A THE COCA-COLA COMPANY EXISTE PARA BENEFICIAR TODOS AQUELES QUE TIVEREM CONTATO COM O NOSSO NEGÓCIO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A THE COCA-COLA COMPANY EXISTE PARA BENEFICIAR TODOS AQUELES QUE TIVEREM CONTATO COM O NOSSO NEGÓCIO."

Transcrição

1

2 QUALI

3 A THE COCA-COLA COMPANY EXISTE PARA BENEFICIAR TODOS AQUELES QUE TIVEREM CONTATO COM O NOSSO NEGÓCIO. Esta é a promessa da Coca-Cola. Cumprir a nossa Promessa da Qualidade no mercado é o nosso maior objetivo empresarial e uma obrigação permanente. DADE

4 Copyright 2007 The Coca-Cola Company

5 A cadeia de valor criada pelo Sistema Coca-Cola tem início nos produtos e serviços que vocês nos fornecem. Entregar com a mais alta qualidade requer uma execução consistente da nossa parte, de nossos parceiros engarrafadores, de nossos distribuidores e varejistas. Mas tudo isso começa com vocês, nossos fornecedores. Uma vez que a qualidade é a premissa do nosso negócio, o sucesso de vocês é essencial para o nosso. Esta segunda edição do Livreto de Expectativas de Desempenho dos Fornecedores reafirma o nosso compromisso em trabalhar em parceria com vocês na busca da melhoria contínua e da qualidade em tudo o que fazemos. Obrigado por seu comprometimento.

6 CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO 7 2 EXPECTATIVAS DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES 11 A Sistemas da Qualidade 11 B Programas da Qualidade 11 C Princípios de Conduta para os Fornecedores 14 D Serviços e Materiais Adquiridos 16 E Monitoramento e Controle de Processos 16 F Gerenciamento do Produto Final 18 G Segurança de Alimentos 19 H Resíduos Químicos e Controle de Contaminação 22 I Rastreabilidade 22 J Assuntos Regulatórios e Científicos 23 K Notificação de Ações Regulatórias 25 L Processo de Gerenciamento e Controle de Alterações 26 M Acesso do Auditor 27 N Segurança 27 O Contratos Legais 29 P Conformidade com as Leis 30 Q Confidencialidade 31 R Código de Conduta Empresarial 32 3 GLOSSÁRIO 33

7

8 1. Introdução A The Coca-Cola Company existe para beneficiar todos aqueles que tiverem contato com o nosso negócio. Mais de um bilhão de vezes todos os dias, consumidores de todo o mundo escolhem nossas bebidas para se refrescar e esperam a mais alta qualidade todas as vezes. Para alcançar essas exigências, sem falhas no decorrer da execução de toda a cadeia de fornecimento e na função de fornecedores do Sistema Coca-Cola vocês têm um papel vital em assegurar a qualidade e integridade das nossas bebidas. Seja você um fornecedor atual ou potencial de ingredientes, materiais de embalagem, equipamentos de vendas e marketing, ou um co-packer (co-embalador), esta publicação destacará nossas expectativas e requisitos para a autorização de nossos fornecedores. SOBRE A THE COCA-COLA COMPANY A The Coca-Cola Company é líder mundial em fabricação, comercialização e distribuição de concentrados e xaropes de bebidas não-alcoólicas, que são usados por uma rede de parceiros engarrafadores para produzir mais de 400 marcas de bebidas. A matriz da nossa corporação está em Atlanta, EUA, com operações em mais de 200 países. Nós suprimos nossos mercados locais com uma ampla variedade de bebidas, abrangendo todo o espectro de sabores e para todas as ocasiões. Entender a cultura local, incluindo as preferências em termos de trabalho, recreação e atividades de relaxamento, é essencial para desenvolver o crescimento sustentável dos nossos negócios em nível global. Além de fornecer bebidas de qualidade superior, também contribuímos com as comunidades ao redor do mundo por meio de nosso compromisso com programas para educação, saúde, bem-estar, meio ambiente e diversidade. Nós nos esforçamos em ser bons vizinhos, moldando de forma consistente nossas decisões sobre o negócio de modo a melhorar a qualidade de vida nas comunidades nas quais atuamos. QUALIDADE EM TUDO O QUE FAZEMOS Para nós, qualidade é mais do que simplesmente algo que podemos provar, ver ou medir. A qualidade é demonstrada em cada uma das nossas ações. Nós nos empenhamos incessantemente para exceder as expectativas, sempre em mutação, porque entregar produtos da mais alta qualidade no mercado é o maior objetivo do nosso negócio. Para realizar eficientemente esse objetivo, a Companhia se suporta no Sistema da Qualidade da Coca-Cola (SQCC). O SQCC é a nossa marca de sistema 7

9 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES de gerenciamento da qualidade. Desenvolvido por uma equipe multifuncional global e endossado pela alta direção da The Coca-Cola Company juntamente com os nossos principais parceiros engarrafadores, o SQCC é a estrutura dentro da qual o Sistema Coca-Cola coordena e orienta suas atividades, direciona a melhoria contínua, e constantemente busca qualidade em tudo o que fazemos. O SQCC apóia os quatro princípios de nossa estrutura de cidadania corporativa melhorando o local de trabalho, oferecendo qualidade ao mercado, preservando o meio ambiente e fortalecendo a comunidade. O SQCC reflete nossa abordagem integrada ao gerenciamento da qualidade, do meio ambiente e da saúde e segurança. ENTENDENDO AS NOSSAS EXPECTATIVAS Você encontrará aqui as nossas expectativas em uma só referência. Estas expectativas enfocam os resultados que devem ser alcançados e não têm a intenção de servir como prescrição. Embora cada fornecedor deva alcançar os mesmos resultados finais, o modo como isto é feito pode variar de local para local e de processo para processo. E embora entregar produtos da mais alta qualidade esteja certamente no centro do nosso negócio, existem outras expectativas associadas, tais como a responsabilidade social corporativa e a integridade pessoal. 8

10 EVOLUÇÃO 3 SISTEMA DA QUALIDADE DA COCA-COLA Você irá encontrar expectativas de qualidade (segurança de alimentos, integridade do produto) destacadas nas seguintes seções: Sistemas da Qualidade Programas da Qualidade Materiais/Serviços adquiridos Controle e monitoramento de processo Gerenciamento de produto final Segurança de alimentos Resíduo químico e controle de contaminação Rastreabilidade Assuntos regulatórios e científicos Segurança As expectativas da cidadania corporativa, assim como as práticas empregatícias, segurança no local de trabalho e práticas ambientais estão na seguinte seção: Princípios de Conduta para Fornecedores 9

11 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES Expectativas de Comunicação estão nas seguintes seções: Notificação de Ações Regulatórias Processo de Gerenciamento e Controle de Alterações Acesso do Auditor Contratos Legais Conformidade com as Leis Confidencialidade Expectativas em relação à honestidade e à integridade nas atividades do diaa-dia estão na seguinte seção: Código de Conduta Empresarial Nossas Divisões locais ou locais de recebimento individual (por exemplo, fábricas engarrafadoras) podem também ter expectativas específicas em relação aos seus negócios. Estas deverão ser claramente comunicadas a vocês como parte do processo de aquisição. 10

12 2. Expectativas de desempenho dos fornecedores A. SISTEMAS DA QUALIDADE Política Os fornecedores devem ter um Sistema da Qualidade efetivamente implementado que garanta consistência na entrega de produtos e prestação de serviços de alta qualidade ao Sistema Coca-Cola (The Coca-Cola Company e Fabricantes). Definições SISTEMA DA QUALIDADE 1. Um conjunto de procedimentos, atividades, estruturas organizacionais e controles de engenharia (tanto formais como informais) utilizados de forma a responder aos requisitos aplicáveis pelo direcionamento e regulação das atividades de asseguração da qualidade. 2. A estrutura organizacional, responsabilidades, procedimentos, processos e recursos necessários para implementação do gerenciamento da qualidade. Estrutura organizacional, políticas, programas e procedimentos necessários para gerenciar a qualidade e segurança dos produtos. Requisitos O Sistema da Qualidade deve ser documentado. O sistema deve incluir políticas, programas e procedimentos desenhados para assegurar a conformidade com as especificações de The Coca-Cola Company, requisitos regulatórios e as expectativas esboçadas neste documento. Deve existir um processo para assegurar que os programas, procedimentos, políticas e fórmulas mais atuais sejam eficazmente distribuídos para áreas funcionais da unidade do fornecedor. Devem ser conduzidas pelo fornecedor auditorias periódicas em seu Sistema da Qualidade, de forma a verificar a sua efetividade e identificar oportunidades de melhoria. B. PROGRAMAS DA QUALIDADE Política Os fornecedores devem implementar efetivamente, como parte do seu Sistema da Qualidade, os principais programas de qualidade esboçados nesta seção. Definição PROGRAMA DA QUALIDADE Um componente individual do Sistema da Qualidade como um todo, que é desenhado e implementado de forma a lidar com um conjunto específico de problemas, riscos ou preocupações que envolvam qua- 11

13 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES lidade. Um programa da qualidade pode incluir um vasto conjunto de procedimentos, atividades, estruturas organizacionais e controles de engenharia. Requisitos Os programas da qualidade que devem estar em uso incluem mas não estão limitados ao seguinte: CONFORMIDADE COM AS ESPECIFICAÇÕES No mínimo, os fornecedores da The Coca-Cola Company devem ter políticas e procedimentos de forma a assegurar que os produtos fornecidos para a The Coca-Cola Company atendam às especificações. BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Todo o pessoal da fábrica, visitantes e contratados externos devem no mínimo cumprir com os requerimentos das Boas Práticas de Fabricação (BPF) como definido pelas leis e regulamentações vigentes. Na ausência de leis e regulamentações locais, use o Good Manufacturing Practices (Título 21, Parte 110 United States Code of Federal Regulations or current EU Comission Directive) ou a European Union Food Safety Guidelines como referência. As Boas Práticas de Fabricação (BPF) relativas à produção, ao processamento e ao armazenamento de materiais alimentícios devem assegurar que estes materiais sejam seguros para consumo humano e que foram preparados, embalados e armazenados sobre condições sanitárias adequadas, o que inclui a prevenção de qualquer tipo de contaminação. As Boas Práticas de Fabricação requerem projetar e construir corretamente as instalações e equipamentos, treinar adequadamente o pessoal para a produção de materiais alimentícios de qualidade e para manter apropriadamente as condições da fábrica. BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO As Boas Práticas de Laboratório (BPL) devem incorporar uma série de princípios que proporcionam uma estrutura na qual os testes de laboratório são planejados, realizados, monitorados, registrados, relatados e arquivados. Esses testes devem gerar dados sobre perigos e riscos aos usuários, consumidores e terceiros, incluindo o meio ambiente, e podem ser relativos a produtos farmacêuticos, agroquímicos, cosméticos, aditivos e contaminantes em alimentos e rações, novos alimentos e biocidas. As BPL devem assegurar para as autoridades reguladoras que as informações prestadas são um reflexo verdadeiro dos resultados obtidos durante os testes e, portanto, confiáveis para se fazer avaliações de risco/segurança. Todas as fábricas, laboratórios contratados e colaboradores dos laboratórios devem cumprir com os requerimentos das BPL, conforme apresentado pelas leis e regulamentações em vigor. Na ausência de leis e regulamentações 12

14 EVOLUÇÃO 3 SISTEMA DA QUALIDADE DA COCA-COLA locais, use o Good Laboratory Practices (Título 21, Parte 58 United States Code of Federal Regulations or current EU Comission Directive) ou a European Union Food Safety Guidelines como referência. O laboratório deve usar métodos publicados, reconhecidos e validados. Quando os métodos de teste publicados não estiverem disponíveis, devem ser validados métodos desenvolvidos internamente de acordo com os requerimentos das BPL. A forma como o laboratório é equipado, organizado e gerenciado deve assegurar que os resultados dos testes sejam consistentes e confiáveis. TREINAMENTO DE PESSOAL Os fornecedores devem ter processos de treinamento planejados, funcionais e efetivos para os empregados responsáveis pelo controle, produção, transporte e armazenamento de produtos da The Coca-Cola Company. Os fornecedores devem assegurar que todos os colaboradores e contratados estejam treinados e qualificados a desenvolver as responsabilidades que lhes foram designadas. CONTROLE DE PRAGAS Um Programa de Controle de Pragas documentado deve estar estruturado de modo a prevenir com eficácia o desenvolvimento de pragas nas instalações e/ou nas proximidades. Esse programa deve ser gerenciado por pessoal treinado da fábrica. As atividades de controle de pragas devem ser realizadas por operadores de controle de pragas certificados ou por pessoal com treinamento equivalente. O uso de todos os inseticidas, fungicidas ou rodenticidas deve estar em acordo com as leis e regulamentações locais vigentes, tanto nos locais onde os produtos são produzidos quanto nos locais a que se destinam. Suplementos técnicos podem especificar outros requisitos. CONTROLES DE SANITIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO Um programa de sanitização e organização documentado deve estar implementado de modo a atender a todos os requisitos regulatórios e assegurar a limpeza das instalações e dos equipamentos de manuseio de produtos alimentícios. O programa também deve assegurar que todas as áreas de estocagem de ingredientes, embalagens, produtos em processo e acabados, e também os reboques, os carros e/ou os contêineres de embarque sejam mantidos em boas condições de limpeza e livres de pragas. Somente produtos químicos de limpeza que sejam aprovados para uso em equipamentos de produção de alimentos são permitidos para esta finalidade de uso específico. Programas para gerenciar o asseio das instalações devem estar incluídos nos controles de sanitização da fábrica do fornecedor. Um sistema para verificar e documentar a efetividade do programa de sanitização deve estar operante. 13

15 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES DESENHO DE EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES Instalações e equipamentos utilizados na produção, manuseio ou estocagem de materiais devem ser apropriadamente desenhados e adequados para o seu uso. As instalações e equipamentos devem sofrer manutenção para impedir potenciais contaminações ou exposição a elementos externos, substâncias odoríferas, pragas, materiais perigosos, contaminação microbiológica ou outras fontes de contaminação. MANUTENÇÃO DE REGISTROS Os fornecedores devem projetar e implementar um programa que assegure que os registros sejam adequados, e confirmem aderência aos padrões especificados e demonstrem a efetividade do Sistema da Qualidade. Devem ser estabelecidos registros atualizados, legíveis, identificáveis e rastreáveis. PROGRAMA DE AÇÕES CORRETIVAS/PREVENTIVAS Cada fornecedor deve projetar e implementar um programa de ações corretivas/preventivas que assegure que sejam tomadas ações para eliminar a causa de não-conformidades potenciais e existentes, de forma a prevenir ocorrências/recorrências. O programa de ações corretivas deve ser avaliado periodicamente para motivar a melhoria contínua, e as ações corretivas que sejam tomadas como resultado do programa devem ser analisadas para assegurar a sua eficácia. C. PRINCÍPIOS DE CONDUTA PARA OS FORNECEDORES Política Os fornecedores da The Coca-Cola Company devem apoiar práticas empregatícias justas e compatíveis com um comprometimento com os direitos humanos em seus locais de trabalho, além de proporcionar um ambiente de trabalho seguro. Fornecedores da, ou autorizados pela, The Coca-Cola Company devem obedecer a todas as leis aplicáveis, incluindo as leis locais 14

16 EVOLUÇÃO 3 SISTEMA DA QUALIDADE DA COCA-COLA referentes às horas de trabalho, compensação, direitos dos empregados em escolher se serão representados por terceiros, acordos coletivos etc. Requisitos No mínimo, os fornecedores da The Coca-Cola Company e fornecedores autorizados pela The Coca-Cola Company deverão atender aos seguintes padrões com respeito às suas operações, como um todo: LEIS E REGULAMENTAÇÕES Os fornecedores devem obedecer a todas as leis, regras, regulamentações e requisitos aplicáveis à produção e distribuição dos nossos produtos e suprimentos e ao fornecimento de serviços para a Companhia. TRABALHO INFANTIL Os fornecedores não deverão utilizar trabalho infantil, como definido pelas leis locais. TRABALHO FORÇADO Os fornecedores não deverão usar trabalho forçado ou compulsório. TRABALHO ABUSIVO Os fornecedores não deverão abusar do trabalho físico. LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO E ACORDOS COLETIVOS Os fornecedores deverão estar em acordo com todas as leis locais sobre a liberdade de associação e acordos coletivos. DISCRIMINAÇÃO O fornecedor deverá cumprir com todas as leis locais aplicáveis sobre discriminação. SALÁRIOS E BENEFÍCIOS Os salários e benefícios devem estar de acordo com as leis locais. CARGA HORÁRIA E HORA EXTRA A carga horária e as horas extras devem estar de acordo com as leis locais. SAÚDE E SEGURANÇA As condições de trabalho devem estar de acordo com as regulamentações locais. MEIO AMBIENTE O fornecedor deverá obedecer a todas as leis aplicáveis ao meio ambiente. Estes requisitos mínimos fazem parte de todos os acordos comerciais, novos ou renovados, entre The Coca-Cola Company e seus fornecedores diretos. Os fornecedores devem ser capazes de demonstrar para a The Coca-Cola Company, de maneira satisfatória, quando solicitados, a sua conformidade com estes requisitos. A The Coca-Cola Company tem o direito de inspecionar qualquer instalação envolvida com a comercialização para o seu Sistema. Qualquer fornecedor que falhar com os requisitos acima estabelecidos estará sujeito ao término de quaisquer acordos com a The Coca-Cola Company e suas subsidiárias, sem penalidades para a The Coca-Cola Company e suas subsidiárias, mas com obrigações de remediar danos diretos sofridos pela The Coca-Cola Company e suas subsidiárias. 15

17 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES D. SERVIÇOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS Política Os fornecedores devem desenvolver controles que assegurem que os serviços e materiais fornecidos atendam às especificações, regulamentações e leis aplicáveis. Definições REGULAMENTAÇÕES E LEIS APLICÁVEIS As leis e regulamentações governamentais dos locais onde os produtos são produzidos e dos locais onde os produtos possam ser entregues e as leis e regulamentações dos Estados Unidos relativas a embargos, sanções comerciais e econômicas e SND s Specially Designated Nationals ou pessoas impedidas (blocked persons). A lista de SND e pessoas impedidas é mantida no Web site do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos (United States Department of Treasury): enforcement/ofac/snd. SERVIÇOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS Os serviços ou materiais adquiridos pelos fornecedores para uso na elaboração de seus produtos finais. Requisitos Os fornecedores devem ter um programa para aprovação e avaliação periódica da performance de seus fornecedores de materiais. Os fornecedores devem ter especificações escritas para os materiais por eles adquiridos. As especificações devem estar documentadas de acordo com as leis e requisitos aplicáveis assim como com os requisitos da The Coca-Cola Company. Os fornecedores devem garantir que materiais e/ou serviços adquiridos de seus fornecedores aprovados estarão de acordo com as especificações estabelecidas. Um sistema deve estar implementado para evitar o uso de materiais adquiridos que não atendam às especificações. E. MONITORAMENTO E CONTROLE DE PROCESSOS Política Os fornecedores devem projetar e implementar programas de monitoramento e controle de processo que efetivamente assegurem que todos os seus produtos sejam produzidos em conformidade com as especificações da The Coca- Cola Company. Requisitos Os fornecedores devem definir claramente os processos utilizados para converter suas matérias-primas em produtos finais. Deve haver a identificação de 16

18 EVOLUÇÃO 3 SISTEMA DA QUALIDADE DA COCA-COLA entradas, saídas e pontos de controle (incluindo as freqüências de monitoramento) para cada processo. O fornecedor deve monitorar todos os processos de forma a assegurar que eles estejam operando adequadamente e sob controle; por exemplo, utilizando softwares de controle, ferramentas de controle estatístico de processo etc. Controles de calibração O fornecedor deve identificar os equipamentos críticos de processamento e teste, e projetar e implementar um programa de calibração para tais equipamentos de forma a assegurar a precisão e a validade dos resultados. O programa deverá incluir procedimentos para monitoramento do desempenho do equipamento de processamento e teste de forma a assegurar que o equipamento continue a desempenhar bem entre as calibrações. Controles de peso/enchimento O fornecedor deverá ter um programa de controle de peso/enchimento que obedeça a todos os regulamentos aplicáveis e aos requisitos da The Coca-Cola Company. 17

19 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES O programa de controle de peso/enchimento deve incluir uma rotina de calibração de balança e planos de ações corretivas. F. GERENCIAMENTO DO PRODUTO FINAL Política Os fornecedores devem ter um programa implementado para assegurar que todos os produtos finais sejam manuseados de uma maneira que proteja a sua qualidade e integridade. Além disso, os fornecedores devem ter controles para prevenir o carregamento e o transporte de produtos considerados nãoconformes. Definições PRODUTO ACABADO Produto, equipamento, material de embalagem ou ingrediente criado por um processo de fabricação de um fornecedor para uso pela The Coca-Cola Company. DETENÇÃO A quarentena, segregação ou contenção de materiais para prevenir seu uso ou distribuição. PRODUTO NÃO-CONFORME Produto, equipamento, material de embalagem ou ingrediente que não atenda às especificações ou aos requisitos regulamentares. Requisitos DESENHO DE INSTALAÇÕES DE ARMAZENAMENTO As instalações usadas para o manuseio ou o armazenamento de materiais e componentes devem ser apropriadamente projetadas e adequadas ao seu uso. (Ver Controles de Sanitização e Organização). TRANSPORTE Os processos internos de controle do fornecedor devem evitar o carregamento e o transporte de produtos não-conformes. Os fornecedores devem inspecionar todos os veículos de transporte no que diz respeito à sua integridade estrutural, limpeza e adequação, antes do carregamento. Os caminhões-tanque deverão ser usados exclusivamente para materiais alimentícios. Deve estar disponível a documentação mostrando os produtos anteriormente transportados e a limpeza do caminhão-tanque a ser utilizado. PADRÃO DE EMBALAGEM Todos os produtos finais deverão estar paletizados, a não ser que exista uma outra especificação em vigor. Os paletes devem ser feitos de materiais adequados e devem ser limpos, secos e livres de contaminantes (como por exemplo, inseticidas, fungicidas, pesticidas ou outros produtos químicos). Paletes de madeira devem ser secos em estufa. Padrões de embalagem de produto 18

20 EVOLUÇÃO 3 SISTEMA DA QUALIDADE DA COCA-COLA final devem ser aprovados pelo cliente. Qualquer variação nas condições aqui comentadas, incluindo o tipo de madeira do palete, deverá ser acordada e aprovada pela The Coca-Cola Company. PRODUTOS NÃO-CONFORMES Produtos não-conformes devem ser segregados ou identificados por localização/armazenagem física, marcas, selos autorizados, etiquetas, adesivos, rótulos, registros de inspeção, sistemas de inventário ou qualquer outro meio adequado para assegurar a prevenção de remessa. Procedimentos para retrabalho, descarte e/ou alteração do uso final dos produtos não-conformes devem estar em vigor e devem ser mantidos registros para total rastreabilidade. G. SEGURANÇA DE ALIMENTOS Política Os fornecedores de materiais classificados como alimentícios devem implementar um programa de proteção de segurança de alimentos, com base nos princípios da norma de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC HACCP), de forma a assegurar a saúde e segurança dos consumidores e clientes de seus produtos. O Sistema da Qualidade da Coca-Cola incorpora os princípios de outros padrões internacionais de segurança de alimentos, e programas como o CODEX HACCP e ISO Fornecedores de equipamentos de processamento de alimentos ou manuseio devem implementar um programa de proteção de segurança de alimentos baseado nos princípios HACCP ou equivalente, que siga os regulamentos e requisitos locais aplicáveis a equipamentos em contato com produtos alimentícios. Definições APPCC OU HACCP Uma abordagem preventiva e sistemática reconhecida internacionalmente para a identificação, avaliação e controle de perigos de segurança de alimentos. Em inglês: Hazard Analysis Critical Control Point. PERIGO Um agente ou fator biológico, químico ou físico, com potencial para causar um efeito adverso à saúde e que tenha probabilidade de ocorrer nos processos de produção e distribuição, caso não haja um controle sobre estes. ALERGÊNICOS Alimentos ou componentes de alimentos que sabidamente produzam reações alérgicas em uma parte da população reconhecida como de risco. MATERIAL ESTRANHO Qualquer material que não seja natural ao produto (metal, madeira, vidro, plástico, pedra, papel ou tecido). 19

21 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES MATERIAL EXTERNO Qualquer material indesejável que seja uma porção natural do produto (caules, folhas ou sementes). Requisitos Se aplicável, o fornecedor deve ter um programa documentado de proteção à segurança de alimentos que elimine ou reduza o perigo a um nível aceitável. Um programa de proteção à segurança de alimentos eficaz é constituído dos seguintes princípios: 1. Definição de perigos e riscos. 2. Identificação de pontos críticos de controle (PCC). 3. Limites críticos para cada PCC. 4. Descrição do procedimento de monitoramento para cada PCC. 5. Descrição de ações corretivas quando existir uma não-conformidade em um PCC. 6. Um sistema eficaz de registros. 7. Um sistema para verificar ou auditar rotineiramente o Programa de Proteção à Segurança de Alimentos, de forma a assegurar a sua eficácia. Os tipos de perigos que os fornecedores devem levar em consideração incluem quaisquer agentes ou fatores biológicos, químicos ou físicos com potencial para causar efeito adverso à saúde. Um plano deve ser implementado de forma a eliminar, reduzir a um nível aceitável, controlar e monitorar todos os possíveis perigos. Os fornecedores devem ter controle sobre os seguintes perigos como parte de seu Programa de Proteção à Segurança de Alimentos: Alergênicos Materiais Estranhos e Externos 20

22 EVOLUÇÃO 3 SISTEMA DA QUALIDADE DA COCA-COLA Controle de alergênicos Os fornecedores devem ter controles que permitam prevenir a presença de alergênicos alimentícios não declarados. Os alergênicos* alimentícios primários potenciais incluem, mas não estão restritos a: Aipo e seus derivados. Ovos e derivados. Leite e derivados (incluindo lactose). Mostarda e seus derivados. Amendoim e derivados. Crustáceos e seus derivados. Peixes e seus derivados. Sementes de gergelim e seus derivados. Nozes e castanhas e seus derivados. Trigo e cereais contendo glúten. Sulfitos. Soja e seus derivados. Tremoço e seus derivados. Moluscos e seus derivados. * Outros alergênicos alimentícios podem ser adicionados à lista, à medida que a sua importância para a saúde pública se torne reconhecida. Fornecedores devem assegurar que nenhum ingrediente não declarado deverá ser introduzido em um produto por quaisquer meios de contaminação cruzada. Matérias-primas, auxiliares de processo ou materiais de embalagem usados na produção de cada produto devem ser revistos, de forma a determinar se há alergênicos presentes. Caso estejam presentes, esses alergênicos deverão ser declarados. Os alergênicos presentes em produtos que fazem parte do processo produtivo devem ser apropriadamente identificados. 21

23 MANTENDO NOSSA PROMESSA PARA OS NOSSOS CLIENTES E CONSUMIDORES Deverão ser realizados controles para prevenir contaminações cruzadas dos produtos e apontá-las, caso ocorram. Controle de materiais estranhos e externos Os fornecedores devem conduzir uma avaliação de risco para identificar potenciais perigos de materiais estranhos ou externos. Os fornecedores devem ter controles, procedimentos e equipamentos que previnam a presença de materiais estranhos e externos em seus produtos. Como exemplos de práticas de prevenção, podemos citar, entre outros, o uso de detectores de metal, ímãs, telas e sistemas de filtração. H. RESÍDUOS QUÍMICOS E CONTROLE DE CONTAMINAÇÃO Política Os fornecedores deverão assegurar que apenas materiais químicos, ingredientes e aditivos legalmente permitidos e especificados pela Companhia estarão presentes em seus produtos finais. Requisitos Devem ser implementados e documentados controles para assegurar que somente sejam utilizados agentes químicos legalmente permitidos. As práticas agronômicas mundialmente aceitas, e que incluem estratégias de controle integrado de pragas, devem ser utilizadas para fabricar produtos de qualidade. I. RASTREABILIDADE Política Os fornecedores devem ter um sistema capaz de identificar e rastrear, em sua cadeia de valor, todos os produtos, ingredientes, componentes, matérias-primas e produtos em processo. Definições LOTE Uma quantidade definida de um produto. REGISTROS DE LOTE Um conjunto de registros e dados capazes de identificar por completo o histórico do lote. Isso inclui registros de aquisição, produção, testes e transporte. FALSO RECOLHIMENTO OU RECOLHIMENTO SIMULADO DE PRODUTOS Um recolhimento simulado do produto ou elemento manufaturado, incluindo o rastreamento de todos os registros de produção, embarque e transporte, bem como a total concordância quanto a quantidades recebidas, produzidas, armazenadas e embarcadas. 22

24 EVOLUÇÃO 3 SISTEMA DA QUALIDADE DA COCA-COLA NÚMERO DE SÉRIE Um código alfanumérico designado por um fornecedor para identificar uma unidade individual de produto, um equipamento, um recipiente, um palete e semelhantes. Requisitos Um sistema deve estar implementado para capacitar o fornecedor de modo a que ele possa rastrear o histórico completo de um lote. Isso inclui a identificação de todos os materiais (incluindo qualquer retrabalho realizado), de todas as condições de processamento, de todos os resultados analíticos e de todos os clientes para os quais o lote foi distribuído. Os fornecedores devem identificar de modo único cada lote. (Nota: Todas as regras de rastreabilidade descritas para um lote são aplicáveis a um número de série.) A eficácia do processo de rastreabilidade deve ser validada pelos falsos recolhimentos. J. ASSUNTOS REGULATÓRIOS E CIENTÍFICOS Política Os fornecedores devem dar informações completas e precisas para ajudar a garantir a segurança e a legalidade dos produtos da The Coca-Cola Company. REQUISITOS PARA OS FORNECEDORES DE INGREDIENTES Para novos ingredientes ou novos pedidos, os fornecedores de ingredientes devem fornecer informações completas e precisas oriundas dos seguintes formulários que serão providenciados pela The Coca-Cola Company: Pacote de Qualificação para novo Ingrediente (inclui, mas não está limitado a: características físicas, certificações religiosas, quando aplicáveis, declarações de alergênicos, certificados de legalidade, certificados de origem, classificações alfandegárias). 23

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA "Nossos valores e normas" para Parceiros de negócios Código de conduta do parceiro de negócios da MSD [Edição 1] A MSD compromete-se com a sustentabilidade

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Sistemas de gestão da segurança de alimentos Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos ABNT NBR ISO 22000:2006

Sistemas de gestão da segurança de alimentos Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos ABNT NBR ISO 22000:2006 Sistemas de gestão da segurança de alimentos Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos ABNT NBR ISO 22000:2006 Prefácio Nacional A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Assunto: Data de Emissão: 10 de maio de 2010 Expectativas da Qualidade do Fornecedor. Emitido por: Aprovado por: Revisado por:

Assunto: Data de Emissão: 10 de maio de 2010 Expectativas da Qualidade do Fornecedor. Emitido por: Aprovado por: Revisado por: Página: 1 de 45 KRAFT FOODS FORNECEDOR MANUAL DE EXPECTATIVAS DE QUALIDADE Emitido por: Aprovado por: Revisado por: Nome: Richard Zuurbier Ron Milewski Maluwa Behringer Cargo: Qualidade do Diretor da Qualidade

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elizangela Veloso elizangelaveloso@yahoo.com.br Carlos Antonio Pizo (UEM) capizo@uem.br Resumo A comercialização de

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 59, DE 27 DE JUNHO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

Food Defense Diretrizes a Fornecedores

Food Defense Diretrizes a Fornecedores Food Defense Diretrizes a Fornecedores Data de Revisão 16 de julio de 2010 Índice Tópico Número da Página Introdução 3 1. Administração do plano 3 a. Gerenciamento do plano 3 b. Funções e responsabilidades

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA NORMA DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA DE ALIMENTOS FSSC 22000

INTERPRETAÇÃO DA NORMA DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA DE ALIMENTOS FSSC 22000 INTERPRETAÇÃO DA NORMA DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA DE ALIMENTOS FSSC 22000 UM LIVRO BRANCO DOS DESAFIOS, IMPACTOS E OPORTUNIDADES CONTIDOS NA FSSC 22000 OUTUBRO DE 2009 AUTORES Supreeya Sansawat

Leia mais

Boas Práticas aliam Medicamentos e Tecnologia

Boas Práticas aliam Medicamentos e Tecnologia Boas Práticas aliam Medicamentos e Tecnologia As Boas Práticas de Fabricação para Medicamentos estão sendo atualizadas para acompanhar a aplicação de novas tecnologias e agora incluem até a Validação de

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 ISO SEGURANÇA DOS ALIMENTOS A norma especifica requisitos para o sistema de gestão da segurança dos alimentos, onde uma organização na cadeia produtiva precisa

Leia mais

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014 Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos Brasília, 29 de maio de 2014 Âmbito de aplicação Art. 1º Fica aprovado o Regulamento Técnico que estabelece

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

Histórico das Revisões

Histórico das Revisões PSQM-DO-007 05 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD

CÓDIGO DE CONDUTA DO PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA DO PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD Nossos valores e padrões para parceiros de negócios Código de conduta do parceiro de negócios da MSD [edição II] Dezembro de 2015 A MSD compromete-se com

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

VISÃO GERAL DAS NORMAS DE SISTEMAS

VISÃO GERAL DAS NORMAS DE SISTEMAS VISÃO GERAL DAS NORMAS DE SISTEMAS DE gestão de segurança de alimentos e projeto e fabricação de embalagens de alimentos UMA DISCUSSÃO SOBRE AS NORMAS DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DE ALIMENTOS E

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 1215 Ementa: Regula as atribuições do farmacêutico na indústria e importação de produtos para a saúde, respeitadas as atividades afins com outras profissões. O

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

Lei de Modernização da Segurança Alimentar nos EUA:

Lei de Modernização da Segurança Alimentar nos EUA: Lei de Modernização da Segurança Alimentar nos EUA: Visão Geral e Impacto para os Importadores e Exportadores Agosto de 2012 O presente documento refere-se às atualizações importantes relacionadas à Lei

Leia mais

GoodPriv@cy. Regulamento dos Requisitos do Selo de Proteção de Dados

GoodPriv@cy. Regulamento dos Requisitos do Selo de Proteção de Dados GoodPriv@cy Regulamento dos Requisitos do Selo de Proteção de Dados Publicação: Versão 3.0 Janeiro de 2007 Origem: Este documento é equivalente ao GoodPriv@cy Regulations relating to requirements of the

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01 ZANDEI INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS LTDA 1/24 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CÓD: MQ/01 REV: 02 PÁG: 2 / 26 REGISTRO DE REVISÕES N Data Item Súmula Revisão

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 CONSULTA PÚBLICA O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

ntegridade integridade Código de Conduta do Fornecedor da Monsanto Brazilian Portuguese

ntegridade integridade Código de Conduta do Fornecedor da Monsanto Brazilian Portuguese ntegridade ando vidas produzindo mais conservando mais melhorando vidas produzin integridade zindo mais conservando mais melhorando vidas produzindo mais conserva vidas produzindo mais conservando mais

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Finalidade e escopo Na Pearson (incluindo suas subsidiárias e empresas com controle acionário), acreditamos fortemente que agir de forma ética e responsável

Leia mais