Ciclo 1. Ciclo 2. Clube de Oportunidades Formação continuada e encaminhamento para o mercado de trabalho de acordo com as oportunidades.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo 1. Ciclo 2. Clube de Oportunidades Formação continuada e encaminhamento para o mercado de trabalho de acordo com as oportunidades."

Transcrição

1

2

3 Seja bem-vindo! Ao estudar com empenho as seguintes páginas e aprender técnicas de jardinagem, você, como aluno, deverá também transformar sua atitude diante da vida, buscando apropriarse de noções e hábitos de ecologia e cidadania, tornando-se assim apto ao desempenho de um importante papel como profissional e cidadão em sua comunidade.

4

5 Idealizada pela Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário e pelo Instituto Camargo Corrêa em parceria com a Associação Obra do Berço e Itubanaiá, a iniciativa nasceu como parte das atividades do Viveiro Te Amo São Paulo. O objetivo é formar jovens com idade entre 16 e 24 anos, moradores dos bairros próximos, em educação ambiental e jardinagem. A aplicação da linha pedagógica é totalmente embasada nos preceitos da sustentabilidade, contribuindo para a inserção social e profissional desses jovens. O projeto é desenvolvido em ciclos de seis meses e são formadas quatro turmas por ano. Ciclo 1 Gestão pessoal e profissional: segundas, quartas e sextas, das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas. Núcleo Técnico em Jardinagem: terças e quintas, das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas. Visitas técnicas Ciclo 2 Clube de Oportunidades Formação continuada e encaminhamento para o mercado de trabalho de acordo com as oportunidades. Com sete mil metros quadrados de terreno, o viveiro faz parte de um projeto da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário de reurbanização do bairro Jardim Sul. É um espaço de utilização e demonstração de tecnologias sustentáveis, como reuso da água pluvial para irrigação das plantas do viveiro e aquecimento solar, além de tecnologias agrícolas, como hidroponia, compostagem e minhocário. O objetivo é desenvolver atividades relacionadas ao aspecto ambiental, produzindo mudas de plantas ornamentais, flores, forrações, árvores nativas, frutíferas e exóticas para utilização em programas de compensação ambiental, arborização urbana e formação de jovens em projetos socioambientais. O viveiro está também de portas abertas para a convivência e visitação da comunidade.

6 A Associação Obra do Berço foi fundada na década de 30 por Mère Amedée com o objetivo de confeccionar e distribuir enxovais a recém-nascidos carentes. Na década de 80, passou a atuar também com os Programas Clube de Mães, Clube Infantil e Ambulatório Odontológico. Nos anos 90, continuou a expandir seus programas ampliando a faixa etária dos atendidos, para contribuir, também, na qualificação de adolescentes e para sua inserção no mercado de trabalho. A Obra do Berço tem como missão promover ações educativas, culturais, sociais e de saúde para crianças, adolescentes e suas famílias, visando à formação de um ser humano participativo e consciente de seu papel como cidadão. Criado em dezembro de 2000, é o responsável pelo investimento social do Grupo Camargo Corrêa. Sua missão é promover o desenvolvimento comunitário sustentável, investindo em crianças, adolescentes e jovens. Para tanto, criou quatro programas: o Infância Ideal, cujo objetivo é contribuir para o desenvolvimento saudável de crianças de zero a seis anos; o Escola Ideal, que trabalha pela melhoria da qualidade de gestão da escola pública; o Futuro Ideal, voltado para o empreendedorismo juvenil e a geração de trabalho e renda; o Ideal Voluntário, que facilita a ação voluntária dos profissionais das empresas do grupo. O projeto Semeando Oportunidades é uma ação do Programa Futuro Ideal. Desde sua criação, em 1996, a empresa prima pela qualidade de seus imóveis e pela garantia de entrega no prazo, mantendo a tradição consolidada nos mais de 70 anos de existência do Grupo Camargo Corrêa. A CCDI é hoje uma das maiores companhias em incorporação de empreendimentos residenciais e comerciais de alta qualidade. Para garantir seu padrão de qualidade, os empreendimentos incorporados reúnem o que há de melhor em termos de projeto. Tudo é cuidadosamente pensado para oferecer imóveis amplos, confortáveis, seguros, valorizados e distintos. Idealizada e criada no ano de 2004, a empresa é voltada para o desenvolvimento de idéias e projetos paisagísticos e ambientais, tendo como tema principal a água e as práticas sustentáveis de tecnologias agrícolas de vanguarda que abraçam a causa. A Itubanaiá atua não apenas na elaboração de seus projetos ambientais, mas também na formação do ser humano, entendendo que o homem é mais um componente da natureza, devendo interagir no ecossistema.

7 ÍNDICE: 1 O profissional e o jardim 9 2 Ferramentas 11 3 Manutenção de máquinas e equipamentos 15 4 As plantas e as suas necessidades básicas 17 5 Tipo de solo 23 6 Calagem 27 7 Adubação 30 8 Compostagem 40 9 Vermicompostagem Horticultura e produção de mudas a céu aberto e em cultivo protegido Plantio de forrações de sol Plantio de forrações de sol e sombra Plantio de árvores e arbustos Manutenção de forrações Manutenção de gramados Manutenção de árvores e arbustos Poda de árvores e arbustos Transplante Plantio e manutenção de vasos em cultivo protegido Controle de pragas e doenças Leitura de desenhos, mapas e projetos paisagísticos 95

8

9 MÓDULO O PROFISSIONAL E O JARDIM 1 1. O jardineiro e suas funções 2. Comportamentos profissionais 3. Atuações esperadas 4. Respeito, assiduidade e capricho 5. O jardim 1 O jardineiro e suas funções Jardineiro é o trabalhador que cuida do jardim, de alguns locais próximos (horta, piscina, calçada), além de fazer a zeladoria externa de uma casa. Muitas vezes, o jardineiro também faz o trabalho de encanador, eletricista e pedreiro. É comum o responsável pelo jardim consertar um cano quebrado (encanador), desligar a energia quando se percebe um curto circuito (eletricista), ou assentar uma pedra do piso que saiu do lugar, evitando alguns acidentes (pedreiro), entre outras atividades. O jardineiro faz seus serviços sempre com calma, asseio e de forma organizada; está pronto a intervir e ajudar em outros serviços, quando necessário. O bom profissional, além de cuidar das plantas, zela pelo bem-estar das pessoas que habitam a casa, bem como dos animais de criação que vivem no jardim. 2 Comportamento profissional O bom jardineiro é aquele que é um profissional que age como pessoa especializada em cuidar das plantas e à zelar por pessoas e por tudo que está próximo. Existem duas condições que fazem o profissional do jardim, a primeira, é cuidar das coisas, como se fossem suas plantas materiais, pessoas familiares; e a segunda é sempre ser observador, observar as necessidades das plantas e das pessoas. 3 Atuações esperadas Geralmente, o trabalho do jardineiro é feito com a presença dos moradores da residência; por essa razão, precisa ser discreto, causando o mínimo ruído possível. Por exemplo, quando alguém estiver na piscina, é recomendável que o jardineiro trabalhe do outro lado da casa; quando alguém estiver dormindo, o profissional jamais deve cortar a grama ou fazer outros tipos de ruído. 4 Respeito, assiduidade e capricho. O jardineiro trabalha com o que é bonito, limpo, organizado, portanto, é obrigação desse profissional manter ferramentas e local de trabalho sempre limpos e organizados. O jardineiro deve ainda colaborar com as pessoas para o bom andamento dos serviços, evitando envolver-se 9

10 em problemas alheios e fofocas. O zelo com as ferramentas deve ser constante. É comum, por exemplo, deixar a enxada no chão com o corte virado para cima durante o trabalho, o que pode causar um acidente do qual tanto o jardineiro quanto outras pessoas podem ser vítimas, principalmente crianças. Com o tempo, o profissional torna-se conhecido na vizinhança e surgem ofertas para fazer outros serviços, os chamados bicos. Aos poucos, os bicos podem aumentar, mas o trabalho principal (jardim) não pode ser abandonado. No inicio, ninguém nota, mas com o passar das semanas, o jardim vai-se deteriorando, o que pode ocasionar o desligamento (demissão) do profissional. Além de cuidar do jardim, outras atividades estão ligadas ao trabalho do jardineiro: limpeza de calhas, caixa d água, canil e calçadas, manutenção de horta e piscina, inspeção do sistema de drenagem, entre outras. 5 O jardim No jardim urbano, que compreende o espaço de praças e parques, o jardineiro deve, além das tarefas que lhe são próprias, agir como guardião do local, orientando as pessoas. As áreas trabalhadas serão grandes e certamente haverá outros jardineiros. Assim, o trabalho em equipe é essencial. Não pode faltar companheirismo, amizade e solidariedade. No jardim rural, em chácaras, sítios e fazendas, o jardineiro deverá observar que, além de as áreas serem maiores, alguns cuidados na preservação das criações e plantações devem ser seguidos. Imagine se você for fazer um jardim e encontrar um formigueiro de saúvas próximo do local. Você então pega um pacote de formicida granulado e coloca no carreiro (caminho) das formigas. Só que aquela vaca campeã de produção de leite na fazenda acha o formicida e come. Com certeza, a vaca irá morrer. Se não morrer, o leite do animal será contaminado. Esse foi um exemplo, mas vários problemas podem ser evitados tomando-se cuidados simples, como, por exemplo, com o uso e a armazenagem de objetos de seu uso no trabalho. O segredo para que o jardineiro execute suas tarefas sem causar transtornos, prejuízos ou acidentes é observar, pensar e planejar. 10

11 MÓDULO FERRAMENTAS 2 1. Tipos de ferramenta 7. Usos adequados e 2. Ferramentas de uso múltiplo profissional inadequados 3. Encabamento 4. Afiação 5. Manutenção 6. Ergonometria 1 Tipos de ferramenta As ferramentas do jardim são classificas em três tipos: de impacto, de corte e de precisão. O que muda de um tipo para o outro é a forma como o equipamento é usado e os cuidados necessários para cada um. Existem algumas ferramentas e materiais que não se enquadram nessa classificação, mas que são muito úteis, como pulverizadores, equipamentos de proteção individual, garfo, gadanho, trena, caixa, copos para medida, balança e sacos vazios. A) FERRAMENTAS DE IMPACTO Precisam de força e, principalmente, velocidade no seu uso. Por exemplo, ao usarmos um enxadão, devemos levantá-lo até a altura dos olhos; quando ele desce, devemos aplicar um pouco mais de força para que a sua velocidade aumente. O que faz com que ele penetre na terra é a velocidade da queda e não a força. São ferramentas desse tipo: enxadão, chibanca, picareta, machado e pá curva. B) FERRAMENTAS DE CORTE Precisam estar sempre afiadas e com o corte impecável, já que o seu uso não exige força. São ferramentas desse tipo: enxada, pá reta (vanga), facão, tesoura de grama, tesoura corta-galhos, serrote, aparador de cerca viva, cortador de grama, sacho, enxadinha e motosserra. C) FERRAMENTAS DE PRECISÃO Em sua maioria, imitam o trabalho da mão do homem. Também têm o corte impecável. São ferramentas desse tipo: canivete, tesoura de poda, serrote curto (trapezoidal), plantador, espaçador, rastelo, firmino, vassoura (esses últimos sem corte). Seu uso não necessita de força. 2 Ferramentas de uso múltiplo É muito comum encontrar jardineiros que usam apenas uma enxada, um facão e uma vassoura para o seu trabalho o que é errado. Ao cavoucar a terra com a enxada, além de forçar a ferramenta, o rendimento do trabalho cai, e a coluna do profissional é forçada, causando dores nas costas ao final do dia. Cavar com a enxada também não é bom para o jardim, porque a enxada não penetra muito fundo na terra. Quando você corta um galho com o facão, quase sempre o galho se racha, e a cicatrização daquela ferida é difícil e lenta, o que pode trazer doenças para a planta. Se o facão foi usado para cortar terra, é ainda pior, porque ela pode trazer doenças para o galho. Além disso, cortar a terra com o facão danifica o seu corte. O bom jardineiro é aquele que tem um conjunto de ferramentas e as utiliza de maneira adequada, sem improvisar. 11

12 3 Encabamento A maioria das ferramentas tem cabo de madeira. Ao encabarmos uma ferramenta, devemos atentar para três questões. A) TAMANHO DO CABO Cada ferramenta tem um cabo próprio, pois o seu tamanho interfere no rendimento do serviço e pode ocasionar dor nas costas. O cabo deve ser medido de acordo com a altura da pessoa que vai usar a ferramenta. Para isso, usamos o seguinte método: Enxada: o cabo estará na altura ideal, se ele tocar o queixo da pessoa que vai usá-la. Se for maior, será muito pesado. Se for menor, a pessoa ficará arcada durante o trabalho, causando prejuízos à coluna. Enxadão: o comprimento ideal do cabo é a distância entre o chão e o umbigo do jardineiro. Vanga: o comprimento ideal é a distância entre o chão e o peito do jardineiro. B) CUNHA Para fixar o cabo na ferramenta, ele deverá ser rachado (fendido), e devemos bater vigorasamente com uma cunha de madeira. Nunca usar pedras, pregos e metais, pois eles saem com o tempo. A cunha deve ser feita de madeira bem dura, para que não rache facilmente. O ideal é que seja ipê (piúva). Nunca encabar uma ferramenta com o cabo úmido ou ainda verde, pois em poucos dias sairá do cabo. C) ÂNGULO Todos já ouviram falar em enxada de pé ou deitada. Isso se refere ao ângulo que a lâmina forma com o cabo. Enxada deitada corre pela superfície da terra, enquanto enxada de pé afunda na terra. Já o enxadão deve ser sempre encabado de pé, pois deitado não funciona. Conseguimos mudar a posição da enxada fazendo cavas na parte de cima do cabo (frente) e na parte debaixo (atrás) da lâmina. Quanto mais cavamos, mais deitada ficará a enxada. 4 Afiação O rendimento no uso de uma ferramenta depende do seu corte. É preciso tomar alguns cuidados na hora de afiar (amolar) uma ferramenta de corte e precisão. A) MATERIAL USADO Podemos usar para afiar, pedras de amolar, limas e esmeril, quando o corte é muito preciso, muito fino ou a ferramenta delicada, usamos a pedra, quando o corte é grosso, usamos o esmeril lembrar que o esmeril, desbasta (desgasta) muito a lâmina e devemos usá-lo sempre junto com água, para molhar ligeiramente lâmina, pois o esmerilhar produz calor que tira a temperatura (a dureza) do metal. B) LADO A SER AFIADO Com exceção do machado e dos serrotes, que são afiados dos dois lados, todas as outras ferramentas são afiadas somente de um lado. No outro lado, acerta-se 12

13 o corte. Algumas ferramentas apontam qual lado deve ser afiado, como em tesouras, foices e canivetes. Afiar significa diminuir a espessura das lâminas (afinar o corte). Em um canivete, por exemplo, há um vazado para indicar o lado que deve ser afiado. Depois de afiar um lado e acertar o corte do outro, devemos quebrar o fio, passando a pedra de afiar ou a lima várias vezes, dos dois lados, como faz o açougueiro com a faca e o fuzil. Fuzil é um tipo de lima redonda, com dentes bem finos. No caso da vanga e de outras ferramentas, para saber qual lado devemos afiar, basta simular que estamos trabalhando. O lado que olhamos é o que deve ser afiado, e o outro é o lado em que o corte deve ser acertado. Quase sempre, o lado a ser afiado é aquele que fica para cima (com exceção de enxadas e enxadões). Nas tesouras de poda, apenas a lâmina cortante é afiada. C) CUIDADOS Muitos acidentes de jardim acontecem no momento de afiação das ferramentas. Algumas vezes, por descuido, no correr de pedras e limas. Outras, por pedaços de pedra ou de metal lançados pelo esmeril contra os olhos, quando não se usam óculos de proteção. Há também o estilhaçamento da lima, que ocorre quando se põe muita força no seu manuseio. A lima não se quebra, pois é feita de um material muito duro, mas se estilhaça, e os pedaços podem atingir o rosto do jardineiro. 5 Manutenção As lâminas das ferramentas são de metal, e os cabos são de madeira. Seu principal inimigo é a chuva (umidade), mas os adubos também enferrujam os metais. Por isso, é preciso sempre guardar as ferramentas em local protegido; antes, elas devem ser lavadas, eliminando-se a terra ou outro material. Deve-se também aplicar uma camada de óleo lubrificante ao guardá-las. Não havendo óleo, pode-se esfregar tronco de bananeiras ou helicônias nas partes metálicas, pois impedem que enferrujem. Nunca guardar máquinas ou ferramentas junto com adubos químicos ou orgânicos. 6 Ergonometria Os cuidados de afiação, manutenção e encabamento das ferramentas proporcionam maior conforto ao jardineiro durante seu trabalho. Os tamanhos dos cabos proporcionam a postura correta, e a afiação adequada favorece para que haja menor tensionamento dos músculos. Esse conforto reflete-se no final do dia e na saúde ao longo dos anos. O uso inadequado das ferramentas compromete a postura do físico do jardineiro. Por exemplo, quem é destro (trabalha com a mão direita) não pode usar tesoura de poda feita para canhotos. O contrário também é válido, pois, se um destro usar uma tesoura canhota, em pouco 13

14 tempo seus tendões e ligamentos da mão irão inflamar, causando dor. 7 Usos adequados e inadequados O que não se pode fazer com as ferramentas: Nunca cavar terra com enxada ou rastelo (ancinho). Nunca capinar com enxadão. Tesoura de poda não é alicate; portanto, não deve ser usada para cortar arame. Não use cabos curtos nas ferramentas, acreditando que assim serão mais leves e você trabalhará menos. Toda ferramenta deve ser bem afiada. Ao usar tesoura de poda, não fazer esforço para os lados. Facão é ferramenta que deve ser pouco usada no jardim. A vanga faz serviço superior ao enxadão e à chibanca. A pedra de afiar faz melhor serviço do que a lima. A lima faz um serviço melhor que o esmeril. Nunca abandonar as ferramentas em pé ou com o corte virado para cima. Nunca cortar raízes sujas de terra com tesouras ou serrotes. Todo jardineiro deve vacinar-se contra tétano. 14

15 MÓDULO MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 3 1. Pulverizadores 2. Roçadeiras 3. Microtrator 1 Pulverizadores São equipamentos constituídos de tanque, pistão, gatilho/regismo, mangueiras e bicos. Tanques e mangueiras não podem ter furos, e o gatilho deve estancar totalmente o fluxo de produto. Mais cuidados devem ser dados a bicos e pistão. Este último tem como manutenção apenas a lubrificação dos reparos de borracha ou nylon. Para essa lubrificação, deve-se usar graxa ou vaselina, lubrificando-se todo o embolo na parte interna e cuidando para retirar o excesso que pode entupir filtros e bicos. A lubrificação deve ocorrer a cada 40 horas de uso. Mesmo fazendo periodicamenthe a lubrificação, com o uso os reparos se desgastam, e o pulverizador perde a eficiência, fazendo com que o trabalho seja prejudicado. Por isso, a cada lubrificação, deve ser feito o teste para verificar se os reparos funcionam bem. Basta colocar um pouco de água no tanque, manter o registro/gatilho fechado e bombar, dando pressão pouco maior que a de trabalho. Na última bombada, a haste de bombeamento deve ficar no alto. Aguarde um minuto e observe se a haste se movimentou para baixo. Se isso ocorrer, os reparos devem ser trocados. Os bicos devem estar sempre limpos, e a limpeza deve ser feita com água. Nunca devemos assoprálos com a boca ou enfiar arames ou outro material de ponta para limpá-los. Eles devem ser trocados a cada 200 horas de uso e também ser bem apertados. Quando abertos, eles produzem gotas maiores que são mandadas mais longe. O bico aberto pode ser usado esporadicamente para uso em locais mais altos, mas o jato é irregular. Para aplicação de inseticidas e fungicidas, devem-se usar bicos que produzem jatos circulares. Já para os herbicidas, bicos que produzem jatos retos. O pulverizador deve ser constantemente lavado e após cada pulverização, abastecido com um pouco de água (2 litros) e agitado. Essa calda deve ser repulverizada nas plantas trabalhadas, e esse procedimento deve ser repetido mais duas vezes. Se, depois disso, houver necessidade de mais limpeza, é necessária uma segunda etapa, colocando-se algumas gotas de detergente. Essa água deve ser descartada. Nunca usar cloro ou produtos químicos dessa base, pois ressecam os reparos. 15

16 2 Roçadeiras As roçadeiras podem ser costais/laterais, de carrinho e movidas a energia elétrica ou gasolina. - Costais/laterais elétricas Não exigem muita manutenção; basicamente, sua conservação consiste na afiação das lâminas, acoplamento perfeito, travamento dos plugues elétricos e lubrificação do rolamento do cotovelo da haste. - Costais/laterais a gasolina: podem ser de dois tempos ou quatro tempos. A diferença é que as máquinas de dois tempos usam óleo misturado a gasolina, e as de quatro tempos têm tanque de óleo. Ambas têm vantagens e desvantagens. 2 tempos 4 tempos gastam mais combustível precisa-se adicionar óleo à gasolina mais potente mais resistentes de maior manutenção gastam pouco combustível não necessita óleo na gasolina menos potentes menos resistentes de menor manutenção A manutenção básica dos dois tipos consiste na lubrificação do cotovelo da haste, afiação da lâmina, limpeza de filtros de ar, limpeza do carburador e manutenção de velas. Essas máquinas, principalmente as de dois tempos, são motivos de preocupação para o jardineiro, pois, quando param, demoram horas para voltar a funcionar. Alguns cuidados são necessários para o bom funcionamento da máquina no dia seguinte. Usar a quantidade correta de mistura óleo/gasolina; para modelos 2T (dois tempos), usar sempre o medidor. Misturas abaixo do recomendado diminuem a vida da máquina, e misturas acima do recomendado causam muita fumaça e encharcamento da vela. Usar gasolina de boa qualidade, não aditivada, com pouco álcool e pouca água. Após o uso, esperar a máquina esfriar, retirar o combustível do tanque e fazer o motor funcionar, até acabar o combustível. Para isso, deve-se dar a partida novamente, até queimar toda a gasolina. Trocar velas de acordo com a recomendação do fabricante. Queimar velas, lixar e deixar no suco de limão são medidas paliativas. 16

17 - De carrinho elétrica: sua manutenção consiste em manter em perfeito estado plugues elétricos e lâmina afiada. No processo de afiação, é recomendada a retirada da lâmina do corpo da máquina, porque isso evita acidentes. Na recolocação, certifique-se de que a lâmina foi montada no sentido correto e que os parafusos de fixação foram bem apertados. - De carrinho a gasolina: pode também ser de 2T e 4T. Sua manutenção e cuidados são parecidos com as máquinas costais/laterais movidas a gasolina e não necessita de lubrificação do rolamento da haste. Cuidar para não trabalhar em locais muito inclinados quando trabalhar com motor 4T, pois sua lubrificação nessas condições é deficiente. 3 Microtrator Tem todas as necessidades de manutenção das máquinas de carrinho a gasolina, somados à lubrificação de partes móveis (eixos, hastes) e ao abastecimento de água no radiador. A operação exige mais cuidados de segurança do operador e de terceiros. MÓDULO AS PLANTAS E AS SUAS NECESSIDADES BÁSICAS 4 1. Solo 2. Água 3. Luz 4. Nutrientes 5. Reconhecimento visual das carências Você já parou para pensar de que é feita uma planta? É simples: quase tudo é água.e sais minerais. Tanto que, se queimarmos uma planta, a cinza que sobra é salgada, porque ali estão os sais minerais. E de onde vêm esses sais minerais? Geralmente da terra, mas a planta os tira também do ar e dos gases que nele se encontram. Tudo o que a planta come é misturado em seu organismo. A luz solar funciona como uma cola que fixa os nutrientes em seu organismo, produzindo o que os cientistas chamam de açúcar. Esse modo de juntar água, ar, sais minerais com luz e produzir açúcar é chamado de fotossíntese. Você deve estar perguntando: O que a planta come? Lá vai: Das maiores para as menores quantidades: água (H2O), Gás Carbônico (CO2), Nitrogênio(N), Fósforo(P), Potássio(K), Cálcio (Ca), Magnésio (Mg), Enxofre(S), Ferro (Fe), Manganês (Mn), Cobre (Cu), Zinco (Zn), Boro (B), Molibdênio (Mo), Cloro (Cl),, (Co). Note que, após cada nome, há um símbolo. Como jardineiro, você deverá conhecer essas e outras letrinhas, pois os adubos são vendidos usando essas referências. Um dia, você já ouviu falar num adubo N P K , mas não sabia o que era. É simples: significa que o adubo tinha, para cada 100 gramas dele, 4 gramas de nitrogênio, 14 gramas de fósforo e 8 gramas de potássio. 17

18 Flor de Victoria Amazônica Primeiro dia da Antese Flor de Victoria Amazônica Segundo dia da Antese 1 Solo Um boa terra é aquela que permite às raízes das plantas penetrarem facilmente, que o excesso de água vá para baixo, que o ar passe e ainda que segure uma parte para a planta. Você já se perguntou por que, quando vamos fazer um plantio, cavamos (revolvemos) a terra? Fazemos isso para deixá-la solta, fofa, cheia de poros, pois é nesses poros que os sais minerais (adubos) ficarão; é por esses poros que a água e o ar circulam; é por esses poros que as raízes crescem. 18

19 Bem, voltando ao corpo da planta, é importante então saber que todos ou quase todos os sais minerais que o formam vêm do solo; assim, precisamos conhecer um pouco sobre o solo, sobre a água e sobre a luz. Se você olhar de frente para o barranco, verá que, conforme vai crescendo em profundidade, a terra vai ficando mais clara, mais arenosa e mais pobre, havendo diminuição do número de raízes; em contrapartida, é mais úmida. Lembre-se de que, em função dessa forma do solo, as raízes das plantas superficiais são responsáveis por retirar os sais minerais (adubo) da terra, e as raízes mais fundas respondem por absorver água e pela fixação da planta na terra. 2 Água As plantas têm no seu corpo 60% (troncos) a 95% de água (frutos e folhas novas). Por exemplo, para produzir 1 kg de folhas de grama secas, o gramado gasta 600 litros de água. Para um caule de Helicônia florescer após um ano, ela precisa gastar 400 litros de água; para produzir um pé de alface, precisamos de 700 litros de água. Daí a importância da água. Ela auxilia: Na turgescência Faz com que a planta fique firme, traz sustentação, flexibilidade e resistência contra a quebra. Nos trabalhos da planta É responsável por transportar os sais minerais no solo e dentro da planta, além de participar nas transformações. No armazenamento A água é o depósito de sais minerais e açúcares. Transpiração É a água que regula a temperatura da planta, e isso permite que a planta fique exposta ao sol sem se queimar. É a terra que, juntamente com as chuvas e as regas, controla 19

20 a quantidade de água que vai para as plantas; então, devemos saber que algumas condições da terra facilitam ou aumentam a água disponível. São elas: A) PRESENÇA DE ARGILA Quanto mais argilosa (vermelha), mais a terra segura a água, tornando mais difícil trabalhá-la. B) POROSIDADE Quanto mais porosa e mais fofa a terra, mais água ela segura. C) MATÉRIA ORGÂNICA Quanto mais esterco, húmus e substrato, mais água a terra segura. Cada tipo (espécie) de planta possui uma necessidade de água, e é difícil definir qual é a quantidade exata para cada planta. De forma geral, as plantas de sol exigem menos água do que as de sombra; plantas de folhas compridas são menos exigentes que as de folhas redondas; plantas com folhas com pelos ou espinhos são menos exigentes que as de folhas lisas, plantas de folhas pequenas exigem menos água que as de folhas grandes; plantas de folhas carnosas têm menores exigências de água do que as de folhas pouco espessas. É importante ainda saber que, em duas fases da vida da planta, não pode faltar água: na germinação e no florescimento. É difícil dizer quanto de água devemos dar às plantas, mas podemos fazer um exercício. Em São Paulo, chove no ano 1200 milímetros (mm); isso quer dizer 1200 litros de água para cada metro quadrado no ano. Se fizermos: 1200 l / 365 dias = 3,28 litros por dia Vemos que todos usam aproximadamente de três a quatro litros de água por metro quadrado. A questão é saber de quanto em quanto tempo. Nunca devemos esperar pelos sinais que as plantas nos dão, tais como: murchamento, enrolamento das folhas, encarquilhamento (diminuição do tamanho) e mudanças de cor (cor mais clara ou azulada) para iniciar a irrigação. Um método é usar as plantas marcadoras e observá-las, pois elas sempre sentem a falta de água primeiro. São elas: Maria-sem-vergonha, fazendeiro (picão branco), picão preto, caruru. 20

21 3 Luz Cada planta requer uma quantidade de luz e não existe planta que viva sem luz; então, é quase impossível uma planta viver dentro de casa. Saiba que dá pra contar nos dedos as plantas que vivem muito tempo dentro de casa, sem luz. Para fabricar os açúcares, as plantas necessitam de luz, lembra-se? CO2 + H2O (Luz) C6H12O6 + O2 Gás carbônico + água, em presença de luz = açúcar + oxigênio. Podemos separar as plantas em três grupos, conforme a necessidade de luz: A) PLANTAS DE SOL Aquelas que precisam de no mínimo seis horas de luz por dia. B) PLANTAS DE MEIA SOMBRA Aquelas que toleram apenas o sol da manhã. C) PLANTAS DE SOMBRA Não toleram luz direta; não gostam, mas precisam de claridade. Lembre-se de que, quando for plantar qualquer planta, estas têm suas preferências por sol ou por sombra. Quando o jardim tem um projeto, cada planta tem seu lugar determinado, segundo a necessidade de luminosidade. De forma geral, plantas de folhas fixas e com flores coloridas são de pleno sol; plantas de folhas grossas, grandes ou folhas coloridas são de sombra. Devemos preocupar-nos com a luz que a planta receberá não só na hora de plantar, mas também na condução (manejo) do jardim. É importante pensarmos nisso. Se você podar uma árvore frondosa e embaixo dela existirem plantas rasteiras (forrações), qual deveria ser a atitude correta? O certo seria, antes de realizar a poda, retirar a forração; depois que a árvore brotasse novamente, fazer o replantio da forração. 4 Nutrientes Assim como nós, a planta alimenta-se de diversos nutrientes. Nós comemos arroz (carboidrato = energia), carne (proteínas= reguladoras do funcionamento), batata (amido = reserva) etc. Já a planta come sais de Nitrogênio (N), Fósforo (P), Potássio (K), Cálcio (Ca), Magnésio (Mg), Enxofre (S), Ferro (Fe), Boro (B), entre outros. São, ao todo, dezoito itens; cada um tem uma função na planta: Nitrogênio: forma toda a parte verde da planta e as proteínas. Fósforo: responsável pelo crescimento das raízes, pela floração e frutificação. Potássio: proporciona resistência ao frio, à seca, ao ataque de pragas e doenças, ao quebramento etc. Cálcio e Magnésio: responsáveis também por proporcionar resistência e pelo melhor aproveitamento da alimentação da planta. Enxofre: responsável pelo crescimento da parte verde das plantas. 21

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC ANEXO IV MEMORIAL DE MANUTENÇÃO PAISAGISMO HOTEL SESC MEMORIAL DE MANUTENÇÃO DE JARDIM HOTEL

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K JARDINAGEM ADUBAÇÃO com N-P-K 10.10.10 Para plantas equilibradas; 4.14.8 Para plantas com flor ou frutos; 8.8.8 Plantas pouco exigentes; 20.20.20 Para plantas de grande porte. Devemos adubar em períodos

Leia mais

manual de jardinagem www.biomix.com.br 11 4617 3001

manual de jardinagem www.biomix.com.br 11 4617 3001 Todos os direitos reservados - 2.005 TERRAVIVA Ind. e Com. de Insumos Orgânicos Ltda. Est. do Embu, 3.500 - Cotia - SP - 06713-100 Distribuição gratuíta O material desse manual pode ser copiado sem prévia

Leia mais

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma:

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: O quê Objetivos Onde Analisa o solo da tua região Como se formam e são constituídos os solos Compreender como se formam os

Leia mais

Manual de Instruções DUAL ACTION 0800-6458300 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION 11/07 297-05/00 072469 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO

Manual de Instruções DUAL ACTION 0800-6458300 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION 11/07 297-05/00 072469 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO 11/07 297-05/00 072469 REV.1 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO DUAL ACTION ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800-6458300 Manual de Instruções Cortes curtos 1.Usando o pente de 12 mm (05)

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

f a z e r e revolucionar sua alimentação

f a z e r e revolucionar sua alimentação C o m o f a z e r sua horta em casa e revolucionar sua alimentação MANUAL PRÁTICO POR QUE TER UMA HORTA EM CASA? Sabe-se que a alimentação funciona como um combustível, e o organismo responde de acordo

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

MEPES- MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PROMOCIONAL DO ESPÍRITO SANTO EFA- ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE CASTELO

MEPES- MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PROMOCIONAL DO ESPÍRITO SANTO EFA- ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE CASTELO MEPES- MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO PROMOCIONAL DO ESPÍRITO SANTO EFA- ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE CASTELO CURSO: Técnico em agropecuária DISCIPLINA: Planejamento e projeto ORIENTADOR: Sílvio Carlos das Chagas

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Data: / /15

Nome: Nº: Turma: Data: / /15 Ciências 7º ano do Ensino Fundamental Material de apoio Solos, ph e Sucessão Ecológica Professor: Mateus Rodrigues Silva Nome: Nº: Turma: Data: / /15 Leia o texto. O PH DO XAMPU E A QUÍMICA DO CABELO Líria

Leia mais

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA MANUAL DA PRÁTICA DA COMPOSTAGEM DOMÉSTICA Maria Inês de Sousa Carmo i Índice 1. Introdução... 2 2. O que é a Compostagem?... 3 2.1. Porquê fazer a compostagem?... 3 2.2. Quais as suas vantagens?... 4

Leia mais

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Eng. Agr. Denilson Luís Pelloso Coord. Irrigação Agrofito LTDA Eng. Agr. Bruno Alves Dep. Agronômico Netafim - Brasil 03/09/08 Temas Conceitos básicos

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores:

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: A consciência ecológica levanta-nos um problema de profundidade e vastidão extraordinárias. Temos que defrontar ao mesmo tempo o problema da Vida na Terra,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Aula 1- Organização e limpeza das casas de vegetação - divisão dos grupos. ATENÇÃO: OS ALUNOS DEVERÃO ESTAR

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS

MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS 12 anos Terraviva Indústria e Comércio de Insumos Orgânicos Ltda Estrada do Embu, 3.500-06713-100 - Cotia - SP - 4702 2137 DIRETORIA COMERCIAL Carlos Torres

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Parabéns, você acabou de adquirir a Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa! Um produto ideal para você cuidar da sua saúde e do seu corpo

Leia mais

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014

SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 SÃO PAULO, 01 DE ABRIL DE 2014 CONTROLAR VAI COBRAR R$ 250 MILHÕES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Empresa que fazia a inspeção veicular em São Paulo, a Controlar foi extinta no final de janeiro. Seus sócios

Leia mais

Pequeno manual da prática de afiação de lâminas. Marcos Soares Ramos Cabete

Pequeno manual da prática de afiação de lâminas. Marcos Soares Ramos Cabete Pequeno manual da prática de afiação de lâminas. Marcos Soares Ramos Cabete Introdução. Afiar uma lâmina pode ser um ato simples que muitas pessoas fazem na beirada da pia ou uma arte complexa que requer

Leia mais

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar Reciclagem 40 - A Fossa Alterna 105 40 A Fossa Alterna A fossa alterna é um sistema de instalação sanitária simples especificamente construído para produzir fertilizante valioso para jardins e terrenos.

Leia mais

OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG.

OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG. MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG. DIRECT-DRIVE MANUAL DE INSTRUÇÕES Para obter o máximo das muitas funções desta máquina e operá-la com segurança,

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Lava-Jato de Alta Pressão

Lava-Jato de Alta Pressão Lava-Jato de Alta Pressão Manual de operação LT 18/20M LT 8.7/19M LT 8.7/18M LT 8.7/16M Aviso: Este manual deve ser lido antes de manusear o equipamento. Este manual é considerado uma parte importante

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS ÍNDICE 03 07 12 16 A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e orgânicos O que é a compostagem? O que é a vermicompostagem?

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto)

ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto) ADUBOS ORGÂNICOS (adubação verde, esterco, compostagem e vermicomposto) Professor: Nailton Rodrigues de Castro Disciplina: Agroecologia nailtoncastro@agronomo.eng.br Adubação Orgânica O Os efeitos da adição

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA

ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA ANEXO 11-PRODUÇÃO DE HÚMUS DE MINHOCA NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Minhocultura Como produzir húmus de minhoca Método e sistema de criação INTRODUÇÃO A criação de minhocas é uma das melhores opções para o

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Precauções MANUAL OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 - O processador de alimentos deve ser manipulado

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA

ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA INTRODUÇÃO A Churrasqueira Elétrica ML-6622 NKS Milano é um produto de alta tecnologia e qualidade. Para melhor entender todas as funções deste aparelho, e utilizá-lo com

Leia mais

www.zoje.com.br Manual ZJ8700 Montagem e Operacional

www.zoje.com.br Manual ZJ8700 Montagem e Operacional Manual ZJ8700 Montagem e Operacional MANUAL DE INSTRUÇÕES Para obter o máximo das muitas funções desta máquina e operá-la com segurança, é necessário usá-la corretamente. Leia este Manual de Instruções

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00009/2012 (SRP)

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00009/2012 (SRP) 1 de 80 20/08/2012 15:50 Pregão Eletrônico 158459.92012.64842.4466.2443569792.881 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM

O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM O SEU GUIA DA COMPOSTAGEM Ficha Técnica Título Projecto Compostagem no Seixal O Seu Guia da Compostagem Concepção Gráfica e Revisão Sector de Apoio Gráfico e Edições Edição Câmara

Leia mais

ESGUICHO LUXO P/ MANGUEIRA. 2003 Tam. 7/6 ou 1/2 01/20 IRRIGADOR GIRATÓRIO BASE ESPIGA. 3902 Base espiga 01/06 PULVERIZADOR FLOWERS

ESGUICHO LUXO P/ MANGUEIRA. 2003 Tam. 7/6 ou 1/2 01/20 IRRIGADOR GIRATÓRIO BASE ESPIGA. 3902 Base espiga 01/06 PULVERIZADOR FLOWERS 56 Jardim ESGUICHO DE ALUMÍNIO P/ MANGUEIRA ESGUICHO LUXO P/ MANGUEIRA CONJUNTO ESGUICHO 5 PÇS 4418 Encartelado 2003 Tam. 7/6 ou 1/2 01/20 3895 Encartelado ESGUICHO JET GARDEN ESPIGA IRRIGADOR GIRATÓRIO

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

SALITRE POTÁSSICO DO CHILE É UM FERTILIZANTE ESPECIAL. O SALITRE POTÁSSICO, é um composto natural formado pelos Nitratos de Sódio e Potássico.

SALITRE POTÁSSICO DO CHILE É UM FERTILIZANTE ESPECIAL. O SALITRE POTÁSSICO, é um composto natural formado pelos Nitratos de Sódio e Potássico. O SALITRE DO CHILE O Salitre do Chile é um adubo nitrogenado criado pela sábia natureza. Extraído no deserto do Atacama, ao norte do Chile, o Salitre Potássico é distribuído em todo o mundo e reconhecido

Leia mais

Capítulo 1. Cuidados básicos com as plantas

Capítulo 1. Cuidados básicos com as plantas Curso de Jardinagem Índice Capítulo 1... 3 Capítulo 2... 7 Capítulo 3... 10 Capítulo 4... 14 Capítulo 5... 17 Capítulo 6... 20 Capítulo 7... 23 Capítulo 8... 27 Capítulo 9... 30 Estações do ano e o Jardim...

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais.

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. RESPOSTA TÉCNICA CR 858 Título Manejo de urucum (Bixa orellana L.) no estado de Minas Gerais. Palavras-chave Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. Atividade

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS Ao falar de prevenção de acidentes domésticos fazemos um diferencial quanto aos acidentes no lar. Aqui vamos falar de acidentes que ocorrem ao realizar trabalhos domésticos

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais