓRIA DA ARTE ANTIGA 2.0 7AQ103 LINGUAGEM VISUAL

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA São Paulo - 2010 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares, com a sigla ACs, de todos os

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Radiologia RESOLUÇÃO Nº.

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Radiologia RESOLUÇÃO Nº. RESOLUÇÃO Nº. 002/2011 "Dispõe a respeito das Atividades Complementares Geradoras de Crédito (ACGC) no curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UFMG Conforme o disposto na Lei de Diretrizes e Bases

Leia mais

COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBJETIVO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBJETIVO ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBJETIVO ESTIMULAR A PARTICIPAÇÃO DO ALUNO EM EXPERIÊNCIAS DIVERSIFICADAS QUE CONTRIBUAM PARA A SUA FORMAÇÃO PROFISSIONAL. O ACADÊMICO OBRIGATORIAMENTE DEVERÁ APRESENTAR A COMPROVAÇÃO DE 120 HORAS DE.

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES PRÓ-REITORIA ACADÊMICA BURITIS / CARLOS LUZ / SILVA LOBO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares, conforme as Diretrizes Curriculares do MEC, são atividades extracurriculares obrigatórias

Leia mais