SISTEMAS DE ABSORÇÃO DE USO DOMESTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE ABSORÇÃO DE USO DOMESTICO"

Transcrição

1 SISTEMAS DE ABSORÇÃO DE USO DOMESTICO Sistemas de Absorção são baseados em diversos combinações de substâncias que tem uma propriedade rara, uma substancia, liquida, que executa a função de refrigerante e outra que absorve este refrigerante. A substância que absorve o refrigerante pode ser sólida ou liquida. Quando a substância absorvente é sólida esse processo é algumas vezes chamado de Adsorção,, se a substancia absorvente é liquida o processo recebe o nome de Absorção. Deste forma existe dois tipos de sistemas de absorção, um usando absorvente sólido e outros absorventes líquidos, e os sistemas também podem ser classificados em: Sistemas de Absorção Intermitentes Sistemas de Absorção Contínuos Sistemas de Absorção Intermitente Os equipamentos de refrigeração por absorção intermitentes para uso domestico, pela sua simplicidade foram muito utilizados desde 1823, quando foi criado por Carré, até aproximadamente 1930, e que tinham como inconveniente o fato de ser necessário estar continuamente realizando sua Fase Preparatória, ou destilação do refrigerante, para conseguirse o funcionamento do mesmo. Alguns dos equipamentos de refrigeração intermitentes muito utilizados foram o "Ice-Ball" (Bola de Gelo), utilizados no início do seculo 20, além dos modelos "Trukold" e o "Superflex", que será detalhado abaixo, e que usavam Água como Absorvente Liquido e Amônia como Refrigerante. Apesar de não muito utilizados existiu também equipamentos de absorção utilizando "Absorvente Sólido" que foram produzidos, não com muito sucesso, nos Estados Unidos. Sistema Intermitente usando Absorvente Sólido de uso domestico. Um esquema de um ciclo de absorção utilizando um absorvente liquido, como Cloreto de Prata, utiliza os mesmos princípios das idéias de Faraday, e seu esquema básico de funcionamento pode ser observado na Figura a seguir. Este tipo de sistema foi comercializado com o nome de "Refrigerador Faraday" e foi construido pela empresa Faraday Refrigerator Corp.

2 Figura - Unidade elementar de refrigeração com absorvente sólido com condensador resfriado a água. Aplicando-se calor ao Gerador ou elemento Absorvedor a amônia na forma de vapor se desprendera, da massa sólida de cloreto de prata, aumentando a pressão, até o ponto em que o Condensador resfriado a água ou a ar retirará suficiente calor para liqüefazer o gás a esta pressão elevada. O refrigerante se liquefara no Condensador e passará para o deposito de liquido, forçado pela pressão do vapor que entra no condensador. Depois que o Deposito de Liquido e o Condensador contém suficiente quantidade de amônia, interrompe-se o aquecimento e o Gerador resfria. Quando a temperatura do Absorvedor abaixar, o que acarretará também em uma queda da pressão do sistema, este começa a reabsorver a amônia que se evapora na Unidade Resfriadora, retirando para isto calor deste local. A medida que o vapor de amônia vai retornando para o Absorvedor vai se transformando em liquido, começa ocorrer um aumento de temperatura dentro do Absorvedor, sendo ncecessário retirar este calor. O aparelho esta construido de tal forma que pode obter a amônia somente da unidade Resfriadora, tornando-se necessário que se produza uma evaporação da mesma, ocasionando uma remoção de calor da Unidade Resfriadora e do ambiente próximo a ela. Se esta unidade Resfriadora estiver localizada em uma caixa isolada, um refrigerador, terá sua temperatura reduzida. Quando toda a amônia for novamente absorvida pelo Absorvedor, o resfriamento na Unidade Resfriadora deixa de existir, e deve-se novamente retomar toda a operação.

3 Sistema Intermitente usando Absorvente Líquido O refrigerador "Superflex", de uso domestico foi construído e comercializado pela empresa americana Perfection Stove Co., por volta dos anos 30, e foi um grande concorrente, na época, do refrigerador "Ice-Ball", foi muito utilizado em locais onde não havia fornecimento de energia elétrica, e seu funcionamento se baseava na queima de querosene. O ciclo de refrigeração por absorção do "Superflex" era baseado nos princípios de Faraday e também estava dividido em duas etapas de funcionamento a de destilação de refrigerante para a Geração da Amônia ou "Fase Preparatória" e a Refrigeração. Na fase inicial de Geração da Amônia, a amônia está misturada com água em um Tanque ou Gerador (A), conforme observado no esquema da Figura a baixo, sob a qual estão localizados alguns Queimadores a Querosene (M). Quando os Queimadores estão acesos e calor esta sendo fornecido ao Gerador, a amônia por ser mais volátil se separada, por evaporação, da mistura de água-amônia. Figura - Geração da amônia, Fase inicial, de funcionamento de um refrigerador intermitente de absorção "Superflex". Ao vapor de amônia é forçado pelo Tubo (D) a passar através da serpentina do Condensador (E), a qual esta mergulhada em água contida dentro do Tanque (B), colocado na parte superior do refrigerador. A diminuição da temperatura produz a condensação do vapor de amônia a mesma pressão da geração. Para climas muito quente, existia uma depressão (L) na parte superior do tanque

4 condensador que podia ser preenchida com água, cuja evaporação produzia um resfriamento do tanque. A amônia liquida cai através de um tubo no Deposito de Liquido (C) que esta envolto em um isolante térmico (F) para evitar o resfriamento excessivo do compartimento de alimentos, passando em seguida à Unidade de Resfriamento ou Evaporador Inundado (K) que esta rodeada de Salmoura (H). A Salmoura (H) onde estava contido do Evaporador (K) tinha a finalidade de aumentar a inércia térmica do refrigerador, ou seja manter a baixa temperatura do sistema durante o período de Geração da Amônia. O processo continua durante um período relativamente curto de tempo, aproximadamente 60 minutos, até ser consumido todo o querosene, apagando-se automaticamente os queimadores, dando inicio a segunda etapa do processo. A segunda etapa do processo ou a Refrigeração se inicia a medida que o Gerador (A) se resfria a temperatura ambiente, a amônia começa a se evaporar a temperatura muito baixa na unidade Evaporadora (K), porque à medida que o Gerador (A) se resfria tende a absorver o vapor de amônia, reduzindo a pressão e permitindo a evaporação da amônia liquida no Evaporador (K), esta evaporação seguida do abaixamento da temperatura origina o efeito refrigerante no compartimento de alimentos. A água do Gerador (A) se resfria rapidamente depois que os queimadores de apagam e como a água fria possui forte afinidade com a amônia, o vapor formado na unidade Evaporadora (K) volta ao Gerador (A), através do Tubo (G), conforme indica as setas na Figura a seguir. Como a amônia esta sendo absorvida pela água, do Gerador, este passa a receber o nome de Absorvedor (A), devido a função que ele esta desempenhando.

5 Figura - Refrigeração, Segunda Etapa, de funcionamento um Refrigerador intermitente de absorção "Superflex". Em outras palavras, o calor dos Queimadores impele a amônia do Gerador (A) para a Unidade Evaporadora (K) em um curto espaço de tempo. A amônia vaporiza na Unidade Evaporadora e volta lentamente ao Gerador, que agora esta executando a função de Absorvedor (A). A vaporização da amônia durava em torno de 24 a 36 horas, findo este tempo deveria ser novamente repetido todo o processo, acendendo os queimadores, após o reservatório de querosene ser reabastecido. Atualmente não existem mais refrigeradores de absorção intermitente para uso domestico pois os mesmos perderam sua posição para os equipamentos de refrigeração de uso continuo, tanto absorção como os mecânicos, que possuem maior praticidade. Contudo estes equipamentos poderiam atender algumas regiões mais carentes do pais devido a seu baixo custo de produção, usando como meio de fornecimento de calor o próprio querosene, ou adaptado para queima de outros combustíveis tais como lenha, carvão, etc. Sistema de Absorção Continuo O sistema de absorção continuo é aquele que simultaneamente, pode condensar e evaporar o refrigerante. Para se tornar continuo o funcionamento de uma instalação de

6 refrigeração por absorção é necessário encontrar meios de vencer a diferença de pressão entre as duas fases do processo, Fase de Geração com maior valor de pressão e a Fase de Refrigeração com menor valor. Nos pequenos sistemas de absorção continuo a solução adotada foi a de equilibrar as pressões totais, nas duas fases do processo, adotando na parte de baixa pressão do processo, Evaporação e Absorção, um gás neutro, o Hidrogênio (H 2 ), que tornou possível a continuidade do sistema, sendo este operado através do uso de controles automáticos. Estes Sistemas de Absorção Continuo de uso domestico utilizam a amônia como refrigerante e a água como Absorvedor, e o calor é fornecido ao Gerador por combustão direta de propano ou um elemento aquecedor elétrico ou ambos. Muitas empresas produziram variações deste sistema de absorção sendo que o funcionamento básico de todos eles se baseava no seguinte; O calor fornecido ao Gerador, Figura a seguir, aquece a solução de água e amônia, fazendo evaporar a amônia, que é mais volátil que a água. Figura - Sistema simplificado de um refrigerador domestico de funcionamento continuo empregando água-amônia e hidrogênio O vapor de amônia passa através do Tubo de Passagem, levando consigo porções de água até um Separador. Do Separador, o líquido absorvente é drenado por gravidade

7 através de um sifão de liquido em tubo com forma de "U" para o Absorvedor esfriado a ar, enquanto o vapor de amônia, menos denso, passa diretamente para o condensador resfriado a ar onde se condensa. A amônia liquida é então drenada, por gravidade, do Condensador através do sifão em forma de "U" para o Evaporador. A evaporação da amônia dentro do Evaporador se processa na presença do Hidrogênio, (H 2 ), de modo que a pressão parcial da amônia seja suficientemente baixa para obter-se a temperatura de refrigeração desejada. Este principio da pressão parcial esta baseada na Lei de Dalton (*). O vapor de amônia acompanhado de algum gás hidrogênio, passa do Evaporador para o Absorvedor onde o vapor da amônia entra em solução com o absorvente, enquanto que o gás de hidrogênio por ser muito difusível só se apresenta com a amônia na fase gasosa não tendo e também afinidade com o absorvente, passa através do Absorvedor e retorna ao Evaporador. Os dois tubos em "U" existentes no sistema servem para manter o gás Hidrogênio preso no Evaporador e no Absorvedor, onde a pressão parcial da amônia deve ser mantida, evitando que o mesmo passe para o lado do Separador, Gerador e Condensador. Nota(*): A lei de Dalton, determina que se dois ou mais gáses ocupam um sistema a pressão total exercida por estes gases é a soma da pressão parcial de cada gás, como se cada gás ocupasse sozinho o sistema. Desta forma a pressão do Gerador, Absorvedor e Condensador é semelhante a pressão total do Evaporador e Absorvedor, só que nestes a pressão é exercida pelo soma das pressões parciais do Hidrogênio e Amônia. Sistema de Absorção Continuo de uso Doméstico - "SERVEL" O primeiro refrigerador de absorção continuo de uso domestico que mais se popularizou, e que tinha com resfriamento a água, foi criado pelos engenheiros suecos Baltzar von Platen e Carl Georg Munters, e comercializado pela empresa A.B.Eletrolux da Suécia em Este sistema foi licenciado e fabricado nos Estados Unidos em 1927 pela organização Servel Inc. com o nome de sistema "Servel", esta empresa fabrica refrigeradores de absorção de uso domestico até os dias atuais. O moderno sistema "Servel", Figura a seguir,com resfriamento a ar, usa amônia como refrigerante e água como absorvente e é utilizado o Hidrogênio, (H 2 ), para se criar uma pressão parcial no Absorvedor e Evaporador que permitira a evaporação da amônia a baixa pressão. Na Figura a letra (A) representa a amônia e a letra (H) o hidrogênio. Quando se fornece calor para o Gerador (1), pela queima de gás ou resistência elétrica, aquece-se a solução água-amônia, a uma temperatura de aproximadamente

8 170 0 C, desprendendo-se o vapor de amônia desta solução. O vapor que se forma na parte (1b), sobe pelo tubo (10) nesta subida o vapor de amônia carrega consigo uma parcela da solução água-amônia, até a parte superior do Separador (11). A maior parte da solução liquida água-amônia assenta no fundo do Separador (11) e daí passa através do Intercambiador de Calor (9) e daí para o Absorvedor (4). O vapor de amônia por ser menos densa, sobe pelo tubo central no interior do Separador (11) e se caminha para o Analisador (6). Dentro do Analisador (6) e separado qualquer vapor de água que possa ter sido carregado junto com o vapor de amônia que sobe para o Retificador (7). Figura - Diagrama do ciclo de re de absorção domestico "Servel"

9 O Retificador (7) é um trocador de calor esfriado a ar que consiste de um tubo onde estão fixado uma série de aletas externas, sua finalidade e eliminar qualquer vestígios de vapor de água que possam estar contido no vapor de amônia, a fim de assegurar um vapor de amônia puro. No retificador o vapor de água é condensado e por gravidade retorna ao Analisador (6). Do Retificador (7) o vapor de amônia entra no Condensador (2), que se consiste de um trocador de calor a ar construído por uma série de tubos dobrados onde são fixados aletas externas. O Retificador (7) assegura que qualquer vapor de água ainda existente na amônia condensará ao analisador (6). Dentro do Condensador (2) o vapor de amônia passa a perder calor para o meio exterior e parte dela é condensada transformando-se em liquido, em (2a), e se encaminha para o Evaporador (3). A primeira parte da amônia pura que se condensou (2a) entra no Evaporador em (3b). Ainda no Condensador, dentro da parte (2b) condensa a parte restante da amônia. O tubo em "U", funciona como um sifão, m formando um deposito de liquido no seu interior do ciclo, quando a amônia alcança determinado nível, escoa por gravidade, para a serpentina do Evaporador (3a) e (3b). O Evaporador é constituído por uma série de tubos dobrados com aletas externas, onde dentro dele a amônia vai evaporar e absorver calor do compartimento de alimentos do refrigerador, produzindo também congelamento de água em cubos de gelo. O hidrogênio, (H 2 ), dentro do evaporador, permite criar uma pressão parcial da amônia suficientemente baixa para obter-se a temperatura de refrigeração desejada. Este principio da pressão parcial esta baseada na Lei de Dalton. A amônia liquida ao entrar no Evaporador (3a) entra em contato com a mistura gasosa Hidrogênio, (H 2 ), e amônia, que subiu pela parte externa do Intercambiador de Calor (8). A mistura é muito pobre em amônia e esta tem uma pressão parcial muito pequena, desta forma a amônia liquida que entra no Evaporador (3a) deve ter uma pressão parcial maior que a da amônia na mistura para que a difusão possa ocorrer. A pressão total do sistema Evaporador (3) e Condensador (2) são iguais, com um valor aproximado de 2000 kpa, para se conseguir uma temperatura no evaporador de C, a pressão de saturação (parcial) da amônia deve ser de 190,7 kpa, para que isto aconteça a pressão parcial do hidrogênio será de 1809,3 kpa. A temperatura dentro do Evaporador (3) não é constante, pois ao entrar no Evaporador em (3a) a amônia liquida tem uma pressão parcial menor dentro da mistura, gerando uma menor temperatura (-20 0 C) no Evaporador (3a). Na segunda parte do Evaporador (3b) a amônia no estado de vapor possui uma maior pressão

10 parcial dentro da mistura o que causa uma maior temperatura (-10 0C) dentro do Evaporador (3b). Quanto maior for a massa de hidrogênio dentro do sistema maior será a sua pressão parcial e portanto menor será a pressão parcial da amônia que causara uma menor temperatura de evaporação. A amônia evaporada, dentro do Evaporador (3), e se difunde na mistura, hidrogênio e vapor de amônia, aumentando a sua densidade. Esta mistura rica em amônia movido pela diferença de densidade, desce através do tubo central do Intercambiador de Calor (8) até o Absorvedor (4). Dentro do Absorvedor (4) o vapor da amônia entra em solução com o absorvente enquanto que o hidrogênio, por ser muito difusível só com a amônia na fase vapor, não tendo afinidade com o absorvente, se libera, e junto com uma pequena parcela de vapor de amônia, passa através do tubo externo do Intercambiador de Calor (8) e retorna ao Evaporador (3). Enquanto isso, a solução diluída pobre de amônia e água, que se encontra no Separador (11), passa através da parte central do tubo do Intercambiador de Calor de Líquido (9) e pelo tubo aletado externamente do Trocador de Calor a Ar (12) para dentro do Absorvedor (4). O Absorvedor (4) é um trocador de calor resfriado a ar constituído de um tubo aletado externamente, dentro do qual se resfria o absorvente, solução de água pobre em amônia. A solução absorvente "fria", e rica em água, absorve o vapor de amônia, da solução vapor de amônia e hidrogênio, vinda do Evaporador (3). A solução de absorção da amônia e exotérmica, libera calor, que deve ser removido dentro dos tubos aletados externamente do Absorvedor (4). A solução agora concentrada, rica em amônia, fria e mais densa, desce pela parte inferior do absorvedor (4), através da parte externa do Intercambiador de Calor de Liquido (9) para o Analisador (6) e daí para o Gerador (1), onde o ciclo se reinicia. - Agosto.2011 Valter Rubens Gerner Eng. Mecânico, formado pela FEI, em Refrigeração e Ar Condicionado, em Professor de Temofluidomecânica, Refrigeração e Climatização na Escola SENAI "Oscar Rodrigues Alves" Fone: (011) S.Paulo-SP

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE Matéria é tudo em que você puder pensar, destas páginas que você está lendo até a cadeira que você está sentado, a água que

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor.

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor. Módulo IV Propriedades de Substâncias Puras: Relações P-V-T e Diagramas P-V, P-T e T-V, Título, Propriedades Termodinâmicas, Tabelas Termodinâmicas, Energia Interna, Entalpia, Calores Espercíficos c v

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Os principais sistemas de refrigeração são listados a seguir: Sistema de refrigeração por compressão; Sistema de refrigeração por absorção;

Leia mais

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP 'HVFULomRGDSODQWD Neste capítulo, será descrita a planta de produção de vapor para secagem do fermento. Os dados desta descrição correspondem às instalações em funcionamento durante o ano de 2002 de uma

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA A matéria pode se apresentar em diferentes estados físicos, como sólido, líquido e gasoso. Algumas propriedades da matéria dependem de seu estado físico. O estado sólido Em determinada

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas 01. (Uepg) Quanto às características das substâncias puras e das misturas, assinale o que for correto. 01) Misturas sólidas homogêneas não podem

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 São estratégias de projeto que devem ser adotadas quando não se consegue tirar partido dos recursos naturais. Geralmente são indispensáveis

Leia mais

Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700. Instalação. Sistema Elétrico. Localização da Máquina de Gelo

Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700. Instalação. Sistema Elétrico. Localização da Máquina de Gelo Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700 Instalação Localização da Máquina de Gelo Sistema Elétrico O local selecionado para a máquina de gelo deve atender os critérios seguintes. Se algum desses critérios

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você!

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar por Refrigeração CPX 2011 Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar CPX 2. Condensados O ar comprimido produzido pelos compressores contém vapor de água que poderá

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Mecânica Ramo: Termotecnia Disciplina: Projecto do Curso Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para

Leia mais

CONDICIONADOR DE AR. Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga

CONDICIONADOR DE AR. Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga CONDICIONADOR DE AR Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga Introdução A industria automotíva esta sempre tentando inovar e tentar fazer carros mais economicos, resistentes e confortáveis.

Leia mais

Sistemas de vaporização artificial

Sistemas de vaporização artificial GRUPO ULTRA Sistemas de vaporização artificial Categoria PROJETO DE INSTALAÇÕES Douglas Xavier de Souza Instalação Industrial Ultragaz Josué Diniz de Alencar Instalação Industrial Ultragaz Fernando Angelo

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

Termelétrica de Ciclo Combinado

Termelétrica de Ciclo Combinado Termelétrica de Ciclo Combinado As usinas termelétricas são máquinas térmicas que têm como objetivo a conversão da energia de um combustível em energia elétrica. A eficiência térmica de conversão destas

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas

Leia mais

Solidificação: é o processo em que uma substância passa do estado líquido para o estado sólido.

Solidificação: é o processo em que uma substância passa do estado líquido para o estado sólido. EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS 1. (G1) Explique o significado das palavras a seguir. Observe o modelo. Solidificação: é o processo em que uma substância passa do estado líquido para o estado sólido. Vaporização:

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas Separação de Misturas Misturas que possuem propriedades diferentes em sua extensão. Pode-se notar superfície de separação entre os componentes. O componente mais denso encontra-se na parte inferior numa

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... *

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO Antes de verificarmos como ocorrem as mudanças de estado físico de uma substância, vamos caracterizar cada um dos estados aqui estudados.

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 01 Propriedades e aplicação dos materiais H55/H56 02 Propriedades específicas, físicas

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Mecânica SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO Sílvio de Oliveira Júnior Arlindo Tribess Alberto Hernandez Neto Flávio Augusto

Leia mais

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL MESTRADO EM ENGENHARIA DE PROCESSOS FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Prof. André Luis Dantas Ramos e Prof. Alexandre Ferreira Santos, PEP/NDTR/UNIT 1 Regulamentação

Leia mais

INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO A EXPERIÊNCIA DA MADEF

INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO A EXPERIÊNCIA DA MADEF 1 INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO POR A EXPERIÊNCIA DA MADEF Ingo Norberto Mühle Gerente da MADEF S.A. Indústria e Comércio Rua Liberdade, 1315 Vila Rosa CEP 92020-240 - Canoas, RS Madefdir@zaz.com.br CEP

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

ATIVIDADE II COLÉGIO TIA IVONE - CTI. PROFESSOR: NEW CRISTIAN SÉRIE: 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Aluno(a): 1. Conceitue:

ATIVIDADE II COLÉGIO TIA IVONE - CTI. PROFESSOR: NEW CRISTIAN SÉRIE: 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Aluno(a): 1. Conceitue: COLÉGIO TIA IVONE - CTI DISCIPLINA: QUÍMICA Data: / /2012 PROFESSOR: NEW CRISTIAN SÉRIE: 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Aluno(a): ATIVIDADE II 1. Conceitue: a) Matéria b) Energia 2. Qual a relação entre matéria

Leia mais

Termos Técnicos Ácidos Classe de substâncias que têm ph igual ou maior que 1 e menor que 7. Exemplo: sumo do limão. Átomos Todos os materiais são formados por pequenas partículas. Estas partículas chamam-se

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA.

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA. AULA 05 TERMOMETRIA E ALORIMETRIA 1- TEMPERATURA Todos os corpos são constituídos de partículas, a olho nu nos parece que essas partículas estão em repouso, porém as mesmas têm movimento. Quanto mais agitadas

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÃO...4

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2 7 TRANSFERÊNCIA DE CALOR O calor é a forma de energia que se propaga de uma região a uma temperatura mais alta para outra região de temperatura mais baixa. A energia transferida pelo fluxo de calor não

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Mudanças de Fase. Estado de agregação da matéria

Mudanças de Fase. Estado de agregação da matéria Mudanças de Fase Estado de agregação da matéria Investigando melhor... Para produzirmos gelo é preciso levar água até o congelador. Para produzirmos vapor é preciso levar água à chama de um fogão. Por

Leia mais

Ernesto entra numa fria!

Ernesto entra numa fria! A UU L AL A Ernesto entra numa fria! Segunda-feira, 6 horas da tarde, Cristiana e Roberto ainda não haviam chegado do trabalho. Mas Ernesto, filho do casal, já tinha voltado da escola. Chamou a gangue

Leia mais

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz Atlas Copco Secadores de ar comprimido por refrigeração FX1-16 60 Hz Capacidade total, responsabilidade total A Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade para garantir uma excelente produtividade.

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 4 Calorimetria e mudanças de fase Calor sensível e calor latente Lei geral das trocas de calor... 1 Módulo 5 Calorimetria Estados físicos da matéria... Módulo Calorimetria

Leia mais

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação...

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação... PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Mudanças de estado

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA PROFESSOR PAULO CESAR (www.profpc.com.br) MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA PROFESSOR PAULO CESAR (www.profpc.com.br) MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES 01- A água é uma substância que existe em grande quantidade no nosso planeta. Ela se apresenta na natureza em três estados físicos. Quais são os estados físicos em que a água

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8 Geradores de Vapor 4º ano Aula 8 2 Perdas de Calor nos geradores de vapor Tópicos Balanço de energia Perdas de Calor Método do Balanço Directo Método do Balanço Indirecto Perdas de Calor com Gases Efluentes

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais