Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux"

Transcrição

1 Configuração do Servidor DNS Mcedit /etc/named.conf mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configurando o Bind no Slackware 10 ::: Bind / Named Enviado por: Geyson Rogério L. Silva Data: 13/12/2004 às 13h53min Hits: 4891 Introdução Este artigo é voltado para iniciantes no BIND, tentando mostrar de uma maneira simples e clara como configurar um domínio fictício no BIND que vem junto com o Slackware 10. Iremos configurar um domínio da empresa fictícia "Slacks" para melhor compreensão. O que é DNS Não falarei sobre o protocolo IP, mas quem já estudou sabe que, seja na Internet ou numa intranet, em tudo o que fazemos, seja navegar, mandar s ou outra coisa, nossas informações São "quebradas" em pequenos pedacinhos denominados "datagramas IP", e que nossas mensagens chegam ao destino baseado no número IP que está no cabeçalho da nossa mensagem, ou seja, os computadores na Internet ou numa intranet se comunicam e se localizam baseando-se nesse endereços IP. Então, quando nós acessamos um site "www.qualquercoisa.com.br", na verdade esse endereço é um endereço IP do tipo " ". Mas já imaginou se tivéssemos que digitar na barrinha de endereços no nosso browser o número IP do site ao invés do seu nome? Seria horrível guardarmos números ao invés de caracteres... Foi por isso que surgiu o DNS, pois temos muito mais facilidade em memorizar nomes do que números. O DNS (Domain Name System), é um serviço cliente/servidor baseado em hierarquias, em que a parte cliente é conhecida como resolver (resolvedor) e a parte servidora como name server. As conexões entre o cliente e o servidor se dão através da porta UDP 53. De uma forma simples, a função do resolver (cliente) é passar as consultas da aplicação (o browser, por exemplo) para o servidor de nomes, e este por sua vez consultará uma base de referências entre IPs e nomes e enviará o resultado para o cliente. Estrutura de domínios Como falamos, o DNS é baseado em uma estrutura hierárquica, em que o processo de resolução se dá da hierarquia mais alta para a mais baixa. O ponto mais alto da hierarquia é chamado de root-level-domain, ou domínio raiz, que é representado por um caractere '.'. O próximo nível da hierarquia são os top-level-domain, ou domínios de primeiro nível. Eles são representados por códigos DPN (domínio de primeiro nível). Alguns deles são:

2 com - Organização comercial mil - Militar net - Redes (backbones para a Internet) org - organizações sem fins comerciais gov - governamental xx - Sigla do país representado por dois caracteres. Ex: br, uk Zona de autoridade É a parte do domínio ao qual um servidor de DNS é o responsável. Em cada zona tem-se um arquivo de zona que é a base de referências entre os IPs e nomes desta zona. Servidor primário É o servidor onde estão os arquivos originais da zona. Só pode existir um servidor primário por zona. Servidor secundário Aqui é onde ficam as réplicas dos arquivos de zona, que podem ser consultados no caso de inoperabilidade do servidor primário. Ao contrário do servidor primário, podem existir vários servidores secundários. No Brasil, para que possamos registrar um domínio é obrigatório ter dois servidores: o Primário e também um Secundário. Servidor master É aquele servidor para o qual um servidor secundário irá solicitar as cópias dos arquivos de zona. Servidor cache É aquele servidor que não responde por zona alguma. Sua função é apenas armazenar resultados de consultas que ele armazena em cache. Assim, novas consultas ao mesmo registro serão atendidas com mais rapidez. Instalação A instalação do BIND no Slackware 10 é muito simples. Basta você colocar o CD 1 do Slackware, e após montado o CD-ROM, entrar na pasta Slackware/n do CD e digitar no console: # installpkg bind i486-1.tgz Pronto, o BIND foi instalado no sistema. Pra quem não sabe, o nome do daemon do pacote BIND é named. A instalação ficou assim:

3 /etc/named.conf - Arquivo de configuração geral do BIND. /usr/sbin/named - O binário (daemon) do BIND. /usr/doc/bind Manual em html muito bom do BIND em inglês. /var/named/caching-example/ - Diretório com arquivos exemplo de configuração básicos do BIND Uma vez que estamos familiarizados com a instalação do BIND,passaremos para a melhor parte: a configuração :-) Configuração do named.conf O primeiro arquivo que iremos configurar é o /etc/named.conf. Vá em um editor de textos e abra o arquivo. Abaixo segue um exemplo explicativo do arquivo named.conf. options { directory "/var/named"; version "uhuh"; minimal-responses yes; allow-transfer { ; listen-on { ; ; allow-recursion { ; localhost; /24; /* * If there is a firewall between you and nameservers you want * to talk to, you might need to uncomment the query-source * directive below. Previous versions of BIND always asked * questions using port 53, but BIND 8.1 uses an unprivileged * port by default. */ // query-source address * port 53; // // a caching only nameserver config // zone "." IN { type hint; file "caching-example/named.ca"; zone "localhost" IN { type master; file "caching-example/localhost.zone"; allow-update { none; zone " in-addr.arpa" IN { type master; file "caching-example/named.local"; allow-update { none;

4 zone " in-addr.arpa" IN { type master; file "caching-example/domain.rev"; allow-transfer { ; zone "slacks.com.br" IN { type master; file "caching-example/slacks.host"; allow-transfer { ; Exame do arquivo named O arquivo começa com as opções que afetarão o servidor de forma global. Eis a explicação das diretivas do arquivo: directory - Aqui você indica qual será o diretório onde ficará os arquivos de registros DNS. Se quiser pode colocar em outro diretório válido ao invés do proposto no nosso exemplo. version - Para poder ocultar a sua versão do BIND contra bisbilhoteiros lammers que não tem o que fazer, coloque essa opção com o que você desejar. No meu caso a versão do meu BIND ficou como "uhuh". minimal-responses - Se habilitado, quando o servidor gerar respostas, somente adicionará registros na autoridade quando requerido. Esta opção aumenta a performance do servidor. allow-transfer - Aqui você indica quem poderá fazer transferência de autoridades. Opção muito importante a ser colocada, pois aqui você indica quem poderá fazer transferência de zona do seu servidor, que no nosso caso é um servidor primário, logo a única maquina que pode ter autorização de transferência de zonas será o nosso servidor secundário. Coloque o IP do seu servidor secundário aqui, pois isso evitará que pessoas mal intencionadas possam fazer transferência de autoridades do teu domínio. No meu caso coloquei o IP listen-on - Aqui você especifica quais interfaces estão habilitadas a "escutar" conexões na porta UDP 53 do DNS. No meu caso tenho 2 placas de rede, mas só habilitei a minha interface que atende pelo IP e a interface loopback. allow-recursion - Caso vá usar um DNS que será acessível pela Internet, é bom que você não deixe que esse pessoal faça recursões, ou seja, que eles pesquisem outros domínios que não sejam os que você tem cadastrado no seu servidor. No nosso caso, o pessoal da Internet só poderá pesquisar o único domínio que teremos cadastrado que é o "slacks.com.br", enquanto que o pessoal da minha rede interna " " poderá pesquisar qualquer site além do domínio local, como "www.slackware.com" ou outro qualquer. Com essa opção devidamente configurada, você evitará o ataque chamado de "cache-poisoning", no qual o cracker coloca em seu DNS registros pra te enganar.

5 Após as opções, vem as zonas propriamente ditas. A primeira que aparece é a zona raiz (lembra? Aquela que é representada por um ponto?). É neste arquivo que ficam os endereços de servidor DNS da zona raiz, que como vimos são necessários para podermos acessar endereços de fora da nossa rede (Internet). Você deve baixar esse arquivo e mantê-lo atualizado se o seu servidor DNS for válido na Internet. Você pode baixá-lo por ftp : # ftp ftp.internic.net ftp> cd domain ftp> get named.root ftp> exit Pronto, agora é só você mover esse arquivo de acordo com o nosso exemplo: # mv named.root /var/named/caching-example/named.ca A próxima zona é da configuração do nosso localhost. Aqui você não precisa fazer nada. A próxima zona é a zona reversa para o nosso localhost, que no caso é o endereço loopback Você não precisa fazer nada aqui também. A próxima zona é a zona reversa para o nosso domínio que ainda vamos configurar. Por enquanto apenas crie o arquivo de configuração domain.rev em /var/named/caching-example. Aqui você vê a opção allow-transfer habilitando a transferência da zona reversa do nosso domínio apenas para o servidor , que seria o servidor secundário. A próxima zona, é a zona do nosso domínio proposto aqui nesse artigo, a zona slacks.com.br. Como você pode ver ela é do tipo master, e só está habilitada a transferência dessa zona pelo IP , que seria o nosso secundário. Por enquanto, apenas crie o arquivo slacks.host no diretório /var/named/cachingexample. Alguns lembretes: Preste MUITA atenção na sintaxe do arquivo, para não esquecer nenhuma chave, ponto e vírgula, ou um único ponto, pois caso esqueça de apenas um único ";", o servidor NÃO FUNCIONARÁ. Comentários nesse arquivo começam com "//". A zona reversa Bom, o arquivo named.conf já está pronto! Agora iremos editar dois arquivos para que o nosso domínio funcione. Sim, são aqueles dois arquivos que nós criamos, o domain.rev e o slacks.host. Abaixo segue o conteúdo do arquivo de domínio reverso, o domain.rev. $TTL $ORIGIN slacks.com.br in-addr.arpa IN SOA servidor.slacks.com.br. root.servidor.slacks.com.br. ( &n bsp; ; Serial de sincronização &n bsp; 3H ; refresh

6 &n bsp; 15M ; retry &n bsp; 1W ; expiry &n bsp; 1D ) ; minimum NS dns.slacks.com.br. 1 IN PTR ftp 1 IN PTR www 2 IN PTR dns2 1 IN PTR smtp E agora uma breve explicação: O $TTL se refere ao time-to-live, o tempo de vida do registro que é medido em segundos. Então, no nosso exemplo, o tempo de vida é de segundos. $ORIGIN é uma variável que o BIND usa para registros que não entende. É onde você coloca o nome do seu domínio em qualquer registro não-qualificado. Para entender melhor: ao invés de num registro você colocar isso: IN A Com o uso da diretiva $ORIGIN, bastará fazer isso: www IN A estudolinux.com.br Entendeu? Ao fazermos referência ao site bastará colocar www, que o nome do domínio será adicionado automaticamente. Na terceira linha nós temos in-addr.arpa, que é o nome padrão da nossa zona reversa. Só para lembrar, zona reversa é aquela que definimos para que as consultas inversas sejam atendidas, ou seja, quando temos o IP, mas não temos o nome. Em seguida temos IN SOA, que indica um Start of authority, que é utilizado para a parametrização do servidor, indicando um início de autoridade. A seguir colocamos o nome da máquina (que você tem registrado em /etc/hosts) + o nosso domínio. E por último o nome do responsável pelo domínio. Em seguida, entre parênteses, temos 5 números, que dizem ao relacionamento entre o servidor primário com o secundário: Como comentado é o serial de sincronização, entre os servidores, é formado pela data + valor inicial. No nosso caso é 19/10/2004, com valor inicial 01. O valor dessa serial deve ser alterado sempre que houver alguma modificação nesse arquivo, para que o servidor secundário possa sincronizar-se com o master. 3H - É o valor de refresh, o intervalo de tempo que o servidor secundário efetuará uma consulta do número de série do servidor master e realizar a sincronização caso necessário. No nosso caso é 3 horas 15M - Intervalo de tempo em que o servidor fará um retry (nova consulta), em caso de por algum motivo haja u ma falha de comunicação ao contatar pela primeira vez. 1W - Tempo de expiração dos registros em cache no servidor secundário. No nosso caso é uma semana.

7 1D - O mínimo em que se manterá os registros em cache, neste caso é um dia. Em seguida temos NS dns.slacks.com.br, que está informando qual é o servidor DNS do domínio. Em seguida, temos os registros do tipo PTR (Point Record), que são utilizados para informar quais são os endereços inversos da zona reversa. O 1 IN PTR www, está nos informando que o IP , atende pelo nosso "www". Configurando o domínio Bom, agora que já configuramos a zona reversa, vamos configurar o arquivo slacks.host, que tem os registros do nosso domínio. Veja o arquivo abaixo: $TTL IN SOA servidor.slacks.com.br. root.servidor.slacks.com.br. ( ;Serial de sincronização 3H ; refresh 15M ; retry 1W ; expiry 1D ) ; minimum NS dns.slacks.com.br. IN MX 10 slacks.com.br. localhost IN A slacks.com.br. IN A dns IN A dns2 IN A www IN A ftp IN A mail IN CNAME slacks.com.br. pop IN CNAME slacks.com.br. router IN A Agora a explicação: A primeira linha refere-se ao TTL (time to live), e aqui tem a mesma função explicada anteriormente. Na segunda linha tem-se o que significa 'neste servidor'. Em seguida temos o 'IN SOA' (Start of Authority), que indica que os registros seguintes contém informações autoritativas sobre o domínio, depois tem o nome do servidor juntamente com o nome do domínio, e por último o responsável pelo domínio, que no nosso caso é o root. Depois, entre parênteses, temos novamente informações que dizem a respeito à interação entre servidor primário e secundário, e seu funcionamento é exatamente igual ao que já foi explicado juntamente com arquivo anterior. A seguir temos a linha com a opção 'NS' (name server), que nos indica qual é o servidor de nomes do master do domínio. Após, temos uma entrada 'MX', que indica que o servidor de s principal está no domínio slacks.com.br. O número (10) indica a prioridade do servidor (caso houvesse mais de 1 servidor

8 de ), quanto menor esse número, maior a prioridade. Em seguida temos as traduções propriamente ditas, utilizando-se a diretiva 'IN A', que faz o mapeamento de nome para IP. Também você pode observar o 'CNAME', que associa um apelido da máquina com seu nome de máquina canônico. No nosso exemplo, podemos observar que nossos servidores ftp, http, de , além do próprio DNS estão na mesma máquina e que o que seria nosso servidor secundário está em outra máquina, com IP Bom, agora que está tudo configurado, salve esses arquivos e starte o BIND. # /etc/rc.d/rc.bind start Conclusão Pronto. Agora está tudo certinho! Experimente dar um ping para o www, por exemplo: $ ping Se obtiver resposta, então está OK!! Uma última observação: quando for colocar em seus arquivos de registro referência a domínios, não esqueça de colocar o "." no final. Exemplo: slacks.com.br (isto está errado, pois faltou o ponto). Bom, este é meu primeiro artigo sobre Linux que coloco na Internet. Qualquer crítica construtiva, errata ou dúvida, estarei na área.

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo,

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, Laboratório de Redes. Domain Name Service - DNS Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, problemas com o DNS são interpretados

Leia mais

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede.

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. O DNS é um sistema hierárquico em árvore invertida. Tem como origem o ponto

Leia mais

DNS Parte 2 - Configuração

DNS Parte 2 - Configuração DNS Parte 2 - Configuração Adriano César Ribeiro (estagiário docente) adrianoribeiro@acmesecurity.org Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Tópicos em Sistemas de Computação 1 Revisão Prof. Dr.

Leia mais

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3 Conceito Serviço que traduz RESOLVE nomes de máquinas para endereços IP e endereços IP para nomes de máquina. É um sistema hierárquico e descentralizado/distribuído. Simplifica a administração do complexo

Leia mais

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor DNS Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração DNS O servidor DNS usado é o BIND versão 9. Para configuração do servidor DNS, deve-se acessar os arquivos de

Leia mais

Aula 3 Servidor DNS BIND

Aula 3 Servidor DNS BIND 1 Aula 3 Servidor DNS BIND Um servidor DNS é responsável em responder pelos domínios e direcionar tudo que é relacionado a ele, nele por exemplo pode se apontar onde fica www.dominio.com.br, vai apontar

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação INTRODUÇÃO 6 LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Serviços Básicos de Rede DNS Para o correto funcionamento de

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com Linux Rodrigo Gentini gentini@msn.com Domain Name System (DNS). O DNS é o serviço de resolução de nomes usado em todas as redes TCP/IP, inclusive pela Internet que, sem dúvidas, é a maior rede TCP/IP existente.

Leia mais

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Configuração de Servidores Por Rubens Queiroz de Almeida Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Os servidores DNS podem ser divididos em três tipos principais: servidores que

Leia mais

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP!

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ) O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: wwwgooglept

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor DNS (BIND) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O DNS é um dos serviços mais importantes na Internet porque

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DNS Parte 1 Linux Network Servers DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS é um serviço de resolução de nomes. Toda comunicação entre os computadores e demais equipamentos de uma rede baseada no

Leia mais

BIND Um DNS Server Completo

BIND Um DNS Server Completo BIND Um DNS Server Completo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) Missão ITAIPU: Gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico

Leia mais

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio.

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. APÊNDICE 10 Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. Infelizmente, informações sobre características mais avançadas não serão encontradas aqui. Para mais informações

Leia mais

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9 Slide 1 Slide 2 Redes de Computadores Introdução DNS Domain Name System Módulo 9 EAGS SIN / CAP PD PROF. FILIPE ESTRELA filipe80@gmail.com Ninguém manda uma e-mail para fulano@190.245.123.50 e sim para

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor DNS

Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Passo Nº 1 Conferir o nome da máquina ( já configurado no passo Servidor Configuração DHCP ). # nano /etc/hostname Passo Nº

Leia mais

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX EDFRANCIS PEREIRA MARQUES SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO V INTRODUÇÃO NESTE RELATÓRIO VEREMOS A IMPORTÂNCIA DE CONHECER CADA COMANDO EXECUTADO,

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

DNS Ubuntu Server 14.04

DNS Ubuntu Server 14.04 DNS Ubuntu Server 14.04 1. Passo Configuração do servidor (nomes e endereçamentos exemplos) IP: 192.168.0.1 Nome da máquina: professor Nome do domínio: aula.net 2. Passo Instalar pacote DNS #apt-get install

Leia mais

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS.

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: www.google.pt

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System Converte nome de máquinas para seu endereço IP. Faz o mapeamento de nome para endereço e de endereço para nome. É mais fácil lembramos dos nomes. Internamente, softwares trabalham

Leia mais

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Serviços de Redes Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Atividades Roteiro Objetivos Instalação (projeto) Definições, Características, Vantagens e Hierarquia Clientes, Processo de

Leia mais

Capitulo 4: DNS (BIND)

Capitulo 4: DNS (BIND) Por Eduardo Scarpellini odraude@usa.com Capitulo 4: DS (BID) 4.1 do HOSTS.TXT ao DS a década de 70, a ARPAnet era uma pequena rede de algumas centenas de computadores. Um único arquivo, chamado HOSTS.TXT,

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores Módulo Laboratório de Linux Apostila 2 Serviço DNS Introdução DNS é o Servidor de Nomes do Domínio. Ele converte os nomes das máquinas para números IP, que

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System O objetivo desta unidade é apresentar o funcionamento de dois importantes serviços de rede: o DNS e o DHCP. O DNS (Domain Name System) é o serviço de nomes usado na Internet. Esse

Leia mais

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS Neste laboratório iremos falar sobre o serviço DNS (Domain Name System). O DNS é um sistema de gerenciamento de nomes hierárquico e distríbuido visando resolver nomes de domínio em endereços de rede IP.

Leia mais

edu com org pt ibm sapo cs iscap

edu com org pt ibm sapo cs iscap TEMA Serviços de nomes no Linux TEÓRICA-PRÁTICA 1. Introdução Necessidade de utilizar nomes em vez de endereços IP: Endereços IP são óptimos para os computadores No entanto, para humanos, são difíceis

Leia mais

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2011 Camada de Aplicação

Leia mais

Prática DNS. Edgard Jamhour

Prática DNS. Edgard Jamhour Prática DNS Edgard Jamhour Exercícios práticos sobre DNS. Esse roteiro de prática inclui apenas aspectos básicos de configuração desses serviços. Apenas esses aspectos básicos é que serão cobrados em relatório.

Leia mais

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org DNS Parte 2 - Configuração Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org 1 Neste

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

Instalando e Configurando o DNS Server

Instalando e Configurando o DNS Server Instalando e Configurando o DNS Server Seg, 27 de Outubro de 2008 18:02 Escrito por Daniel Donda A instalação do serviço DNS no Windows Server 2008 é bem simples e de extrema importância para uma rede.

Leia mais

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma -SDR LINUX ADMINISTRAÇÃO DNS significa (sistema de nomes

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Objectivo / Motivação Resolução de nomes (alfanuméricos) para endereços IPs Será que 66.102.11.99 é mais fácil de decorar

Leia mais

Relatório do Trabalho Prático nº 1. DNS e DHCP. Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva

Relatório do Trabalho Prático nº 1. DNS e DHCP. Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Relatório do Trabalho Prático nº 1 DNS e DHCP Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 22.10.2006 Indíce Introdução... 2 Configuração

Leia mais

Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa. Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação. 1º Trabalho de Acompanhamento

Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa. Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação. 1º Trabalho de Acompanhamento Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação 1º Trabalho de Acompanhamento Docente: Professor José Guimarães Realizado por: António Monteiro João

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros

Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros Introdução Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros Prezados leitores, esta é a sexta parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo que eu classifiquei

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said, 'if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é? Domain Name Server Introdução Domain Name Server Base de dados distribuída Root Servers

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm DNS Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passporte Internet hosts, roteadores: endereços

Leia mais

LPI nível 2: Aula 11

LPI nível 2: Aula 11 Décima primeira aula de preparação LPIC-2 TUTORIAL LPI nível 2: Aula 11 Configuração do servidor BIND, criação e manutenção de arquivos de zonas e ferramentas relacionadas. por Luciano Siqueira Irum_Shahid

Leia mais

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh.

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh. CIn/UFPE Sistemas de Informação Redes de Computadores Professor: Kelvin Lopes Dias Monitor: Edson Adriano Maravalho Avelar {kld,eama}@cin.ufpe.br Instalando/Configurando Servidor DNS. Este tutorial irá

Leia mais

Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto

Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto Introdução ao DNS Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto Boa parte da usabilidade da Internet vem da facilidade que temos para localizar um computador conectado.

Leia mais

LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup. Servidor BIND.

LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup. Servidor BIND. LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup Servidor BIND A Configuração de um PC como cliente de um servidor de DNS O ficheiro que define qual o(s) servidor(es) de DNS do domínio local

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Domain Name Service Configuração e Administração

Domain Name Service Configuração e Administração Domain Name Service Configuração e Administração Rubens Queiroz de Almeida (queiroz@unicamp.br) 11 de julho de 2000 1. Introdução 2 1 Introdução A grande popularização da Internet ocorrida nos últimos

Leia mais

# dnssec-keygen -a HMAC-MD5 -b 128 -n USER chave

# dnssec-keygen -a HMAC-MD5 -b 128 -n USER chave Como integrar o serviço de DHCP com o de DNS no CentOS A integração dos serviços de dhcp e dns é um recurso muito útil em uma rede. Pois minimiza o trabalho do administrador de redes e maximiza seu controle

Leia mais

Serviço DNS no PoP-SC

Serviço DNS no PoP-SC Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 Serviço DNS no PoP-SC Rodrigo Pescador PoP-SC/RNP Organização: Apoio:

Leia mais

Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :))

Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :)) Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :)) Prof. Rossano Pablo Pinto Novembro/2012-v0.3 Abril/2013-v0.5 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br

Leia mais

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Reflexão Turma S-12-ano lectivo-2010-1011 Formador-João Afonso Formando-Pedro Gonçalves 14 Unidade: 14 Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Instalar o DNS 1. Abra o Servidor Manager Start\Administrative

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 DNS Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: DNS Objectivos Neste exercício completará as seguintes tarefas:

Leia mais

Instalando e Configurando o DNS Server

Instalando e Configurando o DNS Server Instalando e Configurando o DNS Server Seg, 27 de Outubro de 2008 18:02 Escrito por Daniel Donda Tw eetar 0 Like 0 A instalação do serviço DNS no Windows Server 2008 é bem simples e de extrema importancia

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2

Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2 Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2 1- Configure um IP estático no servidor, conforme a ilustração: 2- Clique em Ferramentas Administrativas > Gerenciamento de Servidores > Funções

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) CURITIBA 2006 GUILHERME DE SOUZA JEAN THIAGO MASCHIO

Leia mais

Configuração de DNS Reverso

Configuração de DNS Reverso Configuração de DNS Reverso Nos casos em que os serviços fornecidos pela Brasil Telecom exigirem configurações de DNS Reverso, estas serão executadas de forma centralizada pelo CNRS em Brasília. As solicitações

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System 1 of 8 28-07-2011 9:21 DNS - Domain Name System Introdução Componentes dum sistema DNS Zonas e Domínios Resolução DNS Vs. WINS Ferramentas Introdução Na Internet, para que as máquinas possam comunicar

Leia mais

V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA

V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA www.pop-ba.rnp.br/wtr2014 IPv6 Um novo não tão novo protocolo de Internet Instrutor: Thiago Bomfim thiagobomfim@pop-ba.rnp.br Monitoria: Jundaí Abdon jundai@pop-ba.rnp.br

Leia mais

DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol. Edgard Jamhour

DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol. Edgard Jamhour DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol Serviço DNS: Domain Name System nome - ip nome - ip Nome? IP nome - ip nome - ip Árvore de nomes br RAIZ br pucpr ufpr Pucpr Ufpr ppgia

Leia mais

Configurando um servidor DNS com atualização automática via DHCP

Configurando um servidor DNS com atualização automática via DHCP Configurando um servidor DNS com atualização automática via DHCP João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 Introdução Neste tutorial iremos descrever a configuração de um servidor DNS para uma rede local

Leia mais

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra.

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul TechDay 2013 Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. Palestrante: Irineu Teza Nunes E-mail: irineu@idinf.com.br Website: www.idinf.com.br Blog: itnproducoes.blogspot.com

Leia mais

Sobre a licença Para cada novo uso ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra. No caso de criação de obras derivadas, os logotipos do CGI.br, NIC.br, IPv6.br e

Leia mais

3º Exercício Prático: DNS

3º Exercício Prático: DNS Universidade Estadual da Paraíba Departamento de Matemática, Estatística e Computação Disciplina: Redes de Computadores Professor: Edmar José do Nascimento 3º Exercício Prático: DNS Introdução O Sistema

Leia mais

Introdução ao DNS. Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys. Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.

Introdução ao DNS. Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys. Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp. 1 Introdução ao DNS Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.br/ 2 Agenda O que é DNS? Servidores DNS Requisição DNS Caching

Leia mais

www.projetoderedes.kit.net UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DOMAIN NAME SYSTEM

www.projetoderedes.kit.net UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DOMAIN NAME SYSTEM UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DOMAIN NAME SYSTEM SALVADOR 18 de junho de 2001 UNEB - UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA EXATAS E DA TERRA CURSO: BACHARELADO EM ANÁLISE DE SISTEMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA. DNS Domain Name System. por

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA. DNS Domain Name System. por UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA DNS Domain Name System por Jamil Belo Luciano Pedreira Prof. Marco Câmara Disciplina: Teleprocessamento

Leia mais

Gestão de Sistemas e Redes

Gestão de Sistemas e Redes Gestão de Sistemas e Redes Domain Name System (DNS) e Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) Paulo Coelho, 2005 1 Visão geral Para que servem os nomes? identificar objectos Ajudar a localizar objectos

Leia mais

Aqui estou novamente com um outro script, só que esse é bem mais funcional do que o ultimo que aqui postei.

Aqui estou novamente com um outro script, só que esse é bem mais funcional do que o ultimo que aqui postei. Olá pessoal, Aqui estou novamente com um outro script, só que esse é bem mais funcional do que o ultimo que aqui postei. Bem, quem é desenvolvedor ou aprendiz de web vai gostar desse script, pois o mesmo

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico 1 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@uspbr O que é DNS? Caching Laboratório de Sistemas Integráveis http://wwwuspbr/ 3 4 O que é DNS? O que é DNS? Domain Name System Serviço que permite a resolução de

Leia mais

Técnico em informática ti 54 Configuração de serviços de rede no Windows 2003 server. 2003 Ser ver Enterprise

Técnico em informática ti 54 Configuração de serviços de rede no Windows 2003 server. 2003 Ser ver Enterprise 2003 Ser ver Enterprise Esta matéria está dividida em três tutoriais, que se complementam: Ao término, você será capaz de: 1. Instalar e configurar o DNS Server Eae galera seguinte vamos ao nosso passo

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Referência de registros de recursos

Referência de registros de recursos Referência de registros de recursos 6 de 6 pessoas classificaram isso como útil Referência de registros de recursos Um banco de dados DNS consiste em um ou mais arquivos de zona usados pelo servidor DNS.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 2.5 - DNS Prof. Jó Ueyama Março/2014 1 DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte. Hosts e roteadores na Internet: endereços IP (32 bits)

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico 1 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@lsiuspbr O que é DNS? Caching Laboratório de Sistemas Integráveis http://wwwlsiuspbr/ 3 4 O que é DNS? O que é DNS? Domain Name System Serviço que permite a resolução

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática DNS Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 10 de novembro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 10 de novembro de 2014 1 / 15 Introdução

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Luís Antônio Neto Wallysson Santos Oliveira

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Luís Antônio Neto Wallysson Santos Oliveira FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Luís Antônio Neto Wallysson Santos Oliveira ADMINISTRADOR DE REDES LINUX (DEBIAN) Goiânia 2011 Luís

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE DOMAIN NAME SYSTEM NOMES DE DOMINIO CONSULTAS DNS SERVIDORES DE NOMES NAVEGAÇÃO E CONSULTA REGISTO DE RECURSOS O DNS é um serviço de nomes, normalizado

Leia mais

LABORATÓRIO DE INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES. SERVIÇOS BÁSICOS: Conceituação, Instalação e Configuração

LABORATÓRIO DE INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES. SERVIÇOS BÁSICOS: Conceituação, Instalação e Configuração SERVIÇOS BÁSICOS: Conceituação, Instalação e Configuração Na arquitetura TCP/IP serviços são disponibilizados em portas; Alguns serviços são ativados e associados automaticamente a portas específicas durante

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Universidade Federal do Piauí UESPI Centro de Tecnologia e Urbanismo CTU Ciências da Computação Redes de Computadores 1 Prof. José BRINGEL Filho bringeluespi@gmail.com h?p://bringel.webnode.com/ Capitulo

Leia mais

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: TCP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Neste laboratório, investigaremos o comportamento do

Leia mais

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira <fred@madeira.eng.br> Lista de Exercícios 3 Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3 1. Qual dos seguintes comandos linux não inclui a capacidade de listar o PID das aplicações que estão

Leia mais

Rafael Dantas Justo. Engenheiro de Software

Rafael Dantas Justo. Engenheiro de Software Rafael Dantas Justo Engenheiro de Software DNS Reverso NIC.br DNS? John John Paul John (1) Paul (2) George (3) John (1) Paul (2) George (3) Ringo (4) (8) John (1) Paul (2) (5) (7) (6) George (3) Ringo

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES CAMADA DE APLICAÇÃO Teresa Vazão 2012/2013 IRC - Introdução às Redes de Computadores - LERC/LEE 2 INTRODUÇÃO Internet para todos.. 1979 Tim Burners Lee (invesngador

Leia mais

FormaçãoIPv6-RCTS. Componente Prática Parte I

FormaçãoIPv6-RCTS. Componente Prática Parte I FormaçãoIPv6-RCTS Componente Prática Parte I Parte I Introdução, Endereçamento, Autoconfiguração e DNS Prática #1 Visitar o site: http://ipv6-tracker.fccn.pt Verificar instituições com dados inseridos

Leia mais

PRÁTICA DE DNS - LINUX DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD 1.A) INSTALAÇÃO DO SERVIDOR DNS INICIALIZAÇÃO DO AMBIENTE DO DVD

PRÁTICA DE DNS - LINUX DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD 1.A) INSTALAÇÃO DO SERVIDOR DNS INICIALIZAÇÃO DO AMBIENTE DO DVD PRÁTICA DE DNS - LINUX Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br ou através da imagem fornecida no DVD. DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Aplicação Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que dispõe a programação para as aplicações de rede através dos protocolos de aplicação; Provém a implantação da arquitetura de

Leia mais

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Apresentação dos protocolos da camada de aplicação do modelo OSI. DNS É mais fácil de lembrar de um nome de host do

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interafir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais