PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil"

Transcrição

1 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM) PROCESSO, SELECIONADO PELA CGTI, OPERANDO DE FORMA AUTOMATIZADA, REPRESENTADO NA NOTAÇÃO BPMN, CONTENDO AS INTERFACES DE OPERAÇÃO E GESTÃO, PROTOCOLOS DE CONTEÚDO, COMUNICAÇÃO E ARMAZENAMENTO. Documento técnico apresentado pelo Consultor MARLON SILVA MARCINIUK, caracterizando o Produto Nº 02, relativo ao Termo de Referência do Edital Nº 2/2010 do Projeto 914 BRA PRODOC- MTC/UNESCO BRASÍLIA DF 2010

2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Definições básicas Operação automatizada Atributo Interface Protocolos OBJETIVO DO DOCUMENTO TÉCNICO RESULTADOS OBTIDOS Processo selecionado Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software Protocolos do Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software Diagrama 01 - Preenchimento de Requisição de Serviço PRÓXIMOS PASSOS... 21

3 1. APRESENTAÇÃO Este trabalho, desenvolvido pelo Consultor MARLON SILVA MARCINIUK, constitui o segundo produto previsto no Edital N 02/2010, do Projeto de Cooperação Técnica Internacional 914 BRA5065-PRODOC-MCT/UNESCO. O referido Edital define como finalidade implantar, em caráter experimental, 1 (um) processo da Coordenação-Geral de Gestão de Tecnologia da Informação - CGTI, da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração SPOA, com operação automatizada, representado graficamente na notação BPMN, objetivando aumentar o grau de maturidade em Gestão por Processos no âmbito do Ministério da Ciência e Tecnologia MCT. 1.1 Definições básicas Para a compreensão da implantação de processo, a ser descrito neste documento, tornase necessário que alguns conceitos sejam estabelecidos Operação automatizada Refere-se ao programa de computador gerado para executar o processo modelado. Este programa de computador gerado deverá possuir as mesmas características e propriedades atribuídas ao processo no ato da modelagem Atributo Os Atributos servem para caracterizar os eventos de um processo, com o objetivo de definir suas propriedades. São imprescindíveis para implantação, uma vez que é a partir deles que são definidas as formas visuais e gráficas de apresentação da operação automatizada do processo Interface A interface gráfica se compõe de um dos meios pelo qual um programa de computador se comunica com o usuário. A comunicação ocorre por meio de elementos gráficos, ao contrário, por exemplo, da linha de comando, comum em ambientes para programação, que propõe a comunicação essencialmente através de texto. A interação entre o ser humano e o programa geralmente ocorre por meio do mouse ou teclado, que permite a comunicação do usuário com o programa para se obter algum resultado ou tomar alguma decisão.

4 Na tabela a seguir são descritos e apresentados os elementos gráficos utilizados na implantação da operação automatizada do processo selecionado. Tipos de Elementos Gráficos Interface Exemplo do Elemento Rótulo: Exibe o conteúdo do atributo somente para a visualização, sem a possibilidade de alteração/edição. Caixa de Texto: Exibe um campo para o preenchimento de informações (input). Caixa de Número: Exibe um campo com setas superior e inferior para a seleção de um único número. Botão: Exibe o conteúdo do atributo dentro de um botão Seleção: Exibe o valor do atributo e um quadrado que permite marcação ao seu lado. Quando selecionado é considerado como Verdadeiro (1) e o desmarcado como Falso (0); Seleção de Data: Exibe um calendário para a seleção de uma data Seleção de Horário: Exibe um caixa de número específica para inclusão de horário. Tabela: é uma forma para representação gráfica de linha(s) e coluna(s) no formato de uma tabela Fichário (abas): Exibe as informações de duas ou mais tabelas em forma de abas. Cada Atributo é representado dentro de uma aba. Janelas (Portlet): Exibe o conteúdo dos Atributos em forma de pequenas janelas. Cada Atributo é representado dentro de uma janela. A tabela abaixo demonstra as possibilidade de representação gráfica de cada tipo de atributo, bem como uma breve descrição e exemplificação. Tipo Descrição Exemplos Booleano Atributo que permite apenas conteúdo verdadeiro ou falso 1. ON / OFF 2. Solteiro? Representação Gráfica Checkbox Botão

5 Tipo Descrição Exemplos Numérico Atributo que permite apenas conteúdo numérico. Idade Representação Gráfica Caixa de Texto Caixa de Número Rótulo Textual Atributo que permite apenas conteúdo de texto (letras e números). 1. Nome; 2. CPF; Caixa de Texto Rótulo Data / hora Lista Tabela (Grupo) Atributo que permite conteúdo no formato de data e/ou hora. Atributo que representa uma lista de um outro atributo (Booleano, Numérico, Textual ou Data / hora). Atributo que representa um conjunto de outros atributos (Booleano, Numérico, Textual ou Data). 1. Data de nascimento; 2. Hora atual. Lista de nomes de clientes (lista de atributos do tipo Texto). Tabela que contém 1. Nome de Clientes (tipo Texto) e 2. Data da Aniversário (tipo Data/hora). Seleção de Data (calendário) Rótulo Hora Checkbox Tabela Tabela Fichário Janelas Protocolos Entende-se por protocolo qualquer software, tecnologia ou norma (padrão ou não) necessária ao estabelecimento de uma conexão, comunicação ou interação entre dois sistemas, de acordo com as necessidades organizacionais. Os protocolos permitem a comunicação com o legado, contribuindo na aderência dos processos, além de auxiliar a obtenção de indicadores úteis para a gestão. Neste contexto, os protocolos podem ser classificados em quatro grupos, distintos e complementares: a. Protocolos de Armazenamento: Responsáveis pela persistência de informações que trafegam pelo processo. São normalmente tratados com banco de dados, ou arquivos em formatos proprietários. Os protocolos de armazenamento são muito utilizados em processos quando se deseja manter uma base externa (já existente) independente do processo mapeado. b. Protocolos de conteúdo: São responsáveis pela forma em que as informações estão dispostas para serem utilizadas. O XML (extended Markup Language) é um exemplo de protocolo de conteúdo que se destacou no mercado e se tornou padrão, embora muitas ferramentas ainda se utilizam de outros formatos. c. Protocolos de Interface: Esses protocolos são sempre necessários em processos onde há interação humana. Os protocolos de interface são responsáveis pela forma de

6 apresentação das informações durante a execução do processo. Estes protocolos deverão ser disponibilizados pelo ambiente de processos adotado, para que o próprio usuário possa escolher a forma de representação desejada. d. Protocolos de Comunicação: Esses protocolos são responsáveis pela conectividade entre o processo e um determinado sistema ou elemento externo. Atualmente existem diversos protocolos de comunicação importantes no mercado, tais como: HTTP para tráfego via web; FTP (File Transfer Protocol) para transferência de arquivos; SOAP (Simple Object Access Protocol) para utilização de serviços em plataformas distribuídas e descentralizadas; ODBC (Open Data Base Connectivity) para conexão com bancos de dados em formato padrão, dentre outros. Os protocolos de comunicação normalmente serão identificados e representados pela Equipe de TI, devido a sua abrangência e diversidade em relação aos sistemas externos ao processo. Os demais protocolos também podem ser administrados e identificados pela TI, mas nada impede que os próprios usuários do processo (usuários de negócio) possam realizar este trabalho. Nos casos em que todo o processo for gerado automaticamente, o uso explícito destes protocolos torna-se dispensável, pois o próprio ambiente de implantação e automação de processos deverá prover esses protocolos para armazenamento das informações geradas durante a sua execução automatizada. 2. OBJETIVO DO DOCUMENTO TÉCNICO O objetivo deste relatório é apresentar o Produto 02: Documento técnico que demonstre a Implantação de 1 (um) processo, selecionado pela CGTI, operando de forma automatizada, representado na notação BPMN, contendo as interfaces de operação e gestão, protocolos de conteúdo, comunicação e armazenamento. 3. RESULTADOS OBTIDOS 3.1 Processo selecionado O Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software foi o processo selecionado pela CGTI para ser implantado de forma automatizada. Este processo é de responsabilidade da Coordenação de Desenvolvimento de Sistemas CODS. Na sua concepção atual sua operação demanda grande esforço manual, enquanto sua gestão é limitada, principalmente em razão da impossibilidade de monitoramento em tempo

7 real. A automação do processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software propõe atingir os seguintes objetivos: Possibilitar a gestão das demandas nas áreas de sistemas; Ser o ponto único de contato para registro e acompanhamento das demandas de sistemas; Permitir a gestão de contratos de TI (Tecnologia da Informação); Permitir a gestão da operação do processo em tempo real; Possibilitar a parametrização e flexibilização; Estar adaptado à realidade da CODS e aderente às normas aplicáveis (IN04, 8666/93 etc.); Ser modelo referencial para automação dos processos do Service Desk e Infraestrutura na CGTI, bem como para as áreas de negócios do MCT. 3.2 Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software Por sua complexidade, a execução deste processo envolve vários atores, que operam e gerenciam-no de forma paralela. Neste sentido o processo de Gestão de Manutenção de Sistema de Software se encontra implantado em diferentes diagramas. Cada diagrama automatizado foi construído para ser operado por determinado Ator. Cabe ressaltar que este processo havia sido modelado em cinco diagramas (a evolução do processo ocorre continuamente), no entanto, para adequá-lo ao contexto da CGTI, fez-se necessário realocar algumas atividades em sete novos diagramas, o que resultou em 12 no total, conforme listado abaixo: Nº Diagrama de Processo Ator 01 Preenchimento de Requisição de Serviço Preposto 02 Processo de Suporte Gestor de Regras 03 Cadastro de Contratos Gestor de Contratos 04 Registro de Solicitação Solicitante 05 Registro de Solicitação - Atendente Atendente 06 Análise de Solicitação Técnico 07 Análise de Justificativa Fiscal do Contrato 08 Entrega Serviço Preposto 09 Análise de Relatório de Impacto CODS 10 Cadastro de Pré-Ordem de Serviço Fiscal do Contrato 11 Cadastro de Ordem de Serviço Fiscal do Contrato

8 12 Conclusão de Ordem de Serviço Fiscal do Contrato Em razão do tamanho do processo, contém cerca de 40 atividades (tarefas), e da impossibilidade de se demonstrar em documento físico (estático) a automação da operação (dinâmica) será apresentado no tópico seguinte apenas as interfaces de operação e de gestão do diagrama de Preenchimento de Requisição de Serviço do Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software, que possuí dez eventos e duas atividades. Para cada atributo de cada evento constante no diagrama será apresentado o seu respectivo elemento de representação gráfica. O conjunto desses elementos compõe a interface de operação do evento. O conjunto das interfaces de operação de todos os eventos, que se encontram ligados a uma atividade, por sua vez compõem a forma com que o usuário opera determinada Atividade. A interface de gestão se refere ao processo mapeado, de modo que o gestor possa identificar o andamento da execução da operação, visualizando as ocorrências do processo (com seus devidos atributos, para cada um dos eventos) e relatórios gerais do processo, com possibilidades de visualização no formato de gráfico e tabela. A operação automatizada de todos os diagramas já se encontra implantada no ambiente computacional da CGTI e poderá ser acessada via intranet pelos usuários cadastrados, que exercem os papeis dos atores anteriormente listados. Os requisitos do Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software, necessários para implantação da operação automatizada foram coletados no dia 15 de julho de Portanto, por se tratar de um processo que se encontra em constante evolução, poderão ocorrer modificações até a conclusão deste documento e entrega do produto Protocolos do Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software Para a implantação do Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software fez se necessário utilizar os seguintes protocolos: Protocolos de Armazenamento: Nome: Banco de Dados (Postgres ou MySql) Descrição: protocolo para acesso ao sistema gerenciador de banco de dados.

9 Protocolos de conteúdo: Nome: extended Markup Language - XML; Descrição: protocolo responsável pela forma em que as informações estão dispostas para serem utilizadas. Protocolos de Interface: Nome: interface de plataforma Windows e interface Java; Descrição: padrão de visualização das interfaces do sistema. Protocolos de Comunicação: Nome: File Transfer Protocol - FTP Descrição: protocolo de transferência de arquivos e acesso a sistemas de arquivos remotos. Nome: Hypertext Transfer Protocol - HTTP Descrição: protocolo de comunicação utilizado para sistemas de informação de hipermídia, distribuídos e colaborativos. Nome: Simple Message Transfer Protocol - SMTP Descrição: protocolo para envio de s através da Internet. Para utilizar o protocolo de é necessário adicionar o endereço ou o nome mais a porta do servidor de , além da necessidade de configurar a autenticação do usuário para o envio dos s. Nome: Lightweight Directory Access Protocol - LDAP Descrição: protocolo para atualizar e pesquisar diretórios. É utilizado para centralizar e armazenar informações sobre contas de usuários, grupos, computadores. O protocolo LDAP pesquisa e retorna a lista de diretórios.

10 3.2.2 Diagrama 01 - Preenchimento de Requisição de Serviço 1. VISÃO GERAL DO DIAGRAMA:

11 2. ATIVIDADE: Preenchimento de Requisição de Serviço: É um pedido/autorização de execução de serviço ou produção de um bem de TI a um fornecedor. a) Entrada: 1- Espontâneo b) Controles: 1-Solicitação Autorizada: São os controles utilizados para autorização da solicitação. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Nome_Solicitante Texto Min=0 ; Máx= 50 _Solicitante Texto Min=0 ; Máx= 50 Telefone_Solicitante Texto Min=0 ; Máx= 50 Unidade Texto Min=0 ; Máx= 50 Nome_Atendente Texto Min=0 ; Máx= 50 _Atendente Texto Min=0 ; Máx= 50 Telefone_Atendente Texto Min=0 ; Máx= 50 Descrição da Solicitação Texto Min=0 ; Máx= 100 Tipo_de_Urgência Texto Min=0 ; Máx= 50 Anexo Anexo Min=0 ; Máx= 0 Anexo_2 Anexo Min=0 ; Máx= 0 Anexo_3 Anexo Min=0 ; Máx= 0 Pré-Autorizada Boolea no Min=0 ; Máx= 0 Identificador Texto Min=0 ; Máx= 50 Responsável_pela_Autori zaçao_de Execução Texto Min=0 ; Máx= 50 Responsável_pela_Aut_de Análise_de_Impacto Texto Min=0 ; Máx= 50 Data Data Min=0 ; Máx= 0

12 2-Métrica: É o parâmetro utilizado para medição do esforço empregado para realização da solicitação. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica nome Texto Min=0 ; Máx= 40 É_Homem_ Hora Booleano Min=0 ; Máx= 0 Descrição Texto Min=0;Máx= Ordem de Serviço (OS): É um documento que define a forma de controle da aquisição de serviço. A OS é um documento que contém o escopo do serviço, as características de arquitetura, os artefatos a serem entregues e os procedimentos de qualidade aplicáveis, a quantidade da unidade controladora, e ainda as medidas e metas associadas.. O fornecedor deve apresentar uma proposta de execução da OS, que deve ser assinada pela CGTI antes do início da execução do serviço. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Identificador Texto Min=0 ; Máx= 10 Emissor Texto Min=0 ; Máx= 40 Descrição Texto Min=0 ; Máx= 200 Data Data Min=0 ; Máx= 0 PreOS Anexo Min=0 ; Máx= 0 OS Anexo Min=0 ; Máx= 0 Número do Contrato Texto Min=0 ; Máx= 50

13 4- Tipo de Serviço: É a relação dos serviços que poderão ser demandados. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Nome Texto Min=0 ; Máx= 20 Descrição Texto Min=0 ; Máx = Criticidade: É a classificação do nível de criticidade do serviço a ser realizado, que pode resultar na alteração da sua prioridade de realização. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Nome Texto Min=0 ; Máx= 50 Descrição Texto Min=0;Máx= Local de Prestação de Serviço: É o local onde o serviço será realizado, podendo ser remoto, no local de trabalho do solicitante ou nas dependências da CGTI. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Nome Texto Min=0 ; Máx= 15 Descrição Texto Min=0 ; Máx= 100

14 c) Saída: Requisição Geral: É o documento contendo o registro de todas as informações necessárias para a realização dos serviços. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Identificador Solicitação Número do contrato Texto Texto Min=16 ; Máx=16 Min=0 ; Máx=40 Tipo de Serviço Texto Min=0 ; Máx=40 Pré-Aprovado Booleano Min=0 ; Máx=0 Data Requisição Data Min=0 ; Máx=0 Resp. Autorização de Execução Texto Min=0 ; Máx=50 Criticidade Texto Min=0 ; Máx=30 Local Prestação do Serviço Texto Min=0 ; Máx=50 Responsável Texto Min=0 ; Máx=50 Executor Texto Min=0 ; Máx=100 Anotação Texto Min=0 ; Máx=400 Métricas Tabela Min=0 ; Máx=0 Métrica Texto Min=0 ; Máx=30 É_Homem-Hora Booleano Min=0 ; Máx= Quantitativo_Estim ado Numérico Min=0 ; Máx=9999 Justificativa HH Texto Min=0 ; Máx=400 Data_Provável_d e_entrega Data Data_Provável_de_ Entrega >=hoje ( )

15 3. ATIVIDADE: Preenchimento de Requisição de Sistemas: Registro de solicitação de serviços relacionada com a manutenção de sistemas corporativos do MCT. a) Entrada: 1- Requisição Geral: É o documento contendo o registro de todas as informações necessárias para a realização dos serviços. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: idênticos à Requisição Geral de saída. b) Controles: 1- Gestor Módulo Aplicação: É o servidor responsável pela gestão do Sistema. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Aplicação Texto Min=0 ; Máx= 100 Módulo Texto Min=0 ; Máx= 100 Nome Texto Min=0 ; Máx= 50 Telefone Trabalho Telefone Celular Texto Min=0 ; Máx= 50 Texto Min=0 ; Máx= 50 Texto Min=0 ; Máx= 30

16 c) Saída: Requisição de Sistema: É o documento contendo o registro de todas as informações necessárias para a realização dos serviços relacionados aos Sistemas. Atributo(s) + Interface Gráfica de Operação do Evento: Nome Tipo Verificações Interface Gráfica Tipo de Serviço Texto Min=0 ; Máx=50 Número do Contrato Texto Min=0 ; Máx=50 Pré-aprovado Booleano Min=0 ; Máx=0 Data Requisição Data Min=0 ; Máx=0 Identificador Solicitação Resp. Autorização de Execução Texto Texto Min=16 ; Máx=16 Min=0 ; Máx=40 Responsável Texto Min=0 ; Máx=40 Executor Texto Min=0 ; Máx=40 Criticidade Texto Min=0 ; Máx=20 Anotação Texto Min=0 ; Máx=200 Métricas Tabela Min=0 ; Máx=10 Métrica Texto Min=0 ; Máx=30 É_Homem-Hora Booleano Min=0 ; Máx= Quantitativo_Estima do Local Prestação de Serviço Numérico Texto Min=0 ; Máx=9999 Min=0 ; Máx=50 Justificativa_HH Texto Min=0 ; Máx=200 Data_Provável_de_En trega Data Data_Provável_de_En trega>=hoje ( ) Sigla_Sistema Texto Min=0 ; Máx= 15 Sigla_Módulo Texto Min=0 ; Máx= 15 Gestor Texto Min=0 ; Máx= 40

17 4. INTERFACE DE OPERAÇÃO DAS ATIVIDADES: A interface de operação da Atividade é composta pelo conjunto de interfaces dos eventos. A imagem exemplificativa abaixo propõe apresentar o ambiente onde o usuário executa a operação automatizada de determinada Atividade. Nos tópicos seguintes serão apresentadas as imagens das interfaces de operação automatizadas das duas atividades que compõe o diagrama de Preenchimento de Requisição de Serviço. Cabe ressaltar que todas as demais atividades constantes nos demais diagramas do Processo de Gestão de Manutenção de Sistemas de Software foram implantadas sobre a mesma ótica.

18 4.1 Atividade: Preenchimento de Requisição de Serviço: ATIVIDADE MODELADA INTERFACE DA OPERAÇÃO AUTOMATIZADA DA ATIVIDADE

19 4.2 Atividade: Preenchimento de Requisição de Sistemas: ATIVIDADE MODELADA INTERFACE DA OPERAÇÃO AUTOMATIZADA DA ATIVIDADE

20 5. INTERFACE DE GESTÃO A interface de gestão é o local em que gestor acompanha a execução da operação, visualizando as ocorrências do processo (com seus devidos atributos, para cada um dos eventos) com possibilidades de visualização no formato de gráfico e tabela. Abaixo é apresentado a interface de gestão no modo de visualização de tabela, com informações referente ao evento Registro de Solicitação - relatório de quantidade de solicitações registradas por unidade organizacional. Na imagem abaixo é apresentada a interface de gestão do mesmo evento no formato para visualização no modo de gráfico, neste caso de barras.

21 4. PRÓXIMOS PASSOS No Produto 03, conforme previsto no Termo de Referência, será apresentado o Documento técnico do projeto contendo os resultados dos testes de gerenciamento e operação, oportunidades de melhoria e indicadores de evolução, que viabilize a tomada de decisão quanto à adoção da Gestão por Processos no Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT. Brasília, DF,04 de outubro de 2010 Marlon Silva Marciniuk

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente Conceito ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente O Sagres Diário é uma ferramenta que disponibiliza rotinas que facilitam a comunicação entre a comunidade Docente e Discente de uma instituição,

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Institui a Política de Gerenciamento de Serviços de TI no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª. Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CSI IT Solutions. WebReport2.5. Relatórios abertos. Acesso controlado Extensibilidade de módulos IMPACTO AMBIENTAL

CSI IT Solutions. WebReport2.5. Relatórios abertos. Acesso controlado Extensibilidade de módulos IMPACTO AMBIENTAL CSI IT Solutions 2.5 solução CSI PrintManager G e s t ã o d e A m b i e n t e d e I m p r e s s ã o O CSI dá aos gestores de TI o poder de uma gestão integral através do acesso fácil às informações gerenciais

Leia mais

APLICATIVO PARA ATUALIZAÇÃO EMPRESARIAL

APLICATIVO PARA ATUALIZAÇÃO EMPRESARIAL APLICATIVO PARA ATUALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE UM SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Marlon Gracietti de Amorim Orientador: Prof. Cláudio Ratke Roteiro de apresentação 1.Introdução 2. Objetivos 3. Fundamentação

Leia mais

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Ricardo Gaspar (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 10 de Junho de 2013 Agenda Contextualização Diretrizes de Contagem

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 233/2013 Institui a Política de Gerenciamento de Serviços de Tecnologia da Informação (TI) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo

Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo Introdução... 2 Sistemática de utilização do pacote SGIE... 2 Projeto de inspeção... 2 Instalação do projeto

Leia mais

ANEXO V Edital nº 03508/2008

ANEXO V Edital nº 03508/2008 ANEXO V Edital nº 03508/2008 Projeto de integração das informações de mandado de prisão e processos dos Tribunais Regionais Federais e do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios O objetivo

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo:

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: ONE Service Desk O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Mudanças BDGC (Banco

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades

TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades 1 Interagir com seus clientes por variados meios de contato, criando uma visão unificada do relacionamento e reduzindo custos. Essa é a missão do TACTIUM ecrm. As soluções

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

(Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0

(Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0 Manual do usuário (Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0 29-03-2011 1 de 32 Í ndice 1. Descrição Geral do Sistema 1.1 Descrição 1.2 Desenho do Processo 2. Aplicação

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico).

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). CLIENTE DE EMAIL - OUTLOOK (Microsoft Office). - Outlook Express (Windows). - Mozilla Thunderbird (Soft Livre). - Eudora. - IncredMail.

Leia mais

Curso Avançado Sistema EMBI

Curso Avançado Sistema EMBI Curso Avançado Sistema EMBI Módulo Atendentes e Administradores Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho pode ser reproduzida em qualquer forma por qualquer meio gráfico, eletrônico ou

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO

Leia mais

e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica

e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica Página1 e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica Manual do Usuário Produzido por Informática Educativa Página2 Índice Nota Fiscal eletrônica... 03 Safeweb e-nota C... 04 Documentos eletrônicos... 08

Leia mais

TOTVS Colaboração NF-e/CT-e Logix. Integração TOTVS Colaboração NF-e/CT-e Logix

TOTVS Colaboração NF-e/CT-e Logix. Integração TOTVS Colaboração NF-e/CT-e Logix Integração TOTVS Colaboração NF-e/CT-e Logix Data da revisão Responsável Descrição da revisão 26/09/2012 Roberta Patricio Postai Vieira Versão inicial 2 1 Conteúdo 1 Conteúdo... 3 2 Contexto de negócio

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1 INFOGAB 3.0 Sistema de Automação de Gabinetes Manual do Usuário V 2.1 1. Descrição do Sistema O Sistema de Automação de Gabinetes da Câmara dos Deputados (Infogab) tem por finalidade apoiar as atividades

Leia mais

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza Aula 03 - Redes e Conectividade Prof. Hugo V. L. Souza Agenda Introdução as Redes de Computadores Fundamentos das redes de alta velocidades e a internet Redes locais e privadas - LANs Redes locais sem

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE Mayara Dos Santos Marinho¹, Julio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil mayara-marinho@hotmail.com

Leia mais

CSI IT Solutions. Facilidade de uso

CSI IT Solutions. Facilidade de uso CSI IT Solutions WebReport2 Gestão de Ambiente de Impressão O CSI WebReport dá aos gestores de TI o poder de uma gestão integral através do acesso fácil às informações gerenciais de impressões. O sistema

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Curso Básico Sistema EMBI

Curso Básico Sistema EMBI Curso Básico Sistema EMBI Módulo Atendentes e Administradores Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho pode ser reproduzida em qualquer forma por qualquer meio gráfico, eletrônico ou

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

Sumário I. Acesso ao sistema CRMTEL II. Filtro de Clientes III. Atribuindo a Segmentação Atribuindo o Mailing VI.

Sumário I. Acesso ao sistema CRMTEL II. Filtro de Clientes III. Atribuindo a Segmentação Atribuindo o Mailing VI. Módulo Clientes 2 Sumário I. Acesso ao sistema CRMTEL... 4 II. Filtro de Clientes... 5 III. Atribuindo a Segmentação... 6 V. Atribuindo o Mailing... 10 VI. Encarteirando Clientes... 12 VII. Relatórios...

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

Sérgio Cabrera Professor Informática 1

Sérgio Cabrera Professor Informática 1 1. A tecnologia que utiliza uma rede pública, como a Internet, em substituição às linhas privadas para implementar redes corporativas é denominada. (A) VPN. (B) LAN. (C) 1OBaseT. (D) 1OBase2. (E) 100BaseT.

Leia mais

TUTORIAL DO USUÁRIO CRM SOLUTION EM 05/02/2011

TUTORIAL DO USUÁRIO CRM SOLUTION EM 05/02/2011 TUTORIAL DO USUÁRIO CRM SOLUTION EM 05/02/2011 Manual de operação revisão 20110205 Pagina 1/18 Login no Sistema Para poder utilizar o sistema. 1 - Receba com o gestor do sistema o endereço na WEB no qual

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

REDE PRIVADA VIRTUAL (VPN)

REDE PRIVADA VIRTUAL (VPN) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CENTRO INTEGRADO DE TELEMÁTICA DO EXÉRCITO (CITEX) REDE PRIVADA VIRTUAL (VPN) Manual do Usuário - Versão 2.0 Acesso Remoto

Leia mais

Gestão de Processos de Negócio em Curso de Sistemas de Informação:

Gestão de Processos de Negócio em Curso de Sistemas de Informação: Gestão de Processos de Negócio em Curso de Sistemas de Informação: Relato de Experiência Utilizando Software Livre Jessica Lasch de Moura¹, Gabriel Machado Lunardi¹, Andrea Schwertner Charão¹, Patrícia

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes)

imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes) Page 1 of 30 Impressao Oficial de justiça De PJe - Manual imprimir (http://pje.csjt.jus.br/manual/index.php?title=impressao_oficial_de_justiça&printable=yes) Tabela de conteúdo 1 Manual do Oficial de Justiça

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Configuração e Parametrização

Configuração e Parametrização Configuração e Parametrização Fornece as orientações sobre a configuração e parametrização do sistema, a fim de promover a utilização do mesmo com eficiência e confiabilidade. Versão 3.0 02/07/2015 Visão

Leia mais

Manual de Utilização SCI-Ponto

Manual de Utilização SCI-Ponto Manual de Utilização SCI-Ponto Sumário 1. Cadastro de Empregador... 2 2. Cadastro de Locais... 3 3. Cadastro de REPs... 3 4. Cadastro de Horário de Verão... 5 5. Cadastro de Funcionários... 6 6. Exportação

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

Follow-Up Acompanhamento Eletrônico de Processos (versão 3.0) Manual do Sistema. 1. Como acessar o sistema Requisitos mínimos e compatibilidade

Follow-Up Acompanhamento Eletrônico de Processos (versão 3.0) Manual do Sistema. 1. Como acessar o sistema Requisitos mínimos e compatibilidade do Sistema Índice Página 1. Como acessar o sistema 1.1 Requisitos mínimos e compatibilidade 03 2. Como configurar o Sistema 2.1 Painel de Controle 2.2 Informando o nome da Comissária 2.3 Escolhendo a Cor

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: NDDigital n-access Versão: 4.2 Versão do Doc.: 1.1 Autor: Lucas Santini Data: 27/04/2011 Aplica-se à: NDDigital n-billing Detalhamento de Alteração do Documento Alterado

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J Versão 4.8.J Sumário PORT - Módulo de Apoio Portaria 3 1 Manual... de Processos - Portaria 4 Fluxo - Portaria... 5 2 Configurações... 6 Unidades... de Internação 6 Setores Administrativos... 9 Configuração...

Leia mais

Apresentação. Treinamento OTRS Help Desk

Apresentação. Treinamento OTRS Help Desk Apresentação Treinamento OTRS Help Desk Sumário Apresentação... 3 Arquitetura... 3 Funcionalidades básicas do sistema...4 Interface Web... 4 Interface de E-mail...4 Ticket... 4 Sistema... 5 Apresentação

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Gerenciamento Incidentes, Problemas e de Nível de Serviço. Treinamento OTRS ITSM

Gerenciamento Incidentes, Problemas e de Nível de Serviço. Treinamento OTRS ITSM Gerenciamento Incidentes, Problemas e de Nível de Serviço Treinamento OTRS ITSM Sumário Gerenciamento de Incidentes e Problemas...3 Cadastro de Serviços...4 Tipo de Serviço...4 Criticidade (Criticalidade)...4

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

BEM VINDO (A) À ACTVS SOFTWARE E APOIO A GESTÃO

BEM VINDO (A) À ACTVS SOFTWARE E APOIO A GESTÃO 1 BEM VINDO (A) À ACTVS SOFTWARE E APOIO A GESTÃO Este guia foi desenvolvido com a finalidade de explicar de forma simples e dinâmica os procedimentos básicos de utilização de nossa rede e seus recursos.

Leia mais

Manual do Usuário Solução para Integração B2B Siagri x Conecta BASF Thiago Borges de Oliveira thiago.oliveira@siagri.com.br

Manual do Usuário Solução para Integração B2B Siagri x Conecta BASF Thiago Borges de Oliveira thiago.oliveira@siagri.com.br Manual do Usuário Solução para Integração B2B Siagri x Conecta BASF Thiago Borges de Oliveira thiago.oliveira@siagri.com.br AGOSTO/2009 Sumário 1 Introdução 2 2 Configurando o exportador 2 3 Informando

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Obs: Não há necessidade de entregar a lista Questões do livro base (Kurose) Questões Problemas

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio Faizi Rahnemay

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas

Leia mais

RPS Recibo Provisório de Serviços

RPS Recibo Provisório de Serviços RPS Recibo Provisório de Serviços DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais,

Leia mais

Conceito de NF-e. Conexão NF-e

Conceito de NF-e. Conexão NF-e WHITE PAPER Sumário Conceito de NF-e... 3 Conexão NF-e... 3 Validador de Arquivos da Nota de Entrada... 4 Importador da Nota de Entrada Para o ERP E M S... 5 Manifesto do Destinatário Eletrônico (MD-e)...

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA MANUAL INTERNET ÍNDICE Sistema Integrado de Administração da Receita 1 INTRODUÇÃO GERAL... 4 2 INTRODUÇÃO AO... 4 2.1 OBJETIVOS... 4 2.2 BENEFÍCIOS... 4 2.3

Leia mais