ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2008"

Transcrição

1 ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2008

2 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO Brasília SBN Quadra 1 Bloco B n o 14, 15 o ao 18 o andar Edifício Confederação Nacional do Comércio CEP PABX (61) Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP Rio de Janeiro Tel.: (21) Fax (21) Web site: Publicação Projeto gráfico: Coordenação de Documentação e Informação/Unidade de Programação Visual Produção: Divisão Sindical Impressão: Gráfica MCE CNC. Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Anais da Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Rio de Janeiro: Confederação Nacional do Comércio, p. 1. Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio. I Confederação Nacional do Comércio

3 APRESENTAÇÃO A Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio CERSC, criada em 1991, cumpre, no âmbito do Sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio Sicomercio, função antes exercida pela Comissão de Enquadramento Sindical do Ministério do Trabalho, extinta com o advento da Constituição da República de 1988, que vedou a interferência do Estado (leia-se Poder Executivo) na organização sindical. Como órgão auxiliar do sistema, a CERSC responde a consultas de empresas e entidades sindicais do comércio, realizando, no primeiro caso, enquadramento individual e, no segundo, enquadramento coletivo. Opina também a CERSC, quando consultada, acerca de conflitos de representação revelados por entidades integrantes do Sicomercio. A CERSC é constituída de sete membros efetivos e sete suplentes, com mandato de três anos, designados pelo Presidente da Diretoria da Confederação Nacional do Comércio. Em 5 de julho de 2005 foram empossados os membros titulares e suplentes que integrarão a Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio no triênio 2005/2008. São eles: Titulares: Carlos Fernando Amaral (Presidente), Natan Schiper (Vice-Presidente), Daniel Mansano, Francisco Valdeci de Sousa Cavalcante, Lázaro Luiz Gonzaga, Luciano Figliolia, Renato Turk Faria (substituído por Joel Carlos Köbe). Suplentes: Edno Bressan, Edy Elly Bender Kohnert Siedler, João de Barros e Silva, José Domingues Vinhal, José Epaminondas Costa, Luso Soares da Costa e Manoel Jorge Vieira Colares.

4 A Divisão Sindical da CNC, órgão de assessoramento da CERSC, promove suporte administrativo e técnico, inclusive, por meio da elaboração de pareceres e estudos técnicos, com vistas a subsidiar a Comissão no referente à apreciação e resposta às consultas formuladas. Divisão Sindical

5 SUMÁRIO PARECERES 1. Processo nº Enquadramento sindical de flats, apart-hotéis, hotéis residência e residenciais com serviços Processo nº Enquadramento sindical de empresa prestadora de serviços de intermediação financeira Processo nº Enquadramento sindical de empresa distribuidora de brindes em geral Processo nº Enquadramento sindical das atividades de administração de imóveis, administração de condomínios e de controle de pragas Processo nº Consulta de conflito de representação sindical em negociação coletiva Processo nº Enquadramento sindical de padarias (confeitarias e padarias de conveniência) Processo nº Enquadramento sindical das atividades econômicas pertencentes ao plano do comércio com base na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) Processo nº Enquadramento sindical de empresa prestadora de serviços de editoração eletrônica Processo nº Enquadramento sindical (coletivo) do Sindicato dos Locadores de Equipamentos, Máquinas e Ferramentas de Pernambuco Processo nº Enquadramento sindical de holdings (participação em outras empresas e administração de bens de sua propriedade)... 53

6 11. Processo nº Enquadramento sindical das empresas retroportuárias Processo nº Enquadramento sindical de empresa que comercializa máquinas e equipamentos reprográficos, de computação, processamento de dados e automação de escritório Processo nº Enquadramento sindical de empresas de desmanches de veículos leves e pesados e motocicletas e tratores usados e sinistrados ANEXOS Glossário Quadro de Atividades e Profissões * (art. 577 da CLT) Índice Remissivo * Recepcionado pela Constituição Federal de 1988 (STF Ac. de no RMS , in Rev. LTr., São Paulo, jan. 1992, págs. 13 e 14).

7 RELATÓRIO Processo nº Rio, 2 de fevereiro de 2007 Consulta sobre Enquadramento Sindical A FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO ESTADO DO CEARÁ, visando atender à solicitação do SINDICATO INTERMUNICIPAL DE HOTÉIS E SIMILARES NO ESTADO DO CEARÁ, formula consulta acerca do enquadramento sindical dos empreendimentos ou estabelecimentos empresariais que explorem ou administrem a prestação de serviços de hospedagem mediante unidades mobiliadas e equipadas e outros serviços oferecidos aos hóspedes, sendo estes denominados flats, ou qualquer outra denominação. PARECER A organização sindical está regulada por lei e é estruturada em categorias cuja existência constitui pressuposto para associação em sindicatos, nos termos do art. 511 da CLT. O enquadramento deve ser feito por categoria profissional ou econômica, observado o Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o art. 577 da CLT, no qual as atividades estão distribuídas por diversos grupos. Empreendimentos ou estabelecimentos empresariais que explorem ou administrem a prestação de serviços de hospedagem mediante unidades mobiliadas e equipadas e outros serviços ofere- ANAIS DA CERSC 7

8 cidos aos hóspedes podem ser denominados apart-hotéis, hotéis residência, residenciais com serviços, flats etc. São empreendimentos imobiliários em forma de condomínio em que os apartamentos ou unidades habitacionais são construídos para utilização mista, isto é, podem ser ocupados tanto por moradores, que utilizam os serviços de hotelaria ali desenvolvidos, quanto destinados ao aluguel temporário para fins de locação por períodos de tempo variados, como em um hotel. Assim, pode-se concluir que apart-hotéis, hotéis residência, residenciais com serviços ou flats são constituídos como edifícios multidisciplinares como a maioria dos edifícios, porém com a peculiaridade de oferecerem algum tipo de serviço serviço de lavagem de roupa, de mensageiro, de arrumadeira e similares. A Lei nº 8.245/91 reconhece a existência dessa modalidade de empreendimento. O parágrafo único do art. 1º determina que a locação em apart-hotéis, hotéis residência ou equiparados, assim considerados aqueles que prestam serviços regulares a seus usuários e como tais sejam autorizados a funcionar continua sendo regulada pelo Código Civil e pelas leis especiais. A par da legislação civil, a lista de serviços anexa à Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, no item 9 serviços relativos a hospedagem, turismo, viagens e congêneres, notadamente no subitem 9.01 prevê a incidência do referido tributo sobre serviços de hospedagem de qualquer natureza em hotéis, apart-service condominiais, flat, apart-hotéis, hotéis residência, residence-service, suite service, hotelaria marítima, motéis, pensões e congêneres; ocupação por temporada com fornecimento de serviço, ressalvando que o valor da alimentação e gorjeta, quando incluído no preço da diária, fica sujeito ao Imposto Sobre Serviços. Ultrapassada a questão, no que toca à definição (natureza jurídica) dos estabelecimentos empresariais que explorem ou administrem a prestação de serviços de hospedagem mediante unidades mobiliadas e equipadas e outros serviços oferecidos aos hóspedes, 8 ANAIS DA CERSC

9 passamos ao enquadramento sindical da atividade desempenhada por esses empreendimentos. Nesse ponto, cabe esclarecer que já foi formulada consulta análoga pelo Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis e dos Condomínios Residenciais e Comerciais em todo Estado do Rio de Janeiro (Processo CERSC nº 914) acerca do enquadramento sindical de apart-hotéis, tendo a CERSC, acolhendo parecer técnico, decidido da seguinte forma: (...) a) Os apart-hotéis têm administração nitidamente hoteleira, como componentes da categoria de hotéis, bares, restaurantes e similares, do 5º grupo do plano da CNC. b) Esclarecer que: 1) somente compõem a categoria de hotéis os apart-hotéis que têm administração tipicamente hoteleira, nela abrangidas as relativas aos hotéis, flats, hotéis residence e assemelhados; 2) não estão abrangidos pela deliberação os aparthotéis que possuam administração não hoteleira, ou seja, os que possuem administração própria, ou os que são administrados por empresas contratadas ou ainda os que são administrados por um pool de empresas, nos termos definidos pelo sindicato interessado, no expediente em evidência, os que integram a categoria econômica de empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e comerciais, e são representados pelos Secovis, dentro dos limites das respectivas bases territoriais, respeitados os casos em que porventura tenha havido dissociação com formação de sindicato por categoria específica. Vale aqui transcrever alguns trechos do parecer técnico lavrado pelo advogado e assessor Ubiracy Cuóco nos autos do referido processo, em relação à diferenciação feita entre condomínios e flats, apart-hotéis, hotéis residência, residence-service, suite service etc., principalmente no que toca à sua administração. No caso em exame, o gênero é condomínios, na forma expressada na legislação pertinente, mas as especificidades podem ser tantas quantas venham a existir em decorrência do desen- ANAIS DA CERSC 9

10 volvimento econômico do Brasil. Os apart-hotéis constituem uma delas. (...) Os apart-hotéis são, indiscutivelmente, modalidades de condomínios, com características próprias que, quando ligadas ao ramo hoteleiro, integram o comércio hoteleiro. (...) O que, na realidade pretendeu foi definir que os apart-hotéis, quando sujeitos à administração hoteleira, integram o setor do comércio hoteleiro. Essa distinção também faz parte do documento apresentado pelo Secovi. Ele distingue entre os que são administrados por hotéis e os que têm administração própria, autônoma e que compreendem três modalidades diferentes: a) os que têm administração própria, com execução dos serviços por intermédio de empregados do condomínio; b) os que têm administração contratada com empresas administradoras de condomínios; c) os que são administrados por um pool de empresas conforme refere o sindicato. Tudo depende do que está contido na convenção que institui o condomínio ou de deliberação da assembléia geral dos condôminos. (...) Evidencia-se que se o apart-hotel está sujeito à administração hoteleira integra categoria do grupo do comércio hoteleiro. Nos demais casos, constituem condomínio comum, compondo categoria representada pelo Secovi. (...) Posto isto, opinamos no sentido de que sejam acolhidas as razões expostas no documento para, esclarecer que: a) Somente são considerados como integrantes do ramo do comércio hoteleiro os apart-hotéis que vinculados a determinado hotel, ou grupo de hotéis, tenham administração nitidamente hoteleira. Tendo administração hoteleira, o apart-hotel integrará categoria do grupo do 10 ANAIS DA CERSC

11 comércio hoteleiro; b) E os demais apart-hotéis que não se encaixem na situação acima prevista (os três casos acima referidos), integram categorias incluídas na representatividade do Secovi (de São Paulo e de outros Estados); c) O Secovi representa, assim, todos os condomínios exceto os relativos apart-hotéis que estejam sob administração nitidamente hoteleira. CONCLUSÃO Ante o exposto, concluímos que o enquadramento sindical dos empreendimentos ou estabelecimentos empresariais que explorem ou administrem a prestação de serviços de hospedagem mediante unidades mobiliadas e equipadas e outros serviços oferecidos aos hóspedes apart-hotéis, flats, hotéis residence e assemelhados deve seguir a decisão proferida pela CERSC no Processo nº 914, no sentido que: a) quando tiverem administração nitidamente hoteleira devem integrar a categoria econômica hotéis, bares, restaurantes e similares, do 5º grupo do plano da CNC turismo e hospitalidade; e b) não estão abrangidos por essa categoria econômica hotéis, bares, restaurantes e similares, os apart-hotéis, flats, hotéis residence e assemelhados que possuam administração não hoteleira, ou seja, os que possuem administração própria, ou os que são administrados por empresas contratadas ou ainda os que são administrados por pool de empresas. É o parecer, submeto à consideração superior. Lidiane Duarte Nogueira Advogada ANAIS DA CERSC 11

12 RELATÓRIO Processo nº Rio, 7 de fevereiro de 2007 Consulta sobre Enquadramento Sindical A FECOMERCIO/RJ encaminha consulta à Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio CERSC solicitando o enquadramento sindical da empresa ROLUGI PROMOTORA DE VENDAS LTDA. PARECER Muito embora a consulta não esteja instruída com o contrato social da empresa, informa a Fecomercio/RJ (fls. 04) que a mesma desenvolve atividade empresarial de: prestação de serviços e implementação de produtos, serviços e negócios, voltado ao desenvolvimento empresarial, especificadamente, intermediação financeira, recepção e encaminhamento de pedido de empréstimo e financiamentos entre o consumidor e a instituição financeira, em conformidade com as Resoluções 3.110/03 e 3.156/03 do banco central. Ressaltamos ainda que referidas informações foram prestadas à Fecomercio/RJ diretamente pela empresa objeto de consulta, tendo como base seu contrato social, em resposta a formulário disponibilizado no endereço eletrônico da federação, conforme se observa às fls. 02/03. A empresa também informou que exerce, dentre as atividades 12 ANAIS DA CERSC

13 constantes do contrato social, como atividade principal, a intermediação financeira (fls. 02). Complementando a consulta, a empresa forneceu seu Código e Descrição da Atividade Econômica Principal: /99 outras atividades auxiliares de intermediação financeira, não especificadas anteriormente. Analisando os elementos captados, podemos, numa primeira análise, observar que nem toda prestação de serviço conduz ao enquadramento sindical como atividade própria do comércio. Porém, no caso em análise, esse serviço, ou melhor, assessoramento, está voltado para captação documental, depuração, pesquisa cadastral e remessa para eventual concessão de empréstimo ou financiamento, entre consumidores e instituições financeiras. Cumpre esclarecer que o citado Código e Descrição da Atividade Econômica Principal diz respeito à Classificação Nacional de Atividades Econômicas Fiscal CNAE 1.0, razão pela qual, apesar de constituir relevante elemento para análise do caso concreto, não define o enquadramento sindical. Isto porque o enquadramento sindical é definido pela aplicação do Quadro de Atividades e Profissões a que se refere o artigo 577, da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, que foi recepcionado pela Constituição Federal de 1988 (STF RMS , Relator Ministro Marco Aurélio Farias de Mello, Acórdão de ). Daí porque se uma empresa exerce, por exemplo, atividade econômica de arrendamento mercantil (leasing) e muito embora conste na CNAE versão 2.0 no grupo referente a atividades financeiras, de seguro e serviços relacionados com Código de nº (Código 64 atividades de serviços financeiros), seu enquadramento está inserido no 3º grupo do plano do comércio agentes autônomos do comércio. De qualquer forma, é relevante informar que pela nova versão da Classificação Nacional de Atividades Econômicas Fiscal CNAE 2.0, que entrou em vigor a partir de 1º de janeiro de 2007, o Código e Descrição da Atividade Econômica Principal da empresa foi alterado para: atividades auxiliares dos serviços ANAIS DA CERSC 13

14 financeiros não especificadas anteriormente (Código 66 atividades auxiliares dos serviços financeiros, seguros, previdência complementar e planos de saúde). Considerando, porém, o que consta do CNAE (antiga e nova versão) e o objeto do contrato social, vê-se que as atividades formalmente atribuídas à empresa objeto de consulta intermediação financeira, recepção e encaminhamento de pedido de empréstimo e financiamentos entre o consumidor e a instituição financeira, em conformidade com as Resoluções 3.110/03 e 3.156/03 do banco central representam basicamente prestação de serviços para fins de assessoramento ao tomador de serviço (que pode ser um banco, sociedade de crédito, financeira de loja de departamentos, etc.). Nesse passo, podemos identificar que o real significado da expressão intermediação financeira pode ser interpretada como o assessoramento, o serviço de busca cadastral e a pesquisa realizada pela empresa na coleta de informações de consumidores que, eventualmente, busquem empréstimos ou financiamentos em determinada instituição financeira. A atividade é mera prestação de serviço. Referido posicionamento se afina, inclusive, com decisão proferida pela extinta Comissão de Enquadramento Sindical CES, do então Ministério do Trabalho, que entendeu: Empresa que se dedica a intermediação, em operações de financiamento, enquadra-se na categoria empresas de assessoramento, perícias, informações e pesquisas (Proc. Mtb /76, Rel. Antonio Maria T. Cortizo, DOU , p In: Dicionários LTr Enquadramento Sindical Volume II, 1986, p. 120, grifos nossos). Também, podemos citar outra decisão proferida pela referida Comissão de Enquadramento Sindical CES, que analogicamente se aplicaria também à hipótese em exame, vejamos: Considerando que a atividade desenvolvida pela firma requerente é a de prestação de serviços de assessoria administrativa a terceiros, resolve a CES opinar pelo seu enquadramento sindi- 14 ANAIS DA CERSC

15 cal na categoria econômica empresas de assessoramento, perícias, informações e pesquisas, do 3º grupo agentes autônomos do comércio, do plano da CNC, e seus empregados, ressalvadas as diferenciações legais, na paritária categoria profissional (Proc. Mtb 7.764/84, Rel. Márcio Luiz Borges, DOU , p , op. cit., p. 24, grifos nossos) Isto porque, inegavelmente, a atividade de intermediação financeira, na forma exercida para fins de recepção e encaminhamento de pedido de empréstimo e financiamentos entre o consumidor e a instituição financeira, possui nítido caráter de assessoria administrativa a terceiro a instituição financeira que contrata os serviços da empresa em questão. Vale dizer que a empresa no exercício de sua atividade não avalia ou opina pela concessão de crédito, e nem poderia, pois à ela somente cabe a coleta (recepção) de informações e repasse (encaminhamento) de documentos do consumidor para com a instituição financeira (assessoramento). Daí porque em face das peculiaridades de sua atividade empresarial está adstrita às citadas normas editadas pelo Banco Central (que dispõem sobre a contratação com vistas à prestação desses serviços). CONCLUSÃO Diante disso, levando-se em consideração as razões anteriormente expostas, a empresa ROLUGI PROMOTORA DE VENDAS LTDA., para fins de enquadramento sindical está inserida na categoria econômica empresas de assessoramento, perícias, informações e pesquisas, do 3º grupo do plano da CNC agentes autônomos do comércio. É o parecer, que submetemos à consideração superior. Roberto Lopes Advogado ANAIS DA CERSC 15

16 RELATÓRIO Processo nº Rio, 6 de março de 2007 Consulta sobre Enquadramento Sindical A FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO ESTADO DO RIO DE JA- NEIRO formula consulta acerca de enquadramento sindical da empresa ART HANCOCK SANTOS DISTRIBUIDORA E COMÉRCIO DE BRINDES LTDA. PARECER Na consulta formulada às fls. 02/03, a empresa ART HANCOCK SANTOS DISTRIBUIDORA E COMÉRCIO DE BRINDES LTDA afirma que seu objeto social consiste em distribuição, comércio e confecções de brindes em geral e serviços gráficos (item 24). Especifica, contudo, que dentre as atividades constantes do contrato social, efetivamente, a empresa desenvolve as atividades de personalização na base serigráfica, transfer e resinagem em todos os materiais ligados a brindes; acabamento de material gráfico como pastas, sacolas de papel etc. (item 26). Quanto à natureza da atividade varejo ou atacado, a empresa refere-se apenas à quantidade, informando, porém, que atende a diversos tipos de pedido grande ou pequena quantidade. A quantidade importa tão-somente para fixação do preço do serviço contratado (item 27). 16 ANAIS DA CERSC

17 A fim de obter maiores esclarecimentos acerca da atividade desenvolvida pela empresa, em 16 de fevereiro de 2007, por meio eletrônico, foram formuladas as seguintes questões: 1) qual a atividade efetivamente desenvolvida pela empresa; 2) se o material (pastas, sacolas etc.) no qual é feito o processo de personalização é fabricado pela empresa ou se é adquirido de terceiros; e 3) se os produtos personalizados são destinados à revenda ou se podem ser adquiridos revendidos para o consumidor final. Solicitamos ainda a remessa do contrato social para análise do objeto social (fls. 06). A referida solicitação foi reiterada em 28 de fevereiro de 2007 (fls. 07). Por meio de contato telefônico, em 1º de março de 2007, a Sra. Eliane, na qualidade de representante da empresa, informounos que a maior parte do material destinado à personalização, comercialização e distribuição é fabricado pela própria empresa (viseiras, camisetas, adesivos etc.). Entretanto há produtos que são adquiridos de terceiros, para posterior personalização e distribuição pela empresa (canetas, bolas etc). Assim, vez que até a presente data não nos foi remetida cópia do contrato social nem resposta escrita às indagações formuladas, passamos à análise, em tese, da consulta em questão enquadramento sindical da ART HANCOCK SANTOS DISTRIBUIDORA E COMÉRCIO DE BRINDES LTDA levando-se em conta, para tanto, as informações constantes no formulário de fls. 02/03. A atividade efetivamente exercida pela empresa é personalização na base serigráfica, transfer e resinagem em todos os materiais ligados a brindes bem como acabamento de material gráfico como pastas, sacolas de papel etc. Isto é, a empresa é contratada para fabricar produtos que serão distribuídos pelo contratante, que paga o preço pelo serviço de confecção dos brindes em geral e serviços gráficos, incluindo-se aí a hipótese em que é necessária a aquisição de produtos de terceiros pela empresa contratada, ora consulente. Esse é o serviço por ela oferecido. ANAIS DA CERSC 17

18 Se a empresa fabrica brindes para posterior comercialização e/ ou distribuição, ou seja, se produz o material que comercializa, a atividade comercial é conseqüência natural da produção dos brindes e material gráfico. Cabe esclarecer que mesmo que adquira material de terceiros para posterior comercialização e distribuição, remanesce a atividade original (industrial), ou seja, a confecção dos brindes em geral e serviços gráficos. Isso porque, pelo processo de personalização em base serigráfica, transfer ou resinagem, a empresa transforma esses produtos, agregando-lhes valor. Ela modifica o produto, atribuindo-lhe características próprias, que o diferenciam do material originalmente adquirido. No caso, a atividade desenvolvida pela empresa consulente é industrial, caracterizada pelo processo produtivo de confecção, personalização, acabamento gráfico etc. Ele vende o material por ela produzido, sob encomenda, para sua posterior distribuição. A atividade comercial constitui desdobramento natural da produção dos brindes e material gráfico, que constitui atividade industrial. Nesse sentido já decidiu a extinta Comissão de Enquadramento Sindical: Considerando que a empresa tem por atividade a fabricação e venda de brindes, gravando-os inclusive; considerando que tais brindes são confeccionados em laminados plásticos, tecidos e acrílico, adquiridos de terceiros; considerando o fato de tais atividades não se enquadrarem em qualquer dos grupos da CNI, resolve a CES opinar pelo seu enquadramento no plano da CNI e seus empregados no plano da CNTI (Proc. Mtb /80, Rel. Roberto Luiz K. Battendieri, DOU , p ). CONCLUSÃO Desse modo, levando-se em conta as informações constantes no formulário de fls. 02/03, resta demonstrado que a atividade de- 18 ANAIS DA CERSC

19 sempenhada pela empresa consulente confecção de brindes em geral e serviços gráficos, seguida de sua comercialização e distribuição, não está enquadrada no plano do comércio, descabendo à CERSC, portanto, qualquer definição nesse ponto. É o parecer, submeto à consideração superior. Lidiane Duarte Nogueira Advogada ANAIS DA CERSC 19

20 RELATÓRIO Processo nº Rio, 7 de março de 2007 Consulta sobre Enquadramento Sindical A FEDERAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO solicita o enquadramento sindical das seguintes categorias: I) administração de imóveis, administração de condomínios e II) controle de pragas. Informa ainda que tais segmentos externaram o desejo de filiarem seus respectivos sindicatos na Federação do Comércio de Sergipe. PARECER Inicialmente, destacamos que ambos os segmentos mencionados pela consulente estão previstos no 5º grupo Turismo e Hospitalidade do plano da CNC: I) Empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e comerciais. II) Empresas de asseio e conservação. Quanto à segunda categoria, vale aqui citar a seguintes decisões da extinta Comissão de Enquadramento Sindical do Ministério do Trabalho. In: Dicionários Enquadramento Sindical, volume II, Editora LTr, 1986: 20 ANAIS DA CERSC

21 Empresa que se dedica à profilaxia de residências e estabelecimentos comerciais contra insetos tem seu enquadramento situado na categoria empresas de asseio e conservação. Proc. MTb /78 Rel. Carlos Frederico Pinto da Silva, DOU , p Considerado tratar-se de empresa que se dedica à prestação de serviços no ramo exclusivo de dedetização, opina-se por seu enquadramento no 5º grupo, empresas de asseio e conservação. Proc. MTb /78, Rel. Roberto Luiz K. Battendieri, DOU , p Considerando que a empresa dedica-se a serviços de dedetização, opina-se por seu enquadramento na categoria empresa de asseio e conservação, do 5º. Grupo turismo e hospitalidade. Proc. MTb /84, Rel. Raymundo Menezes Diniz DOU , p Assim, o segmento controle de pragas enquadra-se na categoria empresas de asseio e conservação, cuja representação, na base territorial correspondente ao Estado de Sergipe, é exercida pelo Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Estado de Sergipe. No que toca à atividade administração de imóveis, administração de condomínios, a representação natural caberá ao Secovi/SE entidade que, até o momento, não consta dos nossos registros. Caso a categoria não esteja organizada em sindicato, a representação deverá ser exercida, supletivamente, pela federação estadual eclética, qual seja, a Federação do Comércio do Estado do Sergipe. É o parecer. Inez Balbino Advogada ANAIS DA CERSC 21

22 RELATÓRIO Processo nº Rio, 26 de março de 2007 Consulta sobre representação em acordo coletivo A FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FECOMERCIO/ES encaminha à Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio CERSC, consulta formulada pelo Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo SINDIEX, que solicitou esclarecimentos a respeito da não aplicabilidade aos seus associados da Convenção Coletiva firmada entre a Fecomércio/ES e vários de seus filiados, com o Sindicato dos Empregados no Comércio do Estado do Espírito Santo, questionando o seguinte: I) Qual sindicato com base territorial no Estado do Espírito Santo representa os interesses dos funcionários das empresas (comerciais importadoras e exportadoras) associadas ao Sindiex para efeito de Acordo Coletivo? II) Na hipótese de não haver sindicato, o que fazer? III) Por não existir Acordo Coletivo, como é o caso presente, as empresas associadas do Sindiex estão sujeitas somente às normas da CLT? Sobre a questão, manifestou-se a Fecomercio/ES esclarecendo que as empresas filiadas ao Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo tem como objeto social, em sua maioria, a importação e exportação de produtos em geral, bem como a importação e exportação de produtos específi- 22 ANAIS DA CERSC

23 cos, além de medicamentos, etc., informando, ainda, que o Comércio Atacadista Exportador encontra-se inserido no 1º Grupo da Confederação Nacional do Comércio Comércio Atacadista e seus empregados na categoria econômica dos Empregados no Comércio (prepostos do comércio em geral). PARECER Foi anexada cópia da Convenção Coletiva de Trabalho firmada pela Fecomercio/ES e seus sindicatos filiados, todos nominados, celebrada com o Sindicato dos Empregados no Comércio do Estado do Espírito Santo, a vigorar durante o período de a (fls 1/23). Juntou-se, ainda, cópia do estatuto social do Sindiex (fls. 24/40), bem como do acórdão TRT 17ª Região , cuja recorrente é a empresa Race Comércio, Importação e Exportação Ltda., e recorrido o Sindicato dos Empregados no Comércio do Estado do Espírito Santo SINDICOMERCIÁRIOS (fls. 41/44). A Ementa da referida decisão proclama que as empresas de importação e exportação são representadas pelo Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo, não se obrigando ao cumprimento da convenção coletiva firmada entre a Federação do Comércio do Estado do Espírito Santo e o Sindicato dos Trabalhadores no Comércio do Estado do Espírito Santo. O Acórdão deixa claro, portanto, que a Convenção Coletiva em questão não se aplica à Race Comércio, Importação e Exportação Ltda., posto que a mesma é representada pelo Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo, e não pela Fecomercio/ES. A referida decisão enumera, ainda, todos os Sindicatos repre- ANAIS DA CERSC 23

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Processo CERSC 1.398 Expediente DS nº 483/07 Origem: Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens 28/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência dos

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical O ENQUADRAMENTO SINDICAL DE EMPRESAS FRANQUEADORAS. Lidiane Duarte Nogueira Advogada

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical O ENQUADRAMENTO SINDICAL DE EMPRESAS FRANQUEADORAS. Lidiane Duarte Nogueira Advogada TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical O ENQUADRAMENTO SINDICAL DE EMPRESAS FRANQUEADORAS Lidiane Duarte Nogueira Advogada O presente estudo trata do enquadramento sindical de empresas franqueadoras. À luz

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Fernando Chucre)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Fernando Chucre) PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Fernando Chucre) O Congresso Nacional decreta: Altera a Lei nº 11.771, de 17 de setembro de 2008, que dispõe sobre a Política Nacional do Turismo. Art. 1º. O 3º do art.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen)

PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) Altera a Lei nº 11.771, de 2008, para acrescentar incisos estabelecendo horário de entrada e saída de hóspedes em hotéis,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR ASSUNTO: Operações interestaduais. De início, ressalte-se que, para efeito deste trabalho, toda alusão genérica feita a Estado é extensiva ao Distrito

Leia mais

JUR. 01 ENQUADRAMENTO SINDICAL

JUR. 01 ENQUADRAMENTO SINDICAL 1 de 13 ENQUADRAMENTO SINDICAL MACROPROCESSO REPRESENTAÇÃO PROCESSO ENQUADRAMENTO SINDICAL ENQUADRAMENTO SINDICAL 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO

COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO 1 COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO PROJETO DE LEI Nº 2.867, DE 2004 (Apensos os Projetos de Lei nº 4.420, de 2008 e 4.943, de 2009) Dispõe sobre a constituição de Condomínios Hoteleiros. Autor: Deputado

Leia mais

PARECER CFM nº 29/14 INTERESSADO: CRM-AP Inscrição de empresa funerária em Conselho de Medicina Cons. José Albertino Souza

PARECER CFM nº 29/14 INTERESSADO: CRM-AP Inscrição de empresa funerária em Conselho de Medicina Cons. José Albertino Souza PARECER CFM nº 29/14 INTERESSADO: CRM-AP ASSUNTO: Inscrição de empresa funerária em Conselho de Medicina RELATOR: Cons. José Albertino Souza EMENTA: O Manual de Procedimentos Administrativos padrão para

Leia mais

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br Rio de Janeiro 2011 2010 Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS 1 PROCESSO Nº PGE2009084808-0 PARECER Nº PLC-AO-LB-1502/2009 LICITAÇÃO. Prestação de serviço de hospedagem. Serviços não contínuos. Lei federal nº 11.771/08. Necessidade de comprovação de Cadastro no Ministério

Leia mais

ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2009

ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2009 ANAIS DA CERSC RIO DE JANEIRO 2009 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO Brasília SBN Quadra 1 Bloco B n o 14, 15 o ao 18 o andar Edifício Confederação Nacional do Comércio CEP

Leia mais

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura,

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, exceto morango 0122-9/00 Cultivo de flores e plantas

Leia mais

Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto meias

Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto meias CNAE Grupo CNAE Descrição CNAE Grau de risco 4.-8 4 Confecção de roupas íntimas 4.-6 4 Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas 4.3-4 4 Confecção de roupas profissionais 4.4-4 Fabricação

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a sua atualização cadastral.

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Programa de Educação Tutorial - PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET

Programa de Educação Tutorial - PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET LEGISLAÇÃO Lei nº11.180/2005 O professor tutor, de acordo com o 1º do art. 12 da Lei n o 11.180/2005, receberá semestralmente um montante de recursos equivalente

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS Proc. 0131032-43.2011.8.19.0001 Consulente: REGISTRADOR DO RCPJ DA CAPITAL Vistos, etc.

Leia mais

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 Código Descrição 1830-0/03-00 REPRODUCAO DE SOFTWARE EM QUALQUER SUPORTE 6190-6/01-00 PROVEDORES DE ACESSO AS REDES

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 167 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Cálculo do Seguro de Acidente de Trabalho até 2009 Para 2010 Surge o FAP! "! #$% &!'( )*+,-./, Previdência divulgou que 92% das empresas serão

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

Parágrafo Segundo - É facultado ao ex-empregado a apresentação de todas as formas de demonstração de sua pretensão.

Parágrafo Segundo - É facultado ao ex-empregado a apresentação de todas as formas de demonstração de sua pretensão. , REGIDO PELAS SEGUINTES CLÁUSULAS: CLÁUSULA PRIMEIRA - Acordam os signatários em instituir, no prazo de até 30 (trinta) dias após a assinatura deste Acordo, a Comissão de Conciliação Voluntária, nos termos

Leia mais

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 Apesar do quanto informado pela Receita Federal no link "Perguntas e Respostas",

Leia mais

Data de entrada: 01 de setembro de 2005 Autos nº: 08012.007110/2005-98 Nota Técnica em Ato de Concentração Econômica

Data de entrada: 01 de setembro de 2005 Autos nº: 08012.007110/2005-98 Nota Técnica em Ato de Concentração Econômica Data de entrada: 01 de setembro de 2005 Autos nº: 08012.007110/2005-98 Natureza: Nota Técnica em Ato de Concentração Econômica Requerentes: MAGAZINE LUIZA S.A.; BASE LAR ELETRODOMÉSTICOS LTDA. Senhora

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 247 - Data 12 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO - CIDE MONTAGEM

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 12.909

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 12.909 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 12.909 Regulamenta o artigo 32 da Lei 6.075, de 29 de dezembro de 2003. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do Estado do Espírito Santo, usando das atribuições

Leia mais

Recurso contra aplicação de multa cominatória

Recurso contra aplicação de multa cominatória PARA: GEA-2 DE: Paulo Portinho RA/CVM/SEP/GEA-2/Nº 105/2015 DATA: 22/06/2015 ASSUNTO: Recurso contra aplicação de multa cominatória CIA. INDL. SCHLOSSER S.A. Processo CVM nº 2014-14745 1. Senhor Superintendente,

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará RESOLUÇÃO Nº. 17.329 (Processo nº. 2007/50268-1) Assunto: Consulta formalizada pelo Exmº Sr. Dr. JOSÉ ALOYSIO CA- VALCANTE CAMPOS, Procurador Geral do Estado à época, solicitando informações a respeito

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 41/96 - Plenário - Ata 05/96 Processo nº TC 010.652/95-7 Interessado: Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul - Dr.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.974, DE 15 MAIO DE 2014. Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA AFRAC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMAÇÃO PARA O COMÉRCIO

REGIMENTO INTERNO DA AFRAC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMAÇÃO PARA O COMÉRCIO REGIMENTO INTERNO DA AFRAC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMAÇÃO PARA O COMÉRCIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O Regimento Interno da AFRAC - Associação Brasileira de Automação para o Comércio,

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 5 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000882/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028482/2011 NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 83 - Data 2 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

DISPÕE SOBRE O REGISTRO DE EMPRESAS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE NO CREA/ES.

DISPÕE SOBRE O REGISTRO DE EMPRESAS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE NO CREA/ES. Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Espírito Santo Av. César Hilal, 700 1º andar Bento Ferreira Vitória ES CEP 290 522 232 Tel.: (27) 3334 9900 FAX: (27) 3324 3644 CEEI DISPÕE SOBRE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como considerar o campo Tributação de uma NFS-e para serviços prestados fora do país 02/10/14 serviços prestados fora do país 02/10/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 2.1 Lei Complementar 116 de 2003... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Lei

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI REALIZADORA BONNAIRE RESIDENCIAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ sob n. 09.259.333/0001-04, com seus

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Diário da Justiça de 05/05/2006 28/03/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR : MIN. EROS GRAU AGRAVANTE(S) : SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART-HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, PENSÕES, HOSPEDARIAS, POUSADAS, RESTAURANTES,

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC 1. Introdução Serão considerados projetos com recursos da UDESC para fins destas orientações aqueles que integram: 1.1 Programa de Apoio à Pesquisa

Leia mais

ANEXO III AUTORIZAÇÃO PARA GERAÇÃO DA NFSE A PARTIR DE 01/02/2015. Descrição do Código CNAE 2.0

ANEXO III AUTORIZAÇÃO PARA GERAÇÃO DA NFSE A PARTIR DE 01/02/2015. Descrição do Código CNAE 2.0 7740-3/00 Gestão de ativos intangíveis não-financeiros 03.02 9311-5/00 Gestão de instalações de esportes 03.03 8211-3/00 Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 03.03 8230-0/02 Casas de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis Locacao 03/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Lei Complementar 116/2003... 3 3.2. Mensagem 362/2003... 4 3.3.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CHARQUEADAS COMUMA - CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CHARQUEADAS COMUMA - CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CHARQUEADAS COMUMA CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO 041 de 13 de Julho de 2010. Dispõe sobre o enquadramento das atividades licenciáveis e codificadas

Leia mais

ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES.

ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES. 1 ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES. 1.HABITAÇÃO 2.MEIOS DE HOSPEDAGEM 3.COMÉRCIO VAREJISTA I 4.COMÉRCIO VAREJISTA II 5.COMÉRCIO VAREJISTA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação e remuneração de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 60/10

PARECER CREMEB Nº 60/10 PARECER CREMEB Nº 60/10 (Aprovado em Sessão da 2ª Câmara de 28/10/2010) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 182.993/10 ASSUNTO: Registro de Clínicas Médicas em Conselhos fiscalizadores de profissões não médicas. RELATOR:

Leia mais

Data 27 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF

Data 27 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 106 - Cosit Data 27 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL - COFINS FARDAMENTO

Leia mais

SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE COMPROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS

SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE COMPROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS MERCOSUL/CMC/DEC Nº 56/00 SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE ROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 13/97, 9/98, 12/98

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves considerações tributárias quanto a atividade de empresário (antiga firma individual) na atividade de representação comercial Juliano César Borges de Vito* Um dos fatores preponderantes

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 217/94 - Plenário - Ata 12/94 Processo nº TC 014.056/93-3 Interessado: Dante Martins de Oliveira - Prefeito Entidade: Prefeitura Municipal de Cuiabá/MT

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

PONTO ELETRÔNICO. COMO FICA A PARTIR DE DOIS DE ABRIL DE 2012

PONTO ELETRÔNICO. COMO FICA A PARTIR DE DOIS DE ABRIL DE 2012 PONTO ELETRÔNICO. COMO FICA A PARTIR DE DOIS DE ABRIL DE 2012 I - INTRODUÇÃO. Como é público e notório, o ponto eletrônico foi instituído através da Portaria do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego,

Leia mais

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Ficha Informativa 1 Janeiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Compras na Internet:

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 140 - Data 2 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO - CIDE ACESSO A BANCO

Leia mais

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05.

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. INTERESSADOS: Edifício Master Tower Ibirapuera, Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. - AES Eletropaulo, Agência Reguladora de Saneamento e Energia

Leia mais

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14 Fortaleza, 06/06/14 Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Em análise: I C M S Questões Atuais Arquivos Eletrônicos ICMS-ST com Material de Construção ICMS-ST com Supermercado/minimercado/atacadistas

Leia mais

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.865 VALE-TRANSPORTE É DEVIDO QUANDO A RESIDÊNCIA DO EMPREGADO FOR SERVIDA POR TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO URBANO OU INTERMUNICIPAL COM CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE URBANO E, EM SE TRATANDO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 138 - Data 2 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico CIDE. BANCOS DE DADOS.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867 PARECER Nº 14.867 TRADUTOR PÚBLICO E INTÉRPRETE COMERCIAL. INCLUSÃO, REINCLUSÃO E HABILITAÇÃO EM MAIS UM IDIOMA, SOB CONDIÇÃO PRECÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. Vêm ao exame desta Equipe de Consultoria, encaminhados

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A melhor localização de Águas Claras Surpreenda seus clientes com estilo. No comércio, o ponto é tudo! Na região que vem se consolidando como maior centro comercial de Águas Claras, nasce o Supremo Mall,

Leia mais

ABERTURA DE EMPRESAS

ABERTURA DE EMPRESAS ABERTURA DE EMPRESAS PLANO DE CONTABILIDADE COM FIDELIDADE 2 ANOS ESCRITÓRIO - Abertura de empresa sem custo no plano de fidelidade; ESCRITÓRIO DE COMERCIO - Carência de 03 (três) meses (honorário); ESCRITÓRIO

Leia mais

Contrato de Facção não é Terceirização

Contrato de Facção não é Terceirização Contrato de Facção não é Terceirização A jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho tem distinguindo com bastante clareza o contrato de facção (que fragmenta a produção delegando a sua execução a

Leia mais

Tabela de Códigos de Atividades Econômicas - CAE (Título I, Capítulo X, 2.2.2.7, "d", da IN/DRP nº 045/98)

Tabela de Códigos de Atividades Econômicas - CAE (Título I, Capítulo X, 2.2.2.7, d, da IN/DRP nº 045/98) Tabela de Códigos de Atividades Econômicas - CAE (Título I, Capítulo X, 2.2.2.7, "d", da IN/DRP nº 045/98) A) COMÉRCIO VAREJISTA: C A E DESCRIÇÃO DO C A E 801000000 AÇOUGUES E PEIXARIAS 801010000 Açougues

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO nº 08012.011090/2004-79 Requerentes: Itaucard Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento e Rio Elba

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 24 23 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 228 - Data 21 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CPRB. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

OBS: 2. Este material não esgota e não pretender ser material único para àqueles que decidirem implantar a NF-e. RICMS

OBS: 2. Este material não esgota e não pretender ser material único para àqueles que decidirem implantar a NF-e. RICMS OBS: 1. Este levantamento foi elaborado com base em cópia de textos do RICMS disponibilizados no site da Secretaria da Fazenda de SC em 05/12/2008 e serve como material de consulta para aqueles que querem

Leia mais

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade.

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 323/94 - Segunda Câmara - Ata 44/94 Processo nº TC 625.141/94-6 Responsável: Dra. Marga Inge Barth Tessler, Juiza Federal Diretora do Foro. Órgão: Justiça

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 126, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2009 (D.O.U. de 03/12/09 - Seção 1 - Págs. 120 e

Leia mais

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa Notas técnicas Âmbito da pesquisa O âmbito da PEH incluiu os estabelecimentos que atenderam aos seguintes requisitos: ter exercido no ano de 2001 a atividade de alojamento, como atividade principal ou

Leia mais

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP7 Folha 1 / 7 AP7 UP7 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) A orla foi idealizada por Lucio Costa, em consonância

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 54 - Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES COM

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais