Fruticultura. A Cultura da Bananeira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fruticultura. A Cultura da Bananeira"

Transcrição

1 1 de 7 10/16/aaaa 11:38 Fruticultura A Cultura da Bananeira Nome Cultura da Bananeira Produto Informação Tecnológica Data Novembro 2000 Preço - Linha Fruticultura Informações resumidas Resenha sobre a Cultura da Bananeira Ruben Ramalho Sobrinho Eng. Agr. Autor(es) Ildeu de Souza Eng. Agr. Sérgio Pereira de Carvalho Eng. Agr. Fruticultura A Cultura da Bananeira Menu Clima Solo Cultivares Preparo do Solo, Calagem e Adubação Propagação Espaçamento, porte e peso do cacho Adubação Época de plantio Tratos Culturais Pragas e Doenças Colheita Comercialização 1 - Clima A bananeira é uma planta que exige calor e umidade constantes e não tolera geada. Os locais sujeitos a baixas temperaturas e geadas devem ser evitados, pois podem ocasionar a "queima" da planta, ou dos frutos em crescimento ("chilling" ou "friagem") impedindo que o fruto atinja o seu

2 2 de 7 10/16/aaaa 11:38 máximo crescimento. Chuva bem distribuída ( mm / mês ) durante o ano, favorece o desenvolvimento da bananeira, principalmente na época da inflorescência ou no início da frutificação. Com relação a altitude e latitude, estas quando maiores, aumentam os ciclos de produção, principalmente para os cultivares Nanica e Nanicão. A luminosidade é importante para o desenvolvimento da bananeira, sendo desejável que receba entre horas de luz / ano, pois afeta o ciclo, o tamanho do cacho, a qualidade e conservação dos frutos. 2 - Solo A maior porcentagem ( 70 % ) das raízes da bananeira encontram-se nos primeiros 30 cm do solo, entretanto o solo ideal deve favorecer a penetração das raízes, no mínimo, 60 a 80 cm de profundidade. Os solos preferidos são os ricos em matéria orgânica, bem drenados, argilosos ou mistos, areno-argilosos ou franco-argilosos, que possuam boa disponibilidade de água e topografia favorável Cultivares Para o mercado interno: Prata, Maçã, Nanicão, Nanica e Ouro. Para o mercado externo: Nanicão e Grande Naine. Características de algumas cultivares: Grande Naine possui grande semelhança com a cultivar Nanicão, porém o porte é um pouco mais baixo. Tem sido a cultivar mais plantada no mercado externo. Possui alta capacidade de resposta em condição de alta tecnologia, porém não tem a mesma rusticidade da cultivar Nanicão. Maçã apresenta ótima qualidade e excelente aceitação no mercador consumidor, porém com séria limitação para seu cultivo devido ao mal-do-panamá Nanica, semelhante à Nanicão, de porte mais baixo, frutos menores e mais curvos e apresenta problema de "engasgamento" no lançamento dos cachos no inverno. Nanicão cultivar que apresenta a melhor conformação de cachos e de frutos, dominando o mercado interno e de exportação. Prata-anã enxerto ou Prata-de-Santa-Catarina porte médio /baixo, planta vigorosa e frutos idênticos aos do cultivar Prata. É tolerante ao frio e mediamente tolerante a nematódeos. Prata com limitação de cultivo devido ao mal-do-panamá. Ouro da Mata ( ENCAPA 602 ) apresenta plantas vigorosas, altura de 3 a 5 m, com folhas ligeiramente arqueadas. Resistente ao mal-do-panamá. Frutos com polpa ligeiramente amarela, doce e macia com sabor semelhante ao da banana-prata.

3 3 de 7 10/16/aaaa 11: Preparo do Solo, Calagem e Adubação Para se usarem calcário e adubos nas quantidades certas, é preciso analisar a terra. Retire as amostras para análise, nas profundidades de 0 20 e cm, 3 a 4 meses antes do plantio. Fazer aração e gradagem, procurando incorporar o calcário dolomítico, 60 dias antes do plantio, se necessário Propagação A bananeira propaga-se por via vegetativa, por meio de mudas. As preferidas para plantio são: a) rizoma não brotado: que pode ser inteiro ou subdividido ao meio ou em 4 partes (com peso nunca inferior a 500g cada); b) Rizoma brotado ou inteiro: chifrinho: rebento recém brotado, com 20 cm de altura, com 2 a 3 meses de idade e com aproximadamente 1 kg; chifre rebentos: em estádio médio de desenvolvimento, medindo de cm de altura, pesando entre 1-2 kg;. chifrão: rebento apresentado a primeira folha normal, pesando entre 2-3 kg; muda alta ( muda replante ): rebento bem desenvolvido, com mais de 1 metro de altura e pesando entre 3-5 kg, utilizado como replante das falhas em bananais formadas ou em formação. O tratamento das mudas visa controlar a broca e evitar apodrecimento após o plantio. Deve-se efetuar a limpeza do rizoma e mergulha-los em uma solução contendo fungicida e inseticida, deixando-o imerso durante 5 minutos. A seguir coloca-lo para secar á sombra. O plantio deverá ser efetuado no máximo, dentro de 2 dias após o tratamento. Recomenda-se o uso de mudas provenientes de viveiro registrado.

4 4 de 7 10/16/aaaa 11: Espaçamento, porte e peso do cacho De forma geral os espaçamentos para os diferentes cultivares são: Cultivar Porte ( m) Espaçamento ( m ) Peso do cacho ( kg ) Produtividade ( t / ha / ano ) Grande Médio: ( 2,5 a 2,0 ( 2,0 ) x Naine 3,0) 2,5 15 a a 60 Maçã Médio: ( 2,5 a 3,5 ) 2,5 2,5 6 a Nanica Baixo: ( 2,0 ) 2,0 ( 2,0 ) x 2,5 15 a a 40 Nanicão Médio : 2,2, a 2,0 ( 2,0 ) x 3,2 2,5 15 a a 60 Ouro Médio: ( 2,5 ) 2, 0 ( 2,5 ) x 5, a 15 Prata Alto: ( 4 a 7 ) 2,5 x 3,0 6 a a 30 Prata Anã Médio: ( 2,5 a 2,0 x 3,0 3,2) 2,0 x 3,0 x 4,0 15 a a 40 Obs.: Dimensões da cova: 40 x 40 x 40 cm 7 - Adubação Adubação na cova: quando não se faz analise da terra, cada cova de plantio, pode ser adubada com: 600 gramas de superfosfato simples, 3 quilos de fosfato de Araxá,. 15 a 20 litros de esterco de curral curtido, 20 g de sulfato de zinco + 10 g de bórax ( ou 60 g de FTE BR 12 ). Adubação de crescimento e frutificação: Adubação da Planta Mãe Adubação da Planta Filha Épocas Fertilizantes Épocas Fertilizantes Sulfato Cloreto Cloreto Cloreto Superfosfato de de de de Simples Amônio Potássio Potássio Potássio Logo após o pegamento da muda Entre o pegamento da muda e o aparecimento da inflorescência Logo após o aparecimento da inflorescência Ao colher a planta mãe 60 dias após a colheita da planta mãe

5 5 de 7 10/16/aaaa 11:38 Total Recomenda-se a aplicação de fertilizantes que forneçam zinco, cobre, boro, ferro e outros micronutrientes. As adubações em cobertura devem ser feitas a 50 cm das plantas; em terrenos inclinados faze-las em meia-lua do lado de cima; em bananal adulto distribuir os adubos em meia-lua em frente à planta-neta ou em faixa de 50 cm de largura nas entrelinhas. Aplicar anualmente 20 litros de esterco de curral curtido por cova. Para adubar bananeiras irrigadas, procure o técnico da EMATER-MG. 8 - Época de Plantio Iniciar o plantio com as primeiras chuvas ou em qualquer época com o uso de irrigação. Levar em consideração o período em que se pretende colocar o produto no mercado. 9 - Tratos Culturais Capinas - mantenha o bananal livre de mato. As capinas podem ser com enxadas, máquinas ou herbicidas. Não se deve gradear ou passar rotativa devido a superficialidade das raízes. Desbaste o desbaste é uma das operações mais importantes no manejo do bananal. Devem-se deixar no máximo, 3 plantas por touceira ( mãe, filha e neta). Use o desbrotador conhecido como lurdinha. Deixe a nova brotação, seguindo o alinhamento. O primeiro desbaste, que irá eleger a planta mãe, deve ser realizado quando os brotos atingirem 60 cm. O desbaste deverá ser realizado periodicamente, visando manter mãe e filho, até o lançamento da inflorescência pela planta-mãe. Nesta fase escolhe-se um novo broto junto ao filho que passará a ser o "neto". O número de desbastes varia de 3 a 5 vezes/ano. Corte do pseudocaule ou da bananeira depois de colher o cacho, corte as folhas no alto da bananeira ( roseta ), no ponto em que elas se separam. Corte o resto da bananeira rente ao solo 40 dias depois. Pique a bananeira cortada e espalhe os pedaços nas entrelinhas do bananal, deixando o solo próximo (40 cm) da touceira no limpo. Desfolha ou retirada das folhas secas retire as folhas secas logo depois de cada adubação de crescimento; cortando-as junto ao pecíolo, de baixo para cima; ajunte-as em leiras nas entrelinhas do bananal. Corte do coração ou umbigo faça o corte do umbigo 15 dias depois que se formou a ultima penca. Quebra-se a ráquis masculina ("rabo-do-cacho") junto ao botão floral, quando houver entre ele e a última penca, cerca de cm. Este procedimento acelera o desenvolvimento ("engordamento") das bananas, aumenta o comprimento dos últimos frutos, aumenta o peso do cacho (cerca de 5% no peso do cacho. ) e provoca a diminuição de trips e traça-da-bananeira.

6 6 de 7 10/16/aaaa 11:38 Ensacamento do cacho com plástico polietileno pratica que melhora a qualidade dos frutos, protegendo-os contra atritos, ataque de pragas e de produtos utilizados no tratamento fitossanitário Irrigação a irrigação deverá ser feita nos períodos de seca prolongada, porem, sempre verificando as condições de umidade do solo. Na cultura irrigada a produção é maior e de melhor qualidade, devendo-se executar bom manejo da irrigação. Pragas principais 10 - Tratos Culturais Broca-da-bananeira também conhecida como moleque-da-bananeira. O inseto adulto é um besouro preto, de movimentos lentos e hábitos noturnos. As larvas destroem os tecidos internos dos rizomas, produzindo galerias. As folhas amarelecem, os cachos ficam pequenos e as plantas ficam sujeitas ao tombamento. Controle: seleção das mudas, tratamento das mudas e das covas com inseticidas e o emprego de iscas de pseudocaule ou rizomas, envenenados ou não. Nematódeos causam lesões nas raízes; por isso, as plantas ficam com o crescimento prejudicado e sujeitas ao tombamento. Controle: plantio em áreas livres de nematódeos, rotação de culturas, utilização de mudas sadias, descorticamento do rizoma, tratamento das mudas com nematicidas, e uso de cultivares resistentes. Doenças principais Mal-do-panamá os sintomas começam com amarelecimento nas folhas mais velhas, que depois murcham, secam e se quebram ficando pendentes, dando á planta um aspecto de guarda-chuva fechado. Nas variedades sem resistência, como a prata e a maçã, a doença reduz bastante a produção e pode destruir todo o bananal. Controle: uso de cultivares tolerantes, plantio de mudas sadias, implantação de viveiros com mudas isentas da doença, plantio em solos não infectados, queima dos restos de cultura, uso de ferramentas esterilizadas; uso de pedilúvio e rodolúvio no acesso à lavoura, no caso de regiões onde é comum a ocorrência desta doença. Mal-de-sigatoka (Amarela) ou Cercosporiose - provoca desfolhamento precoce, enfraquecimento da planta, cachos com poucas pencas e frutos pequenos. Nas folhas, aparecem manchas de cor amarela nas bordas e acinzentadas no centro. Traz também maturação precoce de frutos isolados no cacho. Controle: pulverizações com produtos á base de óleos minerais, a cada 15 ou 21 dias nos períodos chuvosos. Fungicidas sistêmicos diluídos em óleo mineral, também são recomendados. Mal-de-sigatoka (Negra) ainda sem presença no Estado de Minas Gerais, porém, trazendo já preocupações aos bananicultores.

7 7 de 7 10/16/aaaa 11:38 Nota :Procure um técnico para informar-se melhor sobre os cuidados de uso dos produtos químicos Colheita As bananas são colhidas o ano todo. Se as distancias são longas, e os dias, quentes, colhe-se a fruta mais atrasada em seu desenvolvimento. Para as distancias curtas e dias frios, as bananas podem ser colhidas com grau de maturação mais avançado 12 - Comercialização As caixas comumente utilizadas são a do tipo torito ( to ), com peso médio de 18 kg e a caixa mineira ( mi ) com 20 kg; produtores mais tecnificados já estão usando também caixa de plástico e de papelão, com peso definido do conteúdo. O período de grande oferta do produto nas CEASAs é de setembro a dezembro e de oferta fraca ou ausência e escassez é de janeiro a junho.

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 7 10/16/aaaa 11:31 Fruticultura A Cultura do Abacaxi Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações resumidas sobre a Cultura

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo Banana Cultivares e Práticas de Cultivo Comercialização de Banana CEASA Minas Contagem 2011 (toneladas) 70.000,00 63.600,00 60.000,00 55.630,00 50.000,00 40.000,00 30.000,00 20.000,00 10.000,00 0,00

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Abacate. Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. A Cultura do Abacate. Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 9 10/16/aaaa 11:29 Fruticultura A Cultura do Abacate Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações resumidas sobre a Cultura

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Capítulo XV Custos e Rentabilidade Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Maracujá. Nome Produto. Data. Fruticultura A Cultura do Maracujá

Fruticultura. A Cultura do Maracujá. Nome Produto. Data. Fruticultura A Cultura do Maracujá 1 de 7 10/16/aaaa 11:36 Fruticultura A Cultura do Maracujá Nome Produto Data Cultura do Maracujá Informação Tecnológica Julho-2001 Preço - Linha Fruticultura Informações resumidas Resenha sobre a Cultura

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Pomar doméstico. Orientações técnicas e recomendações gerais

Pomar doméstico. Orientações técnicas e recomendações gerais Pomar doméstico Orientações técnicas e recomendações gerais POMAR DOMÉSTICO Orientações técnicas e recomendações gerais 1. Importância do pomar doméstico ESPÉCIES VARIEDADES O pomar doméstico tem como

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Culturas. A Cultura do Urucum

Culturas. A Cultura do Urucum 1 de 7 10/16/aaaa 11:25 Culturas A Cultura do Urucum Nome Cultura do Urucum Produto Informação Tecnológica Data Junho -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a a produção do palmito

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Aula 1- Organização e limpeza das casas de vegetação - divisão dos grupos. ATENÇÃO: OS ALUNOS DEVERÃO ESTAR

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de Goiaba Para a Indústria no Espírito Santo Pólo de Pólo de Goiaba para a Indústria no Espírito Santo A Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), preocupada em alavancar,

Leia mais

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG COMPRA DE HORTIFRUTICOLAS PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ESPECIFICAÇÃO DO EDITAL CEASA MG CEAGESP ABACAXI PÉROLA OU HAWAÍ: De Primeira; Graudo. Classificação: Grupo I (Polpa Amarela), Subgrupo: Colorido (Até

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

enxertia de araucária para produção de pinhão

enxertia de araucária para produção de pinhão enxertia de araucária para produção de pinhão A Araucaria angustifolia, espécie quase exclusiva do Brasil, está ameaçada de extinção, restando apenas 2 a 3% de sua área original. Neste sentido, é fundamental

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36. Apresentação. Objetivo

Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36. Apresentação. Objetivo ISSN 1517-211X Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36 Belém, PA Dezembro, 2004 Autores Ismael de Jesus Matos Viégas Eng. Agrôn., Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Caixa Postal 48, Belém, PA,

Leia mais

n. 9 - setembro - 2007

n. 9 - setembro - 2007 n. 9 - setembro - 2007 ISSN 0103-4413 Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Av. José Cândido da Silveira, 1.647 - Cidade Nova - 31170-000 Belo Horizonte - MG - site: www.epamig.br - e-mail:

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea 1 de 5 10/16/aaaa 11:56 Olericultura A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea Nome Cultura da Abobrinha Produto Informação Tecnológica Data Julho - 2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais.

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. RESPOSTA TÉCNICA CR 858 Título Manejo de urucum (Bixa orellana L.) no estado de Minas Gerais. Palavras-chave Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. Atividade

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura II

Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura II Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura II Bananicultura Emanuel Maia emanuel@unir.br lahorta.acagea.net Apresentação Aspectos botânicos Exigências edafoclimáticas Cultivares Implantação

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional Vitor Pinheiro Mercado Florestal Apresentação Institucional Croqui do Viveiro Principal do IBF Casa de Sombra Galpão de Semeio Casa Irrigação Casa de Germinação Alojamento Escritório e área de expedição

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos mínimos necessários para a execução do revestimento vegetal por gramas em placas ou enleivamento

Leia mais

Culturas. A Cultura da Mandioca. Autor(es) Culturas A Cultura da Mandioca. Menu

Culturas. A Cultura da Mandioca. Autor(es) Culturas A Cultura da Mandioca. Menu 1 de 8 10/16/aaaa 11:25 Culturas A Cultura da Mandioca Nome Cultura da Mandioca Produto Informação Tecnológica Data Março -2001 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura da mandioca

Leia mais

Cana-de-Açúcar + Ureia. Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca

Cana-de-Açúcar + Ureia. Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca Cana-de-Açúcar + Ureia Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca Esta tecnologia é indicada para sistemas de produção intensivos e extensivos de gado de leite ou gado de corte no período da seca,

Leia mais

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi Planta compacta, originária da China e região de Laos. Floresce na primavera com

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Pequi (Caryocar brasiliense)

Fruticultura. A Cultura do Pequi (Caryocar brasiliense) 1 de 10 10/16/aaaa 11:28 Fruticultura A Cultura do Pequi (Caryocar brasiliense) Nome: A Cultura do Pequi Produto: Informação Tecnológica Data: Maio -2002 Preço: - Linha: Fruticultura Informações resumidas

Leia mais

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO:

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: - Na seleção do material devem-se observar: 1 - Aspectos agronômicos; 2 - Qualidade da maniva de mandioca; 3 - Sanidade da maniva de mandioca; 3 - Armazenamento de manivas.

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO. Ivo Pessoa Neves. Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA

D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO. Ivo Pessoa Neves. Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO Ivo Pessoa Neves Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA ABRIL/2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário INTRODUÇÃO... 2 ESCOLHA E TÉCNICA DE IMPLANTAÇÃO DA ÁREA CULTIVÁVEIS EM

Leia mais

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso.

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente

Pleiones. Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente 7 Pleiones são um grupo de orquídeas que crescem em zonas mais frescas ou temperadas intermédias. São originárias maioritariamente dachina,nortedaíndia,tailândiaenepal.a maior parte cresce na orla das

Leia mais

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos.

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Solo É a camada mais estreita e superficial da crosta terrestre, a qual chamamos habitualmente de Terra. Essa parte da crosta terrestre esta relacionada à manutenção

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO Fernanda Martins Dias 1 ; Simone Janaína da Silva Morais 1 ; Ricardo Caetano Rezende 2 1 Licenciada

Leia mais

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO MICROPROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO ENXERTIA 1.

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado Sistema Modular Alveolar Leve Sistema Modular Alveolar Leve Objetivo O Sistema Alveolar tem como objetivo proporcionar, ao telhado com pouca ou sem inclinação, uma cobertura vegetada para conforto térmico

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS Estilo com Tecnologia Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação CHAPAS COMPACTAS Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 1 Tema: PREPARO REDUZIDO E PLANTIO DIRETO Local: Ribeirão Preto - SP Palestrante: Hilário 2 LOCALIZAÇÃO Latitude: 20º28 41 S UAM Longitude: 47º52 21 W

Leia mais

Plantio de cana-de-açúcar

Plantio de cana-de-açúcar Plantio de cana-de-açúcar Época de plantio 1. Cana de ano e meio - Janeiro a maio; - Tempo de colheita (13 a 20 meses); - Variedades de ciclo precoce, médio e tardio; - Pode ser feito em solos de baixa,

Leia mais

ABC. da Agricultura Familiar. Como plantar caju

ABC. da Agricultura Familiar. Como plantar caju ABC da Agricultura Familiar Como plantar caju Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Informação Tecnológica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Como plantar caju Embrapa Informação

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

ANEXO II TABELA DE REFERÊNCIA DE PREÇOS

ANEXO II TABELA DE REFERÊNCIA DE PREÇOS Item: 368043 - ALFACE COM FOLHAS BRILHANTES, MACIAS E SEM ÁREAS ESCURAS, FRESCAS, COM COLORAÇÃO E APARÊNCIA E QUALIDADE, LIVRE DE RESÍDUOS DE FERTILIZANTES. 21 FEIRA DE DOMINGO 2,50 3.025,00 22 FEIRA DE

Leia mais

Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura 1 MANEJO DA CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA A criação do bicho-da-seda é dividida em duas fases: a jovem e a adulta. A fase jovem do bicho-da-seda compreende o 1 o e o 2 o estádio larval. Nessa, as lagartas são

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas 1.Áreas Produtoras e seus Produtos em ha Rosas Gipsofila Crisântemo São Paulo 950 180 250 Minas

Leia mais

3. AMOSTRAGEM DO SOLO

3. AMOSTRAGEM DO SOLO 3. AMOSTRAGEM DO SOLO Reinaldo Bertola Cantarutti 1 Victor Hugo Alvarez V. 2 Antônio Carlos Ribeiro 3 3.1. Introdução A amostragem do solo é a primeira e principal etapa de um programa de avaliação da

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Sistema Hidromodular. Ecotelhado

Sistema Hidromodular. Ecotelhado Sistema Hidromodular Sistema Hidromodular Objetivo O Sistema Hidromodular tem como objetivo proporcionar a laje, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio com a

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado Sistema Laminar Médio Sistema Laminar Médio Objetivo O Sistema Laminar Médio tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CONSERVAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS PELO CONTROLE DE UMIDADE VANTAGENS ECONÔMICAS: Menor

Leia mais