CRIAÇÃO E EXPANSÃO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MARINGÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRIAÇÃO E EXPANSÃO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MARINGÁ"

Transcrição

1 CRIAÇÃO E EXPANSÃO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MARINGÁ Ivana Veraldo/UEM A escolha do terreno para erigir a cidade de Maringá (Pr) obedeceu a certos critérios: um terreno com privilegiada situação geográfica, escolhido para ser um dos principais centros urbanos da região, cortado por vias de acesso às glebas e patrimônios e pela estrada de ferro que continuaria até Guaíra. A cidade, planejada e construída pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná (Cia), surgiu como centro propulsor do progresso para uma vasta e promissora área agrícola. A Cia tinha um projeto urbanístico arrojado para a expansão da cidade. Naquela época, aqueles que já estavam em condições de freqüentar a escola secundária, cujos pais tinham posses, estudavam em outros centros maiores, como Londrina, Jacarezinho ou São Paulo. Alguns pais assumiam o encargo de ensinar seus próprios filhos e outros incumbiam alguém com mais instrução para fazê-lo. Maringá foi fundada em 10 de maio de Nasceu e cresceu sob o signo do planejamento moderno. Coube ao engenheiro Dr. Jorge de Macedo Vieira traçar o plano geral e definitivo da cidade. Previu, inclusive, a localização e a função dos bairros, que seriam divididos em residencial, residencial popular, industrial, operário e de armazéns 1. O planejamento previa também espaços para a construção de escolas. A rede municipal foi a primeira a se constituir na cidade. Depois dela, consolidou-se a rede estadual e a particular. Há poucos estudos sobre a história da educação em Maringá. O texto escrito por AMARO & RODRIGUES, intitulado Educação municipal em Maringá, uma história em meio século (In: DIAS & GONÇALVES, 1999) reconstitui um pouco da história da criação da rede municipal de ensino. Os autores chegam a propor uma periodização para essa história: - de 1953 a 1971: período que, iniciando-se com a construção da primeira escola municipal, dando assim início à rede municipal de ensino, vai até a decretação da reforma educacional sob a Lei 5.692/71. A rede municipal atendia apenas a zona rural (sic); 1 É possível perceber nessa divisão, que de fato ocorreu, a legitimação de espaços específicos para as diferentes classes sociais que compunham a sociedade.

2 - de 1972 a 1985: período de reformulação e implantação da Lei 5.692/71, quando em nível municipal dá-se o processo de nuclearização da rede e passa a ocorrer a criação de escolas municipais na zona urbana; visava-se primordialmente à melhoria da parte infraestrutural da rede; - de 1986 a 1988: momento em que, após a reestruturação em nível de legislação de ensino e de infra-estrutura, as preocupações se voltam para o campo pedagógico, com a instauração da divisão por áreas do núcleo comum; - de 1989 a 1992: ocasião em que ocorreu a implantação do sistema de escolas cooperativas ; - de 1993 até o presente: ações voltadas para o resgate do modelo anteriormente estabelecido, de gerenciamento público e investimento em nível pedagógico (AMARO & RODRIGUES, In: DIAS & GONÇALVES, 1999, p. 372/3). Concluem sua reflexão informando que se trata de um estudo preliminar, com o propósito de instigar novas pesquisas que aguardam outras evidências e discussões... (AMARO & RODRIGUES, In: DIAS & GONÇALVES, 1999, p. 388). As discussões apresentadas por esses autores se constituem no único estudo mais abrangente sobre a história da educação em Maringá. Excetuando esse texto, o que existe são estudos com recortes bem definidos, como, por exemplo, o livro O público e o privado na educação: a experiência da privatização do ensino em Maringá e temas afins, organizado por Reginaldo B. Dias (1995) com o objetivo de avaliar a experiência das escolas cooperativas de 1991 a Assim, até hoje, a história da constituição da rede estadual de ensino em Maringá não foi escrita. Maringá foi alçada a município pólo de uma região metropolitana e em muito interessa resgatar essa história, principalmente com o objetivo de garantir a identidade que nossa cidade deve preservar no que se refere à sua contribuição para a constituição de um Núcleo Regional de Ensino que abrange vários municípios da região. A História da Educação do município de Maringá se constitui do somatório e do entrelaçamento das redes estadual, municipal e particular. Sem essas redes de oferta de ensino a cidade pouco teria se desenvolvido nesse campo. É imprescindível recuperar essa história.

3 O Objetivo geral de nossa pesquisa é avaliar o processo de constituição (criação e expansão) da rede estadual de ensino na cidade de Maringá e verificar quais foram os critérios adotados para a constituição dessa rede. Interessa-nos saber se a expansão da rede estadual acompanhou a tendência planejadora da cidade ou se seu desenvolvimento atendeu a outros critérios, como, por exemplo, critérios políticos ligados à candidatura ou à administração de algum personagem político local. É importante verificar qual foi a posição ocupada pela rede estadual frente à criação e expansão da rede municipal e particular. Indagamo-nos se ocorreram entendimentos e articulações entre essas instâncias com o objetivo de atender às várias demandas vindas dos bairros de Maringá. Igualmente importante é a identificação e a avaliação das experiências educativas levadas a cabo pela Secretaria Estadual de Educação em Maringá, por exemplo, no campo da educação de jovens e adultos (EJA). Temos informações que confirmam que, no Colégio Estadual Brasílio Itiberê, foram efetivadas 160 matrículas nessa área, em Será que a oferta desse tipo de ensino estaria vinculada a uma política de atendimento das necessidades da população mais pobre que, em geral, não tem a oportunidade de frequentar o ensino regular? Ao recuperar essa história, será possível verificar quais foram os primeiros sujeitos educativos da rede estadual de ensino em Maringá (professores, diretores etc.) e qual população foi atendida pela rede estadual. Também é preciso avaliar se a periodização sugerida por AMARO & RODRIGUES pode ser utilizada também na composição da história da rede estadual de educação. Caso contrário, será possível sugerir outra periodização que contemple as singularidades da rede estadual. Segue um quadro identificando as atuais 22 escolas estaduais de Maringá, bem como o número de matrículas no ensino médio (MAT. EM) e no ensino fundamental (MAT. EF). QUADRO DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM MARINGÁ NOME DOS COLÉGIOS MAT. EM MAT. EF Colégio Estadual Adaile M. Leite Colégio Estadual Alberto J. Byngton Jr

4 Colégio Estadual Alfredo Moisés Maluf Colégio EstadualBranca Mota Fernandes Colégio Estadual Brasílio Itiberê Colégio Estadual Duque de Caxias Colégio EstadualGastão Vidigal Instituto Estadual de Educação Colégio Estadual João de Faria Pioli Colégio Estadual João XXIII Colégio Estadual Juscelino K. de Oliveira Colégio Estadual Presidente Kennedy Colégio Estadual Dittert Oberon Colégio Estadual Rui Barbosa Colégio Estadual Santa Maria Goretti Colégio Estadual Silvio M. Barros Colégio Estadual Tancredo de A. Neves Colégio Estadual Tania V. Ferreira Colégio Estadual Theobaldo Miranda dos Santos Colégio Estadual Thomas Edson de A. Vieira Colégio Estadual Unidade Polo Colégio Estadual Vinícios de Morais Total Como podemos verificar é alto o número de estudantes que são atendidos pela rede de escolas estaduais, tanto no ensino médio como no fundamental. Perguntamo-nos se esses números correspondem à máxima potencialidade dessas escolas e gostaríamos de saber, também, se há por parte das escolas, ou do Núcleo Regional de Ensino, alguma política no sentido de aumentar a oferta de vagas em seus estabelecimentos. Para responder a essas e outras questões que possam surgir no encaminhamento da pesquisa, pretendemos consultar as seguintes fontes: os Planos estaduais de educação formulados de 1947 até a atualidade, os Planos elaborados pelo Núcleo Regional de Ensino de Maringá e toda a documentação legal produzida pelas escolas estaduais maringaenses nesse mesmo período (por exemplo, termo de posse de professores e diretores, decretos de

5 autorização de funcionamento das escolas, relatórios anuais das escolas e do Núcleo Regional de ensino, etc.). Além disso, pretendemos realizar algumas entrevistas com as primeiras professoras e diretoras que trabalharam na rede estadual. Nossa intenção é resgatar, através da memória dessas velhas professoras, as dinâmicas históricas, sociais e políticas que se articularam no engendramento da rede estadual de ensino. De antemão, informamos que teremos que garimpar nas escolas documentos que nos ajudem a alcançar nossos objetivos, pois, nas primeiras visitas e nos primeiros contatos que fizemos com o Núcleo Regional de Ensino constatamos que quase não há registros da história da criação e da expansão das escolas estaduais em Maringá. Tem sido praxe nos órgãos públicos jogar fora documentos das gestões anteriores, sem nenhuma preocupação em preservar a memória histórica. A reflexão sobre os documentos, as ações neles registradas e o resultado dos depoimentos colhidos será realizada a partir do entendimento do contexto histórico da cidade, do Estado do Paraná e do Brasil. Acreditamos que a política adotada pelo Núcleo Regional de Ensino de Maringá segue, em linhas gerais, a mesma política definida no plano nacional e no estadual. Como a pesquisa está em andamento (fase inicial) não temos conclusões fechadas, apenas algumas hipóteses. Por exemplo, a de que a criação e a expansão da rede estadual de ensino em Maringá não seguiu os mesmos critérios racionais (planejamento) da criação e expansão da cidade. É possível, até, que a rede estadual tenha se expandido de maneira aleatória, sem nenhum planejamento ou estudo sobre as demandas dos bairros da cidade. Caso essa hipótese seja confirmada, poderemos afirmar que não houve a preocupação, por parte do Núcleo Regional de Ensino, representante local da Secretaria Estadual de Educação, de estabelecer uma política inclusiva de expansão. Isto é, que esses órgãos não se preocuparam em atender às demandas sociais. Outras hipóteses poderão ser elaboradas e confirmadas ou não no decorrer da pesquisa. BIBLIOGRAFIA

6 DIAS, Reginaldo B. (org.) O público e o privado na educação: a experiência da privatização do ensino em Maringá e temas afins. Maringá: Secretaria da Educação do município de Maringá, AMARO, Hudson Siqueira & RODRIGUES, Isabel Cristina. Educação municipal em Maringá: uma história em meio século. In: DIAS, Reginaldo B. & GONÇALVES, José Henrique Rollo. Maringá e o Norte do Paraná: estudos de história regional. Maringá: EDUEM, 1999, p

< >> IDENTIDADE 6 1 > A Companhia de Jesus e os Colégios 7 2 > O Colégio São João de Brito 14 CAPÍTULO II >>>> ORGANIZAÇÃO GERAL 18 19 22 27 1 > A Comunidade educativa 2 > Organização

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro O estudo Educação Infantil em Debate - a Experiência de e a Realidade eira faz um paralelo entre as soluções encontradas

Leia mais

Unidade Meta. DIAGNÓSTICO: Cabe à Secretaria cuidar da Educação Infantil (de 0 a 5 anos) no Município de Japeri.

Unidade Meta. DIAGNÓSTICO: Cabe à Secretaria cuidar da Educação Infantil (de 0 a 5 anos) no Município de Japeri. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROGRAMA: MANUTENÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº 071 DIAGNÓSTICO: Cabe à Secretaria cuidar do Ensino Fundamental (1 ao 9 ano) no Município de Japeri. DIRETRIZES: Custear as

Leia mais

Programação - Boletim Oficial Nº01

Programação - Boletim Oficial Nº01 FUTSAL 30/09/2016 Sexta-feira AFMM Fase: 01 - Turno G S CAT 25º 08:00 BRANCA DA MOTA FERNANDES[ 02 X 01 ] DIRCE DE AGUIAR MAIA 13º 09:00 SANTO INACIO [ 07 X 00 ] DOM BOSCO DE MARINGA 16º 10:00 FELIPE S.

Leia mais

O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS

O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS Luciana Cristina Araújo da Silva/Universidade Federal Fluminense alteridadeounao@yahoo.com.br Walison Boy dos Santos/Universidade

Leia mais

Ministério da Educação OS CAMINHOS DA QUALIFICAÇÃO TÉCNICA E PROFISSIONAL NO BRASIL

Ministério da Educação OS CAMINHOS DA QUALIFICAÇÃO TÉCNICA E PROFISSIONAL NO BRASIL Ministério da Educação OS CAMINHOS DA QUALIFICAÇÃO TÉCNICA E PROFISSIONAL NO BRASIL Agosto de 2011 Situação anterior Desvinculação entre as ofertas do ensino médio e da educação profissional de nível técnico.

Leia mais

Dados sobre EaD (matrículas cursos de Engenharia)

Dados sobre EaD (matrículas cursos de Engenharia) Dados sobre EaD (matrículas cursos de Engenharia) Matrículas EaD - Público e Privado - Brasil 2013 Região Curso Matrículas Centro-Oeste Engenharia Ambiental 33 Centro-Oeste Engenharia Civil 279 Centro-Oeste

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Currículo Como experiências escolares

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Nome do GT 06: Políticas Educacionais para Educação Inclusiva. Resumo:

Nome do GT 06: Políticas Educacionais para Educação Inclusiva. Resumo: POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA, EM SISTEMAS PÚBLICOS MUNICIPAIS: EXPERIÊNCIA DE TOLEDO, NO OESTE DO PARANÁ. Nome do GT 06: Políticas Educacionais

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS E ÍNDICES DE DESEMPENHO ESCOLAS ESTADUAIS. Município: Araguaína TO Regional: Araguaína - TO

APRESENTAÇÃO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS E ÍNDICES DE DESEMPENHO ESCOLAS ESTADUAIS. Município: Araguaína TO Regional: Araguaína - TO APRESENTAÇÃO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS E ÍNDICES DE DESEMPENHO ESCOLAS ESTADUAIS Município: Araguaína TO Regional: Araguaína - TO SE LIGA E ACELERA OBJETIVOS, PÚBLICO ALVO E DADOS ESTATÍSTICOS Se Liga -

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO: INTERESSADO: SENAC CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO RECIFE JOÃO RODRIGUES MAIA ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO E SUPORTE DE REDES E DE SISTEMAS

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO : Gerenciamento da Secretaria de Educação PROGRAMA: 005 - ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL JUSTIFICATIVA: Manutenção

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

Palavras-Chave: Pedagogia da Alternância, Casa Familiar Rural, Educação Profissional de Nível Técnico.

Palavras-Chave: Pedagogia da Alternância, Casa Familiar Rural, Educação Profissional de Nível Técnico. A Oferta da Educação Profissional Técnica de Nível Médio nas Casas Familiares Rurais do Paraná Andréa de Paula Ceccatto 1 RESUMO Este artigo apresenta o histórico da implantação das Casas Familiares Rurais

Leia mais

SERVIDORES DO CCA. Alberto Luis da Silva Pinto Cargo: Assistente em Administração e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa

SERVIDORES DO CCA. Alberto Luis da Silva Pinto Cargo: Assistente em Administração e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa SERVIDORES DO CCA Alberto Luis da Silva Pinto e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa Amilton Gonçalves da Silva Cargo: Auxiliar Operacional Aminthas Floriano Filho Cargo: Técnico

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

I SEMINÁRIO DE ENGENHARIA URBANA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - SEUEM

I SEMINÁRIO DE ENGENHARIA URBANA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - SEUEM LEVANTAMENTO E SISTEMATIZAÇÃO DE FONTES BIBLIOGRÁFICAS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE EM MARINGÁ NO SEGUNDO PÓS- GUERRA: RESULTADOS PARCIAIS E DISCUSSÃO PRELIMINAR Hugo Sefrian Peinado 1 André Augusto de

Leia mais

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum Prefeitura Municipal de Joinville 152.andreia@gmail.com Introdução e Fundamentação Teórica Nos últimos anos, as Salas de Recursos Multifuncionais

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DE INFRA- ESTRUTURA DE PÓLOS CGIP UAB/CAPES. E-mail: uabpolos@mec.gov.br Fone: 61.2104-9967/7980 Fax: 61.

COORDENAÇÃO GERAL DE INFRA- ESTRUTURA DE PÓLOS CGIP UAB/CAPES. E-mail: uabpolos@mec.gov.br Fone: 61.2104-9967/7980 Fax: 61. COORDENAÇÃO GERAL DE INFRA- ESTRUTURA DE PÓLOS CGIP UAB/CAPES E-mail: uabpolos@mec.gov.br Fone: 61.2104-9967/7980 Fax: 61.2104-9178 Equipe: Coordenador Geral: Francisco das Chagas MIRANDA Silva E-mail:

Leia mais

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009 1 FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB Osasco, maio de 2009 Márcia Risso Gaino Fundação Bradesco - mgaino@fundacaobradesco.org.br Acácio Lopes da Silva Fundação Bradesco alopes@fundacaobradesco.org.br

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL RELATÓRIO PRÉVIO

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL RELATÓRIO PRÉVIO COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE N o 28, DE 2015 RELATÓRIO PRÉVIO Propõe que a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 informações: 1.º 2.º 3.º CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de

Leia mais

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Modelo de Regionalização de Saúde no Ceará População Estado do Ceará - 8.530.058 habitantes Modelo de reorganização de saúde: 4 Macrorregiões

Leia mais

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte.

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte. 1 ESPORTE, ARTE E EDUCAÇÃO INTERVENÇÕES EM UM ESPAÇO PÚBLICO Profª Ketlin Elisa Thomé Wenceslau Fiocco Resumo: Todos os anos o Colégio Arautos organiza um projeto interdisciplinar que tem como proposta

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO DO NAE - NÚCLEO DE ACOMPANHAMENTO AO EGRESSO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O presente Regulamento dispõe sobre a estrutura e modo

Leia mais

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Veículo: Portal Agência Alagoas Data: 15/05/2015 Coluna/Editoria: EDUCAÇÃO Página: On-line Agência Alagoas Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Documento está disponível no

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do ensino médio pode aumentar em 1 ano

Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do ensino médio pode aumentar em 1 ano SP quer ampliar ensino técnico estadual Data:10/05/2011 Veículo: O ESTADO DE S. PAULO SP Mariana Mandelli Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Resolução SE Nº 28/2014

Resolução SE Nº 28/2014 Resolução SE Nº 28/2014 Dispõe sobre o atendimento à demanda escolar do ensino médio, para o ano letivo de 2015, nas escolas da rede pública estadual, e dá providências correlatas O Secretário da Educação,

Leia mais

93858, 75,7 Km2. 2

93858,  75,7 Km2.  2 Ano letivo 2015/2016 Nota Introdutória O concelho de Valongo integra a Área Metropolitana do Porto, sendo limitado a Norte pelo município de Santo Tirso, a nordeste por Paços de Ferreira, a leste por Paredes,

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

REEXAMINADO PELO PARECER: CNE/CES Nº 087/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

REEXAMINADO PELO PARECER: CNE/CES Nº 087/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO REEXAMINADO PELO PARECER: CNE/CES Nº 087/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Organização Brasileira de Cultura e Educação UF: RJ ASSUNTO: Solicitação de revisão do Parecer

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ Departamento das Relações Comunitárias e Orçamento Participativo Palácio João Baptista Lusardo

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ Departamento das Relações Comunitárias e Orçamento Participativo Palácio João Baptista Lusardo RELATÓRIO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE 2006 TRÊS COISAS... De tudo, ficam três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar... A certeza de que seremos interrompidos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA UTILIZADA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA EXPERIÊNCIA EXERCIDA NO ÂMBITO DO PIBID

MODELAGEM MATEMÁTICA UTILIZADA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA EXPERIÊNCIA EXERCIDA NO ÂMBITO DO PIBID MODELAGEM MATEMÁTICA UTILIZADA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA EXPERIÊNCIA EXERCIDA NO ÂMBITO DO PIBID Lílian Milena Ramos Carvalho Universidade Federal do Mato Grosso do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*) Define Diretrizes Operacionais Nacionais para o credenciamento institucional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CAPÍTULO 9 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

CAPÍTULO 9 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CAPÍTULO 9 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE Maria Luisa Furlan Costa Ruth Izumi Setoguti Artigo 87 da Lei 9394/97 - DÉCADA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

-MANUAL DO ALUNO- CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO (CSTST)

-MANUAL DO ALUNO- CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO (CSTST) -MANUAL DO ALUNO- CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO (CSTST) 1. APRESENTAÇÃO Este manual visa orientar os alunos que ingressam no Curso Superior de Tecnologia em Segurança no Trabalho

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Educacional Cidade de São Paulo

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal Nº 20080701 Julho -

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 265, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007.

RESOLUÇÃO Nº 265, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007. RESOLUÇÃO Nº 265, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007. Dispõe sobre a formação teórico-técnica do processo de habilitação de condutores de veículos automotores elétricos como atividade extracurricular no ensino

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012

PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012 PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012 Professoras orientadoras: turma Departamento de Urbanismo Departamento de Projetos A + B Prof a. D ra. Fernanda Borges de Moraes Profª. D ra. Juliana Torres de Miranda

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PLANO DE AÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2013-2016 Quixadá-CE, novembro

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 10.45 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 10.45 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATIVA AO PONTO SEGUNDO DA ORDEM DOS TRABALHOS O Conselho de Administração da ALTRI, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral

Leia mais

Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro de 2005

Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro de 2005 Relatório-síntese do I Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro

Leia mais

PROCESSO N. 173/2011 PROTOCOLO N.º 9.429.195-0 PARECER CEE/CEB N.º 1043/11 APROVADO EM 10/11/11

PROCESSO N. 173/2011 PROTOCOLO N.º 9.429.195-0 PARECER CEE/CEB N.º 1043/11 APROVADO EM 10/11/11 PROTOCOLO N.º 9.429.195-0 PARECER CEE/CEB N.º 1043/11 APROVADO EM 10/11/11 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADOS: NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LONDRINA e ASSESSORIA JURÍDICA DA SECRETARIA DE ESTADO

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPH0339 O ENSINO SUPERIOR NO GOVERNO FHC E SUA DISTRIBUIÇÃO SOBRE O

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

PROCESSO N. 429/11 PROTOCOLO N.º 5.673.964-5 PARECER CEE/CEB N.º 291/11 APROVADO EM 04/05/11

PROCESSO N. 429/11 PROTOCOLO N.º 5.673.964-5 PARECER CEE/CEB N.º 291/11 APROVADO EM 04/05/11 PROTOCOLO N.º 5.673.964-5 PARECER CEE/CEB N.º 291/11 APROVADO EM 04/05/11 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADO: ESCOLA DE FORMAÇÃO EDUCACIONAL A DISTÂNCIA RESIDÊNCIA SAÚDE FORMAÇÃO TÉCNICA, ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL DE ABERTURA CPD Nº 075 CONCURSO PÚBLICO, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2015. A Fundação Universidade Federal de São

Leia mais

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência.

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência. PROEJA FIC/PRONATEC: RELATO DO DIAGNÓSTICO DO PERFIL SÓCIO- CULTURAL DO EDUCANDO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE DUAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE GOIÂNIA Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp.

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO ÁREA DO CONHECIMENTO Administração. Turismo. NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Projetos em Turismo. AMPARO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O Melhor de Macaé. Espera por você!

O Melhor de Macaé. Espera por você! O Melhor de Macaé Espera por você! O que você procura em um lugar para morar? Uma localização privilegiada? Uma planta generosa? Especificações primorosas? Um preço compatível? Financiamento? Uma construtora

Leia mais

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente Mapeamento da realidade municipal e regional sobre acessibilidade e inclusão CARTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimo Senhor Prefeito A FADERS Acessibilidade e Inclusão, órgão gestor e articulador da política

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIFAMMA União das Faculdades Metropolitanas de UF: PR Maringá Ltda. ASSUNTO: Recurso contra a decisão da Secretaria

Leia mais

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PORTO VELHO 2009 PROJETO DA RECOMPOSIÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA INTRODUÇÃO A avaliação

Leia mais

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ Elismara Zaias Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós Graduação em Educação-Mestrado

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ João Henrique Rodrigues Pimentel Prefeito Gilson Ubiratan Rocha Vice-Prefeito Sec. Mun. de Planejamento e Coord. Geral Procurador Geral do Município Secretário do Gabinete

Leia mais

RESOLUÇÃO SME N 08/2015

RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Prefeitura de São José do Rio Preto, 13 de Agosto de 2015. Ano XII n 3511 - DHOJE RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Dispõe sobre o processo de cadastramento de alunos, coleta de vagas, compatibilização demanda/vaga

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais