Redes e Serviços Móveis GSM / UMTS Avaliação da QoS na perspectiva do utilizador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes e Serviços Móveis GSM / UMTS Avaliação da QoS na perspectiva do utilizador"

Transcrição

1 Redes e Serviços Móveis GSM / UMTS Avaliação da QoS na perspectiva do utilizador Conferência IEEE (IST) António Vassalo (Direcção de Fiscalização) 28 de Maio 2010

2 QoS GSM / UMTS Sumário 1. Preâmbulo 2. Objectivo do Estudo 3. Quais Serviços? 4. Que indicadores/parâmetros? 5. Como medir? 6. Onde e Quanto medir? 7. Com que medir? 8. Fases de um estudo 9. Resultados Enquadramento das redes e serviços GSM/UMTS O que se pretende com a realização destes estudos Serviços que devem ser avaliados Indicadores relevantes para caracterizar a QoS Definição de perfis de medida Locais e dimensão da amostra Equipamentos de medida Fases de implementação de um estudo Resultados de alguns estudos 2

3 1. Preâmbulo 3

4 Sistemas Celulares GSM/UMTS Portugal: Estatísticas do 4.º Trimestre de 2009 Assinantes Tráfego de Voz Originado Tráfego de Voz terminado Chamadas/Utilizador/Mês SMS originadas SMS/Utilizador/Mês MMS originadas Tráfego de Videotelefonia originado 15,9 milhões (90 % da população) milhões de minutos milhões de chamadas 134 s duração média chamada milhões de minutos milhões de chamadas 135 s duração média chamada 44 (31 intra-rede) milhões milhões 4,9 milhões de minutos 1,2 milhões de chamadas 238 s duração média chamada 4

5 2. Objectivo do Estudo 5

6 Objectivo do Estudo Analisar a qualidade dos serviços de telecomunicações, que se suportam nos sistemas de comunicações móveis GSM/UMTS portugueses, numa perspectiva de utilizador, através da realização de testes automáticos extremo-a-extremo. 6

7 QoS na Perspectiva do Utilizador vs. Desempenho da Rede QoS na Perspectiva do Utilizador (ou QoE Quality of Experience) Corresponde à percepção de qualidade sentida por um utilizador quando utiliza o serviço; Indica o grau de satisfação do utilizador em termos de, por exemplo, acessibilidade, retenção e integridade do serviço; É normalmente expressa em termos de sensações humanas, do tipo, Excelente, Boa, Aceitável, Pobre e Má. Desempenho da Rede (ou Quality of Service) Capacidade de uma rede ou parte dela para fornecer um serviço com um determinado grau de qualidade; Engloba as funcionalidades, mecanismos e procedimentos, implementados pela rede celular e pelo equipamento terminal, que asseguram o fornecimento da qualidade de serviço negociada entre o equipamento terminal e o core da rede; É um conceito puramente técnico medido, expresso e entendido numa óptica de rede ou dos seus elementos, apresentando pouco significado para o utilizador. 7

8 QoS na Perspectiva do Utilizador Tendências Publicidade Tarifários; Custos Expectativas de QoS do Utilizador Satisfação do Utilizador QoS (Aspectos Técnicos) QoS (Aspectos não-técnicos) Desempenho da Rede Desempenho do Equip. Terminal Pontos de Venda Serviços de Suporte 8

9 3. Quais Serviços Analisar? 9

10 Quais Serviços Analisar? Para cada tecnologia, devem ser analisados os serviços que apresentem maior relevância para os utilizadores finais, numa lógica de mercado nacional e internacional, e que sejam normalmente disponibilizados por todos os operadores presentes no mercado: Voz; Videotelefonia; SMS; MMS; Dados (FTP, HTTP web browsing, , ping, ); Videostreaming; Cobertura radioeléctrica GSM e WCDMA; 10

11 4. Que indicadores/parâmetros de QoS? 11

12 Que Indicadores/Parâmetros de QoS? Disponibilidade da Rede Indicação de que a rede móvel está presente. Acesso à Rede Indicação de que é possível utilizar os serviços (normalmente corresponde à indicação do nome da rede no visor do equipamento terminal e da indicação de disponibilidade GPRS e/ou 3G) Acesso ao Serviço Corresponde à disponibilização, por parte do operador móvel, do acesso a um serviço que o utilizador pretende aceder (v.g. estabelecer uma chamada de voz) Integridade do Serviço Corresponde à Qualidade do Serviço (QoS) durante a sua utilização (v.g. Qualidade Áudio durante uma chamada de voz) Retenção/Manutenção do Serviço Corresponde à forma como termina a utilização do serviço (de acordo ou contra a vontade do utilizador) 12

13 Que Indicadores/Parâmetros de QoS? SMS e MMS: Acessibilidade do Serviço Taxa de Entrega de Mensagens Mensagens Enviadas com Sucesso % 100% Tentativas de Envio de Mensagens Mensagens Recebidas com Sucesso % 100% Tentativas de Envio de Mensagens Tempo de Entrega de Mensagens s t fim_recepção - t início_envio Cobertura Radioeléctrica: Disponibilidade da Rede Radioeléctrica Medições com os Serviços Móveis Disponíveis % 100% Medições Realizadas Cobertura GSM WCDMA Boa RxLev 85 dbm CPICH RSCP 95 dbm Aceitável 95 dbm RxLev 85 dbm 105 dbm CPICH RSCP 95 dbm Má 110 dbm RxLev 95 dbm 115 dbm CPICH RSCP 105 dbm Inexistente RxLev 110 dbm CPICH RSCP 115 dbm 13

14 5. Como medir? 14

15 Como Medir? Conjunto de condições, que devem ser acauteladas, para a correcta aferição da qualidade dos serviços e garantia da fiabilidade dos testes; Normalização de processos e a definição de parâmetros de teste e medida, de forma a permitir a exequibilidade das análises e a comparabilidade dos resultados obtidos. Aspectos Gerais: Testes automáticos extremo-a-extremo; Recolha de medidas através de drive-tests (excepto SMS e MMS => estáticos); Igualdade de condições de teste para os 3 operadores; Os parâmetros recolhidos são georeferenciados (GPS); Sistema de teste e pós-processamento: Diversity / NetQual 15

16 Como Medir? Cobertura Radioeléctrica Utilizado um Scanner RF; Recolhidas amostras de sinal de todos os canais radioeléctricos utilizados pelos três operadores móveis, com periodicidade de 1 segundo (GSM e WCDMA); Em cada ponto são apenas considerados, nos indicadores Cobertura GSM e Cobertura WCDMA, os melhores valores de nível de sinal observados. 16

17 Como Medir? Voz Em selecção automática de infra-estrutura GSM/UMTS; Equipamento terminal utilizado: Nokia N95; Móvel Fixo: chamadas de teste entre equipamentos terminais móveis e equipamentos terminais de uma rede fixa (RDIS); As janelas temporais para realização das chamadas de teste são iniciadas simultaneamente para os 3 operadores; Analisada a qualidade áudio da comunicação, nos dois extremos, de acordo com o algoritmo PESQ; Parâmetros de Teste: Relação MOC/MTC: 1/1 Duração da chamada: 120 s Janela temporal para realização de chamada: 180 s Tempo máximo para estabelecimento de chamada: 20 s 17

18 Como Medir? Videotelefonia Selecção automática de infra-estrutura GSM/UMTS; Equipamento terminal utilizado: Nokia N95 e Nokia 6680; Móvel Móvel: chamadas de teste entre equipamentos terminais móveis, um permanece estático, em local com adequada cobertura, enquanto o outro se desloca no local objecto de análise; As janelas temporais para realização das chamadas de teste são iniciadas simultaneamente para os 3 operadores; Analisada a qualidade áudio e vídeo da comunicação, nos dois extremos, de acordo com os algoritmos SQuad-LQ e VQuad; Parâmetros de Teste: Relação MOC/MTC: 1/1 Duração da chamada: 120 s Janela temporal para realização de chamada: 210 s Tempo máximo para estabelecimento de chamada: 20 s Tempo máximo para estabelecimento da comunicação áudio/vídeo: 30 s 18

19 Como Medir? SMS / MMS Móvel Móvel intra-rede; Selecção automática de infra-estrutura GSM/UMTS; Equipamento terminal utilizado: Nokia N95; Os terminais foram mantidos estáticos em locais com adequada (boa) cobertura radioeléctrica e interferência mínima, desempenhando, cada um deles, uma única função (originador ou receptor de mensagens); As mensagens entregues após a janela temporal são consideradas como falhadas; As mensagens que apresentem erros (pelo menos um bit) são consideradas falhadas; As mensagens recebidas em duplicado não são contabilizadas para efeitos de taxa de entrega. 19

20 Como Medir? SMS Parâmetros de Teste: Dimensão da SMS de teste: 120 caracteres Sequência de caracteres da SMS de teste: The quick brown fox jumps over the lazy dog aeiou QUICK BROWN FOX Janela temporal para entrega de SMS: 175 s Pausa entre envios consecutivos de SMS: 70 s MMS Parâmetros de Teste: Dimensão da MMS de teste: 25 kb Tipo de conteúdos da mensagem: texto e imagem estática Janela temporal para entrega de MMS: 650 s Pausa entre envios consecutivos de MMS: 120 s 20

21 6. Onde e Quanto medir? 21

22 Onde e Quanto medir? Locais onde os serviços são mais utilizados: Zonas Urbanas Eixos Rodoviários Eixos Ferroviários Distribuição Geografica: Capitais de Distrito Grande Lisboa Grande Porto Principais eixos rodo/ferroviários Análise Estatística: Intervalo Confiança: 95% Erro Máximo: < 3% Variância: estudos anteriores Voz, Videotelefonia e Cobertura em Portugal Continental (2009): Horas em Quilómetros Chamadas de Chamadas de Medidas de Cobertura Medidas em Medidas Voz Videotelefonia GSM WCDMA 30 Aglomerados Urbanos 153 h Eixos Rodoviários 64 h Eixos Ferroviários (Alfa Pendular) 28 h Eixos Ferroviários (Urbanos de Lisboa) 23 h Total 269 h SMS e MMS, entre Lisboa e Porto (2008): Horas em Medidas SMS MMS Dias Úteis 48 h Fim-de-Semana 23 h Total 72 h

23 7. Com que medir? 23

24 Com que medir? Diversity Sistema de medida e pós-processamento NQDI Client NQDI Server Video Call Server Land Unit Media Server RDIS GSM/GPRS/UMTS Internet Diversity 24

25 Com que medir? Equipamentos Terminais: Nokia N95 e Nokia 6680 Scanner RF: PCTEL SeeGull EX 25

26 8. Fases da implementação de um estudo 26

27 Fases da implementação de um estudo Abordagem/ Metodologia; Medidas de Campo; Pós-processamento; Relatórios preliminares; Análise; + processamento; + Análise; Relatório Final; (Divulgação Pública dos Resultados) 27

28 9. Resultados 28

29 9.1 Portugal Continental (6 Out Nov. 2008) Cobertura GSM e WCDMA 29

30 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,3% 0,2% 0,3% 0,3% 0,3% 0,5% 0,0% 0,0% 0,1% 0,4% 0,1% 0,4% 99,7% 99,8% 99,7% 99,3% 99,6% 99,0% GSM Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários Cobertura GSM Cobertura GSM 100% 100% 90% 90% 80% 80% 70% 70% 60% 60% 50% 50% 40% 40% 30% 30% 20% 20% 10% 10% 0% Boa Aceitável Má Inexistente 0% Boa Aceitável Má Inexistente OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 30

31 GSM 31

32 1,3% 2,8% 1,2% 0,1% 0,4% 0,2% 0,1% 0,1% 0,0% 1,2% 6,9% 2,1% 1,6% 7,9% 2,4% 8,9% 4,9% 6,6% 79,6% 89,8% 88,1% 98,6% 96,7% 98,6% WCDMA Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários Cobertura WCDMA Cobertura WCDMA 100% 100% 90% 90% 80% 80% 70% 70% 60% 60% 50% 50% 40% 40% 30% 30% 20% 20% 10% 10% 0% Boa Aceitável Má Inexistente 0% Boa Aceitável Má Inexistente OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 32

33 WCDMA 33

34 9.1 Portugal Continental (6 Out Nov. 2008) Serviço de Voz 34

35 Acessibilidade do Serviço Taxa de Terminação de Chamadas Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários Serviço de Voz MóvelgFixo Serviço de Voz MóvelgFixo 100% 99,3% 99,5% 99,5% 99,6% 99,2% 99,5% 100% 99,7% 100,0% 99,1% 98,2% 98,4% 97,6% 90% 90% 80% 80% 70% 70% 60% 60% 50% 50% 40% 40% 30% 30% 20% 20% 10% 10% 0% Acessibilidade do Serviço Taxa de Terminação de Chamadas 0% Acessibilidade do Serviço Taxa de Terminação de Chamadas OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 35

36 Acessibilidade do Serviço Taxa de Terminação de Chamadas Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários Serviço de Voz FixogMóvel Serviço de Voz FixogMóvel 100% 99,5% 99,5% 99,1% 99,3% 99,1% 99,1% 100% 98,9% 98,7% 98,9% 98,8% 99,3% 97,5% 90% 90% 80% 80% 70% 70% 60% 60% 50% 50% 40% 40% 30% 30% 20% 20% 10% 10% 0% Acessibilidade do Serviço Taxa de Terminação de Chamadas 0% Acessibilidade do Serviço Taxa de Terminação de Chamadas OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 36

37 4,1 3,5 5,1 4,7 4,1 3,6 4,1 3,9 3,7 3,7 5,0 4,8 10,4 9,8 10,7 13,1 15,8 17,2 Tempo de Estabelecimento de Chamadas Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários [s] Tempo de Estabelecimento de Chamadas MóvelgFixo [s] Tempo de Estabelecimento de Chamadas MóvelgFixo Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 37

38 4,6 4,4 4,6 5,0 4,4 4,5 5,8 6,4 5,9 6,2 5,8 5,9 11,9 12,1 13,6 14,2 16,1 15,3 Tempo de Estabelecimento de Chamadas Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários [s] Tempo de Estabelecimento de Chamadas FixogMóvel [s] Tempo de Estabelecimento de Chamadas FixogMóvel Médio Máximo Mínimo Médio Máximo Mínimo OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 38

39 1,38 1,61 2,17 2,12 2,62 2,56 3,89 3,90 3,80 4,11 4,10 3,86 3,89 3,79 4,11 4,10 4,10 4,11 Qualidade Áudio das Chamadas Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários [MOS] Qualidade Áudio das Chamadas de Voz MóvelgFixo [MOS] Qualidade Áudio das Chamadas de Voz MóvelgFixo 5,0 5,0 4,5 4,5 4,0 4,0 3,5 3,5 3,0 3,0 2,5 2,5 2,0 2,0 1,5 1,5 1,0 1,0 0,5 0,5 0,0 0,0 Média Máxima Mínima Média Máxima Mínima OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 39

40 1,12 1,33 1,33 1,96 1,96 2,47 3,97 3,93 3,85 3,95 3,93 3,83 4,21 4,19 4,19 4,20 4,20 4,18 Qualidade Áudio das Chamadas Aglomerados Urbanos Eixos Rodoviários [MOS] Qualidade Áudio das Chamadas de Voz FixogMóvel [MOS] Qualidade Áudio das Chamadas de Voz FixogMóvel 5,0 5,0 4,5 4,5 4,0 4,0 3,5 3,5 3,0 3,0 2,5 2,5 2,0 2,0 1,5 1,5 1,0 1,0 0,5 0,5 0,0 0,0 Média Máxima Mínima Média Máxima Mínima OPTIMUS TMN VODAFONE OPTIMUS TMN VODAFONE 40

41 Obrigado pela atenção 28 de Março de 2010

42 Qualidade do serviço de acesso à Internet (parâmetros técnicos) Avaliação da QoS na perspectiva do utilizador Conferência IEEE (IST) António Vassalo (Direcção de Fiscalização) 28 de Maio 2010

43 Nº de clientes em Banda Larga Dados do 4º Trim de 2009 Banda Larga Fixa Dados do 4º Trim de 2009 Banda Larga Móvel Fonte: ICP-Anacom, 2009

44 Distribuição dos clientes por tecnologia de acesso Banda Larga Fixa Clientes de acesso por banda larga Clientes de acesso ADSL Clientes de acesso Cabo Outros* Banda Larga Móvel Clientes de acesso UMTS/HSDPA *A rubrica outros, na qual estão incluídas, por exemplo, ofertas baseadas em circuitos alugados, FWA e fibra óptica, e que representa 3 por cento do total dos clientes, apresenta crescimentos muito elevados acima dos 40 por cento. Esta evolução deve-se sobretudo às ofertas suportadas em fibra óptica. Especificamente no que respeita à Fibra Óptica (FTTH/B), no 4T09 contabilizaram-se cerca de 30 mil clientes de acesso à Internet através de fibra óptica, o dobro do registado no trimestre anterior. Cerca de 95 por cento destes clientes são clientes residenciais.

45 Crescimento da banda larga móvel

46 Operadores analisados em 2008 SAPO/PTC Critérios de representatividade: ADSL Clix/Sonaecom Acessos Banda Larga fixos: Fixa foram escolhidos os 4 maiores ISP s em termos de mercado nacional, totalizando entre si mais de 90% do segmento de mercado residencial; Zon TV Cabo Cabo Móveis: foram incluídos todos os ISPs que operam através Cabovisão da tecnologia UMTS/HSDPA; Foram consideradas as ofertas comerciais mais representativas TMN em termos de maior número de clientes por operador. Banda Larga Móvel UMTS Vodafone Optimus

47 Qualidade do serviço parâmetros técnicos Factores técnicos (QoS) Desempenho de rede Cobertura/disponibilidade dos acessos Funcionalidades dos equipamentos Factores não-técnicos Preço Assistência ao cliente Conteúdos Qualidade experimentada ou percepcionada pelo utilizador (QoE)

48 Metodologia PAINEL DE UTILIZADORES DE ACESSO À INTERNET Rigor e objectividade na análise Vantagens Amostra representativa da dispersão geográfica dos resultados

49 Painel de utilizadores de acesso móvel em 2008 Amostra proporcional à população por freguesia (pontos de observação em lisboa)

50 Painel de utilizadores de acesso móvel em 2008 Dimensão da amostra (Lisboa e Porto) Segmento Amostra Locais objecto de medidas efectivas 121 Medições: por servidor, operador e local 49 Medições: por servidor e operador Medições: por indicador, operador Medições: por indicador, operador e cidade

51 Painel de utilizadores de acesso fixo em 2008 Dimensão da amostra (Portugal Continental) medições por indicador e operador Nº de pontos Nº de pontos Por ISP de Por região de observação observação Cabovisão 51 Grande Lisboa 70 Clix 50 Grande Porto 28 Sapo/Telepac 52 Litoral 68 Zon 50 Interior 37 Amostra proporcional à taxa de penetração do operador por região

52 Precisão dos resultados para nível de confiança de 95% Acessos móveis velocidade de download Lisboa Porto Precisão Absoluta (kbps) Precisão Relativa OPTIMUS TMN Vodafone OPTIMUS TMN Vodafone 3,12 5,90 9,82 0,3% 0,6% 0,8% 2,79 5,88 9,36 0,3% 0,5% 0,7% Acessos fixos velocidade de download Veloc. Download Precisão Absoluta (em kbps) Precisão Relativa Cabovisão Clix Sapo/Telepac Zon Cabovisão Clix Sapo/Telepac Zon 54,1 25,4 30,6 44,4 1,2% 1,0% 1,1% 1,2%

53 Metodologia Painel de utilizadores reais Tipo de testes: activos (sessões de teste lançadas automaticamente) Frequência de testes: 24 x 7 (por períodos horários)

54 Arquitectura de teste Agent host Cable/ADSL ISP FCCN FTP Server / Web Server/ UDP Server Agent host Mobile Operator NAP/PoP

55 Equipamento de teste Solução técnica para o acesso móvel (agent host): TEMS Automatic da Ascom Solução técnica para o acesso fixo(agent host): Appliance da Ixia-IChariot

56 Indicadores aferidos em 2008 Percepção do utilizador em browsing Fixo Percepção do utilizador em file transfer Latência Móvel Sucesso no acesso ao serviço Causas de insucesso no acesso ao serviço Latência no processo de estabelecimento da ligação

57 Velocidade em Download [kbps] Resultados velocidade média de download (FTP file transfer) Velocidade em Download [kbps] Acesso móvel Acesso fixo OPTIMUS TMN VODAFONE Lisboa Porto 0 Cabovisão - 10Mbps Clix - 4Mbps Sapo/Telepac - 6Mbps ZON - 8Mbps

58 Velocidade em Download [kbps] Velocidade em Download [kbps] Velocidade média de download (FTP file transfer) Acessos móveis nacionais&internacionais Lisboa Porto 0 USA1 USA2 UK1 UK2 Portugal USA1 USA2 UK1 UK2 Portugal

59 Velocidade em Download [kbps] Velocidade média de download (FTP file transfer) acessos fixos nacionais&internacionais USA1 USA2 UK1 UK2 Portugal Cabovisão - 10Mbps Clix - 4Mbps Sapo/Telepac - 6Mbps ZON - 8Mbps

60 Latência [ms] Resultados latência média (atraso de transmissão dos pacotes IP) Acesso fixo & móvel Latência [ms] Acesso móvel OPTIMUS TMN Acesso fixo 50 VODAFONE Lisboa Porto Cabovisão - 10Mbps Clix - 4 Mbps Sapo/Telepac - 6Mbps ZON - 8Mbps

61 Resultados - índice de Velocidade Relativa Velocidade de download de ficheiros por FTP Acesso fixo Índice de Velocidade Relativa em Download (%) 100% 80% 77% 72% 72% 60% 55% 40% 20% 0% Cabovisão - 10Mbps Clix - 4Mbps Sapo/Telepac - 6Mbps ZON - 8Mbps

62 Estudo 2009/2010 KPI (KEY PERFORMANCE INDICATORS)

63 Obrigado pela atenção 28 de Março de 2010

Sistemas de Comunicações Móveis

Sistemas de Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis GSM/UMTS Aferição da Qualidade de Serviço Avaliação da QoS dos Serviços de Mensagens Curtas (SMS) e de Mensagens Multimédia (MMS) Dezembro de 2011 ANACOM 2 SIGLAS E ACRÓNIMOS

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis

Sistemas de Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis GSM/UMTS Aferição da Qualidade de Serviço Avaliação da QoS dos Serviços de Voz, Videotelefonia e Cobertura Radioelétrica GSM e WCDMA, nos principais Aglomerados Urbanos

Leia mais

Aferição da Qualidade de Serviço

Aferição da Qualidade de Serviço Aferição da Qualidade de Serviço Avaliação da qualidade dos Serviços de Voz, Dados e Cobertura Radioelétrica GSM, UMTS e LTE, nos principais Aglomerados Urbanos e Eixos Rodoviários de Portugal Continental.

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL I SUMÁRIO EXECUTIVO I.I ENQUADRAMENTO GERAL O ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) realizou, pela segunda vez, um estudo de aferição da qualidade, na perspectiva do utilizador, dos serviços

Leia mais

ESTUDO DE AFERIÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA. (parâmetros técnicos) ICP - ANACOM. Relatório.

ESTUDO DE AFERIÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA. (parâmetros técnicos) ICP - ANACOM. Relatório. ESTUDO DE AFERIÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA (parâmetros técnicos) ICP - ANACOM Relatório (Março de 2009) Estudo de Aferição da Qualidade do Serviço de Acesso à Internet

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 2.º TRIMESTRE DE 2010 Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 Índice de gráficos Gráfico 1 - Evolução do número de clientes de banda larga...

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE Índice 1. Evolução do número de prestadores habilitados para a prestação do Serviço de Acesso à Internet... 3 2. Número de clientes

Leia mais

ESTUDO DE AFERIÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET BANDA ICP - ANACOM. Relatório Metodológico

ESTUDO DE AFERIÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET BANDA ICP - ANACOM. Relatório Metodológico ESTUDO DE AFERIÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET BANDA ICP - ANACOM Relatório Metodológico 1 / 32 Tabela de Conteúdos 1. Metodologia - Acessos Móveis 3 1.1 População Alvo 3 1.2 Definição

Leia mais

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Internet Access Quality Monitor Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Escola Superior de Tecnologia - Maio 2008 2 Índice Objectivos Estado da Arte Sistema IAQM Tecnologias Utilizadas

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 3.º TRIMESTRE DE 2012 Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012 Índice SUMÁRIO... 5 1. Evolução do número de prestadores habilitados para

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2015 Versão / 25-8-2015

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2015 Versão / 25-8-2015 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 2.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2015 Versão / 25-8-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Número de prestadores habilitados...

Leia mais

Características dos operadores

Características dos operadores RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 21 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 29 Características dos operadores Salvo indicação em contrário, os números apresentados neste documento

Leia mais

Telefone fixo... 94. Tabela 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº), 2001 a 2013... 94

Telefone fixo... 94. Tabela 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº), 2001 a 2013... 94 7. Telecomunicações Telefone fixo... 94 Tabela 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº), 2001 a 2013... 94 Figura 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº) 2001 a

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

3. Clientes de serviços prestados em pacote

3. Clientes de serviços prestados em pacote QUESTIONÁRIO TRIMESTRAL DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM LOCAL FIXO E VOIP NÓMADA Serviço Telefónico Fixo (STF) Serviço VoIP nómada Serviço de Acesso à Internet (SAI) Serviço de Televisão por

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém

Escola Superior de Gestão de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém Marketing & Publicidade Marketing II Docente: Fernando Gaspar Discente: Tiago Louro nº 7014 Santarém, 20 de Maio 2008 1 Índice História da Vodafone pag. 3 Missão Vodafone

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Newsletter. Condições especiais para STFP Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública do Centro. Janeiro 2011. Campanha Colaboradores

Newsletter. Condições especiais para STFP Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública do Centro. Janeiro 2011. Campanha Colaboradores Newsletter Janeiro 2011 Campanha Colaboradores Condições especiais para STFP Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública do Centro Principais Vantagens para Associados A Vodafone oferece condições especiais

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

Megalonge da velocidade anunciada

Megalonge da velocidade anunciada fornecedores de acesso à internet medições por 12 mil utilizadores Megalonge da velocidade anunciada Velocidades inferiores às prometidas, serviços de apoio insatisfatórios, contratos confusos e com cláusulas

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 4.º Trimestre de 2013

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 4.º Trimestre de 2013 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2013 Serviço de Acesso à Internet 4.º Trimestre de 2013 Índice SUMÁRIO... 4 1. Número de prestadores habilitados... 6 2. Taxa de

Leia mais

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal A Vodafone tem estado sempre na linha da frente da introdução de novas tecnologias e desenvolvimento de serviços de dados móveis. Foi pioneira em Portugal

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 1.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Número de prestadores habilitados...

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Introdução à Internet Paulo Santos v. 2.0-2012 1 Índice 1 Introdução à Internet... 3 1.1 Conceitos base... 3 1.1.1 O que é a internet?... 3 1.1.2 O que é preciso para aceder à internet?... 3 1.1.3 Que

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=269365 Deliberação de 13.2.2008 PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS 1. Em 17.05.2007, a RADIOMÓVEL Telecomunicações, S.A. (RADIOMÓVEL) apresentou ao ICP-ANACOM

Leia mais

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens João Palha Fernandes Sumário Introdução Tecnologias de base Sistema de Aviso de Pedrógão Conclusões Trabalho Futuro O Problema Em caso de ruptura de

Leia mais

Avaliação do Serviço de Acesso à Internet. Banda Larga: ADSL e Cabo

Avaliação do Serviço de Acesso à Internet. Banda Larga: ADSL e Cabo Avaliação do Serviço de Acesso à Internet Banda Larga: ADSL e Cabo Setembro / Outubro de 2005 2 Índice I Sumário Executivo...4 I.I Enquadramento Geral...4 I.II Principais Conclusões...6 1 Introdução...17

Leia mais

Tabela 2 Amostra Teórica por ISP. N.º de Lares. Telepac / Sapo 50. Clixgest / Novis 50

Tabela 2 Amostra Teórica por ISP. N.º de Lares. Telepac / Sapo 50. Clixgest / Novis 50 1 METODOLOGIA 1.1 UNIVERSO, AMOSTRA E OBTENÇÃO DE RESULTADOS 1.1.1 UNIVERSO O estudo tem como universo base os lares de Portugal Continental, onde resida, pelo menos, um indivíduo que aceda à Internet

Leia mais

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL Newsletter Agosto 2012 Campanha ASAPOL Condições especiais para ASAPOL Principais Vantagens para Associados Campanha ASAPOL A Vodafone oferece condições especiais de tarifas e de aquisição de equipamentos.

Leia mais

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010 RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 211 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 21 Características dos operadores Salvo precisión en contrario, los datos presentados en este documento

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 2006 - Principais resultados -

Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 2006 - Principais resultados - http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=231582 Data de publicação - 1.2.27 Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 26 - Principais resultados - Ligação à Internet e tecnologia de acesso

Leia mais

Tarifário VPNCC-M- PROT_ON NET

Tarifário VPNCC-M- PROT_ON NET A sua empresa a comunicar sem limites. Chamadas de voz e SMS ilimitadas para todas as redes, desconto na aquisição de smartphones e acesso à internet no telemóvel. (Ver política de utilização responsável)

Leia mais

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de Índice Preâmbulo 3 Análise estatística 4 Anexos 14 2 Preâmbulo O presente relatório tem por objecto as solicitações recebidas no

Leia mais

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012.

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012. Bem Brasília vindos 9 de Maio de 2012 AGENDA REFER TELECOM Desafios da Modernização Interoperabilidade Operação Ferroviária Modelo de negócio Gestão de Telecomunicações Gestão do Património Engenharia

Leia mais

Redes de Computadores: Introdução

Redes de Computadores: Introdução s de Computadores: Introdução Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores s de Computadores Necessidades de comunicação 28-02-2010

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

Qualidade de Serviço. Gabinete de Qualidade de Serviço da Rede 27.05.2011

Qualidade de Serviço. Gabinete de Qualidade de Serviço da Rede 27.05.2011 Qualidade de Serviço Gabinete de Qualidade de Serviço da Rede 27.05.2011 Este documento é propriedade intelectual da PT e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa autorização escrita.

Leia mais

Comportamento e Atitudes do Consumidor Português de Telecomunicações Móveis

Comportamento e Atitudes do Consumidor Português de Telecomunicações Móveis Comportamento e Atitudes do Consumidor Português de Telecomunicações Móveis Maio.2003 Introdução No início da década de 90 o ICP faz atribuição das duas primeiras licenças para a prestação do Serviço de

Leia mais

UM ELEMENTO PARA A VIDA

UM ELEMENTO PARA A VIDA 1 2 UM ELEMENTO PARA A VIDA TELEVISÃO Até 85 canais e todas as funcionalidades avançadas INTERNET 100Mb de velocidade garantida, na Fibra TELEFONE Chamadas ilimitadas para redes fixas nacionais e internacionais

Leia mais

Usados por maior número de utilizadores, os acessos móveis reúnem menor satisfação, A fibra é a ligação que mais satisfaz

Usados por maior número de utilizadores, os acessos móveis reúnem menor satisfação, A fibra é a ligação que mais satisfaz 11 - HSVI intad >fa,# < Usados por maior número de utilizadores, os acessos móveis reúnem menor satisfação, A fibra é a ligação que mais satisfaz á quem já não consiga viver i sem poder aceder à Net. Daí

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015

SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015 SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Televisão por subscrição 1.º trimestre 2015 Versão 2 / 04-06-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Assinantes do serviço

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Protocolo Tmn / Sindicato Trabalhadores Registo Notariado. - Associados -

Protocolo Tmn / Sindicato Trabalhadores Registo Notariado. - Associados - Protocolo Tmn / Sindicato Trabalhadores Registo Notariado - Associados - terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009 1. Proposta de Condições Comerciais 1.1. Posicionamento É proposto um protocolo entre a TMN

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais

Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT

Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT Abel M. Mateus Presidente Autoridade da Concorrência Lisboa, de 22 Dezembro de 2006 A decisão Decisão de não oposição acompanhada da

Leia mais

DBL/BLM 01.08.2012. Banda Larga Móvel

DBL/BLM 01.08.2012. Banda Larga Móvel DBL/BLM 01.08.2012 Índice Banda Larga O que é? Abordagem Comercial O que é o 4G Evolução Tecnológica Uma Oferta duas marcas Tarifários Campanha de Adesão Equipamentos Serviços Adicionais Argumentário de

Leia mais

Teste prático e preços

Teste prático e preços Teste prático e preços Trio de Concorrê 1500 km de avaliação Cobertura de rede e qualidade dos serviços de Internet móvel numa viagem pelo Litoral Nas 3 operadoras principais, os e a qualidade é aproximada.

Leia mais

NE Report Digital 2013

NE Report Digital 2013 Índice 1. Economia Digital em Portugal (/17) e no Mundo () 2. Evolução dos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (acesso fixo) - Internet Service Providers 3. Evolução das quotas de acessos de banda

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

CEF Pastelaria - 3ºG

CEF Pastelaria - 3ºG CEF Pastelaria - 3ºG Curso de Educação e Formação, Tipo II, Nível II Tecnologias de Informação e Comunicação aula 5 e 6 2013/2014 1 REVISÕES - Rede de computadores; - Serviços prestados pela Internet;

Leia mais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais Entendimento do ICP-ANACOM Originação de chamadas nas redes móveis nacionais I. Enquadramento Os serviços de originação de chamadas prestados pelos operadores móveis nacionais são definidos como os serviços

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009 QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (200) Informação referente ao ano 2009 PARTE II - INDICADORES FINANCEIROS E DE ACTIVIDADE DOS OPERADORES/PRESTADORES DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho) Nome: Nazmul Alam Nº: 11 Ficha de Trabalho 1. No texto que se segue são mencionados três tipos de rede. Indica quais são. Ao chegar a casa, o Miguel ligou o telemóvel ao PC. Transferiu por bluetooth as

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTÍSTICA DOS SERVIÇOS MÓVEIS

INFORMAÇÃO ESTÍSTICA DOS SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTÍSTICA DOS SERVIÇOS MÓVEIS Empresa: Responsáveis pelo preenchimento: Contactos dos responsáveis - Telf.: E-mail: ES ESTATÍSTICOS A. B. C. D. E. E'. F. G. ESTAÇÕES MÓVEIS E UTILIZADORES TRÁFEGO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS PARA UMA REDE DE INOVAÇÃO EM AVEIRO (INOVARIA) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS

ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS PARA UMA REDE DE INOVAÇÃO EM AVEIRO (INOVARIA) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS PARA UMA REDE DE INOVAÇÃO EM AVEIRO (INOVARIA) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS Fevereiro 2014 Para aderir ou obter mais informações: Consulte o seu gestor PT Empresas Envie

Leia mais

Condições especiais para Associados da FENPROF

Condições especiais para Associados da FENPROF Condições especiais para Associados da FENPROF A Vodafone oferece-lhe condições exclusivas para a aquisição de telemóveis e placas de dados. Telemóveis Caso pretenda um equipamento da oferta empresarial

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779 1) Susana é produtora de eventos no Rio de Janeiro-RJ e não está conseguindo enviar as suas propostas comerciais via e-mail, através do Outlook. Sabendo que ela consegue baixar as suas mensagens, podemos

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE Início: 16 de Dezembro 2009 Término: 26 de Janeiro de 2010 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO....2

Leia mais

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2014 Índice SUMÁRIO... 4 1. Taxa de penetração do serviço móvel... 6 2. Estações móveis / equipamentos de utilizador ativos... 7 3. Distribuição

Leia mais

NE Report Digital 2013

NE Report Digital 2013 Índice 1. Economia Digital em Portugal (/17) e no Mundo () 2. Evolução dos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (acesso fixo) - Internet Service Providers 3. Evolução das quotas de acessos de banda

Leia mais

Newsletter. Condições especiais para FENPROF. Agosto 2010. Campanha Colaboradores

Newsletter. Condições especiais para FENPROF. Agosto 2010. Campanha Colaboradores Newsletter Agosto 2010 Campanha Colaboradores Condições especiais para FENPROF Principais Vantagens para Colaboradores A Vodafone oferece condições especiais de tarifas e de aquisição de equipamentos.

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Convergência Fixo-Móvel

Convergência Fixo-Móvel 18as Palestras sobre Comunicações Móveis 2010 Instituto Superior Técnico 28 Maio 2010 Index Convergência Fixo-Móvel Agenda O que é a Convergência? O que é? Convergência resulta de um conjunto de iniciativas

Leia mais

Zone 3,5G Nokia N95. INCLUI Auricular Cabo de dados USB. Bluetooth Leitor MP3. Código: Zone 3,5G Nokia N95

Zone 3,5G Nokia N95. INCLUI Auricular Cabo de dados USB. Bluetooth Leitor MP3. Código: Zone 3,5G Nokia N95 Zone 3,5G Nokia N95 Código: Zone 3,5G Nokia N95 Dimensões (mm) 99 x53 x 21 Peso telemóvel+bateria (g) 120 Autonomia em Conversação (hrs) 2h40m Autonomia em Espera (hrs) 200 Ecrã a cores (nº cores) 16.000.000

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTÍSTICA DOS SERVIÇOS MÓVEIS

INFORMAÇÃO ESTÍSTICA DOS SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTÍSTICA DOS SERVIÇOS MÓVEIS Empresa: Responsáveis pelo preenchimento: Contactos dos responsáveis - Telf.: E-mail: ES ESTATÍSTICOS A. B. C. D. E. E'. ESTAÇÕES MÓVEIS E UTILIZADORES TRÁFEGO

Leia mais

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte 10 S E R V I Ç O T E L E F Ó N I C O M Ó V E L Tráfego de roaming in 2008 Var. Trimestral Var. Homóloga 2º Trim. (+/-) % (+/-) % Chamadas em roaming in 32 617 8 525 35,4% 1 646 5,3% Nº de minutos em roaming

Leia mais

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Telecomunicaçõ ções e Redes de Computadores Prof. João Pires (em substituição do Prof. Paulo Lobato Correia) IST, 2007/2008 Objectivos Rever alguns marcos

Leia mais

Introdução/Resumo Executivo

Introdução/Resumo Executivo Introdução/Resumo Executivo O aumento de disponibilidade de banda-larga tem proporcionado um aumento na utilização de aplicações com requisitos de tempo-real, tais como a Voz sobre IP (VoIP) ou Streaming

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS (UACS) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS Março 2014

UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS (UACS) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS Março 2014 UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS (UACS) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS Março 2014 Para aderir ou obter mais informações: Consulte o seu gestor PT Empresas Envie email para protocoloseparceriasptempresas@telecom.pt

Leia mais

Claranet Service Description

Claranet Service Description NETWORKS info@claranet.pt 707 50 51 52 Clara DSL Nova geração de serviços DSL Claranet Service Description DSL Direct xdsl PRO ADSL Business Tel: +351 21 319 92 00 Fax: +351 21 319 92 01 Ed. Parque Expo,

Leia mais

Office. Telefone com central telefónica. Telefone Internet Televisão

Office. Telefone com central telefónica. Telefone Internet Televisão Office Telefone com central telefónica Telefone Internet Televisão A solução de voz mais completa para o escritório com utilização em grupo, que acompanha o crescimento do seu negócio Telefone Telefone

Leia mais

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 4.º TRIMESTRE DE 2013 Índice SUMÁRIO... 5 1. Taxa de penetração do serviço móvel... 7 2. Estações móveis / equipamentos de utilizador ativos... 8 3. Distribuição

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

UM ELEMENTO PARA A VIDA

UM ELEMENTO PARA A VIDA 1 2 UM ELEMENTO PARA A VIDA TELEVISÃO Até 90 canais e todas as funcionalidades avançadas INTERNET 100Mb de velocidade garantida, na Fibra TELEFONE Chamadas ilimitadas para redes fixas nacionais e internacionais

Leia mais

Medição de audiências. Internet

Medição de audiências. Internet Medição de audiências Internet Internet 1 Medição de audiências Internet As duas faces da Moeda (única?) 2 Índice Introdução Medição user-centric: Netpanel Situação actual e necessidades Medição Site-centric:

Leia mais

Protocolo TMN /FENPROF. - Associados -

Protocolo TMN /FENPROF. - Associados - Protocolo TMN /FENPROF - Associados - terça-feira, 4 de Dezembro de 2007 1. Proposta de Condições Comerciais 1.1. Posicionamento É proposto um protocolo entre a TMN e a FENPROF com condições especiais

Leia mais

Condições Especiais para Inscritos no Conselho Distrital da Madeira Ordem dos Advogados Portugueses

Condições Especiais para Inscritos no Conselho Distrital da Madeira Ordem dos Advogados Portugueses Condições Especiais para Inscritos no Conselho Distrital da Madeira Ordem dos Advogados Portugueses 1. Proposta de Condições Comerciais 1.1 Posicionamento Proposta de condições especiais de tarifas e de

Leia mais

Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (em local fixo)

Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (em local fixo) http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=262742 Deliberação de 19.12.2007 Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR ZTE MF190J

MANUAL DO UTILIZADOR ZTE MF190J MANUAL DO UTILIZADOR ZTE MF190J Modem USB ZTE Manual do Utilizador Copyright 2012 ZTE Corporation Todos os direitos reservados Da presente publicação, ou de qualquer parte da mesma, não poderão ser retirados

Leia mais