TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE"

Transcrição

1 TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O CONTROLO, PREVENÇÃO E VIGILÂNCIA EM PORTUGAL P r o g r a m a N a c i o n a l d e L u t a C o n t r a a T u b e r c u l o s e CONCLUSÕES DO SEMINÁRIO SOBRE TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE DGS - LISBOA, 14 E 15 DE MAIO DE 2008

2

3 Conclusões do Seminário sobre Tuberculose Multirresistente DGS - Lisboa, 14 e 15 de Maio de 2008 DGS/PNT/CRNMR/ Participantes Fonseca Antunes Miguel Villar Raquel Duarte Ulisses de Brito Ana Paula Abreu Teresa Serra Aurora Carvalho Carlos Gomes Edna Pereira Ana Maria Correia Cristina Furtado Ana Lino Ferreira Elisabete Gonçalves M Fátima Gonçalves Lídia Ferreira Ana Maria da Silva João Costeira Paulo Cravo Roxo Cristina Martins Carlos Pavão Lucília Rodrigues M Conceição Serpa Dias Maria dos Santos Reis Susana Barbeitos Teresa Jardim Judite Maia Eugénio Cordeiro M Fernanda Ribeiro M Inez Galvão Apresentador da Situação Epidemiológica da TB e relator final Proponente no tema Gestão do Processo Clínico e relator final Relatora no tema Vigilância Epidemiológica e relator final Relator no tema Gestão do Processo Clínico Proponente no tema Gestão da Farmácia Relatora no tema Gestão da Farmácia Proponente no tema Controlo da Infecção Relatora no tema Controlo da Infecção Proponente no tema Laboratório Relatora no tema Laboratório Proponente no tema Vigilância Epidemiológica Farmacêutica da ARS Norte Farmacêutica da ARS Centro Farmacêutica da ARS LVT Farmacêutica da ARS Alentejo Farmacêutica da ARS Algarve Centro de Referência da Região de LVT Centro de Referência da Região Centro Centro de Referência da Região A. da Madeira Centro de Referência da Região A. dos Açores Centro de Referência da Região Centro Centro de Referência da Região Alentejo Centro de Referência da Região Alentejo Centro de Referência da Região A. Açores Centro de Referência da Região Madeira Coordenação do PNT na Região Centro Coordenação do PNT na Região Centro Organizadora do Seminário Secretária do Seminário Página 2

4 Índice Índice...3 Enquadramento...4 Objectivo do documento...5 Áreas estratégicas...5 Gestão do processo clínico...5 Diagnóstico rápido de multiresistência...6 Tratamentos padronizados...6 Toma observada directamente (TOD)...7 Internamento...8 Alta hospitalar...8 O registo da informação...8 Rastreio de contactos...9 Gestão da farmácia...9 Centralização dos procedimentos de importação dos medicamentos...9 Calculo das estimativas...10 Alta hospitalar...11 Lista dos antibacilares de 2ª linha...11 Laboratório...11 Identificar precocemente os casos de TBMR...11 Normalizar a requisição laboratorial...12 Gerir o processo e monitorizar o tratamento...13 Vigilância epidemiológica...13 Dados do episódio actual...14 Dados dos tratamentos anteriores...15 Controlo da infecção nosocomial...15 Medidas de controlo administrativo / normativo...15 Medidas de controlo ambiental...16 Medidas de protecção individual...17 Parâmetros a considerar na avaliação do Plano de Controlo da Infecção (anual)...18 Investigação no caso da ocorrência de surto ou cluster...18 Anexos Glossário Antibacilares de 1ª e 2ª linha...20 Página 3

5 Enquadramento A emergência de resistência aos fármacos usados para tratar a tuberculose (TB) e particularmente, a TB Multirresistente (TBMR), tornou-se a maior ameaça à efectividade do controlo da tuberculose. Em Portugal, a proporção de casos incidentes de TBMR situa-se dentro da mediana dos países da Europa Ocidental (cerca de 2% do total de casos). Contudo, o elevado número de casos de TBMR em prevalência no nosso país, os tempos muito prolongados de infecciosidade destes casos e a elevada expansão da resistência aos fármacos de 2ª linha, concorrem para um alto risco de se tornar um problema endémico, sem que se disponha de antibióticos eficazes para cortar a cadeia de transmissão e evitar a morte de muitos doentes. A situação, que é particularmente séria na área metropolitana de Lisboa, motivou que o Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose (PNT) considerasse, no seu plano de acção a curto prazo em 2007, a TBMR como a área prioritária, com consequente definição de uma estratégia que visa eliminar a TBMR como problema de Saúde Pública em Portugal. É no âmbito desta estratégia de concentração de recursos especializados e de partilha da gestão dos processos, que foram criados os Centros de Referência para a TBMR nas Regiões do Continente e Regiões Autónomas, funcionando em rede com a coordenação do Centro de Referência Nacional. Em antecipação ao pleno funcionamento desta rede de referência, foi promovido um encontro em seminário com os profissionais mais directamente envolvidos, tendo como objectivo a padronização e operacionalização das medidas de prevenção, de prestação dos cuidados e de vigilância de acordo com as especificidades de cada Região. Página 4

6 Objectivo do documento O presente documento tem por objectivo definir procedimentos padronizados para o exercício da actividade dos Centros de Referência Regionais para a TBMR. Tem como base as conclusões do seminário sobre o mesmo tema que decorreu na Direcção-Geral da Saúde em 14 e 15 de Maio de 2008, depois do debate da sua aplicabilidade com os médicos, farmacêuticos e enfermeiros envolvidos nestes serviços. Abordaram-se especificamente cinco áreas estratégicas: 1. Gestão do processo clínico; 2. Gestão da farmácia; 3. Laboratório; 4. Vigilância epidemiológica; 5. Controlo da infecção nosocomial. Áreas estratégicas Gestão do processo clínico Um caso de TBMR implica um processo longo e complicado que necessita de uma gestão regular e criteriosa. No sentido de uniformizar os procedimentos associados à gestão do processo clínico apresentam-se os itens considerados mais relevantes e que passam pelo diagnóstico rápido de multiresistência, pelo estabelecimento de esquemas de tratamento padronizados até à obtenção dos testes de susceptibilidade que permitam o estabelecimento dos esquemas individuais de tratamento assim como indicações para internamento hospitalar e rastreio de contactos. Página 5

7 Diagnóstico rápido de multiresistência Os doentes com TBMR têm maior risco de insucesso terapêutico. O diagnóstico precoce de TBMR e o seu adequado tratamento melhora o prognóstico do doente e o controlo da doença na comunidade. São considerados factores de risco para multiresistência: retratamento, contacto com tuberculose multirresistente, actividade profissional em unidades de saúde, infecção pelo vírus de imunodeficiência humana (VIH), toxicodependência, reclusão e imigração de países com alta prevalência de tuberculose. Assim, determina-se que o teste da detecção molecular para a multirresistência deve ser requisitado a todos os doentes com factores de risco para a multirresistência. Tratamentos padronizados O início do tratamento de uma tuberculose deve ser efectuado com esquema padrão até à obtenção dos testes de susceptibilidade que permitirão a escolha de um tratamento individualizado. De acordo com o risco de TBMR e seguindo as orientações da Organização Mundial da Saúde preconiza-se que: 1. Num caso novo, o doente faça o esquema 2HRZE / 4HR. 2. Num retratamento e de acordo com o esquema terapêutico e adesão anterior: 2.1. Se o tratamento anterior tiver sido cumprido com esquema correcto (fármacos e tempo), utilizar o esquema 2HRZES /1HRZE/5HRE Se o tratamento anterior tiver sido incorrecto, se já tiver havido mais do que um tratamento anterior ou se houver suspeita de multirresistência, deve instituir-se um esquema padronizado para a TBMR, que se apresenta na tabela 1. Tabela 1. Esquemas padronizados perante suspeita de TBMR Página 6

8 TSA não disponível (regime padronizado) TSA disponível (regime individualizado) Fase inicial 6 meses Km(ou Cm)+Eto+Q+Z+/-E Fase de continuação 12 a 18 meses Eto+Q+Z+/-E Resistente a HR S (Km,Am,Cm)+Eto+Q+Z+/-E Eto+Q+Z+/-E Resistente a todos os antibacilares de 1ª linha Fármaco injectável + Q + 2 destes 3: PAS, Eto,Cs Os mesmos fármacos, excepto o injectável Resistente aos de 2ª linha De acordo com TSA De acordo com TSA 1 H-isoniazida; R-rifampicina; Z-pirazinamida; E-etambutol; S-estreptomicina; Km-canamicina; Cm-capreomicina; Etoetionamida; Q-quinolona; Am-amicacina; PAS-ácido para-aminosalicílico; Cs-cicloserina Nunca adicionar só um antibacilar. De preferência, no mínimo dois e que nunca tenham sido utilizados. Toma observada directamente (TOD) A TOD é obrigatória em todos os casos de TBMR e durante todo o tratamento. Deve ser efectuada no domicílio sempre que o internamento não é possível e enquanto a microscopia directa for Página 7

9 positiva (D+). Pode passar a fazer a medicação nos serviços de saúde após a conversão bacteriológica. Internamento O internamento, que deve ser efectuado em quarto com isolamento respiratório (mesmo que seja necessário recorrer a hospital fora da área de residência), deve ser proposto na fase inicial do tratamento. Se o internamento não for possível, a medicação deve ser administrada em regime de TOD no domicílio. Alta hospitalar A alta hospitalar (quer a médica quer a social) deve ser programada atempadamente, através do contacto directo entre o médico responsável pelo internamento e o médico do Centro de Referência Regional para a Tuberculose Multirresistente (CRRMR). Este contacto permitirá uma adequada orientação do doente e a garantia de fornecimento ininterrupto dos fármacos antibacilares ao doente. O registo da informação O registo do histórico de cada caso e dos dados actuais, deve incluir informação detalhada dos TSA e dos esquemas terapêuticos, não esquecendo a sua data de início. Registar também a evolução dos resultados bacteriológicos. As datas dos exames devem corresponder às datas das colheitas. Registar também os efeitos secundários da medicação. Página 8

10 Rastreio de contactos A vigilância activa dos contactos implica um rastreio inicial, aos 3 meses e depois semestralmente até aos 2 anos, respeitando os procedimentos normalmente recomendados. Diagnosticada uma tuberculose latente atribuível a um caso de TBMR deve-se privilegiar a atitude de vigilância activa perante a inexistência de evidência científica que demonstre a eficácia de qualquer tratamento nestes casos. Pontualmente e perante a existência de fármacos com sensibilidade comprovada (relativamente ao caso índice) e sem risco acrescido de toxicidade, pode utilizar-se um esquema com 2 fármacos. Gestão da farmácia É fundamental para o cumprimento da estratégia DOTS-plus uma boa gestão da Farmácia que permita o fornecimento regular dos antibacilares de primeira e de segunda linha. Neste sentido, os participantes presentes no Seminário consideraram da maior importância alguns items. Centralização dos procedimentos de importação dos medicamentos Foi proposta a centralização dos procedimentos de importação dos medicamentos nos Serviços Farmacêuticos da Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (RSLVT) e da Região Norte (RN). Esta proposta deveria ser endossada pela Direcção-Geral da Saúde e necessita do conhecimento e acordo dos Conselhos Directivos das Regiões em causa. Esta proposta pressupõe que os Serviços Farmacêuticos da RSLVT seriam responsáveis pela aquisição dos antibacilares de 2ª linha para as Regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo, Algarve, (Açores e Madeira) e os Página 9

11 Serviços Farmacêuticos da RN seriam responsáveis pela aquisição dos mesmos para as Regiões do Norte e Centro. Calculo das estimativas Tendo em conta o número de doentes em carga e a necessidade da existência de um stock mínimo de todos os antibacilares de 2ª linha, será efectuada a estimativa das necessidades de aquisição. Esta estimativa é feita pelos CRRMR em colaboração com os Serviços Farmacêuticos das respectivas Regiões de Saúde. Os cálculos efectuados exigem que se estabeleçam os seguintes parâmetros (tabela 2): O número médio de utentes / dia; O consumo médio diário (CD) (nº utentes/dia nº unidades entregues); O tempo de demora média (em número de dias) entre a emissão do pedido pelo profissional no CDP e a reposição do stock em causa, considerando todo o circuito/procedimento necessário; A periodicidade de reposição da existência em cada CDP (quinzenal, mensal ou outra). Tabela 2: Exemplo dos cálculos efectuados para a requisição de Cicloserina por um Centro de Referência, considerando 5 doentes e que a Farmácia fornece a medicação de 2 / 2 meses: Nome do antibacilar Consumo diário (CD) Consumo Mensal (CM) Stock de Segurança (SS) Stock Demora Média (SDM) Stock Máximo Ponto da Encomenda CD x 30 dias CM x 10% CD x 60 dias CM+SS+SDM SS + SDM Cicloserina Página 10

12 Alta hospitalar A programação da alta hospitalar deve ser atempada e incluir o contacto directo com o CRRMR. Poderá ser necessário, de acordo com o CRRMR, que o doente seja portador de medicação para 5 dias após a alta de modo a que não haja interrupção no fornecimento da mesma. Lista dos antibacilares de 2ª linha Os Serviços Farmacêuticos regionais deverão estar dotados de stocks dos antituberculosos de uso recomendado cuja listagem deve manter-se actualizada (anexo2). Laboratório O Laboratório de micobacteriologia é um componente indispensável para a boa gestão dum caso de tuberculose multirresistente. Para uma actuação correcta, precoce e que permita um acompanhamento fácil de cada um dos casos, foi reconhecida a importância de uniformização de alguns procedimentos. Identificar precocemente os casos de TBMR Para que seja possível identificar precocemente um caso de TBMR, preconiza-se a realização de teste da detecção molecular para a multirresistência à Rifampicina ou à Rifampicina e Isoniazida (circular normativa nº 12 /DSCS/PNT de ) nas seguintes situações: Retratamentos; TB doença em contacto de TBMR; Grupos de risco: profissionais de saúde, VIH, toxicodependentes, reclusos, estrangeiros; Página 11

13 Outras situações a ponderar pelo clínico (ex: residência em área geográfica de alta prevalência). Normalizar a requisição laboratorial São princípios gerais da normalização da requisição laboratorial: Identificação do serviço requisitante: serviço, médico, data da requisição, assinatura e vinheta do médico; Identificação do doente (n.º processo, n.º utente/subsistema, nome completo, sexo, data de nascimento, morada); Informação clínica: classificação de caso (novo, retratamento), situação no tratamento (sem tratamento / tratamento em curso), multirresistência conhecida; Informação sobre o produto: tipo de produto, n.º amostras, data de colheita; Tipo de pedido: microscopia, teste de amplificação do ácido nucleico (TAAN), teste de detecção molecular de resistências; cultura em meio líquido; cultura em meio sólido; identificação da espécie na cultura; antibiograma de 1ª linha; antibiograma de 2ª linha; tipagem molecular. Normalizar a emissão dos resultados laboratoriais Identificação do serviço requisitante; Identificação do doente (n.º processo, n.º utente, nome completo, sexo, data de nascimento, morada); Informação sobre o produto: tipo de produto, n.º amostras, data de colheita, data de entrada no laboratório, nº da análise, data de saída; Resultados: Exame microscópico: quantificação segundo os critérios da OMS; Página 12

14 Exame cultural em meio sólido: negativo, positivo (quantificado até 200 colónias, em tapete), contaminado, tempo de crescimento; Exame cultural em meio líquido: negativo, positivo, contaminado, tempo de crescimento; Teste de amplificação de ácido nucleico para Mt: Identificação na amostra: negativo, positivo, indeterminado; Identificação a partir da cultura: especificação da espécie; Detecção molecular de resistência: Rifampicina: positivo ou negativo Rifampicina+Isoniazida: positivo ou negativo Antibiograma: fármaco, concentração, sensível, resistente, não realizado, em curso; Tipagem molecular: método e resultado. Gerir o processo e monitorizar o tratamento A gestão e monitorização do tratamento de um caso de TBMR exige a realização de: Exames microscópicos e culturais mensais até ao fim do tratamento; Antibiograma trimestral; Avaliação clínica e analítica dos efeitos adversos é feita aos 15 dias, um mês depois e, posteriormente, de três em três meses. Vigilância epidemiológica Página 13

15 Dada a necessidade de uniformizar a informação do processo clínico que permita o registo de todos os dados considerados relevantes (para suporte da vigilância epidemiológica), é importante recolher informação sobre o doente: Dados demográficos Existência de factores de risco Co-morbilidades Dados do episódio actual 1º Módulo, referente à data da colheita inicial do produto biológico que permitiu o diagnóstico: Identificação do esquema de tratamento; Identificação do produto biológico (expectoração, secreções, biópsia ganglionar, etc ); Registo dos resultados: Microscopia, TAAN, Teste molecular da resistência, Cultura em meio liquido, Cultura em meio sólido, Identificação da espécie na cultura, TSA de 1ª e 2ª linha (sensíveis, resistentes, desconhecido ou não realizado) Genotipagem (resultado e identificação do laboratório) Identificação do Laboratório Os módulos seguintes, com a mesma sistematização, devem ser elaborados entre o 2º e 3º mês e entre o 4º e 6º mês. Posteriormente, a vigilância é feita de acordo com a evolução clínica, utilizando a mesma sistematização. NOTA: O registo destas informações é sempre referido às datas das colheitas dos produtos. Página 14

16 Dados dos tratamentos anteriores Utilizando a mesma sistematização do episódio actual, registar pelo menos os dois últimos tratamentos efectuados e testes de susceptibilidade. A especificidade da TBMR e do seu controle justifica a organização dum conjunto de dados, de forma sistemática, de acordo com o proposto nos pontos seguintes: Tratamentos anteriores Tratamento actual TSA Esquema Tempo para negativação Tempo de tratamento Resultado aos 24 e 36 meses Controlo da infecção nosocomial Devem ser tomadas todas as medidas possíveis, durante o internamento ou em ambulatório, de modo a controlar a transmissão de TBMR. Para isso e de acordo com os vários níveis hierárquicos das medidas de controlo, foram consideradas: Medidas de controlo administrativo / normativo Avaliação do risco de exposição ao M. Tuberculosis e identificação das áreas de risco; Existência de plano de actuação perante um doente com suspeita ou com TBMR; Página 15

17 Existência de plano de formação e treino para os profissionais de saúde; Implementação dum programa de educação para a saúde aos doentes com Tuberculose; Elaboração de recomendações específicas relativas às condições estruturais; Vigilância da infecção (de base tuberculínica) nos profissionais de saúde, enquadrada nos procedimentos dos Serviços de Saúde Ocupacional / Comissões de Controlo da Infecção Hospitalar; Permanência dos doentes em isolamento durante um período mínimo de 8 semanas de tratamento e existência de 3 microscopias negativas consecutivas, com um intervalo mínimo de 8 horas entre cada colheita; Elaboração de recomendações para a realização de procedimentos diagnósticos e terapêuticos de risco; Elaboração de recomendações para a deslocação / transporte de doentes; Elaboração de recomendações sobre as características estruturais das instalações de maior risco (hospitalares e de ambulatório); Avaliação técnica da eficácia das medidas de controlo ambiental; Vigilância epidemiológica e colaboração com as estruturas de Saúde Pública. Medidas de controlo ambiental Devem ser concebidas de acordo com o nível de risco das instalações, incluindo ventilação geral diluídora, preferencialmente com circulação única do ar insuflado e com exaustão directa para o Página 16

18 exterior do edifício. O internamento de doentes com TBMR deve ser efectuado em quartos de isolamento respiratório. Medidas de protecção individual A protecção individual centra-se essencialmente no uso de respiradores de partículas. Estes devem ser máscaras do tipo P2 ou N95. Dependendo da eficácia das medidas de controlo ambiental, ponderar o emprego de máscaras P3 nas instalações de maior risco (locais de geração de aerossóis). Página 17

19 Parâmetros a considerar na avaliação do Plano de Controlo da Infecção (anual) Avaliação dos casos de infecção (nível de exposição; conversões do teste tuberculínico) Avaliação do grau de implementação das medidas de controlo administrativo Investigação no caso da ocorrência de surto ou cluster O sistema de informação deve permitir a identificação precoce de surto ou cluster, de forma a implementar medidas correctivas eficazes para o controlo da infecção nosocomial. Página 18

20 Anexos 1 - Glossário CDP CRRMR DGS DOTS Mt TAAN TB TBMR TOD TSA VIH 1HRZE 2HRZE 2HRZES 4HR 5HRE Centro de Diagnóstico Pneumológico Centro de Referência Regional para a Tuberculose Multirresistente Direcção Geral da Saúde Sigla inglesa da estratégia da OMS Direct Observed Therapy Short course Mycobacterium tuberculosis Teste de Amplificação dos Ácidos Nucleicos Tuberculose Tuberculose Multirresistente Toma Observada Directamente (um dos componentes da estratégia DOTS) Teste de Sensibilidade aos Antibióticos Vírus da Imunodeficiência Humana 1 mês (Isoniazida+Rifampicina+Pirazinamida+Etambutol) 2 meses (Isoniazida+Rifampicina+Pirazinamida+Etambutol) 2 meses (Isoniazida+Rifampicina+Pirazinamida+Etambutol+Estreptomicina) 4 meses (Isoniazida+Rifampicina) 5 meses (Isoniazida+Rifampicina+Etambutol Página 19

21 2 - Antibacilares de 1ª e 2ª linha Designação Ácido P-Aminosalicílico Amicacina Amoxicilina+ácido clavulâmico Canamicina Capreomicina Cicloserina Ciprofloxacina Claritromicina Clofazimina Estreptomicina Etambutol Etionamida Gatifloxacina Isoniazida Levofloxacina Linezolide Moxifloxacina Ofloxacina Pirazinamida Protionamida Rifabutina Rifampicina Sigla PAS Am AClav Km Cm Cs Cx Clar Clo S E Et Gati H Levo Lnz Mox O Z Pt Rfb R Página 20

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios)

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Dia Mundial da Tuberculose 24 de março de 2013 Índice Introdução... 3 Metodologia...

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

Programa Regional de Prevenção e Controlo. das. Doenças Respiratórias

Programa Regional de Prevenção e Controlo. das. Doenças Respiratórias Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Respiratórias Índice 1. Contextualização... 3 Parte I... 4 Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica... 4 2. População Alvo... 4 3. Objectivos... 4 4. Indicadores

Leia mais

Perguntas mais frequentes XDR-TB

Perguntas mais frequentes XDR-TB Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Perguntas mais frequentes XDR-TB 1. O que é a Tuberculose XDR-TB 1? XDR-TB é a abreviatura de Tuberculose Extensivamente Resistente. Uma em cada três pessoas

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DO MODELO DE ARTICULAÇÃO A NÍVEL DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ÂMBITO DA TUBERCULOSE. Resumo

CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DO MODELO DE ARTICULAÇÃO A NÍVEL DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ÂMBITO DA TUBERCULOSE. Resumo CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DO MODELO DE ARTICULAÇÃO A NÍVEL DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ÂMBITO DA TUBERCULOSE Bárbara Mendes, Carmen Herraéz, João Rodrigues, Natalia Bande. Resumo Tema: O presente

Leia mais

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe (PCA) prevê mecanismos para garantir

Leia mais

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes Família Mycobacteriaceae Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Complexo M.tuberculosis M.tuberculosis M.bovis M.africanum Micobactérias

Leia mais

Administração Regional de Saúde do Norte, IP. Ministério da Saúde

Administração Regional de Saúde do Norte, IP. Ministério da Saúde Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Norte, IP Proposta de Programa de Luta contra a Tuberculose na Região de Saúde do Norte Parte I Documento apresentado em reunião com as SubRegiões

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

CASOS CLÍNICOS. Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil. Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS

CASOS CLÍNICOS. Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil. Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS CASOS CLÍNICOS Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS Departamento de Vigilância Epidemiológica Caso 1 Caso novo de TB pulmonar

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A TUBERCULOSE

PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A TUBERCULOSE PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A TUBERCULOSE Ponto da Situação Epidemiológica e de desempenho 2010 R E L A T Ó R I O P A R A O D I A M U N D I A L D A T U B E R C U L O S E Programa Nacional de Luta

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Tuberculose Latente: Projecto de expansão dos testes IGRA Todos os serviços de saúde Nº: 04/PNT DATA: 11/02/2010 Contacto na DGS: Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose (PNT) A.

Leia mais

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Instituto de Infectologia Emílio Ribas Referência em doenças infecciosas, com 230 leitos (60% para

Leia mais

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Maria Rita Ramos Amador Direcção Geral de Veterinária, DSSPA-DPPS Fórum Internacional

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO 1- O que mudou no tratamento da tuberculose (TB) padronizado no Brasil? A principal mudança consiste

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos. Tuberculose e HIV/Aids no Brasil

Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos. Tuberculose e HIV/Aids no Brasil Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos III Encontro Nacional de Tuberculose Salvador - Bahia 21 de junho/28 Leda Fátima Jamal Centro de Referência e Treinamento

Leia mais

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária 1 Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos

Leia mais

Definição. Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente. Tuberculose Multirresistente

Definição. Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente. Tuberculose Multirresistente Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente Eliana Dias Matos Tuberculose Multirresistente Definição Resistência simultânea à Rifampicina e Isoniazida, associada ou não à resistência a outros

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose

Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose Programa Nacional de Controle da Tuberculose Departamento de Vigilância Epidemiológica Secretaria de Vigilância em

Leia mais

CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014. Departamento da Qualidade na Saúde

CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014. Departamento da Qualidade na Saúde CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014 Departamento da Qualidade na Saúde Índice Introdução... 3 Implementação do Cartão da Pessoa com Doença Rara... 4 Atividades Desenvolvidas...

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE

ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE DOENÇAS E AGRAVOS ENDÊMICOS ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE MATO GROSSO NOVEMBRO/2009 TUBERCULOSE

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: segunda-feira, 5 de Novembro de 2012 12:31 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

Tuberculose O controle pode ser atingido? Erradicação. Eliminação 03/07/2012

Tuberculose O controle pode ser atingido? Erradicação. Eliminação 03/07/2012 Tuberculose O controle pode ser atingido? Sidney Bombarda Comissão de Tuberculose - SBPT Divisão de Tuberculose - SES SP Disciplina de Pneumologia - FMUSP Erradicação Forma radical de controle Extinção,

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Tuberculose - Breve Revisão Clínica

Tuberculose - Breve Revisão Clínica Tuberculose - Breve Revisão Clínica - 0 - Apoio cientifico de: Observatório Nacional das Doenças Respiratórias Associação Nacional da Tuberculose e Doenças Respiratórias Índice A Tuberculose --------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Universidade do Minho 2007 Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA Fernando Costa Silva UOSP - Braga Definição Monitorizar Sistema dinâmico que permite

Leia mais

TUBERCULOSE REGISTO DOS CASOS E MONITORIZAÇÃO DOS RESULTADOS

TUBERCULOSE REGISTO DOS CASOS E MONITORIZAÇÃO DOS RESULTADOS Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: SISTEMA DE INFORMAÇÃO INTRÍNSECO AO PROGRAMA DE TUBERCULOSE REGISTO DOS CASOS E MONITORIZAÇÃO DOS RESULTADOS Nº 8/DT Data: 9/05/00

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 02 - de 05/01/2015 a 11/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 02 - de 05/01/2015 a 11/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA REGIONAL PARA A TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE

CENTRO DE REFERÊNCIA REGIONAL PARA A TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE Programa de Luta contra a Tuberculose na Região de Saúde do Norte CENTRO DE REFERÊNCIA REGIONAL PARA A TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE Termos de Referência 23 de Abril 2009 Índice Página 1. Fundamentação

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

SURTO DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS EM VILA FRANCA DE XIRA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO SURTO

SURTO DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS EM VILA FRANCA DE XIRA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO SURTO SURTO DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS EM VILA FRANCA DE XIRA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO SURTO Direção-Geral da Saúde Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Administração Regional de Saúde de Lisboa e

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA

PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA ATUALIZAÇÃO 05.01.2015 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJECTIVO DO PLANO... 3 3. RESPONSABILIDADE SOBRE O PLANO... 3 4. ESTRATÉGIA

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas*

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 - OMS Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* A propósito da nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1) recentemente

Leia mais

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Mesa - redonda Programas Nacionais Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas Cuidados de Saúde Cristina Costa Programa Nacional de Prevenção das Resistências antimicrobianos Ana Leça Moderadora

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

1. Definição de Caso1: Sarampo

1. Definição de Caso1: Sarampo Digitally signed by Francisco Henrique Moura George Francisco DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Henrique Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Moura George Date: 2011.06.08 12:41:12

Leia mais

Proposta de Lei n.º 189/XII

Proposta de Lei n.º 189/XII Proposta de Lei n.º 189/XII ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DE EPIDEMIAS DA FEBRE DO DENGUE A febre do dengue figura entre algumas das doenças que poderão ser consideradas emergentes no

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular Avaliação Final do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar - Critérios- 1. Introdução O presente documento tem como finalidade dotar os júris constituídos para a Avaliação Final do Internato Médico

Leia mais

Nutrição em Oncologia Formação Avançada

Nutrição em Oncologia Formação Avançada UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Ciências da Saúde Nutrição em Oncologia Formação Avançada Enquadramento A Organização Mundial de Saúde prevê, em 2015, o aumento de 75% dos casos de cancro.

Leia mais

Sérgio Gomes Saúde 24

Sérgio Gomes Saúde 24 Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Sérgio Gomes Saúde 24 Patrocínio: Patrocinadores Globais Centro de Atendimento

Leia mais

PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX. Lisboa Porto

PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX. Lisboa Porto PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX Lisboa Porto Jornadas biomérieux 2010 Dando continuidade a uma iniciativa que colocamos ao seu dispor desde 1995, temos o prazer de lhe dar a conhecer o programa de acções

Leia mais

Check-list Adequação e Conforto das Instalações

Check-list Adequação e Conforto das Instalações 1. Acessos 1.1. Acessos e mobilidade 1.1.1. SINAS@Hospitais A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES Garante rampas de acesso, ou meios equivalentes, para pessoas com mobilidade reduzida 1.1.2. Mantém actualizada

Leia mais

Informe Técnico de Tuberculose Edição nº 5 Julho 2010

Informe Técnico de Tuberculose Edição nº 5 Julho 2010 Edição nº 5 Julho 010 Novo sistema de tratamento da tuberculose para adultos e adolescentes no Brasil A tuberculose continua sendo um importante problema de saúde pública mundial, exigindo o desenvolvimento

Leia mais

Biossegurança em Unidades Primárias de Saúde. IV Encontro Nacional de Tuberculose

Biossegurança em Unidades Primárias de Saúde. IV Encontro Nacional de Tuberculose Biossegurança em Unidades Primárias de Saúde IV Encontro Nacional de Tuberculose Jorge Eduardo Pio Assistente da S/SUBPAV/CLCPE/GPS Diretor Científico da SOPTERJ 20210-2011 1 Biossegurança em Tuberculose

Leia mais

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - I Introdução INDICADORES O SIGIC é um sistema regulador da actividade cirúrgica programada que visa melhorar o acesso à prestação de cuidados

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte Centro Hospitalar do Oeste ÂMBITO: Todos os serviços clínicos do Centro Hospitalar do Oeste OBJECTIVOS: Definir as normas de funcionamento do Arquivo Clínico do CHON. RESPONSABILIDADES: Conselho de Administração

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder SANTA CATARINA Programa Estadual de Controle da Tuberculose Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder tuberculose@saude.sc.gov.br SECRETARIA

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010 Maria Augusta Soares F ld d de Faculdade d Farmácia F á da d Universidade U d d de d Lisboa L b 15-16 de Dezembro 2010 Panorama Farmacêutico em Portugal Ensino em Ciências i Farmacêuticas Pré graduado

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional João Crisóstomo Pereira Borges Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina ARS de Centro, IP Especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA 2009/2010 COMISSÃO CIENTÍFICA Celínia Antunes Cristina Baião Fernanda Príncipe Henrique Dias Jorge Coelho José Alberto Martins José David Ferreira Marcos Pacheco Nuno Tavares Lopes Paulo Amorim Paulo Figueiredo

Leia mais

GRIPE A Plano de Contingência

GRIPE A Plano de Contingência GRIPE A Plano de Contingência Direcção de Serviços de Planeamento e Controlo 03-09-2009 Mirandela 2009 ÍNDICE ÍNDICE... 2 I. Introdução... 3 II. Objectivos... 4 A. Objectivos estratégicos... 4 B. Objectivos

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é?

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é? UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Ébola. O que é? O vírus Ébola encontra-se em alguns países africanos em reservatórios naturais, e foi descoberto pela primeira vez em 1976 no antigo

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, Instituto Público PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Índice Introdução... 3 1. Atribuições, organograma e identificação

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 05 DEE NOVVEEMBBRRO DEE 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 Metade dos agregados domésticos em Portugal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR Ana Cristina Costa Divisão da Segurança Clínica Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Instituto

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA 1. Introdução Verificada a incidência do vírus da Gripe A (H1N1), vários organismos nacionais e internacionais, nomeadamente a Organização Mundial de Saúde (OMS) e

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância dos Dispositivos Médicos. Raquel Alves Unidade de Vigilância de Produtos de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância dos Dispositivos Médicos. Raquel Alves Unidade de Vigilância de Produtos de Saúde Sistema Nacional de Vigilância dos Dispositivos Médicos 1 Raquel Alves Unidade de Vigilância de Produtos de Saúde Vigilância pós mercado RISCO CLASSIFICAÇÃO INVESTIGAÇÃO CONCEPÇÃO NORMALIZAÇÃO SUPERVISÃO

Leia mais

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE 1. INTRODUÇÃO Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o conceito Saúde e Ambiente abarca as consequências para a saúde, das interacções entre

Leia mais

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón 30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Uma actividade com 50 anos Centros de Informação de Medicamentos Resposta à necessidade de rápido acesso

Leia mais

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V O código V é uma classificação suplementar que se destina a classificar situações e outras circunstâncias que não as de doença ou lesão, que aparecem registadas como

Leia mais

OMS: Segundo relatório da situação sobre o Roteiro de Resposta ao Ébola, 5 setembro 2014

OMS: Segundo relatório da situação sobre o Roteiro de Resposta ao Ébola, 5 setembro 2014 1 OMS: Segundo relatório da situação sobre o Roteiro de Resposta ao Ébola, 5 setembro 2014 Esta é a segunda de uma série de actualizações regulares do Roteiro de Resposta ao Ébola. A presente actualização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais