CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC PROJETO INTEGRADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC PROJETO INTEGRADOR"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC ANA CAROLINA CABIANCA DE VASCONCELLOS CAIO AUGUSTO FARIA ELISA CERMINARO DE CASTRO GABRIELA BITTENCOURT FERRAZ TALLES FIORAVANTE NOGUEIRA PROJETO INTEGRADOR Águas de São Pedro 2011

2 ANA CAROLINA CABIANCA DE VASCONCELLOS CAIO AUGUSTO FARIA ELISA CERMINARO DE CASTRO GABRIELA BITTENCOURT FERRAZ TALLES FIORAVANTE NOGUEIRA PROJETO INTEGRADOR Projeto Integrador Projeto visando a interdisciplinaridade das matérias, com base em uma visita técnica para o contato com o mercado. Professores orientadores: Hélio Hintze; Celso Martins; Sandro Dias; Klaus Vidrik; Manoel Matta. Águas de São Pedro 2011

3 Dedicamos este trabalho a todos aqueles que colaboraram, direta e indiretamente, para a sua realização.

4 AGRADECIMENTOS Às bibliotecárias Aos Orientadores Aos pais dos integrantes do grupo Aos donos do estabelecimento Empório Santa Clara.

5 Há indivíduos a quem a natureza recusou uma delicadeza de órgãos ou uma capacidade de atenção sem as quais as iguarias mais gostosas passam desapercebidas. Brillat-Savarin

6 RESUMO Este trabalho tem como objetivo central a elaboração do diagnóstico de um estabelecimento A&B, para que posteriormente apresentemos propostas de melhorias para o mesmo. Escolhemos um restaurante de nome Empório Santa Clara, localizado em Piracicaba. Estudamos as leis que envolvem o assunto, como as da ANVISA e do MTE, além de trabalharmos muito com pesquisas em livros e em sites, para que conseguíssemos assim perceber todos os aspectos do restaurante e fazer um diagnóstico coerente com a sua realidade. A partir desses estudos, classificamos nosso estabelecimento como uma delicatessen, tipologia que será definida durante o desenvolvimento do trabalho. O trabalho está dividido em 15 capítulos, os quais abordam todos os aspectos que devem ser observados para a concretização de um restaurante, como a prévia definição do seu conceito e do seu público-alvo. Explicamos, ainda, as pirâmides de Maslow e de Cornell, possibilitando que o leitor conheça mais a fundo as características e peculiaridades de cada classificação. Percebemos que a abertura de um estabelecimento desse tipo possui muito mais detalhes do que aquilo anteriormente imaginado, e nos sentimos agora mais preparados para a possível abertura e manutenção de um negócio próprio. Palavras chave: delicatessen, Empório Santa Clara, leis, restaurante, visita técnica

7 ABSTRACT This work is mainly aimed at making the diagnosis of an A & B establishment, so that later we may present proposals for improvements to it. We chose a restaurant called Empório Santa Clara, located in Piracicaba. We studied the laws pertaining to the subject, as ANVISA and MTE, and work with lots of researches in books and on websites, so that we could understand all the aspects of the restaurant and make a diagnosis consistent with its reality. From these studies, we classify our establishment as a delicatessen, a typology that will be defined during the development of this work. The work is divided into 15 chapters, which mention all the aspects that should be observed for the realization of a restaurant, as the previous definition of its concept and its target audience. We explained, moreover, the Pyramids of Maslow and Cornell, allowing the reader to know more deeply the characteristics and peculiarities of each classification. We noticed that the opening of a facility of this type has much more details than we previously imagined, and now we feel more prepared for the possibility of opening and maintaining a business. Key words: delicatessen, Empório Santa Clara, laws, restaurant, technical visit.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO RESTAURANTE E TIPOLOGIA Contextualização A PIRÂMIDE DE MASLOW A PIRÂMIDE DE CORNELL OS RESTAURANTS : CONCEITO E HISTÓRIA INFLUÊNCIAS DOS NOVOS CONHECIMENTOS OS MICROORGANISMOS E SUAS FUNÇÕES Fatores Intrínsecos Atividade de água (Aw) Acidez (ph) Composição Química Fatores Antimicrobianos Naturais Interações entre microrganismos Fatores Extrínsecos Temperatura Ambiental Umidade relativa ao ambiente Composição gasosa do ambiente Contaminações por microorganismos Métodos de conservação Procedimento para higienização das mãos Lavagem e anti-sepsia MINIMIZANDO OS RISCOS NO AMBIENTE DE TRABALHO DEFINIÇÃO DE UM RESTAURANTE IDEAL EMPÓRIO SANTA CLARA: HISTÓRIA ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO As funções dos alimentos no organismo humano Carboidratos Monossacarídeos Dissacarídeos Reação de Maillard Reação de caramelização Em condições anidras Nos alimentos Polissacarídeos Amido Penne alla Arrabiatta EMPÓRIO SANTA CLARA: ANÁLISES Definição da tipologia Visita Técnica (V.T.) Esboço da planta Impressões Portaria CVS 6/ Normas aplicadas corretamente Normas não aplicadas... 69

9 Sugestões de melhorias RDC nº Conformidades Inconformidades Sugestões para melhorias Portaria 1210/06 SMS Conformidades Inconformidades Sugestões de melhorias CONSIDERAÇÕES FINAIS Pareceres Individuais CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO A ANEXO B ANEXO C

10 10 1 INTRODUÇÃO O objetivo desse trabalho é elaborar um diagnóstico de um estabelecimento de alimentação e propor-lhe melhorias. Com isso visamos apresentar todos os conceitos e informações sobre os temas estudados, que são segurança no trabalho, microbiologia, estrutura e funcionamento dos serviços de alimentação, história da gastronomia, metodologia e pesquisa e ciência dos alimentos. Todos os conceitos estudados foram aplicados em uma V.T. (visita técnica), para que analisássemos um restaurante já em funcionamento, integrando todas as temáticas. Propusemos, também, melhorias ao estabelecimento, baseando-nos em leis específicas como o Manual de Boas Práticas, a Segurança Alimentar, leis da ANVISA e do Ministério do Trabalho, para que pudéssemos constatar as mudanças necessárias. Baseamo-nos, também, em diversos livros que abordam todos os temas anteriormente citados, os quais nos possibilitaram um conhecimento maior sobre os assuntos descritos. Pesquisas online não foram descartadas, principalmente, por nosso estabelecimento se enquadrar em uma tipologia não usual, como será visto no decorrer do trabalho. Além disso, possibilitar o acesso dessas informações ao profissional que atua na área de A&B é também foco do presente projeto. O conhecimento desses temas é essencial para que o profissional entenda que cada estabelecimento possui características e necessidades peculiares, que muitas vezes são ignoradas ou até mesmo desconhecidas. O restaurante escolhido foi o Empório Santa Clara, localizado em Piracicaba. Entramos em contato com o proprietário por telefone no final de fevereiro e já agendamos a visita para o começo de março. A visita técnica foi essencial para a visualização do estabelecimento inteiro, possibilitando-nos, assim, a análise completa do restaurante. Para essa visita, elaboramos roteiros de observação, que tinham a finalidade de orientar-nos durante a mesma. Estes tinham o formato de um check-list, ou seja, deveriam ser marcados com um x para cada item previamente especificado. Elaboramos, também, roteiros de observação, para que pudéssemos descrever nossas impressões sobre cada

11 11 ambiente. Durante a visita, porém, percebemos que o preenchimento dos roteiros do tipo check-list iria nos atrapalhar para o diagnóstico do restaurante. Optamos, portanto, por tirar fotos, as quais nos permitiriam a retomada da estrutura do estabelecimento, caso necessário. Essa opção verificou-se válida conforme o trabalho foi sendo elaborado, já que as nossas anotações mostraram-se mais úteis do que o preenchimento do check-list, o qual, ainda assim, foi preenchido logo após a visita. Este trabalho é composto por 15 capítulos, sendo que o primeiro é a introdução. O capítulo seguinte abrange as definições de alguns dos conceitos tratados no trabalho, como a definição do que é um restaurante e uma tipologia. Em seguida, nos capítulos 3 e 4, tratamos das prâmides de Cornell e de Maslow, já que a definição da tipologia interage diretamente com esses conceitos. No capítulo 5 falamos mais detalhadamente sobre a história do restaurante, como este era conhecido e como a sua concepção foi alterada durante os anos. Neste ponto, fazemos uma ligação direta com o surgimento das novas invenções e revoluções, entrando, assim, no capítulo 6, que explica como a descoberta da existência dos microorganismos foi importante. Depois disso, dentro do capítulo 7, explicamos mais detalhadamente como os microorganismos influenciam nos alimentos, em relações benéficas ou não, citando quais os fatores que ajudam na sua proliferação e contenção. No capítulo 8 explicamos quais as medidas básicas a serem tomadas para a manutenção da segurança no ambiente de trabalho, citando também quais as leis vigentes para que então, no capítulo 9, ocorra a descrição dos principais conceitos e ideias que envolvem um restaurante ideal. A partir do capítulo 10 apresentamos o nosso estabelecimento estudado, o Empório Santa Clara. Começamos explicando sua história e, a partir da citação de um dos seus pratos mais pedidos, entramos na definição do que seria o alimento e a nutrição, assim, no capítulo 11 e 12, descrevemos todos os processos e reações que são possíveis de ocorrer nos alimentos. Começamos o capítulo 13, começamos apresentando o esboço da planta para que posteriormente pudéssemos começar a análise do estabelecimento, apresentando o nosso diagnóstico e as propostas de melhoria.

12 12 Por fim, terminamos com as considerações finais no capítulo 14, contendo os nossos pareceres individuais, e a conclusão no capítulo 15.

13 13 2 RESTAURANTE E TIPOLOGIA 2.1. Contextualização O objetivo do restaurante é claro: preparar e servir alimentos e bebidas, dentro do conceito que se propõe executar. (FONSECA, 2006, p. 13). Tornou-se, também, um local social, no qual as pessoas vão à procura de experiências únicas e prazerosas na área de alimentação. O conceito de um restaurante é a matriz das idéias que irão constituir a imagem que o público terá do restaurante. O conceito é planejado para interessar a determinado grupo de pessoas (ou grupos de pessoas), o que chamamos de público-alvo ou nicho (WALKER; LUNDBERG, 2003, p. 66). A formulação de um conceito deve levar em conta, além do público-alvo, o cardápio, a ambiência, a administração, a localização, o serviço, a operação, a qualidade e a faixa de preço. A formação desse conceito é de extrema importância. Bordin Filho disse que a imagem pessoal é como uma grife no mercado, pessoas estarão dispostas a pagar se realmente acreditarem que vale a pena investir (Bordin Filho, 2002, p. 103). Para que o entendimento desses conceitos seja mais completo, segue a explicação daqueles que julgamos mais importantes. O cardápio é uma lista na qual estão descritos quais produtos o estabelecimento tem a oferecer, os preços cobrados, as informações referentes a cada prato e ainda algumas informações adicionais, como a forma de pagamento. Tem por finalidade auxiliar os clientes na escolha dos alimentos e das bebidas. Ademais, o cardápio é muitas vezes responsável pela primeira impressão do cliente, podendo causar entusiasmo ou decepção. Cada estabelecimento deve elaborar um cardápio que, obviamente, siga uma seqüência lógica e de fácil entendimento do cliente. A localização do restaurante é também um fator importante para sua ambientação. Devem ser consideradas, além da localização física, as pessoas que circulam por determinado local em suas rotinas de trabalho, assim como onde

14 14 estas trabalham e seus respectivos poderes de compra. Estes, por sua vez, determinarão a chamada faixa de preço, que é o preço médio que será cobrado. Além disso, o preço deve estar de acordo com o ambiente, com a comida servida no restaurante e com os serviços oferecidos. Já o ambiente é toda a organização e composição do mesmo, como a decoração do local, a disposição das mesas e o fluxo de pessoas e funcionários. Criteriosamente, é necessário o conhecimento das leis sobre a organização espacial (layout físico) e operacional (layout operacional), seguindo-se assim todas as exigências. O layout físico é a distribuição do espaço físico do restaurante, ou seja, o seu projeto arquitetônico. Segundo Zanella, a planta baixa do local é o instrumento de planejamento gráfico visual de um projeto, pois demonstra a distribuição e ocupação da área física e espaços internos (instalações, locais de serviços, circulação) (ZANELLA, 2007, p. 97). O layout operacional descreve o fluxograma de tudo que ocorre em seu restaurante, desde a circulação de pessoas até a entrada e saída de alimentos. O fluxo operacional de uma cozinha pode ser dividido, como foi feito por Zanella, em recebimento, estocagem, pré-preparo, preparo, devolução, higiene e limpeza, vestiário, escritório (ZANELLA, 2007, p. 99). O público-alvo é o objetivo do restaurante, ou seja, as pessoas para as quais o estabelecimento está direcionado. O estabelecimento deve ser orientado ao cliente, lembrando-se sempre que eles têm necessidades diferenciadas, de acordo com seu status social ou fase da vida. Compreender a pirâmide de Maslow é um bom embasamento para aqueles que não sabem ainda as diferenças entre os públicos. Essa pirâmide será vista mais adiante. A definição da tipologia depende diretamente da aplicação de todos esses conceitos. A tipologia de um restaurante é a identidade do mesmo, é o modo como o restaurante é visto e apresentado ao mundo. Segundo o livro Tecnologias gerenciais de restaurantes, a definição da tipologia é feita para que possam ser supridas as necessidades dos diversos tipos de clientes e dentro dos diferentes contextos que existem (FONSECA, 1999, p. 20). Existem várias classificações possíveis, sendo algumas: restaurantes típicos, ou seja, que possuem algum tema, como italiano ou francês, self-servic e vários outros, como o delicatessen, que será estudado mais adiante.

15 15 3 A PIRÂMIDE DE MASLOW Maslow foi um psicólogo americano, conhecido pelo seu estudo sobre as possíveis necessidades humanas e como estas se manifestam em graus diferentes, hierárquicos (GOBLE, 2004, p. 8). A pirâmide de Maslow é um instrumento que nos possibilita a leitura das necessidades humanas. Maslow dividiu sua pirâmide em seis partes Citando-as da base para o topo, temos: fisiológica, segurança, afetivo-social, auto-estima e auto-realização. Segue abaixo a ilustração da pirâmide: (Fonte: Mundo Educação 1 ) O cliente está à procura de determinadas experiências e realizações sociais. Realizações essas que transformaram a idéia do que é um restaurante: atualmente, já não é mais um local no qual vamos apenas para saciar nossa fome. Mais que isso, ir a um restaurante significa demonstração de poder social. Pessoas frequentam restaurantes com o objetivo de verem e serem vistas, 1 Texto disponível em acessado no dia 22/03/2011.

16 16 deixando evidente a finalidade de aumentar o reconhecimento pessoal de cada indivíduo perante a sociedade (informação verbal 2 ). 2 Conhecimento adquirido a partir das aulas de estrutura e funcionamento dos serviços de alimentação, dada pelo Klaus Negrão Vidrik, professor do Centro Universitário Senac, em fevereiro de 2011.

17 17 4 A PIRÂMIDE DE CORNELL A pirâmide de Müller & Woods, desenvolvida na universidade de Cornell (por isso ficou conhecida como pirâmide de Cornell) é uma das possíveis classificações para estabelecimentos A&B e foi baseada na pirâmide de Maslow. Ela é dividida em quick service, midscale, moderade upscale e upscale. Sabendo que essas divisões não são bem adequadas aos estabelecimentos brasileiros, as explicações serão feitas com o objetivo de contextualizar essas divisões, possibilitando uma visão mais ampla sobre o assunto. O quick service (ou serviço rápido) é base da pirâmide. Abrange restaurantes de serviço rápido, com atendimento no balcão, mobília desconfortável para alta rotatividade e, muitas vezes, não apresenta garçons. Seu principal foco é o top of mind, uma propaganda incisiva para que seu produto seja o primeiro a surgir no pensamento da população. Midscale significa escala média e o principal objetivo desses estabelecimentos é a fidelização do cliente. O ambiente é aconchegante, apresenta vários pratos com o preço baixo e os funcionários são normalmente amistosos.

18 18 A escala moderadamente alta, ou moderate upscale, visa a identificação da marca com o cliente, ou seja, busca o vínculo com este frequentador. Procura seguir a moda e as tendências gastronômicas da época, além de planejar o cardápio com eficiência e apresentar um serviço de qualidade, com funcionários bem treinados. Upscale, ou escala alta, procura uma relação pessoal com o público, tendo produtos de nome, únicos. Possui uma brigada de cozinha grande, menu degustação e cardápio à la carte. É característica a presença de um chef renomado e de um sommelier, que é especializado em vinhos. O ambiente é confortável e luxuoso.

19 19 5 OS RESTAURANTS : CONCEITO E HISTÓRIA Os restaurantes passaram a ter esse nome devido a um caldo chamado restaurant, que era servido às pessoas que se julgavam fracas ou doentes. Primeiramente, os estabelecimentos serviam apenas esse caldo, o qual consistia em vários alimentos batidos para a formação de uma mistura homogênea. Com o tempo, passou-se a valorizar a criatividade e a variedade dos pratos, criando os restaurantes como os conhecemos atualmente. Como dito no livro A Invenção do Restaurante, de Rebecca Spang, séculos antes de um restaurante ser um lugar aonde se ia para comer (e até várias décadas depois disso), um restaurant era algo de comer, um caldo restaurativo (SPANG, 2003, p. 11). Abordaremos rapidamente, em ordem cronológica, alguns dos acontecimentos que levaram à atual concepção do que é um restaurante. Brillat, a respeito do avanço da gastronomia, questionou: como poderia se rejeitar aquela que nos sustenta do nascimento ao túmulo, que faz crescer as delícias do amor e a confiança da amizade, que desarma o ódio, facilita os negócios e nos oferece, na curta trajetória da vida, o único prazer que não se acompanha de fadiga e ainda nos descansa de todos os outros? (BRILLAT, 1995, p. 56). Na Antiguidade Clássica, mais especificamente na Grécia, começam a surgir os primeiros padeiros, os quais, com o passar do tempo, foram conseguindo reconhecimento. Na Grécia, anteriormente, não existiam cozinheiros: os escravos eram os encarregados de moer os grãos e de preparar os alimentos. Os romanos basearam-se nas técnicas gregas para a inserção dos novos métodos de cocção e preparação dos alimentos. Foram, no entanto, mais criativos quanto à utilização de ingredientes (FRANCO, 2001, p. 39). Após a Antiguidade Clássica dá-se início à denominada Idade Média. Segundo Franco, as diferenças entre a cozinha da Idade Média e as da Grécia Antiga e de Roma decorrem do fato de que, na Idade Média, inicialmente, não se conhecia grande variedade de processos de cocção (FRANCO, 2001, p. 69). Na Idade Média, as informações estavam restritas aos monges e àqueles poucos que sabiam ler. Os camponeses e a população em geral não dispunham

20 20 de uma boa alimentação, estando esta restrita, na maior parte do ano, por sopas e alguns alimentos que eram cultivados em seus quintais. A Reforma Protestante marca a passagem do mundo medieval para o moderno. Contribuiu para os avanços gastronômicos, já que os dogmas impostos pela Igreja Católica foram contestados e superados, tornando-se assim possível a experimentação de novos tipos de alimentos, anteriormente proibidos pela mesma, já que considerava qualquer manifestação de prazer ao comer pecado (a gula). Citando o texto a alimentação na modernidade, de João Luis Machado 3 : A Reforma, por exemplo, através dos questionamentos e da reordenação proposta quanto à religiosidade, com o surgimento dos movimentos anglicano, luterano e calvinista, quebra os compromissos assumidos pelas populações de base cristã católica quanto a jejuns e restrições alimentares; Porém, apenas na Idade Moderna a figura do chef seria considerada importante e ocorreria a popularização da gastronomia. A partir daí, a própria definição da expressão bom gosto mudou, passando a significar saber escolher o que se come com requinte; sofisticação. Além disso, sentar-se à mesa para comer faz com que obrigatoriamente escolhamos com quem queremos dividi-la, ou seja, é possível a definição de muitos costumes ou hábitos de certa população analisando esse fator. Escolhemos pessoas com as quais nos identificamos para que a refeição torne-se agradável ou até mesmo para reforçar uma hierarquia social. (informação verbal 4 ). É fato que a concepção geral sobre o que é um restaurante mudou, como foi dito anteriormente. Deve-se, porém, ressaltar que tal mudança foi apenas possível devido a inúmeros fatores, como as Grandes Navegações, a Reforma Protestante (como já foi explicado) e o surgimento da imprensa, criada por Johannes Gutenberg. As Grandes Navegações contribuíram para o contato com novos alimentos, como as especiarias trazidas das Índias e o açúcar fabricado na então colônia de Portugal, o Brasil (Leal, 1998, p.35). Após o Aparecimento da imprensa, devido à facilidade de divulgação propiciada pela invenção de novas máquinas, como a prensa móvel de Johannes 3 Texto na íntegra disponível em 4 Informação explicada na aula do professor do Centro Universitário Senac Sandro Dias, em março de 2011.

21 21 Gutenberg, tornou-se fácil a popularização e até a banalização da comida, dos pratos luxuosos. Surgiram, no período, livros relacionados à culinária, à etiqueta na mesa e à nova preocupação em associar alimentação com saúde, revelando, através destas constatações, que o surgimento da imprensa acarretou também em boas mudanças de costumes. Não é a toa que a expectativa de vida cresceu: a inserção de pequenos hábitos de higiene pessoal, tal como lavar as mãos, já foi um fator que reduziu em demasia a propagação de doenças 5. 5 Segundo dados da ONU (Organização das Nações Unidas), a expectativa de vida da população mundial ao nascer aumentou de 46,5 anos, no período de , para 65 em Para mais informações, acesse: Site acessado em 24/03/2011.

22 22 6 INFLUÊNCIAS DOS NOVOS CONHECIMENTOS O cuidado tido com o alimento passou a ser muito maior. O conhecimento não estava mais restrito apenas aos monges medievais, já que apenas estes eram capazes de ler e escrever, tampouco apenas àqueles que possuíam muito dinheiro. As informações passaram a ser muito mais acessíveis, criando inclusive a chamada cultura de massa. Aperfeiçoou-se, portanto, as técnicas de conservação do alimento, assim como os cuidados com o seu preparo. Em meados do século XVII surgem as primeiras constatações da existência dos chamados microorganismos, invisíveis a olho nu e que são muitas vezes prejudiciais ao Homem 6. A existência de microrganismos pode ter sido percebida devido à falta de conhecimento sobre métodos de conservação eficientes, ocorrendo assim a deterioração do alimento. Os microorganismos foram as primeiras formas de vida na Terra. Com eles, iniciava-se a história da sua futura relação com o ser humano. As bactérias foram testemunhas de todas as formas de vida que surgiram a seguir e de muitas que viriam a existir. Surgiram há cerca de quatro bilhões de anos e reinam absolutamente até seiscentos milhões de anos. (Ujvari, 2003, p. 14) Arqueólogos encontraram evidências de ordenha de vacas para obtenção de leite, datadas de 9000 a.c. Relatos históricos indicam que na Babilônia antiga (7000 a.c.). o homem já conhecia a fabricação de cerveja. Os sumérios (3000 a.c.) foram os primeiros criadores de gado de corte e de leite e os primeiros a fabricar manteiga. Já conheciam também as técnicas de salga de carnes e peixes. Leite, manteiga e queijos já eram conhecidos pelos egípcios em 3000 a.c. Nessa época, judeus, chineses e gregos também utilizavam sal para a conservação de alimentos. Os assírios, em 3500 a.c., já conheciam a arte de fabricação de vinhos. Os romanos, em 1000 a.c., empregavam neve para a conservação de carnes e frutos do mar. Técnicas de defumação de carnes e de produção de queijos e vinhos foram aprimorados nessa época. (FRANCO, 6 Informações baseadas nos slides das aulas de Microbiologia do professor Manoel Divino da Matta Júnior.

23 23 Bernadette D. Gombossy de Melo; LANDGRAF, Mariza Microbiologia dos alimentos) Desta forma, foram desenvolvidos estudos aprofundados a fim de que fosse capaz perceber a importância de microrganismos, concluindo que os microrganismos causam alterações químicas prejudiciais nos alimentos, ou seja, a deterioração microbiana.

24 24 7 OS MICROORGANISMOS E SUAS FUNÇÕES A deterioração resulta em alterações de cor, odor, sabor, textura e aspecto do alimento. Essas alterações são consequência da atividade metabólica natural dos microrganismos, que estão apenas tentando perpetuar a espécie, utilizando o alimento como fonte de energia.(franco; LANDGRAF, 2002, p. 2) Alguns microrganismos presentes no alimento são considerados prejudiciais à saúde animal e humana: estes recebem o nome patogênicos. O alcance de microrganismos patogênicos ao alimento se dá através de armazenagem e manuseio incorreto e por ausência de higiene. Outros microrganismos causam também alterações benéficas no alimento, ao transformá-lo. A este grupo, pertencem aqueles microrganismos que são intencionalmente adicionados para que determinadas reações químicas sejam realizadas. Muitos destes microrganismos já estão naturalmente presentes, não sendo necessário adicioná-los ao alimento, mas sim estimular seletivamente sua atividade biológica. Nestes grupos estão todos os microrganismos utilizados na fabricação de alimentos fermentados: queijos, vinhos, cervejas, pães, vegetais e muitos outros. (FRANCO; LANDGRAF, 2002, p. 2) A capacidade de sobrevivência do microrganismo em um alimento depende de condições internas e externas, estes fatores são denominados intrínsecos e extrínsecos.

25 Fatores Intrínsecos Atividade de água (Aw) Microrganismos dependem diretamente da água para sua sobrevivência e multiplicação, água livre no alimento é essencial para o funcionamento de seu metabolismo. Atividade de água, temperatura e disponibilidade de nutrientes são interdependentes. Assim, a qualquer temperatura, a capacidade de microrganismos multiplicarem-se abaixa quando a atividade de água abaixa. Quanto mais próxima da temperatura ótima de multiplicação, mais larga é a faixa de atividade de água em que o crescimento bacteriano é possível (FRANCO; LANDGRAF,2002, p. 15) Acidez (ph) Os microrganismos possuem seletividade quanto ao ph do alimento, ou seja, há níveis de ph ótimos para a proliferação e ruins para a sua sobrevivência. Verifica-se que o ph em torno da neutralidade, isto é, entre 6,5 e 7,5, é o mais favorável para a maioria dos microrganismos. Alguns microrganismos são favorecidos pelo meio ácido, como ocorre com as bactérias láticas, certamente porque há inibição de microbiota de competição. Os bolores e leveduras mostram maior tolerância ao ph, sendo que os bolores podem multiplicar-se em valores de ph mais baixos que as leveduras, sendo estas, por sua vez, mais tolerantes que as bactérias a valores baixos de ph (FRANCO; LANDGRAF, 2002, p. 16).

26 Composição Química É necessária a presença de nutrientes para que o microorganismo viva no alimento, para isso precisam de fonte de energia, água, vitaminas, sais minerais e fonte de nitrogênio disponíveis. Como fonte de energia são usados açúcares, álcoois e aminoácidos. Como fonte de nitrogênio é utilizado aminoácido entre outros compostos nitrogenados. E as vitaminas mais importantes para a sobrevivência de microrganismos são: complexo B, ácido pantotênico e biotina. Já os sais, que são indispensáveis mesmo em pouca quantidade, é usado o sódio, cálcio, magnésio Fatores Antimicrobianos Naturais A estabilidade de alguns alimentos frente ao ataque de microrganismos é devida à presença de algumas substâncias naturalmente presentes nesses alimentos, tendo a capacidade de retardar ou mesmo impedir a multiplicação microbiana. Os condimentos são um bom exemplo, pois contém vários óleos essenciais com atividade antimicrobiana, tais como o eugenol no cravo, alicina no alho, aldeído cinâmico e eugenol na canela. (FRANCO; LANDGRAF, 2002, p. 20) Interações entre microrganismos Microrganismos competem entre si para disputar qual habitará o alimento. Os produtos do metabolismo de um microrganismo pode prejudicar a sobrevivência de outro microrganismo, ou essenciais para a proliferação de outras.

27 Fatores Extrínsecos Temperatura Ambiental A temperatura é o fator mais importante que afeta diretamente a multiplicação de microrganismos. Porém cada tipo de microrganismo há uma temperatura ideal para sua proliferação, e são divididos em grupos, como: psicrófilos com a temperatura ideal de 0ºC e 20ºC, psicrófilos com 0ºC e 7ºC, mesófilos entre 25ºC e 40ºC e termófilos entre 45ºC e 65ºC. Os fungos são capazes de crescer em faixa de temperatura mais ampla do que as bactérias. Muitos fungos são capazes de se multiplicar em alimentos refrigerados (FRANCO; LANDGRAF, 2002, p. 23) Umidade relativa ao ambiente A umidade relativa interfere na atividade de água do alimento, por conter uma correlação estreita entre a Atividade de água de um alimento e a Umidade relativa Composição gasosa do ambiente A composição gasosa do ambiente que envolve um alimento pode determinar os tipos de microrganismo que poderão nele predominar. A presença de oxigênio favorecerá a multiplicação de microrganismos aeróbios, enquanto que sua ausência causará predominância dos aneróbios, embora haja variação na sensibilidade dos anaeróbios ao oxigênio.

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida);

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida); Enzimas Enzimas Enzimas - são proteínas de alta massa molecular (MM > 15000 Da) produzidas por células vivas e que têm a capacidade de aumentar a velocidade das reações biológicas por ativação específica

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO (segunda parte) A ESCOLHA Responda à seguinte pergunta: Você gosta de carro? Se você gosta, vamos em frente. Escolha o carro de seus sonhos: Mercedes,

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR Alimentação Boa Pra Você Todo ser vivo precisa se alimentar para obter energia e nutrientes para se desenvolver. No caso do ser humano, os alimentos trazem

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19 3 Segurança Al i m e n ta r Christianne de Vasconcelos Affonso Jaqueline Girnos Sonati 19 Segurança Alimentar Atualmente temos muitas informações disponíveis sobre a importância da alimentação e suas conseqüências

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira 1 Instituição Gestora Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Gestora Adriana Hintz Eick Apoio Administrativo Danúbia Maria de Oliveira Ketlyn de Oliveira Souza 2 APRESENTAÇÃO Este manual didático objetiva

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva Café Coquetéis CAFÉ COQUETÉIS O café é uma bebida estimulante, agradável, reanimadora, que apresenta aroma e sabor característicos e é capaz de agradar aos mais variados paladares. Versátil, compõe receitas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE 1 ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE RESUMO Karla Braga Lobo Liberato 1 Maria Consuelo Landim 2 Eveline de Alencar Costa 3 A

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011.

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS JI-PARANÁ Rua Rio Amazonas, 151 Bairro Jardim dos Migrantes 76900-730 Ji-Paraná RO EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. EDITAL PARA SELEÇÃO

Leia mais

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Aula 1 Seleção De Fornecedores, Compra E Recebimento Das Matérias- Primas, Ingredientes E Embalagens As matérias- primas, os ingredientes e as embalagens

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

1 Por que tomar café da manhã?

1 Por que tomar café da manhã? A U A UL LA Por que tomar café da manhã? Exercícios Acordar, lavar o rosto, escovar os dentes, trocar de roupa e... tomar o café da manhã. É assim que muitas pessoas começam o dia, antes de ir trabalhar.

Leia mais

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos Moléculas orgânicas - Carboidratos São formados por C, H, O. São Conhecidos como: Hidratos de Carbono Glucídios Glicídios Açúcares Sacarídeos Funções: Energética (glicose); Glicogênio : reserva energética

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes!

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Alimentos Diet: Alimento dietético

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool Unidade 6 Açúcar e álcool Açúcares A sacarose é um dos açúcares presentes na canadeaçúcar. Junto com ele também são encontrados os açúcares glicose e frutose. A diferença é que a sacarose está presente

Leia mais

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA?

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS: CARBONO, HIDROGÊNIO, OXIGÊNIO E NITROGÊNIO FORMAM CADEIAS LONGAS E COMPLEXAS

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é?

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é? Receitas COMIDA DE ESCOLA O que é? Comida de Escola é um conjunto de vídeos de culinária gravados no ambiente real da escola e destinados às merendeiras. Neles, um chefe e duas cozinheiras compartilham

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: NUTRICIONISTA (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES (N o DE INSCRIÇÃO) 1. Verifique

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Introdução Os micro organismos estão diretamente

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

O que fazer para proteger os alimentos dos microrganismos?

O que fazer para proteger os alimentos dos microrganismos? O que fazer para proteger os alimentos dos microrganismos? Para além do cumprimento das regras de higiene pessoal dos manipuladores de alimentos e das regras de higiene das instalações e dos equipamentos,

Leia mais

Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos pelo frio

Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos pelo frio 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA SETORIAL DE ALIMENTOS DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Anvisa) Brasília, 11 de dezembro de 2012 Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos

Leia mais

Noções de química. Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S

Noções de química. Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S Noções de química Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula ficha10_al_serv_gerais_educador_01a.indd 1 5/4/2011 16:11:32

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO E Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Normas Gerais Objetivos da Unidade de Alimentação e Nutrição Descrição Geral dos Serviços da UAN Dietas gerais e dietas especiais, destinadas

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS (ALUNOS) Público Alvo: 6ºs E 7ºs ANOS (DISCIPLINA) Área de Conhecimento: MATEMÁTICA e LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORES: JANAINA ROSEMBERG

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi Conceito: processo orgânico que envolve ingestão, digestão, absorção, transporte e eliminação das substâncias alimentares para a manutenção de funções, a formação e regeneração

Leia mais

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 Dispõe sobre Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos pertinentes à Área de Alimentos no âmbito do Município. A Vigilância Sanitária Municipal,

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem de alimentos embalados Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem É toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas P1 Qual é a definição jurídica de saquê no Japão? Qualquer uma das seguintes bebidas alcoólicas com teor alcoólico inferior a 22%: a. O produto filtrado da fermentação

Leia mais

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2.

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. CINZA É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. A cinza é constituída principalmente de: Grandes quantidades: K, Na, Ca e Mg; Pequenas

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é?

COMIDA DE ESCOLA NA COZINHA. O que é? Receitas COMIDA DE ESCOLA O que é? Comida de Escola é um conjunto de vídeos de culinária gravados no ambiente real da escola e destinados às merendeiras. Neles, um chefe e duas cozinheiras compartilham

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Protéica

Atividade Física e Alimentação Protéica Atividade Física e Alimentação Protéica Para obter um bom desempenho o atleta não necessita somente de um bom treinamento, precisa de uma dieta balanceada que contenha quantidades adequadas de proteína,

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

10 Alimentos importantes para sua saúde.

10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. Os alimentos funcionais geram inúmeros benefícios para o organismo. Como muitas patologias se desenvolvem por deficiência

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB)

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) FRANÇA PIRES 1, Vanusia Cavalcanti GOMES 2, Erika Adriana de Santana LIRA

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS... um guia para a escolha alimentar diária! 1-3 3-5 2-3 1,5-4,5 1-2 3-5 4-11 COMA BEM, VIVA MELHOR! O QUE É UMA PORÇÃO?* POR DIA quantas são necessárias? ** Cereais e derivados, tubérculos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN

BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN DOENÇA CELÍACA A doença celíaca (DC) é um distúrbio imunemediado que afeta principalmente o trato gastrointestinal. É uma enteropatia glúten induzida.

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais