Ficha Técnica de Fiscalização. Restauração e Bebidas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha Técnica de Fiscalização. Restauração e Bebidas"

Transcrição

1 Legislação aplicável: Licenciamento: o Decreto-Lei n.º 168/97 de 04 de Julho, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 57/2002 de 11 de Março, que aprova o regime jurídico da instalação e funcionamento dos estabelecimentos de restauração e bebidas; o Portaria n.º 930/98 de 24 de Outubro, que aprova o modelo de alvará de licença de utilização para serviços de restauração e bebidas; o Decreto Regulamentar n.º 38/97 de 25 de Setembro, republicado pelo Decreto Regulamentar n.º4/99 de 01 de Abril, relativo às características gerais de cada tipo de estabelecimento e das respectivas categorias, bem como os conceitos e os princípios gerais a que devem obedecer a sua instalação e funcionamento; o Decreto-Lei n.º 38:382 de 7 de Agosto de 1951, relativo ao regulamento geral das edificações urbanas; o Decreto-Lei nº 243/86 de 20 de Agosto, que aprova o regulamento geral da higiene e segurança do trabalho dos estabelecimentos comerciais; Condições técnico-funcionais e HACCP: o Regulamento (CE) nº 852/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril relativo à higiene dos géneros alimentícios; o Portaria n.º 149/88 de 09 de Março, relativa às regras de asseio e higiene a observar pelas pessoas que, na sua actividade profissional, entram em contacto com alimentos; o Portaria nº329/75 de 28 de Maio, relativa às medidas de higiene respeitantes ao consumo de produtos alimentares; o Decreto-Lei nº243/2001, de 5 de Setembro, que regula a qualidade da água destinada ao consumo humano; o Portaria nº1135/95 de 15 de Setembro; que estabelece as regras a observar na utilização das gorduras e óleos na preparação e fabrico de géneros alimentícios; o Portaria nº24/2005 de 11 de Janeiro, relativa às regras relativas à utilização do azeite como tempero de prato nos estabelecimentos de hotelaria, de restauração e de restauração e bebidas; 1 de 30

2 Rastreabilidade: o Decreto-Lei n.º 560/99 de 18 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-lei nº 183/2002 de 20 de Agosto e Decreto-Lei nº 50/2003, estabelece as regras a que deve obedecer a rotulagem, apresentação e publicidade dos géneros alimentícios, sejam ou não préembalados; o Regulamento (CE) nº 178/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 28 de Janeiro que determina os princípios e normas gerais da legislação alimentar, cria a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos e estabelece procedimentos em matéria de segurança dos géneros alimentícios; o Portaria nº576/93 de 4 de Junho, com as alterações introduzidas pela Portaria nº100/96, de 1 de Abril, que aprova o Regulamento dos Controlos Veterinários Aplicáveis ao Comércio Intracomunitário de Produtos de Origem Animal, Subprodutos e Resíduos: o Regulamento (CE) nº1774/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 3 de Outubro, que estabelece as regras sanitárias relativas aos subprodutos animais não destinados ao consumo humano; o Decreto-Lei nº239/97, de 9 de Setembro, que estabelece as regras a que fica sujeita a gestão de resíduos. Procedimentos de aplicação da ficha Se a acção incluir a verificação das áreas específicas (pastelaria, panificação e gelados) existentes no estabelecimento ou em etapas de transformação específicas, deverão ser utilizadas as fichas correspondentes às actividades desenvolvidas. Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m 2 de 30

3 I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: Localidade: Freguesia: Código Postal: Concelho: Telefone: Fax: Nº Contribuinte: Licença ou autorização de utilização: Não Existência de alterações ao Sim, aprovadas projecto Sim, não aprovadas Restauração Bebidas Tipo de Actividade Outro. Panificação Com fabrico próprio de: Pastelaria Gelados Outro. Número de refeições servidas (média): Capacidade máxima de pessoas/ serviço: Almoço e jantar Só almoço Período de Laboração Nº de Trabalhadores Só jantar Outro. Sem encerramento semanal Com encerramento semanal. 3 de 30

4 II IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria Profissional: Função: Filiação: Residência: Código Postal: Bilhete de Identidade nº de S.I.C. de Data de Nascimento: Naturalidade: Estado Civil: III IDENTIFICAÇÃO DO(S) TÉCNICO(S) DO ESTABELECIMENTO Nome do Responsável/Firma: Categoria Profissional do(s) Técnico(s) / Âmbito da Firma: Nome do Responsável pela Qualidade, no estabelecimento: Categoria Profissional do Responsável: 4 de 30

5 IV PRÉ-REQUISITOS GERAIS DO ESTABELECIMENTO A. ÁREA CIRCUNDANTE E DE IMPLANTAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Condições verificadas na área: Sim Não e limpeza 1. Acessos ao estabelecimento Outro. Habitação Anexo a Habitação Zona industrial Espaço turístico (Hotel, Pousada, Turismo Rural) 2. Implantação do estabelecimento Quinta particular para eventos Centro comercial Zona comercial Loja de rua Anexo a área susceptível de infestações Anexo a área ambientalmente poluída 3. Pavimentação 5 de 30

6 B. ZONA DE RECEPÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA B1. Condições verificadas na área: Sim Não Especifico para a recepção Pelo estabelecimento comercial 1. Acesso da matéria-prima 2. Zona de recepção da matéria-prima Outro Individualizada Comum à armazenagem Recepção de produtos alimentares independente dos não alimentares Outro 3. Dimensão Adequada Impermeável, resistente, fácil de lavar e desinfectar 4. Pavimento 5. Paredes 6. Tecto 7. Portas 8.Iluminação 9. Ventilação 10. Dispositivos protecção animais indesejáveis 11. Dispositivos limpeza e desinfecção das mãos - Tipo de material: Sistema de Escoamento de Água Superfície lisa, fácil de limpar, resistente e impermeável Revestimento de cor clara Totalmente revestido -Tipo de Material: Material Adequado - Tipo de material: Adequada Natural (Janelas) Artificial Lâmpadas protegidas: Natural Artificial Acesso fácil aos filtros Suficiente A área é climatizada Redes Mosquiteiras nas Janelas Insectocutor Funcional Localização? Temperatura ºC Outros Em número adequado Torneiras de accionamento não manual Com água corrente quente e fria ou pré-misturada Materiais de limpeza (detergente/desinfectante) Meios de secagem higiénica 6 de 30

7 B1. Condições verificadas na área: Sim Não Com tampa - Tipo de accionamento: 12. Dispositivos para os desperdícios Com saco plástico no interior 13. Dispositivos para Limpeza e Desinfecção Adequados Armazenados em local isolado e identificado B2. Condições gerais da matéria-prima: Sim Não Retalho 1. Fornecimento Central de Compras Outros Bom estado de salubridade Protegidas dos raios solares, poeiras ou conspurcações 2. Matérias-primas Colocadas sobre estrados ou prateleiras Verificação da temperatura de recepção (dos produtos) Apresentam temperaturas adequadas à recepção Efectuada numa zona individualizada 3. Descartonagem Comum à zona de recepção de matéria-prima Outro. 7 de 30

8 C. ÁREA DE ARMAZENAGEM C1. Condições verificadas na área: Sim Não Individualizada e única Individualizada e constituída por diferentes zonas 1. Área de armazenagem Comum à recepção da matéria-prima Outro 2. Dimensão Adequada Impermeável, resistente, fácil de lavar e desinfectar 3. Pavimento 4. Paredes 5. Tecto 6. Portas 7.Iluminação 8. Ventilação 9. Dispositivos protecção animais indesejáveis 10. Dispositivos limpeza e desinfecção das mãos 11. Dispositivos para os desperdícios - Tipo de material: Sistema de Escoamento de Água Superfície lisa, fácil de limpar, resistente e impermeável Revestimento de cor clara Totalmente revestido -Tipo de Material: Material Adequado - Tipo de material: Adequada Natural (Janelas) Artificial Lâmpadas protegidas: Natural Artificial Acesso fácil aos filtros Suficiente Redes Mosquiteiras nas Janelas Insectocutor Funcional Localização? Outros Em número adequado Lavatório torneiras de accionamento não manual Lavatório com água quente e fria ou pré-misturada Meios de lavagem (detergente/desinfectante) Meios de Secagem Com tampa - Tipo de accionamento: Com saco plástico no interior 8 de 30

9 C1. Condições verificadas na área: Sim Não Adequados 12. Dispositivos para limpeza e desinfecção 13. Material de acondicionamento Armazenados em local isolado e identificado Adequado - Tipo de material: Os recipientes de armazenagem permitem escoamento fácil dos exsudados Alimentos colocados sobre estrados ou prateleiras C2. Equipamentos de frio: Sim Não 1. Equipamentos de refrigeração: Câmaras Quantas? Armários Quantos? Temp. ºC Temp. ºC Portas Borrachas Pavimento Paredes Tecto Evaporadores e grelhas de protecção Lâmpada(s) Arcas horizontais Quantos? Temp ºC Arcas verticais Quantos? Temp. ºC Accionamento interior para abertura em caso de emergência Protegida (s) Indicadores de temperatura Livre circulação de ar Alarme ou lâmpada indicadora de porta aberta colocada no exterior Existem Registos de temperatura Frequência de lavagem e desinfecção: Manuais Digitais/Informáticos 9 de 30

10 C2. Equipamentos de frio: Sim Não 2. Equipamentos de conservação de congelados: Portas Borrachas Pavimento Paredes Tecto Evaporadores e grelhas de protecção Câmaras Quantas? Armários Quantos? Temp. ºC Temp. ºC Arcas horizontais Quantos? Temp ºC Arcas verticais Quantos? Temp. ºC Accionamento interior para abertura em caso de emergência Lâmpada (s) Protegida (s) Indicadores de temperatura Livre circulação de ar Alarme ou lâmpada indicadora de porta aberta colocada no exterior Existem Registos de temperatura Frequência de lavagem e desinfecção: Manuais Digitais/Informático C3. Condições gerais do produto: Sim Não Bom estado de salubridade Protegido dos raios solares, poeiras ou conspurcações O produto está colocado sobre estrados ou prateleiras O produto está acondicionado a temperatura adequada 10 de 30

11 D. ÁREA DE PREPARAÇÃO D1. Condições verificadas na área: Sim Não 1. Zona única 2.1. Pescado 2.2. Carne 2. Constituída por diferentes zonas de preparação 2.3. Horto frutícolas 2.4. Sobremesas 2.5. Pratos frios 2.6. Outras 3. Comum à zona de Confecção Se no ponto 1 a resposta for Sim, preencher nas folhas 12, 13, 14, 15 e 16, apenas a coluna 1 (Zona única) Se no ponto 1 a resposta for Não: Indicar no ponto 2 as zonas existentes, e preencher nas folhas 12, 13, 14, 15 e 16, as respectivas colunas assinaladas no ponto 2, ou Indicar o ponto 3. Se este for Sim, não preencher as folhas 12, 13, 14, 15 e 16, e passar para o preenchimento da Área da Cozinha (folha 16) 11 de 30

12 1- Zona única; 2.1- Peixe; 2.2- Carne; 2.3- Horto frutícolas; 2.4- Sobremesas; 2.5- Pratos frios; 2.6- Outras D1. Condições verificadas nas áreas: 3. Dimensão Adequada Impermeável, resistente, fácil lavar e desinfectar - Tipo de material: Sistema de Escoamento 4. Pavimento de Água Bom estado de conservação Superfície lisa, fáceis de limpar, resistentes e impermeáveis 5. Paredes Revestimento de cor clara Bom estado de conservação Totalmente revestido -Tipo de Material: 6. Tecto Bom estado de conservação Material Adequado - Tipo de material: 7. Portas Bom estado de conservação Adequada Natural (Janelas) 8.Iluminação Artificial Lâmpadas protegidas: Natural Artificial Acesso fácil aos filtros 9. Ventilação Suficiente A área é climatizada Temperatura ºC Sim Não de 30

13 1- Zona única; 2.1- Peixe; 2.2- Carne; 2.3- Horto frutícolas; 2.4- Sobremesas; 2.5- Pratos frios; 2.6- Outras D1. Condições verificadas nas áreas: 10. Dispositivos protecção animais indesejáveis 11. Dispositivos limpeza e desinfecção das mãos 12. Dispositivos para os desperdícios 13. Dispositivos para Limpeza e Desinfecção 14. Mesas de preparação/ corte Redes Mosquiteiras nas Janelas Insectocutor Funcional Localização? Outros Em número adequado Lavatório torneiras de accionamento não manual Lavatório com água quente e fria ou prémisturada Meios de lavagem (detergente/desinfectante) Meios de Secagem Com tampa - Tipo de accionamento: Com saco plástico no interior Bom estado de conservação Adequados Bom estado de conservação Armazenados em local isolado e identificado Adequadas Tipo de material? Bom estado de conservação Sim Não de 30

14 1- Zona única; 2.1- Peixe; 2.2- Carne; 2.3- Horto frutícolas; 2.4- Sobremesas; 2.5- Pratos frios; 2.6- Outras D1. Condições verificadas nas áreas: 15. Equipamento / Utensílios 16. Equipamento de refrigeração Portas Borrachas Pavimen_ to Paredes Tecto Evapora_ dores e grelhas de protecção Lâmpada (s) Adequados Tipo de material? Os recipientes de armazenagem permitem escoamento fácil da água de fusão Bom estado de conservação Câmaras Quantas? Temp. ºC Armários verticais Quantos? Temp. ºC Bom estado de conservação Accionamento interior para abertura em caso de emergência Bom estado de conservação Bom estado de conservação Bom estado de conservação Bom estado de conservação Bom estado de conservação Protegida (s) Indicadores de temperatura Livre circulação de ar Alarme ou lâmpada indicadora, colocada no exterior, de porta aberta Existem Registos de temperatura Manuais Digitais/Informáticos Frequência de lavagem e desinfecção: Sim Não de 30

15 1- Zona única; 2.1- Peixe; 2.2- Carne; 2.3- Horto frutícolas; 2.4- Sobremesas; 2.5- Pratos frios; 2.6- Outras D2. Condições gerais do produto: Bom estado de salubridade Protegido dos raios solares, poeiras ou conspurcações Acondicionados a temperatura adequada Feita à temperatura ambiente Feita na refrigeração Temperatura º C Outro processo Descongelação Os líquidos de escorrimento não contactam com o produto Sim Não de 30

16 E. ÁREA DA COZINHA E1. Condições verificadas na área: Sim Não 1. Dimensão Adequada Individualizada 2. Área Comum à zona preparação Outro. Impermeável, resistente, fácil de lavar e desinfectar - Tipo de material: 3. Pavimento Sistema de Escoamento de Água Superfície lisa, fácil de limpar, resistente e impermeável 4. Paredes Revestimento de cor clara Totalmente revestido -Tipo de Material: 5. Tecto Material Adequado - Tipo de material: 6. Portas Adequada Natural (Janelas) 7. Iluminação Artificial Lâmpadas protegidas: Natural Artificial 8. Ventilação Acesso fácil aos filtros Suficiente 9. Dispositivos protecção animais indesejáveis 10. Dispositivos limpeza e desinfecção das mãos 11. Dispositivos para os desperdícios A área é climatizada Redes Mosquiteiras nas Janelas Insectocutor funcional Localização? Temperatura ºC Outros Em número adequado Lavatório torneiras de accionamento não manual Lavatório com água quente e fria ou pré-misturada Meios de lavagem (detergente/desinfectante) Meios de Secagem Com tampa - Tipo de accionamento: Com saco plástico no interior 16 de 30

17 E1. Condições verificadas na área: Sim Não Adequados 12. Dispositivos para limpeza e desinfecção 13. Bancadas/ estruturas de apoio 14. Material para contacto com os alimentos 15. Equipamentos/ Utensílios Armazenados em local isolado e identificado Adequadas Tipo de material? Próprio para uso alimentar Armazenado em local protegido Adequados Tipo de material? 17 de 30

18 E2. Condições gerais do produto confeccionado: Sim Não Só confecção Tipo de tratamento Confecção e arrefecimento térmico Outro Servido de imediato Banho-maria A quente Estufa Tipo de conservação Refrigeração A frio Congelação Outro Bom estado de salubridade Protegido dos raios solares, poeiras ou conspurcações O produto está colocado sobre estrados ou prateleiras O produto está acondicionado a temperatura adequada 18 de 30

19 F. ÁREA DE DISTRIBUIÇÃO F1. Condições verificadas na área: Sim Não Buffet Linha de self 1. Tipo de distribuição Serviço à mesa Outro Banhos-maria Rechaud s Estufas 2. Equipamentos Expositores de frio Outros A preencher no caso da distribuição ser tipo linha de self 3. Dimensão Adequada Impermeável, resistente, fácil de lavar e desinfectar 4. Pavimento 5. Paredes 6. Tecto 7. Portas 8. Iluminação 9. Ventilação 10. Dispositivos protecção animais indesejáveis 11. Dispositivos limpeza e desinfecção das mãos - Tipo de material: Sistema de Escoamento de Água Conservação Higiene Superfície lisa, fácil de limpar, resistente e impermeável Revestimento de cor clara Totalmente revestido -Tipo de Material: Material Adequado - Tipo de material: Adequada Natural (Janelas) Artificial Lâmpadas protegidas: Natural Artificial Acesso fácil aos filtros Suficiente A área é climatizada Redes Mosquiteiras nas Janelas Insectocutor Funcional Localização? Temperatura ºC Outros. Em número adequado Lavatório torneiras de accionamento não manual Lavatório com água quente e fria ou pré-misturada Meios de lavagem (detergente/desinfectante) Meios de Secagem. 19 de 30

20 F1. Condições verificadas na área: Sim Não Com tampa. - Tipo de accionamento: 12. Dispositivos para os desperdícios Com saco plástico no interior Adequados. 13. Dispositivos para limpeza e desinfecção 14. Bancadas/ estruturas de apoio (estantes, prateleiras, estrados) 15. Material para contacto com os alimentos 16. Utensílios Armazenados em local isolado e identificado Adequadas. -Tipo de material? Próprio para uso alimentar Armazenado em local protegido Adequados. Tipo de material? 20 de 30

21 F2. Condições gerais do produto: Sim Não Bom estado de salubridade Protegido dos raios solares, poeiras ou conspurcações Colheita de Amostra Testemunho Controlo analítico das refeições Plano de colheita de amostras O produto está colocado sobre estrados ou prateleiras O produto está acondicionado a temperatura adequada 21 de 30

22 G. ZONA DE LAVAGEM DO MATERIAL\EQUIPAMENTOS G1. Condições verificadas na área: Sim Não Individualizada 1. Zona de lavagem Comum com outra zona 2. Dimensão Adequada Impermeável, resistente, fácil de lavar e desinfectar 3. Pavimento - Tipo de material: Sistema de Escoamento de Água Conservação Higiene Superfície lisa, fáceis de limpar, resistentes e impermeáveis 4. Paredes Revestimento de cor clara Conservação Higiene Totalmente revestido 5. Tecto -Tipo de Material: Conservação Higiene Material Adequado 6. Portas - Tipo de material: Conservação Higiene Adequada 7. Iluminação Natural (Janelas) Artificial Lâmpadas protegidas: Natural 8. Ventilação Artificial Acesso fácil aos filtros 9. Dispositivos protecção animais indesejáveis 10. Dispositivos limpeza e desinfecção das mãos 11. Dispositivos para os desperdícios Suficiente Redes Mosquiteiras nas Janelas Insectocutor Funcional Localização? Outros Em número adequado Lavatório torneiras de accionamento não manual Lavatório com água quente e fria ou pré-misturada Meios de lavagem (detergente/desinfectante) Meios de Secagem Com tampa - Tipo de accionamento: Com saco plástico no interior 22 de 30

23 G1. Condições verificadas na área: Sim Não Cubas adequadas Cubas com água corrente quente e fria 12. Equipamentos para lavagem Equipamentos higienizados guardados em local protegido de conspurcações Máquina de lavar louça 23 de 30

24 H INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS H1. Condições verificadas na área: Sim Não Separadas da Zona de Manipulação No interior do estabelecimento 1. Acesso 2. Em número adequado 3. Separadas por Sexo 4. Lavatórios 5. Ventilação adequada 6. Cacifos 7. Pavimento/ Paredes/Tecto Outro Com torneiras de accionamento não manual Com água quente e fria ou pré-misturada Materiais de lavagem (detergente/desinfectante) Meios de Secagem Higiénicos Nº suficiente I PESSOAL I1. Condições verificadas na área: Sim Não Adequado às tarefas Material de fácil lavagem 1. Vestuário Protecção total do cabelo Calçado impermeável Limpo Conservado Unhas limpas e curtas 2. Higiene pessoal Adornos e jóias Cabelo limpo Cortes ou ferimentos protegidos 3. Fichas de aptidão 24 de 30

25 V OUTROS PRÉ REQUISITOS A. Programa de Higienização Sim Não 1- Existe um Programa de limpeza e desinfecção Das instalações Dos equipamentos Dos utensílios Outros: 2- A higienização manual dos equipamentos contempla a desinfecção dos mesmos B. Controlo de Pragas Sim Não Feito por uma empresa da especialidade Existe um programa de controlo estabelecido Qual a periodicidade? O programa de controlo é adequado à unidade Observação de evidências (Pragas) Existe um mapa de localização dos iscos Existem fichas técnicas e de segurança dos produtos químicos utilizados Existem Fichas de verificação/relatório de intervenção 25 de 30

26 C. Controlo de Água Sim Não 1- Abastecimento Directa Com Reservatório Rede pública Com Bidões Outros. Com Reservatório Com Bidões Captação Outros. 2- Gelo para contacto com os alimentos Fabricado com água potável Outra origem. 3- Existem processos de tratamento de água 4- Existe Programa de Controlo Analítico 5- Existem boletins de análise Os valores verificados nos boletins encontram-se de acordo com o Decreto-Lei n.º243/86, de 20 de Agosto Se Não, quais os parâmetros fora dos limites estipulados 6- Existe plano de manutenção e limpeza dos equipamentos de reserva de água/canalização 26 de 30

27 D. Calibração de Equipamentos Sim Não Programa de calibração Registos de calibração Programa de verificação Registos de verificação E. Formação Sim Não Existe Plano de Formação Existem Registos de acções efectuadas Todo o pessoal que manuseia os alimentos dispõe de formação em matéria de higiene dos géneros alimentícios, de instrução e /ou formação adequadas para o desempenho das suas funções Os responsáveis pelo desenvolvimento e manutenção do HACCP, possui formação adequada na aplicação dos princípios HACCP 27 de 30

28 VI Informação sobre Rastreabilidade 1-Registos de matéria-prima Sim Não Existem registos em arquivo São cumpridos os prazos de conservação dos registos 5 anos (regra geral) 5 anos (géneros alimentícios sem data de durabilidade mínima) 6 meses após a data de fabrico (géneros alimentícios muito perecíveis) 2-Registo de Operador-Receptor Sim Não Está registado como Operador-Receptor N.º de Registo/Aprovação: São efectuados Avisos Prévios VII Subprodutos e resíduos 1. Subprodutos de origem animal não destinados ao consumo humano Sim Não Os restos de cozinha e mesa são encaminhados como resíduos urbanos sólidos Os restos de cozinha e mesa são encaminhados para alimentos de animais de pecuária Outro destino? 2. Resíduos As gorduras alimentares usadas nas fritadeiras são encaminhadas para unidade de reciclagem Recipientes para gorduras alimentares usadas Localização Se não. Qual o destino? 28 de 30

29 VIII Análise dos Perigos e Controlo dos Pontos Críticos Princípios do HACCP Sim Não 1. Identificação de quaisquer perigos que devam ser evitados, eliminados ou reduzidos para níveis aceitáveis 2. Identificação dos Pontos Críticos de Controlo (PCC s) na fase ou fases em que o controlo é essencial para evitar ou eliminar um risco ou para o reduzir para níveis aceitáveis 3. Estabelecimento de limites críticos em PCC s, que separem a aceitabilidade da não aceitabilidade com vista à prevenção, eliminação ou redução dos riscos identificados 4. Estabelecimento e aplicação de processos eficazes de vigilância em PCC s 5. Estabelecimento de medidas correctivas quando a vigilância indicar que um PCC não se encontra sob controlo 6. Estabelecimento de processos, a efectuar regularmente, para verificar que as medidas referidas nos pontos 1 a 5 funcionam eficazmente 7. Elaboração de documentos e registos adequados à natureza e dimensão das empresas, a fim de demonstrar a aplicação eficaz das medidas referidas no ponto 1 a 6 29 de 30

30 VII Irregularidades Detectadas 1-Irregularidades: 2-Condições dos Produtos Sim Não Produto apreendido Se Sim, quais os produtos e respectivas quantidade: 3-Actividade Sim Não Suspensão de actividade Se Sim, qual o motivo: Assinaturas 30 de 30

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL)

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) MANUAL REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) O objectivo deste manual é fornecer informação

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda.

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda. Operações de Higienização Mês de de Dias/Área 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Sanitários M Sanitários F Sanitários/Vestiários Armazém Mesas/Cadeiras

Leia mais

HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal

HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal Instituto Politécnico de Coimbra Escola superior Agrária de Coimbra HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal Caracterização do sector Bruno Carramate 20823001 Mestrado em Engenharia Alimentar Introdução Como todos

Leia mais

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt Implementação do Sistema HACCP O HACCP HACCP - (Hazard Analysis, Critical Control Points) em português Análise dos Perigos e Pontos

Leia mais

Peixe as espécies pertencentes ao grupo Ichtyoides (ou Pisces, senso lato), englobando nesta designação peixes propriamente ditos ou ciclóstomos;

Peixe as espécies pertencentes ao grupo Ichtyoides (ou Pisces, senso lato), englobando nesta designação peixes propriamente ditos ou ciclóstomos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. PEIXARIAS CAE REV_3: 47230 COMÉRCIO A RETALHO DE PEIXE,

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR Romana Neves Médica Veterinária Direcção de Serviços de Qualidade e Segurança Alimentar Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural 14 de Outubro de 2010

Leia mais

(nome do requerente) contribuinte (pessoa singular ou coletiva) nº, residente em (Rua, Avª )

(nome do requerente) contribuinte (pessoa singular ou coletiva) nº, residente em (Rua, Avª ) REQUERIMENTO DE PEDIDO DE VISTORIA DE: UNIDADES MÓVEIS DE TRANSPORTE E VENDA DE CARNE, PEIXE, FRUTA E PRODUTOS HORTÍCOLAS; CAIXAS ISOTÉRMICAS E ISOTÉRMICO-FRIGORÍFICAS; TRENS DE SINTRA. 1/6 ( nº SM ) Exmº

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1 ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO José António Rousseau - Director Geral 1 ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 2- ROTULAGEM 3- RASTREABLILIDADE 4- DENOMINAÇÃO DE ORIGEM PROTEGIDA 5- PROGRAMA EUROPEU-

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 68//07 IDENTIFICAÇÃO DO AGENTE ECONÓMICO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Condições técnico-funcionais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

NOTA: Procedimentos revistos pela ASAE

NOTA: Procedimentos revistos pela ASAE A. PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA OS S ES DOADOS PELAS GRANDES SUPERFICIES A. Pratos Cozinhados e Sobremesas não Pré- embaladas (1/2) - Declaração de responsabilidade do lojista em como garante o fabrico

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO 6 REFEITÓRIO / CAFÉ 7 COPA 8 VESTUÁRIOS e / ou CASAS DE BANHO Elaborado: Aprovado:

Leia mais

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem Nos termos definidos no art.º 5.º do Decreto-Lei n.º 234/2007, de 19 de Junho, O DECRETO REGULAMENTAR N.º 20/2008, de 27 de Novembro, VEIO ESTABELECER QUAIS OS REQUISITOS ESPECÍFICOS RELATIVOS ÀS INSTALAÇÕES,

Leia mais

REGULAMENTO DA PLACA DE QUALIDADE PARA ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO

REGULAMENTO DA PLACA DE QUALIDADE PARA ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO REGULAMENTO DA PLACA DE QUALIDADE PARA ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO (Aprovado na 4ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 14 de Fevereiro de 2001) REGULAMENTO DA PLACA DE QUALIDADE PARA

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira ACIF CCIM Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira Objectivos Apoiar os estabelecimentos na implementação dos seus Sistemas de Segurança Alimentar, baseados

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

DOSSIER DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO

DOSSIER DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DOSSIER DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO Pág.1 de 15 Índice 1) Introdução 1.1) Âmbito Do Dossier de Limpeza e Desinfecção. 1.2) Enquadramento. 1.3) Termos e Definições. 2) Contaminantes dos alimentos 2.1) Noções

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES Monitorização de parâmetros num estabelecimento do sector da panificação e pastelaria Joana Afonso e Manuela V. da Silva Os estabelecimentos de panificação e pastelaria

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária Escola Professional de Hotelaria e Turismo da Madeira 7 de Junho de 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Código Bases de

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

Esclarecimento 8/2014

Esclarecimento 8/2014 Segurança Alimentar Aprovação de estabelecimentos industriais em casas particulares Esclarecimento 8/2014 Resumo: O presente esclarecimento pretende clarificar o enquadramento legal da aprovação e atribuição

Leia mais

? Título Manual de Apoio às Unidades de Restauração e Bebidas. Para Quem Indústria de Restauração e Bebidas. Conceito

? Título Manual de Apoio às Unidades de Restauração e Bebidas. Para Quem Indústria de Restauração e Bebidas. Conceito ? Título Manual de Apoio às Unidades de Restauração e Bebidas Para Quem Indústria de Restauração e Bebidas Conceito?? Sensibilização e Informação aos Operadores Município de Castanheira de Pera Participaram

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO. Higiene Alimentar Na Restauração Colectiva

LISTA DE VERIFICAÇÃO. Higiene Alimentar Na Restauração Colectiva LISTA DE VERIFICAÇÃO Higiene Alimentar Na Restauração Colectiva LLi issttaa ddee VVeerri iffi i ccaaççããoo eel l aabboorraaddaa ppoorr JJooss éé AAmoorri im Lista de Verificação Restauração Colectiva No

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março - que aprova o novo regime jurídico da

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 7502 Diário da República, 1.ª série N.º 206 23 de Outubro de 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Decreto-Lei n.º 207/2008 de 23 de Outubro O Decreto -Lei n.º 147/2006,

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO APÊNDICE A LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS UTILIZADA NA COLETA DE DADOS, BASEADA NA RDC nº 275/2002 E NA RDC nº 216/2004, DA ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Restauração & Bebidas. guia prático

Restauração & Bebidas. guia prático Restauração & Bebidas guia prático este guia Apresenta os licenciamentos e alvarás necessários ao evento de vida TER UM NEGÓCIO, cuja actividade específica é a área de Restauração e/ou Bebidas, que diz

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST

Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST Aspectos relativos aos requisitos de instrução do processo e requisitos técnicos : Dec-Lei nº 127/2014 de 22 de agosto Portaria nº 268/2010 de 12 de Maio com

Leia mais

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Segurança Alimentar em cabo Verde Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Praia, 7,8,9 e 10 de Novembro de 2011 Segurança Alimentar em Cabo Verde 2 Mercado dos Géneros alimentícios

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1 - Organização e Procedimentos 1.1 Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1.1.1 Estão disponíveis os manuais relevantes dos equipamentos de uso clínico Equipamentos

Leia mais

5442 Diário da República, 1. a série N. o 146 31 de Julho de 2006 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

5442 Diário da República, 1. a série N. o 146 31 de Julho de 2006 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 5442 Diário da República, 1. a série N. o 146 31 de Julho de 2006 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Decreto-Lei n. o 147/2006 de 31 de Julho O Decreto-Lei n. o 158/97, de

Leia mais

(Parecer do Prof.Catedrático Doutor Santos Oliveira na última página.)

(Parecer do Prof.Catedrático Doutor Santos Oliveira na última página.) (Parecer do Prof.Catedrático Doutor Santos Oliveira na última página.) PARECER JURÍDICO RELATIVO ÀS ANOMALIAS DETECTADAS Segundo o solicitado pelo Secretariado Geral da ACRA- Associação

Leia mais

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA O que é o HACCP? H A C C P Hazard Analysis Critical Control Point Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controlo Análise sistemática para a identificação,

Leia mais

Código de Boas Práticas em Higiene e Segurança Alimentar

Código de Boas Práticas em Higiene e Segurança Alimentar Código de Boas Práticas em Higiene e Segurança Alimentar Índice Nota Introdutória 2 Noções Básicas de Higiene 3 Contaminação Biológica 4 Contaminação Física 6 Contaminação Química 6 Higiene Pessoal 7 Saúde

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA Chefia do Serviço Veterinário. Abril 2007. Código de Boas Práticas de Higiene Alimentar

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA Chefia do Serviço Veterinário. Abril 2007. Código de Boas Práticas de Higiene Alimentar GUARDA NACIONAL REPUBLICANA Chefia do Serviço Veterinário Abril 2007 Código de Boas Práticas de Higiene Alimentar ÍNDICE 1. Objectivos...3 2. Introdução...4 3. Âmbito, Órgãos de Gestão e Definições...7

Leia mais

1) O que entende por contaminação cruzada? Cite algumas medidas de prevenção da contaminação cruzada. 2) Quais as categorias de perigos que conhece? 3) Dê alguns exemplos de Perigos Biológicos. 4) Quais

Leia mais

De Mãos Dadas com a ISO 22000

De Mãos Dadas com a ISO 22000 Funchal, 22 Novembro 2006 De Mãos Dadas - Associação de Solidariedade Social De Mãos Dadas com a ISO 22000 SEMINÁRIO QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR Patrícia Branquinho A De Mãos Dadas QUEM SOMOS? UTENTES

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE NA INDÚSTRIA DE SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE NA INDÚSTRIA DE SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE NA INDÚSTRIA DE SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES 1996 APROVADO PELA CT 31 - SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES ÍNDICE Pág NOTA EXPLICATIVA... 4 SECÇÃO 1 OBJECTIVOS

Leia mais

Estação Vitivinícola da Bairrada

Estação Vitivinícola da Bairrada Estação Vitivinícola da Bairrada 106 º Curso Intensivo de Enologia Setembro 2012 Maria João Aguilar de Carvalho Águas Chefe de Divisão de Licenciamentos e Apoio Laboratorial Abordagem Licenciamento Industrial

Leia mais

FUNCHAL. CAE Rev_3: 56301 - CAFÉS CAE Rev_3: 56303 PASTELARIAS DEFINIÇÃO:

FUNCHAL. CAE Rev_3: 56301 - CAFÉS CAE Rev_3: 56303 PASTELARIAS DEFINIÇÃO: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 56301 - CAFÉS CAE Rev_3: 56303 PASTELARIAS

Leia mais

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL ÍNDICE REMISSIVO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto Artigo 2º- Definições Artigo 3º - Âmbito de Aplicação CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL Artigo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS ESPECIFICIDADES DO SERVIÇO Data de início das atividades: Cadastro em entidades associativas e/ou federativas Não Sim Especificar: Prestação de serviço Contrato Convênio Especificar: Outros financiamentos

Leia mais

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro Dicas de Prevenção e Preservação Tenha em conta Nunca comece uma reparação, por muito pequena que seja, sem antes desligara tomada do equipamento;

Leia mais

Empresário Esclarecido Setor Protegido II

Empresário Esclarecido Setor Protegido II Empresário Esclarecido Setor Protegido II Comercialização de Pescado vb Albufeira 27 de outubro 2015 Marta Gonçalves 1 Apresentação da ACOPE Associação dos Comerciantes de Pescado ACOPE Constituição no

Leia mais

A instalação dos equipamentos sociais Instruções sanitárias

A instalação dos equipamentos sociais Instruções sanitárias A instalação dos equipamentos sociais Instruções sanitárias Tipos de equipamentos não residenciais Lares de reabilitação/para convalescença Centros de dia para idosos Centros comunitários Centros de apoio

Leia mais

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02)

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) O RESPONSÁVEL PELO EXPEDIENTE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO (Decreto nº 1.630/2002), no uso de suas atribuições legais, e, considerando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

Dr. António Nunes - Inspector Geral da ASAE. Dr. Augusto Flor Presidente da Confederação das Colectividades ...

Dr. António Nunes - Inspector Geral da ASAE. Dr. Augusto Flor Presidente da Confederação das Colectividades ... Formar para melhor dirigir! Outubro 2011 ÍNDICE Dr. António Nunes - Inspector Geral da ASAE........... 3 Dr. Augusto Flor Presidente da Confederação das Colectividades.. 4 Introdução..........................

Leia mais

Manual de Boas Práticas em Segurança Alimentar

Manual de Boas Práticas em Segurança Alimentar Manual de Boas Práticas em Segurança Alimentar Projecto de Qualificação e Recomendação da Restauração Regional IPMRA II Iniciativas de Promoção do Mundo Rural Algarvio 2ª Fase IPMRA II - Projecto de Qualificação

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 231 27 de Novembro de 2008 8549. Artigo 7.º. no quadro referido no n.º 14.º da Portaria n.

Diário da República, 1.ª série N.º 231 27 de Novembro de 2008 8549. Artigo 7.º. no quadro referido no n.º 14.º da Portaria n. Diário da República, 1.ª série N.º 231 27 de Novembro de 2008 8549 Artigo 7.º Norma revogatória É revogada a Portaria n.º 437/2001, de 28 de Abril, sem prejuízo do disposto nos seus n.º 3 do n.º 3.º, n.º

Leia mais

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Monitoramento da Qualidade de Alimentos no DF produtos analisados e motivos da condenação no Distrito Federal, 2014 85% 15% Sem

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 96/89, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 96/89 de

Leia mais

Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato. Regras de Funcionamento. Albufeira. 22 a 26 de Julho de 2015. Praça dos Pescadores

Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato. Regras de Funcionamento. Albufeira. 22 a 26 de Julho de 2015. Praça dos Pescadores Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato Regras de Funcionamento Albufeira 22 a 26 de Julho de 2015 Praça dos Pescadores 1 O Município de Albufeira organiza anualmente uma MOSTRA DE ARTESANATO, inserida

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE ESCOLAR

HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE ESCOLAR HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE ESCOLAR LINHAS ORIENTADORAS Índice 1. Introdução... 2 2. Recepção de produtos alimentares... 3 3. Armazenamento.... 4 3.1. Produtos Alimentares Refrigerados e

Leia mais

ZONA DE CONFEÇÃO PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO DOSAGEM. Lavagem: De acordo com a rotulagem

ZONA DE CONFEÇÃO PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO DOSAGEM. Lavagem: De acordo com a rotulagem ZONA DE CONFEÇÃO ÁREA/EQUIPAMENTO PERIDIOCIDADE PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO DOSAGEM MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO Bancadas, superfícies de laboração e cubas Após cada utilização - Aplicar a solução de

Leia mais

"SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR"

SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR F I C "SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR" H A Autor Editor Projecto Gráfico e Design PAULO BAPTISTA - GABRIELA PINHEIRO - PEDRO ALVES FORVISÃO - CONSULTORIA EM FORMAÇÃO INTEGRADA, LDA. Largo Navarros

Leia mais

CÓDIGO DE PRÁTICAS INTERNACIONAIS RECOMENDADAS PRINCÍPIOS GERAIS DE HIGIENE ALIMENTAR. CAC/RCP 1-1969, Rev. 4-2003 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2

CÓDIGO DE PRÁTICAS INTERNACIONAIS RECOMENDADAS PRINCÍPIOS GERAIS DE HIGIENE ALIMENTAR. CAC/RCP 1-1969, Rev. 4-2003 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 CAC/RCP 1-1969, Rev.4-2003 Página 1 de 27 CÓDIGO DE PRÁTICAS INTERNACIONAIS RECOMENDADAS PRINCÍPIOS GERAIS DE HIGIENE ALIMENTAR CAC/RCP 1-1969, Rev. 4-2003 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 SECÇÃO I OBJECTIVOS 2 PRINCÍPIOS

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

Sistemas de Segurança Alimentar na Cadeia de transporte e Distribuição de Produtos Alimentares. Paulo Baptista

Sistemas de Segurança Alimentar na Cadeia de transporte e Distribuição de Produtos Alimentares. Paulo Baptista Sistemas de Segurança Alimentar na Cadeia de transporte e Distribuição de Produtos Alimentares 03 Paulo Baptista Ficha Técnica Título Sistemas de Segurança Alimentar na Cadeia de Transporte e Distribuição

Leia mais

PLANO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Higiene e Segurança Alimentar

PLANO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Higiene e Segurança Alimentar Pág.: 1/7 1. Enquadramento Nos últimos anos, diversos factores, tanto económicos como socioculturais determinaram alterações substanciais nos hábitos alimentares da população, tendo os conceitos e as formas

Leia mais

Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal Direcção Geral de Veterinária

Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal Direcção Geral de Veterinária Manual de procedimentos para a implementação do Programa Nacional de Controlo de Salmonelas em Bandos de Frangos (Gallus gallus) pelo operador industrial Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO O QUE É? Impresso utilizado para auxiliar em auditoria técnica na unidade. PORQUE DEVE SER FEITO? ) Para avaliar e registrar a qualidade técnica apresentada na

Leia mais

Código de Boas Práticas da Distribuição Alimentar 5 6 8 1. Acondicionamento protecção de um produto por meio de um invólucro inicial ou de um recipiente inicial em contacto directo com o produto em questão,

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

Guia para Controlo. da Segurança Alimentar. em Restaurantes Europeus

Guia para Controlo. da Segurança Alimentar. em Restaurantes Europeus Guia para Controlo da Segurança Alimentar em Restaurantes Europeus Guia para Controlo da Segurança Alimentar em Restaurantes Europeus Autores: Declan J. Bolton, B.Sc., Ph.D.,Grad. Dip. (Business) Bláithín

Leia mais