Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido"

Transcrição

1 Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Projeto para construção de cisternas, Mobilização e Capacitação de famílias parceria da Febraban com a ASA e AP1MC

2 Projeto Cisternas Febraban Federação Brasileira de Bancos Apel Gestão de Projetos ASA Articulação para o Semi-Árido Naidison Baptista

3 O Semi Árido Brasileiro A Região do Semi-Árido Nordestino ocupa uma área de aprox. 900 mil metros quadrados praticamente a superfície da Alemanha e França juntas; Vivem nesta região aproximadamente 18 milhões de pessoas, 10 milhões na área urbana e 8 milhões na área rural, formando o mais populoso semi-árido do mundo; Estima-se que dos 8 milhões de pessoas morando na área rural, dois terços se encontrem a pelo menos 1 hora/dia do local onde há água disponível; A pluviosidade média da região é de 750 mm (superior a de Berlim ou Paris) por ano, o que o torna o semi-árido mais chuvoso do mundo; Apenas 3% da água doce do Brasil está no Nordeste; No subsolo cristalino do semi-árido, a água presente apresenta alta salinidade, o que a torna imprópria para o consumo humano. O Problema A chuva, apesar de na média ser suficiente para atender a demanda da região, é má distribuída física e temporalmente. Devido às características climáticas da região, o Nordeste possui um dos maiores índices de evaporação do Brasil, o que torna reservatórios de água pouco profundos inúteis em épocas de seca.

4 Em 2001 foi criada a ASA Articulação para o Semi-Árido esta entidade não formal reúne mais de 800 entidades presentes no nordeste Brasileiro com o objetivo de erradicar a pobreza e a fome na região. A ASA adotou um projeto já existente da Caritas, a construção de cisternas, como seu modelo de atividade. O projeto contemplava mais do que simplesmente a solução da falta de água, envolvia também educação sanitária e de bom uso de recursos hídricos para as comunidades alvo. Após a avaliação do impacto da construção de cisternas em algumas pequenas comunidades, a ASA decidiu-se por tentar ampliar o projeto, aproximando-o de políticas governamentais. O projeto obteve em seu início apoio do Ministério do Meio Ambiente e recebeu o Prêmio Ecologia (categoria recursos hídricos) da revista SuperInteressante.

5 Projeto Cisternas: Estrutura ASA Articulação no Semi-Árido Fórum de organizações da sociedade civil, composta por mais de 700 organizações que atua em prol do desenvolvimento social, econômico, político e cultural do semi-árido brasileiro. Constitui o espaço de articulação política da Sociedade Civil Organizada no nível Federal. ASAS Estaduais Coletivos Estaduais Constitui o espaço de Articulação Política da Sociedade Civil Organizada no nível estadual. UGM s Unidades Gestoras Microrregionais CEM Comissão Executiva Municipal UE s Unidades Executoras Locais Comissões Comunitárias Famílias Constitui o terceiro nível da estrutura de gestão do Projeto. Entidade de Natureza jurídica que recebe os recursos da UGC. É responsável por executar o projeto nas microrregiões do Semi-Árido Tem como objetivo fazer com que o projeto aconteça nos municípios São responsabilidades desta comissão a seleção das famílias, organização dos cursos de capacitação, eleger a Unidade Executora Municipal (UE) e monitorar os trabalhos da UE. As decisões tomadas no âmbito do município são tomadas por esta comissão. O objetivo da UE é o de executar as determinações feitas pela Comissão Executiva Municipal. A gestão dos recursos financeiros no nível do município é de sua responsabilidade. Tarefas de aquisição de materiais para a construção, capacitação, reuniões e encontros. É sua responsabilidade a prestação de contas da utilização de recursos para a CEM e a UGM. Tem como responsabilidade o recebimento dos materiais e distribuição destes às familias Apoiar nas atividades de mobilização, capacitação, reuniões, encontros e visitas de monitoramento. Recolher as assinaturas dos termos de recebimento São os beneficiários do programa Atuam como participantes das capacitações e contribuem na construção da cisternas.

6 Espaço de Articulação Política ASA ASA Articulação no Semi-Árido Articulação no Semi-Árido Nível Federal Nível Federal Estrutura Política e Administrativa ASAS ASAS ESTADUAIS ESTADUAIS Articulação no Semi-Árido Articulação no Semi-Árido Nível Estadual Nível Estadual Estrutura de Gestão e Execução UGC UGC Unidade Unidade Gestora Gestora Central Central Coletivos Coletivos Estaduais Estaduais UGM s UGM s Unids Unids Gestoras Gestoras Microrregionais Microrregionais UGC UGC Unid. Gestora Unid. Gestora Central Central UGM s UGM s Unids Gestoras Unids Gestoras Microrregionais Microrregionais CEM CEM Comissões Executivas Comissões Executivas Municipais Municipais Assoc de Base Paróquias Assoc de Base Grupos Paróquias de Trab STRs Grupos de Trab STRs Igrejas c/ assess Ongs Igrejas c/ assess c/ assess STRs Ongs c/ c/ assess assess STRs c/ assess Prefeituras Gov. Prefeituras Estadual Gov. Gov. Federal Estadual Gov. Federal Assentamento de Assentamento Reforma de Agrária Reforma Agrária UE s UE s Unidades Unidades Executoras Executoras GF1 GF1 GF2 GF2 Grupos Grupos de de Famílias 3 Famílias 3 GF4 GF4 GF5 GF5 Comunidades Comunidades Famílias Famílias

7 CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO DE DE CISTERNAS CISTERNAS DOAÇÃO DOAÇÃO DE DE RECURSOS RECURSOS FINANCEIROS FINANCEIROS APOIO APOIO TÉCNICO TÉCNICO APOIO APOIO NA NA BUSCA BUSCA DE DE OUTROS OUTROS PARCEIROS PARCEIROS Construção, capacitação e infra-estrutura Consultoria, auditoria e tecnologia da informação Recursos materiais diversos APRENDIZADO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO DAS DAS ALTERNATIVAS ALTERNATIVAS PARA PARA A A EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO DA DA PARCERIA PARCERIA ENTRE ENTRE A A FEBRABAN FEBRABAN E E A A ARTICULAÇÃO ARTICULAÇÃO DO DO SEMI SEMI-ÁRIDO EMI-ÁRIDO

8 As cisternas representam a solução de melhor custo-benefício em relação a outras alternativas de combate à escassez de água na região (poços, micro-barragens, barragens subterrâneas) O projeto não se limita apenas à construção de cisternas, mas abrange também: a capacitação de pedreiros da comunidade e das famílias beneficiadas no processo de construção das cisternas; a preparação das famílias para o uso e conservação da água das chuvas armazenada nas cisternas; a formação de multiplicadores em Gestão de Recursos Hídricos e Gestão de Projetos. Busca a emancipação das comunidades e cria condições para atividades geradoras de renda (como, por exemplo, pequena agricultura e criação de animais)

9 A construção de cisternas de armazenamento de água da chuva não era uma novidade. No entanto suas construções aumentaram de intensidade ao final dos anos 90, com a chegada de técnicas e treinamento adequado à região. As cisternas suprem adequadamente a demanda humana por água, muito embora não representem uma solução para todas as carências da região.

10 O Apoio da Febraban

11 CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO DO PROJETO Proposta e metodologia de implantação A prática comprovada Emancipação, geração de renda, aprendizado, envolvimento dos beneficiários Instituições confiáveis envolvidas na concepção e gestão do projeto POSSIBILIDADE DE POSSIBILIDADE DE SINERGIA INTERNA E SINERGIA INTERNA E EXTERNA AOS EXTERNA AOS BANCOS BANCOS Viabiliza a ação integrada dos bancos através da FEBRABAN Viabilizará o envolvimento dos funcionários, fortalecendo as ações internas no campo da Responsabilidade Social POSSIBILIDADE DE POSSIBILIDADE DE EXECUÇÃO PILOTO EXECUÇÃO PILOTO COMO FORMA DE COMO FORMA DE APRENDIZADO APRENDIZADO Características do projeto permite que se participe de forma gradativa (em quantidade de cisternas construídas) O aprendizado piloto permitirá a configuração das ações futuras

12 HISTÓRICODOPROJETO A seleção do Projeto Cisternas pela Febraban A Febraban estabeleceu como premissa, a seleção de um projeto que, de fato, contribuísse de forma sustentável para a transformação social de comunidades carentes. Além das premissas de transformação social a Febraban, também atentou para a identificação de elementos que demonstrassem transparência na gestão dos recursos financeiros e o modelo de gestão. Tendo observado estes requisitos, a Febraban elegeu como linha de ação a construção de cisternas em 11 estados do Semi-Árido brasileiro. O caráter educativo e de preservação, a proposta de formação para convivência sustentável com o Semi Árido, a possibilidade de melhoria da qualidade de vida de um grande número de famílias e a existência de iniciativas para a montagem de um modelo de gestão consistente e transparente, foram outros elementos que contribuíram para a seleção deste projeto.

13 HISTÓRICODOPROJETO O histórico do apoio da Febraban Já no início das conversações foi identificado que se tratava de um programa abrangente e ambicioso, não só pelo número de famílias a serem atendidas, como pela complexidade logística de capacitar e mobilizar um contingente imenso de pessoas e transportar um volume significativo de materiais numa área de km 2 e cujas estradas apresentam condições adversas (calor excessivo, poeira, pedras, buracos, terrenos íngremes, riachos, atoleiros, areais). Nesta fase, também ficou evidente que o êxito na consecução do projeto, dependeria fundamentalmente da gestão de suas operações e da existência de controles e processos que permitissem a identificação antecipada de problemas que pudessem comprometer a sua execução. Neste contexto, e mesmo ciente dos entraves e dos desafios que se apresentavam, ficou claro para a Febraban que o apoio não poderia se resumir ao financiamento da construção das cisternas, mas deveria também, se estender ao apoio para a estruturação das unidades que participariam da execução do programa. Desta forma optou-se por disponibilizar os recursos necessários para o aparelhamento das unidades gestoras, mediante o fornecimento de automóveis, motos, computadores entre outros itens. Também se decidiu por contratar uma empresa para cuidar da estruturação inicial do projeto e de implantação da infra-estrutura operacional e, com isso, possibilitasse a operacionalização de todo o projeto, inclusive a construção de cisternas por outros apoiadores do projeto.

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral de Acesso à Água Carolina Bernardes Água e Segurança

Leia mais

Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI

Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI Maria Sueli Rodrigues de Sousa Conjunto Morada Nova I, Quadra 03, Bloco 05, apartamento

Leia mais

Caracterização Regional e Difusão Tecnológica para Uso Sustentável dos Recursos Hídricos das Aluviões do Semi-Árido Brasileiro

Caracterização Regional e Difusão Tecnológica para Uso Sustentável dos Recursos Hídricos das Aluviões do Semi-Árido Brasileiro CONSULTORIA Caracterização Regional e Difusão Tecnológica Ministério de Minas e Energia / CPRM / UFPE Consultoria: Ana Cristina Brito Arcoverde Período: 2006-2010 PLANO DE TRABALHO DE CONSULTORIA AO PROALUV

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA Maria de Fátima Lima, Coordenadora da Pastoral da Criança na Diocese de Patos, Gilberto Nunes de Sousa, Central das Associações do

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Políticas públicas e Investimento Social Privado MODELO MAIS COMUM MODELO ALTERNATIVO ISP INFLUENCIAR

Leia mais

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Elementos de uma Proposta REDE? SISTEMA? Beneficiários do Bolsa Família não conseguem financiamento para iniciar atividades produtivas Os Fundos Solidários

Leia mais

Participação da Febraban no Projeto Cisternas

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Participação da Febraban no Cisternas PROGRAMA DE FORMAÇÃO E MOBILIZAÇÃO PARA CONVIVÊNCIA COM O SEMI-ÁRIDO 1 Milhão Cisternas O Metodologia Participação Febraban Aprendizado 1ª 1 Milhão Cisternas O Metodologia

Leia mais

Plataforma dos Centros Urbanos

Plataforma dos Centros Urbanos Plataforma dos Centros Urbanos O que é a Plataforma dos Centros Urbanos? É uma iniciativa nacional de articulação, fortalecimento e desenvolvimento de políticas públicas, programas e ações voltados para

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 1 Introdução ao aproveitamento de água de chuva Carlos de Oliveira Galvão Universidade Federal de Campina

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Fundação Itaú Social. Por uma educação integral,

Fundação Itaú Social. Por uma educação integral, Fundação Itaú Social Por uma educação integral, integrada e integradora Visão Itaú Ser o banco líder em performance e perene reconhecidamente sólido e ético, destacando-se por equipes motivadas, comprometidas

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Cícero Onofre de Andrade Neto O acesso a água potável é apenas um dos problemas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO MODALIDADE SELEÇÃO DE CURRÍCULO E ENTREVISTA EDITAL N 014/2012

EDITAL DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO MODALIDADE SELEÇÃO DE CURRÍCULO E ENTREVISTA EDITAL N 014/2012 EDITAL DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO MODALIDADE SELEÇÃO DE CURRÍCULO E ENTREVISTA EDITAL N 014/2012 O Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas CAA/NM torna público que estão abertas inscrições para

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL 013/2013 Processo Administrativo nº 151. Projeto de implantação de acesso à água para consumo humano MDS/BNB

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL 013/2013 Processo Administrativo nº 151. Projeto de implantação de acesso à água para consumo humano MDS/BNB EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL 013/2013 Processo Administrativo nº 151 Projeto de implantação de acesso à água para consumo humano MDS/BNB O Centro de Assessoria do Assuruá apresenta abertura de Edital de

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E ASSESSORIA AOS

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E ASSESSORIA AOS ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E ASSESSORIA AOS TRABALHADORES RURAIS E MOVIMENTOS POPULARES CNPJ: 03.256.366/0001-14 Inscrição Municipal: 1.3842-142 Endereço: Rua Dom Antônio Monteiro, Nº 257 Bairro

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades Programa 1704 - APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR 17000 - Secretaria de Estado da Agricultura, da Pecuária e da Pesca Fortalecer a agricultura familiar, através de um conjunto de ações implementadas em parceria

Leia mais

PROJETO. cisternas EM REALIDADE POSSIBILIDADES TRANSFORMANDO

PROJETO. cisternas EM REALIDADE POSSIBILIDADES TRANSFORMANDO PROJETO cisternas TRANSFORMANDO POSSIBILIDADES EM REALIDADE PROJETO cisternas TRANSFORMANDO POSSIBILIDADES EM REALIDADE 2 Cisternas mudando a vida das famílias do semi-árido brasileiro 4 Chove chuva 4

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO Ricardo Braga; Anderson Paiva; Paulo F Araújo Filho; Jaime Cabral; Arnaldo Vitorino

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

9 FOME ZERO PARCERIAS 138

9 FOME ZERO PARCERIAS 138 9 FOME ZERO PARCERIAS 138 O que é O Fome Zero é uma estratégia do Governo Federal para assegurar o direito à alimentação adequada às pessoas com dificuldades de acesso aos alimentos. A base da estratégia

Leia mais

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições Programa Fundo Solidário Construído para garantir inclusão socioeconômica Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 1. 293050/2013 Município: UF: Prefeito: Serrinha BA Orçamento total da Prefeitura: R$ 58.680,00 Qtd. Emp. Form.ME, EPP. EI: Estimativa de Emp. Informais:

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade.

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são a totalidade de ações, metas e planos que os governos

Leia mais

DESERTIFICAÇÃO. Informe Nacional Brasil

DESERTIFICAÇÃO. Informe Nacional Brasil DESERTIFICAÇÃO Informe Nacional Brasil O QUE É DESERTIFICAÇÃO? É a degradação ambiental e social que ocorre nas zonas áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas por ação antrópica. Entende-se como degradação

Leia mais

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO A Universidade de Cruz Alta, possui uma área construída de 35.785,92m² em seu Campus Universitário, abrigando, nesse espaço, 26 cursos de graduação, cursos de especialização e mestrado, 119 laboratórios,

Leia mais

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO 1 INTRODUÇÃO A Política Estadual de Educação Ambiental tem como princípios

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM Faça parte desse abraço A Fundação Solidariedade ponto focal do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,braço social do Sistema Correio de Comunicação, é uma Associação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA Salvador, Bahia Brasil, 19 e 20 de novembro de 2009 Mobilização Mundial Conferências

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

PROJETO DE FORTALECIMENTO DE CAPACIDADES PARA O DHL CNM/PNUD

PROJETO DE FORTALECIMENTO DE CAPACIDADES PARA O DHL CNM/PNUD PROJETO DE FORTALECIMENTO DE CAPACIDADES PARA O DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 16.2010) CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR(A) PARA FORMAÇÃO, CONSTRUÇÃO E ANIMAÇÃO DE REDE SOCIAL PARA OS BENEFICIÁRIOS E PARCEIROS

Leia mais

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação.

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação. Título do Trabalho: Barragem Subterrânea: uma alternativa de convivência com o semi-árido e a participação das comunidades rurais do sertão pernambucano. Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Recife, 2004 Sumário Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO AMBIENTAL DA ARCELORMITTAL TUBARÃO 1997-2007

PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO AMBIENTAL DA ARCELORMITTAL TUBARÃO 1997-2007 PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO AMBIENTAL DA ARCELORMITTAL TUBARÃO 1997-2007 OBJETIVO Estabelecer um canal de comunicação entre empresa e sociedade, contribuindo com ações sócio-ambientais na comunidade escolar,

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data:

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data: ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES Dados Socioeconômicos: Levantamento das Demandas do Município Responsável Técnico pelo Levantamento: Data: Município: Nome do Informante /

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Alimentar e Nutricional Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição/ DAB/ SAS Ministério da Saúde Afinal, o que é Segurança Alimentar e Nutricional? Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras)

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) Tipo: Baixa Renda Nome do Projeto: Doação de geladeiras e lâmpadas para famílias inscritas em programas sociais do Governo Federal 2015. Situação: Em Implementação. O projeto tem como objetivo a substituição

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental.

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. PANZENHAGEN, Liane Margarete 1, VALE, Giovane Maia 2 ; MOREIRA, Ilson 3. Palavras-chave: composteira, meio ambiente, comunidade escolar. Introdução

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE 0 PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PRORAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEA PLANO DE AÇÃO Montanha ES 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 02 2. JUSTIFICATIVA... 03 3. OBJETIVO GERAL...

Leia mais

Harmonização entre Demanda e Oferta de Cursos Técnicos de Nível médio Orientações às CREs

Harmonização entre Demanda e Oferta de Cursos Técnicos de Nível médio Orientações às CREs Departamento Pedagógico Coordenação de Gestão do Ensino Médio e da Educação Profissional CGEMEP Núcleo de Política e Ações Pedagógicas da Educação Profissional - NEP Harmonização entre Demanda e Oferta

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

10 ANOS. Conte até 10 e saiba por quê.

10 ANOS. Conte até 10 e saiba por quê. 10 ANOS O Programa de Aquisição de Alimentos completou dez anos. Instituído pela Lei nº 10.696, de 2 de julho de 2003, o PAA tem se consolidado como um instrumento de estímulo à organização produtiva e

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Atuando com responsabilidade para colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Compromisso com um futuro melhor. Com o nosso trabalho, somos parte da solução para uma agricultura mais sustentável.

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN. Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN. Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO APRESENTAÇÃO: A região Semi-árida é caracterizada de um modo geral pela aridez do clima, deficiência hídrica, precipitações

Leia mais