VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador"

Transcrição

1 VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora de Projetos do Instituto Paulo Montenegro) Co-autor: Fábio Risério (Gerente de Responsabilidade Social da Promon Engenharia) Agosto de

2 Resumo Este trabalho pretende sistematizar e refletir sobre a implantação do programa PerguntAção, do Instituto Paulo Montenegro, no Programa de Voluntariado Promon. O processo foi desenvolvido nas unidades de e Rio de Janeiro da Promon, entre abril e setembro de O foco de investigação definido pelo grupo de atuação foi compreender como promover o engajamento dos diferentes atores que compõem o Programa de Voluntariado a partir de suas diversas perspectivas. Palavras-chave: voluntariado empresarial; participação; articulação de rede; pesquisa participativa. 2

3 Contexto O Grupo Promon atua no desenvolvimento de diversos segmentos da infraestrutura no Brasil e em outros mercados no ramo de engenharia e gerenciamento de empreendimentos, oferecendo prestação de serviços profissionais, integração de sistemas e desenvolvimento de projetos. Desde sua fundação, em 1960, o Grupo incentiva atividades de voluntariado, consideradas como parte integrante de seu compromisso com a responsabilidade social. O Programa de Voluntariado Promon 1, coordenado pela área de Responsabilidade Social, tem como foco a Educação e sua atuação funciona como uma rede social do bem, por intermédio da qual os profissionais da empresa e seus convidados podem encontrar meios de se envolver com o voluntariado. O programa atua em quatro frentes: reforço escolar, preparação para o mercado de trabalho, apoio à gestão das organizações e apoio à infraestrutura. Em sua criação, os alicerces do programa foram delineados em um processo de dialogo, interação e compartilhamento de conhecimentos e informações entre os dirigentes das empresas, os voluntários e os dirigentes das organizações sociais parceiras. Com isso, um dos principais objetivos do programa tem sido garantir a máxima sinergia entre as entidades, que precisam de conhecimento para desenvolver e impulsionar seus projetos, e aqueles que estão dispostos a compartilhar suas competências. Ao completar quatro anos de atividades após um primeiro diagnóstico, 2013 foi considerado um ano oportuno para mais uma vez coletar e sistematizar a 1 Para saber mais sobre o Programa de Voluntariado Promon, acesse: https://voluntariadopromon.v2v.net/ 3

4 percepção de todos os participantes sobre o que vem sendo realizado, conhecer suas expectativas e compreender os relacionamentos entre os diferentes públicos para consolidar as aprendizagens e fortalecer as perspectivas do programa. Ao mesmo tempo, identificou-se a necessidade de retomar o processo de diálogo entre os públicos envolvidos, renovando a participação qualificada dos representantes da empresa, dos voluntários, das organizações sociais e também das crianças e adolescentes beneficiados pelas ações voluntárias. Para este fim, a Promon buscou o Instituto Paulo Montenegro para implantar a metodologia de PerguntAção, que promove o uso de consultas participativas de opinião como instrumento de articulação e mobilização. O Instituto Paulo Montenegro é uma organização sem fins lucrativos, criada em 2000 pelas empresas associadas ao Grupo IBOPE, para desenvolver e executar projetos de responsabilidade social, empregando sua expertise e conhecimento acumulado na área de pesquisas em ações com focos na educação e na mobilização social. Ao longo de mais de 10 anos de atuação, o Instituto Paulo Montenegro 2 consolidou o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), e os programas Nossa Escola Pesquisa sua Opinião (Nepso) e PerguntAção. O desenho da metodologia O programa PerguntAção têm como objetivo fortalecer a articulação de diferentes grupos sociais para promover ações que transformem sua realidade local. Por meio de consultas participativas de opinião, busca promover a construção 2 Para conhecer mais os programas do Instituto Paulo Montenegro, acesse: ou migre.me/fsblz 4

5 coletiva de conhecimento, bem como conhecer demandas no contexto específico de cada iniciativa, a partir da percepção das pessoas. Todas as etapas da metodologia são construídas coletivamente, desde a decisão do tema a ser investigado e das perguntas do questionário até a realização das entrevistas e análise dos resultados. Seu método promove a interação entre diversos atores e promove o empoderamento de grupos articulados ao se organizem participativamente para a realização de um projeto de coleta de dados e opiniões sobre determinado contexto, identificando demandas e necessidades, expectativas e percepções do público-alvo definido, com o intuito de refletir sobre suas realidades para transformá-las. Para desenvolver todo esse processo, é necessário que haja um grupo estruturado e disposto a realizar a coordenação das atividades. Este grupo de atuação participa da concepção, realização e análise da consulta participativa, recebendo para isso uma formação específica promovida pelo Instituto Paulo Montenegro, destinada a orientar esta ação, sempre de forma prática e interativa. No contexto do Programa de Voluntariado da Promon, a proposta era a de promover, entre os próprios voluntários e representantes das ONGs parceiras, a reflexão compartilhada sobre o programa do qual são parte, bem como fortalecer o engajamento dos voluntários. A intenção era também contribuir para uma maior aproximação entre as unidades de negócio de e Rio de Janeiro, com as ONGs parceiras e comunidade em que estão inseridas. Por isso, foi o grupo de atuação selecionado compõe-se por 20 voluntários das duas unidades da Promon, além de 15 representantes de ONGs e 15 jovens atendidos por estas ONGs, também de ambos municípios (Figura 1). 5

6 Figura 1. Perfil das organizações que compõem o Grupo de Atuação Nome da ONG Cidade onde atua Público atendido Missão e área de atuação Ação Comunitária do Brasil crianças, jovens e adolescentes de 0 a 29 anos Inclusão e proteção social com programas focados na educação e na empregabilidade. Associação Ser Cidadão Rio de Janeiro jovens e adultos Desenvolvimento humano, através da educação, da cultura e da capacitação profissional para jovens e adultos procedentes de comunidades com baixo investimento social. CAMP - Círculo de Amigos do Menino Patrulheiro de Vila Isabel Casa do Zezinho CCA Lar Escola Recanto Cristão CCA Santa Teresa Rio de Janeiro jovens de 14 a 18 anos (incompletos) crianças e jovens entre 6 e 21 anos crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos Fundação Brasil Campeão crianças, jovens e famílias Gotas de Flor com Amor Instituto Bola Pra Frente Junior Achievement Projeto Casulo Rio de Janeiro Rio de Janeiro e São Paulo crianças a partir dos 6 anos, adolescentes e famílias crianças e adolescentes com 6 a 17 anos jovens em fase escolar crianças e jovens de 10 a 29 anos Projeto English For All jovens de 11 a 25 anos Ensino na área de educação profissional de nível básico Criação de condições para a formação do pensamento crítico e o desenvolvimento de potencialidades e da autoconfiança. Educação complementar Melhoria da qualidade de vida das crianças e jovens por meio de atividades pedagógicas. Rodas de Leitura para estabelecer trocas em torno das experiências dos indivíduos Formação integral, seguindo a concepção de educação interdimensional. Oportunidade de promoção social por meio do esporte, educação, arte e cultura e qualificação profissional. Despertar o espírito empreendedor, estimular o desenvolvimento pessoal, introduzir conceitos e práticas do mundo dos negócios e contribuir para seu acesso ao mercado de trabalho. Fomento ao desenvolvimento pessoal e social de crianças, jovens e famílias das comunidades do Real Parque e do Jardim Panorama Ensino da língua inglesa para jovens de baixa renda matriculados em cursos de educação complementar em ONGs parceiras ou empresas. Este grupo recebeu um total de 24 horas de formação. Tendo educadores do Instituto Paulo Montenegro presentes no Rio de Janeiro e em simultaneamente, algumas oficinas ocorreram por meio de videoconferência entre as unidades, possibilitando a troca de experiências regionais ao longo do processo de consulta. Os conteúdos e cargas horárias estão detalhados no quadro a seguir (Figura 2). 6

7 Figura 2. Quadro descritivo das oficinas de formação em PerguntAção realizadas pelo Instituto Paulo Montenegro Nº. da Oficina 1ª Oficina Conteúdo de oficina Apresentação da proposta, qualificação do tema e identificação da perguntaguia Detalhamento das atividades Apresentação do programa PerguntAção e sua metodologia de consultas participativas de opinião; apresentação de dados existentes sobre voluntariado no Brasil; conversa organizada sobre voluntariado; dinâmica para definição da pergunta-guia do grupo. Carga horária 4 horas 1 Dias Local da oficina 4 horas: 3 educadores em, conectados ao Rio de Janeiro em Videoconferência 2ª Oficina Levantamento das hipóteses, elaboração e aplicação de questionário Apresentação da sistematização da discussão para definição da pergunta-guia; discussão orientada, visando definir as hipóteses que o grupo imagina que respondem à pergunta-guia definida; conversa organizada para definição do público a ser consultado; apresentação dos conceitos para elaboração de questionário; exercício conceitual de elaboração de perguntas; desenvolvimento coletivo do questionário; apresentação dos conceitos de amostragem e técnicas de abordagem; treinamento para realização de trabalho de campo. 20 horas 5 4 horas: 1 educador no Rio de Janeiro e 2 educadores em São Paulo, conectados em Videoconferência 8h: 3 educadores em 8h: 2 educadores no Rio de Janeiro 3ª Oficina Análise dos resultados do segundo questionário e divulgação Dinâmica de memória coletiva do trabalho de campo; retomada da pergunta-guia e das hipóteses do grupo; apresentação das tabelas e gráficos resultantes da consulta; discussão coletiva dos resultados apresentados; sistematização da análise coletiva; plano de divulgação dos resultados. 8 horas 2 8 horas: 1 educador no Rio de Janeiro e 2 educadores em São Paulo, conectados em Videoconferência Conectando o conhecimento O processo de qualificação do tema de voluntariado foi bastante rico e importante para alinhar conceitos, expectativas, demandas e reflexões do grupo de atuação. Uma série de perguntas disparadoras de discussão foram levadas pelos educadores, a fim de compreender o imaginário de cada um dos participantes sobre o que se espera de um trabalho voluntário. Nas calorosas discussões entre voluntários, equipes das ONGs e jovens atendidos, os seguintes conceitos (Figura 3) foram associados à motivação para uma pessoa ser ou não ser voluntária: 7

8 Figura 3. Quadro de sistematização da discussão sobre voluntariado Por que ser voluntário? Por que não ser voluntário? Querer ser voluntário é uma questão de cultura da Para doar, ser solidário. sociedade; e não há uma cultura participativa no Brasil. Para melhorar a sociedade; promover mudanças. Falta divulgação dos trabalhos que podem ser realizados voluntariamente. Para trocar e compartilhar conhecimentos. É um prazer e um processo de auto realização. Dificuldade na equalização de expectativas: o voluntário pode estar disponível, mas não tem o perfil adequado para as atividades disponíveis; as ONGs esperam que os voluntários "resolvam tudo". Ausência de capacitação dos voluntários Ao trazer o foco do debate para o Programa de Voluntariado Promon, foram levantados pontos positivos e negativos do programa, bem como sugeridas melhorias ou adequações. Dentre os diversos tópicos discutidos, vale destacar que todos valorizam a gestão e infraestrutura adequada, além do excelente comprometimento dos voluntários. Por outro lado, o grupo levantou que muitas vezes o voluntário não conhece o trabalho realizado pelas instituições nas quais irá atuar. Nesse sentido, muitos questionamentos e demandas foram trazidos pelos participantes ao longo do processo, tais como a necessidade de manter uma comunicação efetiva não apenas entre as ONGs e a Promon, mas também das ONGs entre si; e a importância da relação dos jovens atendidos com os voluntários e com o ambiente de trabalho destes. Tendo este panorama, ficou clara uma inquietude comum a todos do grupo de atuação, que ficou definida como pergunta-guia da consulta: O que é necessário para melhorar a interação entre todos os envolvidos no Programa de Voluntariado da Promon? Diversas hipóteses foram levantadas em conjunto na busca de uma resposta para esta questão (Figura 4): 8

9 Figura 4. Sistematização das hipóteses levantadas pelo grupo de atuação Hipóteses Existe um descompasso entre o que as ONGs querem e o que o voluntário pode oferecer. Para resolver isso seria interessante ter um banco com os dados dos voluntários e os programas das ONGs ser disponibilizados. É necessária uma maior troca de informações entre a Promon e o público atendido, é importante eles saberem o que a empresa faz. Além disso, os jovens/crianças das diferentes ONGs poderiam interagir por meio de visitas dos jovens à outras ONGs. Seria interessante que ONGs que compõe o Programa de Voluntariado da Promon, também pudessem trocar informações e experiências entre si. As ONGs podem estruturar feedbacks, bem como participar de um planejamento, a partir da constituição de uma rede entre elas. Área temática Equalização de expectativas e organização da atuação voluntária Troca de experiências Troca de experiências Feedback É necessário um tempo para trazer integração de verdade, que vá além de uma atividade específica e possa acontecer no decorrer do ano. Por exemplo: existir um dia da semana fixo para criar um vínculo maior entre o voluntário e as ONGs, ele não irá apenas para dar aula, será uma data para realizar outras atividades. Outro exemplo seria realizar semanas temáticas que passem aos jovens conteúdos mais politizados e profundos, como educação e voto consciente. Devem existir capacitações estruturadas para evitar a evasão de voluntários. Falta clareza para os profissionais de que a diretoria apoia o voluntariado. Uma forma de apoiar seria investir em melhoria da estrutura da área de responsabilidade social (que fica centralizada em e não tem ninguém de dedicação exclusiva no Rio de Janeiro) Troca de experiências Retenção de voluntários Apoio da empresa Norteados por esses conceitos e questionamentos coletivos, foram construídos também a muitas mãos três questionários, sendo um direcionado a cada público envolvido no Programa de Voluntariado Promon: profissionais da Promon (voluntários e não voluntários), equipes das ONGs em todos os níveis e público atendido. Após uma série de testes dos questionários e simulações de entrevistas, o grupo de atuação estava pronto para o trabalho de campo. Ainda em curso até o fechamento deste artigo, as entrevistas estão sendo realizadas de modo a já promover maior interação entre públicos: jovens e representantes das ONGs entrevistando profissionais da Promon e vice-versa. Dentro de menos de um mês, o grupo de atuação já consultou mais de 200 pessoas (Figura 5): 9

10 Figura 5. Distribuição das entrevistas realizadas Nº total de Nº de entrevistas Público entrevistas* em Profissionais da Promon que são voluntários, não-voluntários e diretores Funcionários das ONGs, de todos os níveis, que tenham relação com voluntários Crianças a partir dos 11 anos, adolescentes, jovens e demais públicos atendidos pelo programa de voluntariado Nº de entrevistas no Rio de Janeiro Total * A quantidade de entrevistas realizadas reflete o tamanho das unidades de negócios da Promon. Criar, construir e transformar Mesmo ainda em curso, já é possível perceber alguns ganhos com a experiência do PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon. A metodologia evidenciou o quanto o Programa de Voluntariado Promon está aberto para a escuta e para o enfrentamento dos desafios enfrentados, ao estabelecer um canal direto de diálogo com seus públicos. Questões estruturais e complexas com as quais o programa se defronta foram apontadas pelo grupo de atuação a partir de diferentes perspectivas. É indiscutível que o PerguntAção foi uma ação inovadora para promover a inclusão e interação dos públicos envolvidos. O processo de consultas participativas de opinião tem conseguido criar espaços para que os públicos envolvidos, que nunca antes haviam dialogado sobre suas práticas, pensem e desenhem as próprias ações. Crianças e jovens foram ouvidos enquanto atores do processo, fugindo da lógica tradicional, em que o público atendido não tem voz na investigação de desafios e na proposição de ações a serem implantadas. O desafio que Promon e Instituto Paulo Montenegro se dispuseram a enfrentar era fazer com que os resultados alcançados na metodologia contagiassem 10

11 o Programa como um todo. E é notável o quanto esse processo de aprendizagem tem propiciado um ambiente de acolhimento, incentivando relações de confiança e respeito ao outro, bem como estimulando a busca de parcerias para mudanças. Ambos os parceiros acreditam que a metodologia tem conseguido contemplar a diversidade presente no Programa de Voluntariado Promon, já que, ao garantir a participação dos diferentes atores em todas as etapas do processo, acolhe a diversidade de visões na reflexão sobre mudanças e sobre o futuro do programa, permitindo maior durabilidade e amplitude às ações. 11

PerguntAção: as vozes do voluntariado empresarial Programa de Voluntariado Promon

PerguntAção: as vozes do voluntariado empresarial Programa de Voluntariado Promon PerguntAção: as vozes do voluntariado empresarial Programa de Voluntariado Promon Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Instituto Itaú Cultural 25/11/2014 AGENDA Atores Contexto Sintonia Programa

Leia mais

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única.

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única. Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Avaliação, Monitoramento e Impacto no Programa de Voluntariado Empresarial: Teoria e Prática 25/11/14 Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Lançamento. 25/agosto/2009

Lançamento. 25/agosto/2009 Lançamento Programa de Voluntariado Empresarial Sabesp 25/agosto/2009 Cenário externo Modelo de desenvolvimento insustentável; Desequilíbrio ambiental e escassez de recursos naturais; Aumento da pobreza,

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Transformando o presente, construindo o amanhã.

Transformando o presente, construindo o amanhã. Transformando o presente, construindo o amanhã. Primeira sede em 1988 História No dia 23 de novembro de 1988, a Fundação Belgo-Mineira foi oficialmente constituída, a fim de promover ações de marketing

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS 1. PERÍODO: de _02_/_03_/2009_ a _15_/_08_/2009 2. RESUMO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELA INSTITUIÇÃO, DURANTE O PERÍODO, NO AMBITO DO PROJETO CRIANÇA ESPERANÇA: Por meio das ações do Projeto foi possível

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Secretaria de Coordenação Política e Governança Local

Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Governança Solidária Local O exemplo de Porto Alegre Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Porto Alegre / RS / Brasil Brasília 2.027 Km Buenos Aires 1.063 Km Montevidéu 890 Km Assunção

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Estratégias para o desenvolvimento humano

Estratégias para o desenvolvimento humano ofício Estratégias para o desenvolvimento humano A Olhar Cidadão é uma empresa de planejamento estratégico, gestão e inovação, na qual se desenvolvem soluções integradas, projetos e ideias que contribuam

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

SELO SOCIAL VIRAVIDA. Você acaba de chegar ao SELO SOCIAL VIRAVIDA SELO SOCIAL VIRAVIDA REGULAMENTO

SELO SOCIAL VIRAVIDA. Você acaba de chegar ao SELO SOCIAL VIRAVIDA SELO SOCIAL VIRAVIDA REGULAMENTO SELO SOCIAL VIRAVIDA BOAS VINDAS! Você acaba de chegar ao SELO SOCIAL VIRAVIDA SELO SOCIAL VIRAVIDA REGULAMENTO 1. DO SELO 1. O Selo Social ViraVida é uma iniciativa do Serviço Social da Indústria - SESI,

Leia mais

Coordenação Técnica. Iniciativa

Coordenação Técnica. Iniciativa Coordenação Técnica Iniciativa Características do programa Conjunto de ações de formação para jovens entre 16 a 21 anos moradores das periferias das grandes metrópoles. Objetivos compartilhados Coordenação

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO SESI. Reconhecendo Parcerias, Transformando Vidas. REGULAMENTO

CONSELHO NACIONAL DO SESI. Reconhecendo Parcerias, Transformando Vidas. REGULAMENTO CONSELHO NACIONAL DO SESI Reconhecendo Parcerias, Transformando Vidas. Um Selo que surge para reconhecer o trabalho das pessoas e instituições que, em parceria com o SESI, constroem pontes para que adolescentes

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 1. Introdução Desnecessário discorrer sobre a importância da iniciação científica para a formação acadêmica e seus benefícios

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Filosofia Elos transformando comunidades Isoladas em comunidades empreendedoras ABES SP 29/09/2015

Filosofia Elos transformando comunidades Isoladas em comunidades empreendedoras ABES SP 29/09/2015 Filosofia Elos transformando comunidades Isoladas em comunidades empreendedoras ABES SP 29/09/2015 ETAPAS MOBILIZAÇÃO + IMPULSO Realização Guerreiros Sem Armas 2014 AÇÃO + FORMAÇÃO Desenvolvimento do

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

Responsabilidade Social na Cadeia de Valor o papel do setor atacadista-distribuidor. Geraldo Eduardo da Silva Caixeta

Responsabilidade Social na Cadeia de Valor o papel do setor atacadista-distribuidor. Geraldo Eduardo da Silva Caixeta Responsabilidade Social na Cadeia de Valor o papel do setor atacadista-distribuidor Geraldo Eduardo da Silva Caixeta ABAD Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores Com mais de 25 anos de história,

Leia mais

Jorn. Esp. Cris Guimarães

Jorn. Esp. Cris Guimarães As Relações Institucionais como Estratégia de Fortalecimento das Causas Sociais Jorn. Esp. Cris Guimarães Quem somos Missão: Potencializar o desenvolvimento integral da criança, adolescente e jovem numa

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Voluntariado No Colégio SESI - Um Exercício De Cidadania

Mostra de Projetos 2011. Voluntariado No Colégio SESI - Um Exercício De Cidadania Mostra de Projetos 2011 Voluntariado No Colégio SESI - Um Exercício De Cidadania Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

Proposta de curso de especialização em Educação Física com ênfase em Esporte Educacional e projetos sociais em rede nacional.

Proposta de curso de especialização em Educação Física com ênfase em Esporte Educacional e projetos sociais em rede nacional. Proposta de curso de especialização em Educação Física com ênfase em Esporte Educacional e projetos sociais em rede nacional. JUSTIFICATIVA Esporte Educacional & Projetos Sociais Esporte como meio de inclusão

Leia mais

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Instituto Serzedello Corrêa - ISC É uma unidade de apoio estratégico ligada à Presidência do TCU. Criado pela Lei Orgânica do

Leia mais

Projeto Escola Brasil

Projeto Escola Brasil Projeto Escola Brasil Projeto Escola Brasil Programa de voluntariado corporativo do Grupo Santander Brasil Objetivos: Atuar pela melhoria da educação na escola pública Envolver a comunidade e estimular

Leia mais

Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil

Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil Avaliar o desempenho financeiro da organização.5 Fazer uso inteligente do que se tem à disposição Durante anos, foi comum acreditar

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Canal Futura. Comprometido com a Transformação Social

Canal Futura. Comprometido com a Transformação Social Canal Futura Comprometido com a Transformação Social Retratos do Brasil Total 190.755.799 habitantes Homens: 48,97% (93,4 milhões) Mulheres: 51,03% (97,3 milhões) Brancos: 47,73% Negros: 50,74% Amarelas

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

NO BRASIL: Há 27 anos, 700 empresas, 2,3 milhões de alunos beneficiados, 2 mil escolas, mais de 85 mil voluntários.

NO BRASIL: Há 27 anos, 700 empresas, 2,3 milhões de alunos beneficiados, 2 mil escolas, mais de 85 mil voluntários. 2011 NO MUNDO: Fundada em 1919 e atualmente em mais de 123 países. NO BRASIL: Há 27 anos, 700 empresas, 2,3 milhões de alunos beneficiados, 2 mil escolas, mais de 85 mil voluntários. NO ESPÍRITO SANTO:

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Programa Escola do Olhar. ImageMagica

Programa Escola do Olhar. ImageMagica Programa Escola do Olhar ImageMagica Programa Escola do Olhar O Programa Escola do Olhar visa implementação de Oficinas de Fotografia, artesanal ou digital, em equipamentos públicos, como escolas. Através

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 A Redes da Maré seleciona tecedores para o Programa Criança Petrobras (PCP) na Maré. Antes de se candidatar, conheça bem os valores e atuação da instituição.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Apoio às políticas públicas já existentes;

Apoio às políticas públicas já existentes; Uma voz complementa a outra, um sorriso cativa o próximo e é nesse pensamento que o Instituto Mundo Melhor, organização sem fins lucrativos liderada pelo Grupo MM Mercadomóveis, trabalha com projetos sociais

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal.

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. André Jonatas Barbosa EMEF Gal. Júlio Marcondes Salgado Resumo Este trabalho tem por objetivo relatar

Leia mais

Programa Escola Aberta

Programa Escola Aberta Programa Escola Aberta O Programa Escola Aberta foi criado a partir de um acordo de cooperação técnica entre Ministério da Educação e a Unesco, implantado em 2004. No Estado do Paraná tem seu início no

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CÂMARA MUNICIPAL DE VIZELA

EMPREENDEDORISMO CÂMARA MUNICIPAL DE VIZELA EMPREENDEDORISMO CÂMARA MUNICIPAL DE VIZELA ATIVIDADE MUNICIPAL INOVAR VIZELA Fundo de apoio às micro e pequenas empresas do concelho CMV + IAPMEI + NORGARANTE + BES + ADRAVE CENTRO DE INCUBAÇÃO DE VIZELA

Leia mais