BPF & C. Process. focus. Manual de Boas Práticas de Fabricação e Controle. Realização 1ª EDIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BPF & C. Process. focus. Manual de Boas Práticas de Fabricação e Controle. Realização 1ª EDIÇÃO"

Transcrição

1

2 BPF & C Manual de Boas Práticas de Fabricação e Controle Realização & Process focus 1ª EDIÇÃO

3 Sumário 04 SEÇÃO 1 - Introdução 05 As Boas Práticas de Fabricação & Controle 11 SEÇÃO 2 - Requisitos Básicos 2.1 Sugestão para implementação das BPF&C com requisitos mínimos. 2.2 Recomendação de Documentação básica para as BPF&C. 2.3 Funções e Fluxograma de Funcionamento para as BPF&C. 2.4 Qualificação e Validação das práticas. 23 SEÇÃO 3 Apêndices 23 Apêndice A Formulários 34 Apêndice B Programa 5S 39 Apêndice C Norma ABNT EB Apêndice D Norma IPC- A 610C 95 Apêndice E Orientações para fornecimento de componentes para montagem de placas de circuitos impressos

4 INTRODUÇÃO BPF&C Manual Boas Práticas de Fabricação & Controle

5 SEÇÃO 1: BPF&C Boas Práticas de Fabricação & Controle Programa iniciado na Inglaterra, no final dos anos 60, iniciou como programa voluntário para a indústria e hoje é de adoção obrigatória, de acordo com o RDC 275 de 21/10/02, da ANVISA. É um conjunto de ações que objetiva especialmente a qualidade, segurança de uso, eficácia nos produtos. As normas de BPF&C abrangem: Princípios de Higiene Pessoal; Técnicas de instalações industriais voltadas a produção, armazenamento e transporte de produtos e matérias primas; Sanitização; Controle de Produtos. ORGANIZAÇÃO DA SEÇÃO 1.1 Definições 1.2 Ideal Recomendado 1.3 Mínimo Recomendado 1.4 Documentação das BPF&C 1.5 Integrando a Ger. Processo com Requisitos Normativos 1.6 Integrando Gerencia de Processo e BPF&C 1.7 Mapeamento de Processo utilizando alguns requisitos ISO s 1.1 DEFINIÇÕES As Boas Práticas de Fabricação e Controle são adequações das técnicas operacionais de fabricação aos critérios de segurança e controle exigido para produção, segurança e ambiente. É um conjunto de ações que objetiva especialmente a qualidade, segurança de uso e eficácia nos produtos e serviços. A sigla BPF&C é uma série de práticas que durante fabricação do produto vai protege-lo contra danos, para não trair a confiança do Cliente e da Sociedade, ou seja: Fabricar, Comercializar e Distribuir Produtos com qualidade, confiabilidade e segurança.

6 1.2 IDEAL RECOMENDADO FASE 1 ISO 9001:2000, - Sistema de Garantia da Qualidade (estabelece requisitos da qualidade voltados à satisfação dos clientes), ou ISO TS Sistema Gar. Qualidade (Fornecedores Ind. Automob.), ABNT 1982 Aceitação de Placas Simples e Dupla Face IPC A Fabricação e Montagem de Placas TH e SMT. FASE 2 OHSAS ou BS 8800 Gestão Segurança e Saúde no Trabalho (para prevenção e controle de riscos de acidentes e doenças ocupacionais). FASE 3 NBR 7791 Segurança da Informação FASE 4 2º - ISO Qualidade Ambiental (permite atingir e demonstrar um desempenho ambiental correto) FASE 5 SA 8000 / NBR Responsabilidade Social 1.3 MINIMO RECOMENDADO (PARA QUEM NÃO QUER IMPLANTAR NORMAS ISO) PROCEDIMENTOS Mapa dos Processos, Procedimentos Operacionais Padrão (POP) para Fabricar, Comercializar e Distribuir Produtos. Como vai ser necessário elaborar vários POP s para atender os requisitos de Fabricar, Comercializar e Distribuir Produtos das BPF&C é prático adotar os requisitos descritos na IS0 9000:2000, principalmente os capítulos 7 e 8, pois eles indicam o caminho das pedras Segurança e Saúde Começar pelo 5S (Organização, Ordenação, Limpeza, Asseio, Siaciplina) Matriz de Aspectos e Impactos Matriz de Perigos e Danos EPI Equipamentos de Proteção Individual EPC Equipamentos de Proteção Coletiva PPRA Programa de Prevenção e Riscos Ambientais PCMSO Programa de Controle da Medicina e Saúde Ocupacional Laudo Para Raio, Laudo Extintores, Laudo Elétrico, Laudo Ambiental, Laudo Ergonômico, Laudo Compressores, Brigada de Incêndio, AVCB (Auditoria Visto Corpo de Bombeiros),

7 Rota de Fuga, Alarme Incêndio. Controle de Pragas Urbanas PRODUTOS NORMA ABNT 1982 Aceitação de Placas de Circuito Simples e Dupla face. NORMA IPC A 610 Montagem de Placas de Circuito Impresso PCBA. 1.4 DOCUMENTAÇÃO DAS BPF&C Fig. 1.4 LEMBRE-SE A DOCUMENTAÇÃO É A BASE DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E CONTROLE

8 1.5 Integrando a Gerência de Processo com Requisitos Normativos A adoção de Programas BPF&C segue a lógica da busca pela excelência operacional Fig Requisitos Gerais da ISO 9001: 2000 Estabelecer, documentar, implementar e manter um SGQ e melhorar continuamente a sua eficácia de acordo com os requisitos desta norma. Identificar os processos necessários para o SGQ e sua aplicação por toda a organização. Determinar a seqüência e interação destes processos. Determinar critérios e métodos para assegurar que a operação e o controle desses processos sejam eficazes... Fig PONTO DE PARTIDA PARA TODO O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E CONTROLE

9 1.6 INTEGRANDO A GERÊNCIA DE PROCESSO E AS BPF&C Fig. 1.6 Fig PARTRES INTERESSADAS: ACIONISTAS, CLIENTES, FUNCIONÁRIOS, SOCIEDADE

10 1.7 MAPEAMENTO DOS PROCESSOS UTILIZANDO ALGUNS REQUISITOS ISO s (INDISPENSÁVEL PARA AS BPF&C) ISO-9001 ISO ISO Mapa de Matriz de Aspectos e Matriz de Perigos e Danos Processos Impactos Requisitos que afetam a qualidade Fig. 1.7

11 SEÇÃO 2 BPF&C Requisitos Básicos ORGANIZAÇÃO DA SEÇÃO 2.1 Sugestão para implementação das BPF&C com requisitos mínimos 2.2 Recomendações de Documentação Básica para as BPF&C Elaborar o Mapeamento e Integração dos Processos Elaborar Matriz de Aspectos e Impactos Elaborar Matriz de Perigos e Danos Definir os pontos críticos de controle dos processos 2.3 Fluxograma e Funções para as BPF&C Fluxo Básico Fabricação para as BPF&C 2.4 Validação Entrada de Insumos na Empresa A Função Suprimentos O Processo de Fabricação (Transformação) As Funções do Processo Transporte e Armazenamento A Função Logística Saída Vendas e a Reação do Cliente As Funções Vendas e SAC Sugestão para implemen tação das BPF&C com requisi tos mínimos A Seqüência de Implementação mais recomendada para este tipo de aplicação deve atender aos seguintes itens: Definir a Missão e Visão da Empresa Definir Estratégia e Objetivos Elaborar o Mapeamento dos Processos Elaborar a Matriz de Aspectos e Impactos Elaborar a Matriz de Perigos e Danos Elaborar os Procedimentos para todos os processos Definir os pontos críticos de controle dos processos Treinar nos procedimentos definidos Auditar todos os procedimentos, testes e valida-los Implementar programa 5S pelos 2 primeiros S (Limpeza e Organização)

12 2.2 - Recomendações de Documentação Básica para as BPF&C Elaborar o Mapeamento e Integração dos Processos Fundamental para prover um valor agregado ótimo para o cliente através da criação de valor nos processos de fornecimento com perdas mínimas em Desenvolvimento, Produção e Pós Venda. Ver figuras A e B do apêndice (seção 3) Elaborar o Matriz de Aspectos E Impactos Fundamental para prover um valor agregado ótimo para o cliente através da criação de valor nos processos de fornecimento com perdas mínimas em Desenvolvimento, Produção e Pós Venda. Ver figuras C do apêndice (seção 3) Elaborar Matriz de Riscos e Danos Fundamental para prover um valor agregado ótimo para o cliente através da criação de valor nos processos de fornecimento com perdas mínimas em Desenvolvimento, Produção e Pós Venda. Ver figuras C do apêndice (seção 3) Definir os Pontos Críticos de Controle PCC O QUE É PONTO CRÍTICO DE CONTROLE PCC? O PCC é qualquer ponto ou procedimento específico no qual a perda de controle pode traduzir-se num risco inaceitável. Já o Ponto Crítico de Fabricação PCF é um aspecto do sistema produtivo no qual a perda de controle se traduz na falta de cumprimento de uma norma interna da qualidade. RISCO: É o que facilita a ocorrência de perigos, Ex: Falta de Limpeza Erro de Identificação Matéria prima fora especificação Operações Incompletas Em cada etapa do processo são estabelecidos os perigos e riscos que afetam o objetivo proposto. A árvore de decisão permite encontrar os pontos críticos. Ver figura D do apêndice (seção 3)

13 2.3 - Fluxograma e Funções para as BPF&C Fluxo Básico Fabricação para as BPF&C Fig 2.1- FLUXO DE FABRICAÇÃO BÁSICO PARA DESENVOLVER AS BPF&C

14 2.3.2 Fluxograma de Entrada de Insumos na Empresa Fig 2.2- FLUXOGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DAS ENTRADAS DO PROCESSO A Função Suprimentos Porta de Entrada Guardão dos Custos da Empresa Deve estar a par dos custos de não conformidade Deve discutir com seus pares os motivos de determinadas especificações Deve alertar os pares quando certos requisitos de especificações são responsáveis por grandes diferenciais de custo Deve providenciar a compra de materiais de acordo com as especificações. Avaliação de Fornecedores ISTO É: HARMOMIA ENTRE: Suprimentos Engenharia Qualidade Recebimento TRANSPARÊNCIA entre Departamentos, Empresa e fornecedores

15 2.3.3 O Processo de Fabricação a Transformação dos Insumos Fig 2.3- FLUXOGRAMA DO PROCESSO As Funções do Processo ALMOXARIFADO DE INSUMOS As pessoas deste departamento devem estar adequadamente treinadas para: Seguir os procedimentos de armazenamento de matérias primas e materiais Informar a Qualidade sempre que um novo material é recebido, mantendo-o na área de Quarentena Disponibilizar para a Produção apenas materiais aprovados Identificar adequadamente os materiais recebidos Sempre proceder ao FIFO (Primeiro que entra Primeiro que sai) O espaço físico do almoxarifado de insumos deve ser projetado para comportar de forma organizada e com possibilidade de movimentação adequada o volume de insumos utilizados pela empresa Deve dispor de área para segregação de produtos em análise e para produtos reprovados que aguardam devolução Deve ser organizado e dispor de documentação de movimentação dos materiais, apropriada para informações de rastreabilidade.

16 As Funções do Processo NOTAS: DESEMPENHO FUNCIONAL Realizar as funções de forma estável. Lembre-se, realizar a função é a mais crítica das atividades, mas não a mais difícil. O desafio esta no termo ESTÁVEL ABRANGÊNCIA Parts e Componentes Data sheet e origem; Níveis de Qualidade; Taxas de falhas; Equipamento; Sistema. CONDIÇÕES OPERACIONAIS Ambiente de Utilização Fatores físicos e humanos FATORES DE STRESS Temperatura; Vibração; Umidade; Ruído (Interferências); Poeira; Oxidação; Ação Química; ENGENHARIA As pessoas deste departamento devem: Realizar os desenvolvimentos de forma organizada, cumprindo todas as etapas necessárias para garantir a qualidade do produto final; Manter a documentação de desenvolvimento de produtos em arquivo, organizada, de forma a propiciar consultas sempre que necessário; Gerar ou compilar informações necessárias para a elaboração de todos os procedimentos. Documentos que devem ser gerados para atender as BPF&C Especificações de Matérias Primas Métodos de análises de Matérias Primas Procedimentos de armazenamento de Matérias Primas Planos de amostragem Planos de inspeção de Matérias Primas Especificações de Embalagens Procedimentos para Inspeção de Embalagens Procedimentos de armazenamento e transporte de Produtos Planos de amostragem e inspeção de Produtos Procedimentos Operacionais Padrão para a fabricação de produtos Procedimentos para a correção de lotes fora de especificação Procedimentos para descarte de lotes que não possam ser corrigidos Procedimentos para aceitação condicional de produto final Relatórios de testes em produção Informações a Marketing e Atendimento ao Consumidor PROCESSO Façamos bons contatos Mecânicos, Elétricos e Térmicos.

17 As Funções do Processo PRODUÇÃO Controle Estatístico de Processo Deve ser realizado em pontos críticos da produção; Permite acompanhar tendências de processos; Permite antecipar problemas e corrigi-los máximo dado mínimo Calibração de Intrumentos de Medição Todos os equipamentos utilizados devem ter procedimentos de calibração descritos e contemplados, freqüência e modo de calibração. Resultado das calibrações devem ser documentados Deve-se manter a ficha de calibração em lugar acessível para facilitar consulta. Manutenção de Equipamentos Mapa da manutenção Preventiva de Máquinas e Equipamentos; Manutenções de acordo com Mapa devem ser executadas e registradas; Roteiro de Manutenção diária do operador em máquinas e equipamentos críticos (TPM). Indicadores de Desempenho Devem ser estabelecidos para avaliar a melhoria dos processos; Produtividade Horas de Paradas de Máquina Eficácia Geral do Equipamento Disponibilidade Operacional Maquina (fig. E seção 3) Refugo Retrabalho Horas Extras

18 As Funções do Processo GARANTIA DA QUALIDADE Parte Fundamental das BPF&C; Deve ser independente dos outros setores; Deve estar sob responsabilidade de pessoa habilitada e qualificada. Requisitos Básicos para a GQ. Instalações adequadas; Pessoal treinado; Procedimentos aprovados; Atividades Planos de Controle (Planos da Qualidade); Procedimentos da Qualidade (POP); Procedimentos de Inspeção; Testes; Monitoramento Ambiental; Aprovação/Rejeição de Amostras (Produtos e Insumos) Auditorias do Sistema BPF&C; Auditorias do Processo e Produto; Auditoria de Fornecedores; Avaliação de Fornecedores; Registros; Reclamações de Clientes Transporte e Armazenamento FIG 2.4- FLUXOGRAMA TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO

19 A Função Logística LOGÍSTICA / TRANSPORTE De vital importância nas BPF&C; Nenhum bom produto resiste a armazenamento e transporte inadequados Deve gerar informações importantes sobre estabilidade de produtos e problemas com embalagens Aplica-se o mesmo descrito para o Almoxarifado de Insumos conforme descrito item Saída Vendas e a Reação do Cliente FIG 2.5- FLUXOGRAMA DAS SAÍDAS DO PROCESSO

20 As Funções Vendas e SAC. A FUNÇÃO VENDAS Muitas vezes esquecida Quando agregada à cadeia das BPF&C pode evitar uma série de gastos com devolução de mercadoria avariada O departamento de vendas deve receber cópias dos procedimentos de armazenamento e transporte de produtos e devem receber treinamento que saliente a importância dos procedimentos para evitar avaria de produtos. Deve encaminhar os procedimentos a seus clientes e certificarse que os mesmos os estejam seguindo. A FUNÇÃO SAC Personificação da Qualidade da empresa; Fonte inesgotável de informações dos consumidores; É uma exigência legal (lei do consumidor Manual); Deve dispor de informações completas e atualizados sobre os produtos e serviços da empresa; Deve dispor de pessoal treinado para realizar suas atividades. 2.4 Validação VALIDAÇÃO Para que todo o processo de implementação das BPF&C seja consistente e conduza aos resultados esperados é necessário validar as operações, equipamentos, materiais ou sistemas este é um requisito indispensável para todos. Um processo de validação é estabelecido e realizado de acordo com as especificações de entrada do projeto/processo ou saídas parciais de projeto/processo, sempre que possível, através de testes funcionais junto ao cliente/usuário, antes do produto/ processo ser entregue. Estes resultados são registrados no Protocolo de Validação ou Planilha de Acompanhamento com base nos passos descritos no Cronograma de Projeto do Produto ou no Padrão Técnico de Processo ou Folha de Controle de Processo. Ver fig. F g seção 3 apêndice.

21 2.4 Validação...cont. FILOSOFIA Todas as ações para a Qualidade devem ser documentadas; Todo o processo de validação deve ser coberto por provas evidenciais e documentos; Devem ser definidos critérios confiáveis e de conformidade constante. O QUE QUALIFICAR E VALIDAR (Ver fig. H e I seção 3) Operações Equipamentos Materiais Sistemas Procedimentos BENEFÍCIOS Reprodutibilidade das operações Repetibilidade de resultados Evidências documentadas das etapas avaliadas de um processo Qualidade assegurada do Insumo Diminuir os riscos de desvios de qualidade Diminuir o risco de não conformidades em relação à especificação Base sólida para o treinamento técnico operacional e para a melhoria contínua Integração entre as áreas Redução de custos VANTAGENS A reprodutibilidade e consciência de uma operação totalmente controlada, garante que o Insumo (peças e partes) mantenha os requisitos de qualidade estabelecidos na especificação. ECONOMIA Elimina perdas por falhas nas operações SEGURANÇA Garante ao cliente o fornecimento de produtos dentro dos requisitos de qualidade estabelecidos; Exigência de fornecedores com padrão de qualidade reconhecido

22 2.4 Validação...cont. Exemplo: VALIDAÇÃO DA LIMPEZA É a evidência documentada de que o equipamento/dispositivo /ferramenta será submetido a um procedimento de limpeza aprovado, passando a estar adequado a utilização. Seu objetivo é confirmar a existência de um procedimento de limpeza confiável TIPOS DE VALIDAÇÃO Simultânea: Realizada durante as operações de rotina: Os primeiros lotes devem ser monitorados da forma mais abrangente possível; A natureza e as especificações dos testes subseqüentes nas operações devem basear-se na avaliação dos resultados do referido monitoramento. Retrospectiva Realizada com base na revisão e análise de registros históricos, atestando que um sistema, operação, equipamento ou instrumento, já em uso, satisfaz as especificações funcionais e expectativas de desempenho. PROTOCOLO DE VALIDAÇÃO Documento detalhado de todas as etapas de execução de uma atividade de validação, incluindo critérios de aceitação para aprovação de uma operação ou de parte da mesma. PÓS VALIDAÇÃO: Manutenção das Operações Validadas Revalidações Programadas

23 SEÇÃO 3 BPF&C APENDICE A Formulários ORGANIZAÇÃO DA SEÇÃO Mapeamento do Processo Interação do Processo Matriz de Perigos e Riscos Ponto Critico de Controle PCC Disponibilidade Operacional de Máquina Padrão Técnico de Processo Protocolo de Validação Qualificação Validação Formulário Avaliação Qualificação POP Procedimento Operacional Padrão Fig. A Fig. B Fig. C Fig. D Fig. E Fig. F Fig. G Fig. H Fig. I Fig. J

24 FIG A Mapeamento do Processo DOC. Nº LOGO MAPEAMENTO DO PROCESSO página 01 de MACROPROCESSO: SUB-PROCESO: Responsável: Data Revisão FORNECEDORES ENTRADAS ATIVIDADES SUB-PROC PESSOAS + EQUIPAM. SAÍDAS CLIENTES APOIO / SUPORTE DEPARTAMENTO INDICADORES DE DESEMPENHO Descrição Meta Quem Quando Onde Como / Formula Qdo. atuar

25 FIG B INTERAÇÃO DOS PROCESSOS

26 FIG C MATRIZ DE PERIGOD E RISCOS LOGO EMPRESA ÁREA / DIVISÃO Identificação Aspecto / Perigo LEVANTAMENTO E AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS RISCOS E PERIGOS IDENTIFICAÇÃO Impactos / Riscos Requisitos Legais e Outros Revisão: Data: APROVAÇÃO SETOR PROCESSO Atividade Tarefa Aspecto Perigo Situação Incidência Freqüência Impacto Risco Referência Classe Temporariedade Abrangência Freqüência Severidade Partes Interessadas Requisito Importância Significância Control. Disponiveis Repres. Direção RD data

27 FIG D DETERMINAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE

28 FIG E DISPONIBILIDADE OPERACIONAL DE MÁQUINA MTBF/(MTBF + MTTR) Disponibilidade Intrínseca A= MTBF/(MTBF + MTTR) Disponibilidade Operacional Ao= MTBM/(MTBM + MDT)

29 FIG. F PADRÃO TÉCNICO DE PROCESSO LOGOTIPO PADRÃO TÉCNICO DE PROCESSO PTP Nº PROCESSO: PREPARADO APROV. DATA DATA REVISÃO FOLHA FLUXO- GRAMA Etapa Taref PROCESSO CONTROLE DO PROCESSO P C C INSPEÇÃO / AMOSTRAGEM Inst. Caract. Método Instrução Valor Meio Valor Descrição Respons. Tamanho Frequenc Nº Controle Controle Controle Aceitável Medição Aceitável Plano Ação P C C Ponto Crítico de Controle

30 FIG. G PROTOCOLO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSOS LOGO PROTOCOLO VALIDAÇÃO DE PROCESSOS FOLHA: PROCESSO: AVALIADOR Visto DATA APROVAÇÃO Visto DATA VALIDADO EM: Etapa Tarefa Entradas Chave Saídas Chave CONTROLE DO PROCESSO AMOSTRAGEM Dados Caract. Método Meio Controle Controle Medição Tamanho Freqüência A V Valor Aceitáv. Valor Encontr. DADOS A = Atributos V = Variáveis

31 FIG. H O QUE QUALIFICAR E VALIDAR

32 FIG. I FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO / QUALIFICAÇÃO LOGO FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO QUALIFICAÇÃO Depto: Céleula/Posto Avaliador: Visto: Data: Seq. ITEM DESCRIÇÃO PTOS OBSERVAÇÕES 1 Checklist São usados, dispostos de forma organizada 2 Pontos críticos são verificados diariamente 3 Diário de Bordo: Produção São usados e dispostos de forma organizada 4 Histórico de Paradas Registrados 5 Defeitos - Não Conform. Registrados 6 Manutenção Operador Ferramentas Limpas e em fácil acesso 7 Pode explicar os controles descritos no checklist 8 Limpeza e identificações visuais visíveis 9 Controles do equipamento são identificados (visíveis) 10 Folha Manutenção Diária Operador verificada pelo operador 11 Manutenção - Folha de Folhas TPM estão atualizadas 12 Registro Manutenções Manutenção preventiva realizada como planejado 13 Participou no treinamento aos operadores 14 Qualidade dos concertos é boa, o problema não ocorre novamente 15 Manuais das máquinas estão disponíveis 16 Vazamentos Não são visíveis vazamentos / nem ouvidos vazamentos de ar 17 Remoção itens Todos os itens desnecessários para a Operação foram retirados desnecessários Da área de trabalho: Somente Ferramentas e Produtos estão Presentes nos postos de trabalho Total Possível: 85 Total / 17 = Média Possível: 5

33 FIG. J POP PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO LOGO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP POP Nº PROCESSO PTP: Folha: 1 de Tarefa Nº: Específico [ ] Emitente Especial [ ] Data Revisão: Comum [ ] Elaborado Manual Trein [ ] Recursos Necessários Cuidados Especiais Atividade Descrição (se possível croqui) Problema Desvio Ações Necessárias

34 SEÇÃO 3: BPF&C APENDICE B Resumo: O Programa 5 S

35 O PROGRAMA 5S O QUE É: O 5S é a preparação do ambiente físico e comportamental para o desenvolvimento da Qualidade Total. DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO SEIRI SENSO DE SELEÇÃO Selecionar os documentos, materiais, equipamentos necessários dos desnecessários, visando à utilização racional. SEITON SENSO DE ORDENAÇÃO Efetuar a arrumação dos objetos, materiais e informações úteis, de maneira funcional, possibilitando acesso rápido e fácil. SEISO SENSO DE LIMPEZA Limpar é eliminar a sujeira inspecionando para descobrir e atacar as fontes de problemas. SEIKETSU SENSO DE BEM- ESTAR Eliminar fatores que possam atuar negativamente sobre os indivíduos no ambiente de trabalho. SHITSUKE SENSO DE DISCIPLINA Conscientizar as pessoas da necessidade de buscar o autodesenvolvimento e consolidar as melhorias alcançadas com a prática dos 4S anteriores VISÃO DOS 5S VISÃO GERAL DOS 5 S

36 OS S SIGNIFICADO OBJETIVOS (SEIRI) SENSO DE SELEÇAO Distinguir o necessário do desnecessário e eliminar o desnecessário Estabelecer critérios para eliminar o desnecessário e obedecê-los. Adotar o gerenciamento pela estratificação para definir prioridades. Tratar as causas da sujeira (SEITON) SENSO DE ORDENAÇÃO Definir um arranjo simples que permita obter apenas o que você precisa, quando precisa. Ambiente de trabalho arrumado Lay Out e arrumação eficiente (incluindo qualidade e segurança). Aumento da produtividade através da eliminação do tempo gasto procurando as coisas. (SEISO) SENSO DE LIMPEZA Eliminar o lixo, a sujeira e os materiais estranhos, tornando o local de trabalho mais limpo. Limpeza como uma forma de inspeção. Grau de limpeza compatível com suas necessidades. Eliminação total do lixo e da sujeira. Descobrir pequenos problemas através de inspeções de limpeza. Compreender que limpeza é inspeção. (SEIKETSU) SENSO DE BEM ESTAR Manter as coisas organizadas, arrumadas e limpas, incluindo os aspectos pessoais e os relacionados à poluição. Padrões de Gerenciamento para manutenção dos 5S. Gerenciamento Visual para revelar as anormalidades. (SHITSUKE) SENSO DE DISCIPLINA Fazer naturalmente a coisa certa Participação total no Desenvolvimento de bons hábitos e locais de trabalho que sigam as regras. Comunicação e Feedback (diário)

37 OS 10 MANDAMENTOS DO 5S I Ficarei com o estritamente necessário; II Definirei um lugar para cada coisa; III Manterei cada coisa no seu lugar; IV Manterei tudo limpo e em condições de uso; V Combaterei as causas da sujeira; VI Identificarei toda situação de risco; VII Trabalharei com segurança; VIII Questionarei tosa norma ou padrão até entendê-lo; IX Procurarei formas de melhorar o meu trabalho; X Honrarei todos os meus compromissos.

38 BENEFÍCIOS DO 5S RESULTADOS SEIRI SEITON SEISO SEIKETSU SHITSUKE ELIMINAÇÃO DO DESPERDÍCIO OTIMIZAÇÃO DO ESPEÇO RACIONALIZAÇÃO DO TEMPO REDUÇÃO DO STRESS DAS PESSOAS REDUÇÃO DAS CONDIÇÕES INSEGURAS PREVENÇÃO DE QUEBRAS AUMENTO DA VIDA ÚTIL PADRINIZAÇÃO PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO MELHORIA DA QUALIDADE MELHORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS INCREMENTO DA EFICIÊNCIA CONFIABILIDADE DE DADOS REDUÇÃO DE ACIDENTES INCENTIVO A CRIATIVIDADE AUTODISCIPLINA DIGNIFICAÇÃO DO SER HUMANO BASE PARA O SISTEMA DA QUALIDADE ISO BOA CONTRIBUIÇÃO ÓTIMA

39 SEÇÃO 3: BPF&C APENDICE C RESUMO: Aceitação de Placas de Circuito Impresso Simples e Dupla Face ABNT EB 1982 PCI.

40 A NORMA ABNT EB 1982: Norma ABNT EB 1982 Aceitação de Placas de Circuito Impresso Simples ou Dupla Face PCI 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fixa condições exigíveis para aceitação de placas de circuito impresso. 1.2 Esta Norma caracteriza os defeitos em placas de circuito impresso ( PCI ), especifica os valores e tolerâncias admissíveis e referencia o métdo de ensaio adequado a ser utilizado para que tais defeitos sejam convenientemente medidos. 1.3 Esta Norma se aplica exclusivamente a placas de circuito impresso de base rígida de simples ou dupla face com ou sem furos metalizados, com base epóxi. 1.4 A placa impressa no que se refere ao projeto e fabricação esta dividida em cinco classes de traçado ( ver tab. 7), que refletem um progressivo grau de processamento, sofisticação e custo de materiais. Esta Norma também possui varias normas complementares que quando aplicada devem ser consultados. Neste apêndice estaremos apresentando somente alguns pontos destacados por esta Norma. Nota: Observem que nas tabelas a seguir foi indicado um retângulo azul exemplificando a classe IV, esta classe foi escolhida aleatoriamente somente como exemplo. Cada empresa deve se situar no grau específico a seu processo (Classes I a V).

41 2. Tabela 7 Classe de Traçado para PCI

42 2.1 Dimensões das PCI Dimensões de contorno A tolerância geral do contorno da PCI (não incluindo entalhes, conector de borda, ranhura de referência, etc.), conforme classe de traçado deve estar de acordo com o contido na tabela 7. Valores preferenciais de espessuras recomendados 0,8 1,2 1, Espessura da PCI LAMINADOS ENÓLICOS Tipos: XPC - FR2 N - FR2 G Tipo Fornecimento XPC com espessuras de 0,8mm a 2,0mm cobreados em um ou dois lados. FR2 N com espessuras de 0,8mm a 2,0mm cobreados em um ou dois lados. FR2 G isento de halogêneos, com espessuras de 0,8mm a 2,0mm cobreados em um ou dois lados. -CHAPA Dimensões Tolerâncias Conforme Fornecedor (+ 10 / - 0 mm) Tolerâncias ESPESSURAS = E Cobre 1 oz Cobre 1 oz a 2 oz (0,035) mm (0,035 a 0,070) mm Face simples Dupla face 0,8 / 1,0 / 1,2 +/ / ,5 / 1,6 +/ / ,0 +/ / LAMINADOS EPOXI Tipos: CEM 1 - FR4 - UT Tipo CEM 1 FR4 UT Fornecimento espessuras de 0,8mm a 1,6mm, cobreados em um ou dois lados. espessuras de 0,8mm a 3,2mm, cobreados em um ou dois lados. espessuras de 0,5mm a 0,76mm cobreados em um ou dois lados. CHAPA Dimensões Tolerâncias Conforme Fornecedor (+ 10 / - 0 mm) Tolerâncias Cobre 1 oz Cobre 1 oz a 2 oz ESPESSURAS = E (0,035) mm (0,035 a 0,070) mm Face simples Dupla face 0,8 / 1,0 / 1,2 +/ / ,5 / 1,6 +/ / ,0 +/ /- 0.15

43 TOLERÂNCIAS CHAPAS DE CELERON Espessura pol mm Variações permitidas, em mm Celeron - Classe C C.1001/C.1002/C.1003 Celeron 0,010 0,25. +/-0,08 0,015 0,40. +/- 0,09 0,020 0,50. +/- 0,10 0,025 0,65. +/- 0,12 1/32 0,80. +/- 0,13-1,00 +/- 0,17 +/- 0,14 3/64 1,20 +/- 0,17 +/- 0,14-1,50 +/- 0,19 +/- 0,15 1/16 1,60 +/- 0,19 +/- 0,15-2,00 +/- 0,23 +/- 0,16 3/32 2,40 +/- 0,23 +/- 0,16-2,50 +/- 0,25 +/- 0,19-3,00 +/- 0,25 +/- 0,19 1/8 3,20 +/- 0,25 +/- 0,19-3,50 +/- 0,28 +/- 0,23 5/32 4,00 +/- 0,28 +/- 0,23 3/16 4,80 +/- 0,32 +/- 0,28 7/32 5,50 +/- 0,36 +/- 0,28 1/4 6,35 + 0,76 +0,61 5/16 8,00 + 0,89 + 0,74 3/8 9,50 + 1,02 + 0,76 7,16 11,10 + 1,12 + 0,97 5/8 15,90 + 1,35 + 0,61 Pelo menos 90% da área do laminado industrial, deve estar dentro da tolerâncias das tabelas acima. Em ponto algum pode apresentar uma variação maior que 125%, da tolerância normatizada. Para espessuras de chapas de Celeron não constantes da tabela, o valor da tolerância será o da espessura imediatamente superior.

44 2.2 Determinação da Curvatura e Torção Máxima Para placas circulares considera-se o Diâmetro

45 TABELA 2 EMPENAMENTO CIRCUITO IMPRESSO FACE SIMPLES CIRCUITO IMPRESSO DUPLA SIMPLES Espess. Nomin. do material base Tecido de G-10 ou FR 4 mm % < 0,8 1,5 0,81 a 1,2 1,5 1,21 a 1,6 1,5 1,61 a 2,4 1,0 2,41 a 3,2 0,8 > 3,2 0,8 < 0,8 1,5 0,81 a 1,2 1,5 1,21 a 1,6 1,0 1,61 a 2,4 0,7 2,41 a 3,2 0,5 > 3,2 0,5 2.3 LARGURA DA PISTA E DIÂMETRO ILHA

46 2.4 SERRILHA E LACUNA

47 2.5 PISTA INTERROMPIDA / PARTICULAS METÁLICAS

48 2.6 MASCARA DE SOLDA SOMBRA

49 2.7 DESCENTRALIZAÇÃO

50 2.8 DIÂMETROS DOS FUROS

51 2.9 - SOLDABILIDADE

52 2.10 VERNIZ

53 2.11 OXIDAÇÃO

54 SEÇÃO 3: BPF&C APÊNDICE D Parte 1 IPC A 610C Abstract, Introdução original a título de conhecimento, texto em inglês. Parte 2 IPC A 610C Resumo das aplicações dos critérios de aceitação de montagens eletrônicas.

55 Parte 1 IPC A 610C Abstract, Introdução original a título de conhecimento, texto em inglês

56

57 1 Acceptability of Electronic Assemblies Scope Purpose Specialized Designs Terms & Definitions Classification Customer Responsibility Acceptance Criteria Target Condition Acceptable Condition Defect Condition Process Indicator Condition Conditions Not Specified Board Orientation Primary Side Secondary Side Solder Source Side Solder Destination Side Electrical Clearance Cold Solder Connection Leaching Meniscus (Component) Examples and Illustrations Inspection Methodology Verification of Dimensions Magnification Aids and Lighting Applicable Documents IPC Documents Joint Industry Documents EOS/ESD Association Documents Electronics Industries Alliance Documents International Electrotechnical Commission Documents Handling Electronic Assemblies Electrical Overstress (EOS) Damage Prevention Electrostatic Discharge (ESD) Damage Prevention Warning Labels Protective Materials EOS/ESD Safe Workstation/EPA Handling Guidelines Physical Damage Contamination Electronic Assemblies After Soldering Gloves and Finger Cots Mechanical Assembly Hardware Hardware Mounting Electrical Clearance Excess Solder Threaded Fasteners Minimum Torque for Electrical Connections Wires High Voltage Application Component Installation High Power Hole Obstruction of Solder Fill Swaged Hardware Flared Flange Controlled Split Flat Flange - Fused-in-Place Terminals Component Mounting Mounting Clips Adhesive Bonding - Non-Elevated Components Adhesive Bonding - Elevated Components Wire Hold Down Cable Ties, Tie Wraps, Spot Ties Lacing Wire Dress for Terminations to Connectors Without Strain/Stress Relief 4-33

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ

FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ Boas Práticas de Fabricação APLICAÇÃO NA PRÁTICA Linha do Tempo nas BoasPráticas Criação Pela pelo constatação FDA do primeiro de problemas guia referentes de GMP; OMS à contaminações

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC

FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC FERRAMENTAS DA QUALIDADE Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC As ferramentas da qualidade têm os seguintes objetivos: Facilitar a visualização e o entendimento dos problemas; Sintetizar o conhecimento e as

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br [ Soluções integradas de Engenharia e Gestão para Processos Industriais ] [ apresentação ] A NEVES DO BRASIL Fundada em 2008 com sua unidade matriz em Americana (SP) a Neves do Brasil busca fornecer soluções

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS MANUAL 5 SENSOS Ref.: MSGQ-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 09 1. INTRODUÇÃO O programa 5S tem como principais objetivos mudar comportamentos,

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

Farm. Denise de S. G. Silveira

Farm. Denise de S. G. Silveira Farm. Denise de S. G. Silveira Programa Introdução a Validação Regulamentação Metodologia Tipos de validação Plano Mestre de Validação Planos de Qualificação Bolo da Vó O que é preciso fazer para que o

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

ISO 9001:2008 Item 6 - Gestão de Recursos

ISO 9001:2008 Item 6 - Gestão de Recursos SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 Item 6 - Gestão de Recursos Conceitos da Qualidade Qualidade Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos Requisitos Necessidade

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento Workshop RDC 48 Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para 11. Pessoas & Treinamento 5. Saúde, 1. Considerações Gerais 2. Definições 3. Gestão da Qualidade 4. BPF Higiene, Vestuário e 6.

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

8.4 Análise de Dados (ISO 9001/2000)

8.4 Análise de Dados (ISO 9001/2000) 179 8.4 Análise de Dados (ISO 9001/2000) Item Questão Atende OBS: S N N A 1 A empresa determina, coleta e analisa dados apropriados para assegurar a eficácia do sistema de gestão da qualidade e aplicação

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade Edição 01/08 MÓDULO 5S`s Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade 1 Conteúdo Programático do Módulo 5S Conteúdo Origem do 5S Objetivos do 5S

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Normas Técnicas SWP Safe Working Periods General overhaul

Normas Técnicas SWP Safe Working Periods General overhaul Normas Técnicas SWP Safe Working Periods General overhaul 21 21 Demag Cranes & Components 2012 NR18 Desde de dezembro de 2011 a norma NR18 foi revisada no item 18.14.1 e aplica-se também a equipamentos

Leia mais